Guaianas ed 100

281 visualizações

Publicada em

Jornal Guaianás e Cidade Tiradentes

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
281
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
38
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guaianas ed 100

  1. 1. Ano 7 - Número 100 - www.aconteceleste.com.br Tel.: (11) 2031-2364 - raleste@gmail.com 1ª QUINZENA DE AGOSTO/2014 Morre Eduardo Campos, candidato do PSB à Presi- dência. Ex-governador de Pernambuco de 49 anos estava em jatinho particu- lar que caiu em Santos na manhã desta quarta-feira O candidato do PSB à Presidência, o ex-go- vernador de Pernambuco Eduardo Henrique Accioly Campos, morreu nesta quarta-feira (13) aos 49 anos no queda de um jato particular em Santos, no litoral de São Paulo, con- firmou o Bazileu Margarido, coordenador-adjunto da campanha do PSB. Marina Silva, candidata à vice na chapa do socialista, não Na manhã de quarta- -feira (13), o Grupo Acon- tece de Jornais e Revista recebeu a visita do candi- dato a deputado estadual pelo partido PSDB, Zenas José Pires. O candidato foi convidado a participar do Programa “Roda Viva” pelo diretor Divaldo Rosa. No encontro, Zenas se reuniu com líderes religiosos e lideranças locais para dis- cutir propostas, visando à ... Leia na pág 04 ZENA PIRES participa do Programa Roda Viva do Grupo Acontece Momento difícil na política brasileira estava na aeronave, em que o fotógrafoAlexandre Severo Silva, o assessor Carlos Augusto Percol e dois pilotos estavam a bordo. Campos nasceu no Recife (PE) em 10 de agosto de 1965. Filho de Ana Arraes, ex-deputada federal, e do escritor e advogado MaximianoAc- cioly Campos, com ape- nas 16 anos ingressou na Universidade Federal de Pernambuco para cur- sar Economia; aos 20, formou-se e foi o orador da turma. Começou a militância ainda... Leia na pág 05 6 ótimas maneiras de adicionar anos à sua vida A partir da regulamen- tação, revistas serão rea- lizadas apenas com equi- pamentos como scanners e detectores de metal O governador do Esta- do de São Paulo, Geral- do Alckmin, sancionou o projeto de lei que proíbe a realização de revistas íntimas em... Leia napág02 Proibida revista íntima em visitantes de presídios em SP Seca encalha hidrovia, prejudica indústria e já quebra safras A falta de chuvas es- palha prejuízos por todo o interior do Estado de São Paulo. O transporte de cargas pela Hidrovia Tietê- -Paraná está paralisado em Araçatuba, noroeste paulista. O prejuízo direto chega a 200 milhões de reais. As cargas de grãos e outros insumos estão seguindo para Santos pe- las rodovias. De janeiro a junho deste ano, o volume de cargas transportadas pela hidrovia caiu de 2,69 milhões para 2,33 milhões de toneladas.Adiferença, de 360 mil toneladas, equivale a 10 mil cami- nhões. A falta de água afeta diretamente a economia dos dezenove municípios que estão oficialmente em racionamento. Desses, doze ficam na região de Campinas. Leia na pág 02 A má notícia é que não temos o endereço da Fonte da Juventude, mas a boa notícia é que você não precisa da fonte para viver mais tempo! Uma vida saudável não tem de vir de uma mudança gigante no estilo de vida, mas muitos pequenos passos que você pode tomar todos os dias. A partir do... Leia na pág 06 Na última sexta-feira, dia 08 de agosto, a Sub- prefeitura de Guaianases representada por todos os seus coordenadores e supervisores, chefe de Gabinete e Subprefeito es- tiveram presentes na sede da Prefeitura de São Paulo para a reunião de presta- ção de... Leia na pág 03 Prestação de contas da subprefeitura
  2. 2. Uma publicação do Grupo Acontece de Jornais e Revista As matérias publicadas são de exclusiva responsabilidade dos colaboradores e não representam necessariamente a opinião do Jornal. Os nomes dos colaboradores e representantes comerciais não mantém vínculo empregatício com a empresa. Diretor e Chefe de Redação: Divaldo Rosa MTb: 42.488 • Jornalista (fl): Silmara Galvão Nunes • Representantes Comerciais: Divaldo Rosa • Diretor de Arte: Sérgio Avante • Designer: Ademir Rodrigues • Revisora: Prof. Suseli Corumba • Administração Financeira: Ademir Rodrigues • Distribuição: Mart Press Distrib.de Jornais • Redação e Publicidade • Fone/Fax: 2031-2364 / 2513- 0928 • Av. Guachos, 166 • Cep: 08030-360 • Vila Curuçá - SP - E-mail: raleste@gmail.com (fl = Freelancer) Jornal SUB PREF. DE GUAIANASES Estr. Guaianases, 2565 Jd Helena / Guaianases-SP BANCA COQUINHO Rua Hipolito de Camargo, 460 Guaianases-SP BANCA DE JORNAIS A MUSICAL Rua Salvador Gianetti, 1156 Guaianases-SP BANCA NOVA COQUEIRO Estr. Itaquera Guaianases, 2423 Jd Helena / Guaianases-SP BANCA TEMAS E LETRAS Av. Salvador Gianetti, 564 Guaianases-SP BANCA DE JORNAL A MUSICAL Rua Salvador Gianetti, 1156 Guaianases-SP Atualidade 1ª Quinzena de Agosto de 2014 A falta de chuvas espalha prejuízos por todo o interior do Estado de São Paulo. O transporte de cargas pela Hidrovia Tietê-Paraná está paralisado em Araçatuba, noroeste paulista. O pre- juízo direto chega a 200 milhões de reais. As cargas de grãos e outros insumos estão seguindo para Santos pelas rodovias. De janeiro a junho deste ano, o volume de cargas transportadas pela hidrovia caiu de 2,69 milhões para 2,33 milhões de tonela- das. A diferença, de 360 mil toneladas, equivale a 10 mil caminhões. A falta de água afeta di- retamente a economia dos dezenove municípios que estão oficialmente em ra- cionamento. Desses, doze ficam na região de Campinas. Desde abril, pelo menos 3 mil postos de trabalho foram fe- chados, segundo o diretor de MeioAmbiente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Eduardo San Martin. Ele acredita que as dispensas têm relação com a crise hídrica porque a emissão de outorgas para captação de água para uso industrial foi suspensa. Em Itu, região de Soroca- ba, a prefeitura foi obrigada a suspender por 120 dias a autorização de novos em- preendimentos imobiliários.A cidade está em racionamento severo desde o início de fevereiro. De acordo com o Sindicato da Construção Civil A partir da regulamenta- ção, revistas serão realizadas apenas com equipamentos como scanners e detectores de metal O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alck- min, sancionou o projeto de lei que proíbe a realização de revistas íntimas em pessoas que fizerem visitas em presí- dios da unidade da federação. A confirmação foi publicada na edição no dia 13 do Diário Oficial do Poder Executivo. No texto, Alckmin ressalta que os estabelecimentos pri- sionais continuarão fazendo os procedimentos de revista, mas estes “serão realizados com respeito à dignidade hu- mana”.Assim, atos como o de despir o visitante, obrigá-lo a Cronistas nem sempre trazem crônicas divertidas, embora coloquem uma pi- tadinha de humor no texto para não ficar tão pesado. Para falar a verdade, eu prefiro escrever textos ale- gres, daqueles que causam uma histeria de risos, mas nem sempre é possível, pois, como diz o Frejat: rir de tudo é desespero. Eu até que estava bem humorado e esperançoso de escrever uma crônica depois de curtir um belo dia de sol com os meus