SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
TROVADORISMO
CONCEITO
 1ª Fase da Literatura
Portuguesa (Anteclássica ou Medieval)
 O período anteclássico ou medieval abrange os
séculos XII, XIII, XIV e XV, envolvendo dois
momentos literários: Trovadorismo (1189-1418) e
Humanismo (1418-1527) (este último é
considerado um momento de transição). Para o
estudo dessa época costumam os historiadores
tomar os gêneros em verso e em prosa
separadamente. Na poesia, por exemplo,
encontram-se duas fontes de lirismo bem
demarcadas: a de inspiração provençal e a de
inspiração espanhola (peninsular).
 O lirismo provençal é proveniente de Provença
(sul da França). Tendo atingido notável progresso
material e intelectual na época, sua influência
cultural irradiou-se, chegando até Portugal, cujas
raízes históricas o prendem, quando do seu
surgimento como nação, à França. Corresponde ao
que se chama Trovadorismo.
CARACTERÍSTICAS
 Trovadores eram aqueles que compunham
as poesias e as melodias que as acompanhavam,
e cantigas são as poesias cantadas. A
designação "trovador" aplicava-se aos autores
de origem nobre, sendo que os autores de
origem vilã tinham o nome de jogral, termo que
designava igualmente o seu estatuto
de profissional (em contraste com o trovador).
Ainda que seja coerente a afirmação de que
quem tocava e cantava as poesias eram os
jograis, é muito possível que a maioria dos
trovadores interpretasse igualmente as suas
próprias composições.
 A mentalidade da época baseada no teocentrismo
serviu como base para a estrutura da cantiga de amigo,
em que o amor espiritual e inatingível é retratado. As
cantigas, primeiramente destinadas ao canto, foram
depois manuscritas em cadernos de apontamentos, que
mais tarde foram postas em coletâneas de
canções chamadas Cancioneiros(livros que
reuniam grande número de trovas). São conhecidos
três Cancioneiros galego-portugueses: o "Cancioneiro
da Ajuda", o "Cancioneiro da Biblioteca Nacional de
Lisboa" (Colocci-Brancutti) e o "Cancioneiro da
Vaticana". Além disso, há um quarto livro de cantigas
dedicadas à Virgem Maria pelo rei Afonso X de Leão e
Castela, O Sábio. Surgiram também os textos em
prosa de cronistas como Rui de Pina, Fernão
Lopes e Gomes Eanes de Zurara e as novelas de
cavalaria, como a demanda do Santo Graal
 Com base na maioria das cantigas reunidas nos
cancioneiros, podemos classificá-las da seguinte
forma:
 A cantiga de amor
 O cavalheiro se dirige à mulher amada como uma figura
idealizada, distante. O poeta, na posição de fiel
vassalo, se põe a serviço de sua senhora, dama da
corte, tornando esse amor um objeto de sonho,
distante, impossível. Mas nunca consegue conquistá-la,
porque eles pertencem a diferentes níveis sociais.
 Neste tipo de cantiga, originária de Provença, no sul de
França, o eu-lírico é masculino e sofredor. Sua amada é
chamada de senhor (as palavras terminadas em or como
senhor ou pastor, em galego-português não tinham
feminino). Canta as qualidades de seu amor, a "minha
senhor", a quem ele trata como superior revelando sua
condição hierárquica. Ele canta a dor de amar e está
sempre acometido da "coita", palavra frequente nas
cantigas de amor que significa "sofrimento por amor". É à
sua amada que se submete e "presta serviço", por isso
espera benefício (referido como o bem nas trovas).
 Essa relação amorosa vertical é chamada "vassalagem
amorosa", pois reproduz as relações dos vassalos com os
seus senhores feudais. Sua estrutura é mais sofisticada.
 São tipos de Cantiga de Amor:
 Cantiga de Meestria: é o tipo mais difícil de cantiga de
amor. Não apresenta refrão, nem estribilho, nem
repetições (diz respeito à forma.)
 Cantiga de Tense ou Tenção: diálogo entre cavaleiros
em tom de desafio. Gira em torno da mesma mulher.
 Cantiga de Pastorela: trata do amor entre pastores
(plebeus) ou por uma pastora (plebéia).
 Cantiga de Plang: cantiga de amor repleta de lamentos.
 A cantiga de amigo
 São cantigas de origem popular, com marcas
evidentes da literatura oral (reiterações,
paralelismo, refrão, estribilho), recursos esses
próprios dos textos para serem cantados e que
propiciam facilidade na memorização. Esses
recursos são utilizados, ainda hoje, nas canções
populares.

