SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Quando olhamos à nossa volta, ficamos maravilhados com a enorme variedade de materiais que temos ao nosso dispor. Muitos materiais, como… madeira granito
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Carne e leite Petróleo
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Água da nascente Peixe
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL ...existem na Natureza. Outros materiais, como…
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Plásticos Tintas e vernizes Papel
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Detergentes Adubos Cimento
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Queijos maionese iogurtes Sumo de laranja de pacote
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL … resultam da transformação de materiais existentes na Natureza ou são totalmente produzidos em laboratório.
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL São os  químicos  que, trabalhando em colaboração com engenheiros, médicos, físicos, biólogos e outros,  estudam as propriedades dos materiais  existentes, investigam a possibilidade de os  transformar noutros materiais  mais adequados para certos fins e, finalmente,  produzem materiais novos .
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL A Química é uma ciência que estuda a constituição, as propriedades e certas transformações dos materiais. Tudo começa a partir da observação atenta dos materiais com vista à sua classificação.
COMO PODEMOS CLASSIFICAR MATERIAIS TÃO DIVERSOS PARA MELHOR OS ESTUDARMOS? É enorme a variedade de materiais que nos rodeiam; daí a necessidade de os classificarmos. A classificação depende do critério utilizado. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Pensa em várias maneiras de poderes agrupar os materiais…
COMO PODEMOS CLASSIFICAR MATERIAIS TÃO DIVERSOS PARA MELHOR OS ESTUDARMOS? Se o critério escolhido for a origem, os materiais podem ser classificados em: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Naturais  : são os que podem ser usados tal como existem na Natureza. Manufacturados : podem ser os materiais obtidos por transformação dos naturais ou os materiais totalmente produzidos no laboratório que se chamam sintéticos.
COMO PODEMOS CLASSIFICAR MATERIAIS TÃO DIVERSOS PARA MELHOR OS ESTUDARMOS? Para os químicos é importante  classificar os materiais em  substâncias  e  misturas de substâncias . CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL O critério usado para esta classificação é o número de componentes que entram na constituição dos materiais.
COMO PODEMOS CLASSIFICAR MATERIAIS TÃO DIVERSOS PARA MELHOR OS ESTUDARMOS? Assim: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL São substâncias puras , ou simplesmente substâncias, os materiais que têm  um só componente na sua constituição . São misturas de substâncias , os materiais constituídos por  dois  ou mais componentes .
EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL O ar que respiramos tem, entre outros componentes, oxigénio, azoto, vapor de água e dióxido de carbono. O  ar é uma mistura de substâncias. O oxigénio, azoto, vapor de água e dióxido de carbono  são exemplos de substâncias.
EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL A água do mar tem, na sua constituição, água, cloreto de sódio – o sal que a torna salgada –, outros minerais e ainda restos de algas, conchas e areias. A água do mar  é uma mistura de substâncias. A água e o cloreto de sódio  são exemplos de substâncias.
EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Na água gaseificada há, além de água, dióxido de carbono – que forma as bolhinhas gasosas – e sais minerais. A água sem gás tem, também, sais minerais dissolvidos. A água gaseificada e a água sem gás são  uma mistura de substâncias. A água e o dióxido de carbono são exemplos de  substâncias .
EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL O latão é uma liga metálica de cobre e zinco. O latão é uma  mistura de substâncias. O cobre e o zinco são  substâncias.
EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL No granito observam-se componentes de cores e brilhos diferentes: o quartzo, o feldspato e a mica. O granito é uma  mistura de substâncias. O quartzo, o feldspato e a mica são  substâncias.
EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Na água destilada considera-se que existe apenas água. A água destilada  é uma substância.
O SIGNIFICADO DO TERMO PURO CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Os químicos usam o termo puro sempre que se referem a materiais que têm um só componente na sua constituição, ou seja, um  material é puro  quando se trata de uma  substância. Será este o significado do termo puro na linguagem do nosso dia-a-dia?
O SIGNIFICADO DO TERMO PURO CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Na linguagem do dia-a-dia, o termo puro quer significar que o produto não está contaminado, ou seja, que não contém substâncias  estranhas à sua constituição.
