Trabalho Final CFQ

Disciplina: CIÊNCIAS DE FÍSICO-QUÍMICAS

                Professora: Beatriz Rebelo



                            Realizado por:

    Tiago Filipe Silva Abrantes – 7 B nº 17




                             12/Dezembro/2011




                                           1
INTRODUÇÃO

Quando iniciamos o ano letivo foi-nos dado a conhecer um projeto
intitulado “COMO NA VIDA”.                                                              Logotipo “Como na vida”



Neste primeiro período foi atribuído um tema de trabalho “AFINAL, O QUE É UMA PRAIA?”.

São as Ciências Físico-Químicas, que estudam de que são feitos os materiais que constituem a
Terra, as suas alterações e a energia que está sempre presente em qualquer atividade ou
transformação.
Nesta disciplina pretende-se conhecer transformações (físicas e químicas) que ocorrem nos
materiais existentes na Natureza dando origem a novos materiais uteis à nossa vida.

Neste âmbito, para podermos responder à questão desfrutámos de visita de estudo à Praia do
Aterro em Matosinhos.

Desta visita retirei alguns conceitos para estudo e trabalho, tais como:

    Observação e classificação de materiais de diversas aparências e origens;
    Formulação de hipóteses acerca da constituição e proveniência de materiais diversos;
    Captura de imagens fotográficas de materiais de diversas aparências e origens;
    Observação de evidências de transformações de materiais;
    Formulação de hipóteses acerca dos agentes que originam transformações nos materiais
     observados;
    Recolha de materiais para catalogação e classificação

Posteriormente, no decorrer das aulas fomos realizando atividades práticas com materiais
(origem, classificação, transformação) e até simulação do ciclo da água.




              Saída da Escola                              Praia do Aterro – Grupo do 7º Ano




                                                                                                                  2
DESENVOLVIMENTO


Quando observamos a praia ficamos maravilhados com a enorme variedade de materiais que
temos ao nosso dispor.



Os Materiais podem ser classificados como naturais e os sintéticos. Os naturais são os que
podem ser usados tal e qual a natureza nos dá ou que podem ser transformados em outros
mais úteis. Os materiais sintéticos são totalmente produzidos pelos laboratórios.

Na praia observamos como materiais naturais as rochas, ar atmosférico, areia, etc…

Encontramos alguns materiais sintéticos como por exemplo fios de nylon, cordas de pesca, etc..

Os materiais também podem ser manufaturados quando são tratados pelo homem, como por
exemplo o plástico encontrado na areia da praia ou mesmo as nossas folhas de papel para
apontamentos.
Os materiais podem ser classificados como substancias e misturas de substâncias, ou seja
existem substâncias puras e mistura de substâncias.
O ar que respiramos na praia é uma mistura de substâncias (oxigénio, azoto, vapor de agua). A
água do mar que observamos também é classificada como uma mistura de substâncias. A água
e o cloreto de sódio são exemplos de substâncias.




       Praia do Aterro – Matosinhos                      Recolha de materiais




                                                                                             3
Devido há existência de inúmeras misturas, surgiu a necessidade de as dividir em 3 tipos:




Uma mistura é constituída por duas ou mais substâncias juntas, e pode ser homogénea,
coloidal ou heterogénea. Assim, nas heterogéneas notam-se alguns dos seus componentes, nas
homogéneas não se notam os componentes e nas coloidais parecem homogéneas mas
observadas atentamente mostram-se heterogéneas.



Heterogéneas, Homogéneas e Coloidais




                                                                              Oxigénio, Azoto,
                                                                              dióxido de
                                                                              carbono e vapor
                                                                              de água




Sólida e Liquida                                  Nevoeiro é uma mistura coloidal




                                                                                                 4
As misturas homogéneas de duas ou mais substâncias chamam-se soluções.

No caso de a solução envolver dois componentes, um deles, o que é dissolvido e que
geralmente está presente em menor quantidade, é designado por soluto, e ao outro, que em
geral se apresenta em maior quantidade, chama-se solvente. Contudo, independentemente
das quantidades, se um dos componentes for líquido e outro sólido, chama-se sempre soluto ao
componente sólido e solvente ao componente líquido.




