Nossas histórias, minha leitura, uma lenda
Nossas histórias, minha leitura, uma lenda

2
Quem conta um conto,
aumenta um ponto!

Nossas histórias, minha leitura, uma lenda

3
Coletânea de textos
Nossas histórias, minha leitura, uma lenda
Resultado do trabalho desenvolvido ao longo do 2º semestre ...
Matheus Henrique de Quadros Quaiatto Xavier Pedrozo
Paola de Souza Silveira
Vanessa Rodrigues Silva da Fonseca

Coordenaçã...
Sumário
Apresentação

9

Agradecimentos

10

A Lenda da Escola dos Cem Anos
Andressa D. da Silva, Daniele Costa e Landiére...
Uma cruz para os degolados
Glória de Souza Pazato Ozório

22

A noiva do banheiro
Jamile Pedroso Ramos

24

A chácara asso...
Bludiméli
Paola de Souza Silveira

33

A Lenda da Mula Sem-Cabeça
Vanessa Rodrigues Silva da Fonseca

34

Nossas histórias...
Apresentação
Nossas histórias, minha leitura, uma lenda surge como produto final
do projeto de ensino do Estagio Supervisi...
Agradecimentos
Agradecemos a escola Pão dos Pobres, aos alunos da turma 72 que
colaboraram com suas estorias e lendas, a p...
A Lenda da Escola dos Cem Anos
Na cidade de Bom Jesus D. Lapa, existia uma lenda chamada
“Escola dos Cem Anos”. Nessa esco...
História do cavaleiro sem cabeça
Em Nova Orleans, um homem foi acusado de matar pessoas. Por ele
ser louco e cortar a cabe...
Nossas histórias, minha leitura, uma lenda

13
O rapto do menino
Uma vez, um menino alto foi no circo, em Sao Paulo. O circo era
pinto de varias cores e la tinha muitos ...
Minha escola antes e depois
Na minha escola, antigamente, havia um cemiterio. Tinha muitas
pessoas mortas e muitas pessoas...
A Lenda do Menino Chorando
Minha mae me contou uma lenda que sua mae contava quando era
pequena. Ela se lembrou da “Lenda ...
Nossas histórias, minha leitura, uma lenda

17
CTG Os Araganos
Uma vez, no CTG Os Araganos, que ficava na Rua Cruzeiro do Sul,
tinha um baile e dois gauchos bem arrumado...
Lendas urbanas
Ha muito tempo, proximo a um cemiterio cheio de arvores e
assustador, todos os dias passava um homem com ch...
O Lobisomem de Santa Maria
Na cidade de Santa Maria todos sao muito religiosos e acreditam em
lendas. Todos daqui, ricos o...
Nossas histórias, minha leitura, uma lenda

21
Uma cruz para os degolados
Minha bisavo Jeni Siqueira contou-me que o pai dela (meu tataravo
Joao Siqueira) teria degolado...
Nossas histórias, minha leitura, uma lenda

23
A noiva do banheiro
Minha maezoca me contou a lenda da Noiva do Banheiro. A lenda
conta a historia de uma mulher bonita, c...
A chácara assombrada
Na chacara em Sao Sepe, que era pequena, muito distante e velha,
pessoas diziam que havia uma família...
Numa noite chuvosa...
Numa casa no meio da floresta, bem no meio da mata, moravam
mae e filha. A mae se chamava Laura e er...
A flor do cemitério
Numa cidade muito pacata chamada Maçambarra, uma menina
chamada Maria tinha um habito muito estranho. ...
Pois aconteceu numa escola em Santa Maria...
A minha lenda e contada em Santa Maria., no Colegio Maria Rocha.
Isso acontec...
A mulher que se enforcou
A minha mae contou que numa ponte, embaixo dos trilhos, la perto
de casa, uma mulher, que se cham...
Natsu, o menino da floresta
Era um menino que nasceu em uma tribo indígena na Amazonia e
recebeu o nome de Natsu por ser o...
A estação maldita
Numa estaçao de trem, em Carapicuiba, havia um trem muito velho
que as crianças usavam para brincar de p...
A ponte
Havia uma grande ponte, em Santa Maria, que as pessoas
acreditavam ser assombrada, ja que quando passavam por ela ...
Bludiméli
Uma garota chamada Bludimeli, que tinha cabelos pretos e olhos
castanhos, teve seus olhos arrancados por um cien...
A Lenda da Mula Sem Cabeça
Essa lenda que minha mae contou e uma das mais conhecidas do
folclore brasileiro. Povoa o imagi...
Nossas histórias, minha leitura, uma lenda