filhos e esposa. Po- rém, pessoal, quem tentou dar uma corridinha ou bater uma pelada com os amigos para manter a forma, ou então levar os filhos ou so- brinhos para brincar no play- ground do parque Guaratiba no último domingo, dia dez de agosto, dia dos pais, teve um péssimo presente, de- parou-se com um lugar em estado de calamidade. Num bairro onde a natureza já foi seu diferencial, mas que, infelizmente, não predomina mais, cedendo lugar ao mau planejamento urbano e o descaso, a tão importante qualidade de vida – já em crise em São Paulo! –, en- trou em estado de atenção, alarmando-se ainda mais quando os guardas que Proibida revista íntima em visitantes de presídios em SP fazer agachamentos ou saltar, bem como o de ser submetido a “exames clínicos invasivos” estão vetados. A regulamentação, que deve ser colocada em prática no prazo de 180 dias, explica que os visitantes passarão a ser submetidos apenas à revista mecânica, a ser reali- zada em local reservado e por meio de equipamentos como scanners corporais, detecto- res de metais, aparelhos de raio-x ou “outras tecnologias que preservem a integridade física, psicológica e moral do revistado”. Caso haja suspeita de porte de objeto ou substân- cia ilegais, o visitante poderá ser impedido de entrar no presídio. Seca encalha hidrovia, prejudica indústria e já quebra safras (Sinduscon) de Sorocaba, se a suspensão persistir, as em- presas que estão construindo e utilizariam a mão de obra em novos empreendimentos terão de dispensar funcio- nários. Já em Sorocaba, o racionamento atinge o distrito industrial e afeta mais de 200 indústrias. Nas regiões agrícolas há escassez de água até para manter em operação os equipamentos de irrigação. Produtores de milho, como José Luiz Confortini, de Ca- pela do Alto, teve de adotar o racionamento na lavoura. No Estado, a estiagem pro- longada causou perdas de até 25% na safra de café, de 10% nas plantações de cana e de 10% no trigo, segundo dados parciais da Secretaria de Agricultura. Em algumas regiões as perdas foram mais severas, como em Bragança Paulista, onde a quebra na safra de milho chegou a 50%. Produ- tores de tilápias da região de Avaré tiveram de remover as criações e reduzir o número de viveiros. E plantações de laranja não irrigadas perde- ram parte da florada, o que já indica quebra de produção. Em paralelo, os gastos com óleo diesel e energia elétrica elevaram os custos da produção. Não consigo dar de ombros tomavam conta do espaço – contratados por uma empre- sa terceirizada – sumiram de lá sem deixar avisos aos moradores que, perdidos, encontraram, num belo dia de sol, num fim de semana que estava agradável para curtir o parque, a guarita e os banheiros fedendo a urina e fezes, sem falar nos vestígios de drogas, camisinhas, seringas e toda a sorte de indícios de uma vida de miséria. Os viciados, suponho, saíram de debaixo de marquises e viadutos do bairro para tomarem a guarita que, sem dúvida, é muito mais aconchegante, bicicleta ou ninguém ousa cortar caminho por dentro do parque com medo dos assaltos. Não há quem lim- pe mais o lugar, ninguém mais recolhe os lixos que se amontoam e ninguém coíbe que os cachorros defequem ou urinem na areia que as crianças usam para fazer seus castelos e construir seus sonhos numa área que – embora não estivesse tão verde – pelo menos era limpa e tinha o mínimo de segurança. Tudo bem que o espaço não é mesmo dos melhores – o bairro não conta com um grande par- que para se ter orgulho -, um bom esconderijo. Sem falar que já venderam tudo que era possível vender para poder usar drogas: as torneiras dos bebedouros – que, por sinal, já não for- necem água aos sedentos -, peças dos brinquedos das crianças, vasos sanitários, pias, enfim, o que foi possí- vel vender, eles venderam e os escombros ficaram. Hás menos de dez metros da delegacia de polícia, o medo se instalou, ninguém tem coragem de ir andar de mas o Guaratiba era alguma coisa. Por isso, revitalizá-lo se faz necessário e urgente. De vez em quando, se tinha um posto policial móvel, com policiais dando bom dia e boa tarde aos frequenta- dores, mas até esses se foram. Ironicamente, a sub- prefeitura, embora ao lado do lugar, não está dando a mínima atenção. Supõe-se que os responsáveis pela manutenção do parque de- vem ter prioridades maiores, mais importantes do que ficar cuidando da estrutura e aplicação de áreas verdes contidas em muitos planos diretores. Em alguns órgãos parecem inexistir a atenção para a sustentabilidade. Eles não possuem tempo de em- preender ações ambientais em prol de sedentos por qualidade de vida. E quan- do alguém convida outro alguém para ir até o Guarati- ba, é comum ouvir como res- posta: “O Guaratiba? Não! Lá eu não vou, o parque tá abandonado”. É lamentável viver num lugar que não oferta áreas verdes, impos- sibilitando seu morador de aproximar-se de árvores, pássaros e de se socializar com o outro. Quanto a mim vou continuar reclamando, não é? Peço desculpas aos leitores que me cobram uma crônica diferente, mais descontraída. Sinto muito, ainda não é possível. Os que me leem terão novamente a sensação de “déjàvu”, pois terei que recair mais uma vez em antigas opiniões já manifestadas em outros textos meus. Desculpem, é que me sinto sempre numa afluente que luta para não precisar mais desembocar num grande rio de sujeiras e sim num rio mais limpo. É uma constante, de uns tempos para cá, me encon- trarem aborrecido no dia-dia porque não consigo dar de ombros ou fazer vistas grossas quando vejo – entre outras coisas terríveis – o descaso com os parques e praças, bem como com as pessoas de modo geral que são carentes de natureza, cultura e lazer na periferia. colaborador Escritor Allan Regis
  3. 3. Comprometimento Social 1ª Quinzena de Agosto de 2014 O objetivo principal da reunião foi de iniciar o diálogo entre o governo e o Conselho Participativo Municipal por meio de atividades formativas Aconteceu na sede da Subprefeitura de Itaquera, o ciclo de Diálogo do programa SPAberta entre os Conselhei- ros Participativos e os Sub- prefeitos das Subprefeituras de Itaquera e Guaianases. Atividade durou cerca de 3 horas. O objetivo principal da reunião foi de iniciar o diálogo entre o governo e o Conselho Participativo Municipal por meio de atividades formati- vas. E mais, além da apresen- tação da iniciativa estabeleci- da pelo programa SP Aberta, o encontro trouxe ainda um balanço da gestão a todos os participantes. Após isso, foi realizado uma divisão de gru- pos, com a apresentação de dinâmicas, uma leitura base e uma rodada de propostas. Ao final, ouve um Diálogo com os Na última sexta-feira, dia 08 de agosto, a Subprefeitura de Guaianases representada por todos os seus coordena- dores e supervisores, chefe de Gabinete e Subprefeito estiveram presentes na sede da Prefeitura de São Paulo para a reunião de prestação de contas com a vice-prefeita Nádia Campeão. Durante o encontro que durou cerca de 3h30, foram discutidos todos os itens, desde o funcionamento da subprefeitura até a chegada de novos recursos e investi- mentos que acontecerão