3º trimestre 2015 juvenis lição 07

146 visualizações

Publicada em

E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. (Jo 1.14)

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
146
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3º trimestre 2015 juvenis lição 07

  1. 1. MODELO
  2. 2. TEXTO ÁUREO • E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. (Jo 1.14)
  3. 3. LEITURA DIÁRIA • SEG – Lc 1:34,35; Mt 1:18: A Concepção do Redentor • TER – Lc 2:6: O nascimento do Redentor • QUA – Lc 2:7: A “hospitalidade” ao Redentor • QUI – Mt 2:1,23: As cidades do Redentor • SEX – Mt 2:6: A Recepção de Herodes ao Redentor • SAB - Lc 2:13,14: A recepção do céu ao Redentor
  4. 4. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE João 1:1-5; 14-16 Jo 1:1-5 • No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. • Ele estava no princípio com Deus. • Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. • Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. • E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.
  5. 5. • Jo 1:14-16 • E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. • João testificou dele, e clamou, dizendo: Este era aquele de quem eu dizia: O que vem após mim é antes de mim, porque foi primeiro do que eu. • E todos nós recebemos também da sua plenitude, e graça por graça.
  6. 6. INTRODUÇÃO • A encarnação é o ponto de interseção da história da humanidade. • É quando Deus tocou a terra. É como se fosse o mar desaguando em uma cisterna. • Como conte-lo? • Assim, o cumprimento de milhares de anos de profecias estava se concentrando em um ponto de tempo e no espaço. • O Filho de Deus esta cegando ao mundo.
  7. 7. I – VIVENDO NA ETERNIDADE 1- Jesus, a Palavra de Deus. 2- O Redentor era Deus. 3- O Redentor tudo criou. 4- O Redentor era a fonte de vida.
  8. 8. a) O Verbo de Deus. • Abrindo o seu evangelho, escreve João: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo 1.14). • Deixa o evangelista bem patente que o Filho de Deus, que se encontrava no seio do Pai, foi concebido pelo Espírito Santo para habitar entre nós (Sl 2.7; Is 7.14; Jo 1.18;3.16). • Por que João denomina-o Verbo de Deus? Sendo Cristo o executivo do Pai, todas as coisas vieram à existência por intermédio dele sem Ele, nada do que é, existiria.
  9. 9. b). O esvaziamento de Cristo. • Em sua encarnação, o Cristo tornou-se em tudo semelhante a nós, exceto quanto à natureza pecaminosa e ao pecado (Fp 2.7,8 - ARA). • Em que consistiu o auto-esvaziamento de Cristo? Certamente não esvaziara-se Ele de sua divindade; porquanto, em todo o seu ministério terreno, manteve-a incólume. • Aliás, foi Ele, em seu estado de humilhação, reconhecido como Deus (Jo 1.49; 20.28). • Consideremos, ainda, a sua oração sacerdotal no Getsêmane.
  10. 10. • Ele não reivindica ao Pai a sua divindade, porquanto esta lhe é um atributo intrínseco; reivindica, sim, aquela imarcescível e eterna glória (Jo 17.5).
  11. 11. c). A concepção virginal do Filho de Deus. • conforme profetizou Isaías: “Eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel” (Is 7.14; Mt 1.25-24; Lc 1.35). • Seu nascimento ocorreu em Belém conforme o registro de Lc 2.3-12. • Maria, como as demais mulheres, sentiu as dores de parto ao dar à luz a Cristo; e, Jesus, à nossa semelhança, deixou o ventre materno, natural e não sobrenaturalmente, ao nascer em Belém de Judá. • Portanto, se o seu nascimento foi natural, a sua concepção, frisamos, foi um ato miraculoso operado pelo Espírito Santo, conforme registra Lucas 1.30-35.
  12. 12. • Em toda a Bíblia, Jesus recebe vários títulos: Filho de Deus, Raiz de Davi, Messias...No texto de João 11-4, Ele é chamado “Verbo de Deus”. 1 – Jesus, a Palavra de Deus.
  13. 13. A Palavra De Deus Como Pessoa: Jesus Cristo • Às vezes a Bíblia refere-se ao Filho de Deus como “a Palavra de Deus”. • Em Apocalipse 19.13, João vê o Senhor Jesus ressurreto no céu e diz: “Está vestido com um manto tingido de sangue, e o seu nome é a Palavra de Deus” (NVI). • De modo semelhante, no começo do Evangelho de João lemos: “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus” (Jo 1.1, NVI). • É claro que João está falando aqui do Filho de Deus, porque no versículo 14 diz: “A Palavra tornou-se carne e viveu entre nós.