Exemplo com a água do mar:




Algumas regras para identificar o solvente:

       Numa mistura homogénea de um sólido e de um líquido, o solvente é o líquido.
       Numa mistura homogénea de vários líquidos ou de vários gases, o solvente é aquele
       que se encontra em maior quantidade.




                                                                                          5
Para caracterizarmos uma solução precisamos saber:
       quais são os seus componentes – a sua composição qualificativa
       as quantidades desses componentes – a sua composição quantitativa.


Concentração Mássica (cm):




Exemplo de cálculo:

Qual a concentração mássica da solução A?




Para concentrar uma solução: adicionar soluto.

Para diluir uma solução: adicionar solvente.




                                                                            6
Os materiais podem ser macios, moles, ásperos, duros, transparentes, leves, pesados…
Os materiais apresentam-se em diferentes estados, o que nos permite classificá-los em
sólidos, líquidos e gasosos.

No entanto, todos os materiais e objetos possuem duas propriedades em comum: têm peso e
ocupam espaço.

Os sólidos têm forma própria e volume constantes. Quer estejam em cima de uma mesa, no
chão ou em qualquer outro lugar, mantêm sempre a mesma forma e mesmo volume.

Exemplo: pedra, lápis, cadeira, chave, areia, madeira…

Os líquidos não têm forma própria, mas têm volume constante. Os líquidos tomam a forma do
recipiente que ocupam.

Exemplo: azeite, sumo, leite, água…

Os gasosos têm forma e volume variáveis.

Exemplo: ar, gás…

As propriedades físicas relacionam-se com as transformações físicas, não alteram a constituição
das substâncias. Exemplo: Quando o açúcar se dissolve em água não alteramos a sua
constituição. Continua a ser açúcar dissolvido.

As propriedades químicas relacionam-se quando químicas, a substancia tal como é, deixa de
existir e dá lugar à formação de outras substâncias. Exemplo: Qualquer substancia quando arde
uma nova substancia.

As propriedades organoléticas são propriedades dos objetos que podem ser destetadas pelos
humanos como a cor, o brilho, o paladar, o odor e a textura.


A densidade (p) corresponde à relação massa/volume de uma amostra de um material.
Embora a massa e o volume sejam propriedades extensivas, a razão dos seus valores é
constante para um determinado material, para um certo valor de temperatura.
A densidade é portanto uma propriedade característica de uma substância, sendo usada como
indicativo do grau de pureza da substância de que é feito um dado material.




No laboratório é usual exprimir a densidade em g cm-3 (g/cm3).




                                                                                             7
A determinação da densidade de uma substância passa, pois, pela determinação prévia da
massa e do volume de uma amostra dessa substância, calculando-se em seguida o valor do
quociente respetivo. Mas o mesmo material pode existir em estados físicos diferentes
dependendo da temperatura a que se encontra.




O ponto de fusão de uma substância é a temperatura a que ocorre a fusão, ou seja, a
passagem do estado sólido para o estado líquido.
O seu valor é igual ao da temperatura que ocorre a solidificação.

O ponto de ebulição de uma substancia é a temperatura a que ocorre a ebulição, ou seja, a
passagem do estado líquido para o estado gasoso.
O seu valor é igual ao da temperatura que ocorre a condensação.

E temos como exemplo a água que existe em três estados físicos: solido, líquido e o gasoso.
Assim, tivemos uma aula com uma atividade experimental, a simulação do ciclo de água.
O objetivo foi transmitir aos alunos que água está em constante movimento.

O Sol aquece água (Evaporação), esta evapora-se e sobe; o vapor de água arrefece dando
origem às nuvens (condensação). Por sua vez as nuvens deixam cair a água em forma de
chuva (precipitação) ou neve (solidificação) dependendo da estação do ano, da localização
e do clima.




                                                                                              8
CONCLUSÃO:



Posso concluir que com a visita de estudo à praia do Aterro pude consolidar o que pesquisei
com a matéria referente aos Materiais, suscitando um interesse mais acentuado na
aprendizagem da mesma.