até o final da gestão, no ano de 2016. Além disso, o Plano de Metas para a região de Guaianases foi indicado na apresentação. A vice-prefeita ouviu aten- tamente todos os itens men- cionados e prometeu trazer novas melhorias não só para a subprefeitura, como tam- Conselho Participativo de Guaianases participa do ciclo de Diálogo do programa SP Subprefeitos que mostraram dados da região, com o ma- peamento dos equipamentos públicos e a previsão orça- mentária dentro do Plano de Metas. Um pouco mais sobre o Ciclo de Diálogo do programa SP Aberta Para quem não sabe, o ciclo de Diálogo do programa SP Aberta é uma iniciativa municipal do governo aberto organizada pela Prefeitura de São Paulo. O programa São Paulo Aberta trará resultados concretos para a cidade, por meio do Plano de Ação que agrega as iniciativas de participação, transparência, inovação e integridade da Prefeitura. Para além do que a Prefeitura já realiza, o pro- cesso de construção do Plano de Ação usará metodologias ainda mais inovadoras de uma maneira colaborativa. Para mais informações so- bre SPAberta consulte: www. saopauloaberta.prefeitura. sp.gov.br Prestação de contas da subprefeitura Subprefeitura de Guaianases realiza reunião de prestação de contas na sede da Prefeitura de São Paulo. Encontro faz parte de uma série de visitas que estão sendo feitas às 32 subprefeitu- ras da capital bém para a região de Guaia- nases. E mais, o Conselho Par- ticipativo também esteve presente no encontro, e seu representante falou sobre as principais propostas do gru- po. A vice-prefeita elogiou a Subprefeitura de Guaianases por ter incluído o Conselho na Apresentação, e disse que para o próximo ano, a Prefei- tura promete dar ainda mais espaço para os Conselheiros. Lembramos ainda que essa reunião faz parte de uma série de visitas que estão sen- do feitas às 32 subprefeituras da capital. O objetivo principal de todos esses encontros é le- vantar o que tem sido feito por cada uma delas e potenciali- zar a ação das subprefeituras visando à busca pela resolu- ção dos problemas da cidade conforme as necessidades de cada região. No dia 07/08, o Jor- nal Guaianás & Cidade Tiradentes pôde partici- par, no CEU Lajeado, do Bate Papo literário sobre a obra “Reminiscências – Meu bairro de Guaia- nases”, do escritor Allan Regis. A obra está na sua 2ª edição, contando, de forma romanceada, um pouco da história do Bairro de Guaianases. Allan Regis, 35 anos, nascido e morador em Guaianazes, formado em Letras, professor de Português e Inglês na rede estadual, escreve desde os 13 anos.AObra Reminiscência, 1ª. edição já esgotada, seu primeiro romance, foi lançada em 04 de maio de 2013, na Biblioteca Pública Cora Coralina, para comemo- rar os 152 anos do Bairro de Guaianases. Esta pri- meira edição foi roman- ceada através dos relatos de sua avó, que contava- -lhe sobre as histórias do bairro, personagens e acontecimentos. Allan percebeu que tinha que escrever a 2ª edição, pois tinha vasto material, rela- tos, fotos de moradores antigos do bairro. “Não sou um historiador, a his- tória do bairro está sendo História de Guaianases é contada através de romance romanceada através dos relatos dos moradores do bairro, do ponto de vista do morador, não é da ma- neira tradicional de contar a história”. Questionado sobre a veracidade dos fatos contados na obra, Allan explica: “Posso dizer que é baseado em fatos reais, mas tem toda uma ima- gética em torno do fato, quando conto sobre um personagem,um garoto, que come frutas no pé, nem vai comer em casa, vive o dia descalço, pes- cando nos rios, quando você pára para conversar com uma pessoa, ela diz: Poxa! Eu vivi isso aqui”. O trecho mais emble- mático de sua obra é quando descreve sobre José Vaz que, conforme relata o autor, “ele foi um carreiro, um mito do bair- ro, que fazia as mudanças dos moradores que che- gavam para vir morar no bairro pela antiga estação de trem Carvalho deAraú- jo, ele fazia as mudanças no carro de boi, e acabou morrendo de depressão depois que teve um de seus bois morto, atrope- lado pela locomotiva”. Allan também destaca a história de Gonçalo: “Gonçalo, um morador ufanista por Guaianases, começa sua narrativa apresentando-se como um uma pessoa doente, vítima de uma doença pulmonar causada pela poluição trazida pelo pro- gresso imposto sobre o bairro”. O autor estará presen- te na 23ª Bienal do Livro de São Paulo, no Pavilhão de Exposições Anhembi, no dia 23/08, sábado, no estande G671, das 10h às 11h da manhã, lançando a obra “Ler-te Integral – Escritos Tipo A”. Outras Obras do romancista: -Mil Horas Sem Fim – 1ª edição/ 2012 -Dom Casmurro – A Teia de Bento Santiago - 1ª edição/ 2012 -Colcha de Atalhos – Co- letânea de Contos - 1ª edição/ 2012 Eduardo Rocha
  4. 4. Entrevista 1ª Quinzena de Agosto de 2014 Convidado ZENA PIRES participa do Programa Roda Viva do Grupo Acontece Na manhã de quarta-feira (13), o Grupo Acontece de Jornais e Revista recebeu a visita do candidato a deputado estadual pelo partido PSDB, Zenas José Pires. O candi- dato foi convidado a participar do Programa “Roda Viva” pelo diretor Divaldo Rosa. No en- contro, Zenas se reuniu com líderes religiosos e lideranças locais para discutir propostas, visando à eleição de outubro. Evangélico e de família tradi- cional, Zenas é empresário e nasceu em Nhandeara. Ele é formado em História, Direito e Teologia. Sua principal pro- posta é melhorar a qualidade de ensino, implantação do período integral e valorização dos professores. “Gostaria que as pessoas entendessem que o Brasil é a melhor terra do planeta, só que tudo isso está sendo destruído por culpa de todos nós! A culpa não é só do PT, nem do PSDB, nem do Lula, da Dilma... a culpa é de todos nós, não estamos fazendo a nossa parte. Falta mais res- ponsabilidade, seriedade e, principalmente, valorização do ser humano. Acima de todas as coisas, primeiro tem que vir o direito do homem, depois vem prioridades como o metrô, trem, escolas, se- gurança, educação, mas em primeiro lugar está o cidadão”, diz Zenas na introdução do Programa Roda Viva. Geraldo Malta (São Miguel): Você tem acom- panhado o problema da falta de água. Quais são suas pro- estadual, em que o senhor poderia nos apoiar no sentido de sustentabilidade, o senhor já tem algum projeto ou pro- posta? Zenas: Nós fazemos um trabalho com 06 candidatos a deputados federais, nós es- tamos em São Paulo inteiro, Grande São Paulo, oeste e leste e também em algumas cidades do interior, como Suzano, Mogi e Jundiaí. O nosso grupo são 06 federais no partido, em duas regiões de São Paulo. Vamos ter que criar um jeito novo de colher lixo, nós sabemos que os orgânicos são adubos, então precisa criar uma forma de colher os orgânicos e trans- formar em adubo, isso é no estado inteiro que deve ser feito, material reciclado, tem que se criar novas formas de reciclagens. Esse projeto não é fácil, o estado tem que trabalhar para isso. A minha obrigação e a obrigação dos deputados federais é cuidar dos compromissos da cidade de São Paulo. Então vamos estar à disposição da popu- lação. Presbítero