TIPOS DE MISTURAS CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Os  materiais  que nos rodeiam são  quase todos misturas  de substâncias, embora possam ter  aspectos muito diferentes . Há misturas nas quais é fácil distinguir visualmente alguns ou todos os componentes. Chamam-se  misturas heterogéneas , porque têm um aspecto diferente ao longo da sua extensão. Hetero=diferente
TIPOS DE MISTURAS CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Noutras misturas, não é possível distinguir os componentes. Chamam-se  misturas homogéneas , porque têm o mesmo aspecto em toda a sua extensão. Homo=igual
TIPOS DE MISTURAS CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Por vezes, pensamos estar em presença de uma mistura homogénea, mas a sua observação mais cuidada mostra-nos que não é assim. Chamam-se  misturas coloidais . Outros exemplos:  maionese (gotículas de azeite dispersas); leite (gotículas de gordura dispersas em água); tinta de parede (gotículas de óleo dispersas em água); manteiga, queijo e o iogurte (gotículas de gordura dispersas numa massa homogénea); nevoeiro (gotículas de água dispersas no ar).
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL
TIPOS DE MISTURAS CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Podemos concluir ainda o seguinte: Um material heterogéneo é sempre uma mistura; Um material homogéneo pode ser uma substância ou uma mistura.
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Se juntares no mesmo recipiente duas ou mais substâncias podes obter uma mistura homogénea ou não. Os químicos chamam  soluções  às misturas homogéneas.
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Quando juntas um pouco de açúcar e água, parece que o sólido desaparece. Diz-se, por isso, que o açúcar é solúvel em água ou que se dissolve em água. O conjunto chama-se  solução.   EXEMPLOS:
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL O açúcar, substância que se dissolve, é o  soluto . A água, substância onde se dissolve o açúcar, é o  solvente . Sempre que o solvente é a água diz-se que a solução é  aquosa . E o açúcar… dissolve-se no álcool?
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Ao juntares uma porção de iodo com álcool etílico, obténs uma mistura homogénea, ou seja, uma solução. O iodo, que se dissolve, é o soluto. O álcool etílico, que dissolve o iodo, é o solvente. + =
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Quando o solvente é o álcool, diz-se que a solução  é  alcoólica . E o iodo…dissolve-se na água?
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL As soluções podem apresentar os três estados físicos: Sólido Ligas metálicas (aço, latão) Líquido Água salgada Gasoso Ar atmosférico
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Quando identificamos o solvente e o(s) soluto(s) de uma solução, ficamos a conhecer a sua  composição qualitativa.
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Mas, com o mesmo soluto e o mesmo solvente podes preparar muitas soluções diferentes: basta para isso alterares a quantidade de qualquer um dos componentes da solução composição quantitativa.
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL A  composição qualitativa  de uma solução indica-nos   quais são os seus componentes. A  composição quantitativa  indica-nos as quantidades dos componentes.
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL ,[object Object],[object Object],Situa ç ão A Situa ç ão B Situa ç ão C Volume = 250 mL Volume = 250 mL Volume = 250 mL Massa = 50 g Massa = 250 g Massa = 25 g
QUAL A SOLUÇÃO MAIS CONCENTRADA? E A MAIS DILUÍDA? CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Ao comparares as soluções A e B, podes verificar que A contém mais soluto no mesmo volume de solução. A solução A é mais concentrada do que B. A B C Massa de soluto 1,0 g Massa de soluto 0,5 g Massa de soluto 0,5 g 100 cm 3 100 cm 3 200 cm 3
CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Se comparares as soluções B e C, verificas que B contém a mesma massa de soluto em menor volume de solução. A solução B é a mais concentrada do que C. A B C 1 Massa de soluto 1,0 g Massa de soluto 0,5 g Massa de soluto 0,5 g 100 cm 3 100 cm 3 200 cm 3
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL A concentração de uma solução é uma grandeza que a caracteriza. Pode-se calcular dividindo a massa de soluto pelo volume de solução. m = massa de soluto (g) V = volume de solução (dm 3 ) C = concentração da solução (g/dm 3 )
SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Como poderias concentrar uma solução? E diluí-la?
SOLUÇÕES SATURADAS CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Quando adicionas sucessivas quantidades de açúcar a um certo volume de água, verificas que, a dada altura, começa a aparecer um depósito. O depósito é açúcar que já não se consegue dissolver, pois a solução está saturada. Uma solução saturada contém a quantidade máxima de soluto que o solvente pode dissolver.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 anoExercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 anoCatir
 
