SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
BOM DIA!! Dia lindo!!
17 de Abril 2015
Encontro Articulado
dos Serviços de
Apoio
AEE, SEAA, SOE
A felicidade não depende do que nos falta, mas do bom uso que
fazemos do que temos.
Thomas Hardy
Regimento
Escolar
Regimento escolar
Seção II – DA EQUIPE DE APOIO
Art. 122. Entende-se por Equipe de Apoio a integração dos três Serviços
de Apoio aos estudantes na unidade escolar: Equipe Especializada de
Apoio à Aprendizagem, Orientação Educacional e Atendimento
Educacional Especializado/Sala de Recursos, que atuarão de forma
integrada e fundamentados teórico-metodologicamente na Pedagogia
Histórico-Crítica e na Psicologia Histórico-Cultural.
ATRIBUIÇÕES EM COMUM
Participar efetivamente, da elaboração do Projeto Político
Pedagógico;
Elaborar Plano de Ação Anual;
Participar das Coordenações Pedagógicas locais, intermediárias e
central;
Participar, efetivamente, dos Conselhos de Classe;
participar de programas de formação continuada ;
Participar de estudos de caso;
Assessorar a comunidade escolar
Do avanço de estudo
Art. 233. As unidades escolares podem adotar o Avanço de Estudos para anos ou
séries subsequentes dos Ensinos Fundamental e Médio, dentro da mesma etapa,
exceto no primeiro ano do Ensino Fundamental, respeitados os seguintes requisitos:
• I. atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais;
• II. matrícula, por um período mínimo de um semestre letivo, na unidade escolar
que promove o estudante para o período, bloco, ano ou série subsequente por meio
de avanço de estudos;
• III. indicação por um professor da turma do estudante;
• IV. aprovação da indicação pelo Conselho de Classe;
• V. diagnóstico de profissional especializado;
• VI. verificação da aprendizagem;
• VII. apreciação, pelo Conselho de Classe dos resultados obtidos na verificação de
aprendizagem, cujas decisões devem ser registradas em ata.
§ 1º Para mudança de ano dentro do Bloco Inicial de Alfabetização – BIA, os requisitos
acima expostos devem ser considerados.
§ 2º O avanço de estudos é registrado em ata própria, na ficha individual e no Histórico
Escolar do Estudante.
§ 3º É vedado aos estudantes o avanço de estudos visando à conclusão da educação básica.
Art. 201. No caso dos alunos da Educação Especial, a adequação na temporalidade no Ensino
Fundamental de 9 anos somente poderá ser feita a partir do 3º ano, segundo as Diretrizes de
Avaliação da SEEDF.
§ 1º Caso a adequação de que trata este artigo incida na permanência do estudante da
educação especial no 3.º ano, esta somente poderá ocorrer após estudo de caso com a unidade
central responsável pela educação especial, fundamentado no registro consubstanciado das
condições individuais do estudante no RAV e na análise das adaptações curriculares elaboradas
em conjunto com o Serviço de Atendimento Educacional Especializado.
§2º No caso da aplicação da adequação na temporalidade, o estudante não poderá ser
considerado reprovado, e sim, “cursando”.
Da Avaliação nas Etapas da educação Básica
Artigo182.
• §1º No 1º ano e no 2º ano do Ensino Fundamental de 9 (nove) anos, a
avaliação não assume caráter promocional ano a ano, sendo admitida a
retenção apenas no 3º ano.
• § 2º Nos, 4º e 5º anos do Ensino Fundamental das unidades escolares com
organização seriada, a aprovação dar-se-á, regularmente, ao final do ano
letivo, atendidos os critérios da avaliação do desempenho escolar.
• § 3º Nas unidades escolares organizadas em Ciclos para as Aprendizagens, o
caráter processual e contínuo da avaliação formativa deve ocorrer, podendo
haver retenção somente ao final do segundo bloco (5º ano) do ensino
fundamental.
Artigo 184
• §1º Nas unidades escolares que aderirem à Organização em Ciclos para as
Aprendizagens, a avaliação não assume caráter promocional ano a ano, sendo
admitida a retenção apenas no 7º ano e no 9º ano.
Art. 201. No caso dos alunos da Educação Especial, a adequação na
temporalidade no Ensino Fundamental de 9 anos somente poderá ser
feita a partir do 3º ano, segundo as Diretrizes de Avaliação da SEEDF.
§ 1º Caso a adequação de que trata este artigo incida na
permanência do estudante da educação especial no 3.º ano, esta
somente poderá ocorrer após estudo de caso com a unidade central
responsável pela educação especial, fundamentado no registro
consubstanciado das condições individuais do estudante no RAv e na
análise das adaptações curriculares elaboradas em conjunto com o
Serviço de Atendimento Educacional Especializado.
Do Ano ou do Semestre Letivo
Art. 239. Nos casos de estudantes com deficiência ou com Transtorno Global de
Desenvolvimento - TGD matriculados na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino
Fundamental, o cumprimento da carga horária anual poderá ser flexibilizada, quando suas
condições de saúde física e mental, atestadas por profissional da área médica, indicarem a
impossibilidade de sua permanência na unidade escolar durante as 5 (cinco) horas diárias
previstas.
Art. 240. Quando adotada adequação curricular na temporalidade a estudantes do Ensino
Fundamental e do Ensino Médio com deficiência ou transtorno global do desenvolvimento que
impliquem revisão da temporalidade e desenvolvimento das habilidades previstas em mais de
um ano letivo, não há necessidade da permanência do estudante na unidade escolar nos
horários em que são desenvolvidos componentes curriculares não previstos para aquele ano.
Da Matrícula
Art. 246. A matrícula em qualquer série/ano do Ensino Fundamental ou do Ensino Médio
sem o comprovante de escolarização anterior é admitida mediante classificação realizada pela
unidade escolar, conforme legislação vigente, excetuando-se o primeiro ano do ensino
fundamental.
§3.º A classificação substitui, para todos os efeitos legais, os documentos relativos à
vida escolar pregressa do estudante, devendo ser registrada em ata e na Ficha Individual do
Aluno.
Art. 247. O teste de classificação é admitido, nas seguintes situações:
I. impossibilidade de apresentação de documento escolar, atestado por declaração idônea;
II. deficiência ou problemas de saúde que tenham impedido a frequência escolar;
III. comprovação de conhecimentos adquiridos anteriormente.
Do regimento Disciplinar de Caráter Pedagógico
Art. 310. O estudante, pela inobservância das normas contidas neste Regimento, e conforme a