  14. 14. A Palavra De Deus Como Comunicação Verbal De Deus 1. Às vezes as palavras de Deus tomam a forma de decretos poderosos que causam eventos ou até mesmo trazem coisas à existência. “Disse Deus: Haja luz; e houve luz” (Gn 1.3). 2. Deus criou ainda o mundo animal proferindo sua poderosa palavra: “Produza a terra seres viventes, conforme a sua espécie: animais domésticos, répteis e animais selváticos, segundo a sua espécie.
  15. 15. 2. Palavras de Deus de aplicação pessoal. • Deus diz a Adão: “E o SENHOR Deus lhe deu essa ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás” (Gn 2.16-17).
  16. 16. 3. Palavras de Deus comunicadas por lábios humanos. • Com freqüência nas Escrituras Deus levanta profetas para falar por meio deles.De novo, é evidente que embora sejam palavras humanas, faladas em linguagem humana comum por seres humanos comuns, sua autoridade e veracidade não sofrem nenhuma redução; ainda são inteiramente palavras de Deus. 4. Palavras de Deus em forma escrita (a Bíblia). • Além das palavras de Deus em forma de decreto, das palavras de Deus de aplicação pessoal e das palavras de Deus comunicadas por lábios humanos, também encontramos nas Escrituras várias situações em que as palavras de Deus são colocadas em forma escrita.
  17. 17. O Ponto De Convergência • De todas as formas da Palavra de Deus, o ponto de convergência na teologia sistemática é a Palavra de Deus em forma escrita, isto é, a Bíblia. • Essa é a forma da Palavra de Deus disponível para estudo, pesquisa pública, exame repetido e como base para discussão uns com outros. • Ela nos fala sobre a Palavra de Deus e para ela nos conduz como a uma pessoa, ou seja, Jesus Cristo, a quem não temos agora em forma corpórea sobre a terra e cuja vida e ensino, por conseguinte, não somos capazes de observar nem de imitar de primeira mão.
  18. 18. O cânon das Escritura. • Não devemos subestimar a importância dessa questão. As palavras das Escrituras são as palavras pelas quais nutrimos nossa vida espiritual. • Portanto, podemos reafirmar o comentário de Moisés ao povo de Israel a respeito da lei de Deus: • “Porque esta palavra não é para vós outros coisa vã; antes, é a vossa vida; e, por esta mesma palavra, prolongareis os dias na terra à qual, passando o Jordão, ides para a possuir” (Dt 32.47).
  19. 19. • Como Jesus vivia na eternidade? Ele estava com Deus e Ele era Deus (Jo 1:1) 2 – O Redentor era Deus.
  20. 20. Deus o Redentor ou Resgatador • A Bíblia também usa a idéia de Redentor ou Resgatador para descrever o papel salvador de Deus. Nós freqüentemente trocamos essas palavras, usando Salvador e Redentor como sinônimos. • Os significados dessas palavras são quase iguais, mas é interessante observar que redentor é um termo mais específico que frisa um aspecto especial do trabalho salvador de Deus. • A idéia de redimir ou remir é de livrar, libertar ou comprar de volta (resgatar). A lei de Moisés incluiu regras sobre o resgate de casas e campos (Levítico 27:15,19). Levítico 25:25 e Rute 2:20 mostram que os parentes tinham uma responsabilidade e direito especial em alguns casos.
  21. 21. • João assinala que Jesus, por ser Deus, tudo criou. • Desde a estrela mais brilhante, da galáxia mais remota até o menor ser microscópio que povoa a terra, tudo foi criado por Ele. • João diz que, sem Ele, nada do que foi feito se fez (1:13). 3 – O Redentor tudo criou.
  22. 22. Criador-Redentor • Já consideramos alguns exemplos que mostram que Deus é Criador, e que ele é Redentor. Agora, vamos pensar em como o Criador é o único qualificado para nos redimir. Isaías 44:24 associa essas duas idéias: "Assim diz o SENHOR, que te redime, o mesmo que te formou desde o ventre materno...". Sendo o Criador, Deus tem o direito absoluto de mandar. Ele é o único dono da criação. "Ao SENHOR pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam" (Salmo 24:1). • A mesma relação do Criador às criaturas que estabelece a autoridade de Deus o faz o único com direito de redimi-las.