 Este tipo de cantiga, que não surgiu em Provença como
as outras, teve suas origens na Península Ibérica. Nela,
o eu-lírico é uma mulher (mas o autor era masculino,
devido à sociedade feudal e o restrito acesso ao
conhecimento da época), que canta seu amor
pelo amigo (isto é, namorado), muitas vezes
em ambiente natural, e muitas vezes também em
diálogo com sua mãe ou suas amigas. A figura
feminina que as cantigas de amigo desenham é, pois, a
da jovem que se inicia no universo do amor, por vezes
lamentando a ausência do amado, por vezes cantando a
sua alegria pelo próximo encontro. Outra diferença da
cantiga de amor, é que nela não há a relação Suserano
x Vassalo, ela é uma mulher do povo. Muitas vezes tal
cantiga também revelava a tristeza da mulher, pela ida
de seu amado à guerra.
 Ricardo Coração de Leão
 Afonso Sanches
 Aires Corpancho
 Aires Nunes
 Bernardo Bonaval
 Dom Dinis I de Portugal
 D. Pedro, Conde de Barcelos
 João Garcia de Guilhade
 João Soares de Paiva ou João Soares de Pávia
 João Zorro
 Paio Gomes Charinho
 Paio Soares de Taveirós (Cantiga da Garvaia)
 Meendinho
 Martim Codax
 Nuno Fernandes Torneol
 Guilherme IX da Aquitânia
 Pedro III de Aragão
TRABALHO APRESENTADO PELOS ALUNOS:
NEILA.LORRAYNE.RODINEY.LEONARDO.JH
ENNIFER.MYLLENA..
O Trovadorismo: poesia medieval portuguesa
O Trovadorismo: poesia medieval portuguesa
O Trovadorismo: poesia medieval portuguesa
O Trovadorismo: poesia medieval portuguesa
O Trovadorismo: poesia medieval portuguesa
O Trovadorismo: poesia medieval portuguesa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textualLuis Carlos Santos
 
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iiiPlano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iiiADIRCE01
 
Plano de curso do 6 ano 2017
Plano de curso do 6 ano 2017Plano de curso do 6 ano 2017
Plano de curso do 6 ano 2017Jaiza Nobre
 
Sequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual contoSequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual contoThauane Furquim
 
Currículo de Língua Portuguesa para o Ensino Médio - PE
Currículo de  Língua Portuguesa para o Ensino Médio -  PECurrículo de  Língua Portuguesa para o Ensino Médio -  PE
Currículo de Língua Portuguesa para o Ensino Médio - PEMarcia Oliveira
 
Plano de aula crônica
Plano de aula crônicaPlano de aula crônica
Plano de aula crônicaLucianaProf
 
235267232 4-ano-projeto-varal-de-poesias-1
235267232 4-ano-projeto-varal-de-poesias-1235267232 4-ano-projeto-varal-de-poesias-1
235267232 4-ano-projeto-varal-de-poesias-1Ana Chantal
 
Descritores de Língua Portuguesa
Descritores de Língua PortuguesaDescritores de Língua Portuguesa
Descritores de Língua PortuguesaEdileusa Camargo
 
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)Julia Nogueira
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoMyllenne Abreu
 
RELATÓRIO FINAL RELATIVO AO PROJETO “TODO DIA É DIA DE LER” E DO PROJETO TALE...
RELATÓRIO FINAL RELATIVO AO PROJETO “TODO DIA É DIA DE LER” E DO PROJETO TALE...RELATÓRIO FINAL RELATIVO AO PROJETO “TODO DIA É DIA DE LER” E DO PROJETO TALE...
RELATÓRIO FINAL RELATIVO AO PROJETO “TODO DIA É DIA DE LER” E DO PROJETO TALE...LOCIMAR MASSALAI
 
Jogos de-lingua-portuguesa
Jogos de-lingua-portuguesaJogos de-lingua-portuguesa
Jogos de-lingua-portuguesaJorge Luciano
 
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdfPLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdfssuser3646a1
 
Gênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaGênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaKetheley Freire
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4GernciadeProduodeMat
 

Mais procurados (20)

MODELO DE Projeto literatura na escola
MODELO DE Projeto  literatura na escolaMODELO DE Projeto  literatura na escola
MODELO DE Projeto literatura na escola
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textual
 
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iiiPlano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
Plano de aula gêneros literários adirce ativ. módulo iii
 
Literatura africana
Literatura africanaLiteratura africana
Literatura africana
 
Plano de curso do 6 ano 2017
Plano de curso do 6 ano 2017Plano de curso do 6 ano 2017
Plano de curso do 6 ano 2017
 
Sequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual contoSequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual conto
 
