SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Juventudes e educação
Mestrandas(os): Alessandra Cristina Bernardino, Graciane Torres Azevedo,
Raquel Pinheiro Matiola e Rose Fernandes de Souza
Prof.ª Dra. Filomena Lucia Gossler Rodrigues da Silva
Prof.ª Dra. Marilândes Mól Ribeiro de Melo
“Juventude é um destes termos que parecem óbvios, dessas
palavras que se explicam por elas mesmas e assunto a
respeito do qual todo mundo tem algo à dizer, normalmente
reclamações indignadas ou esperanças entusiasmadas.
Afinal, todos nós somos ou fomos jovens ( à mais ou menos
tempo), convivemos com jovens em relações mais ou menos
próximas, e nas últimas décadas eles têm sido tema de alta
exposição nos diferentes tipos de mídia que aparecem em
nosso cotidiano.”
(ABRAMO, 2005)
ALGUNS AUTORES
• Helena Abramo (1994, 1997, 2003)
• Marilia Spósito (1997)
• Mírian Abramoway (2004)
PRINCIPAIS DISTINÇÕES
• Adolescência: 12 aos 17 anos
(ECA)
• Pós-Adolescência (juventude): 18
aos 24 anos (29-35 anos).
• Brasil: 15 a 24 anos
(e/ou 29 anos).
Estudos
Atualizados
Juventude ou “Juventudes”?
• As idades não possuem um caráter
universal.
• A juventude não é um fenômeno natural,
mas uma construção social e histórica.
• Troca do termo “juventude” por
“juventudes” – diversidades.
“(...) qualquer que seja a faixa etária
estabelecida, jovens com idades iguais
vivem juventudes desiguais”.
(NOVAES, 2006)
● Crítica à categorização juvenil;
● As transformações dos homens sob a
ótica de Rousseau.
Vamos problematizar Rousseau?
Em qual estação você se encontra?
“Se, por um lado, num passado pré-moderno o
mundo estava aprisionado em relações sociais
rígidas e hierarquicamente fixadas por outro,
hoje vivemos num mundo em permanente
movimento e relação. A identidade é muito mais
resultante da ação consciente dos indivíduos do
que uma situação definida por laços de
hereditariedade.”
(Carrano, 2000, grifo meu)
Uma juventude em
constantes movimentos
“”Autores de diferentes épocas históricas identificaram na
juventude os elementos de mudança não apenas da
personalidade, mas também da própria sociedade que se
renova no confronto com a tradição”
(CARRANO, 2000 p, 12, grifo nosso).
O AGIR COLETIVO
A participação em ações coletivas é dotada de sentidos que
não podem ser reduzidas à relação custo-benefício. O agir
coletivamente implica, necessariamente, colocar em jogo
emoções.
(CARRANO, 2000, p. 17)
Resistência da UNE na
Ditadura Militar
Militares
depredando a
sede da UNE após
o Golpe de 1964.
Aumento da
repressão com o
AI 5.
Jovens
discidentes.
Fonte: https://www.une.org.br/fotos/
MOVIMENTO
DE
2015 E 2016
Sposito e Carrano (2003, apud Rua, 1998):
“Proponho o entendimento de políticas públicas
como o conjunto de decisões e ações destinadas à
resolução de problemas políticos”.
Secretaria Nacional de Juventude (2014):
“Um aspecto essencial para caracterizar as políticas
públicas é a presença do aparato público-estatal
em sua definição, assim como em sua execução e
avaliação, a fim de assegurar seu carácter público”
(RUA, 1998).
POLÍTICAS PÚBLICAS
para a Juventude
“As políticas públicas são respostas que não ocorrerão a menos que haja uma provocação. Em
linguagem mais especializada, as políticas públicas se destinam a solucionar problemas políticos, que
são as demandas que lograram ser incluídas na agenda governamental. Enquanto essa inclusão não
ocorre, o que se tem são ‘estados de coisas’: situações mais ou menos prolongadas de incômodo,
injustiça, insatisfação ou perigo que atingem grupos mais ou menos amplos da sociedade sem,
todavia, chegar a compor a agenda governamental ou mobilizar as autoridades políticas”
(RUA, 1998).
- Na América latina as políticas públicas de juventude foram
impulsionadas a partir da celebração do Ano Internacional da
Juventude, em 1985 (com exceção do Brasil).
- A própria condição
juvenil é vista
como problemática
(busca-se
estratégia para
enfrentar os
