SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.net/publication/339956075
Rubricas de Avaliação
Preprint · March 2020
CITATIONS
0
READS
3,529
1 author:
Some of the authors of this publication are also working on these related projects:
Public Policies in Education and Portuguese Students Performance in the Programme for International Student Assessment – PISA (2000-2015) View project
Estudos de Avaliação no Âmbito do Ensino Artístico Especializado View project
Domingos Fernandes
University of Lisbon
106 PUBLICATIONS   532 CITATIONS   
SEE PROFILE
All content following this page was uploaded by Domingos Fernandes on 16 March 2020.
The user has requested enhancement of the downloaded file.
F O L H A #
Rubricas de Avaliação
Domingos Fernandes
(Universidade de Lisboa | Instituto de Educação)
1
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
FOLHA #
Rubricas de Avaliação
Domingos Fernandes
(Universidade de Lisboa | Instituto de Educação)
2
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
Índice
Sobre as rubricas, suas características e seus propósitos.......................................................... 3
A relevância das rubricas nos processos pedagógicos............................................................... 5
Aspetos a considerar na elaboração de rubricas ....................................................................... 6
TAREFAS...................................................................................................................................... 8
Tarefa 1....................................................................................................................................... 8
Tarefa 2....................................................................................................................................... 9
Tarefa 3..................................................................................................................................... 10
Bibliografia................................................................................................................................ 11
3
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
Sobre as rubricas, suas características e seus propósitos
A utilização de rubricas de avaliação constitui um procedimento bastante simples para apoiar a
avaliação de uma grande diversidade de produções e desempenhos dos alunos. Na verdade, desde
a apresentação oral de trabalhos, passando por qualquer trabalho escrito até ao desempenho na
manipulação de uma máquina, de uma viola ou de um qualquer instrumento, as rubricas podem
ser excelentes auxiliares para ajudarem quer os alunos, quer os professores a avaliar a qualidade
do que é necessário aprender e saber fazer.
Para a grande maioria dos autores, as rubricas deverão incluir o conjunto de critérios que se
considera traduzir bem o que é desejável que os alunos aprendam e, para cada critério, um número
de descrições de níveis de desempenho. Ou seja, para um dado critério, poderemos ter, por
exemplo, três, quatro ou mesmo cinco níveis de desempenho que deverão traduzir, se quisermos,
orientações fundamentais, para que os alunos possam regular e autorregular os seus progressos
nas aprendizagens que têm de desenvolver. Assim, numa rubrica, deveremos ter sempre dois
elementos fundamentais: um conjunto coerente e consistente de critérios e um conjunto muito
claro de descrições para cada um desses critérios.
É importante atentarmos no que nos diz Susan Brookhart acerca da natureza das rubricas. Na
verdade, esta autora refere que, embora as rubricas nos permitam avaliar, elas são descritivas e
não avaliativas por natureza. Em vez de julgar o desempenho, professores e alunos verificam qual
a descrição que melhor o pode representar. Assim, antes do mais, as rubricas permitem
desenvolver uma avaliação de referência criterial. E isto significa que estamos a comparar o que os
alunos sabem e são capazes de fazer num dado momento com um ou mais critérios e suas
descrições e não com uma média ou com um grupo, como acontece na avaliação de referência
normativa.
É igualmente relevante sublinhar que as rubricas podem ser utilizadas quer no contexto da
avaliação formativa, avaliação para as aprendizagens, ou seja, para distribuir feedback de elevada
qualidade, quer no contexto da avaliação sumativa, avaliação das aprendizagens, para que, num
dado momento, se possa fazer um balanço ou um ponto de situação acerca do que os alunos sabem
e são capazes de fazer. Neste sentido, as rubricas que nos interessam neste âmbito inserem-se no
contexto da avaliação pedagógica, pois são utilizadas nas salas de aula e podem contribuir para
apoiar as aprendizagens dos alunos e o ensino dos professores através daquelas duas modalidades
de avaliação.
É óbvio que, se as rubricas podem ser utilizadas no contexto da avaliação sumativa, então podem
ser utilizadas para mobilizar informação para efeitos da atribuição de classificações. Por isso,
poderemos considerar um terceiro elemento que pode integrar as rubricas e que muitos autores
designam por standards. Este termo é, por vezes, objeto de alguma confusão, pois é utilizado por