Currículo de Língua Portuguesa para o Ensino Médio - PE
Currículo de  Língua Portuguesa para o Ensino Médio -  PECurrículo de  Língua Portuguesa para o Ensino Médio -  PE
Currículo de Língua Portuguesa para o Ensino Médio - PE
 
Plano de aula crônica
Plano de aula crônicaPlano de aula crônica
Plano de aula crônica
 
235267232 4-ano-projeto-varal-de-poesias-1
235267232 4-ano-projeto-varal-de-poesias-1235267232 4-ano-projeto-varal-de-poesias-1
235267232 4-ano-projeto-varal-de-poesias-1
 
Descritores de Língua Portuguesa
Descritores de Língua PortuguesaDescritores de Língua Portuguesa
Descritores de Língua Portuguesa
 
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
Produção de-texto-9º-ano-narrativa (1)
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
RELATÓRIO FINAL RELATIVO AO PROJETO “TODO DIA É DIA DE LER” E DO PROJETO TALE...
RELATÓRIO FINAL RELATIVO AO PROJETO “TODO DIA É DIA DE LER” E DO PROJETO TALE...RELATÓRIO FINAL RELATIVO AO PROJETO “TODO DIA É DIA DE LER” E DO PROJETO TALE...
RELATÓRIO FINAL RELATIVO AO PROJETO “TODO DIA É DIA DE LER” E DO PROJETO TALE...
 
Atividades cordel (1)
Atividades cordel (1)Atividades cordel (1)
Atividades cordel (1)
 
Exemplo de Relato Pessoal
Exemplo de Relato PessoalExemplo de Relato Pessoal
Exemplo de Relato Pessoal
 
Jogos de-lingua-portuguesa
Jogos de-lingua-portuguesaJogos de-lingua-portuguesa
Jogos de-lingua-portuguesa
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdfPLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
 
Gênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaGênero - Memória Literária
Gênero - Memória Literária
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
 

Destaque

Sarau de poesias
Sarau de poesiasSarau de poesias
Sarau de poesiasSel78
 
Sarau Literário 2013
Sarau Literário 2013Sarau Literário 2013
Sarau Literário 2013QUEDMA SILVA
 
Projeto Brincando com Poesias
Projeto Brincando com PoesiasProjeto Brincando com Poesias
Projeto Brincando com PoesiasProfrochedo
 
Projeto Sarau Digital
Projeto Sarau DigitalProjeto Sarau Digital
Projeto Sarau DigitalDiana Pilatti
 
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010Colégio Degraus
 
Projeto poesias: Educação Infantil
Projeto poesias: Educação InfantilProjeto poesias: Educação Infantil
Projeto poesias: Educação InfantilMayara Silva
 
Sequencia didatica poesia
Sequencia didatica poesiaSequencia didatica poesia
Sequencia didatica poesiaKeila Arruda
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literaturafabrinnem
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literaturaleliovr
 
Escola espaço de aprendizado E sarau literário saltimbancos
Escola  espaço de aprendizado E sarau literário saltimbancosEscola  espaço de aprendizado E sarau literário saltimbancos
Escola espaço de aprendizado E sarau literário saltimbancosJosiane Amaral
 
Diogo sarau poético
Diogo sarau poético Diogo sarau poético
Diogo sarau poético Karla Laiany
 
V Sarau Literário - LAO
V Sarau Literário - LAOV Sarau Literário - LAO
V Sarau Literário - LAOcarolrezende02
 
Autores e poetas negros
Autores e poetas negrosAutores e poetas negros
Autores e poetas negrosJeckson Jean
 

Destaque (20)

PROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIOPROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
 
Sarau de poesias
Sarau de poesiasSarau de poesias
Sarau de poesias
 
Sarau Literário 2013
Sarau Literário 2013Sarau Literário 2013
Sarau Literário 2013
 
Projeto Brincando com Poesias
Projeto Brincando com PoesiasProjeto Brincando com Poesias
Projeto Brincando com Poesias
 
Projeto Sarau Digital
Projeto Sarau DigitalProjeto Sarau Digital
Projeto Sarau Digital
 
Feira literária -Arte e Poesia
Feira literária -Arte e PoesiaFeira literária -Arte e Poesia
Feira literária -Arte e Poesia
 
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
Portfólio do projeto poesias 1º ano2 º trimestre 2010
 
Projeto poesias: Educação Infantil
Projeto poesias: Educação InfantilProjeto poesias: Educação Infantil
Projeto poesias: Educação Infantil
 
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
 
Sequencia didatica poesia
Sequencia didatica poesiaSequencia didatica poesia
Sequencia didatica poesia
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIOPROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
 