Marcos (Itaim Paulista): Gosta- ria de saber se o senhor tem algum projeto voltado para dades o dia inteiro, incluindo línguas, música, esporte, de forma que a criança saia da escola mais consciente de quem ela é, porque nesse estado o homem é livre para fazer tudo o que quer des- regradamente, com todo o direito. Sabemos que em uma casa o filho será criado como cidadão, mas quando o pai não tem tempo de educar o filho, a criança vai pra rua, e a rua destrói o indivíduo. Com relação à segunda parte do projeto, quando o jovem cai na droga, na bebedeira, em cada dez, voltam três, está surgindo hoje a geração “nem nem”, nem estudo e nem trabalho, porque hoje é mais importante roubar do que trabalhar, a geração de hoje pensa isso, e quem foi que botou isso na cabeça deles? Foi a rua. Então é obrigação do estado ajudar, mas o esta- do tem que trabalhar num jeito de impedir que mais jovens vão para a rua, e que ele saia da escola com vontade de ser alguém. Gilvan Aparecido (empresário - São Ma- teus): Qual é a menina dos seus olhos, em que você está receber todo mundo, é uma palhaçada, é uma vergonha. Nós vamos trabalhar isso, nós vamos mudar essas coisas. E ai dos doze até os cinquenta anos, vamos acabar com isso de “o menino tem só doze anos”, mas não presta, tem que ser recolhido e nada da mãe ir lá ver o menino, muito menos namorada. Jeremias (empresá- rio - Guarulhos): Como empresário aqui de São Mi- guel, venho passando por dificuldades em relação à postas para contribuir com o nosso Meio Ambiente? Zenas: Essa questão da água é muito séria. A falta de água tem muito a ver com as derrubadas, com o fundo ver- de, é claro que a manutenção do verde não manteria o pla- neta numa condição de vida permanente. O planeta Terra com seus 04 milhões e meio de vida já virou deserto umas 4 ou 5 vezes e os mares, mon- tanhas, terras, já mudaram de lugar muitas vezes e vai mu- dar de novo. Nós temos que cuidar do nosso planeta para prolongar a vida da nossa espécie e da nossa geração. O estado precisa ter alguém com esta preocupação, que tenha esse interesse de pro- longar um pouco mais a nossa passagem pela terra. Tenho para mim que a nossa espécie não irá durar um milhão de anos. Então vamos cuidar da Terra, vamos plantar mais ár- vores no quintal de casa, isto ajudará no oxigênio. Em re- lação a leis, o estado precisa ser mais rigoroso com quem polui nossa terra, jogando lixo nos rios e em vias públicas, isto precisa parar. Pastor Odair (Cida- de Tiradentes): Eu gosta- ria de saber, como deputado dependentes químicos e ca- sas de recuperação? Zenas: Esse projeto se divide em duas partes: a pri- meira é que o estado precisa trabalhar o ensino, a edu- cação em período integral, e ai nós temos que tirar as crianças da rua, colocar esses meninos na escola com ativi- focado? E gostaria de saber se você é a favor da maiori- dade penal? Zenas: Estou focado em mudar nossa educação. Quanto à maioridade penal, nós estamos trabalhando junto com a estrutura do futuro Ministério da Justiça, um pro- jeto de penas de 8 a 10 anos, nós vamos acabar com essas cenas absurdas, 300 anos e etc. Nosso projeto é mudar o sistema penal para que a pessoa fique no máximo dez anos. Mas é o seguinte, quan- do for preso vai ser preso de verdade, sem ver a mãe, filho, todo mundo, vai ficar sem ver ninguém, vamos colocar só uma biblioteca e uma escola dentro dos presídios, não tem redução de pena, o preso será reeducado, vai ser bem tratado, vai ter assistência técnica, mas ele vai sair de lá diferente, então essa coisa de Cássio Simões (Con- sultor-Penha): Porque o governo do nosso país não copia o que é bom e o que está dando certo lá fora? Zenas: Tudo o que você está falando é verdade, mas temos que ver o seguinte: quase tudo que nós fizemos aqui é copiado. Metrô, tecno- logia de construção, etc. Nós copiamos tudo o que é bom e tudo o que é ruim. Como o Brasil foi habitado por pesso- as que fugiram da sua terra, então nós temos a herança do lixo. Tudo tem sido copiado, algumas coisas não devem ser copiadas porque o povo lá fora já está ultrapassado. Se não tivesse não teria que- brado. Da Europa hoje, só a Alemanha é uma economia sólida. Não tem nenhum país da Europa, incluindo a Rússia. Mas nós continuamos copian- do. No estado de São Paulo, já temos mais de 300 km de trilhos prontos, São Paulo nos últimos 20 anos passou a transportar de 600 mil pes- soas por dia para 7 milhões de pessoas por dia. Isso não é milagre, isso é gestão. O estado não pode fazer mais, não tem gente pra operar isso. Nós somos a sociedade que somos porque viemos de um sistema viciado lá do co- meço. Eu estou voltando pra política pra ajudar os jovens, não tenho a intenção de ser presidente ou governador. Roseli líder comu- nitária (Vila Curuçá: elevada carga tributária (im- postos, taxas e etc). O que po- deria ser feito para reduzir um pouco essa Carga Tributária? Zenas: Esse assunto é cheio de pontas. O Estado tem o dever de gastar o sufi- ciente e o necessário naquilo que possa atender as ne- cessidades sociais. Mas nós precisamos mostrar ao Es- tado que está ocorrendo um exagero em relação a gastos. Porque quem administra o dinheiro não administra o seu dinheiro, então trata como se não fosse dele, o que temos que fazer é escolher bem na hora de votar, estamos cheios de bandidos no poder, em todos os lugares, na hora de votar, escolha bem o seu candidato e assim vocês verão a diferença e a justiça acontecendo. Na área da saúde, estamos sem médicos e quando tem, a gente fica 2 ou 3 horas esperando para ser atendido, passando mal. Eu gostaria de saber quais são as suas propostas pra saúde? Zenas: A questão da saúde passa pela questão da orientação social. Se você fizer um estudo sobre a saú- de, você vai descobrir que a criança bem educada e quan- do eu falo bem educada eu quero dizer criança educada na higiene, na alimentação, essa criança tem uma tendên- cia muito grande de crescer saudável. O problema da saúde basicamente está na alimentação, o ser humano come veneno. Esse veneno desestrutura os nossos hor- mônios e a gente fica gordo, magro, etc., por causa da alimentação. Então é preciso começar a discutir isso tam- bém, uma coisa puxa a outra. Temos que ter médico, temos que ter remédios, então nós temos que começar a pensar o que fazer com tanto dinhei- ro. O dinheiro é necessário sim, mas para garantir que você tenha uma vida digna. Tião - Esporte - Ca- margo Novo): Eu trabalho com jovens na igreja Batista do Itaim Paulista e no parque Ecológico, e percebo que o governo não investe muito nesta área de projetos sociais para os jovens, para depen- dentes químicos, etc. Então eu gostaria de saber se é pos- sível você, como candidato, nos ajudar aqui na zona leste? Zenas: Eu posso te aju- dar, mas como candidato ainda não posso, porque nós não temos força, e qualquer projeto tem que ser escrito para nós chegarmos a uma conclusão. Então é isso, nós temos que ter o privilégio de estarmos juntos para po- dermos trabalhar juntos. Eu sozinho não tenho solução nenhuma. A proposta é unir forças e vencer os obstáculos.