“problemas da
juventude”).
- Começa-se a pensar políticas a partir da década de 90, com a
identificação de “problemas reais”, principalmente na área da saúde,
segurança pública, do
trabalho e do
emprego.
- Em 1993, com a criação do
Sistema Descentralizado e
participativo da Assistência Social
também foram pensadas ações
na área da adolescência e da
juventude.
- 1995 a 2002 - tivemos uma série
de programas e projetos federais,
mas com ausência de registros
de avaliação e de informações
públicas do desempenho das
ações (impactos).
- Sem formas democráticas de
participação.
- Conselho Nacional de Juventude
(Conjuve), criado em fevereiro de
2005.
Estatuto da Juventude
Institui o Estatuto da
Juventude e dispõe
sobre os direitos dos
jovens, os princípios e
diretrizes das políticas
públicas de juventude e
o sistema nacional de
juventude - SINAJUVE.
- São consideradas jovens as pessoas
com idade entre 15 (quinze) e 29 (vinte e nove) anos.
LEI Nº 12.852
DE 05 DE AGOSTO DE
2013
Fonte: https://sinajuve.ibict.br/programassnj/
As desigualdades na população
jovem brasileira
Imagem Atlas das Juventudes
Segundo Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio
(Pnad) de 2012, 8,7% de jovens e adultos brasileiros são
analfabetos no Brasil. Já o Indicador de Alfabetismo
Funcional (Inaf) de 2018 aponta que 29% da população
entre 15 e 64 anos são analfabetos funcionais, ou seja,
não conseguem ou têm muita dificuldade em
compreender e produzir textos escritos.
O Brasil tem hoje 47,2 milhões de jovens (15 a 29 anos), que
correspondem por 23% da população total do país.
Em 2020, 30% dos jovens não estavam trabalhando ou estudando.
(Pnad Contínua 2018).
Entre os jovens
de 19 anos,
36,5% não
concluíram
o ensino médio,
e essa taxa varia entre
os diferentes
estratos
da população:
A falta de conectividade é um dos problemas
apontados por ela. Nas escolas públicas, as
crianças e os jovens negros e indígenas são mais
de 70% dos estudantes sem acesso domiciliar à
internet.
A violência contra
a liberdade de existir
GENOCÍDIO DA JUVENTUDE NEGRA
Retrato da desigualdade racial no país, onde 71,5% das pessoas
assassinadas são negras ou pardas, com baixa escolaridade e não
possuem o ensino fundamental concluído.
“O Brasil é um país racista e genocida”
O genocídio da juventude negra no Brasil - YouTube
Impactos diferentes em
diferentes grupos
Imagem: Descobrindo a Juventude: Um Novo Olhar Para o Jovem (descobrindocriancas.com.br)
O Girl Up Brasil é um movimento que treina, inspira e
conecta meninas para que sejam líderes e ativistas pela
igualdade de gênero.
A escola valoriza
as diferenças
corporais (sexo,
peso, altura, cor,
tipos de cabelos)
de suas/seus
adolescentes e
jovens?
A escola divulga os
marcos legais de
promoção dos direitos
humanos e de
enfrentamento do
machismo, do racismo,
da LGBTfobia, do
capacitismo (contra
pessoas com deficiências)
e de outras formas de
discriminação e violência?
A escola acolhe e
orienta as jovens e os
jovens que são vítimas
de assédio e violência
sexual, discriminação
sexista e LGBTfobia e
de outras formas de
violência de gênero?
PARA
REFLETIRMOS
A escola promove
atividades que
estimulem a
divisão igualitária
do trabalho
doméstico entre
homens e
mulheres?
A escola reflete o
impacto da divisão
sexual do trabalho
nas escolhas
profissionais dos
jovens, considerando
também as
desigualdades raciais?
A escola estimula
igualmente o interesse
de moças e rapazes
(negros, indígenas,
brancos e de outros
pertencimentos raciais)
pelas diferentes áreas
do conhecimento e
pelos diferentes
campos profissionais?
A escola estimula
e dá condições
para jovens mães
e jovens pais
continuarem os
estudos, evitando
que eles parem
de estudar?
Referências
BRASIL. Lei n° 12.852, de 05 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os
direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional
de Juventude - SINAJUVE. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em 06 jul. 2021.
