SlideShare uma empresa Scribd logo
As Escrituras Sagradas, o Antigo e o Novo Testamentos, são a
Palavra de Deus escrita, dada por inspiração divina.
“Os autores inspirados falaram e escreveram ao serem movidos
pelo Espírito Santo” (1 Ped 1:21).
Inspiração é o processo através do qual Deus
comunica Sua verdade eterna.
Os escritores bíblicos indicaram o Espírito Santo como
sendo a fonte de suas revelações.
As Escrituras Sagradas
1
Ao apreciação do valor da Escritura: revelação, inspiração e
iluminação. Para o autor (do texto bíblico) veio a Revelação; para
a Escritura que ele transmite, veio a Inspiração; para o leitor, que
busca saber por meio dela a verdade e a vontade de Deus, virá,
nas condições de espiritualidade, a Iluminação.
As Escrituras Sagradas
1
Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para
ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;
Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente
instruído para toda a boa obra.
2 Timóteo 3:16,17
As Escrituras Sagradas
1
As Escrituras Sagradas
1
Ao longo de todo o seu ministério, Jesus
salientou a autoridade das Escrituras.
Quando tentado por Satanás ou em debates com os
oponentes, “Está escrito”, era sua defesa e ataque.
(Mt 4:4, 7, 10; Lc 20:17)
A Trindade
2
Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo,
uma unidade de três pessoas coeternas.
“Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o ÚNICO Senhor.” Deut 6:4
A Trindade
2
Em contraste com o paganismo das nações circunvizinhas, Israel cria na existência de um
Deus único (Dt 4:35; 6:4; Is 45:5; Zc 14:9). O NT estabelece a mesma ênfase quanto à unidade
de Deus (Mc 12:29-32; Jo 17:3; 1Co 8:4-6;Ef 4:4-6; 1Tm 2:5). Essa ênfase monoteísta não
contradiz o conceito cristão de um Deus triúno ou Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo. Em
vez disso, enfatiza que não existe um panteão com várias deidades. Embora o AT não ensine
explicitamente que Deus é triúno, ele alude à pluralidade interna da Divindade. Por exemplo,
no NT, o apóstolo Paulo identifica o Pai, distinguindo-O de Jesus Cristo.
A Trindade
2
Embora a Divindade não seja apenas uma Pessoa, Deus é um em propósito, mente e
caráter. Essa unicidade não oblitera as personalidades distintas do Pai, do Filho e do
Espírito Santo. Tampouco a existência dessas personalidades separadas destrói o
conceito monoteísta das Escrituras, de que Pai, Filho e Espírito Santo são um único Deus.
Em sua distribuição interna de funções, diferentes membros da Divindade executam
tarefas distintas para a salvação do homem.
Atributos Divinos
• Onipotente
• Onisciente
• Onipresente
A Trindade
2
Unidade de propósito, missão, plano, intenção salvífica.
E Predestinação?
A Bíblia revela o pleno controle de Deus sobre o mundo, soberania.
Ele “predestinou” pessoas “para serem conformes à imagem de seu Filho” (Rm 8:29), para
serem adotadas como seus filhos e para obterem a herança (Ef 1:4, 5, 11).
O que representa tal soberania para a liberdade humana?
O verbo predestinar significa “determinar antecipadamente”. Alguns entendem que essas
passagens ensinam que Deus elegeu arbitrariamente alguns para a salvação e outros para a
perdição, sem considerar as escolhas dessas pessoas. Mas o estudo do contexto de tais
passagens mostra que Paulo não está falando de um Deus que caprichosamente exclui a quem
quer que seja. O impulso desses textos é inclusivo (pela morte e ressurreição de Cristo, todos
somos predestinados a salvação).
A Trindade
2
Não existe qualquer evidência de que Deus decretou que algumas pessoas
devam se perder; semelhante decreto seria uma negação do Calvário,
onde Jesus morreu em favor de todos.
“Deus pode ver antecipadamente todas as decisões individuais que serão tomadas, mas em
sua presciência Ele não determina quais devem ser estas escolhas. [...]
A predestinação bíblica consiste no efetivo propósito de Deus, de que todos aqueles que
crerem em Cristo sejam salvos (Jo 1:12; Ef 1:4- 10).
O contexto dessas passagens mostra que o interesse de
Paulo é pela missão, e não pela salvação.
Ele “predestinou” pessoas “para serem conformes à imagem de seu Filho”.
Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem
de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. Romanos 8:29
A Trindade
2
A Trindade
2
“Há somente um corpo e um Espírito, como também