alguns autores como sinónimo da descrição de um dado nível de desempenho e, por outros, como
uma pontuação, numa dada escala, correspondente a essa mesma descrição (e.g., 1, 2, 3; A, B, C,
D, F; <10, 10-13, 14-17, >17). É necessário estar atento em relação a esta possível confusão. No
âmbito deste projeto, utiliza-se o termo standard (por vezes traduzido por padrão e também por
4
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
norma) como uma pontuação numa escala correspondente a uma qualquer descrição de
desempenho.
Como acontece com qualquer estratégia, processo ou tarefa de avaliação, as rubricas podem ser
mais ou menos eficazes e úteis para avaliar certos objetos. Mas será sempre bom ter presente que
as rubricas são sobretudo destinadas a apoiar a avaliação do desempenho dos alunos seja, por
exemplo, na manipulação de uma ferramenta ou de um equipamento de laboratório, que se pode
avaliar observando, seja num ensaio escrito a partir de um conjunto de textos, que se pode avaliar
através da sua leitura. Em qualquer dos casos, a rubrica pode ser um excelente auxiliar, pois,
normalmente, ajuda-nos a melhorar muito a consistência, o rigor e, em geral, a qualidade da
avaliação realizada.
Na Figura 1 listam-se tipos de desempenho em que as rubricas poderão ser utilizadas como apoio
importante à avaliação. Muitos outros exemplos poderiam ser acrescentados e deve ficar claro que
as rubricas podem ser utilizadas em qualquer nível de ensino e em qualquer percurso de educação
e formação.
Figura 1. Desempenhos que podem ser avaliados com o auxílio de rubricas (adaptada de Brookhart, 2012, p.
5).
Natureza ou Tipo de Desempenho Exemplos
Processos
• Destrezas (skills) físicas
• Utilização de equipamentos
• Apresentações/Comunicações orais
• Hábitos de trabalho
• Tocar um instrumento
• Fazer um dado exercício de ginástica
acrobática
• Preparar uma lamela para o microscópio
• Falar sobre um tema perante a turma
• Ler alto
• Conversar numa língua estrangeira
• Trabalhar autonomamente
Produtos
• Objetos produzidos
• Produções escritas tais como ensaios, relatórios,
reações críticas sobre temas específicos,
reflexões no final de um dado período
• Outras produções académicas que possam
evidenciar compreensão de conceitos
• Estante de madeira
• Conjunto de soldaduras
• Avental feito à mão
• Pintura a aguarela
• Relatório de trabalho laboratorial
• Trabalho escrito sobre as comemorações do
dia 25 de abril
• Análise escrita acerca dos efeitos dos fundos
europeus no desenvolvimento de Portugal
• Modelo ou diagrama de uma estrutura (átomo,
sistema planetário, flor, etc.)
• Mapa conceptual
5
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
A relevância das rubricas nos processos pedagógicos
A relevância das rubricas de avaliação decorre do simples facto de clarificarem o que os alunos
devem aprender e saber fazer. Ou seja, perante uma rubrica que se assume que é clara e bem
construída, alunos e professores ficam bem cientes acerca das características e das qualidades, que
o trabalho deve ter, para evidenciar as aprendizagens realizadas. Assim, pode dizer-se que as
rubricas contribuem para materializar uma ideia fundamental no contexto da avaliação pedagógica:
articular as aprendizagens com o ensino e a avaliação. Ou seja, elas podem e devem ser utilizadas
para ajudar os alunos a aprender e os professores a ensinar. Além disso, permitem que ambos
avaliem o trabalho realizado.
Uma vez que as rubricas estão focadas nas aprendizagens dos alunos, os professores tenderão a
centrar-se menos nas tarefas que têm de fazer e mais nas aprendizagens que os alunos têm de
desenvolver. No fundo, esta ideia implica que o foco tem de ser mais no que os alunos têm de
aprender e saber fazer e menos no que estamos a pensar ensinar. Na verdade, a construção de uma
qualquer rubrica obriga a que a nossa atenção esteja nos critérios através dos quais as
aprendizagens são avaliadas. Consequentemente, a preocupação está nas aprendizagens a realizar
no âmbito de um dado conteúdo ou domínio curricular. Uma coisa será dizer “hoje ensinei os
quadriláteros” e outra, bem diferente, será referir explicitamente as aprendizagens a realizar no
âmbito do domínio dos quadriláteros.
É desejável que a mesma rubrica possa ser utilizada numa diversidade de tarefas e ao longo de um
determinado período de tempo. Fará todo o sentido, perante um dado domínio do currículo e
determinadas aprendizagens essenciais a realizar, utilizar uma única rubrica para a realização de
uma diversidade de tarefas. Deste modo garante-se mais consistência e rigor na avaliação realizada,
quer seja formativa ou sumativa, permitindo que alunos e professores trabalhem, tendo os mesmos
critérios como referentes fundamentais.
Os alunos deverão sempre ter acesso às rubricas que estão a ser utilizadas e, inclusivamente,
sempre que tal seja possível, participar na identificação de critérios e na descrição dos
desempenhos considerados relevantes para as aprendizagens a desenvolver. Não cabe aqui
elaborar sobre esta questão tão relevante, mas é importante que ela possa ser objeto de reflexão.
Adianta-se, no entanto, que os resultados da investigação neste domínio mostram claras vantagens