  5. 5. Politica1ª Quinzena de Agosto de 2014 O Governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alck- min, esteve em Santos, no litoral de São Paulo, onde o candidato à Presidência da República Eduardo Campos (PSB) morreu após a aerona- ve onde ele estava ter sofrido um acidente. Outras seis pes- soas também morreram na queda do jato particular. Em declaração, Geraldo Alckmin lamentou o acidente e disse que o país perdeu um grande homem e uma liderança política. “Nosso sentimento em nome da popu- lação aos familiares. O Brasil perdeu uma liderança jovem, promissora, que tinha muito a contribuir, uma figura admi- rável. Foi uma tragédia que me entristeceu. Eu, por meio do Marcio França, acabei co- nhecendo melhor o Eduardo e o admirava. Ele teve grande contribuição para o nosso país”, afirmou o Governador de São Paulo. Prefeito O Prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, também lamentou o ocorrido e garantiu que todas as provi- dências estão sendo tomadas para que os corpos sejam resgatados. “Nossa solidarie- dade às vítimas e familiares. A prefeitura adotou todas as providências para atendimen- to imediato de todas as pes- soas que tiveram intoxicação e que acabaram internadas. Morre Eduardo Campos, candidato do PSB à Presidên- cia. Ex-governador de Per- nambuco de 49 anos estava em jatinho particular que caiu em Santos na manhã desta quarta-feira O candidato do PSB à Pre- sidência, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Henri- que Accioly Campos, morreu nesta quarta-feira (13) aos 49 anos no queda de um jato particular em Santos, no litoral de São Paulo, confirmou o Bazileu Margarido, coordena- dor-adjunto da campanha do PSB. Marina Silva, candidata à vice na chapa do socialista, não estava na aeronave, em que o fotógrafoAlexandre Se- vero Silva, o assessor Carlos Augusto Percol e dois pilotos estavam a bordo. Campos nasceu no Reci- fe (PE) em 10 de agosto de 1965. Filho de Ana Arraes, ex-deputada federal, e do es- critor e advogado Maximiano Accioly Campos, com apenas 16 anos ingressou na Univer- sidade Federal de Pernambu- co para cursar Economia; aos 20, formou-se e foi o orador da turma. Começou a militância ain- da na universidade, como presidente do Diretório Aca- dêmico. Não traiu o sangue político da família: em 1986, trocou a possibilidade de um mestrado nos EUA pela participação na campanha que elegeu governador de Pernambuco o seu avô, Mi- guel Arraes – que passara 15 anos de exílio provocado pelo regime militar. Em 1990, depois de traba- lhar como secretário de Go- verno do avô, filiou-se ao PSB A movimentação na casa da viúva de Eduardo Campos, falecido na manhã de quarta- -feira em acidente aéreo, começou cedo na quinta-feira. As primeiras visitas pela ma- nhã à residência, localizada no bairro Dois Irmãos, foram do prefeito de Recife, Geral- do Julio, e do presidente do PSB pernambucano, Sileno Guedes. Muito emocionado, o prefeito da capital, que es- teve com a família de Campos até as 2h da noite anterior, comentou o clima de perda. — A dor é muito grande. Eduardo não é só um líder político, é o maior líder políti- co que já conheci. Ele é uma figura humana maravilhosa. Ela podia estar no voo, mas antecipou o seu para participar de uma gravação’, disse Márcio França, presi- dente do PSB paulista A candidata à vice-pre- sidência pelo PSB, Marina Silva, não estava no mesmo avião do ex-governador Edu- ardo Campos, que morreu nesta quarta-feira (13) em um acidente aéreo em Santos, porque participou de uma gravação. “Ela podia estar no voo, mas antecipou seu voo para participar de uma gravação”, disse Márcio França, presi- dente do PSB paulista que é vice na chapa do governador GeraldoAlckmin (PSDB), que concorre à reeleição. França, porém, não especificou à qual gravação se referia nem em qual cidade ela ocorreu. Marina e Campos estive- ram juntos pela última vez na noite de terça-feira (12), após A morte do presiden- ciável Eduardo Campos (PSB) ganhou destaque na imprensa mundial. Os dois principais jornais da Argen- tina colocaram a notícia como manchete de suas páginas na internet. “Morreu um candidato a presidente do Brasil depois que seu avião caiu em São Paulo”, publicou o Clarín. “Morreu em um acidente aéreo o candidato a presidente do Brasil Eduardo Campos” foi a chamada do La Nación, que definiu Campos como “ex-aliado de Lula e rival de Dilma Rousseff”. Na rede americana CNN, o destaque urgente: “Candi- dato a presidente brasileiro Eduardo Campos entre os mortos em acidente aéreo”. O jornal The Washington Momento difícil na política brasileira e conquistou um mandato de deputado estadual. Chegou ao Congresso Nacional em 1994, dois anos depois de sofrer sua única derrota elei- toral até hoje: foi quinto lugar na eleição que levou Jarbas Vasconcelos pela segunda vez à prefeitura do Recife. Em 1998, foi reeleito para a Câmara dos Deputados como o deputado federal mais vo- tado de Pernambuco. No seu terceiro mandato em Brasília, conquistado em 2002, atuou em defesa da candidatura de Lula, depois de um primeiro turno comAnthony Garotinho. Ministro do governo Lula Em 2003, estreitando os laços com Lula, tomou posse como ministro de Ciência e Tecnologia – o mais jovem no primeiro mandato do pre- sidente. Em sua gestão, foi aprovada a lei que autoriza pesquisa com células-tronco. Data dessa época suas desa- venças com o todo-poderoso José Dirceu. Em 2005, Campos e Aldo Rebelo, então ministro de Re- lações Institucionais, mano- braram para barrar a CPI dos Correios, que trouxe à tona o mensalão. Numa reunião com Dirceu, que terminou em clima hostil, Campos teria sido aconselhado a desistir da candidatura ao governo de Pernambuco em favor do petista Humberto Costa. “Eu não preciso do PT para ser governador. A única pessoa a quem eu tenho de dar satisfa- ção é Lula”, teria respondido. Mais tarde ganharia pontos adicionais com o presidente ao ser fiel durante a crise do mensalão e ao retirar sua candidatura à presidência da Câmara em favor de Rebelo. Governo de Pernambuco Depois de assumir a pre- sidência do PSB em 2004, lançou um ano depois sua candidatura ao governo de Pernambuco. O curioso é que, durante a campanha, Lula resolveu apoiar não apenas um candidato, mas dois: além de Campos, esteve também ao lado de Humberto Costa, o indicado pelo PT, numa manobra arriscada para enfraquecer a hegemo- nia do ex-governador Jarbas Vasconcelos, que apoiava a reeleição de Mendonça Filho. Campos e Mendonça chegaram ao segundo turno com a vitória do primeiro, que aglutinou mais de 60% dos votos válidos. Desde a cerimônia de pos- se – marcada pela presença de camponeses, lembrando o clima que havia nos tem- pos do avô Miguel Arraes –, Campos realizou um governo sem percalços. Tudo lhe foi favorável para que seu nome ficasse mais conhecido nacio- nalmente. Uma das vitaminas estimulantes de sua gestão foi a atração de recursos do governo federal – de longe o maior investidor na economia local. Em 2010, disputou a reeleição, e, mais uma vez, contou com a mão de Lula durante a disputa. Saiu-se com folgada vitória ainda no primeiro turno: quase 80% dos votos válidos, enterrando de vez o seu maior adversário político, o senador Jarbas Vasconcelos. Família Campos era casado com a economista e auditora do Tribunal de Contas do Estado Renata Campos, com quem teve quatro filhos – Maria Edu- arda, João Henrique, Pedro Henrique e José Henrique. Alckmin lamenta morte de Eduardo Campos: ‘Ti- nha muito a contribuir’ Os trabalhos de identificação dos corpos estão a cargo da Polícia Cientifica do Estado.A cidade está em luto oficial de 3 dias. As informações sobre o acidente serão passadas somente pela aeronautica”, conclui Barbosa. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) se deslocou para a cidade depois de tomar conhecimento da morte de Campos. “Estamos diante de uma tragédia que entristece todo o país. Quero em nome do povo de São Paulo trazer nossos sentimentos a todos os familiares das pessoas que perderam a vida nesse acidente”, afirmou Alckmin. A presidente Dilma Rous- seff decretou luto oficial de três dias. “Estivemos juntos, pela última vez, no enterro do nosso querido Ariano Su- assuna. Conversamos como amigos. Sempre tivemos claro que nossas eventuais diver- gências políticas sempre se- riam menores que o respeito mútuo característico de nossa convivência”, afirmou a presi- dente em nota oficial. Os principais adversários de Campos na campanha eleitoral, Dilma e Aécio Ne- ves (PSDB), cancelaram os compromissos de campanha. Todos os comitês de Dilma suspenderam as atividades após a confirmação da morte. “Estou absolutamente perple- xo”, afirmou Aécio Neves no Rio Grande do Norte. Família de Campos agradece solidariedade demonstrada pelo povo brasileiro Eduardo, grande pai, marido, irmão, amigo, uma pessoa re- almente iluminada, muito dife- renciada. Uma tragédia muito impactante, e com apenas 49 anos — disse Geraldo Julio. A eleição do prefeito em 2012 foi uma façanha eleito- ral comandada por Eduardo Campos. O então governa- dor de Pernambuco decidiu apostar em seu secretário do Desenvolvimento, que nunca havia concorrido a uma elei- ção. Com o apoio de Cam- pos, Geraldo Julio foi eleito no primeiro turno. O prefeito trouxe uma mensagem de agradecimento da família de Campos. Post colocou a notícia em seu site, explicando que Campos era o terceiro co- locado nas pesquisas de intenção de voto. O britânico Financial Times manchetou em seu site: “Acidente mata candidato a presidente do Brasil”. O espanhol El País pu- blicou a manchete “Cai o avião do candidato socialista à Presidência do Brasil”. No italiano Corriere della Sera: “Brasil: morre um dos candi- datos a presidente”. No tam- bém italiano La Repubblica: “Brasil: morto candidato Eduardo Campos.Aeronave em que viajava caiu sobre casas”. O britânico Daily Telegraph também publicou texto sobre a morte de Cam- pos em acidente aéreo no litoral paulista. Imprensa internacional repercute morte de Campos Gravação tira Marina Silva de voo de Campos a entrevista do candidato para o Jornal Nacional, da TV Glo- bo. Segundo a Aeronáutica, o voo que levava Campos saiu doAeroporto Santos Dumont, no Rio, e voo pousaria no Guarujá. Durante a descida, porém, o avião arremeteu, supostamente por causa do mau tempo. A partir desse momento, o controle de voo perdeu o contato com a ae- ronave. A candidata a vice soube da notícia pelo ex-deputado Walter Feldman, que recebeu uma ligação de França desde o Guarujá, para onde o pre- sidente do PSB paulista foi após ter substituído Campos em uma gravação em Santos. O candidato presidencial do PSB optou por não participar do compromisso porque que- ria descansar até as 9 horas. “Se fosse [à gravação], ele teria de acordar às 5 horas.”