fostes chamados numa só esperança da vossa
vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só
batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre
todos, age por meio de todos e está em todos”
(Ef 4:4-6).
Deus, o Eterno Pai, é o criador, o originador, o mantenedor e o
soberano de toda a criação. Ele é justo e santo, compassivo e
clemente, tardio em irar-se e grade em
constante amor e fidelidade.
Juízo
Trata-se de um dia de salvação para seu povo, mas um dia de
vingança de seus inimigos, os quais serão destruídos. “Dizei aos
desalentados de coração: Sede fortes, não temais. Eis o vosso
Deus. A vingança vem, a retribuição de Deus; Ele vem e vos
salvará” (Is 35:4).
3
O Pai
Santo (1 Ped 1:15,16)
Amor (1Jo 4:8)
Justo (Deut 32:4)
Misericordioso (Heb 10:26)
Bondoso (Sal 146:7-9)
Entregou Seu Filho para salvar (Jo 3:16)
3
O Pai
O mesmo Deus em ambos os Testamentos (AT e NT)
No livro de Daniel, a profecia Messiânica se cumpriu com precisão histórica,
sendo forte evidência de que Cristo é o Salvador do Mundo.
Essas referências ao tempo indicam que a missão do Salvador transcorreu em harmonia com
um cuidadoso planejamento profético. Essas atividades messiânicas indicam que o
Salvador deveria aparecer durante esse período (Dn 9:24). A profecia de Daniel especificava
que o Messias apareceria “sete semanas e sessenta e duas semanas” – ou seja, um total de
sessenta e nove semanas – “desde a saída da ordem para restaurar e
para edificar Jerusalém” (Dn 9:25).
4
O Filho
Todos os sacrifícios e ofertas haviam apontado para o futuro, em direção ao todo-suficiente
sacrifício do Messias. Quando Jesus Cristo, o verdadeiro Cordeiro de Deus, foi sacrificado
no Calvário como resgate de nossos pecados (1Pe 1:19), o tipo encontrou
o antítipo e a sombra se converteu em realidade.
Os serviços do santuário terrestre não mais se faziam necessários.
Os seguidores de Cristo reconheceram sua morte como sendo o único sacrifício capaz de
salvar os pecadores.
4
O Filho
Profecia messiânica feita por Isaías
“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está
sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro,
Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”.
Isaías 9:6
4
O Filho
Deus, o Espírito Santo, desempenhou uma parte ativa com o Pai e
o Filho na criação, encarnação e redenção. Ele é uma pessoa tanto
quanto o Pai e o Filho. Inspirou os escritores das Escrituras.
5
O Espírito Santo
Possui personalidade:
Ensina (Luc 12:12)
Convence (Jo 16:8)
Dirige assuntos da igreja (At 13:2)
Contende (Gen 6:3)
Inspira (2 Ped 1:21)
Santifica (1 Ped 1:2)
5
O Espírito Santo
E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador (parakletov = outro da
mesma espécie e natureza), para que fique convosco para sempre. O Espírito da
verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas
vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós.
João 14:16, 17
“No princípio criou Deus os céus e a terra.” Gn 1:1
6
A Criação
• Somos criacionistas (sábado, vida, morte, estilo de vida, mordomia...)
• Não há harmonia com Evolucionismo como origem
• Deus criou tudo em seis dias e descansou no sétimo (Gn 2:1-3; Êx 20:8-11)
Yom = dia 24hrs dia literal
Quando o mundo foi concluído, ele era “muito bom. Deus tinha o
propósito de povoar o mundo e revelar a glória de Deus.
A queda
Criados livres, não apenas para fazer Sua vontade.
Pecado começou no céu com Lúcifer.
Adão e Eva decidiram violar a vontade de Deus.
Acreditaram mais na serpente do que em Deus.
Tornaram sujeitos á morte por causa da desobediência.
Mas...
A trindade já possuía o plano de redenção!!!
6
A Criação
O homem e a mulher foram formados à imagem de Deus com
individualidade, o poder e a liberdade de pensar e agir. Conquanto
tenham sido criados como seres livres, cada um é uma unidade
indivisível de corpo, mente e espírito, e dependente de Deus
quanto à vida, respiração e tudo o mais. Quando nossos primeiros
pais desobedeceram a Deus, esta imagem (de Deus) neles foi
desfigurada, e tornaram-se sujeitos à morte. Seus descendentes
partilham dessa natureza caída e de suas consequências.
Nascem com fraquezas e tendências para o mal.
Mas Deus, em Cristo, reconciliou consigo o mundo e, por meio de seu Espírito,
nos restaura a imagem Dele.
7
A Natureza da Humanidade
E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o