Escola espaço de aprendizado E sarau literário saltimbancos
Escola  espaço de aprendizado E sarau literário saltimbancosEscola  espaço de aprendizado E sarau literário saltimbancos
Escola espaço de aprendizado E sarau literário saltimbancos
 
Diogo sarau poético
Diogo sarau poético Diogo sarau poético
Diogo sarau poético
 
SARAU 2011
SARAU 2011SARAU 2011
SARAU 2011
 
V Sarau Literário - LAO
V Sarau Literário - LAOV Sarau Literário - LAO
V Sarau Literário - LAO
 
Autores e poetas negros
Autores e poetas negrosAutores e poetas negros
Autores e poetas negros
 

Semelhante a O Trovadorismo: poesia medieval portuguesa

Semelhante a O Trovadorismo: poesia medieval portuguesa (20)

1._Poesia_Trovadoresca.pdf
1._Poesia_Trovadoresca.pdf1._Poesia_Trovadoresca.pdf
1._Poesia_Trovadoresca.pdf
 
Trovadorismo trabalho 1
Trovadorismo trabalho 1Trovadorismo trabalho 1
Trovadorismo trabalho 1
 
Aula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptxAula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptx
 
PP sobre a Poesia trovadoresca (cantigas de amigo, amor e escárnio e maldizer)
PP sobre a Poesia trovadoresca (cantigas de amigo, amor e escárnio e maldizer)PP sobre a Poesia trovadoresca (cantigas de amigo, amor e escárnio e maldizer)
PP sobre a Poesia trovadoresca (cantigas de amigo, amor e escárnio e maldizer)
 
A literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaudA literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaud
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Apoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdfApoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdf
 
Cantigas do Trovadorismo.docx
Cantigas do Trovadorismo.docxCantigas do Trovadorismo.docx
Cantigas do Trovadorismo.docx
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
 
Trovadorismo I inicio
Trovadorismo I  inicioTrovadorismo I  inicio
Trovadorismo I inicio
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Movimento Literário Trovadorismo
Movimento Literário TrovadorismoMovimento Literário Trovadorismo
Movimento Literário Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 

Mais de Escola Estadual Antônio Valadares (8)

Projeto Restaurando Valores e Resgatando Vidas
Projeto Restaurando Valores e Resgatando Vidas Projeto Restaurando Valores e Resgatando Vidas
Projeto Restaurando Valores e Resgatando Vidas
 
Planejamento pedagógico_ Projeto Gentileza Gera Gentileza
Planejamento pedagógico_ Projeto Gentileza Gera GentilezaPlanejamento pedagógico_ Projeto Gentileza Gera Gentileza
Planejamento pedagógico_ Projeto Gentileza Gera Gentileza
 
Bruna trabalho cópia
Bruna trabalho   cópiaBruna trabalho   cópia
Bruna trabalho cópia
 
Histórico da Amarelinha
Histórico da AmarelinhaHistórico da Amarelinha
Histórico da Amarelinha
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 
TRICOMONÍASE 
TRICOMONÍASE TRICOMONÍASE 
TRICOMONÍASE 
 
Use Camisinha
Use CamisinhaUse Camisinha
Use Camisinha
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 

Último

Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 

Último (20)