gravidade e/ou a reincidência das faltas, está sujeito às seguintes medidas:
I. intervenção/advertência oral;
II. advertência escrita;
III. suspensão da assiduidade na sala de aula, com atividades alternativas na unidade escolar,
de no máximo três dias letivos corridos;
IV. transferência, quando o ato for aconselhável, por comprovada necessidade de garantia de sua
proteção ou de outros.
§ 9º Não se aplica à Educação Infantil os incisos III e IV
.
Art. 311. Aos estudantes com diagnóstico de deficiência ou com
necessidades educacionais especiais em razão de suas condições físicas
ou mentais que não cumprirem as normas contidas neste Regimento
será adotado procedimento diferenciado.
Parágrafo único. Os procedimentos serão definidos em reunião de
estudo de caso com o Conselho de Classe, contando com a
participação da Orientação Educacional, do Serviço Especializado de
Apoio à Aprendizagem, do professor da Sala de Recursos e de
demais profissionais envolvidos.
ESTRATÉGIA
DE
MATRÍCULA
ESTUDOS DE CASO/ REAVALIAÇÃO
1.7.3. EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA
c) O(A) estudante da Educação Especial, matrícula nova, será encaminhado(a)
para o atendimento às suas necessidades educacionais especiais por meio de
avaliação interventiva conclusiva conduzida pelos(as) profissionais do SEAA, em
articulação com os(as) profissionais do AEE, acompanhado pela CRE.
c.1) O(A) estudante da Educação Especial passará por estudo de caso anual,
realizado com a participação da Equipe Gestora, do(a) Coordenador(a)
Pedagógico, do(a) professor(a) regente e dos(as) profissionais do AEE e do SOE,
para adequação dos procedimentos de atendimento educacional.
c.2) O Estudo de Caso com previsão de mudança no tipo de enturmação será
realizado pela SEAA com a participação do AEE, do Serviço de Orientação
Educacional (SOE), da Equipe Gestora, do(a) Coordenador(a) Pedagógico, do(a)
professor(a) regente.
1.7.4. ATENDIMENTOS OFERTADOS NA PERSPECTIVA DA
INCLUSÃO
• b.2) INTEGRAÇÃO INVERSA: Classe constituída por estudantes com
Deficiência Intelectual (DI), Deficiência Física (DF), Deficiência Visual
(DV), Deficiência Múltipla (DMU) e TGD. O(A) estudante poderá
permanecer em turma de Integração Inversa pelo período em que
dela necessitar, a partir da Educação Infantil até o 5º ano do Ensino
Fundamental, conforme previsto no Estudo de Caso/Adequação
Curricular, com a participação do(a) professor(a) regente, dos
profissionais do SEAA, do AEE/Sala de Recursos (SR), do SOE, da
Equipe Gestora e do(a) Coordenador(a) Pedagógico, visto não se
tratar de necessidade transitória.
b.3) CLASSE ESPECIAL: É uma Classe pré-inclusiva, constituída
exclusivamente por estudantes com DI, DMU, ou TGD, com
modulação específica. É de caráter transitório, com autorização da
SUBEB/COESP, SUPLAV/CACOED e SUGEPE/CPMOM. Durante o
período de permanência nessa classe, o(a) estudante deverá
desenvolver atividades conjuntas com os(as) demais estudantes das
classes comuns. Os(As) responsáveis por esses(as) estudantes deverão
manter atualizada a prescrição médica quando se tratar de usuário
de medicação controlada. Sua reavaliação deverá ser anual e contar
com a participação da Equipe Gestora, do(a) Coordenador(a)
Pedagógico, do(a) professor(a) regente e dos profissionais do SEAA,
SOE e AEE, sendo analisada a sua continuidade na referida classe.
f.1) Os casos considerados omissos, ou seja, aqueles que não são contemplados
nessa Estratégia, ou ainda, conflitantes devem ser, obrigatoriamente, submetidos à
deliberação da SUBEB/COESP e à SUPLAV/CACOED.
3.2. FORMAÇÃO DE TURMAS DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA
E/OU TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO (TGD)
a) Os(AS) estudantes com 15 (quinze) anos completos ou a completar até 31/3/15
matriculados em Classe Especial, ofertada em Escola Classe, com utilização do currículo
adaptado deverão ser transferidos(as) para Centros de Ensino Fundamental, Centros
Educacionais ou para UE que ofertam a modalidade de EJA, com vistas as turmas de EJA
Interventivo, após Estudo de Caso realizado pelos(as) profissionais dos Serviços de Apoio
(SEAA, AEE e SOE).
b) A abertura de Classe Especial para estudantes com DI, com DMU e com TGD
somente será permitida, em casos excepcionais, com a devida autorização da
SUBEB/COESP, SUPLAV/CACOED e SUGEPE/CPMOM. Nessas Classes, deverá ser
desenvolvido o currículo funcional ou adaptado de acordo com a especificidade de cada
estudante com modulação prevista na Estratégia de Matrícula.
q) A indicação de Técnico em Gestão Educacional (especialidade monitor), será
exclusiva para os(as) estudantes com TGD, mediante estudo de caso realizado
pelos(as) profissionais dos Serviços de Apoio (EEAA, SOE e AEE) e professor(a)
regente envolvidos no atendimento ao(à) estudante em virtude da necessidade de
apoio para o seu desempenho funcional em relação às habilidades adaptativas
(locomoção, higiene e alimentação).
q.1) A indicação de Técnico em Gestão Educacional (especialidade monitor),
para as Classes Especiais, somente poderá ocorrer quando a turma possuir um(a)
estudante com DMU, após estudo de caso com os profissionais que acompanham
o(a) estudante de acordo com a necessidade de apoio para o seu desempenho
funcional com relação às habilidades adaptativas (locomoção, higiene e
alimentação).
q.2) Para encaminhamento de Técnico em Gestão Educacional (especialidade
monitor), os(as) estudantes com Deficiência Física Altas Necessidades Educacionais
(DF/ANE) deverão ter prioridade, após apreciação do estudo de caso.....
3.4. TURMAS DE CORREÇÃO DA DISTORÇÃO IDADE SÉRIE (CDIS)
j) Estudantes com DI, DA, DV, DMU, AH/SD, Surdocegueira e/ou TGD não participam
das turmas de CDIS.
k) Os(As) estudantes com DF poderão participar das turmas de CDIS, após Estudo de
Caso realizado pelos(as) profissionais dos Serviços de Apoio (SEAA, AEE e SOE) e
conforme determinam as Orientações Pedagógicas de CDIS;
l) Os(As) estudantes em defasagem Idade/Série, com NEE, tais como: TDA/H, DPAC,
Dislexia, TOD e TC, deverão passar por um Estudo de Caso realizado pelo SEAA,
professor(a) regente, SOE, Coordenador(a) Pedagógico(a) e equipe gestora para a
enturmação nas classes de CDIS.
Coordenação Intermediaria
Artur ,Carlos, Luzinete, Mirian, Patrícia e Rosineide