fôlego de vida (ruah); e o homem foi feito alma vivente (nephesh shaya).
Gênesis 2:7
7
A Natureza da Humanidade
ruah – fôlego, vento sopro O termo original para a expressão “fôlego de vida” significa
respirar e foi atribuído a todos os seres vivos, tanto humanos como animais.
nephesh shaya – alma vivente (unidade indivisível, integral, inseparável)
Nepesh não é parte de uma pessoa, sim a pessoa.
7
A Natureza da Humanidade
“O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo
sejam conservados íntegros e irrepreensíveis
na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1Ts 5:23).
Nessa passagem, ´espírito´ pode ser compreendido como “o mais elevado
princípio de inteligência e pensamentos, do qual o homem está revestido, e por
meio do qual Deus pode se comunicar por intermédio do seu Espírito (Rm 8:16).
“Por `alma’ [...] quando distinguido do espírito, pode-se entender a parte da
natureza humana que se expressa por meio dos instintos, das emoções e dos
desejos. Esta parte da natureza humana também pode ser santificada.
O `corpo´, que tanto pode ser controlado pela natureza superior quanto
pela inferior, é a constituição física – a carne, o sangue e os ossos.
7
A Natureza da Humanidade
O apelo de Paulo no tocante à santificação
acha-se claramente embasado no conceito da
unidade da natureza humana e revela que a
efetiva preparação para o segundo advento de
Cristo necessita do preparo de toda a
pessoa – espírito, alma e corpo.
Toda a humanidade está agora envolvida num grande conflito
entre Cristo e Satanás quanto ao caráter de Deus, sua lei e sua
soberania sobre o universo.
A lei moral de Deus é tão necessária à existência de seu universo quanto o são as
leis físicas que o mantêm unido e em funcionamento.
A ausência de lei resulta da rejeição de Deus e de seu governo.
Em vez de admitir sua responsabilidade pelo estado de ilegalidade existente no
mundo, Satanás lança acusações contra Deus. Afirma que a lei de Deus –
segundo ele, arbitrária – restringe a liberdade individual.
8
O Grande Conflito
8
O Grande Conflito
A origem da controvérsia. Utilizando os reis de Tiro e de
Babilônia como descrições figurativas de Lúcifer, as
Escrituras proveem vislumbres de como a
controvérsia cósmica iniciou no céu.
“Lúcifer, filho da alva”, ungido como querubim cobridor,
residia na presença de Deus (cf. Is 14:12;Ez 28:14). 1 Dizem
as Escrituras: “Tu és o sinete da perfeição, cheio de sabedoria
e formosura. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em
que foste criado até que se achou iniquidade em ti”
(Ez 28:12, 15).
Nos ensina que:
 Temos necessidade de vigilância e constante dependência de Deus
 Mostra o interesse e amor de Deus ao prover-nos o auxílio do Espírito
Santo e dos anjos na batalha contra o mal.
 Explica o porquê do sofrimento no mundo.
 Vindica o amor e justiça de Deus e revela que as acusações de Lúcifer eram
falsas e infundadas.
O Calvário foi o Clímax do Grande Conflito
8
O Grande Conflito
9
Vida, Morte e Ressurreição de Cristo
Jesus nos mostrou o caminho de volta para casa
Sua vida foi um exemplo
Venceu por nós e por nos amar
Pagou o preço do pecado
Nos substituiu (Is 53)
Ressuscitou e vive para sempre
9
Vida, Morte e Ressurreição de Cristo
A ira divina é aquilo que a Escritura identifica como a
reação de Deus ao pecado e à injustiça (Rm 1:18).
9
Vida, Morte e Ressurreição de Cristo
Deus enviou seu Filho amado,
para morrer no meu lugar
Na cruz pagou por meus pecados,
mas o sepulcro vazio está
Porque Ele vive.
Porque ele vive,
eu posso crer no amanhã
Porque ele vive,
temor não há
Mas eu bem sei,
que o meu futuro
Está nas mãos do meu Jesus
Que vivo está
Este hino exalta a ressurreição de Cristo!!!
Envolve arrependimento, confissão, perdão, justificação e santificação.
A tentativa de desenvolvermos o bem em nós, separados de Cristo, é contraproducente.
A bondade de Deus “é que te conduz ao arrependimento”.
10
A Experiência da Salvação
Salvação em três tempos:
Passado, presente e futuro
Justificação, Santificação e Glorificação
10
A Experiência da Salvação
Porquanto, pela graça sois salvos, por meio da fé,
e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem
por intermédio das obras, a fim de que ninguém
venha a se orgulhar por esse motivo. Efésios 2:8,9
Seminário de apresentação para o estudo do livro Nisto Cremos