Ciências naturais 7 os minerais
Ciências naturais 7   os mineraisCiências naturais 7   os minerais
Ciências naturais 7 os mineraisNuno Correia
 
Tectónica de placas
Tectónica de placasTectónica de placas
Tectónica de placascatiacsantos
 
Ciências naturais 7 sismologia
Ciências naturais 7   sismologiaCiências naturais 7   sismologia
Ciências naturais 7 sismologiaNuno Correia
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentaresTânia Reis
 
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturais
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências NaturaisTeoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturais
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturaisandygracolas
 
Minerais e Rochas Magmáticas
Minerais e Rochas MagmáticasMinerais e Rochas Magmáticas
Minerais e Rochas MagmáticasCristinaViana
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terramargaridabt
 
Paisagens geológicas e os agentes que as modelam
Paisagens geológicas e os agentes que as modelamPaisagens geológicas e os agentes que as modelam
Paisagens geológicas e os agentes que as modelamTânia Reis
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosGabriela Bruno
 
Ciclo das rochas ciências
Ciclo das rochas   ciênciasCiclo das rochas   ciências
Ciclo das rochas ciênciasGonçalo Matos
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoVitor Perfeito
 
Relatório observação do sangue
Relatório observação do sangue   Relatório observação do sangue
Relatório observação do sangue Maria Freitas
 
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)Carlos F. M. Costa
 

Mais procurados (20)

Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 anoExercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
 
Aula 4 - CFQ - 7º ano
Aula 4 - CFQ - 7º anoAula 4 - CFQ - 7º ano
Aula 4 - CFQ - 7º ano
 
Ficha resumo rochas
Ficha resumo rochasFicha resumo rochas
Ficha resumo rochas
 
Mundo material
Mundo materialMundo material
Mundo material
 
Ciências naturais 7 os minerais
Ciências naturais 7   os mineraisCiências naturais 7   os minerais
Ciências naturais 7 os minerais
 
Tectónica de placas
Tectónica de placasTectónica de placas
Tectónica de placas
 
Ciências naturais 7 sismologia
Ciências naturais 7   sismologiaCiências naturais 7   sismologia
Ciências naturais 7 sismologia
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturais
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências NaturaisTeoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturais
Teoria da deriva dos continentes - PPT Cientic 7º ano Ciências Naturais
 
Paisagem cársica.
Paisagem cársica.Paisagem cársica.
Paisagem cársica.
 
Minerais e Rochas Magmáticas
Minerais e Rochas MagmáticasMinerais e Rochas Magmáticas
Minerais e Rochas Magmáticas
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
 
Subclasses de verbos
Subclasses de verbosSubclasses de verbos
Subclasses de verbos
 
Paisagens geológicas e os agentes que as modelam
Paisagens geológicas e os agentes que as modelamPaisagens geológicas e os agentes que as modelam
Paisagens geológicas e os agentes que as modelam
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 
Ciclo das rochas ciências
Ciclo das rochas   ciênciasCiclo das rochas   ciências
Ciclo das rochas ciências
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
 