Brasil. Secretaria Nacional de Juventude Estação juventude: conceitos fundamentais – ponto de partida
para uma reflexão sobre políticas públicas de juventude. Organizadora Helena Abramo. Brasília: SNJ,
2014. Disponível em:
https://www.ipea.gov.br/participacao/images/pdfs/participacao/politicas%20de%20juventude1.pdf.
Acesso em 06 jul. 2021.
CARRANO, Paulo. Juventudes: as identidades são múltiplas. Movimento: Revista da Faculdade de
Educação da UFF. RJ: DP&A Editora, n.1, maio, p. 11-27, 2000.
GOVERNO FEDERAL. Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. Disponível em:
https://sinajuve.ibict.br/ . Acesso em 06 jul. 2021.
SPOSITO, Marília Pontes; CARRANO, Paulo C. Rodrigues. Juventude e políticas públicas no Brasil. Revista
Brasileira de Educação. n 24, p. 16-39, 2003.
TAVOLARI, BIANCA et al. As ocupações de escolas públicas em São Paulo (2015-2016): Entre a posse
e o direito à manifestação. Novos estudos CEBRAP [online]. 2018, v. 37, n. 2 [Acessado 2 Julho 2021]
, pp. 291-310. Disponível em: <https://doi.org/10.25091/S01013300201800020007>. ISSN 1980-5403.
https://doi.org/10.25091/S01013300201800020007.
Martinez, Belio Antonio e Selepak, AndyO som do ódio: explorando o uso das letras da música
hatecore como estratégia de recrutamento pelo Movimento da Força Branca* * Tradução de
Cristiano Chiarello e Claudia Assis. . Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação [online].
2014, v. 37, n. 2 [Acessado 7 Julho 2021] , pp. 153-175. Disponível em:
<https://doi.org/10.1590/1809-584420147>. ISSN 1980-3508. https://doi.org/10.1590/1809-
584420147.
Molina, Rodrigo SarrugeEstudantes lutando pela liberdade: a resistência e o combate à ditadura,
Piracicaba/SP - 1964 a 1982. Revista Brasileira de História da Educação [online]. 2021, v. 21 [Acessado
7 Julho 2021] , e156. Disponível em: <https://doi.org/10.4025/rbhe.v21.2021.e156>. Epub 22 Fev
2020. ISSN 2238-0094. https://doi.org/10.4025/rbhe.v21.2021.e156.
Sampaio, Simone Sobral e Meneghetti, GustavoEntre a vida e a morte: Estado, racismo
e a “pandemia do extermínio” no Brasil. Revista Katálysis [online]. 2020, v. 23, n. 03
[Acessado 7 Julho 2021] , pp. 635-647. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1982-
02592020v23n3p635>. Epub 16 Out 2020. ISSN 1982-0259.
https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p635.
TOMMASI, Lívia De. Um olhar sobre as experiências de políticas públicas de juventude na América
Latina. Revista Brasileira de Educação. n 25, p. 177 - 181, 2004.
https://www.cenpec.org.br/tematicas/juventudes-e-seus-letramentos
https://acaoeducativa.org.br/wp-
content/uploads/2019/09/quandonossavozganhaomundo_v6.pdf
https://livreparamenstruar.org/principais-dados/#oproblema
https://www.cenpec.org.br/tematicas/protagonismo-juvenil-meninas-que-fazem-a-diferenca
O genocídio da juventude negra no Brasil - YouTube
https://www.cenpec.org.br/pesquisa
http://cufa.org.br/sobre.php
http://observatoriodesigualdades.fjp.mg.gov.br/?p=1502
http://Revista-Juventudes-nas-Cidades.pdf (ibase.br)
Referências eletrônicas
Pequeno príncipe- fonte: https://guerreiradaluz-metamorfosedalma.blogspot.com/2017/05/.
Inteligência emocional- fonte: https://rezendeadministradora.com.br/inteligencia-emocional/
UBES fonte: https://ubes.org.br/2017/os-frutos-da-primavera-secundarista/
Ana Julia: fonte: https://jornalistaslivres.org/ana-julia-a-voz-da-luta-pela-educacao/
Inteligência emocional- fonte: https://rezendeadministradora.com.br/inteligencia-emocional/
UBES fonte: https://ubes.org.br/2017/os-frutos-da-primavera-secundarista/
Referências de imagens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A D O L E S C E N T E, F A MÍ L I A, S O C I E D A D E
A D O L E S C E N T E,  F A MÍ L I A,  S O C I E D A D EA D O L E S C E N T E,  F A MÍ L I A,  S O C I E D A D E
A D O L E S C E N T E, F A MÍ L I A, S O C I E D A D E
christall
 