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Seminário de apresentação para o estudo do livro Nisto Cremos

A) nosso credo
A) nosso credoA) nosso credo
A) nosso credo
Wander Pereira
 
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo (Windscreen)
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo (Windscreen)Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo (Windscreen)
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo (Windscreen)
Éder Tomé
 
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 09 - Espírito Santo (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 09 - Espírito Santo (1).pdfAPOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 09 - Espírito Santo (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 09 - Espírito Santo (1).pdf
SEDUC-PA
 
Lição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A Identidade do Espírito SantoLição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A Identidade do Espírito Santo
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
Éder Tomé
 
Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimentoPneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
Dangelo Nascimento
 
Quatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininosQuatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininos
Pastor Robson Colaço
 
Caminhada do Advento 2013
Caminhada do Advento 2013Caminhada do Advento 2013
Caminhada do Advento 2013
JMVSobreiro
 
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
Éder Tomé
 
A identidade do Espírito Santo.
A identidade do Espírito Santo.A identidade do Espírito Santo.
A identidade do Espírito Santo.
Márcio Martins
 
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostasAirton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
INOVAR CLUB
 
Slide do artigo do agnldo
Slide do artigo do agnldoSlide do artigo do agnldo
Slide do artigo do agnldo
Wildete Silva
 
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, DoutrinaA Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
ministeriotemplovivo
 
Doutrinas bíblicas
Doutrinas bíblicasDoutrinas bíblicas
Doutrinas bíblicas
CursosTeologicos
 
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdfAPOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
SEDUC-PA
 
Crenças Fundamentais .pptx
Crenças Fundamentais .pptxCrenças Fundamentais .pptx
Crenças Fundamentais .pptx
RibamarCosta4
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
faculdadeteologica
 
doutrinas bíblicas
doutrinas bíblicasdoutrinas bíblicas
doutrinas bíblicas
faculdadeteologica
 