“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 

O Trovadorismo: poesia medieval portuguesa

  • 2. CONCEITO  1ª Fase da Literatura Portuguesa (Anteclássica ou Medieval)  O período anteclássico ou medieval abrange os séculos XII, XIII, XIV e XV, envolvendo dois momentos literários: Trovadorismo (1189-1418) e Humanismo (1418-1527) (este último é considerado um momento de transição). Para o estudo dessa época costumam os historiadores tomar os gêneros em verso e em prosa separadamente. Na poesia, por exemplo, encontram-se duas fontes de lirismo bem demarcadas: a de inspiração provençal e a de inspiração espanhola (peninsular).
  • 3.  O lirismo provençal é proveniente de Provença (sul da França). Tendo atingido notável progresso material e intelectual na época, sua influência cultural irradiou-se, chegando até Portugal, cujas raízes históricas o prendem, quando do seu surgimento como nação, à França. Corresponde ao que se chama Trovadorismo.
  • 4. CARACTERÍSTICAS  Trovadores eram aqueles que compunham as poesias e as melodias que as acompanhavam, e cantigas são as poesias cantadas. A designação "trovador" aplicava-se aos autores de origem nobre, sendo que os autores de origem vilã tinham o nome de jogral, termo que designava igualmente o seu estatuto de profissional (em contraste com o trovador). Ainda que seja coerente a afirmação de que quem tocava e cantava as poesias eram os jograis, é muito possível que a maioria dos trovadores interpretasse igualmente as suas próprias composições.
  • 5.  A mentalidade da época baseada no teocentrismo serviu como base para a estrutura da cantiga de amigo, em que o amor espiritual e inatingível é retratado. As cantigas, primeiramente destinadas ao canto, foram depois manuscritas em cadernos de apontamentos, que mais tarde foram postas em coletâneas de canções chamadas Cancioneiros(livros que reuniam grande número de trovas). São conhecidos três Cancioneiros galego-portugueses: o "Cancioneiro da Ajuda", o "Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa" (Colocci-Brancutti) e o "Cancioneiro da Vaticana". Além disso, há um quarto livro de cantigas dedicadas à Virgem Maria pelo rei Afonso X de Leão e Castela, O Sábio. Surgiram também os textos em prosa de cronistas como Rui de Pina, Fernão Lopes e Gomes Eanes de Zurara e as novelas de cavalaria, como a demanda do Santo Graal
  • 6.  Com base na maioria das cantigas reunidas nos cancioneiros, podemos classificá-las da seguinte forma:  A cantiga de amor  O cavalheiro se dirige à mulher amada como uma figura idealizada, distante. O poeta, na posição de fiel vassalo, se põe a serviço de sua senhora, dama da corte, tornando esse amor um objeto de sonho, distante, impossível. Mas nunca consegue conquistá-la, porque eles pertencem a diferentes níveis sociais.
  • 7.  Neste tipo de cantiga, originária de Provença, no sul de França, o eu-lírico é masculino e sofredor. Sua amada é chamada de senhor (as palavras terminadas em or como senhor ou pastor, em galego-português não tinham feminino). Canta as qualidades de seu amor, a "minha senhor", a quem ele trata como superior revelando sua condição hierárquica. Ele canta a dor de amar e está sempre acometido da "coita", palavra frequente nas cantigas de amor que significa "sofrimento por amor". É à sua amada que se submete e "presta serviço", por isso espera benefício (referido como o bem nas trovas).  Essa relação amorosa vertical é chamada "vassalagem amorosa", pois reproduz as relações dos vassalos com os seus senhores feudais. Sua estrutura é mais sofisticada.
  • 8.  São tipos de Cantiga de Amor:  Cantiga de Meestria: é o tipo mais difícil de cantiga de amor. Não apresenta refrão, nem estribilho, nem repetições (diz respeito à forma.)  Cantiga de Tense ou Tenção: diálogo entre cavaleiros em tom de desafio. Gira em torno da mesma mulher.  Cantiga de Pastorela: trata do amor entre pastores (plebeus) ou por uma pastora (plebéia).  Cantiga de Plang: cantiga de amor repleta de lamentos.
  • 9.  A cantiga de amigo  São cantigas de origem popular, com marcas evidentes da literatura oral (reiterações, paralelismo, refrão, estribilho), recursos esses próprios dos textos para serem cantados e que propiciam facilidade na memorização. Esses recursos são utilizados, ainda hoje, nas canções populares. 
  • 10.  Este tipo de cantiga, que não surgiu em Provença como as outras, teve suas origens na Península Ibérica. Nela, o eu-lírico é uma mulher (mas o autor era masculino, devido à sociedade feudal e o restrito acesso ao conhecimento da época), que canta seu amor pelo amigo (isto é, namorado), muitas vezes em ambiente natural, e muitas vezes também em diálogo com sua mãe ou suas amigas. A figura feminina que as cantigas de amigo desenham é, pois, a da jovem que se inicia no universo do amor, por vezes lamentando a ausência do amado, por vezes cantando a sua alegria pelo próximo encontro. Outra diferença da cantiga de amor, é que nela não há a relação Suserano x Vassalo, ela é uma mulher do povo. Muitas vezes tal cantiga também revelava a tristeza da mulher, pela ida de seu amado à guerra.
  • 11.  Ricardo Coração de Leão  Afonso Sanches  Aires Corpancho  Aires Nunes  Bernardo Bonaval  Dom Dinis I de Portugal  D. Pedro, Conde de Barcelos  João Garcia de Guilhade  João Soares de Paiva ou João Soares de Pávia  João Zorro  Paio Gomes Charinho  Paio Soares de Taveirós (Cantiga da Garvaia)  Meendinho  Martim Codax  Nuno Fernandes Torneol  Guilherme IX da Aquitânia  Pedro III de Aragão
  • 12. TRABALHO APRESENTADO PELOS ALUNOS: NEILA.LORRAYNE.RODINEY.LEONARDO.JH ENNIFER.MYLLENA..