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplina
Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplinaManual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplina
Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplinafamiliaestagio
 
Alunos itinerantes
Alunos itinerantesAlunos itinerantes
Alunos itinerantesPaulo Malojo
 
Instrução normativa nº 04 diário
Instrução normativa nº 04   diárioInstrução normativa nº 04   diário
Instrução normativa nº 04 diárioelannialins
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008elannialins
 
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06pinkytortue
 
Instrução de avaliação nº 04
Instrução de avaliação nº 04Instrução de avaliação nº 04
Instrução de avaliação nº 04ellannia
 
06 12 2012
06 12 201206 12 2012
06 12 2012ESDPV
 
Despacho 24 a-2012
Despacho 24 a-2012Despacho 24 a-2012
Despacho 24 a-2012Ana Pereira
 
Instrução normativa nº 02
Instrução normativa nº 02Instrução normativa nº 02
Instrução normativa nº 02danibarcelar
 
NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames ...
NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames ...NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames ...
NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames ...Pedro França
 
Progrma de monitoria
Progrma de  monitoriaProgrma de  monitoria
Progrma de monitoriaEmanuel Bento
 
Instrução normativa nº 11.2008
Instrução normativa nº 11.2008Instrução normativa nº 11.2008
Instrução normativa nº 11.2008elannialins
 

Mais procurados (18)

Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplina
Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplinaManual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplina
Manual de estagio_de_biologia_._programa_de_disciplina
 
Pa m01 t07_01
Pa m01 t07_01Pa m01 t07_01
Pa m01 t07_01
 
Alunos itinerantes
Alunos itinerantesAlunos itinerantes
Alunos itinerantes
 
Instrução normativa nº 04 diário
Instrução normativa nº 04   diárioInstrução normativa nº 04   diário
Instrução normativa nº 04 diário
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
 
Manual al farb
Manual al farbManual al farb
Manual al farb
 
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
 
Instrução de avaliação nº 04
Instrução de avaliação nº 04Instrução de avaliação nº 04
Instrução de avaliação nº 04
 
06 12 2012
06 12 201206 12 2012
06 12 2012
 
Despacho 24 a-2012
Despacho 24 a-2012Despacho 24 a-2012
Despacho 24 a-2012
 
Instrução normativa nº 02
Instrução normativa nº 02Instrução normativa nº 02
Instrução normativa nº 02
 
NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames ...
NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames ...NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames ...
NORMA para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames ...
 