  6. 6. Variedade1ª Quinzena de Agosto de 2014 Segunda edição da Expo Carmo Noivas & Festas será nos dias 16 e 17 de agosto Evento, que contará com 20 expositores, desfi- le de noivas e da minhas, performances , dança para noivos e bolos decorados, pretende atrair 400 convidados, o dobro do ano passado AExpo Carmo Noivas & Festas já tem demanda ga- rantida de expositores. O evento, que será realizado nos dias 16 e 17 de agosto, no Espaço Rafaeri/Buffet Juleam, na avenida Maria Luiza Americano, 1204, no Jardim Nossa Senhora do Carmo, em Itaquera, na Zona Leste de São Paulo. Muito concorrida, a se- gunda edição está com poucas vagas em aberto, tudo porque o sucesso do evento anterior trouxe de volta a maioria que par- ticipou da Expo/2013. “É um evento para quem vai casar ou que almeja fazer uma inesquecível festa, seja de núpcias, aniversá- rio de debutante, bodas e demais comemorações”, afirmam os organizadores. Desta vez, a novidade é que a expo será num final de semana, sábado e domingo, nos horários das 12h às 22 (sábado) e das 12h às 18h (domingo), com entrada franca para o público visitante. A expectativa para a A partir de que idade a criança pode passar a noite fora? O que os pais devem mandar na mala? Entenda as orientações para que experiência seja livre de constrangimentos É só haver um primo ou amigo com idade próxima que logo surge o convite para seu filho dormir fora de casa. As crianças adoram, é claro: o programa quebra a rotina e elas poderão brincar juntas por mais tempo. Da parte dos pais, o sentimento costuma se di- vidir entre a felicidade pela sociabilização do pequeno e a preocupação com o fato de ele ficar tantas horas distante. A insegurança é muito comum, porque é uma separação momentâ- nea, mas seguindo o bom senso e observando alguns detalhes, não tem por que dar errado. Independência e di- nâmica familiar Adúvida mais direta dos pais a respeito do assunto é, sem dúvida, a partir de que idade permitir que os filhos durmam em outra casa, as respostas são abstratas. Comece levan- do em consideração um ponto bastante prático: se a criança ainda faz xixi na cama. O ideal é que seja depois do desfralde, o que varia de caso para caso. Se ainda houver episódios de escape, é melhor não deixar, pois isso a cons- trangeria demais nessa si- tuação. Considere também a independência desse filho nas pequenas tarefas, como escovar os dentes e A má notícia é que não temos o endereço da Fonte da Juventude, mas a boa notícia é que você não precisa da fonte para viver mais tempo! Uma vida saudável não tem de vir de uma mudança gi- gante no estilo de vida, mas muitos pequenos passos que você pode tomar todos os dias. A partir do momento em que acorda até à hora de ir dormir estas tarefas simples (e agradáveis) vão acrescen- tar anos à sua vida! Seja positiva Um estudo realizado mos- trou que as pessoas com atitudes positivas têm metade do risco de morte prematura. Uma ótima maneira de co- meçar o dia de uma forma positiva é dizer a si mesma que você está grata por viver! Beba muita água Nós sabemos que é im- portante manter-se hidratada! Não só porque é bom para a sua saúde a curto prazo, mas porque também irá ajudá-la a longo prazo. A água man- tém o seu interior em forma, mantendo os níveis de fluidos, evitando a fadiga muscular e garantindo a saúde renal e intestina.Aágua não só ajuda a viver mais tempo, mas a pele bem hidratada também parece mais jovem. Descanse Enquanto as crianças têm um talento especial para resistir à hora da sesta, os adultos devem saber que um pouco de descanso ao meio- -dia pode realmente ajudá-los a viver mais tempo. Entre 6,5 a 6 horas de sono por noite é o ideal, mas se a sua energia estiver baixa, uma sesta de 20 A Expo Carmo Noivas & Festas acontecenestafinaldesemana 2ª- edição é atrair entre 200 a 400 casais (200 casais por dia), público-alvo esse que encontrará num só lu- gar tudo que precisa para realizar o casamento dos sonhos, a inesquecível e encantadora festa de debu- tante, ou ainda oferecendo produtos e serviços para eventos e confraterniza- ções corporativas. Com esta proposta de auxiliar os diversos públi- cos consumidores, a Expo Carmo contará com expo- sitores de toda ordem de segmentos: de álbuns de casamento e lembranci- nhas à Lista de Casamen- to, de foto e vídeo a Buffet, de decoração a convites e alianças e joias de casa- mento e debutantes. Sem esquecer a viagem de Lua de Mel, os carros antigos, o gerador de energia, as sensuais lingeries, o ves- tido de noiva e o salão de beleza – tudo presente para ajudar cada visitante na importante decisão de sua vida. Vale lembrar que duran- te os dois dias de eventos haverá desfiles de noivas e daminhas, desfile de lin- gerie, sorteio de brindes, apresentação de danças, voltada para noivos e de- butantes e muito mais. Além de convidar o público-alvo, os organiza- dores querem atrair novos empreendedores que quei- ram expor seus serviços e produtos. O lema é sim- ples: o público consumidor estará em peso na 2ª- Expo Carmo. Serviço: Mais informa- ções pelos telefones: 11 2293-4804 / 11 2748-2122 / 11 94142-1423 www.ex- pocarmo.com.br - email: contato@expocarmo.com. br - www.facebook.com/ expocarmosp 6 ótimas maneiras de adicionar anos à sua vida minutos pode ser exatamente o que você precisa! Faça exercício Você deve começar de- vagar a fazer exercício aos poucos. Tente tomar as es- cadas em vez do elevador ou caminhar ao redor do parque com a sua família. O seu coração precisa de ser tra- balhado como qualquer outro músculo, e um coração forte leva a uma vida mais longa. Delicie-se Não, você não leu errado! Há, de facto, alguns prazeres culpados que são bons para você. Dois deles são o cho- colate escuro e um copo de vinho tinto. Beber um copo pode prevenir coágulos san- guíneos diluindo o seu sangue e também aumenta o coleste- rol bom. E quando um desejo bate, coma chocolate escuro, que é rico em antioxidantes e promove a circulação. Aconchego Quando o seu dia está terminando e você precisa relaxar, não procure mais do que o seu outro significativo, ou entes queridos. O mimo e o aconchego é bom para a sua saúde!Aoxitocina é libertada, o que provoca uma sensação boa e promove a felicidade. A oxitocina também alivia o stress, reduz a pressão arte- rial, e une emocionalmente duas pessoas. Etiqueta para dormir na casa do amiguinho pegar no sono, como fator de decisão. É bom que ele vá quando já não for tão dependente dos pais, o que costuma ser ali pelos quatro anos de idade. Os pais que estimulam cedo a sociabilização dos filhos, deixando-os na casa de avós ou de tios quando saem para jantar ou para pegar um cineminha, por exemplo, os preparam me- lhor para passar uma noite inteira fora. Essas crianças podem começar por volta dos dois anos e meio, três anos de idade, pois já es- tão habituadas a estar em outras casas. Já as que têm círculos sociais res- tritos e pouca experiência fora de seu núcleo familiar podem esperar até os cinco anos. A psicóloga aconse- lha, inclusive, que sejam realizadas experiências em casas de parentes antes de liberar a criança para dor- mir na casa de amigos. Se houver algum contratempo ou algo diferente durante a noite, os parentes terão um enfrentamento melhor para a situação e mais liberdade para falar com os pais no horário que for. Orientações Limite é a palavra-chave para a criança não fazer feio quando dormir na casa alheia, e quem deve en- sinar isso a ela são, na- turalmente, seus pais. O primordial é ela entender que não pode fazer tudo o que quer – como deveria ser em seu próprio lar, inclusive – nem mexer nos objetos sem a autorização de um adulto. Ela também precisa aprender a guar- dar as roupas que usar na mochila, a recolher os brin- quedos que usa e a usar a pia do banheiro sem fazer estardalhaço com a água, ou seja, a não deixar um rastro de bagunça. Quanto à alimentação, cabe aos pais orientar que na casa dos outros ela vai comer o que for servido, sem fazer pedidos especiais, uma vez que não estará em um restaurante. Se não gostar do que for posto à mesa, ela tem que saber recusar com um agradecimento, sem fazer cara de nojo. Paladar difícil ou especial Caso a criança tenha um paladar muito difícil, a sugestão é que os pais mandem os alimentos que mais a agradem e avisem aos pais do amiguinho sobre isso. O mesmo vale para aquela com restrições alimentares. Ela deve levar o leite que possa beber ou o pão que possa comer, porque nem todo mundo os terá em casa. Os anfitriões também precisam saber se ela não puder consumir de- terminado tipo de alimento ou ingrediente, para não usá-lo. Pelo lado de quem recebe, é fundamental res- peitar a individualidade do pequeno convidado e não tentar forçá-lo a comer algo que ele tenha recusado. Dores e medicação Amaturidade já mencio- nada tem um papel impor- tante também na capacida- de de comunicação infantil. “Se ela sentir alguma dor, precisa saber verbalizar isso para os adultos da casa, para eles poderem comunicar aos pais ou administrar algum medi- camento”, explica Rita. A propósito: entre os itens da mala é prudente colocar um kit com os remédios mais comuns para cólicas, dores de cabeça e outros incômodos. Crianças dia- béticas devem ser deixa- das depois da aplicação de insulina do dia e antes da próxima dose. “Não são to- dos os pais que sabem ou se sentem à vontade para dar injeções nos filhos dos outros”, esclarece Janaína. E, se o convidado estiver tomando algum comprimi- do, um bilhete com os horá- rios em que eles devem ser ingeridos é suficiente para evitar transtornos. “Mas se a criança estiver muito doente, é melhor adiar o compromisso, tanto pela recuperação dela quanto para evitar a exposição das pessoas ao vírus ou bac- téria com que ela estiver”, orienta. Prazo de validade Dormir na casa do ami- guinho é um programa com hora para começar e termi- nar, não um convite para mudança de casa. Para evitar constrangimentos, os adultos devem conver- sar entre eles e definir os horários. O recomendado é que a duração não che- gue a 24 horas e não pode haver negociação com o filho para estender sua permanência. Claro que as crianças vão querer prolon- gar, mas os pais do con- vidado não podem ceder. Os outros pais podem ter compromissos e é péssimo não cumprir os horários.
  7. 7. 1ª Quinzena de Agosto de 2014 Variedades Ao Sr. Diretor do Jornal Guaianás Sr. Divaldo Rosa Saudações Gostaria através deste órgão da im- prensa alertar as autoridades da Regio- nal da Prefeitura de Guaianases, para em conjunto com a CET, tentar resolver o problema do trânsito na Av. Itaquera - Guaianases, do n° 2.000 ao 2.532, ali no Jardim Helena, cujo congestionamento já dura anos. Tenho visto que as calçadas no local são largas, podendo ser um pouco diminui para a melhor vazão de veículos. Tenho notado também que os faróis, existentes, funcionam sem sincronia. As ruas que desembocam na avenida descem todas no mesmo sentido, sendo que tem dias que o trânsito fica horas paradas no local. Sem mais, agradeço-lhe a atenção dis- pensada. No mês do aleitamento materno, é importante enfa- tizar os benefícios da ama- nentação Agosto é o mês do aleita- mento materno e enfatiza a importância do gesto com um evento mundial, que ocorre desde 1992, em 120 países, inclusive, no Brasil. Amamen- tar é um gestor de amor, que protege o bebê e reforça ain- da mais os laços entre mãe e filho. Trata-se da primeira co- nexão física e afetuosa entre a progenitora e seu rebento. Do ponto de vista emocional, o vínculo estabelecido entre mãe e filho pela amamenta- ção leva estudiosos a afirmar que a proximidade e cuidado que esse ato propicia podem contribuir para termos crian- ças menos agressivas no futuro. Agosto é o mês do aleita- mento materno e enfatiza a importância do gesto com um evento mundial, que ocorre desde 1992, em 120 países, inclusive, no Brasil. Sabe- -se que 13% de mortes de crianças menores de cinco anos podem ser evitadas pelo aleitamento materno, sendo esta ação uma das principais estratégias para diminuir a mortalidade na infância. Para a mãe, a amamenta- ção faz voltar mais rápido ao peso pré-gestacional, diminui a chance de anemia pós-par- Morador da Cidade Tiradentes envia carta para o Jornal Espaço do Leitor Na última semana o Jor- nal de Guaianas & Cidade Tiradentes recebeu via cor- reio uma carta do aposen- tado José Ramos alertando sobre os problemas causa- dos pelo trânsito na Avenida Itaquera – Guaianases na altura do número 2.000 á 2.600, que segundo o mo- rador, o congestionamento leva cerca de 1 hora e meia. O aposentado afirma ain- da que, em sua opinião, as calçadas são muito largas, o que dificulta ainda mais o trânsito no local. Como resposta a equipe da redação do jornal entrou em contato com a subpre- feitura local que em nota in- formou que já solicitou uma análise para o Subprefeito de Guaianases e também para a Coordenadoria de Projetos e Obras, que irá analisar o caso e possivel- mente realizar melhorias no endereço citado. Segue carta: Amamentar gera crianças menos agressivas to, por facilitar o esvaziamento natural do útero, prevenindo hemorragias nesta fase e ela tem menos chance de contrair o câncer de mama. O aleitamento materno garante ao bebê imunidade contra doenças infecciosas, protege de alergias a prote- ínas estranhas, e assegura um melhor desenvolvimento cognitivo do bebê. Trabalho é obstáculo no desmame Amamentar nos aproxima, em cumplicidade, e é um dos principais ganhos da nossa relação. O mais difícil no processo, é a volta ao tra- balho, porque você retorna às atividades e, dependendo do ambiente, procura uma sala de reuniões para fazer o processo, algo um pouco constrangedor. Se a mulher não for bem apoiada, pode não amamentar. Ao voltar, é importante ter um espaço adequado no ambiente pro- fissional para retirar o leite, armazená-lo em congelador, levá-lo para casa com o in- tuito de que seja dado em sua ausência. A criança não amamentada perde uma pro- teção imunológica especifica, contato e desenvolvimento de vínculo. Os substitutos podem ser formulas infantis, desde que seja higiênica, com água tratada, acesso continuo e preparo sem hiperdiluição, nem hipodiluição do pó. A amamentação deve durar, pelo menos, seis meses, e após esse período, pode- -se alternar mamadas com alimentos complementares ate quando a mãe e o bebê sentirem necessidade, cerca de dois anos. Como manter um bom casamento em 4 passos Não permita que as coisas virem rotina Crie meios para surpre- ender o outro, invista no ro- mantismo fora de hora, inove e apimente o sexo e façam programas que agradem aos dois e fujam do tradicional; Compartilhe os momentos Embora as rotinas fiquem cada vez mais apertadas, não deixe que o cansaço impeça vocês de dividirem fatos cotidianos, como o que aconteceu durante aquele dia, como foi o trabalho e o que foi irritante. Dividam experi- ências, ouçam um ao outro e aconselhem-se; Mantenha a privacidade e a individualidade Embora sejam um casal é importante que coisas mais íntimas continuem ocultas e que vocês possam fazer programas com amigos iso- ladamente; Aceite o outro Aprenda a lidar com as diferenças e apreciá-las ou então conversem sobre