35
Agradeço a E. M. E. F. Pao dos Pobres Santo Antonio pelo
acolhimento e apoio durante a realizaçao das atividades e, antes ...
Nossas histórias, minha leitura, uma lenda

37
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Coletânea 72

655 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Coletânea 72

  1. 1. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda
  2. 2. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 2
  3. 3. Quem conta um conto, aumenta um ponto! Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 3
  4. 4. Coletânea de textos Nossas histórias, minha leitura, uma lenda Resultado do trabalho desenvolvido ao longo do 2º semestre de 2013 na disciplina de Língua Portuguesa, com a turma 72 a E. M. E. F. Pao dos Pobres Santo Antonio Participantes / Autores: Anderson Cristiano Batista dos Santos Andressa Dorneles da Silva Antony Gil de Lima Oliveira Cesar Marques de Almeida Daniele Costa da Silva Emanoel da Silva Ortiz Fabiano da Silva Ayres Gabriele Saldanha Vaz Gloria de Souza Pazato Ozorio Jamile Pedroso Ramos Jeferson dos Santos Cardoso Joao Vitor Rodrigues Eich Joao Vitor Rosa Severo Jonathan Machado da Silva Gonçalves Ketlen Nascimento Pereira Landieren Ribeiro da Costa Luana Milena Moraes Tome Lucas Militao Vieira Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 4
  5. 5. Matheus Henrique de Quadros Quaiatto Xavier Pedrozo Paola de Souza Silveira Vanessa Rodrigues Silva da Fonseca Coordenação | Guilherme Bizzi Guerra Orientação | Vaima Regina Alves Motta Professora regente | Maria Magália Giacomini Benini Capa | César Marques de Almeida Período de desenvolvimento | Setembro, outubro e novembro de 2013 Edição da coletânea | Guilherme Bizzi Guerra Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 5
  6. 6. Sumário Apresentação 9 Agradecimentos 10 A Lenda da Escola dos Cem Anos Andressa D. da Silva, Daniele Costa e Landiéren R. da Costa 11 História do cavaleiro sem cabeça Anderson Cristiano Batista dos Santos 12 O Rapto do Menino Ântony Gil de Lima Oliveira 14 Minha escola antes e depois Cesar Marques 15 A Lenda do Menino Chorando Daniele Costa da Silva 16 CTG Os Araganos Emanoel da Silva Ortiz 18 Lendas urbanas Gabriele Saldanha Vaz 19 Lobisomem de Santa Maria Fabiano da Silva Ayres 20 Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 6
  7. 7. Uma cruz para os degolados Glória de Souza Pazato Ozório 22 A noiva do banheiro Jamile Pedroso Ramos 24 A chácara assombrada Jéferson dos Santos Cardoso 25 Numa noite chuvosa... João Victor Rodrigues Eich 26 A flor do cemitério João Vitor Rosa Severo 27 Pois aconteceu numa escola em Santa Maria... Jônathan Machado da Silva Gonçalves 28 A mulher que se enforcou Kétlen Nascimento Pereira 29 Natsu, o menino da floresta Luana Milena Moraes Tomé 30 A estação maldita Lucas Militão Vieira 31 A ponte Matheus Henrique de Quadros Q. X. Pedrozo 32 Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 7
  8. 8. Bludiméli Paola de Souza Silveira 33 A Lenda da Mula Sem-Cabeça Vanessa Rodrigues Silva da Fonseca 34 Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 8
  9. 9. Apresentação Nossas histórias, minha leitura, uma lenda surge como produto final do projeto de ensino do Estagio Supervisionado em Língua Portuguesa -Ensino Fundamental. Durante o período de regencia, buscou-se ampliar o contato dos alunos com a leitura e, consequentemente, com a escrita. Na elaboraçao do projeto, pensou-se num genero que prendesse a atençao do aluno de 7º ano, aliado a um produto final que fizesse com que a turma interagisse nas atividades a serem desenvolvidas. Logo, optou-se por trabalhar com o genero fabula, mais especificamente a lenda e as narrativas orais. Procurando traçar o caminho da escrita, foi dada a tarefa dos alunos coletarem narrativas orais conhecidas por familiares e amigos. Em sala de aula, foram transcritas para o papel e, durante o período de setembro a novembro, foi realizado o processo de (re)escrita do original com o objetivo de desenvolver a escrita. Outro caminho adotado para a compreensao do processo de escrita, foi a criaçao de lendas, em grupos, durante esse período. Alem disso, para auxiliar os alunos na escrita das lendas e na transcriçao das narrativas, foram realizadas atividades escritas e orais com lendas ja conhecidas, na maioria dos casos, ou de lugares proximos a regiao de Santa Maria. Ao final de novembro, as reescritas das narrativas orais estavam encerradas, prontas para integrar a coletanea Nossas histórias, minha leitura, uma lenda. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 9