                                                                                         9

Recomendados

Capítulo 1: Matéria e medidas por
Capítulo 1: Matéria e medidasCapítulo 1: Matéria e medidas
Capítulo 1: Matéria e medidasKaires Braga
5.6K visualizações59 slides
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏ por
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Aulas de Química Carlinho - Slides.‏
Aulas de Química Carlinho - Slides.‏Daniele Lino
44K visualizações39 slides
Aula 02 matéria e suas propriedades por
Aula 02   matéria e suas propriedadesAula 02   matéria e suas propriedades
Aula 02 matéria e suas propriedadesRafael Varistelo
1.7K visualizações33 slides
Fundamentos de Qúimica Geral por
Fundamentos de Qúimica GeralFundamentos de Qúimica Geral
Fundamentos de Qúimica GeralEEB Francisco Mazzola
9.1K visualizações10 slides
Classificação, propriedades e transformações físicas da matéria por
Classificação, propriedades e transformações físicas da matériaClassificação, propriedades e transformações físicas da matéria
Classificação, propriedades e transformações físicas da matériaProfª Alda Ernestina
9.8K visualizações34 slides
Apostila de Química Aplicada por
Apostila de Química AplicadaApostila de Química Aplicada
Apostila de Química AplicadaJosé Vitor Alves
5.2K visualizações26 slides

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aspectos 2 quimica gabi por
Aspectos 2 quimica gabiAspectos 2 quimica gabi
Aspectos 2 quimica gabiprenoiteaprovado
3.4K visualizações29 slides
Quimica Geral 1 por
Quimica Geral 1Quimica Geral 1
Quimica Geral 1edson
21.5K visualizações37 slides
Matéria 9° ano por
Matéria   9° anoMatéria   9° ano
Matéria 9° anoadriana
23.5K visualizações32 slides
Propriedades específicas da matéria por
Propriedades específicas  da matériaPropriedades específicas  da matéria
Propriedades específicas da matériaElinne Lima
3.1K visualizações35 slides
Quimica ens. fund. unid. xi por
Quimica ens. fund. unid. xiQuimica ens. fund. unid. xi
Quimica ens. fund. unid. xiademarcursos
871 visualizações8 slides
Matéria e suas propriedades por
Matéria e suas propriedadesMatéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedadesBio Sem Limites
7.9K visualizações4 slides

Mais procurados(20)

Aspectos 2 quimica gabi por prenoiteaprovado
Aspectos 2 quimica gabiAspectos 2 quimica gabi
Aspectos 2 quimica gabi
prenoiteaprovado3.4K visualizações
Quimica Geral 1 por edson
Quimica Geral 1Quimica Geral 1
Quimica Geral 1
edson21.5K visualizações
Matéria 9° ano por adriana
Matéria   9° anoMatéria   9° ano
Matéria 9° ano
adriana23.5K visualizações
Propriedades específicas da matéria por Elinne Lima
Propriedades específicas  da matériaPropriedades específicas  da matéria
Propriedades específicas da matéria
Elinne Lima3.1K visualizações
Quimica ens. fund. unid. xi por ademarcursos
Quimica ens. fund. unid. xiQuimica ens. fund. unid. xi
Quimica ens. fund. unid. xi
ademarcursos871 visualizações
Matéria e suas propriedades por Bio Sem Limites
Matéria e suas propriedadesMatéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedades
Bio Sem Limites7.9K visualizações
Matéria, constituição, propriedades e transformações por SMEdeItabaianinha
Matéria, constituição, propriedades e transformaçõesMatéria, constituição, propriedades e transformações
Matéria, constituição, propriedades e transformações
SMEdeItabaianinha3K visualizações
Propriedades fisicas e quimicas por Isadora Girio
Propriedades fisicas e quimicasPropriedades fisicas e quimicas
Propriedades fisicas e quimicas
Isadora Girio28.6K visualizações
Noções básicas de química inorgânica por cmdantasba
Noções básicas de química inorgânicaNoções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânica
cmdantasba5.1K visualizações
Transformação da Materia por Pedro Monteiro
Transformação da MateriaTransformação da Materia
Transformação da Materia
Pedro Monteiro28.9K visualizações
Introducao ao estudo da_quimica por Colégio Academos
Introducao ao estudo da_quimicaIntroducao ao estudo da_quimica
Introducao ao estudo da_quimica
Colégio Academos7.6K visualizações
Conceitos BáSicos Attitude 2008 por Flávio Carmo da Silva
Conceitos BáSicos   Attitude   2008Conceitos BáSicos   Attitude   2008
Conceitos BáSicos Attitude 2008
Flávio Carmo da Silva3.4K visualizações
QUIMICA GERAL Aula 01 por Manim Edições
QUIMICA GERAL Aula 01QUIMICA GERAL Aula 01
QUIMICA GERAL Aula 01
Manim Edições15.5K visualizações
Estudo da matéria por Dalu Barreto
Estudo da matériaEstudo da matéria
Estudo da matéria
Dalu Barreto26.6K visualizações
Mód.0.aula1 por sandradomingues29
Mód.0.aula1Mód.0.aula1
Mód.0.aula1
sandradomingues29866 visualizações
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análise por Vinny Silva
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análiseIntroducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Vinny Silva7.3K visualizações
Aula 1 quim em por Walney M.F
Aula 1   quim emAula 1   quim em
Aula 1 quim em
Walney M.F667 visualizações
Aula 1 - Classificação dos sistemas físicos por Prof Elton Costa
Aula 1 - Classificação dos sistemas físicosAula 1 - Classificação dos sistemas físicos
Aula 1 - Classificação dos sistemas físicos
Prof Elton Costa1.4K visualizações
Propriedades da materia por Luiza Gonçalves
Propriedades da materiaPropriedades da materia
Propriedades da materia
Luiza Gonçalves1.9K visualizações