Classificação da desigualdade nas políticas públicas - Cotas ou Bonus Raciais?
Classificação da desigualdade nas políticas públicas - Cotas ou Bonus Raciais?Classificação da desigualdade nas políticas públicas - Cotas ou Bonus Raciais?
Classificação da desigualdade nas políticas públicas - Cotas ou Bonus Raciais?
Charles Argelazi
 
JUVENTUDE E POLÍTICAS SOCIAIS NO BRASIL
JUVENTUDE E POLÍTICAS SOCIAIS NO BRASILJUVENTUDE E POLÍTICAS SOCIAIS NO BRASIL
JUVENTUDE E POLÍTICAS SOCIAIS NO BRASIL
Marcelo Valle
 
Juventude e sistema de direitos
Juventude e sistema de direitosJuventude e sistema de direitos
Juventude e sistema de direitos
Mauricio
 
Roseli ct nacional_2010
Roseli ct nacional_2010Roseli ct nacional_2010
Roseli ct nacional_2010
Estati
 
Desafios à gestão da alfabetização em contextos escolares adversos
Desafios à gestão da alfabetização em contextos escolares adversosDesafios à gestão da alfabetização em contextos escolares adversos
Desafios à gestão da alfabetização em contextos escolares adversos
Paulinha2011
 
Ação afirmativa no ensino superior entre a excelência e a justiça social
Ação afirmativa no ensino superior entre a excelência e a justiça socialAção afirmativa no ensino superior entre a excelência e a justiça social
Ação afirmativa no ensino superior entre a excelência e a justiça social
Geraa Ufms
 
259290435 livro-medida-legal
259290435 livro-medida-legal259290435 livro-medida-legal
259290435 livro-medida-legal
antonio ferreira
 

Mais procurados (19)

A D O L E S C E N T E, F A MÍ L I A, S O C I E D A D E
A D O L E S C E N T E,  F A MÍ L I A,  S O C I E D A D EA D O L E S C E N T E,  F A MÍ L I A,  S O C I E D A D E
A D O L E S C E N T E, F A MÍ L I A, S O C I E D A D E
 
Juventude e cidadania
Juventude e cidadaniaJuventude e cidadania
Juventude e cidadania
 
Classificação da desigualdade nas políticas públicas - Cotas ou Bonus Raciais?
Classificação da desigualdade nas políticas públicas - Cotas ou Bonus Raciais?Classificação da desigualdade nas políticas públicas - Cotas ou Bonus Raciais?
Classificação da desigualdade nas políticas públicas - Cotas ou Bonus Raciais?
 
GUIA ESCOLAR: IDENTIFICAÇÕES DE SINAIS DE ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇ...
GUIA ESCOLAR: IDENTIFICAÇÕES DE SINAIS DE ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇ...GUIA ESCOLAR: IDENTIFICAÇÕES DE SINAIS DE ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇ...
GUIA ESCOLAR: IDENTIFICAÇÕES DE SINAIS DE ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇ...
 
Politicas públicas de ações afirmativas e cotas raciais
Politicas públicas de ações afirmativas e cotas raciaisPoliticas públicas de ações afirmativas e cotas raciais
Politicas públicas de ações afirmativas e cotas raciais
 
Diversidade de Gênero na Gestão Escolar
Diversidade de Gênero na Gestão EscolarDiversidade de Gênero na Gestão Escolar
Diversidade de Gênero na Gestão Escolar
 
PEDAGOGIAS CULTURAIS E AS VIOLÊNCIAS CONTRA AS CRIANÇAS PROFA. DRA. CONSTANTI...
PEDAGOGIAS CULTURAIS E AS VIOLÊNCIAS CONTRA AS CRIANÇAS PROFA. DRA. CONSTANTI...PEDAGOGIAS CULTURAIS E AS VIOLÊNCIAS CONTRA AS CRIANÇAS PROFA. DRA. CONSTANTI...
PEDAGOGIAS CULTURAIS E AS VIOLÊNCIAS CONTRA AS CRIANÇAS PROFA. DRA. CONSTANTI...
 
JUVENTUDE E POLÍTICAS SOCIAIS NO BRASIL
JUVENTUDE E POLÍTICAS SOCIAIS NO BRASILJUVENTUDE E POLÍTICAS SOCIAIS NO BRASIL
JUVENTUDE E POLÍTICAS SOCIAIS NO BRASIL
 
Juventude e sistema de direitos
Juventude e sistema de direitosJuventude e sistema de direitos
Juventude e sistema de direitos
 
Roseli ct nacional_2010
Roseli ct nacional_2010Roseli ct nacional_2010
Roseli ct nacional_2010
 
Violência escolar
Violência escolarViolência escolar
Violência escolar
 
Artigo: A violência praticada por adolescentes na escola
Artigo: A violência praticada por adolescentes na escolaArtigo: A violência praticada por adolescentes na escola
Artigo: A violência praticada por adolescentes na escola
 
O papel do a.s no papel etico politico
O papel do a.s no papel etico politicoO papel do a.s no papel etico politico
O papel do a.s no papel etico politico
 
Desafios à gestão da alfabetização em contextos escolares adversos
Desafios à gestão da alfabetização em contextos escolares adversosDesafios à gestão da alfabetização em contextos escolares adversos
Desafios à gestão da alfabetização em contextos escolares adversos
 