para as aprendizagens dos alunos quando estes têm acesso às rubricas e/ou participam na sua
elaboração.
6
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
Aspetos a considerar na elaboração de rubricas
Tendo em conta o que foi dito anteriormente, uma rubrica de avaliação, em geral, inclui quatro
elementos: a) a descrição geral da tarefa que é objeto de avaliação; b) os critérios; c) os níveis de
descrição do desempenho relativamente a cada critério; e d) a definição de uma escala que atribui
a cada nível de desempenho uma dada menção.
Na Figura 2 mostra-se uma disposição possível para cada um daqueles elementos, ficando evidente
a necessidade de se definirem critérios e, relativamente a cada um deles, de descrever os respetivos
níveis de desempenho. Além disso, a inclusão de standards distribuídos por uma escala suscita
reflexões relativamente a uma grande diversidade de possibilidades quanto à sua natureza
(qualitativa ou quantitativa), à sua dimensão e à sua real utilidade nos processos de avaliação e de
classificação.
Figura 2. Exemplo da organização geral de uma rubrica de avaliação.
Descrição Geral da Tarefa (Objeto de Avaliação)
Critérios
Standards
1 2 3
Critério 1
Descrição do Nível de
Desempenho
Descrição do Nível de
Desempenho
Descrição do Nível de
Desempenho
Critério 2
Descrição do Nível de
Desempenho
Descrição do Nível de
Desempenho
Descrição do Nível de
Desempenho
Critério 3
Descrição do Nível de
Desempenho
Descrição do Nível de
Desempenho
Descrição do Nível de
Desempenho
A descrição geral da tarefa deverá indicar, genericamente qual o objeto de avaliação, por exemplo,
Participação no Trabalho de Grupo, Propriedades e Classificação de Quadriláteros, Resolução de
Problemas de Processo, Manipulação de uma Máquina ou Instrumento, Desenho de uma Instalação
e Apresentação Oral.
As descrições dos níveis de qualidade do desempenho são normalmente definidas partindo de um
elevado nível para um nível mais baixo ou vice-versa. A título de exemplo, atente-se na Figura 3,
que mostra uma rubrica para avaliar mapas conceptuais relativamente ao critério Relações entre
Conceitos.
Figura 3. Avaliação de Mapas Conceptuais
Desempenho no âmbito dos Mapas Conceptuais
Critérios
Standards
1 2 3
Relações entre
Conceitos
Relações entre os
conceitos não são
claras.
Desorganização das
componentes e
subcomponentes.
Relações entre os
conceitos são
evidentes.
Componentes e
subcomponentes
nem sempre
organizadas.
Relações claras entre os conceitos.
Componentes e subcomponentes
hierarquicamente organizadas
7
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
Quanto aos standards, repare-se que, para além de escalas numéricas, poderemos igualmente
considerar sequências de expressões tais como: Supera as Expectativas, Dentro das Expectativas,
Aquém das Expectativas; Excelente, Muito Bom, Bom, Satisfatório, Insatisfatório; e Domina Muito
Bem, Domina Bem, Domina Parcialmente, Não Domina.
8
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
TAREFAS
As tarefas sobre rubricas que se seguem devem ser realizadas em pequenos grupos.
Tarefa 1.
Discuta o conceito e a natureza das rubricas e os aspetos que devem ser tidos em conta na sua
elaboração.
9
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
Tarefa 2.
Analise e discuta três possíveis contribuições da utilização de rubricas para melhorar as práticas de
avaliação pedagógica.
10
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
Tarefa 3.
Construa uma rubrica que possa ser utilizada na avaliação do “sentido de responsabilidade dos
alunos” ou da sua “participação no trabalho de grupo”. Enumere eventuais dificuldades sentidas
na sua elaboração e estratégias que podem ajudar a superá-las.
11
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
Bibliografia
Brookhart, S. (2012). How to create and use rubrics for formative assessment and grading.
Alexandria, VA: ASCD.
Fernandes, D., Borralho, A., Vale, I., Gaspar, A. & Dias, R. (2011). Ensino, avaliação e participação
dos alunos em contextos de experimentação e generalização do novo programa de
matemática do ensino básico. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.
[http://hdl.handle.net/10451/10312]
Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: Questões teóricas,
práticas e metodológicas. In J. M. DeKetele e M. P. Alves (Orgs.), Do currículo à avaliação, da
avaliação ao currículo, pp. 131-142. Porto: Porto Editora.
[http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6988]
Ferraz, M. J., Carvalho, A., Dantas, C., Cavaco, H., Barbosa, J. Tourais, L. e Neves, N. (1994). Avaliação
Criterial e avaliação normativa. In Domingos Fernandes (Coord.), Pensar avaliação, melhorar
a aprendizagem (Folha A/4). Lisboa: IIE.
[https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Secundario/Documentos/Avaliacao/avaliacao
_criterial.pdf]
Neves, A. e Ferreira, A. (2015). Avaliar é preciso? Guia prático de avaliação para professores e
formadores. Lisboa: Guerra & Paz.
Santos, L. (Org.) (2010). Avaliar para aprender. Relatos de experiências de sala de aula do pré-
escolar ao ensino secundário. Porto: Porto Editora.
12
V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A
View publication statsView publication stats