Destaque

055.13 por
055.13055.13
055.13advUmu
145 visualizações1 slide
Apuntes objecto indirecto por
Apuntes objecto indirectoApuntes objecto indirecto
Apuntes objecto indirectoPriscilla Sanches Salles
267 visualizações12 slides
Ch.2A Indefinite Articles por
Ch.2A Indefinite ArticlesCh.2A Indefinite Articles
Ch.2A Indefinite Articleskcoles1987
377 visualizações8 slides
Chapter 1 lesson 2 por
Chapter 1 lesson 2Chapter 1 lesson 2
Chapter 1 lesson 2Patricia Bernstein
283 visualizações10 slides
Unidad 4 por
Unidad 4Unidad 4
Unidad 4Mariana-Rmz
291 visualizações10 slides
Propostas professora diana para imprimir por
Propostas professora diana para imprimirPropostas professora diana para imprimir
Propostas professora diana para imprimirDiana Pilatti
438 visualizações3 slides

Destaque(9)

055.13 por advUmu
055.13055.13
055.13
advUmu145 visualizações
Ch.2A Indefinite Articles por kcoles1987
Ch.2A Indefinite ArticlesCh.2A Indefinite Articles
Ch.2A Indefinite Articles
kcoles1987377 visualizações
Chapter 1 lesson 2 por Patricia Bernstein
Chapter 1 lesson 2Chapter 1 lesson 2
Chapter 1 lesson 2
Patricia Bernstein283 visualizações
Unidad 4 por Mariana-Rmz
Unidad 4Unidad 4
Unidad 4
Mariana-Rmz291 visualizações
Propostas professora diana para imprimir por Diana Pilatti
Propostas professora diana para imprimirPropostas professora diana para imprimir
Propostas professora diana para imprimir
Diana Pilatti438 visualizações
O que é a poesia por Luis Martins
O que é a poesiaO que é a poesia
O que é a poesia
Luis Martins319 visualizações
Ch.2B Adjective Agreement (questions) por kcoles1987
Ch.2B Adjective Agreement (questions)Ch.2B Adjective Agreement (questions)
Ch.2B Adjective Agreement (questions)
kcoles1987191 visualizações
La arquitectura del quattrocento por rorri72
La arquitectura del quattrocentoLa arquitectura del quattrocento
La arquitectura del quattrocento
rorri72367 visualizações