Relatório observação do sangue
Relatório observação do sangue   Relatório observação do sangue
Relatório observação do sangue
 
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
 
Propriedades das rochas
Propriedades das rochasPropriedades das rochas
Propriedades das rochas
 

Destaque

Fisica e Quimica 7º Ano - Materiais
Fisica e Quimica 7º Ano - MateriaisFisica e Quimica 7º Ano - Materiais
Fisica e Quimica 7º Ano - Materiaisanocas_rita
 
CFQ: Materias e substâncias
CFQ: Materias e substânciasCFQ: Materias e substâncias
CFQ: Materias e substâncias7F
 
7o ano ficha porto editora
7o ano ficha porto editora7o ano ficha porto editora
7o ano ficha porto editoraNetCultus
 
Constituição do mundo material e sua classificação
Constituição do mundo material e sua classificaçãoConstituição do mundo material e sua classificação
Constituição do mundo material e sua classificaçãoIsadora Girio
 
Regras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratórioRegras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratórioveronicasilva
 

Destaque (11)

1º teste de física e química
1º teste de física e química1º teste de física e química
1º teste de física e química
 
Fisica e Quimica 7º Ano - Materiais
Fisica e Quimica 7º Ano - MateriaisFisica e Quimica 7º Ano - Materiais
Fisica e Quimica 7º Ano - Materiais
 
Tecnologia dos materiais
Tecnologia dos materiaisTecnologia dos materiais
Tecnologia dos materiais
 
CFQ: Materias e substâncias
CFQ: Materias e substânciasCFQ: Materias e substâncias
CFQ: Materias e substâncias
 
Resumo de F.Q
Resumo de F.QResumo de F.Q
Resumo de F.Q
 
7o ano ficha porto editora
7o ano ficha porto editora7o ano ficha porto editora
7o ano ficha porto editora
 
Constituição do mundo material e sua classificação
Constituição do mundo material e sua classificaçãoConstituição do mundo material e sua classificação
Constituição do mundo material e sua classificação
 
Doutrinas existentes
Doutrinas existentesDoutrinas existentes
Doutrinas existentes
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 
Regras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratórioRegras de segurança no laboratório
Regras de segurança no laboratório
 
Classificação de materiais
Classificação de materiaisClassificação de materiais
Classificação de materiais
 

Semelhante a Classificação e tipos de materiais

Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamentalAula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamentalferreiraericaluana
 
Pré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º anoPré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º anomadalenapico
 
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICAAPOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICAKATIA CAVALCANTI
 
Introdução à química
Introdução à químicaIntrodução à química
Introdução à químicasamuelr81
 
Unidade ii substâncias e misturas
Unidade ii   substâncias e misturasUnidade ii   substâncias e misturas
Unidade ii substâncias e misturasCristiano Franco
 
Misturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasMisturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasURCA
 
Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria
Classificação, propriedades e transformações físicas da matériaClassificação, propriedades e transformações físicas da matéria
Classificação, propriedades e transformações físicas da matériaProfª Alda Ernestina
 
soluções parte 1.pptx.pdf
soluções parte 1.pptx.pdfsoluções parte 1.pptx.pdf
soluções parte 1.pptx.pdfnaiara patez
 
Apostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaApostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaJosé Vitor Alves
 
Misturas Homogeneas e Heterogeneas.pdf
Misturas Homogeneas e Heterogeneas.pdfMisturas Homogeneas e Heterogeneas.pdf
Misturas Homogeneas e Heterogeneas.pdfJaylson Monteiro
 
Soluções e Misturas
Soluções e MisturasSoluções e Misturas
Soluções e Misturaselsacsvrs
 
Resumos de fisico-quimica 7ºano
Resumos de fisico-quimica 7ºanoResumos de fisico-quimica 7ºano
Resumos de fisico-quimica 7ºanoJoana Silva
 

Semelhante a Classificação e tipos de materiais (20)