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013Claudia Elisabete Silva
 
Roteiro básico Projeto de Intervenção
Roteiro básico Projeto de IntervençãoRoteiro básico Projeto de Intervenção
Roteiro básico Projeto de IntervençãoGoretti Silva
 
Rp lp 6_ef (1)
Rp lp 6_ef (1)Rp lp 6_ef (1)
Rp lp 6_ef (1)silviomar
 
Reflexão final do módulo trabalho de recuperação
Reflexão final do módulo   trabalho de recuperaçãoReflexão final do módulo   trabalho de recuperação
Reflexão final do módulo trabalho de recuperaçãoapolonianunes
 
Mapa mundo 9 caderno de apoio ao professor
Mapa mundo 9   caderno de apoio ao professorMapa mundo 9   caderno de apoio ao professor
Mapa mundo 9 caderno de apoio ao professorJssicaTaborda1
 
2012 retep tlq powerpoint de síntese
2012 retep tlq   powerpoint de síntese2012 retep tlq   powerpoint de síntese
2012 retep tlq powerpoint de síntesepmcabrita
 
Roteiro Projeto de Intervenção - Profuncionário Técnico Multimeios Didáticos ...
Roteiro Projeto de Intervenção - Profuncionário Técnico Multimeios Didáticos ...Roteiro Projeto de Intervenção - Profuncionário Técnico Multimeios Didáticos ...
Roteiro Projeto de Intervenção - Profuncionário Técnico Multimeios Didáticos ...Goretti Silva
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoCristiane Lahdo
 
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014 Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014 Sandra Pcnp
 
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagemPortefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagemElisa Dias
 
Reflexão de helena frança
Reflexão de helena françaReflexão de helena frança
Reflexão de helena françahelena frança
 
Matriz de matemática
Matriz de  matemáticaMatriz de  matemática
Matriz de matemáticaelannialins
 
EFA - Formadores
EFA - FormadoresEFA - Formadores
EFA - FormadoresJoão Lima
 

Mais procurados (20)

Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
Planejamento e Avaliação Diagnostica EF-LP-2013
 
Plano de sessão
Plano de sessãoPlano de sessão
Plano de sessão
 
Roteiro básico Projeto de Intervenção
Roteiro básico Projeto de IntervençãoRoteiro básico Projeto de Intervenção
Roteiro básico Projeto de Intervenção
 
Projeto de intervenção
Projeto de intervençãoProjeto de intervenção
Projeto de intervenção
 
Rp lp 6_ef (1)
Rp lp 6_ef (1)Rp lp 6_ef (1)
Rp lp 6_ef (1)
 
Portfólio pessoal
Portfólio pessoalPortfólio pessoal
Portfólio pessoal
 
Reflexão final do módulo trabalho de recuperação
Reflexão final do módulo   trabalho de recuperaçãoReflexão final do módulo   trabalho de recuperação
Reflexão final do módulo trabalho de recuperação
 
Mapa mundo 9 caderno de apoio ao professor
Mapa mundo 9   caderno de apoio ao professorMapa mundo 9   caderno de apoio ao professor
Mapa mundo 9 caderno de apoio ao professor
 
2012 retep tlq powerpoint de síntese
2012 retep tlq   powerpoint de síntese2012 retep tlq   powerpoint de síntese
2012 retep tlq powerpoint de síntese
 
Roteiro Projeto de Intervenção - Profuncionário Técnico Multimeios Didáticos ...
Roteiro Projeto de Intervenção - Profuncionário Técnico Multimeios Didáticos ...Roteiro Projeto de Intervenção - Profuncionário Técnico Multimeios Didáticos ...
Roteiro Projeto de Intervenção - Profuncionário Técnico Multimeios Didáticos ...
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
 
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014 Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
Sugestões de atividades de matemática para o início do ano letivo 2014
 
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagemPortefolio reflexivo de_aprendizagem
Portefolio reflexivo de_aprendizagem
 
Reflexão de helena frança
Reflexão de helena françaReflexão de helena frança
Reflexão de helena frança
 
Matriz de matemática
Matriz de  matemáticaMatriz de  matemática
Matriz de matemática
 
Sintese da sessao_3-_drelvt3
Sintese da sessao_3-_drelvt3Sintese da sessao_3-_drelvt3
Sintese da sessao_3-_drelvt3
 
EFA - Formadores
EFA - FormadoresEFA - Formadores
EFA - Formadores
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Oficina matriz de referencia
Oficina matriz de referenciaOficina matriz de referencia
Oficina matriz de referencia
 