OT Inglês- Recuperação Intensiva
OT Inglês-  Recuperação IntensivaOT Inglês-  Recuperação Intensiva
OT Inglês- Recuperação Intensiva
 
Consed: diretrizes para protocolos de retorno às aulas
Consed: diretrizes para protocolos de retorno às aulasConsed: diretrizes para protocolos de retorno às aulas
Consed: diretrizes para protocolos de retorno às aulas
 
Progrma de monitoria
Progrma de  monitoriaProgrma de  monitoria
Progrma de monitoria
 
acta_286
acta_286acta_286
acta_286
 
Instrução normativa nº 11.2008
Instrução normativa nº 11.2008Instrução normativa nº 11.2008
Instrução normativa nº 11.2008
 
2º ata reunião encarregados de educação
2º ata   reunião  encarregados de educação2º ata   reunião  encarregados de educação
2º ata reunião encarregados de educação
 

Semelhante a Regulamento escolar sobre educação inclusiva e atendimento especializado

Dec lei 3_08_2
Dec lei 3_08_2Dec lei 3_08_2
Dec lei 3_08_2lurdesdm
 
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...A. Rui Teixeira Santos
 
Medidas de combate ao insucesso escolar
Medidas de combate ao insucesso escolarMedidas de combate ao insucesso escolar
Medidas de combate ao insucesso escolarA. Rui Teixeira Santos
 
Boas vindas - BG CEU Pq Anhanguera
Boas vindas - BG CEU Pq AnhangueraBoas vindas - BG CEU Pq Anhanguera
Boas vindas - BG CEU Pq Anhanguerace-santos
 
Esclarecimento provas finais de ciclo do ensino básico nee
Esclarecimento provas finais de ciclo do ensino básico   neeEsclarecimento provas finais de ciclo do ensino básico   nee
Esclarecimento provas finais de ciclo do ensino básico neeMi Lemos
 
Orientacoes dgeste-20 21
Orientacoes dgeste-20 21Orientacoes dgeste-20 21
Orientacoes dgeste-20 21Francisco Costa
 
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básicoPortaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básicoLeonor Alves
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008elannialins
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008elannialins
 
Recuperação paralela lp
Recuperação paralela   lpRecuperação paralela   lp
Recuperação paralela lptelasnorte1
 
Portaria sube ced no10-organizacao turmas2013
Portaria sube ced no10-organizacao turmas2013Portaria sube ced no10-organizacao turmas2013
Portaria sube ced no10-organizacao turmas2013Karla Bastos
 
Resolucao SEE nº 2442
Resolucao SEE nº 2442Resolucao SEE nº 2442
Resolucao SEE nº 2442SinduteTO
 
curso de matemática manual_matematica_licenciados.pdf
curso de matemática manual_matematica_licenciados.pdfcurso de matemática manual_matematica_licenciados.pdf
curso de matemática manual_matematica_licenciados.pdfssuseraf616d1
 
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.markinho2013
 
RESOLUÇÃO SEE Nº 2.442, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013
RESOLUÇÃO SEE Nº 2.442, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013RESOLUÇÃO SEE Nº 2.442, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013
RESOLUÇÃO SEE Nº 2.442, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013Arthur Costa
 

Semelhante a Regulamento escolar sobre educação inclusiva e atendimento especializado (20)

Dec lei 3_08_2
Dec lei 3_08_2Dec lei 3_08_2
Dec lei 3_08_2
 
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...
Regulação da Educação: medidas de combate ao insucesso escolar, Docente: Prof...
 
Medidas de combate ao insucesso escolar
Medidas de combate ao insucesso escolarMedidas de combate ao insucesso escolar
Medidas de combate ao insucesso escolar
 
Boas vindas - BG CEU Pq Anhanguera
Boas vindas - BG CEU Pq AnhangueraBoas vindas - BG CEU Pq Anhanguera
Boas vindas - BG CEU Pq Anhanguera
 
Legislação
LegislaçãoLegislação
Legislação
 
Esclarecimento provas finais de ciclo do ensino básico nee
Esclarecimento provas finais de ciclo do ensino básico   neeEsclarecimento provas finais de ciclo do ensino básico   nee
Esclarecimento provas finais de ciclo do ensino básico nee
 
Orientacoes dgeste-20 21
Orientacoes dgeste-20 21Orientacoes dgeste-20 21
Orientacoes dgeste-20 21
 
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básicoPortaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
 
Recuperação paralela lp
Recuperação paralela   lpRecuperação paralela   lp
Recuperação paralela lp
 