  23. 23. • João ainda menciona que Jesus, o Redentor, era a fonte da vida e foi Ele quem trouxe luz a todos os homens. 4 – O Redentor era a fonte de vida.
  24. 24. • Dispõe-te, resplandece, porque vem a tua luz, e a glória do Senhor nasce sobre ti. • Porque eis que as trevas cobrem a terra, e a escuridão, os povos; mas sobre ti aparece resplendente o Senhor, e a sua glória se vê sobre ti” (Is 60.1-2).
  25. 25. • A palavra “luz” é destacada pelo profeta Isaías. • O que é a “luz”? Todos sabemos que a luz é a ausência de trevas, mas devemos entender que a questão aqui é a separação entre a luz e as trevas. • Lemos já no início da Bíblia: “...e (Deus) fez separação entre a luz e as trevas” (Gn 1.4b). • Deus não eliminou as trevas, Ele as separou da luz. Portanto, uma segunda palavra-chave que devemos lembrar é “separação”.
  26. 26. • Quando Jesus, a luz do mundo, o Verbo (a Palavra) de Deus, fez-se carne e habitou entre nós, Ele ofereceu a luz a todos, dizendo: “Eu sou a luz do mundo” (Jo 8.12). • João, porém, declarou: “E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam” (Jo 1.5, Ed. Revista e Corrigida).
  27. 27. II – SAINDO DA ETERNIDADE 1- E entrando no tempo 2- E ficando limitado à matéria e no espaço.
  28. 28. • A encarnação refere- se exclusivamente a ação pela qual o Filho de Deus, freqüentemente citado como a Segunda Pessoa da Divindade, tornou-se homem. • Isto pressupõe a divindade essencial e a eterna filiação da Pessoa que se tornou encarnada. • Quando João escreve: “E o Verbo se fez carne” (Jo 1.14), o Verbo já havia sido identificado como eternamente subsistente, como eternamente com Deus, e sendo o próprio Deus (Jo 1.1-3). • Quando Paulo diz que Cristo Jesus “aniquilou-se a si mesmo... fazendo-se semelhante aos homens” (Fp 2.7), ele quer dizer que esta Pessoa era originalmente em forma de Deus e, portanto, era igual a Deus (Fp 2.6).
  29. 29. • Existem, portanto, os contrastes sustentados: o Eterno entrou no tempo e tornou-se sujeito as suas condições; o Infinito tornou-se finito; o Imutável tornou- se mutável; o Invisível tornou-se visível; o Todo- Poderoso tornou-se fraco e fragilizado; o Criador tornou- se a criatura; Deus tornou-se homem. • Foi a este mundo de pecado, de miséria, e de morte. • fato de Ele ter entrado em um mundo assim, indica a peculiaridade da humilhação sofrida, e o proposito redentor criado. • Ele veio, portanto, “em semelhança da carne do pecado” (Rm 8.3).
  30. 30. • Por intermédio da encarnação, Jesus se submeteu a todos os rigores do tempo. • Deus aguardou o tempo certo, e, então enviou seu filho ao mundo (Gl 4:4). 1- E entrando no tempo.
  31. 31. 1. Jesus não foi concebido pela conjunção de homem e mulher. • Ele foi gerado no ventre de Maria pelo poder do Espirito Santo (Mt 1.20; Lc 1.35). • Foi Maria que concebeu e a nossa atenção e expressamente atraída para este fato (Lc 1.31). Isto e dito de Maria e também e dito de Isabel (Lc 1.24,36). • Mas Maria só concebeu porque o Espirito Santo havia gerado Jesus em seu ventre e, consequentemente, o nascimento foi virginal.
  32. 32. • Paulo reflete esta doutrina em Gálatas 4.4 quando escreve: “Deus enviou seu Filho, nascido de mulher”. 2. Não foi um mero bebe que fora concebido por Maria. Foi o Eterno Filho de Deus. • Somente no que diz respeito a sua natureza humana Ele foi formado no ventre; mas se tratava dele mesmo, em sua identidade imutável.
  33. 33. 3. O dogma da concepção imaculada de Maria é um embuste: não há garantia dos dados da revelação . • O sobrenatural é evidente na preservação do menino Jesus da contaminação que fazia parte de sua mãe humana. • A geração sobrenatural foi necessária para preservar a imunidade da depravação hereditária, porque “o que é nascido da carne é carne” (Jo 3.6). • Contudo, isto não parece ser de per si uma explicação adequada da pureza imaculada de Jesus. • Ele era um descendente de Davi, segundo a carne. • Esta semente era corrupta. Mas Jesus era santo, puro, e separado dos pecadores.
