MÚSICA JERUSALÉM / JESUS NA INGLATERRA

2.038 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.038
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MÚSICA JERUSALÉM / JESUS NA INGLATERRA

  1. 1. MÚSICA JERUSALÉM DE EMERSON LAKE AND PALMER Jerusalem Jerusalém E, há muito tempo atrás, caminharam And did those feet in ancient time, aqueles pés Walk upon Englands mountains green? Sobre as verdejantes montanhas da And was the Holy Lamb of God Inglaterra? on Englands pleasant pastures seen? E foi visto o Cordeiro Sagrado de Deus Nos agradáveis pastos da Inglaterra? And did the Countenance Divine, E o Divino Semblante Shine forth upon our clouded hills? Brilhou acima de nossas pesadas nuvens? And was Jerusalem builded here E foi Jerusalém erguida aqui Among these dark Satanic mills? Em meio a estes negros e satânicos moinhos? Bring me my bow of burning gold! Traga meu arco de ouro brilhante! Bring me my arrows of desire! Traga minhas flechas do desejo! Bring me my spear: O clouds unfold! Traga minha lança: Oh sombras reveladas Bring me my Chariot of Fire! Traga minha Carruagem de Fogo! Eu não descansarei dessa luta interior; I will not cease from mental fight; Nem minha espada descansará Nor shall my sword sleep in my hand Até que nós tenhamos erguido uma Til we have built Jerusalem Jerusalém In Englands green and pleasant land Nas agradáveis e verdejantes terras da Inglaterra. Conhecem a origem dessa música?Como está escrito aqui em inglês, a origem traduzida é a seguinte: O poema Jerusalém (1804) [cujo nome correto é And did those feet in ancient time], por William Blake, é na realidade, um excerto do prefácio de um dos “livros proféticos” da obra Milton de William Blake.Continuando com a tradução, segundo a interpretação neste link da Internet: Jerusalém é, neste poema, a residência simbólica da humanidade livre dos grilhões inter- relacionados do comércio, do imperialismo Britânico, e da guerra. A “luta interna (mental fight)” de Blake é diretamente contra esses grilhões. Em seu Blake: Prophet Against Empire
  2. 2. (Blake: Profeta Contra Império), David Erdman nos diz que “negras, satânicas usinas” de Blake são “usinas” que produzem metal negro, ferro e aço, para fins diabólicos ... Londres ... era um arsenal de guerra e o eixo da maquinaria de guerra, e Blake usa o símbolo neste sentido.” Jerusalém foi muito comoventemente musicada pelo compositor Hubert Parry em 1916, e tem desde então tido muitas variações. Nossa favorita é a versão arranjada por Emerson, Lake and Palmer.William Blake, poeta, tipógrafo e pintor inglês, responsável, dentre muitos outros trabalhos, porestampar imagens na abadia de Westminster, não inventou este poema do nada, ele sabia queaqueles pés do Cordeiro Sagrado de Deus caminharam sobre as verdejantes montanhas daInglaterra.Laurence Gardner também sabia, embora tenha se esquivado do problema afirmando que aquelespés eram do filho do Cordeiro e não do próprio Cordeiro como vemos abaixo escaneado da página141 de seu livro A Linhagem do Santo Graal: *Como o Jesus bíblico é o resultado do amálgama de dois personagens gêmeos históricos, depois dafarsa do crucificação, um foi para a Gália (atual França) e outro foi para a Inglaterra. Suasdescendências acabaram unindo-se resultando em Clodion, pai do primeiro rei francês, Meroveus,que deu origem ao nome da primeira dinastia francesa, a dinastia Merovíngia.* Maria Madalena