Similar a Trabalho Final CFQ

08b claudia pinto por
08b claudia pinto08b claudia pinto
08b claudia pintoduartejanuario
161 visualizações10 slides
08a claudia pinto por
08a claudia pinto08a claudia pinto
08a claudia pintoclaudiapinto7a
256 visualizações10 slides
26b miguel oliveira por
26b miguel oliveira26b miguel oliveira
26b miguel oliveiraduartejanuario
185 visualizações2 slides
Constituição do Mundo Material por
Constituição do Mundo MaterialConstituição do Mundo Material
Constituição do Mundo MaterialJoão França
2.2K visualizações44 slides
24a matilde oliveira por
24a matilde oliveira24a matilde oliveira
24a matilde oliveiraduartejanuario
306 visualizações3 slides
07a catarina soares por
07a catarina soares07a catarina soares
07a catarina soaresduartejanuario
167 visualizações2 slides

Similar a Trabalho Final CFQ(20)

08b claudia pinto por duartejanuario
08b claudia pinto08b claudia pinto
08b claudia pinto
duartejanuario161 visualizações
08a claudia pinto por claudiapinto7a
08a claudia pinto08a claudia pinto
08a claudia pinto
claudiapinto7a256 visualizações
26b miguel oliveira por duartejanuario
26b miguel oliveira26b miguel oliveira
26b miguel oliveira
duartejanuario185 visualizações
Constituição do Mundo Material por João França
Constituição do Mundo MaterialConstituição do Mundo Material
Constituição do Mundo Material
João França2.2K visualizações
24a matilde oliveira por duartejanuario
24a matilde oliveira24a matilde oliveira
24a matilde oliveira
duartejanuario306 visualizações
07a catarina soares por duartejanuario
07a catarina soares07a catarina soares
07a catarina soares
duartejanuario167 visualizações
Resumos de fisico-quimica 7ºano por Joana Silva
Resumos de fisico-quimica 7ºanoResumos de fisico-quimica 7ºano
Resumos de fisico-quimica 7ºano
Joana Silva2.5K visualizações
Resumos da matéria de fisico-quimica 7ºano por Joana Silva
Resumos da matéria de fisico-quimica  7ºano Resumos da matéria de fisico-quimica  7ºano
Resumos da matéria de fisico-quimica 7ºano
Joana Silva2.3K visualizações
06a carolina andrade por Carol Guedes
06a carolina andrade06a carolina andrade
06a carolina andrade
Carol Guedes230 visualizações
Pré requisitos - quimica A 10º ano por madalenapico
Pré requisitos - quimica A 10º anoPré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º ano
madalenapico432 visualizações
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA por KATIA CAVALCANTI
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICAAPOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
APOSTILA DE DEPENDÊNCIA DE QUÍMICA
KATIA CAVALCANTI2.4K visualizações
07a catarina soares_trabalhofinal por catarinasoares7a
07a catarina soares_trabalhofinal07a catarina soares_trabalhofinal
07a catarina soares_trabalhofinal
catarinasoares7a153 visualizações
09b filipe machado por duartejanuario
09b filipe machado09b filipe machado
09b filipe machado
duartejanuario240 visualizações
17 b joao_rei por duartejanuario
17 b joao_rei17 b joao_rei
17 b joao_rei
duartejanuario155 visualizações
Afinal o que é uma praia? por franciscaf
Afinal o que é uma praia?Afinal o que é uma praia?
Afinal o que é uma praia?
franciscaf290 visualizações
11b francisca fernandes por duartejanuario
11b francisca fernandes11b francisca fernandes
11b francisca fernandes
duartejanuario313 visualizações
Introdução à química por samuelr81
Introdução à químicaIntrodução à química
Introdução à química
samuelr811.9K visualizações
Ciencias 9ºano por Elaine Mello
Ciencias 9ºanoCiencias 9ºano
Ciencias 9ºano
Elaine Mello5.9K visualizações
power point de química professor Vinicius por Fortunato Fortunato
power point de química professor Vinicius power point de química professor Vinicius
power point de química professor Vinicius
Fortunato Fortunato7.6K visualizações