Disciplina de Doutrinas Bíblicas
Disciplina de Doutrinas BíblicasDisciplina de Doutrinas Bíblicas
Disciplina de Doutrinas Bíblicas
faculdadeteologica
 
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdfdoutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
Tiago Silva
 

Semelhante a Seminário de apresentação para o estudo do livro Nisto Cremos (20)

A) nosso credo
A) nosso credoA) nosso credo
A) nosso credo
 
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo (Windscreen)
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo (Windscreen)Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo (Windscreen)
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo (Windscreen)
 
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 09 - Espírito Santo (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 09 - Espírito Santo (1).pdfAPOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 09 - Espírito Santo (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 09 - Espírito Santo (1).pdf
 
Lição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A Identidade do Espírito SantoLição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A Identidade do Espírito Santo
 
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
 
Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimentoPneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
 
Quatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininosQuatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininos
 
Caminhada do Advento 2013
Caminhada do Advento 2013Caminhada do Advento 2013
Caminhada do Advento 2013
 
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
Lição 2 - A Atuação do Espírito Santo no Plano da Salvação (Windscreen)
 
A identidade do Espírito Santo.
A identidade do Espírito Santo.A identidade do Espírito Santo.
A identidade do Espírito Santo.
 
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostasAirton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
Airton evangelista da_costa_-_150_perguntas_e_respostas
 
Slide do artigo do agnldo
Slide do artigo do agnldoSlide do artigo do agnldo
Slide do artigo do agnldo
 
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, DoutrinaA Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
 
Doutrinas bíblicas
Doutrinas bíblicasDoutrinas bíblicas
Doutrinas bíblicas
 
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdfAPOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
APOSTILA TEOLOGIA SISTEMATICA - Aula 10 - Trindade (1).pdf
 
Crenças Fundamentais .pptx
Crenças Fundamentais .pptxCrenças Fundamentais .pptx
Crenças Fundamentais .pptx
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
 
doutrinas bíblicas
doutrinas bíblicasdoutrinas bíblicas
doutrinas bíblicas
 
Disciplina de Doutrinas Bíblicas
Disciplina de Doutrinas BíblicasDisciplina de Doutrinas Bíblicas
Disciplina de Doutrinas Bíblicas
 
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdfdoutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
 

Último

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Seminário de apresentação para o estudo do livro Nisto Cremos