  10. 10. Agradecimentos Agradecemos a escola Pão dos Pobres, aos alunos da turma 72 que colaboraram com suas estorias e lendas, a professora Magália, ao professor estagiário Guilherme, que comandou todo o andamento e as correçoes dos trabalhos, que foram feitos em aula durante um mes e meio. A todas essas pessoas, os nossos agradecimentos. Luana Milena Moraes Tomé Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 10
  11. 11. A Lenda da Escola dos Cem Anos Na cidade de Bom Jesus D. Lapa, existia uma lenda chamada “Escola dos Cem Anos”. Nessa escola, que ja foi seminario de padres, hospital e internato, virou uma escola regular. Mas o livro que contava a historia do lugar sumiu. A escola começou a ser a mais popular da cidade. Com o tempo surgiram boatos de que a escola era mal assombrada. As meninas da escola começaram a falar que viram coisas malassombradas como espíritos, fantasmas e caveiras. Logo apos, a escola desmoronou com todos dentro, que acabaram morrendo. Depois de alguns meses, construíram um cemiterio onde todas aquelas pessoas foram enterradas. As pessoas tinham medo e quase nunca passavam por ali. Quem passava, sumia. Diziam que um tal padre, o mais chato da escola, que usava uma bata branca com boina branca, era negro e tinha um rosto estranho, fazia as pessoas sumirem [...] Esse padre nao foi descoberto e nunca sera. Ninguem nunca desconfiou de nada. Andressa D. Silva, Daniele C. da Silva e Landiéren R. Costa. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 11
  12. 12. História do cavaleiro sem cabeça Em Nova Orleans, um homem foi acusado de matar pessoas. Por ele ser louco e cortar a cabeça das vítimas, pessoas revoltadas decidiram mata-lo do mesmo jeito que ele matava as pessoas: cortando a cabeça e enterrando perto da arvore, de cabeça para baixo, como faziam com as pessoas terroristas. Um dia, uma bruxa roubou a cabeça, pois ela queria vingança da cidade e começou a cortar a cabeça de todos dia a dia. Quem comandava a cabeça, comandava o corpo do homem louco, pois era so falar no ouvido que o corpo obedecia. Anderson Cristiano Batista dos Santos Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 12
  13. 13. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 13
  14. 14. O rapto do menino Uma vez, um menino alto foi no circo, em Sao Paulo. O circo era pinto de varias cores e la tinha muitos palhaços. Os palhaços, que eram baixinhos, ficaram olhando para o menino, que estava sozinho e ficou com medo. Quando ele estava indo embora, os palhaços ensacaram a cabeça do menino, amordaçaram e prenderam suas maos e pernas. O garoto nunca mais foi visto. Ântony Gil de Lima Oliveira Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 14
  15. 15. Minha escola antes e depois Na minha escola, antigamente, havia um cemiterio. Tinha muitas pessoas mortas e muitas pessoas vinham visitar seus parentes. Mas agora mudou. Agora, tem alunos, professores e muita gente com medo de ir ao banheiro, pois acreditam que la tem espírito. Os alunos contam que as luzes do banheiro ficavam acendendo e apagando. Hoje, muitas pessoas brincam, tem quadra de futebol, tem plantaçoes.. Essa escola foi feita por padres, por isso todos devem cuidar dela. Cesas Marques de Almeida Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 15
  16. 16. A Lenda do Menino Chorando Minha mae me contou uma lenda que sua mae contava quando era pequena. Ela se lembrou da “Lenda do Menino Chorando”. O garoto tinha medo de fogo. Para chorar, ele tinha que olhar para uma pintura, que tinha uma moldura cinza e o fundo todo preto. O pai dele segurava uns fosforos diante de seu rosto. O menino teria falecido algumas semanas depois da obra ser finalizada, durante um incencio terrível na casa dele, que aconteceu porque a mae, que era louca, espalhou alcool na casa e jogou um fosforo. O menino estava dentro de casa, dormindo, nao viu o incendio e morreu intoxicado. O incendio foi registrado e noticiado no país. A maldiçao do quadro: se encostasse nele, ele podia fazer uma maldiçao e matar a pessoa. Daniele Costa da Silva Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 16