  34. 34. • Como deve ser ruim se sentir preso, sufocado, Jesus deve ter se sentido assim, quando ficou retido em um corpo material e, portanto, limitado. 2 – E ficando limitado à matéria e no espaço.
  35. 35. Jesus veio de um modo sobrenatural e, portanto, de um modo coerente com sua pessoa sobrenatural. • O Senhor veio de um modo que garantiu que Ele não se contaminasse com o pecado e, portanto, de um modo coerente com sua perfeição divina e com o plano redentor de sua vinda. • Mas Ele veio de um modo que preservou completamente sua ligação genética com a humanidade pecadora. • Este é o sentido da concepção através de um nascimento virginal e de uma virgem que foi concebida em pecado, assim como todos os outros que vieram através de Adão pela geração natural. • E isto pertence ao prodígio e graça da encarnação.
  36. 36. • A natureza. • A proposição “Deus tornou-se homem" não deve ser interpretada como significando que a divindade tenha sido trocada pela humanidade; isto não significa a subtração ou o despojamento irreversível. • Em João 1.14, não há nenhuma sugestão de que o Verbo, tornando- se carne, tenha renunciado ao que havia sido definido nos vv. 1-3. João prossegue imediatamente prevenindo qualquer concepção deste tipo. E este Verbo, ele diz, que habitou entre nós, e vimos sua glória, como do unigênito do Pai. • Para confirmar esta doutrina, João acrescenta que a revelação dada pelo Filho encarnado lhe foi confiada, pelo próprio Filho, em sua identidade como o Deus unigênito no seio do Pai.
  37. 37. III – A ENCARNAÇÃO: UM MISTÉRIO 1- Biologicamente falando. 2- Espiritualmente falando.
  38. 38. • O nascimento de Jesus é dos grandes mistério da Bíblia. • Como nascer um menino de uma virgem? • Isso não tem explicação científica. • Até existe um fenômeno biológico na natureza chamado “Partenogênese” (palavra formada por duas expressão grega que significam “virgem”+ “Nascimento”), em que um óvulo não fecundado originando um novo indivíduo. 1 – Biologicamente falando
  39. 39. • Jesus é o Filho de Deus bendito, enviado por Deus; vindo ao mundo, humanizou-se, ao ser gerado no ventre de uma virgem, a fim de cumprir a vontade divina. • As instruções sobre o mistério de sua encarnação foram dadas a Maria, a qual recebeu a visita do anjo Gabriel. • Entrando ele a sua casa, saudou-a: “Salve, agraciada; o Senhor é contigo: bendita és tu entre as mulheres”.
  40. 40. • O anjo instruiu Maria quanto ao processo sobrenatural da encarnação de Jesus mediante o Espírito Santo (Lc 1.28,31-35) e, no tempo assinalado, o Senhor nasceu numa estrebaria, em Belém, vivendo entre os homens, cheio de graça e de verdade. • Ninguém há, pois, que possa negar a sua existência, haja vista que isso significa negar o próprio Deus e tudo o que sabemos a seu respeito. • Mas não devemos limitar Jesus Cristo ao tempo e à história. • Ele é preexistente - existe antes que todas as coisas. • Essa doutrina é clara nas Escrituras.
  41. 41. • Como ficou a Trindade com a encarnação? • Pai, Filho e Espírito Santo se separaram? • Certamente não. • Eles cumpriram papeis distintos, mas continuaram sendo um. 2 – Espiritualmente falando
  42. 42. • A encarnação significa que o Filho de Deus assumiu a natureza humana em sua integridade primitiva, com todas as suas propriedades essenciais e limitações sem pecado, em união com sua pessoa Divina. Ele possui todos os atributos e prerrogativas divinas igualmente com Deus Pai, e com Deus, o Espírito Santo. Alguns estudiosos encontram dificuldades para entenderem a combinação da divindade e da humanidade de Jesus Cristo. A maturidade cristã, o andar com Deus e a livre ação do Espírito Santo são vitais aqui. Este assunto, evidentemente, é mais ligado ao campo da revelação do que mesmo o da explicação. Contudo, quando bem analisado do ponto de vista investigativo e teológico, existe uma certa facilidade de ser entendido pela mente natural.

×