  • 1.
  • 2. As Escrituras Sagradas, o Antigo e o Novo Testamentos, são a Palavra de Deus escrita, dada por inspiração divina. “Os autores inspirados falaram e escreveram ao serem movidos pelo Espírito Santo” (1 Ped 1:21). Inspiração é o processo através do qual Deus comunica Sua verdade eterna. Os escritores bíblicos indicaram o Espírito Santo como sendo a fonte de suas revelações. As Escrituras Sagradas 1
  • 3. Ao apreciação do valor da Escritura: revelação, inspiração e iluminação. Para o autor (do texto bíblico) veio a Revelação; para a Escritura que ele transmite, veio a Inspiração; para o leitor, que busca saber por meio dela a verdade e a vontade de Deus, virá, nas condições de espiritualidade, a Iluminação. As Escrituras Sagradas 1
  • 4. Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra. 2 Timóteo 3:16,17 As Escrituras Sagradas 1
  • 5. As Escrituras Sagradas 1 Ao longo de todo o seu ministério, Jesus salientou a autoridade das Escrituras. Quando tentado por Satanás ou em debates com os oponentes, “Está escrito”, era sua defesa e ataque. (Mt 4:4, 7, 10; Lc 20:17)
  • 6. A Trindade 2 Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três pessoas coeternas. “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o ÚNICO Senhor.” Deut 6:4
  • 7. A Trindade 2 Em contraste com o paganismo das nações circunvizinhas, Israel cria na existência de um Deus único (Dt 4:35; 6:4; Is 45:5; Zc 14:9). O NT estabelece a mesma ênfase quanto à unidade de Deus (Mc 12:29-32; Jo 17:3; 1Co 8:4-6;Ef 4:4-6; 1Tm 2:5). Essa ênfase monoteísta não contradiz o conceito cristão de um Deus triúno ou Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo. Em vez disso, enfatiza que não existe um panteão com várias deidades. Embora o AT não ensine explicitamente que Deus é triúno, ele alude à pluralidade interna da Divindade. Por exemplo, no NT, o apóstolo Paulo identifica o Pai, distinguindo-O de Jesus Cristo.
  • 8. A Trindade 2 Embora a Divindade não seja apenas uma Pessoa, Deus é um em propósito, mente e caráter. Essa unicidade não oblitera as personalidades distintas do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Tampouco a existência dessas personalidades separadas destrói o conceito monoteísta das Escrituras, de que Pai, Filho e Espírito Santo são um único Deus. Em sua distribuição interna de funções, diferentes membros da Divindade executam tarefas distintas para a salvação do homem.
  • 9. Atributos Divinos • Onipotente • Onisciente • Onipresente A Trindade 2 Unidade de propósito, missão, plano, intenção salvífica. E Predestinação?
  • 10. A Bíblia revela o pleno controle de Deus sobre o mundo, soberania. Ele “predestinou” pessoas “para serem conformes à imagem de seu Filho” (Rm 8:29), para serem adotadas como seus filhos e para obterem a herança (Ef 1:4, 5, 11). O que representa tal soberania para a liberdade humana? O verbo predestinar significa “determinar antecipadamente”. Alguns entendem que essas passagens ensinam que Deus elegeu arbitrariamente alguns para a salvação e outros para a perdição, sem considerar as escolhas dessas pessoas. Mas o estudo do contexto de tais passagens mostra que Paulo não está falando de um Deus que caprichosamente exclui a quem quer que seja. O impulso desses textos é inclusivo (pela morte e ressurreição de Cristo, todos somos predestinados a salvação). A Trindade 2
  • 11. Não existe qualquer evidência de que Deus decretou que algumas pessoas devam se perder; semelhante decreto seria uma negação do Calvário, onde Jesus morreu em favor de todos. “Deus pode ver antecipadamente todas as decisões individuais que serão tomadas, mas em sua presciência Ele não determina quais devem ser estas escolhas. [...] A predestinação bíblica consiste no efetivo propósito de Deus, de que todos aqueles que crerem em Cristo sejam salvos (Jo 1:12; Ef 1:4- 10). O contexto dessas passagens mostra que o interesse de Paulo é pela missão, e não pela salvação. Ele “predestinou” pessoas “para serem conformes à imagem de seu Filho”. Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. Romanos 8:29 A Trindade 2
