Como evitar as catástrofes no clima da terra

267 visualizações

Publicada em

A humanidade se defronta com uma fronteira temporal que não é 2100, mas bem mais cedo, 2030! Esta data não é arbitrária. Em 2030, viveremos em um planeta que terá cerca de 9 bilhões de habitantes dos quais dois terços vivendo em uma Terra saturada de poluição e dejetos já afetada por uma alta sensível de temperaturas. Em 2030, estaremos entrando em uma fase de penúria em relação ao petróleo e de forte tensão sobre outros combustíveis fósseis, em um contexto de redução dos recursos naturais e empobrecimento de terras cultiváveis. Para enfrentar os graves problemas ambientais do planeta não basta apontar soluções técnicas por mais geniais que sejam, mas, sobretudo inventar uma nova civilização. Todo o esforço que se realize para reduzir ou eliminar os gases do efeito estufa do planeta Terra não será suficiente sem a emergência de uma nova ordem política e ética comum para toda a humanidade.

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
267
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como evitar as catástrofes no clima da terra

  1. 1. 1 COMOEVITARASCATÁSTROFESNOCLIMADATERRA FernandoAlcoforado* A humanidade sedefronta comuma fronteira temporalque não é 2100, masbem maiscedo,2030!Esta data não é arbitrária. Em 2030, viveremos em um planeta que terá cerca de 9 bilhões de habitantes dos quaisdoisterços vivendo emuma Terra saturada de poluição e dejetosjá afetadapor uma alta sensívelde temperaturas. Em 2030, estaremos entrando em uma fase de penúria em relação ao petróleo e de forte tensão sobre outros combustíveis fósseis, em um contexto de redução dos recursos naturais e empobrecimentodeterrascultiváveis. Paraenfrentaros gravesproblemasambientaisdoplanetanãobasta apontar soluções técnicas por mais geniais que sejam, mas, sobretudo inventar uma nova civilização. Todo o esforço que se realize para reduzir ou eliminar os gasesdo efeito estufa do planeta Terra não será suficientesemaemergênciadeumanovaordempolíticaeéticacomumparatodaahumanidade. Aconcentração de gáscarbônico naatmosferaque erade280ppm (partículaspor milhão)em volume no início da era industrial deverá alcançar no século XXI valores entre 540 e 970 ppm. Este aumento da concentração degáscarbônico é responsávelpor 70%do aquecimento globalem curso.O mundo está diante de um desafio que é o de não permitir o aquecimento global no século XXI superior a dois graus centígrados. Para evitar um aquecimento do planeta superior a 2º C, seria preciso estabilizar as concentrações de dióxido de carbono (e equivalentes) em 450 ppm (partes por milhão). Para isso, as emissões mundiais terão que ser reduzidas abaixo de seus níveis de 1990. Reduzir as emissões em relação aos níveis de 1990 é um desafio gigantesco. Basta considerar que a Agência Internacional de Energia (AIE), ao projetar as tendências recentes e as políticas existentes, faz previsão de aumento de 50% da demanda energética até 2030, com continuada dependência dos combustíveis fósseis. Modelos climáticos referenciados pelo IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) da ONU projetam que as temperaturas globais de superfície provavelmente aumentarão no intervalo entre 1,1 e 6,4 °C entre 1990 e 2100 em face dos níveis cada vez maiores de dióxido de carbono (CO2) e metano na atmosfera. Este cenário só não acontecerá se as emissões globais de CO2 e metano forem cortadas (Ver o website http://www.ipcc.ch). No mundo, os combustíveis fósseis (petróleo e carvão), sobretudo o petróleo, são responsáveis por 77% das emissões de dióxido de carbono na atmosfera contribuindo decisivamente para o aquecimento global do planeta que, se prognostica, poderá levar o planeta a um cenário climático catastrófico a partir das próximas décadas. O uso de combustíveis fósseis na agricultura e na pecuária, na indústria, nos transportes, residências e no comércio e na produção de energia nas usinas termelétricas são os principais vilões do efeito estufa, além do desmatamento. Para a consecução do objetivo de redução das emissões mundiais de gases do efeito estufa, torna-se um imperativo reduzir as emissões globais de carbono promovendo, entre outras medidas, mudanças no atual modelo energético mundial baseado atualmente em combustíveis fósseis (carvão e petróleo) e nucleares, por outro estruturado fundamentalmente com base nos recursos energéticos renováveis, na hidroeletricidade, na biomassa e nas fontes de energia solar e eólica para evitar ou minimizar o aquecimento global e, consequentemente, a ocorrência de mudanças catastróficas no clima da Terra. Além disso, é preciso que se desenvolva uma política de economia de energia na cidade e no campo, nas edificações, na agricultura, nas indústrias e nos meios de transporte em geral contribuindo, dessa forma, para a redução das emissões globais de carbono e, consequentemente, do efeito estufa.
