Os três campos de batalha parte 1 - NA MENTE

6.994 visualizações

Publicada em

Aula ministrada em 15/10/2013 - Na Igreja Evangélica Sem Fronteiras por Ester Paixão - Escola Bíblica (Lição extraída do livro Os três campos de batalha - Francis Frangipane)

Publicada em: Espiritual
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.994
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
249
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os três campos de batalha parte 1 - NA MENTE

  1. 1. Os três campos de Batalha Espiritual Texto base: Eclesiastes 9:14-18 A GUERRA ESPIRITUAL NA MENTE, NA IGREJA E NAS REGIÕES CELESTIAIS
  2. 2. INTRODUÇÃO  Não desprezaremos o que aprendemos previamente, ainda viveremos por fé. Precisamos, porém conhecer os caminhos de Deus, o que significa pensar com sabedoria. Devemos ser puros de coração, para ver a Deus e obter discernimento.  Por mais alto que seja o plano espiritual em que você se imagina, lembre-se: Adão estava no paraíso quando caiu. Antes que seu conhecimento e suas experiências religiosas ampliados o façam sentir autoconfiante, lembre-se de que Salomão escreveu três livros das Escrituras: Ele verdadeiramente vislumbrou a glória de Deus, mas caiu.
  3. 3. PREPARE-SE PARA A GUERRA  Jesus preparou seus discípulos para tudo, até para a guerra. Eles o viam expulsar demônios. Na verdade, Jesus mandou que continuassem fazendo o mesmo, mas antes de enviá-los advertiu-os a serem “astutos como as serpentes” e ainda assim, “sem malícia como as pombas” (Mateus 10:16). A fusão da sabedoria divina com a inocência semelhante à de Cristo é a raiz de toda vitória espiritual. De fato, podemos vencer o Inimigo, mas a sabedoria deve preceder a guerra e a virtude anteceder a vitória.
  4. 4. PREPARE-SE PARA A GUERRA  Para muitos, a expressão guerra espiritual indica algo novo, mas não necessariamente um aspecto bem-vindo da experiência Cristã. A ideia de enfrentar espíritos malignos em uma batalha é um conceito inquietante, principalmente porque viemos para Jesus como ovelhas perdidas e não como guerreiros. Alguns de nós, talvez jamais iniciem uma guerra espiritual, mas todos nós devemos encarar o fato de que o diabo iniciou uma guerra contra nós. Logo, é essencial para nosso bemestar saber discernir as áreas de nossa natureza que estão desprotegidas e abertas às setas de satanás.  “E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia;” Judas 1:6
  5. 5. COMPREENDENDO A GUERRA  Quando satanás se rebelou contra Deus, foi submetido ao castigo eterno chamado pela Bíblia de abismos ou cadeias de trevas. É preciso reconhecer que essa escuridão não se trata apenas de regiões sem luz nem se limita a regiões exteriores á humanidade.  Diferentemente daqueles que não conhecem a Jesus, nós fomos libertos do “domínio das trevas” (Colossenses 1:13) Se somos nascidos da luz, não somos presos nas armadilhas das trevas.  Se porém, tolerarmos as trevas, pela tolerância ao pecado, ficamos vulneráveis ao ataque satânico, pois ode há desobediência voluntária à Palavra de Deus, há escuridão espiritual, e portanto á brecha para a atividade demoníaca. Por isso Jesus advertiu: “...cuidado para que a luz que está em seu interior não sejam trevas.” (Lucas 11:35) Há de fato um brilho sagrado que envolve o verdadeiro cristão cheio do Espírito. Quando porém abrigamos o pecado, a “luz que está em [você] são “trevas”. Satanás pode circular por qualquer área das trevas, mesmo na escuridão que ainda existe no coração de um cristão.
  6. 6. I - O CAMPO DE BATALHA DA MENTE  O ORGULHO x O ARREPENDIMENTO “A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda.” Provérbios 16:18 O exemplo de Pedro (Lucas 22:22-34/ João 21:15-19)
  7. 7. I - O CAMPO DE BATALHA DA MENTE O próprio pecado de Pedro foi usado como armadilha de satanás para a queda dele. Antes de iniciar a guerra, temos que reconhecer que as áreas que escondemos na escuridão são as mesmas de uma futura derrota. Para sermos eficientes na batalha espiritual, temos que ter discernimento do que há em nosso coração, precisamos andar humildemente em submissão ao nosso Deus. (Tiago 4:7)
  8. 8. I - O CAMPO DE BATALHA DA MENTE Quando o Espírito Santo nos mostra uma área que precisa de arrependimento, devemos superar o instinto de defesa próprio. “A vitória começa com o nome de Jesus em seus lábios, mas não será consumada até que a natureza de Jesus esteja em seu coração.” Sua fortaleza contra o orgulho é a humildade.