Portaria sube ced no10-organizacao turmas2013
Portaria sube ced no10-organizacao turmas2013Portaria sube ced no10-organizacao turmas2013
Portaria sube ced no10-organizacao turmas2013
 
Mda
MdaMda
Mda
 
Resolucao SEE nº 2442
Resolucao SEE nº 2442Resolucao SEE nº 2442
Resolucao SEE nº 2442
 
Orientação Técnica RC/RCI
Orientação Técnica RC/RCIOrientação Técnica RC/RCI
Orientação Técnica RC/RCI
 
curso de matemática manual_matematica_licenciados.pdf
curso de matemática manual_matematica_licenciados.pdfcurso de matemática manual_matematica_licenciados.pdf
curso de matemática manual_matematica_licenciados.pdf
 
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
Resolução nº 160 2012 - 13-07- educação básica.
 
RESOLUÇÃO SEE Nº 2.442, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013
RESOLUÇÃO SEE Nº 2.442, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013RESOLUÇÃO SEE Nº 2.442, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013
RESOLUÇÃO SEE Nº 2.442, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013
 
Revisão curricular
Revisão curricularRevisão curricular
Revisão curricular
 
Revisao Curricular
Revisao CurricularRevisao Curricular
Revisao Curricular
 

Mais de Carlos Junior

Relação esv integral classificação final 14.03.16
Relação esv integral classificação   final 14.03.16Relação esv integral classificação   final 14.03.16
Relação esv integral classificação final 14.03.16Carlos Junior
 
Relação esv especial classificação final 14.03.16
Relação esv especial classificação   final 14.03.16Relação esv especial classificação   final 14.03.16
Relação esv especial classificação final 14.03.16Carlos Junior
 
Novena dos pais que oram pelos filhos
Novena dos pais que oram pelos filhosNovena dos pais que oram pelos filhos
Novena dos pais que oram pelos filhosCarlos Junior
 
Minha sagrada familia
Minha sagrada familiaMinha sagrada familia
Minha sagrada familiaCarlos Junior
 
Manual consagração lares
Manual consagração laresManual consagração lares
Manual consagração laresCarlos Junior
 
Ficha de inscrição para grupo de oração - formação de coordenadores e núcleo...
Ficha de inscrição para grupo de oração  - formação de coordenadores e núcleo...Ficha de inscrição para grupo de oração  - formação de coordenadores e núcleo...
Ficha de inscrição para grupo de oração - formação de coordenadores e núcleo...Carlos Junior
 
Ficha de incrição para retiro 2014
Ficha de incrição para retiro 2014Ficha de incrição para retiro 2014
Ficha de incrição para retiro 2014Carlos Junior
 
Estrategia matricula 2015
Estrategia matricula 2015Estrategia matricula 2015
Estrategia matricula 2015Carlos Junior
 
Calendário 2015 Setor VI RCC-DF
Calendário 2015 Setor VI RCC-DFCalendário 2015 Setor VI RCC-DF
Calendário 2015 Setor VI RCC-DFCarlos Junior
 
Administração financeira eclesial
Administração financeira eclesialAdministração financeira eclesial
Administração financeira eclesialCarlos Junior
 
Slide curso de formação 3
Slide curso de formação   3Slide curso de formação   3
Slide curso de formação 3Carlos Junior
 
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEE
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEENOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEE
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEECarlos Junior
 
Evangelização planejada e evangelii gaudium
Evangelização planejada e evangelii gaudiumEvangelização planejada e evangelii gaudium
Evangelização planejada e evangelii gaudiumCarlos Junior
 
Cartilha sobre o mc ajustes finais
Cartilha sobre o mc ajustes finaisCartilha sobre o mc ajustes finais
Cartilha sobre o mc ajustes finaisCarlos Junior
 
21 ago oficio espec sedf
21 ago oficio espec sedf21 ago oficio espec sedf
21 ago oficio espec sedfCarlos Junior
 
Curso pronatec ficha (1)
Curso pronatec ficha (1)Curso pronatec ficha (1)
Curso pronatec ficha (1)Carlos Junior
 
Circular conjunta nº 09 2014-subeb-suplav
Circular conjunta nº 09 2014-subeb-suplavCircular conjunta nº 09 2014-subeb-suplav
Circular conjunta nº 09 2014-subeb-suplavCarlos Junior
 

Mais de Carlos Junior (20)

Relação esv integral classificação final 14.03.16
Relação esv integral classificação   final 14.03.16Relação esv integral classificação   final 14.03.16
Relação esv integral classificação final 14.03.16
 
Relação esv especial classificação final 14.03.16
Relação esv especial classificação   final 14.03.16Relação esv especial classificação   final 14.03.16
Relação esv especial classificação final 14.03.16
 
Novena dos pais que oram pelos filhos
Novena dos pais que oram pelos filhosNovena dos pais que oram pelos filhos
Novena dos pais que oram pelos filhos
 
Minha sagrada familia
Minha sagrada familiaMinha sagrada familia
Minha sagrada familia
 
Manual consagração lares
Manual consagração laresManual consagração lares
Manual consagração lares
 
Folder equipe
Folder equipeFolder equipe
Folder equipe
 
Circular
CircularCircular
Circular
 
Ficha de inscrição para grupo de oração - formação de coordenadores e núcleo...
Ficha de inscrição para grupo de oração  - formação de coordenadores e núcleo...Ficha de inscrição para grupo de oração  - formação de coordenadores e núcleo...
Ficha de inscrição para grupo de oração - formação de coordenadores e núcleo...
 
