Bafômetro

723 visualizações

Publicada em

Característica químicas dos bafômetros.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
723
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bafômetro

  1. 1. Bafômetro Química
  2. 2. A ingestão de álcool e suas consequências  Como resultado a capacidade para dirigir veículos é altamente comprometida.  Quando uma pessoa ingere bebidas alcoólicas, o álcool passa rapidamente para a corrente sanguínea e dela para o resto do corpo.  A consequência é a intoxicação, que varia de uma leve euforia até estados mais adiantados de estupor alcoólico.
  3. 3. Os parâmetros da lei brasileira  De acordo com a legislação brasileira uma pessoa está incapacitada para dirigir com segurança se tiver uma concentração de álcool no sangue superior a 0,8 g/L. O que significa?  Um homem de porte médio em um volume sanguíneo de aproximadamente cinco litros. Então, esse teor de 0,8 g/L de sangue corresponde a cerca de 5 mL de álcool puro como limite máximo permitido.
  4. 4. Processos no organismo  Entre os principais sistemas de que o organismo dispõe para purificar o sangue estão: 1. A eliminação, nos pulmões, pelo ar alveolar. 2. A eliminação pelo sistema urinário. 3. A metabolização do etanol  Os dois primeiros processos respondem 10% do álcool descartado pelo corpo humano.  A metabolização consiste na oxidação, relativamente lenta, por etapas sucessivas e catalisadas por enzimas especificas do etanol.
  5. 5.  De acordo com a seguinte sequencia: CH₃CH₂OH→CH₃CHO → CO₂+H₂O  Devido a esses processos, estudos vem mostrando que pessoas de porte médio, podem ingerir em aproximadamente 2 horas, 750 ML de álcool, para atingir o teor de 0,5g/L.  O primeiro processo tem fundamental importância. Como o sangue circulante passa pelos pulmões, parte do álcool passa para os pulmões . Dessa forma o ar exalado terá concentração de álcool proporcional a concentração do mesmo na corrente sanguínea.
  6. 6. Os bafômetros  Embora a existência de álcool no sangue possa ser detectado numa análise direta do mesmo, é muito mais conveniente detectar o mesmo no ar expirado.  Os instrumentos usados para esta finalidade são popularmente chamados de “bafômetros” ,e seu funcionamento baseia-se em reações de oxidação e redução.
  7. 7. A química dos bafômetros  Os bafômetros mais simples são descartáveis e consistem em pequenos tubos contendo uma mistura sólida de solução aquosa de dicromato de potássio e sílica.  A detecção da embriaguez é visual, pois a reação que ocorre é a oxidação de álcool a aldeído e a redução do dicromato a cromo(III) ou mesmo cromo(II). COLORAÇÃO AMARELO - ALARANJADA VERDE-AZULADA
  8. 8. Os bafômetros mais sofisticados  Os instrumentos normalmente usados pelas polícias rodoviárias são bem mais sofisticados. Existem basicamente dois tipos:  No primeiro tipo, o sistema detector/medidor é eletroquímico, baseado no principio da pilha combustível: A corrente elétrica produzida, é proporcional a concentração de álcool no ar expirado dos pulmões da pessoa testada, e é lida numa escala que é proporcional ao teor de álcool no sangue. O etanol é oxidado em meio ácido sobre um disco de plástico poroso coberto com pó de platina (catalisador) e umedecido com ácido sulfúrico, sendo um eletrodo conectado a cada lado desse disco poroso.
  9. 9. Equações químicas
  10. 10. Bafômetro do tipo Taguchi  O outro tipo de dispositivo de teste é o modelo Taguchi desenvolvido no Japão e que consiste em um sensor semicondutor, seletivo para etanol, constituído basicamente de óxido de estanho com várias impurezas. Esta é medida como voltagem, novamente proporcional à concentração de álcool no ar expirado, que por sua vez é proporcional à concentração de álcool no sangue. Quando o etanol entra em contato com esse sensor, é imediatamente oxidado, ocorrendo por conseguinte uma mudança característica na resistência/condutância 1 do sensor. O sensor é aquecido a aproximadamente 400º C, condições nas quais o mesmo se torna ‘ativo’.
  11. 11. Simulando um Bafômetro  Até a década de 50, a oxidação do etanol pelo dicromato de potássio em meio ácido era o método padrão de análise para a determinação de álcool em ar expirado pelos pulmões. E ainda é usado nos ‘bafômetros’ descartáveis. Para simular o conjunto ‘ébrio - bafômetro’ baseado na reação química são necessários um erlenmeyer com rolha de dois furos, um tubo de ensaio, tubos de vidro, tubo látex, álcool comum (96 GL), solução de dicromato de potássio 0,1 mol/L misturado com igual volume de ácido sulfúrico a 20 mL/L.
  12. 12. O que acontece?  Soprando-se para dentro do álcool, o ar arrasta vapores de álcool que, borbulhando na solução ácida de dicromato de potássio provoca uma mudança de coloração como segue (caso não observe mudança de cor, aumente a acidez da solução de dicromato): ALARANJADO → MARROM → VERDE → AZUL
  13. 13. Equipe:  André Luiz  Elisângela Cabral  Lorena Padilha  Marianna Lins  Thayná Vieira

×