  2. 2. 2 Desde a assinatura do Tratado deKyoto sobreo clima em1997 e as reuniõessucessivas visando evitar a ocorrência da mudança climática catastrófica globalque se prognosticanão tem havido grande progresso no combate ao aquecimento global. Segundo aNASA, as concentrações de gases que provocam o efeito estufa na atmosfera alcançaram o nível mais elevado dos últimos 800 mil anos. A temperatura média na superfície da Terra e dos oceanos aumentou 0,85ºC entre 1880 e 2012, um aquecimento de velocidade inédita. De acordo com o documento da NASA, a Terra caminha atualmente para um aumento de pelo menos 4º C até 2100 na comparação com nível da era pré-industrial, o que provocará grandes secas, inundações, aumento do nível do mar e extinção de muitas espécies, além de fome, populações deslocadas e conflitos potenciais. O ano de 2014 foi o mais quente do planeta desde o início dos registros em 1880, revelou o relatório divulgado pela Agência Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos. Dezembro também marcou uma temperatura média na superfície da Terra e dos oceanos sem precedentes nos últimos 134 anos para este período do ano. O relatório da agência informa que o recorde de aquecimento se propagou pelo mundo. A agência disse ainda que as medições realizadas pela NASA de forma independente chegam às mesmas conclusões. Quando são analisadas separadamente as superfícies da terra e dos oceanos, ambos os registros também marcam recordes. Globalmente, a temperatura média da superfície dos mares foi a maior da história, 0,57° C acima da média do século XX, enquanto a da superfície da terra ultrapassou em 1° C esta mesma média. No início de dezembro, a OMM (Organização Meteorológica Mundial) da ONU, havia antecipado que 2014 seria o ano mais quente já registrado no mundo. As regiões polares da Terra são locais onde a mudança climática está tendo impactos visíveis e significativos. O gelo marinho no Ártico diminuiu drasticamente nos últimos anos. As plataformas de gelo da Antártica estão se desintegrando e rompendo. A Antártica é a maior massa congelada com 90% do gelo da Terra. A maior parte do gelo fica na Antártica Oriental que é mais alta, mais fria e menos propensa a derreter. Na Antártica Ocidental, parte do gelo está em depressões vulneráveis a derretimento. Dados da Agência Espacial Europeia indicam que o continente antártico desprendeu 160 bilhões de toneladas métricas de gelo por ano de 2010 a 2013. Para calcular a temperatura do planeta inteiro, são combinados os dados da temperatura dos oceanos (que cobrem aproximadamente dois terços do planeta) com a temperatura de terra firme. Os pesquisadores utilizam, ao todo, dados de 6.300 estações meteorológicas, de medições nos oceanos por navios e de estações de pesquisa na Antártica. Uma das consequências do degelo dos polos e das cordilheiras é a elevação do nível dos mares fazendo com que áreas costeiras e ilhas em todo o mundo fiquem submersas. Geleiras menores em regiões de grande altitude nos Andes, nos Alpes e no Himalaia, assim como no Alasca, estão em processo ainda maior de derretimento que fariam o nível do mar subir cerca de 0,5 metro. As calotas glaciais da Antártica e da Groenlândia juntas contêm cem vezes mais gelo do que todas as geleiras de montanha reunidas. A Groenlândia, com 10% do gelo do mundo, pode elevar o nível do mar em sete metros. Recentemente, encontro realizado em Lima no Peru delineou os elementos principais do próximo acordo global do clima, a ser assinado no fim de 2016 em Paris. O texto final, "Chamamento de Lima para a Ação sobre o Clima", aponta os elementos principais do
  3. 3. 3 próximo acordo global do clima visando a redução de emissões de gases de efeito-estufa no período pós-2030. Espera-se que, em Paris, em 2016, o mundo chegue, finalmente, a um acordo. O objetivo é evitar que a temperatura média do planeta não ultrapasse 2º C fazendo as emissões de carbono pararem de crescer nos próximos cinco ou dez anos e levá-las a zero em 2100. Além da redução dos gases do efeito estufa, espera-se que em Paris seja dado início à formulação de uma nova ordem mundial, uma nova civilização, a ser edificada que contribua para organizar as relações entre os homens na face da Terra, bem como suas relações com a natureza. * Fernando Alcoforado, 75, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre outros.

×