Último

DA - Unidade 15- DES. DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pptx por
DA - Unidade 15- DES. DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pptxDA - Unidade 15- DES. DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pptx
DA - Unidade 15- DES. DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pptxUniversidade Federal do Rio Grande - FURG
13 visualizações34 slides
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for... por
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...HelpEducacional
21 visualizações3 slides
A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei... por
A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei...A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei...
A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei...pauladiasuni
62 visualizações2 slides
paradigmas_de_programacao_3_X.pdf por
paradigmas_de_programacao_3_X.pdfparadigmas_de_programacao_3_X.pdf
paradigmas_de_programacao_3_X.pdfronaldo ramos
18 visualizações15 slides
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf por
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdfVítor Santos
39 visualizações21 slides
Slides Lição 11, Central Gospel, Restaurem a Mesa da Família.pptx por
Slides Lição 11, Central Gospel, Restaurem a Mesa da Família.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Restaurem a Mesa da Família.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Restaurem a Mesa da Família.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
15 visualizações37 slides

Último(20)

A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for... por HelpEducacional
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...
A Ciência Contábil desempenha um papel fundamental no mundo dos negócios, for...
HelpEducacional21 visualizações
A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei... por pauladiasuni
A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei...A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei...
A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei...
pauladiasuni62 visualizações
paradigmas_de_programacao_3_X.pdf por ronaldo ramos
paradigmas_de_programacao_3_X.pdfparadigmas_de_programacao_3_X.pdf
paradigmas_de_programacao_3_X.pdf
ronaldo ramos18 visualizações
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf por Vítor Santos
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos39 visualizações
Slides Lição 11, Central Gospel, Restaurem a Mesa da Família.pptx por LuizHenriquedeAlmeid6
Slides Lição 11, Central Gospel, Restaurem a Mesa da Família.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Restaurem a Mesa da Família.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Restaurem a Mesa da Família.pptx
LuizHenriquedeAlmeid615 visualizações
01_lisp.pdf por ronaldo ramos
01_lisp.pdf01_lisp.pdf
01_lisp.pdf
ronaldo ramos21 visualizações
Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des... por azulassessoriaacadem3
Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des...Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des...
Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des...
azulassessoriaacadem318 visualizações
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf por Vítor Santos
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos129 visualizações
28-11-2023 - Reflexions sessió.pdf por RaulGomez822561
28-11-2023 - Reflexions sessió.pdf28-11-2023 - Reflexions sessió.pdf
28-11-2023 - Reflexions sessió.pdf
RaulGomez82256126 visualizações
2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ... por azulassessoriaacadem3
2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ...2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ...
2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ...
azulassessoriaacadem342 visualizações
Em continuidade aos estudos bíblicos iniciaremos a aplicação do método sêmio-... por IntegrareAcademy2
Em continuidade aos estudos bíblicos iniciaremos a aplicação do método sêmio-...Em continuidade aos estudos bíblicos iniciaremos a aplicação do método sêmio-...
Em continuidade aos estudos bíblicos iniciaremos a aplicação do método sêmio-...
IntegrareAcademy210 visualizações
Slides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptx por LuizHenriquedeAlmeid6
Slides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptxSlides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptx
Slides Lição 12, CPAD, O Modelo de Missões da Igreja de Antioquia.pptx
LuizHenriquedeAlmeid618 visualizações
3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ... por azulassessoriaacadem3
3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ...3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ...
3- Levando em consideração suas respostas anteriores, qual o pré-diagnóstico ...
azulassessoriaacadem337 visualizações
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par... por IntegrareAcademy2
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
IntegrareAcademy245 visualizações
ATIVIDADE PROPOSTA Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat... por azulassessoriaacadem3
ATIVIDADE PROPOSTA   Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat...ATIVIDADE PROPOSTA   Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat...
ATIVIDADE PROPOSTA Considerando o exposto acima, elabore um texto dissertat...
azulassessoriaacadem330 visualizações
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car... por HelpEducacional
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...
a) Explique como ocorre a circulação do sangue dentro do coração (câmaras car...
HelpEducacional61 visualizações
python_funcional.pdf por ronaldo ramos
python_funcional.pdfpython_funcional.pdf
python_funcional.pdf
ronaldo ramos19 visualizações
ETAPA 2: - Mapeie, em até 1 (uma) lauda, quais equipamentos, serviços, progra... por IntegrareAcademy2
ETAPA 2: - Mapeie, em até 1 (uma) lauda, quais equipamentos, serviços, progra...ETAPA 2: - Mapeie, em até 1 (uma) lauda, quais equipamentos, serviços, progra...
ETAPA 2: - Mapeie, em até 1 (uma) lauda, quais equipamentos, serviços, progra...
IntegrareAcademy230 visualizações
Comunicação e Relações Interpessoais.ppt por IvoPereira42
Comunicação e Relações Interpessoais.pptComunicação e Relações Interpessoais.ppt
Comunicação e Relações Interpessoais.ppt
IvoPereira42125 visualizações