  • 12. A Trindade 2 “Há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos” (Ef 4:4-6).
  • 13. Deus, o Eterno Pai, é o criador, o originador, o mantenedor e o soberano de toda a criação. Ele é justo e santo, compassivo e clemente, tardio em irar-se e grade em constante amor e fidelidade. Juízo Trata-se de um dia de salvação para seu povo, mas um dia de vingança de seus inimigos, os quais serão destruídos. “Dizei aos desalentados de coração: Sede fortes, não temais. Eis o vosso Deus. A vingança vem, a retribuição de Deus; Ele vem e vos salvará” (Is 35:4). 3 O Pai
  • 14. Santo (1 Ped 1:15,16) Amor (1Jo 4:8) Justo (Deut 32:4) Misericordioso (Heb 10:26) Bondoso (Sal 146:7-9) Entregou Seu Filho para salvar (Jo 3:16) 3 O Pai O mesmo Deus em ambos os Testamentos (AT e NT)
  • 15. No livro de Daniel, a profecia Messiânica se cumpriu com precisão histórica, sendo forte evidência de que Cristo é o Salvador do Mundo. Essas referências ao tempo indicam que a missão do Salvador transcorreu em harmonia com um cuidadoso planejamento profético. Essas atividades messiânicas indicam que o Salvador deveria aparecer durante esse período (Dn 9:24). A profecia de Daniel especificava que o Messias apareceria “sete semanas e sessenta e duas semanas” – ou seja, um total de sessenta e nove semanas – “desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém” (Dn 9:25). 4 O Filho
  • 16. Todos os sacrifícios e ofertas haviam apontado para o futuro, em direção ao todo-suficiente sacrifício do Messias. Quando Jesus Cristo, o verdadeiro Cordeiro de Deus, foi sacrificado no Calvário como resgate de nossos pecados (1Pe 1:19), o tipo encontrou o antítipo e a sombra se converteu em realidade. Os serviços do santuário terrestre não mais se faziam necessários. Os seguidores de Cristo reconheceram sua morte como sendo o único sacrifício capaz de salvar os pecadores. 4 O Filho
  • 17. Profecia messiânica feita por Isaías “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”. Isaías 9:6 4 O Filho
  • 18. Deus, o Espírito Santo, desempenhou uma parte ativa com o Pai e o Filho na criação, encarnação e redenção. Ele é uma pessoa tanto quanto o Pai e o Filho. Inspirou os escritores das Escrituras. 5 O Espírito Santo
  • 19. Possui personalidade: Ensina (Luc 12:12) Convence (Jo 16:8) Dirige assuntos da igreja (At 13:2) Contende (Gen 6:3) Inspira (2 Ped 1:21) Santifica (1 Ped 1:2) 5 O Espírito Santo E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador (parakletov = outro da mesma espécie e natureza), para que fique convosco para sempre. O Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós. João 14:16, 17
  • 20. “No princípio criou Deus os céus e a terra.” Gn 1:1 6 A Criação • Somos criacionistas (sábado, vida, morte, estilo de vida, mordomia...) • Não há harmonia com Evolucionismo como origem • Deus criou tudo em seis dias e descansou no sétimo (Gn 2:1-3; Êx 20:8-11) Yom = dia 24hrs dia literal
  • 21. Quando o mundo foi concluído, ele era “muito bom. Deus tinha o propósito de povoar o mundo e revelar a glória de Deus. A queda Criados livres, não apenas para fazer Sua vontade. Pecado começou no céu com Lúcifer. Adão e Eva decidiram violar a vontade de Deus. Acreditaram mais na serpente do que em Deus. Tornaram sujeitos á morte por causa da desobediência. Mas... A trindade já possuía o plano de redenção!!! 6 A Criação
  • 22. O homem e a mulher foram formados à imagem de Deus com individualidade, o poder e a liberdade de pensar e agir. Conquanto tenham sido criados como seres livres, cada um é uma unidade indivisível de corpo, mente e espírito, e dependente de Deus quanto à vida, respiração e tudo o mais. Quando nossos primeiros pais desobedeceram a Deus, esta imagem (de Deus) neles foi desfigurada, e tornaram-se sujeitos à morte. Seus descendentes partilham dessa natureza caída e de suas consequências. Nascem com fraquezas e tendências para o mal. Mas Deus, em Cristo, reconciliou consigo o mundo e, por meio de seu Espírito, nos restaura a imagem Dele. 7 A Natureza da Humanidade