Slides desigualdade social 25 08
Slides desigualdade social 25 08Slides desigualdade social 25 08
Slides desigualdade social 25 08
 
Ação afirmativa no ensino superior entre a excelência e a justiça social
Ação afirmativa no ensino superior entre a excelência e a justiça socialAção afirmativa no ensino superior entre a excelência e a justiça social
Ação afirmativa no ensino superior entre a excelência e a justiça social
 
A IMPORTÂNCIA DA IMPRENSA EM RELAÇÃO À REALIDADE DO IDOSO NA SOCIEDADE ATUAL
A IMPORTÂNCIA DA IMPRENSA EM RELAÇÃO À REALIDADE DO IDOSO NA SOCIEDADE ATUALA IMPORTÂNCIA DA IMPRENSA EM RELAÇÃO À REALIDADE DO IDOSO NA SOCIEDADE ATUAL
A IMPORTÂNCIA DA IMPRENSA EM RELAÇÃO À REALIDADE DO IDOSO NA SOCIEDADE ATUAL
 
259290435 livro-medida-legal
259290435 livro-medida-legal259290435 livro-medida-legal
259290435 livro-medida-legal
 
Gênero e Diversidade Sexual na Escola
Gênero e Diversidade Sexual na EscolaGênero e Diversidade Sexual na Escola
Gênero e Diversidade Sexual na Escola
 

Semelhante a "Juventudes" e Educação

Protagonismo juvenil 3
Protagonismo juvenil 3Protagonismo juvenil 3
Protagonismo juvenil 3
Jonas Araújo
 
Políticas Públicas de Juventude
Políticas Públicas de JuventudePolíticas Públicas de Juventude
Políticas Públicas de Juventude
jeffersonseliga
 
O perfil do jovem de hoje slides
O perfil do jovem de hoje    slidesO perfil do jovem de hoje    slides
O perfil do jovem de hoje slides
Marcia Barreto
 
Juventude e politicas_publicas_o_descobrimento_do_papel_do_jovem_na_transform...
Juventude e politicas_publicas_o_descobrimento_do_papel_do_jovem_na_transform...Juventude e politicas_publicas_o_descobrimento_do_papel_do_jovem_na_transform...
Juventude e politicas_publicas_o_descobrimento_do_papel_do_jovem_na_transform...
Marcelo Valle
 
Apresentação RNBE - Fórum de Debates - PL 7672
Apresentação RNBE - Fórum de Debates - PL 7672Apresentação RNBE - Fórum de Debates - PL 7672
Apresentação RNBE - Fórum de Debates - PL 7672
gabileaoskt
 

Semelhante a "Juventudes" e Educação (20)

Mapa da violência jovens do brasil (2014)
Mapa da violência    jovens do brasil (2014)Mapa da violência    jovens do brasil (2014)
Mapa da violência jovens do brasil (2014)
 
Protagonismo juvenil 3
Protagonismo juvenil 3Protagonismo juvenil 3
Protagonismo juvenil 3
 
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdfESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
 
Políticas Públicas de Juventude
Políticas Públicas de JuventudePolíticas Públicas de Juventude
Políticas Públicas de Juventude
 
13
1313
13
 
A CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA PÚBLICA DE JUVENTUDE NO BRASIL ENQUANTO AGENDA GOVER...
A CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA PÚBLICA DE JUVENTUDE NO BRASIL ENQUANTO AGENDA GOVER...A CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA PÚBLICA DE JUVENTUDE NO BRASIL ENQUANTO AGENDA GOVER...
A CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA PÚBLICA DE JUVENTUDE NO BRASIL ENQUANTO AGENDA GOVER...
 
Aula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdf
Aula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdfAula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdf
Aula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdf
 
O perfil do jovem de hoje slides
O perfil do jovem de hoje    slidesO perfil do jovem de hoje    slides
O perfil do jovem de hoje slides
 
O novo cidadão – debate sobre juventude, cidadania e TICs
O novo cidadão – debate sobre juventude, cidadania e TICsO novo cidadão – debate sobre juventude, cidadania e TICs
O novo cidadão – debate sobre juventude, cidadania e TICs
 
Juventude e politicas_publicas_o_descobrimento_do_papel_do_jovem_na_transform...
Juventude e politicas_publicas_o_descobrimento_do_papel_do_jovem_na_transform...Juventude e politicas_publicas_o_descobrimento_do_papel_do_jovem_na_transform...
Juventude e politicas_publicas_o_descobrimento_do_papel_do_jovem_na_transform...
 
Guia de referência para a cobertura jornalística – grandes eventos esportivos...
Guia de referência para a cobertura jornalística – grandes eventos esportivos...Guia de referência para a cobertura jornalística – grandes eventos esportivos...
Guia de referência para a cobertura jornalística – grandes eventos esportivos...
 