Trabalho Final CFQ

  • 1. Disciplina: CIÊNCIAS DE FÍSICO-QUÍMICAS Professora: Beatriz Rebelo Realizado por: Tiago Filipe Silva Abrantes – 7 B nº 17 12/Dezembro/2011 1
  • 2. INTRODUÇÃO Quando iniciamos o ano letivo foi-nos dado a conhecer um projeto intitulado “COMO NA VIDA”. Logotipo “Como na vida” Neste primeiro período foi atribuído um tema de trabalho “AFINAL, O QUE É UMA PRAIA?”. São as Ciências Físico-Químicas, que estudam de que são feitos os materiais que constituem a Terra, as suas alterações e a energia que está sempre presente em qualquer atividade ou transformação. Nesta disciplina pretende-se conhecer transformações (físicas e químicas) que ocorrem nos materiais existentes na Natureza dando origem a novos materiais uteis à nossa vida. Neste âmbito, para podermos responder à questão desfrutámos de visita de estudo à Praia do Aterro em Matosinhos. Desta visita retirei alguns conceitos para estudo e trabalho, tais como:  Observação e classificação de materiais de diversas aparências e origens;  Formulação de hipóteses acerca da constituição e proveniência de materiais diversos;  Captura de imagens fotográficas de materiais de diversas aparências e origens;  Observação de evidências de transformações de materiais;  Formulação de hipóteses acerca dos agentes que originam transformações nos materiais observados;  Recolha de materiais para catalogação e classificação Posteriormente, no decorrer das aulas fomos realizando atividades práticas com materiais (origem, classificação, transformação) e até simulação do ciclo da água. Saída da Escola Praia do Aterro – Grupo do 7º Ano 2
  • 3. DESENVOLVIMENTO Quando observamos a praia ficamos maravilhados com a enorme variedade de materiais que temos ao nosso dispor. Os Materiais podem ser classificados como naturais e os sintéticos. Os naturais são os que podem ser usados tal e qual a natureza nos dá ou que podem ser transformados em outros mais úteis. Os materiais sintéticos são totalmente produzidos pelos laboratórios. Na praia observamos como materiais naturais as rochas, ar atmosférico, areia, etc… Encontramos alguns materiais sintéticos como por exemplo fios de nylon, cordas de pesca, etc.. Os materiais também podem ser manufaturados quando são tratados pelo homem, como por exemplo o plástico encontrado na areia da praia ou mesmo as nossas folhas de papel para apontamentos. Os materiais podem ser classificados como substancias e misturas de substâncias, ou seja existem substâncias puras e mistura de substâncias. O ar que respiramos na praia é uma mistura de substâncias (oxigénio, azoto, vapor de agua). A água do mar que observamos também é classificada como uma mistura de substâncias. A água e o cloreto de sódio são exemplos de substâncias. Praia do Aterro – Matosinhos Recolha de materiais 3
  • 4. Devido há existência de inúmeras misturas, surgiu a necessidade de as dividir em 3 tipos: Uma mistura é constituída por duas ou mais substâncias juntas, e pode ser homogénea, coloidal ou heterogénea. Assim, nas heterogéneas notam-se alguns dos seus componentes, nas homogéneas não se notam os componentes e nas coloidais parecem homogéneas mas observadas atentamente mostram-se heterogéneas. Heterogéneas, Homogéneas e Coloidais Oxigénio, Azoto, dióxido de carbono e vapor de água Sólida e Liquida Nevoeiro é uma mistura coloidal 4
  • 5. As misturas homogéneas de duas ou mais substâncias chamam-se soluções. No caso de a solução envolver dois componentes, um deles, o que é dissolvido e que geralmente está presente em menor quantidade, é designado por soluto, e ao outro, que em geral se apresenta em maior quantidade, chama-se solvente. Contudo, independentemente das quantidades, se um dos componentes for líquido e outro sólido, chama-se sempre soluto ao componente sólido e solvente ao componente líquido. Exemplo com a água do mar: Algumas regras para identificar o solvente: Numa mistura homogénea de um sólido e de um líquido, o solvente é o líquido. Numa mistura homogénea de vários líquidos ou de vários gases, o solvente é aquele que se encontra em maior quantidade. 5