  9. 9. I - O CAMPO DE BATALHA DA MENTE Precisamos reconhecer que a origem de muitos problemas e opressões não é demoníaca, mas de natureza carnal. É somente nosso senso exagerado de justiça própria que nos impede de realizar um autoexame sincero. Não procure justificar seus pecados e falhas. Se Deus o amou sem restrição mesmo quando o pecado era abundante em você, muito mias ele o amará quando você procurar sua graça para livrar-se da iniquidade. (Salmos 32)
  10. 10. I - O CAMPO DE BATALHA DA MENTE “ A força da humildade é grande a ponto de construir uma defesa espiritual em volta de sua alma, impedindo que a disputa, a competição e muitas irritações da vida lhe roubem a paz.” LEVE TODO PENSAMENTO CATIVO Á CRISTO “As armas com as quais lutamos não são humanas; pelo contrário, são poderosas em Deus para destruir fortalezas. Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levamos cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo.” 2 Coríntios 10:4-5
  11. 11. I - O CAMPO DE BATALHA DA MENTE Embora tenhamos conforto em sermos cristãos, esse fato não nos faz perfeitos. Há muitas fortalezas em nós. Portanto, identifiquemos algumas dessas fortalezas espirituais. É raro o cristão que não seja limitado por pelo menos uma dessas seguintes fortalezas:  Incredulidade  Amor esfriado  Medo  Orgulho  Falta de perdão  Luxúria ou ganancia  Ou qualquer combinação desses pecados, bem como a possibilidade de muitos outros.
  12. 12. AS TRÊS FONTES DE FORTALEZAS 1. O MUNDO – Nosso ambiente cultural, os valores e pressões, bem como o medo de rejeição e exposição, nossa aparência física e inteligência, os conceitos que nos são passados desde a infância, nossas limitações, muitas vezes criam fortalezas em nossas mentes. Mas se “alguém está em Cristo é nova criatura, as coisas velhas já passaram e tudo se fez novo” (2 Co 5:17) Ou seja, velhos fracassos, preconceitos e atitudes erradas devem desaparecer. 2. AS NOSSAS EXPERIÊNCIAS – Experiências boas e ruins baseiam-se em todo tipo de pensamento e opinião que permitimos governar nossa alma naquele momento. Muitos são presos as experiências ruins, deixando de desfrutar a alegria das boas e isso torna-se uma fortaleza em suas mentes impedindo-os de aprender e avançar.
  13. 13. AS TRÊS FONTES DE FORTALEZAS 1. A FORTALEZA DAS DOUTRINAS ERRADAS – Jesus advertiu: "Cuidado, que ninguém os engane. Mateus 24:4 É difícil quebrar o poder do engano religioso. Uma vez que p individuo está enganado, não reconhece que está porque foi enganado! Precisamos pedir humildemente ao Senhor que confirme qualquer doutrina questionável e vigiemos. Precisamos estudar e conhecer a Bíblia e nos defender de falsos ensinamentos. “Pois aparecerão falsos cristos e falsos profetas que realizarão grandes sinais e maravilhas para, se possível, enganar até os eleitos.” Mateus 24:24  A maneira mais segura de garantir que ninguém nos desencaminhe é nós mesmos não nos desencaminharmos. Precisamos nos manter sinceros com Deus e sensíveis ao seu Espírito Santo e á Sua Palavra
  14. 14. AS TRÊS FONTES DE FORTALEZAS Não havia nenhuma fortaleza, nenhuma atitude errada, nem tão pouco pensamentos faltosos na mente de Cristo. Pouco antes de morrer, ele observou: [...] pois o príncipe deste mundo está vindo. Ele não tem nenhum direito sobre mim. (João 14:30). Satanás não tinha nada em Jesus. Nós também queremos poder dizer que satanás não tem nenhuma área secreta em nós, nenhuma “campainha de tentação” , que ele aperte para abrir a porta da nossa alma para o mal. Quando as “fortalezas” de nossa mente forem derrubadas, devemos nos certificar de que a verdadeira Fortaleza que é JESUS está nos guardando. “Direi do Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.” Salmos 91:2 É fato de que todos os dias iremos falhar em algum ponto, mas manter nosso coração sincero e confissão dos pecados com submissão a Deus e vigilância, nos dá garantia de que satanás não poderá nos tocar, pois “...ele anda ao derredor”.
  15. 15. CONCLUSÃO Toda batalha que enfrentamos na vida diz respeito à Palavra de Deus e geralmente começa em nossas mentes. Se agarrarmos firmemente essas nossas certezas, Deus será fiel para nos livrar de toda fortaleza e nos conduzir plenamente a seu reino. Precisamos entender que não é satanás que nos derrota, mas sim nossa “abertura” muitas vezes para ele. Quando entendermos que o objetivo do Pai é conformar nossa vida com a de Cristo, descobrimos continuamente que Deus tem uma resposta para a guerra espiritual: apropriar-nos da natureza de Seu Filho. O OBJETIVO É A SEMELHANÇA DE CRISTO, NÃO A GUERRA.

×