13 de abril dia mundial dos jovens
13 de abril dia mundial dos jovens13 de abril dia mundial dos jovens
13 de abril dia mundial dos jovens
 
Direito de ser adolescentes
Direito de ser adolescentesDireito de ser adolescentes
Direito de ser adolescentes
 
Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014
Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014
Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2014
 
A Participação da Juventude na Construção das PPJs em Surubim/PE
A Participação da Juventude na Construção das PPJs em Surubim/PEA Participação da Juventude na Construção das PPJs em Surubim/PE
A Participação da Juventude na Construção das PPJs em Surubim/PE
 
Cláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e Formação
Cláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e FormaçãoCláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e Formação
Cláudia Regina Ribeiro: Masculinidades, Paternidades e Formação
 
Juventude e mercado de trabalho na Bahia
Juventude e mercado de trabalho na BahiaJuventude e mercado de trabalho na Bahia
Juventude e mercado de trabalho na Bahia
 
cartilha-parou-aqui.pdf
cartilha-parou-aqui.pdfcartilha-parou-aqui.pdf
cartilha-parou-aqui.pdf
 
Br competencias para_a_vida
Br competencias para_a_vidaBr competencias para_a_vida
Br competencias para_a_vida
 
Apresentação RNBE - Fórum de Debates - PL 7672
Apresentação RNBE - Fórum de Debates - PL 7672Apresentação RNBE - Fórum de Debates - PL 7672
Apresentação RNBE - Fórum de Debates - PL 7672
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 