Ficha de incrição para retiro 2014
Ficha de incrição para retiro 2014Ficha de incrição para retiro 2014
Ficha de incrição para retiro 2014
 
Estrategia matricula 2015
Estrategia matricula 2015Estrategia matricula 2015
Estrategia matricula 2015
 
Calendário 2015 Setor VI RCC-DF
Calendário 2015 Setor VI RCC-DFCalendário 2015 Setor VI RCC-DF
Calendário 2015 Setor VI RCC-DF
 
Administração financeira eclesial
Administração financeira eclesialAdministração financeira eclesial
Administração financeira eclesial
 
Slide curso de formação 3
Slide curso de formação   3Slide curso de formação   3
Slide curso de formação 3
 
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEE
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEENOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEE
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEE
 
Evangelização planejada e evangelii gaudium
Evangelização planejada e evangelii gaudiumEvangelização planejada e evangelii gaudium
Evangelização planejada e evangelii gaudium
 
Cartilha sobre o mc ajustes finais
Cartilha sobre o mc ajustes finaisCartilha sobre o mc ajustes finais
Cartilha sobre o mc ajustes finais
 
21 ago oficio espec sedf
21 ago oficio espec sedf21 ago oficio espec sedf
21 ago oficio espec sedf
 
Folder mostra novo2
Folder mostra novo2Folder mostra novo2
Folder mostra novo2
 
Curso pronatec ficha (1)
Curso pronatec ficha (1)Curso pronatec ficha (1)
Curso pronatec ficha (1)
 
Circular conjunta nº 09 2014-subeb-suplav
Circular conjunta nº 09 2014-subeb-suplavCircular conjunta nº 09 2014-subeb-suplav
Circular conjunta nº 09 2014-subeb-suplav
 

