O Bullying como um ato infracional e aresponsabilização do adolescente que o pratica         Dr. Carlos Frederico Braga da...
Bullying – cartilha CNJO bullying é um termo ainda pouco conhecido do grande público. De origem inglesa e sem tradução ain...
Bullying – motivação• Tais comportamentos não apresentam  motivações específicas ou justificáveis.  Em última instância, s...
Bullying – formas• Verbal (insultar, ofender, falar mal, colocar  apelidos pejorativos, “zoar”)• Física e material (bater,...
Bullying – motivação• Tais        comportamentos        não  apresentam motivações específicas  ou justificáveis. Em últim...
Bullying – Atos Infracionais• Às vezes a prática provoca:• Ameaças (art. 147 do CP)• Lesão Corporal (art. 129 do CP• Vias ...
Bullying – praticantes• Os agressores escolhem os alunos que  estão em franca desigualdade de poder,  seja   por    situaç...
Bullying – vítimas de preconceito• Este fato por si só já as torna pessoas  com baixa autoestima e, portanto, são  mais vu...
Bullying – função dos adultos• Atentar-se para o que acontece no  recreio, na sala de aula, em casa, etc.• Observar se o j...
Bullying – resposta oficial• No regimento interno das escolas  municipais de BH já existe uma  cláusula na qual os pais au...
O Bullying como um ato infracional
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Bullying como um ato infracional

1.009 visualizações

Publicada em

Com Dr. Carlos Frederico Braga e Silva

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

O Bullying como um ato infracional

  1. 1. O Bullying como um ato infracional e aresponsabilização do adolescente que o pratica Dr. Carlos Frederico Braga da Silva
  2. 2. Bullying – cartilha CNJO bullying é um termo ainda pouco conhecido do grande público. De origem inglesa e sem tradução ainda no Brasil, é utilizado para qualificar comportamentos agressivos no âmbito escolar, praticados tanto por meninos quanto por meninas.
  3. 3. Bullying – motivação• Tais comportamentos não apresentam motivações específicas ou justificáveis. Em última instância, significa dizer que, de forma “natural”, os mais fortes utilizam os mais frágeis como meros objetos de diversão, prazer e poder, com o intuito de maltratar, intimidar, humilhar e amedrontar suas vítimas
  4. 4. Bullying – formas• Verbal (insultar, ofender, falar mal, colocar apelidos pejorativos, “zoar”)• Física e material (bater, empurrar, beliscar, roubar, furtar ou destruir pertences da vítima)• Psicológica e moral (humilhar, excluir, discriminar, chantagear, intimidar, difamar)• Sexual (abusar, violentar, assediar, insinuar)• Virtual ou Cyberbullying (bullying realizado por meio de ferramentas tecnológicas: celulares, filmadoras, internet etc.)
  5. 5. Bullying – motivação• Tais comportamentos não apresentam motivações específicas ou justificáveis. Em última instância, significa dizer que, de forma “natural”, os mais fortes utilizam os mais frágeis como meros objetos de diversão, prazer e poder, com o intuito de maltratar, intimidar, humilhar e amedrontar suas vítimas
  6. 6. Bullying – Atos Infracionais• Às vezes a prática provoca:• Ameaças (art. 147 do CP)• Lesão Corporal (art. 129 do CP• Vias de Fato (art. 21 da LCP)
  7. 7. Bullying – praticantes• Os agressores escolhem os alunos que estão em franca desigualdade de poder, seja por situação socioeconômica, situação de idade, de porte físico ou até porque numericamente estão desfavoráveis. As vítimas, de forma geral, já apresentam algo que destoa do grupo (são tímidas, introspectivas, nerds, muito agras; são de credo, raça ou orientação sexual diferente etc.).
  8. 8. Bullying – vítimas de preconceito• Este fato por si só já as torna pessoas com baixa autoestima e, portanto, são mais vulneráveis aos ofensores. Não há justificativas plausíveis para a escolha, mas certamente os alvos são aqueles que não conseguem fazer frente às agressões sofridas.
  9. 9. Bullying – função dos adultos• Atentar-se para o que acontece no recreio, na sala de aula, em casa, etc.• Observar se o jovem perde ou ganha peso, se esquiva, tem baixo rendimento escolar e se desinteressa pelo ensino.• Ver se ele tem algum problema de saúde, dores de cabeça, estômago, náuseas• Impor limites aos adolescentes.
  10. 10. Bullying – resposta oficial• No regimento interno das escolas municipais de BH já existe uma cláusula na qual os pais autorizam a instalação de processo restaurativo.• Justiça Restaurativa nas Escolas• Criação de um ambiente favorável

×