Trabalho Final CFQ
Trabalho Final CFQTrabalho Final CFQ
Trabalho Final CFQ
 
Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamentalAula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
Aula sobre átomo para 6 ano do ensino fundamental
 
Pré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º anoPré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º ano
 
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICAAPOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
 
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
 
As Soluções
As SoluçõesAs Soluções
As Soluções
 
Introdução à química
Introdução à químicaIntrodução à química
Introdução à química
 
Unidade ii substâncias e misturas
Unidade ii   substâncias e misturasUnidade ii   substâncias e misturas
Unidade ii substâncias e misturas
 
Misturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasMisturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e Heterogeneas
 
Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria
Classificação, propriedades e transformações físicas da matériaClassificação, propriedades e transformações físicas da matéria
Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria
 
Misturas solubilidade
Misturas solubilidadeMisturas solubilidade
Misturas solubilidade
 
Misturas & Solubilidade
Misturas  & SolubilidadeMisturas  & Solubilidade
Misturas & Solubilidade
 
soluções parte 1.pptx.pdf
soluções parte 1.pptx.pdfsoluções parte 1.pptx.pdf
soluções parte 1.pptx.pdf
 
solucoes.pdf
solucoes.pdfsolucoes.pdf
solucoes.pdf
 
Relatório nº2
Relatório nº2Relatório nº2
Relatório nº2
 
Apostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaApostila de Química Aplicada
Apostila de Química Aplicada
 
Misturas Homogeneas e Heterogeneas.pdf
Misturas Homogeneas e Heterogeneas.pdfMisturas Homogeneas e Heterogeneas.pdf
Misturas Homogeneas e Heterogeneas.pdf
 
Soluções e Misturas
Soluções e MisturasSoluções e Misturas
Soluções e Misturas
 
26b miguel oliveira
26b miguel oliveira26b miguel oliveira
26b miguel oliveira
 
Resumos de fisico-quimica 7ºano
Resumos de fisico-quimica 7ºanoResumos de fisico-quimica 7ºano
Resumos de fisico-quimica 7ºano
 

Mais de João França

Mais de João França (7)

The Music
The MusicThe Music
The Music
 
Cultura Romana
Cultura RomanaCultura Romana
Cultura Romana
 
Movimentos E ForçAs
Movimentos E ForçAsMovimentos E ForçAs
Movimentos E ForçAs
 
Terra Lua Sol
Terra   Lua  SolTerra   Lua  Sol
Terra Lua Sol
 
Energia Fontes E Formas De Energia
Energia   Fontes E Formas De EnergiaEnergia   Fontes E Formas De Energia
Energia Fontes E Formas De Energia
 
Eclipses
EclipsesEclipses
Eclipses
 
Atenas - Grécia
Atenas - GréciaAtenas - Grécia
Atenas - Grécia
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