  • 6. Para caracterizarmos uma solução precisamos saber: quais são os seus componentes – a sua composição qualificativa as quantidades desses componentes – a sua composição quantitativa. Concentração Mássica (cm): Exemplo de cálculo: Qual a concentração mássica da solução A? Para concentrar uma solução: adicionar soluto. Para diluir uma solução: adicionar solvente. 6
  • 7. Os materiais podem ser macios, moles, ásperos, duros, transparentes, leves, pesados… Os materiais apresentam-se em diferentes estados, o que nos permite classificá-los em sólidos, líquidos e gasosos. No entanto, todos os materiais e objetos possuem duas propriedades em comum: têm peso e ocupam espaço. Os sólidos têm forma própria e volume constantes. Quer estejam em cima de uma mesa, no chão ou em qualquer outro lugar, mantêm sempre a mesma forma e mesmo volume. Exemplo: pedra, lápis, cadeira, chave, areia, madeira… Os líquidos não têm forma própria, mas têm volume constante. Os líquidos tomam a forma do recipiente que ocupam. Exemplo: azeite, sumo, leite, água… Os gasosos têm forma e volume variáveis. Exemplo: ar, gás… As propriedades físicas relacionam-se com as transformações físicas, não alteram a constituição das substâncias. Exemplo: Quando o açúcar se dissolve em água não alteramos a sua constituição. Continua a ser açúcar dissolvido. As propriedades químicas relacionam-se quando químicas, a substancia tal como é, deixa de existir e dá lugar à formação de outras substâncias. Exemplo: Qualquer substancia quando arde uma nova substancia. As propriedades organoléticas são propriedades dos objetos que podem ser destetadas pelos humanos como a cor, o brilho, o paladar, o odor e a textura. A densidade (p) corresponde à relação massa/volume de uma amostra de um material. Embora a massa e o volume sejam propriedades extensivas, a razão dos seus valores é constante para um determinado material, para um certo valor de temperatura. A densidade é portanto uma propriedade característica de uma substância, sendo usada como indicativo do grau de pureza da substância de que é feito um dado material. No laboratório é usual exprimir a densidade em g cm-3 (g/cm3). 7
  • 8. A determinação da densidade de uma substância passa, pois, pela determinação prévia da massa e do volume de uma amostra dessa substância, calculando-se em seguida o valor do quociente respetivo. Mas o mesmo material pode existir em estados físicos diferentes dependendo da temperatura a que se encontra. O ponto de fusão de uma substância é a temperatura a que ocorre a fusão, ou seja, a passagem do estado sólido para o estado líquido. O seu valor é igual ao da temperatura que ocorre a solidificação. O ponto de ebulição de uma substancia é a temperatura a que ocorre a ebulição, ou seja, a passagem do estado líquido para o estado gasoso. O seu valor é igual ao da temperatura que ocorre a condensação. E temos como exemplo a água que existe em três estados físicos: solido, líquido e o gasoso. Assim, tivemos uma aula com uma atividade experimental, a simulação do ciclo de água. O objetivo foi transmitir aos alunos que água está em constante movimento. O Sol aquece água (Evaporação), esta evapora-se e sobe; o vapor de água arrefece dando origem às nuvens (condensação). Por sua vez as nuvens deixam cair a água em forma de chuva (precipitação) ou neve (solidificação) dependendo da estação do ano, da localização e do clima. 8
  • 9. CONCLUSÃO: Posso concluir que com a visita de estudo à praia do Aterro pude consolidar o que pesquisei com a matéria referente aos Materiais, suscitando um interesse mais acentuado na aprendizagem da mesma. 9