  • 23. E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego de vida (ruah); e o homem foi feito alma vivente (nephesh shaya). Gênesis 2:7 7 A Natureza da Humanidade ruah – fôlego, vento sopro O termo original para a expressão “fôlego de vida” significa respirar e foi atribuído a todos os seres vivos, tanto humanos como animais. nephesh shaya – alma vivente (unidade indivisível, integral, inseparável) Nepesh não é parte de uma pessoa, sim a pessoa.
  • 24. 7 A Natureza da Humanidade “O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1Ts 5:23). Nessa passagem, ´espírito´ pode ser compreendido como “o mais elevado princípio de inteligência e pensamentos, do qual o homem está revestido, e por meio do qual Deus pode se comunicar por intermédio do seu Espírito (Rm 8:16). “Por `alma’ [...] quando distinguido do espírito, pode-se entender a parte da natureza humana que se expressa por meio dos instintos, das emoções e dos desejos. Esta parte da natureza humana também pode ser santificada. O `corpo´, que tanto pode ser controlado pela natureza superior quanto pela inferior, é a constituição física – a carne, o sangue e os ossos.
  • 25. 7 A Natureza da Humanidade O apelo de Paulo no tocante à santificação acha-se claramente embasado no conceito da unidade da natureza humana e revela que a efetiva preparação para o segundo advento de Cristo necessita do preparo de toda a pessoa – espírito, alma e corpo.
  • 26. Toda a humanidade está agora envolvida num grande conflito entre Cristo e Satanás quanto ao caráter de Deus, sua lei e sua soberania sobre o universo. A lei moral de Deus é tão necessária à existência de seu universo quanto o são as leis físicas que o mantêm unido e em funcionamento. A ausência de lei resulta da rejeição de Deus e de seu governo. Em vez de admitir sua responsabilidade pelo estado de ilegalidade existente no mundo, Satanás lança acusações contra Deus. Afirma que a lei de Deus – segundo ele, arbitrária – restringe a liberdade individual. 8 O Grande Conflito
  • 27. 8 O Grande Conflito A origem da controvérsia. Utilizando os reis de Tiro e de Babilônia como descrições figurativas de Lúcifer, as Escrituras proveem vislumbres de como a controvérsia cósmica iniciou no céu. “Lúcifer, filho da alva”, ungido como querubim cobridor, residia na presença de Deus (cf. Is 14:12;Ez 28:14). 1 Dizem as Escrituras: “Tu és o sinete da perfeição, cheio de sabedoria e formosura. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniquidade em ti” (Ez 28:12, 15).
  • 28. Nos ensina que:  Temos necessidade de vigilância e constante dependência de Deus  Mostra o interesse e amor de Deus ao prover-nos o auxílio do Espírito Santo e dos anjos na batalha contra o mal.  Explica o porquê do sofrimento no mundo.  Vindica o amor e justiça de Deus e revela que as acusações de Lúcifer eram falsas e infundadas. O Calvário foi o Clímax do Grande Conflito 8 O Grande Conflito
  • 29. 9 Vida, Morte e Ressurreição de Cristo Jesus nos mostrou o caminho de volta para casa Sua vida foi um exemplo Venceu por nós e por nos amar Pagou o preço do pecado Nos substituiu (Is 53) Ressuscitou e vive para sempre
  • 30. 9 Vida, Morte e Ressurreição de Cristo A ira divina é aquilo que a Escritura identifica como a reação de Deus ao pecado e à injustiça (Rm 1:18).
  • 31. 9 Vida, Morte e Ressurreição de Cristo Deus enviou seu Filho amado, para morrer no meu lugar Na cruz pagou por meus pecados, mas o sepulcro vazio está Porque Ele vive. Porque ele vive, eu posso crer no amanhã Porque ele vive, temor não há Mas eu bem sei, que o meu futuro Está nas mãos do meu Jesus Que vivo está Este hino exalta a ressurreição de Cristo!!!
  • 32. Envolve arrependimento, confissão, perdão, justificação e santificação. A tentativa de desenvolvermos o bem em nós, separados de Cristo, é contraproducente. A bondade de Deus “é que te conduz ao arrependimento”. 10 A Experiência da Salvação
  • 33. Salvação em três tempos: Passado, presente e futuro Justificação, Santificação e Glorificação 10 A Experiência da Salvação Porquanto, pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem por intermédio das obras, a fim de que ninguém venha a se orgulhar por esse motivo. Efésios 2:8,9