Projeto seminario
Projeto seminarioProjeto seminario
Projeto seminario
 

Semelhante a Rubricas de Avaliação: Características e Propósitos

Prática supervisionada [modo de compatibilidade]
Prática supervisionada [modo de compatibilidade]Prática supervisionada [modo de compatibilidade]
Prática supervisionada [modo de compatibilidade]marcilene1311
 
Portfolio Do Aluno Workshop
Portfolio Do Aluno WorkshopPortfolio Do Aluno Workshop
Portfolio Do Aluno WorkshopAntero
 
Caderno avaliacao pnaic
Caderno avaliacao pnaicCaderno avaliacao pnaic
Caderno avaliacao pnaicKeila Arruda
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Anaigreja
 
Orientações estágio educação infantil - cópia
  Orientações estágio educação infantil - cópia  Orientações estágio educação infantil - cópia
Orientações estágio educação infantil - cópiaLarissa Soares
 
30 09 PORTIFOLIO Avaliação de Desempenho Docente aluna Elisabete Jorgino
30 09 PORTIFOLIO Avaliação de Desempenho Docente aluna Elisabete Jorgino30 09 PORTIFOLIO Avaliação de Desempenho Docente aluna Elisabete Jorgino
30 09 PORTIFOLIO Avaliação de Desempenho Docente aluna Elisabete Jorginobetejorgino
 
Como orientar uma pesquisa guião do professor
Como orientar uma pesquisa   guião do professorComo orientar uma pesquisa   guião do professor
Como orientar uma pesquisa guião do professor1000a
 
Rubricas de-avaliacao
Rubricas de-avaliacaoRubricas de-avaliacao
Rubricas de-avaliacaoangelicajesus
 
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdf
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdfProjeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdf
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdfSIRLENEMOTAPINHEIROD
 
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...Karlla Costa
 
Folha avaliação formativa[15433]
Folha   avaliação formativa[15433]Folha   avaliação formativa[15433]
Folha avaliação formativa[15433]pereyras
 
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamentoIntegracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamentorosamfsilvabiblio
 
Instrumentos de avaliaçã1
Instrumentos de avaliaçã1Instrumentos de avaliaçã1
Instrumentos de avaliaçã119A45i
 
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)aline totti
 
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.pptAssistnciaSocialePsi
 

Semelhante a Rubricas de Avaliação: Características e Propósitos (20)

Prática supervisionada [modo de compatibilidade]
Prática supervisionada [modo de compatibilidade]Prática supervisionada [modo de compatibilidade]
Prática supervisionada [modo de compatibilidade]
 
Portfolio Do Aluno Workshop
Portfolio Do Aluno WorkshopPortfolio Do Aluno Workshop
Portfolio Do Aluno Workshop
 
Slide módulo 4.pptx
Slide módulo 4.pptxSlide módulo 4.pptx
Slide módulo 4.pptx
 
Caderno avaliacao pnaic
Caderno avaliacao pnaicCaderno avaliacao pnaic
Caderno avaliacao pnaic
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3
 
Orientações estágio educação infantil - cópia
  Orientações estágio educação infantil - cópia  Orientações estágio educação infantil - cópia
Orientações estágio educação infantil - cópia
 
30 09 PORTIFOLIO Avaliação de Desempenho Docente aluna Elisabete Jorgino
30 09 PORTIFOLIO Avaliação de Desempenho Docente aluna Elisabete Jorgino30 09 PORTIFOLIO Avaliação de Desempenho Docente aluna Elisabete Jorgino
30 09 PORTIFOLIO Avaliação de Desempenho Docente aluna Elisabete Jorgino
 
Como orientar uma pesquisa guião do professor
Como orientar uma pesquisa   guião do professorComo orientar uma pesquisa   guião do professor
Como orientar uma pesquisa guião do professor
 
Rubricas de-avaliacao
Rubricas de-avaliacaoRubricas de-avaliacao
Rubricas de-avaliacao
 
Material Impresso Para Educacao A Distancia
Material Impresso Para Educacao A DistanciaMaterial Impresso Para Educacao A Distancia
Material Impresso Para Educacao A Distancia
 
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdf
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdfProjeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdf
Projeto, Sequencia didática e Plano de Aula.pdf
 
2ªTarefa 2.2
2ªTarefa 2.22ªTarefa 2.2
2ªTarefa 2.2
 
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
Aula 7. texto zanon e althaus (2008). instrumentos de avaliação na pratica pe...
 