Último

Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 

Regulamento escolar sobre educação inclusiva e atendimento especializado

  • 1. BOM DIA!! Dia lindo!! 17 de Abril 2015
  • 2. Encontro Articulado dos Serviços de Apoio AEE, SEAA, SOE
  • 3. A felicidade não depende do que nos falta, mas do bom uso que fazemos do que temos. Thomas Hardy
  • 5. Regimento escolar Seção II – DA EQUIPE DE APOIO Art. 122. Entende-se por Equipe de Apoio a integração dos três Serviços de Apoio aos estudantes na unidade escolar: Equipe Especializada de Apoio à Aprendizagem, Orientação Educacional e Atendimento Educacional Especializado/Sala de Recursos, que atuarão de forma integrada e fundamentados teórico-metodologicamente na Pedagogia Histórico-Crítica e na Psicologia Histórico-Cultural.
  • 6. ATRIBUIÇÕES EM COMUM Participar efetivamente, da elaboração do Projeto Político Pedagógico; Elaborar Plano de Ação Anual; Participar das Coordenações Pedagógicas locais, intermediárias e central; Participar, efetivamente, dos Conselhos de Classe; participar de programas de formação continuada ; Participar de estudos de caso; Assessorar a comunidade escolar
  • 7. Do avanço de estudo Art. 233. As unidades escolares podem adotar o Avanço de Estudos para anos ou séries subsequentes dos Ensinos Fundamental e Médio, dentro da mesma etapa, exceto no primeiro ano do Ensino Fundamental, respeitados os seguintes requisitos: • I. atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais; • II. matrícula, por um período mínimo de um semestre letivo, na unidade escolar que promove o estudante para o período, bloco, ano ou série subsequente por meio de avanço de estudos; • III. indicação por um professor da turma do estudante; • IV. aprovação da indicação pelo Conselho de Classe; • V. diagnóstico de profissional especializado; • VI. verificação da aprendizagem; • VII. apreciação, pelo Conselho de Classe dos resultados obtidos na verificação de aprendizagem, cujas decisões devem ser registradas em ata.
  • 8. § 1º Para mudança de ano dentro do Bloco Inicial de Alfabetização – BIA, os requisitos acima expostos devem ser considerados. § 2º O avanço de estudos é registrado em ata própria, na ficha individual e no Histórico Escolar do Estudante. § 3º É vedado aos estudantes o avanço de estudos visando à conclusão da educação básica. Art. 201. No caso dos alunos da Educação Especial, a adequação na temporalidade no Ensino Fundamental de 9 anos somente poderá ser feita a partir do 3º ano, segundo as Diretrizes de Avaliação da SEEDF. § 1º Caso a adequação de que trata este artigo incida na permanência do estudante da educação especial no 3.º ano, esta somente poderá ocorrer após estudo de caso com a unidade central responsável pela educação especial, fundamentado no registro consubstanciado das condições individuais do estudante no RAV e na análise das adaptações curriculares elaboradas em conjunto com o Serviço de Atendimento Educacional Especializado. §2º No caso da aplicação da adequação na temporalidade, o estudante não poderá ser considerado reprovado, e sim, “cursando”.
  • 9. Da Avaliação nas Etapas da educação Básica Artigo182. • §1º No 1º ano e no 2º ano do Ensino Fundamental de 9 (nove) anos, a avaliação não assume caráter promocional ano a ano, sendo admitida a retenção apenas no 3º ano. • § 2º Nos, 4º e 5º anos do Ensino Fundamental das unidades escolares com organização seriada, a aprovação dar-se-á, regularmente, ao final do ano letivo, atendidos os critérios da avaliação do desempenho escolar. • § 3º Nas unidades escolares organizadas em Ciclos para as Aprendizagens, o caráter processual e contínuo da avaliação formativa deve ocorrer, podendo haver retenção somente ao final do segundo bloco (5º ano) do ensino fundamental. Artigo 184 • §1º Nas unidades escolares que aderirem à Organização em Ciclos para as Aprendizagens, a avaliação não assume caráter promocional ano a ano, sendo admitida a retenção apenas no 7º ano e no 9º ano.
  • 10. Art. 201. No caso dos alunos da Educação Especial, a adequação na temporalidade no Ensino Fundamental de 9 anos somente poderá ser feita a partir do 3º ano, segundo as Diretrizes de Avaliação da SEEDF. § 1º Caso a adequação de que trata este artigo incida na permanência do estudante da educação especial no 3.º ano, esta somente poderá ocorrer após estudo de caso com a unidade central responsável pela educação especial, fundamentado no registro consubstanciado das condições individuais do estudante no RAv e na análise das adaptações curriculares elaboradas em conjunto com o Serviço de Atendimento Educacional Especializado.
  • 11. Do Ano ou do Semestre Letivo Art. 239. Nos casos de estudantes com deficiência ou com Transtorno Global de Desenvolvimento - TGD matriculados na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental, o cumprimento da carga horária anual poderá ser flexibilizada, quando suas condições de saúde física e mental, atestadas por profissional da área médica, indicarem a impossibilidade de sua permanência na unidade escolar durante as 5 (cinco) horas diárias previstas. Art. 240. Quando adotada adequação curricular na temporalidade a estudantes do Ensino Fundamental e do Ensino Médio com deficiência ou transtorno global do desenvolvimento que impliquem revisão da temporalidade e desenvolvimento das habilidades previstas em mais de um ano letivo, não há necessidade da permanência do estudante na unidade escolar nos horários em que são desenvolvidos componentes curriculares não previstos para aquele ano.
  • 12. Da Matrícula Art. 246. A matrícula em qualquer série/ano do Ensino Fundamental ou do Ensino Médio sem o comprovante de escolarização anterior é admitida mediante classificação realizada pela unidade escolar, conforme legislação vigente, excetuando-se o primeiro ano do ensino fundamental. §3.º A classificação substitui, para todos os efeitos legais, os documentos relativos à vida escolar pregressa do estudante, devendo ser registrada em ata e na Ficha Individual do Aluno. Art. 247. O teste de classificação é admitido, nas seguintes situações: I. impossibilidade de apresentação de documento escolar, atestado por declaração idônea; II. deficiência ou problemas de saúde que tenham impedido a frequência escolar; III. comprovação de conhecimentos adquiridos anteriormente.