o que incomoda e tentem melhorar conjuntamente. Siga essas 4 digas e você ira perceber que o seu casa- mento irá melhorar muito. Com o passar do tem- po muitos casais come- çam a procurar a fórmula perfeita para manter o casamento feliz e fazer com que a relação entre os dois mantenha-se harmônica. O casamen- to é um processo muito mais complexo que o namoro, já que o con- vívio aumenta de forma assustadora, os hábitos de cada um começam a entrar em conflito, as responsabilidades indi- viduais tornam-se um compromisso para os dois, além da pressão familiares em fazer dar certo e manter uma fa- mília linda e feliz para o resto da vida. Não se desespere! Nenhuma relação é perfeita e as adversidades tendem a ser superadas, com- preendidas e resolvidas com o convívio, diálogo e tranquilidade. O mais importante é que vocês percebam que a satis- fação e a harmonia no casamento dependem muito mais de pequenos gestos e atitudes do dia a dia do que de fórmulas milagrosas e esforços sem medida. Veja 04 dicas para manter um bom casamento Contudo, para manter seu casamento em paz e ser feliz ao lado da pessoa que você esco- lheu algumas dicas são válidas. Confira abaixo! Entrevista é o momento de usar palavras positivas e mostrar entusiasmo. Can- didatos devem evitar dizer palavrões, ‘odeio’ e ‘não sei’. Quando alguém fracassa em uma entrevista de em- prego, será que o problema está no perfil ou em algo que o candidato disse? Com a grande competição no mer- cado, qualquer erro ou des- lize pode custar a aprovação em um processo seletivo. Listamos algumas pa- lavras que não devem ser ditas por candidatos que estão procurando um novo emprego: 1) Não: Usar a palavra “não” em qualquer situação impacta negativamente na procura por um novo em- prego. Os candidatos devem preferir palavras positivas enquanto buscam uma nova oportunidade e também durante a entrevista para mostrar seu entusiasmo e confiança. 2) “Hum...”: Embora a maioria das pessoas não perceba, usar palavras e expressões de ligação ou que servem para “encher” a Expressões que não devem ser ditas durante a busca por emprego frase passam a impressão de distração. Dessa forma, parece que o candidato está tentando fazer o recrutador parar de prestar atenção ao que é falado. 3) Meio que: Quando um recrutador pergunta ao can- didato se ele tem alguma experiência, ele não pode responder “meio que sei como usar o Office”. É preci- so responder “sim” ou “não”, e caso a resposta seja ne- gativa, ele deve se mostrar disposto a aprender. 4) Você sabe: São pala- vras servem para “encher” o discurso e não ajudam o candidato a mostrar suas habilidades e a sua experi- ência. Para evitar essa ex- pressão, o profissional deve ser conciso nas espostas e dizer exatamente o que pretende. 5) Odeio: Não importa o que o candidato faça, a pala- vra “odeio” não deve ser dita durante a procura por um novo emprego. Mesmo que o profissional tenha tido um chefe ou uma experiência de trabalho muito ruim, essa palavra não é a melhor para falar sobre o tema.
  8. 8. 1ª Quinzena de Agosto de 2014 Feminina Você chega na loja de cos- méticos e olha frascos e mais frascos de base. Perdida, nem sabe por onde começar. Ou resolve fazer a compra pela internet e desiste rapidinho: é impossível selecionar uma pelo nome ou pela cor que a tela do computador mostra.As cenas acima são corriqueiras na vida de uma mulher que adora estar com a pele im- pecável. De fato, encontrar o tom de base perfeito para a sua pele não é das tarefas mais fáceis. Investir em um, sem experimentar, no caso de uma compra on-line, é arriscado. E, em uma compra presencial, talvez você não encontre a cor adequada, por- que ela pode, simplesmente, não existir. Em contrapartida, cada marca nacional ofere- ce, em média, dez chances desse produto. Existem até as que oferecem apenas três, com textura mais fina, que são capazes de se ajustar a vários tons de pele. Algumas grifes estrangeiras chegam a ter uma cartela de cores bem maior, algo entre 30 e 40 tons. Só que nem sempre dá para comemorar, pois é comum essas marcas che- garem ao Brasil com apenas uma parte de seu catálogo. Uma das explicações pode estar no fato de que bases mais escuras ou muito claras vendem menos, de maneira geral. Daí a pouca oferta no mercado. Mas será que não está, aí, um nicho a ser explo- rado? Durante os testes para definir quantos e quais tons teríamos, incluímos alguns que não têm tanta saída, mas que preenchem lacunas no mercado nacional. Truques para driblar eventuais falhas no seu arsenal. Assim como todo maquiador profissional, Dificuldadeemacharbaseidealécomum; veja cinco dicas essenciais ela costuma misturar dois tons diferentes para criar a cor ideal para suas clientes. No entanto, admite: para quem não é expert, isso não é fácil ou prático. Mas acredito que o mercado está, aos poucos, vivendo uma pequena revo- lução. A chegada de marcas internacionais pode impulsio- nar as empresas brasileiras a aumentarem seu leque. Se você ainda briga para encon- trar a base perfeita para a sua pele, acompanhe: 1) Teste a base no colo, que costuma ser um pouco mais bronzeado que o rosto. Assim, haverá uniformidade de tom entre estas áreas. Não teste na mão ou no pulso, pois a pele nessas regiões difere da do rosto; 2) Antes de bater o marte- lo, observe como ela fica no seu rosto, de todos os ângulos e luzes possíveis. Se estiver em uma loja, vá para a rua e, com um espelhinho, note se a cor fica legal também sob a luz natural; 3) Antes de comprar, pes- quise marcas, acabamentos e preços. Na internet, saiba o que outras consumidoras es- tão falando sobre aquela base que você gostou. Chegue na loja munida de informações; 4) Não consegue encon- trar a base perfeita de jeito algum? Escolha uma que seja um tom mais escuro do que o seu. Assim, a diferença será sutil; e, 5) O site em inglês Finda- tion ajuda a encontrar bases que se adaptam ao seu tom de pele. Para isso, é só indicar uma ou mais delas que você já tenha e goste. Quanto mais bases indicar, mais preciso será o resultado. É possível sim fazer uma escova bem feita em casa, tão boa como as dos salões de beleza.O segredo é ter todos os acessórios certos em casa como escovas maiores e redondas, piranhas, um pente para dividir o cabelo e um secador potente.A habilidade é só questão de prática. Para obter um bom re- sultado e ter um cabelo liso e brilhante é preciso seguir algumas dicas: 1 – Preparação - Lave bem o cabelo com shampoo e condicionador que dão um “efeito liso” - Seque o cabelo com uma toalha cui- dadosamente e retire todo o excesso de água. - Desembarace o cabelo com um pente de dentes lar- gos, e se possível que seja de madeira. 2 – Aplique o creme - Passe um produto no cabelo que seja próprio para escova.(spray, desfrizzante, creme, etc) Como fazer uma escova bem feita - Divida o cabelo em qua- tro partes fazendo um risco na horizontal de uma orelha até outra e um risco na vertical, do meio da testa até a nuca. - Comece trabalhando pe- las partes de baixo e prenda as partes superiores com as piranhas. 3 – Hora da escova - As mechas não devem ser tão grossas e nem tão finas, o ideal seria meio termo e devem ser secadas de cima para baixo, rodando a escova e alisando com o secador. - Comece pelas partes de trás do cabelo, logo em segui- da seque as laterais e a franja é secada sempre por último. - Cada mecha deve ser secada de 5 a 8 vezes. - Logo após terminar de escovar todo o cabelo, corrija as partes que precisam de mais uma alisada e modelada. Se for á alguma data especial, é bom optar por um penteado da moda.

×