  17. 17. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 17
  18. 18. CTG Os Araganos Uma vez, no CTG Os Araganos, que ficava na Rua Cruzeiro do Sul, tinha um baile e dois gauchos bem arrumados e bonitos começaram a discutir porque um paquerou a namorada do outro, uma garota jovem e bonita. A garota tentou separa-los, mas acabou levando uma facada no coraçao e morreu a caminho do hospital. Essa foi a historia de uma garota apaixonada pelo seu amor, que acabou num triste final. Emanoel da Silva Ortiz Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 18
  19. 19. Lendas urbanas Ha muito tempo, proximo a um cemiterio cheio de arvores e assustador, todos os dias passava um homem com chapeu, um pouco cabeludo e que usava sempre a mesma roupa, sempre preta. O cemiterio ficava perto de algumas casas. Ninguem sabia que esse homem era dono de todas as covas. O rosto dele era normal, mas ao mesmo tempo virava num bicho. A historia acaba quando a maldiçao foi destruída. Gabriele Saldanha Vaz Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 19
  20. 20. O Lobisomem de Santa Maria Na cidade de Santa Maria todos sao muito religiosos e acreditam em lendas. Todos daqui, ricos ou pobres, tentam viver em fraternidade. O centro historico de Santa Maria e imenso. Se eu pudesse escolher uma cidade para viver, seria Santa Maria. Mas nao e sobre isso que quero falar, e sobre eu tio, que trabalhou para um homem estranho. As pessoas da redondeza do sítio em que meu tio trabalhava diziam que o patrao era um lobisomem, mas meu tio achou que era brincadeira. Meu tio dormia la de vez em quando. Certa vez, ele ouviu um barulho na casa do patrao e foi ver pela janela da sala. Na sala, ele viu um cao muito grande, mas seu chefe nao tinha cachorro. Meu tio foi embora pensando no que aconteceu na casa do patrao. Pela manha, quando ele voltou, encontrou o seu chefe desacordado, com as roupas rasgadas, e o acordou. “O que aconteceu?”, pergunta o meu tio. O patrao diz: “Eu estava olhando TV, ficou tudo escuro e desmaiei”. Anoitece e falta luz no sítio. O patrao foi para o quarto, acendeu uma vela e começou a beber. Quando foi dormir, ja estava tonto e, sem querer, derrubou a vela. A casa ficou em chamas com o patrao preso la dentro. Meu tio, que foi no mercado, viu o foto, quando voltou, e chamou os bombeiros. Nao encontraram o corpo do patrao e nao vamos descobrir se ele era lobisomem ou nao. Mas dizem que se ficar bem quieto, se ouve um uivo distante de algo desconhecido. Fabiano da Silva Ayres Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 20
  21. 21. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 21
  22. 22. Uma cruz para os degolados Minha bisavo Jeni Siqueira contou-me que o pai dela (meu tataravo Joao Siqueira) teria degolado 12 pessoas no ano de 1894, em Sao Martinho da Serra, ontem tem um monumento dos maragatos de lenço vermelho. Sao Martinho pertencia a Espanha, mas casas de pessoas sem moradia foram construídas sobre a cidade, que era campo. O lugar e conhecido como Cruz dos Degolados, fica no perau velho de Sao Martinho. Hoje reconheço que meu tataravo era uma pessoa de coraçao ruim. Minha bisavo nasceu no ano de 1915. Hoje ela tem 98 anos e fara 99 no dia 1º de novembro. O nome dela e Jeni Siqueira Pozatto. Meu tataravo teve que vender suas terras e fugir. Minha bisa contou-me que ele ficou em cima da cama, sem poder falar, comer ou beber e acabou morrendo porque teve uma doença, mas minha bisa nao lembrava o nome. Glória de Souza Pazato Ozório Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 22
  23. 23. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 23
  24. 24. A noiva do banheiro Minha maezoca me contou a lenda da Noiva do Banheiro. A lenda conta a historia de uma mulher bonita, charmosa, que foi para seu casamento. Na igreja, falaram para ela que seu marido tinha uma amante. Desesperada, ela foi para o banheiro e deixou um bilhete assim: ‘ Fique com sua amante ’ Depois, degolou-se. Seu marido a procurou por toda igreja. Depois de muito tempo, entrou no banheiro e viu a esposa morta. Com esse acontecido ele nao pode desmentir o que fez ela fazer isso. Jamile Pedrozo Ramos Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 24