"Juventudes" e Educação

  • 1. Juventudes e educação Mestrandas(os): Alessandra Cristina Bernardino, Graciane Torres Azevedo, Raquel Pinheiro Matiola e Rose Fernandes de Souza Prof.ª Dra. Filomena Lucia Gossler Rodrigues da Silva Prof.ª Dra. Marilândes Mól Ribeiro de Melo
  • 2. “Juventude é um destes termos que parecem óbvios, dessas palavras que se explicam por elas mesmas e assunto a respeito do qual todo mundo tem algo à dizer, normalmente reclamações indignadas ou esperanças entusiasmadas. Afinal, todos nós somos ou fomos jovens ( à mais ou menos tempo), convivemos com jovens em relações mais ou menos próximas, e nas últimas décadas eles têm sido tema de alta exposição nos diferentes tipos de mídia que aparecem em nosso cotidiano.” (ABRAMO, 2005)
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. ALGUNS AUTORES • Helena Abramo (1994, 1997, 2003) • Marilia Spósito (1997) • Mírian Abramoway (2004) PRINCIPAIS DISTINÇÕES • Adolescência: 12 aos 17 anos (ECA) • Pós-Adolescência (juventude): 18 aos 24 anos (29-35 anos). • Brasil: 15 a 24 anos (e/ou 29 anos). Estudos Atualizados
  • 7. Juventude ou “Juventudes”? • As idades não possuem um caráter universal. • A juventude não é um fenômeno natural, mas uma construção social e histórica. • Troca do termo “juventude” por “juventudes” – diversidades. “(...) qualquer que seja a faixa etária estabelecida, jovens com idades iguais vivem juventudes desiguais”. (NOVAES, 2006)
  • 8. ● Crítica à categorização juvenil; ● As transformações dos homens sob a ótica de Rousseau.
  • 9. Vamos problematizar Rousseau? Em qual estação você se encontra?
  • 10. “Se, por um lado, num passado pré-moderno o mundo estava aprisionado em relações sociais rígidas e hierarquicamente fixadas por outro, hoje vivemos num mundo em permanente movimento e relação. A identidade é muito mais resultante da ação consciente dos indivíduos do que uma situação definida por laços de hereditariedade.” (Carrano, 2000, grifo meu)
  • 11. Uma juventude em constantes movimentos “”Autores de diferentes épocas históricas identificaram na juventude os elementos de mudança não apenas da personalidade, mas também da própria sociedade que se renova no confronto com a tradição” (CARRANO, 2000 p, 12, grifo nosso).
  • 12. O AGIR COLETIVO A participação em ações coletivas é dotada de sentidos que não podem ser reduzidas à relação custo-benefício. O agir coletivamente implica, necessariamente, colocar em jogo emoções. (CARRANO, 2000, p. 17)
  • 13. Resistência da UNE na Ditadura Militar Militares depredando a sede da UNE após o Golpe de 1964. Aumento da repressão com o AI 5. Jovens discidentes. Fonte: https://www.une.org.br/fotos/
  • 14.
  • 16. Sposito e Carrano (2003, apud Rua, 1998): “Proponho o entendimento de políticas públicas como o conjunto de decisões e ações destinadas à resolução de problemas políticos”. Secretaria Nacional de Juventude (2014): “Um aspecto essencial para caracterizar as políticas públicas é a presença do aparato público-estatal em sua definição, assim como em sua execução e avaliação, a fim de assegurar seu carácter público” (RUA, 1998). POLÍTICAS PÚBLICAS para a Juventude
  • 17. “As políticas públicas são respostas que não ocorrerão a menos que haja uma provocação. Em linguagem mais especializada, as políticas públicas se destinam a solucionar problemas políticos, que são as demandas que lograram ser incluídas na agenda governamental. Enquanto essa inclusão não ocorre, o que se tem são ‘estados de coisas’: situações mais ou menos prolongadas de incômodo, injustiça, insatisfação ou perigo que atingem grupos mais ou menos amplos da sociedade sem, todavia, chegar a compor a agenda governamental ou mobilizar as autoridades políticas” (RUA, 1998).
  • 18. - Na América latina as políticas públicas de juventude foram impulsionadas a partir da celebração do Ano Internacional da Juventude, em 1985 (com exceção do Brasil). - A própria condição juvenil é vista como problemática (busca-se estratégia para enfrentar os “problemas da juventude”). - Começa-se a pensar políticas a partir da década de 90, com a identificação de “problemas reais”, principalmente na área da saúde, segurança pública, do trabalho e do emprego.
  • 19. - Em 1993, com a criação do Sistema Descentralizado e participativo da Assistência Social também foram pensadas ações na área da adolescência e da juventude. - 1995 a 2002 - tivemos uma série de programas e projetos federais, mas com ausência de registros de avaliação e de informações públicas do desempenho das ações (impactos). - Sem formas democráticas de participação. - Conselho Nacional de Juventude (Conjuve), criado em fevereiro de 2005.
  • 20. Estatuto da Juventude Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o sistema nacional de juventude - SINAJUVE. - São consideradas jovens as pessoas com idade entre 15 (quinze) e 29 (vinte e nove) anos. LEI Nº 12.852 DE 05 DE AGOSTO DE 2013
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 27. As desigualdades na população jovem brasileira Imagem Atlas das Juventudes
  • 28. Segundo Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) de 2012, 8,7% de jovens e adultos brasileiros são analfabetos no Brasil. Já o Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf) de 2018 aponta que 29% da população entre 15 e 64 anos são analfabetos funcionais, ou seja, não conseguem ou têm muita dificuldade em compreender e produzir textos escritos. O Brasil tem hoje 47,2 milhões de jovens (15 a 29 anos), que correspondem por 23% da população total do país. Em 2020, 30% dos jovens não estavam trabalhando ou estudando. (Pnad Contínua 2018).
  • 29. Entre os jovens de 19 anos, 36,5% não concluíram o ensino médio, e essa taxa varia entre os diferentes estratos da população:
  • 30.
  • 31. A falta de conectividade é um dos problemas apontados por ela. Nas escolas públicas, as crianças e os jovens negros e indígenas são mais de 70% dos estudantes sem acesso domiciliar à internet.
  • 32.
  • 33. A violência contra a liberdade de existir
  • 34.
  • 35. GENOCÍDIO DA JUVENTUDE NEGRA Retrato da desigualdade racial no país, onde 71,5% das pessoas assassinadas são negras ou pardas, com baixa escolaridade e não possuem o ensino fundamental concluído. “O Brasil é um país racista e genocida” O genocídio da juventude negra no Brasil - YouTube
  • 36. Impactos diferentes em diferentes grupos Imagem: Descobrindo a Juventude: Um Novo Olhar Para o Jovem (descobrindocriancas.com.br)
  • 37.
  • 38. O Girl Up Brasil é um movimento que treina, inspira e conecta meninas para que sejam líderes e ativistas pela igualdade de gênero.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42. A escola valoriza as diferenças corporais (sexo, peso, altura, cor, tipos de cabelos) de suas/seus adolescentes e jovens? A escola divulga os marcos legais de promoção dos direitos humanos e de enfrentamento do machismo, do racismo, da LGBTfobia, do capacitismo (contra pessoas com deficiências) e de outras formas de discriminação e violência? A escola acolhe e orienta as jovens e os jovens que são vítimas de assédio e violência sexual, discriminação sexista e LGBTfobia e de outras formas de violência de gênero? PARA REFLETIRMOS A escola promove atividades que estimulem a divisão igualitária do trabalho doméstico entre homens e mulheres? A escola reflete o impacto da divisão sexual do trabalho nas escolhas profissionais dos jovens, considerando também as desigualdades raciais? A escola estimula igualmente o interesse de moças e rapazes (negros, indígenas, brancos e de outros pertencimentos raciais) pelas diferentes áreas do conhecimento e pelos diferentes campos profissionais? A escola estimula e dá condições para jovens mães e jovens pais continuarem os estudos, evitando que eles parem de estudar?
  • 43. Referências BRASIL. Lei n° 12.852, de 05 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em 06 jul. 2021. Brasil. Secretaria Nacional de Juventude Estação juventude: conceitos fundamentais – ponto de partida para uma reflexão sobre políticas públicas de juventude. Organizadora Helena Abramo. Brasília: SNJ, 2014. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/participacao/images/pdfs/participacao/politicas%20de%20juventude1.pdf. Acesso em 06 jul. 2021. CARRANO, Paulo. Juventudes: as identidades são múltiplas. Movimento: Revista da Faculdade de Educação da UFF. RJ: DP&A Editora, n.1, maio, p. 11-27, 2000. GOVERNO FEDERAL. Sistema Nacional de Juventude - SINAJUVE. Disponível em: https://sinajuve.ibict.br/ . Acesso em 06 jul. 2021. SPOSITO, Marília Pontes; CARRANO, Paulo C. Rodrigues. Juventude e políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Educação. n 24, p. 16-39, 2003.
  • 44. TAVOLARI, BIANCA et al. As ocupações de escolas públicas em São Paulo (2015-2016): Entre a posse e o direito à manifestação. Novos estudos CEBRAP [online]. 2018, v. 37, n. 2 [Acessado 2 Julho 2021] , pp. 291-310. Disponível em: <https://doi.org/10.25091/S01013300201800020007>. ISSN 1980-5403. https://doi.org/10.25091/S01013300201800020007. Martinez, Belio Antonio e Selepak, AndyO som do ódio: explorando o uso das letras da música hatecore como estratégia de recrutamento pelo Movimento da Força Branca* * Tradução de Cristiano Chiarello e Claudia Assis. . Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação [online]. 2014, v. 37, n. 2 [Acessado 7 Julho 2021] , pp. 153-175. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1809-584420147>. ISSN 1980-3508. https://doi.org/10.1590/1809- 584420147. Molina, Rodrigo SarrugeEstudantes lutando pela liberdade: a resistência e o combate à ditadura, Piracicaba/SP - 1964 a 1982. Revista Brasileira de História da Educação [online]. 2021, v. 21 [Acessado 7 Julho 2021] , e156. Disponível em: <https://doi.org/10.4025/rbhe.v21.2021.e156>. Epub 22 Fev 2020. ISSN 2238-0094. https://doi.org/10.4025/rbhe.v21.2021.e156. Sampaio, Simone Sobral e Meneghetti, GustavoEntre a vida e a morte: Estado, racismo e a “pandemia do extermínio” no Brasil. Revista Katálysis [online]. 2020, v. 23, n. 03 [Acessado 7 Julho 2021] , pp. 635-647. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1982- 02592020v23n3p635>. Epub 16 Out 2020. ISSN 1982-0259. https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n3p635. TOMMASI, Lívia De. Um olhar sobre as experiências de políticas públicas de juventude na América Latina. Revista Brasileira de Educação. n 25, p. 177 - 181, 2004.
  • 45. https://www.cenpec.org.br/tematicas/juventudes-e-seus-letramentos https://acaoeducativa.org.br/wp- content/uploads/2019/09/quandonossavozganhaomundo_v6.pdf https://livreparamenstruar.org/principais-dados/#oproblema https://www.cenpec.org.br/tematicas/protagonismo-juvenil-meninas-que-fazem-a-diferenca O genocídio da juventude negra no Brasil - YouTube https://www.cenpec.org.br/pesquisa http://cufa.org.br/sobre.php http://observatoriodesigualdades.fjp.mg.gov.br/?p=1502 http://Revista-Juventudes-nas-Cidades.pdf (ibase.br) Referências eletrônicas
  • 46. Pequeno príncipe- fonte: https://guerreiradaluz-metamorfosedalma.blogspot.com/2017/05/. Inteligência emocional- fonte: https://rezendeadministradora.com.br/inteligencia-emocional/ UBES fonte: https://ubes.org.br/2017/os-frutos-da-primavera-secundarista/ Ana Julia: fonte: https://jornalistaslivres.org/ana-julia-a-voz-da-luta-pela-educacao/ Inteligência emocional- fonte: https://rezendeadministradora.com.br/inteligencia-emocional/ UBES fonte: https://ubes.org.br/2017/os-frutos-da-primavera-secundarista/ Referências de imagens