Classificação e tipos de materiais

  • 1.
  • 2. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Quando olhamos à nossa volta, ficamos maravilhados com a enorme variedade de materiais que temos ao nosso dispor. Muitos materiais, como… madeira granito
  • 3. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Carne e leite Petróleo
  • 4. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Água da nascente Peixe
  • 5. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL ...existem na Natureza. Outros materiais, como…
  • 6. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Plásticos Tintas e vernizes Papel
  • 7. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Detergentes Adubos Cimento
  • 8. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Queijos maionese iogurtes Sumo de laranja de pacote
  • 9. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL … resultam da transformação de materiais existentes na Natureza ou são totalmente produzidos em laboratório.
  • 10. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL São os químicos que, trabalhando em colaboração com engenheiros, médicos, físicos, biólogos e outros, estudam as propriedades dos materiais existentes, investigam a possibilidade de os transformar noutros materiais mais adequados para certos fins e, finalmente, produzem materiais novos .
  • 11. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL A Química é uma ciência que estuda a constituição, as propriedades e certas transformações dos materiais. Tudo começa a partir da observação atenta dos materiais com vista à sua classificação.
  • 12. COMO PODEMOS CLASSIFICAR MATERIAIS TÃO DIVERSOS PARA MELHOR OS ESTUDARMOS? É enorme a variedade de materiais que nos rodeiam; daí a necessidade de os classificarmos. A classificação depende do critério utilizado. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Pensa em várias maneiras de poderes agrupar os materiais…
  • 13. COMO PODEMOS CLASSIFICAR MATERIAIS TÃO DIVERSOS PARA MELHOR OS ESTUDARMOS? Se o critério escolhido for a origem, os materiais podem ser classificados em: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Naturais : são os que podem ser usados tal como existem na Natureza. Manufacturados : podem ser os materiais obtidos por transformação dos naturais ou os materiais totalmente produzidos no laboratório que se chamam sintéticos.
  • 14. COMO PODEMOS CLASSIFICAR MATERIAIS TÃO DIVERSOS PARA MELHOR OS ESTUDARMOS? Para os químicos é importante classificar os materiais em substâncias e misturas de substâncias . CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL O critério usado para esta classificação é o número de componentes que entram na constituição dos materiais.
  • 15. COMO PODEMOS CLASSIFICAR MATERIAIS TÃO DIVERSOS PARA MELHOR OS ESTUDARMOS? Assim: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL São substâncias puras , ou simplesmente substâncias, os materiais que têm um só componente na sua constituição . São misturas de substâncias , os materiais constituídos por dois ou mais componentes .
  • 16. EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL O ar que respiramos tem, entre outros componentes, oxigénio, azoto, vapor de água e dióxido de carbono. O ar é uma mistura de substâncias. O oxigénio, azoto, vapor de água e dióxido de carbono são exemplos de substâncias.
  • 17. EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL A água do mar tem, na sua constituição, água, cloreto de sódio – o sal que a torna salgada –, outros minerais e ainda restos de algas, conchas e areias. A água do mar é uma mistura de substâncias. A água e o cloreto de sódio são exemplos de substâncias.
  • 18. EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Na água gaseificada há, além de água, dióxido de carbono – que forma as bolhinhas gasosas – e sais minerais. A água sem gás tem, também, sais minerais dissolvidos. A água gaseificada e a água sem gás são uma mistura de substâncias. A água e o dióxido de carbono são exemplos de substâncias .
  • 19. EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL O latão é uma liga metálica de cobre e zinco. O latão é uma mistura de substâncias. O cobre e o zinco são substâncias.
  • 20. EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL No granito observam-se componentes de cores e brilhos diferentes: o quartzo, o feldspato e a mica. O granito é uma mistura de substâncias. O quartzo, o feldspato e a mica são substâncias.
  • 21. EXEMPLOS: CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Na água destilada considera-se que existe apenas água. A água destilada é uma substância.
  • 22. O SIGNIFICADO DO TERMO PURO CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Os químicos usam o termo puro sempre que se referem a materiais que têm um só componente na sua constituição, ou seja, um material é puro quando se trata de uma substância. Será este o significado do termo puro na linguagem do nosso dia-a-dia?