  25. 25. A chácara assombrada Na chacara em Sao Sepe, que era pequena, muito distante e velha, pessoas diziam que havia uma família muito pobre que estava com uma doença contagiosa, que atingiu todos os membros dessa família e os deixou sem voz. Tempo depois, todos os membros da família morreram por causa da doença. Quando as pessoas chegam perto da chacara, começam a ouvir vozes dizendo “voz, voz, voz...”. Jéferson dos Santos Cardoso Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 25
  26. 26. Numa noite chuvosa... Numa casa no meio da floresta, bem no meio da mata, moravam mae e filha. A mae se chamava Laura e era chamada de “Bruxa de ferro”, pois ela usava uma fantasia para aparecer todas as noites. Sua filha era uma menina que brincava e queria se divertir, mas sua mae nao queria que ela brincasse com os amigos. Queria, na verdade, que a filha fosse igual a si, mesmo que a menina nao quisesse. Numa noite chuvosa, com trovoes e relampagos, a mae saiu e a menina a seguiu. A mae entrou na casa de um homem e o matou, porque ela gostava de matar as pessoas que maltratavam ela. Naquela noite, a menina voltou para casa apavorada. Pegou uma faca e ficou atras da porta esperando sua mae chegar. Quando sua mae entrou no quarto, a menina ergueu a faca e matou a mae, porque ela nao queria fazer a mesma coisa que a mae, nao queria ser como a mae. Mais tarde, a filha se suicidou porque percebeu que seria como a mae, querendo ou nao. João Victor Rodrigues Eich Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 26
  27. 27. A flor do cemitério Numa cidade muito pacata chamada Maçambarra, uma menina chamada Maria tinha um habito muito estranho. Como sua casa era muito barulhenta, ela estudava no cemiterio, chamado Cemiterio Municipal de Maçambarra, porque se concentrava mais. Certa vez, sentou em cima de um tumulo e apoiou o caderno. Antes de ir embora, viu uma rosa muito linda no tumulo da pessoa falecida e a apanhou. Depois de terminar o estudo, foi para casa. Enquanto assistia TV com seus pais, o telefone tocou e era a falecida, a mulher de quem ela pegou a rosa. No telefone, Maria ouviu “Devolva minha rosa”. Durante semanas essas ligaçoes se repetiram, ate que Maria ficou paranoica e foi internada. João Vitor Rosa Severo Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 27
  28. 28. Pois aconteceu numa escola em Santa Maria... A minha lenda e contada em Santa Maria., no Colegio Maria Rocha. Isso aconteceu em 2000. Conta a lenda de uma garota gotica, namorada de um guri. Ele era normal, andava com roupas normais. Eles estavam no 2º grau. Ela tinha 15 anos, ele 16 e namoravam ha 1 ano. Um dia, ela viu o garoto com outra menina e ficou com raiva. No dia seguinte, no colegio, quando chegou o recreio, ela se matou na sala de aula furando a garganta com uma caneta. O garoto morreu meses depois. Minha irma diz que a menina fica assombrando o colegio, principalmente a sala em que se matou. Ela aparece para os garotos que traem suas namoradas e para as gurias, mas ela nao os mata. Minha irma conta que uma vez, depois do recreio, ela e outra amiga estavam na porta da sala. De repente, a porta se abre e tudo estava escuro na sala. Minha irma comentou que ja houve mortes. A guria que se suicidou pega os garotos que traem e os assassina. Assim, eles nunca mais saem da escola. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 28
  29. 29. A mulher que se enforcou A minha mae contou que numa ponte, embaixo dos trilhos, la perto de casa, uma mulher, que se chamava Raquel, se suicidou. Ela era loira e alta, e se suicidou porque descobriu que estava sendo traída pelo seu namorado. Quando Raquel cegou na casa do namorado e viu ele beijando outra mulher, pegou o carro e fugiu. Ao chegar na ponte, atou uma corda no pescoço e se enforcou. Nao sei quem descobriu, mas alguem contou para uma pessoa, que contou para minha mae e isso ja faz mais ou menos 10 anos. Kétlen Nascimento Pereira Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 29