Folha avaliação formativa[15433]
Folha   avaliação formativa[15433]Folha   avaliação formativa[15433]
Folha avaliação formativa[15433]
 
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamentoIntegracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
 
Instrumentos de avaliaçã1
Instrumentos de avaliaçã1Instrumentos de avaliaçã1
Instrumentos de avaliaçã1
 
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
 
manual.pdf
manual.pdfmanual.pdf
manual.pdf
 
Sessao 20 Workshop 1
Sessao 20 Workshop 1Sessao 20 Workshop 1
Sessao 20 Workshop 1
 
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
 

Último

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 

Último (20)

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 

Rubricas de Avaliação: Características e Propósitos

  • 1. See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.net/publication/339956075 Rubricas de Avaliação Preprint · March 2020 CITATIONS 0 READS 3,529 1 author: Some of the authors of this publication are also working on these related projects: Public Policies in Education and Portuguese Students Performance in the Programme for International Student Assessment – PISA (2000-2015) View project Estudos de Avaliação no Âmbito do Ensino Artístico Especializado View project Domingos Fernandes University of Lisbon 106 PUBLICATIONS   532 CITATIONS    SEE PROFILE All content following this page was uploaded by Domingos Fernandes on 16 March 2020. The user has requested enhancement of the downloaded file.
  • 2. F O L H A # Rubricas de Avaliação Domingos Fernandes (Universidade de Lisboa | Instituto de Educação)
  • 3. 1 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A FOLHA # Rubricas de Avaliação Domingos Fernandes (Universidade de Lisboa | Instituto de Educação)
  • 4. 2 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A Índice Sobre as rubricas, suas características e seus propósitos.......................................................... 3 A relevância das rubricas nos processos pedagógicos............................................................... 5 Aspetos a considerar na elaboração de rubricas ....................................................................... 6 TAREFAS...................................................................................................................................... 8 Tarefa 1....................................................................................................................................... 8 Tarefa 2....................................................................................................................................... 9 Tarefa 3..................................................................................................................................... 10 Bibliografia................................................................................................................................ 11
  • 5. 3 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A Sobre as rubricas, suas características e seus propósitos A utilização de rubricas de avaliação constitui um procedimento bastante simples para apoiar a avaliação de uma grande diversidade de produções e desempenhos dos alunos. Na verdade, desde a apresentação oral de trabalhos, passando por qualquer trabalho escrito até ao desempenho na manipulação de uma máquina, de uma viola ou de um qualquer instrumento, as rubricas podem ser excelentes auxiliares para ajudarem quer os alunos, quer os professores a avaliar a qualidade do que é necessário aprender e saber fazer. Para a grande maioria dos autores, as rubricas deverão incluir o conjunto de critérios que se considera traduzir bem o que é desejável que os alunos aprendam e, para cada critério, um número de descrições de níveis de desempenho. Ou seja, para um dado critério, poderemos ter, por exemplo, três, quatro ou mesmo cinco níveis de desempenho que deverão traduzir, se quisermos, orientações fundamentais, para que os alunos possam regular e autorregular os seus progressos nas aprendizagens que têm de desenvolver. Assim, numa rubrica, deveremos ter sempre dois elementos fundamentais: um conjunto coerente e consistente de critérios e um conjunto muito claro de descrições para cada um desses critérios. É importante atentarmos no que nos diz Susan Brookhart acerca da natureza das rubricas. Na verdade, esta autora refere que, embora as rubricas nos permitam avaliar, elas são descritivas e não avaliativas por natureza. Em vez de julgar o desempenho, professores e alunos verificam qual a descrição que melhor o pode representar. Assim, antes do mais, as rubricas permitem desenvolver uma avaliação de referência criterial. E isto significa que estamos a comparar o que os alunos sabem e são capazes de fazer num dado momento com um ou mais critérios e suas descrições e não com uma média ou com um grupo, como acontece na avaliação de referência normativa. É igualmente relevante sublinhar que as rubricas podem ser utilizadas quer no contexto da avaliação formativa, avaliação para as aprendizagens, ou seja, para distribuir feedback de elevada qualidade, quer no contexto da avaliação sumativa, avaliação das aprendizagens, para que, num dado momento, se possa fazer um balanço ou um ponto de situação acerca do que os alunos sabem e são capazes de fazer. Neste sentido, as rubricas que nos interessam neste âmbito inserem-se no contexto da avaliação pedagógica, pois são utilizadas nas salas de aula e podem contribuir para apoiar