  3. 3. É claro que poucas pessoas iniciadas conhecem a verdade histórica, entretanto, por estaremamordaçadas, utilizam seus trabalhos artísticos para transmitir a verdade por meio de mensagenscifradas em seus trabalhos onde remetente e destinatário se entendem acima e longe das massas.Este é também o caso de Richard Wagner em seu Parsifal onde é transmitida a verdadeiraidentidade de Maria Madalena através da personagem Kundry que é relacionada com Madalenapor intermédio da Mulher sem Nome como pode ser confirmado neste pequeno trecho da ópera.Outro caso de obra artística portando mensagem cifrada é apintura exposta na igreja de Santa Maria Madalena em Jerusalém,onde Maria Madalena apresenta ao imperador Tibério um ovovermelho, ou seja, ovo da cor púrpura do dragão imperial deRoma significando uma nova vida, Jesus, semente do imperadorque era o pai biológico dos bastardos gêmeos que foramamalgamados pela Igreja em um único “Jesus”.Uma lenda veiculada logo após a Paixão de Cisto conta: Dizem que Maria [Madalena] saiu da Judéia para Roma para uma audiência com o imperador Tibério. Presenteando-o com um ovo, ela lhe contou como Jesus voltou à vida. Em seguida, Tibério advertiu que isso era tão impossível quanto um ovo se tornar vermelho. Ao dizer isso, o ovo nas mãos de Maria [Madalena] tornou- se vermelho – e é por isso que os ovos de Páscoa passaram a ser uma tradição popular.Ora, assim como as uvas e a videira são símbolos da linhagem messiânica ungida de Jesus, o ovo é osímbolo do nascimento e de uma nova vida enquanto o coelho, por sua fertilidade e numerosa prole, éo símbolo da fertilidade, daí, o Coelho da Páscoa e os Ovos de Páscoa que eram usadostradicionalmente pela Igreja celta na festa de Eostre (antiga deusa da primavera) que comemorava, noemisfério norte, depois do inverno, a ressurreição da natureza com a vinda da primavera onde ovoscoloridos eram presenteados como símbolo de nova vida e o coelho era o símbolo da fertilidade danatureza que desabrocha na primavera. Ao contrário da religião judaica em que a Páscoa (Pesach)comemora a saída dos hebreus do Egito, a Igreja de Roma, com o objetivo de separar a crucificação ea ressurreição de Jesus da associação histórica com a Páscoa judaica e, na impossibilidade de aniquilaro costume pagão celta, usou do subterfúgio de cristianizar a festa celta (como aconteceu com todas asfestas pagãs que foram convertidas em dias santos) que coincidia aproximadamente com a festahebraica, assim, satisfazendo a fome com a vontade de comer.Em seu livro (O Legado de Madalena – Conspiração da Linhagem de Jesus e Maria, EditoraMadras, 2006), onde este assunto é comentado em maiores detalhes sob o título Os Símbolos deMadalena, o iniciado e falecido Laurence Gardner comenta muito sarcasticamente: Um conto romântico e fascinante, mas ele não explica por que Maria [Madalena] viajaria 2.400 quilômetros pelo Mar Mediterrâneo para dar um ovo ao imperador.
  4. 4. Afresco de Maria Madalena entregando o ovo vermelho ao imperador Tibério César na igreja de Santa Maria Madalena em Jerusalém Clique aqui para fazer um tour interno em 3D pela igreja Clique aqui para fazer um tour externo em 3D pela igreja Vitral, retratando Jesus com Maria Madalena grávida (Igreja Católica de Kilmore, Dervaig, na Escócia)
  5. 5. Mais detalhes podem se encontrados na série de livros editada por mim particularmente, intituladaO Mito Jesus, composta pelos 3 livros O Mito Jesus – O Pantera, O Mito Jesus – A Mulher semNome e O Mito Jesus – A Linhagem.Estes livros podem ser adquiridos comigo diretamente pelo e-mail claudioarkas@yahoo.com.br ouna Livraria Leonardo da Vinci, tanto na loja no Rio de Janeiro como por telefone ou e-mailbastando clicar nos livros abaixo.PS: Você sabia sobre uma verdade altamente intrigante sobre a linhagemmerovíngia descendente de Jesus? Clique aqui para assistir matérianoticiada pela CBS NEWS!!! E clique aqui para assistir a confirmação daboca do próprio presidente Barak Obama que sempre negou o fato mas foiobrigado a se retratar!!!

×