  30. 30. Natsu, o menino da floresta Era um menino que nasceu em uma tribo indígena na Amazonia e recebeu o nome de Natsu por ser o mesmo nome de um guerreiro que protegia a floresta tempos atras. Esse menino sempre protegia toda a fauna e a flora para impedir que fossem destruídas. Natsu sempre andava montado em uma onça, com uma lança na mao. Esse indígena tinha cabelo vermelho e usava roupas típicas de sua tribo; a sua arma era decorada com dentes de animais e conchas e estava sempre bem afiada. A onça foi encontrada na mata quando ainda era um filhote, pois sua mae tinha sido morta por um caçador. Desde entao os dois viveram aventuras juntos. Apos 35 anos, Natsu morreu por causa de uma doença gravíssima, que na epoca nao tinha cura. Sua onça morreu, logo apos, de velhice. Entao, mesmo apos sua morte, o menino protegia a floresta de qualquer um que quisesse a prejudicar. Luana Milena Moraes Tomé Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 30
  31. 31. A estação maldita Numa estaçao de trem, em Carapicuiba, havia um trem muito velho que as crianças usavam para brincar de pega-pega, de casinha, etc. Num certo dia, as crianças estavam brincando, anoiteceu e elas continuaram a brincar. De repente, a porta se fechou. Elas içaram assustadas. Do canto mais escuro da estaçao, apareceu o fantasma do maquinista, que nunca saiu dali porque o trem era a paixao dele. As crianças ficaram assustadas com os gritos do fantasma, que repetia “saiam do meu trem, saiam do meu trem...” As crianças conseguiram pular a janela e fugiram para suas casas. Elas ligaram para a polícia logo que chegaram em casa, mas a polícia, no local da estaçao, nao encontrou nada. E nunca mais ouviram falar do fantasma. Lucas Militão Vieira Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 31
  32. 32. A ponte Havia uma grande ponte, em Santa Maria, que as pessoas acreditavam ser assombrada, ja que quando passavam por ela ouviam barulhos estranhos, como se estivessem arranhando a parede. Podia ser um rato, um gato, qualquer coisa, mas um mendigo diz ter visto uma sombra estranha, alta e magra, e viu escorrer sangue para a agua, alem de um grito apavorante. Parece que mais ninguem sobreviveu para contar a historia alem do mendigo. Suspeita-se que pode ser um ladrao, um torturador, um assassino ou ate um ser sobrenatural. Matheus Henrique de Quadros Quaiatto Xavier Pedrozo Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 32
  33. 33. Bludiméli Uma garota chamada Bludimeli, que tinha cabelos pretos e olhos castanhos, teve seus olhos arrancados por um cientista louco que queria fazer pesquisas. Bludimeli teve seus olhos arrancados no seu proprio quarto, na frente do seu espelho. Dias depois, isso se tornou uma lenda que teve o proprio nome da garota, Bludimeli. Agora dizem que se chamar “Bludimeli” tres vezes na frente do espelho, ela aparece, sempre em qualquer coisa que tenha reflexo, sem os olhos. Quando quer matar, aparece na frente da pessoa. Dizem que ela faz a mesma coisa que fizeram com ela: arranca os olhos da vítima com as maos. Paola de Souza Silveira Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 33
  34. 34. A Lenda da Mula Sem Cabeça Essa lenda que minha mae contou e uma das mais conhecidas do folclore brasileiro. Povoa o imaginario principalmente as pessoas que habitam regios rurais. Esse personagem folclorico e uma mula, sem cabeça, que solta fogo pelo pescoço. A mula sem cabeça era uma mulher que foi transformada por um feitiço de sua madrinha. Por isso recebeu o apelido de “Mula Sem Cabeça”. Essa mula assustava as pessoas porque corria muito rapido e tinha fogo no seu pescoço. Vanessa Rodrigues Silva da Fonseca Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 34
  35. 35. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 35
  36. 36. Agradeço a E. M. E. F. Pao dos Pobres Santo Antonio pelo acolhimento e apoio durante a realizaçao das atividades e, antes disso, na busca por uma turma para realizar a regencia. A professora Maria Magalia Giacomini Benini, obrigado pela confiança ao disponibilizar a turma 72 para a aplicaçao do projeto de ensino e pelo apoio constante na consolidaçao da minha relaçao com os alunos. Aos alunos da turma 72, o meu muito obrigado pela participaçao de todos, pela realizaçao das atividades, pelo empenho de cada um e por mostrarem que resultados melhores sempre sao possíveis. A professora Vaima Regina Alves Motta, um muito obrigado mais que especial, pelas orientaçoes sempre precisas, reflexivas e formadoras e pela confiança no meu trabalho durante a regencia. Guilherme Bizzi Guerra Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 36
  37. 37. Nossas histórias, minha leitura, uma lenda 37

×