  • 13. Do regimento Disciplinar de Caráter Pedagógico Art. 310. O estudante, pela inobservância das normas contidas neste Regimento, e conforme a gravidade e/ou a reincidência das faltas, está sujeito às seguintes medidas: I. intervenção/advertência oral; II. advertência escrita; III. suspensão da assiduidade na sala de aula, com atividades alternativas na unidade escolar, de no máximo três dias letivos corridos; IV. transferência, quando o ato for aconselhável, por comprovada necessidade de garantia de sua proteção ou de outros. § 9º Não se aplica à Educação Infantil os incisos III e IV .
  • 14. Art. 311. Aos estudantes com diagnóstico de deficiência ou com necessidades educacionais especiais em razão de suas condições físicas ou mentais que não cumprirem as normas contidas neste Regimento será adotado procedimento diferenciado. Parágrafo único. Os procedimentos serão definidos em reunião de estudo de caso com o Conselho de Classe, contando com a participação da Orientação Educacional, do Serviço Especializado de Apoio à Aprendizagem, do professor da Sala de Recursos e de demais profissionais envolvidos.
  • 16. ESTUDOS DE CASO/ REAVALIAÇÃO 1.7.3. EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA c) O(A) estudante da Educação Especial, matrícula nova, será encaminhado(a) para o atendimento às suas necessidades educacionais especiais por meio de avaliação interventiva conclusiva conduzida pelos(as) profissionais do SEAA, em articulação com os(as) profissionais do AEE, acompanhado pela CRE. c.1) O(A) estudante da Educação Especial passará por estudo de caso anual, realizado com a participação da Equipe Gestora, do(a) Coordenador(a) Pedagógico, do(a) professor(a) regente e dos(as) profissionais do AEE e do SOE, para adequação dos procedimentos de atendimento educacional. c.2) O Estudo de Caso com previsão de mudança no tipo de enturmação será realizado pela SEAA com a participação do AEE, do Serviço de Orientação Educacional (SOE), da Equipe Gestora, do(a) Coordenador(a) Pedagógico, do(a) professor(a) regente.
  • 17. 1.7.4. ATENDIMENTOS OFERTADOS NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO • b.2) INTEGRAÇÃO INVERSA: Classe constituída por estudantes com Deficiência Intelectual (DI), Deficiência Física (DF), Deficiência Visual (DV), Deficiência Múltipla (DMU) e TGD. O(A) estudante poderá permanecer em turma de Integração Inversa pelo período em que dela necessitar, a partir da Educação Infantil até o 5º ano do Ensino Fundamental, conforme previsto no Estudo de Caso/Adequação Curricular, com a participação do(a) professor(a) regente, dos profissionais do SEAA, do AEE/Sala de Recursos (SR), do SOE, da Equipe Gestora e do(a) Coordenador(a) Pedagógico, visto não se tratar de necessidade transitória.
  • 18. b.3) CLASSE ESPECIAL: É uma Classe pré-inclusiva, constituída exclusivamente por estudantes com DI, DMU, ou TGD, com modulação específica. É de caráter transitório, com autorização da SUBEB/COESP, SUPLAV/CACOED e SUGEPE/CPMOM. Durante o período de permanência nessa classe, o(a) estudante deverá desenvolver atividades conjuntas com os(as) demais estudantes das classes comuns. Os(As) responsáveis por esses(as) estudantes deverão manter atualizada a prescrição médica quando se tratar de usuário de medicação controlada. Sua reavaliação deverá ser anual e contar com a participação da Equipe Gestora, do(a) Coordenador(a) Pedagógico, do(a) professor(a) regente e dos profissionais do SEAA, SOE e AEE, sendo analisada a sua continuidade na referida classe.
  • 19. f.1) Os casos considerados omissos, ou seja, aqueles que não são contemplados nessa Estratégia, ou ainda, conflitantes devem ser, obrigatoriamente, submetidos à deliberação da SUBEB/COESP e à SUPLAV/CACOED. 3.2. FORMAÇÃO DE TURMAS DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA E/OU TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO (TGD) a) Os(AS) estudantes com 15 (quinze) anos completos ou a completar até 31/3/15 matriculados em Classe Especial, ofertada em Escola Classe, com utilização do currículo adaptado deverão ser transferidos(as) para Centros de Ensino Fundamental, Centros Educacionais ou para UE que ofertam a modalidade de EJA, com vistas as turmas de EJA Interventivo, após Estudo de Caso realizado pelos(as) profissionais dos Serviços de Apoio (SEAA, AEE e SOE). b) A abertura de Classe Especial para estudantes com DI, com DMU e com TGD somente será permitida, em casos excepcionais, com a devida autorização da SUBEB/COESP, SUPLAV/CACOED e SUGEPE/CPMOM. Nessas Classes, deverá ser desenvolvido o currículo funcional ou adaptado de acordo com a especificidade de cada estudante com modulação prevista na Estratégia de Matrícula.
  • 20. q) A indicação de Técnico em Gestão Educacional (especialidade monitor), será exclusiva para os(as) estudantes com TGD, mediante estudo de caso realizado pelos(as) profissionais dos Serviços de Apoio (EEAA, SOE e AEE) e professor(a) regente envolvidos no atendimento ao(à) estudante em virtude da necessidade de apoio para o seu desempenho funcional em relação às habilidades adaptativas (locomoção, higiene e alimentação). q.1) A indicação de Técnico em Gestão Educacional (especialidade monitor), para as Classes Especiais, somente poderá ocorrer quando a turma possuir um(a) estudante com DMU, após estudo de caso com os profissionais que acompanham o(a) estudante de acordo com a necessidade de apoio para o seu desempenho funcional com relação às habilidades adaptativas (locomoção, higiene e alimentação). q.2) Para encaminhamento de Técnico em Gestão Educacional (especialidade monitor), os(as) estudantes com Deficiência Física Altas Necessidades Educacionais (DF/ANE) deverão ter prioridade, após apreciação do estudo de caso.....
  • 21. 3.4. TURMAS DE CORREÇÃO DA DISTORÇÃO IDADE SÉRIE (CDIS) j) Estudantes com DI, DA, DV, DMU, AH/SD, Surdocegueira e/ou TGD não participam das turmas de CDIS. k) Os(As) estudantes com DF poderão participar das turmas de CDIS, após Estudo de Caso realizado pelos(as) profissionais dos Serviços de Apoio (SEAA, AEE e SOE) e conforme determinam as Orientações Pedagógicas de CDIS; l) Os(As) estudantes em defasagem Idade/Série, com NEE, tais como: TDA/H, DPAC, Dislexia, TOD e TC, deverão passar por um Estudo de Caso realizado pelo SEAA, professor(a) regente, SOE, Coordenador(a) Pedagógico(a) e equipe gestora para a enturmação nas classes de CDIS. Coordenação Intermediaria Artur ,Carlos, Luzinete, Mirian, Patrícia e Rosineide