as aprendizagens dos alunos e o ensino dos professores através daquelas duas modalidades de avaliação. É óbvio que, se as rubricas podem ser utilizadas no contexto da avaliação sumativa, então podem ser utilizadas para mobilizar informação para efeitos da atribuição de classificações. Por isso, poderemos considerar um terceiro elemento que pode integrar as rubricas e que muitos autores designam por standards. Este termo é, por vezes, objeto de alguma confusão, pois é utilizado por alguns autores como sinónimo da descrição de um dado nível de desempenho e, por outros, como uma pontuação, numa dada escala, correspondente a essa mesma descrição (e.g., 1, 2, 3; A, B, C, D, F; <10, 10-13, 14-17, >17). É necessário estar atento em relação a esta possível confusão. No âmbito deste projeto, utiliza-se o termo standard (por vezes traduzido por padrão e também por
  • 6. 4 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A norma) como uma pontuação numa escala correspondente a uma qualquer descrição de desempenho. Como acontece com qualquer estratégia, processo ou tarefa de avaliação, as rubricas podem ser mais ou menos eficazes e úteis para avaliar certos objetos. Mas será sempre bom ter presente que as rubricas são sobretudo destinadas a apoiar a avaliação do desempenho dos alunos seja, por exemplo, na manipulação de uma ferramenta ou de um equipamento de laboratório, que se pode avaliar observando, seja num ensaio escrito a partir de um conjunto de textos, que se pode avaliar através da sua leitura. Em qualquer dos casos, a rubrica pode ser um excelente auxiliar, pois, normalmente, ajuda-nos a melhorar muito a consistência, o rigor e, em geral, a qualidade da avaliação realizada. Na Figura 1 listam-se tipos de desempenho em que as rubricas poderão ser utilizadas como apoio importante à avaliação. Muitos outros exemplos poderiam ser acrescentados e deve ficar claro que as rubricas podem ser utilizadas em qualquer nível de ensino e em qualquer percurso de educação e formação. Figura 1. Desempenhos que podem ser avaliados com o auxílio de rubricas (adaptada de Brookhart, 2012, p. 5). Natureza ou Tipo de Desempenho Exemplos Processos • Destrezas (skills) físicas • Utilização de equipamentos • Apresentações/Comunicações orais • Hábitos de trabalho • Tocar um instrumento • Fazer um dado exercício de ginástica acrobática • Preparar uma lamela para o microscópio • Falar sobre um tema perante a turma • Ler alto • Conversar numa língua estrangeira • Trabalhar autonomamente Produtos • Objetos produzidos • Produções escritas tais como ensaios, relatórios, reações críticas sobre temas específicos, reflexões no final de um dado período • Outras produções académicas que possam evidenciar compreensão de conceitos • Estante de madeira • Conjunto de soldaduras • Avental feito à mão • Pintura a aguarela • Relatório de trabalho laboratorial • Trabalho escrito sobre as comemorações do dia 25 de abril • Análise escrita acerca dos efeitos dos fundos europeus no desenvolvimento de Portugal • Modelo ou diagrama de uma estrutura (átomo, sistema planetário, flor, etc.) • Mapa conceptual
  • 7. 5 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A A relevância das rubricas nos processos pedagógicos A relevância das rubricas de avaliação decorre do simples facto de clarificarem o que os alunos devem aprender e saber fazer. Ou seja, perante uma rubrica que se assume que é clara e bem construída, alunos e professores ficam bem cientes acerca das características e das qualidades, que o trabalho deve ter, para evidenciar as aprendizagens realizadas. Assim, pode dizer-se que as rubricas contribuem para materializar uma ideia fundamental no contexto da avaliação pedagógica: articular as aprendizagens com o ensino e a avaliação. Ou seja, elas podem e devem ser utilizadas para ajudar os alunos a aprender e os professores a ensinar. Além disso, permitem que ambos avaliem o trabalho realizado. Uma vez que as rubricas estão focadas nas aprendizagens dos alunos, os professores tenderão a centrar-se menos nas tarefas que têm de fazer e mais nas aprendizagens que os alunos têm de desenvolver. No fundo, esta ideia implica que o foco tem de ser mais no que os alunos têm de aprender e saber fazer e menos no que estamos a pensar ensinar. Na verdade, a construção de uma qualquer rubrica obriga a que a nossa atenção esteja nos critérios através dos quais as aprendizagens são avaliadas. Consequentemente, a preocupação está nas aprendizagens a realizar no âmbito de um dado conteúdo ou domínio curricular. Uma coisa será dizer “hoje ensinei os quadriláteros” e outra, bem diferente, será referir explicitamente as aprendizagens a realizar no âmbito do domínio dos quadriláteros. É desejável que a mesma rubrica possa ser utilizada numa diversidade de tarefas e ao longo de um determinado período de tempo. Fará todo o sentido, perante um dado domínio do currículo e determinadas aprendizagens essenciais a realizar, utilizar uma única rubrica para a realização de uma diversidade de tarefas. Deste modo garante-se mais consistência e rigor na avaliação realizada, quer seja formativa ou sumativa, permitindo que alunos e professores trabalhem, tendo os mesmos critérios como referentes fundamentais. Os alunos deverão sempre ter acesso às rubricas que estão a ser utilizadas e, inclusivamente, sempre que tal seja possível, participar na identificação de critérios e na descrição dos desempenhos considerados relevantes para as aprendizagens a desenvolver. Não cabe aqui elaborar sobre esta questão tão relevante, mas é importante que ela possa ser objeto de reflexão. Adianta-se, no entanto, que os resultados da investigação neste domínio mostram claras vantagens para as aprendizagens dos alunos quando estes têm acesso às rubricas e/ou participam na sua elaboração.