  • 23. O SIGNIFICADO DO TERMO PURO CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Na linguagem do dia-a-dia, o termo puro quer significar que o produto não está contaminado, ou seja, que não contém substâncias estranhas à sua constituição.
  • 24. TIPOS DE MISTURAS CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Os materiais que nos rodeiam são quase todos misturas de substâncias, embora possam ter aspectos muito diferentes . Há misturas nas quais é fácil distinguir visualmente alguns ou todos os componentes. Chamam-se misturas heterogéneas , porque têm um aspecto diferente ao longo da sua extensão. Hetero=diferente
  • 25. TIPOS DE MISTURAS CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Noutras misturas, não é possível distinguir os componentes. Chamam-se misturas homogéneas , porque têm o mesmo aspecto em toda a sua extensão. Homo=igual
  • 26. TIPOS DE MISTURAS CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Por vezes, pensamos estar em presença de uma mistura homogénea, mas a sua observação mais cuidada mostra-nos que não é assim. Chamam-se misturas coloidais . Outros exemplos: maionese (gotículas de azeite dispersas); leite (gotículas de gordura dispersas em água); tinta de parede (gotículas de óleo dispersas em água); manteiga, queijo e o iogurte (gotículas de gordura dispersas numa massa homogénea); nevoeiro (gotículas de água dispersas no ar).
  • 28. TIPOS DE MISTURAS CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Podemos concluir ainda o seguinte: Um material heterogéneo é sempre uma mistura; Um material homogéneo pode ser uma substância ou uma mistura.
  • 30. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Se juntares no mesmo recipiente duas ou mais substâncias podes obter uma mistura homogénea ou não. Os químicos chamam soluções às misturas homogéneas.
  • 31. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Quando juntas um pouco de açúcar e água, parece que o sólido desaparece. Diz-se, por isso, que o açúcar é solúvel em água ou que se dissolve em água. O conjunto chama-se solução. EXEMPLOS:
  • 32. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL O açúcar, substância que se dissolve, é o soluto . A água, substância onde se dissolve o açúcar, é o solvente . Sempre que o solvente é a água diz-se que a solução é aquosa . E o açúcar… dissolve-se no álcool?
  • 33. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Ao juntares uma porção de iodo com álcool etílico, obténs uma mistura homogénea, ou seja, uma solução. O iodo, que se dissolve, é o soluto. O álcool etílico, que dissolve o iodo, é o solvente. + =
  • 34. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Quando o solvente é o álcool, diz-se que a solução é alcoólica . E o iodo…dissolve-se na água?
  • 35. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL As soluções podem apresentar os três estados físicos: Sólido Ligas metálicas (aço, latão) Líquido Água salgada Gasoso Ar atmosférico
  • 36. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Quando identificamos o solvente e o(s) soluto(s) de uma solução, ficamos a conhecer a sua composição qualitativa.
  • 37. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Mas, com o mesmo soluto e o mesmo solvente podes preparar muitas soluções diferentes: basta para isso alterares a quantidade de qualquer um dos componentes da solução composição quantitativa.
  • 38. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL A composição qualitativa de uma solução indica-nos quais são os seus componentes. A composição quantitativa indica-nos as quantidades dos componentes.
  • 39.
  • 40. QUAL A SOLUÇÃO MAIS CONCENTRADA? E A MAIS DILUÍDA? CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Ao comparares as soluções A e B, podes verificar que A contém mais soluto no mesmo volume de solução. A solução A é mais concentrada do que B. A B C Massa de soluto 1,0 g Massa de soluto 0,5 g Massa de soluto 0,5 g 100 cm 3 100 cm 3 200 cm 3
  • 41. CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Se comparares as soluções B e C, verificas que B contém a mesma massa de soluto em menor volume de solução. A solução B é a mais concentrada do que C. A B C 1 Massa de soluto 1,0 g Massa de soluto 0,5 g Massa de soluto 0,5 g 100 cm 3 100 cm 3 200 cm 3
  • 42. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL A concentração de uma solução é uma grandeza que a caracteriza. Pode-se calcular dividindo a massa de soluto pelo volume de solução. m = massa de soluto (g) V = volume de solução (dm 3 ) C = concentração da solução (g/dm 3 )
  • 43. SOLUÇÕES CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Como poderias concentrar uma solução? E diluí-la?
  • 44. SOLUÇÕES SATURADAS CONSTITUIÇÃO DO MUNDO MATERIAL Quando adicionas sucessivas quantidades de açúcar a um certo volume de água, verificas que, a dada altura, começa a aparecer um depósito. O depósito é açúcar que já não se consegue dissolver, pois a solução está saturada. Uma solução saturada contém a quantidade máxima de soluto que o solvente pode dissolver.