  • 8. 6 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A Aspetos a considerar na elaboração de rubricas Tendo em conta o que foi dito anteriormente, uma rubrica de avaliação, em geral, inclui quatro elementos: a) a descrição geral da tarefa que é objeto de avaliação; b) os critérios; c) os níveis de descrição do desempenho relativamente a cada critério; e d) a definição de uma escala que atribui a cada nível de desempenho uma dada menção. Na Figura 2 mostra-se uma disposição possível para cada um daqueles elementos, ficando evidente a necessidade de se definirem critérios e, relativamente a cada um deles, de descrever os respetivos níveis de desempenho. Além disso, a inclusão de standards distribuídos por uma escala suscita reflexões relativamente a uma grande diversidade de possibilidades quanto à sua natureza (qualitativa ou quantitativa), à sua dimensão e à sua real utilidade nos processos de avaliação e de classificação. Figura 2. Exemplo da organização geral de uma rubrica de avaliação. Descrição Geral da Tarefa (Objeto de Avaliação) Critérios Standards 1 2 3 Critério 1 Descrição do Nível de Desempenho Descrição do Nível de Desempenho Descrição do Nível de Desempenho Critério 2 Descrição do Nível de Desempenho Descrição do Nível de Desempenho Descrição do Nível de Desempenho Critério 3 Descrição do Nível de Desempenho Descrição do Nível de Desempenho Descrição do Nível de Desempenho A descrição geral da tarefa deverá indicar, genericamente qual o objeto de avaliação, por exemplo, Participação no Trabalho de Grupo, Propriedades e Classificação de Quadriláteros, Resolução de Problemas de Processo, Manipulação de uma Máquina ou Instrumento, Desenho de uma Instalação e Apresentação Oral. As descrições dos níveis de qualidade do desempenho são normalmente definidas partindo de um elevado nível para um nível mais baixo ou vice-versa. A título de exemplo, atente-se na Figura 3, que mostra uma rubrica para avaliar mapas conceptuais relativamente ao critério Relações entre Conceitos. Figura 3. Avaliação de Mapas Conceptuais Desempenho no âmbito dos Mapas Conceptuais Critérios Standards 1 2 3 Relações entre Conceitos Relações entre os conceitos não são claras. Desorganização das componentes e subcomponentes. Relações entre os conceitos são evidentes. Componentes e subcomponentes nem sempre organizadas. Relações claras entre os conceitos. Componentes e subcomponentes hierarquicamente organizadas
  • 9. 7 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A Quanto aos standards, repare-se que, para além de escalas numéricas, poderemos igualmente considerar sequências de expressões tais como: Supera as Expectativas, Dentro das Expectativas, Aquém das Expectativas; Excelente, Muito Bom, Bom, Satisfatório, Insatisfatório; e Domina Muito Bem, Domina Bem, Domina Parcialmente, Não Domina.
  • 10. 8 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A TAREFAS As tarefas sobre rubricas que se seguem devem ser realizadas em pequenos grupos. Tarefa 1. Discuta o conceito e a natureza das rubricas e os aspetos que devem ser tidos em conta na sua elaboração.
  • 11. 9 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A Tarefa 2. Analise e discuta três possíveis contribuições da utilização de rubricas para melhorar as práticas de avaliação pedagógica.
  • 12. 10 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A Tarefa 3. Construa uma rubrica que possa ser utilizada na avaliação do “sentido de responsabilidade dos alunos” ou da sua “participação no trabalho de grupo”. Enumere eventuais dificuldades sentidas na sua elaboração e estratégias que podem ajudar a superá-las.
  • 13. 11 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A Bibliografia Brookhart, S. (2012). How to create and use rubrics for formative assessment and grading. Alexandria, VA: ASCD. Fernandes, D., Borralho, A., Vale, I., Gaspar, A. & Dias, R. (2011). Ensino, avaliação e participação dos alunos em contextos de experimentação e generalização do novo programa de matemática do ensino básico. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. [http://hdl.handle.net/10451/10312] Fernandes, D. (2011). Articulação da aprendizagem, da avaliação e do ensino: Questões teóricas, práticas e metodológicas. In J. M. DeKetele e M. P. Alves (Orgs.), Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo, pp. 131-142. Porto: Porto Editora. [http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6988] Ferraz, M. J., Carvalho, A., Dantas, C., Cavaco, H., Barbosa, J. Tourais, L. e Neves, N. (1994). Avaliação Criterial e avaliação normativa. In Domingos Fernandes (Coord.), Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem (Folha A/4). Lisboa: IIE. [https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Secundario/Documentos/Avaliacao/avaliacao _criterial.pdf] Neves, A. e Ferreira, A. (2015). Avaliar é preciso? Guia prático de avaliação para professores e formadores. Lisboa: Guerra & Paz. Santos, L. (Org.) (2010). Avaliar para aprender. Relatos de experiências de sala de aula do pré- escolar ao ensino secundário. Porto: Porto Editora.
  • 14. 12 V e r s ã o d e t r a b a l h o | P r o j e t o M A I A View publication statsView publication stats