SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2008



Ementa:Dispõe sobre as diretrizes e procedimentos para implantação do
Sistema de Avaliação das Aprendizagens nas Escolas da Rede Estadual de
Ensino a partir do ano letivo de 2008.

 A Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação e a Gerência de
Normatização do Ensino, com base no Decreto nº. 30.362 de 17 de abril de
2007, DOE de 18 de abril de 2007, na Lei Federal nº. 9.394 de 20 de dezembro
de 1996, DOU de 20 de dezembro de 1996, na Lei nº. 10.172 de 09 de janeiro
de 2001, que dispõe sobre o PNE, Lei nº. 11.114/2005, Lei nº. 11.274/2006 que
altera os artigos 2º, 3º, 32 e 87 da LDB, Parecer CNE/CEB nº. 04/1998,
Resolução CNE/CEB nº. 02/98, Parecer CNE/CEB nº. 06/2005, Resolução
CNE/CEB nº. 03/2005, Parecer CNE/CEB nº. 18/2005, Resolução CEE/PE nº.
03/2006, Lei Estadual nº. 12.252/2002, que dispõe sobre o PEE, Lei nº.
12.286/2002 que altera o PEE, Resolução CEE/PE nº.02/2007, Parecer
CNE/CEB nº. 15/98, Resolução CNE/CEB nº. 03/98, Decreto CNE/CEB nº.
5.154/2004, Parecer CNE/CEB nº. 39/2004, Parecer CNE/CEB nº. 01/99,
Resolução CNE/CEB nº. 02/1999, Parecer CNE/CEB nº. 11/2000, Resolução
CNE/CEB nº. 01/2000, Resolução CEE/PE nº. 02/2004.

 Considerando que a Secretaria de Educação de Pernambuco define como
princípio norteador do conjunto das políticas educacionais a educação para a
cidadania e destaca como prioridade a universalização da educação básica
com permanência do(a) estudante, ampliação e qualidade da educação
escolar;

 Considerando que a concepção de avaliação do processo de aprendizagem
explicitada na lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional-LDBEN nº
9394/1996 define a avaliação como parte integrante e estruturante do processo
de aprendizagens e da ação pedagógica que possibilita o acompanhamento da
construção de conhecimento e de desenvolvimento sócio-cognitivo do(a)
estudante;

 Considerando que a avaliação do processo de aprendizagens caracteriza-se
pela predominância dos procedimentos qualitativos sobre os quantitativos, dos
processos sobre os produtos, a ser implementada como dinâmica de natureza
cumulativa, contínua, sistemática, extensiva e flexível, superando a visão
classificatória e terminal;

 Considerando que os dados da avaliação devem ser indicadores para a
reflexão do (a) professor (a) sobre sua ação e da prática pedagógica da escola
no sentido de redirecionar o ensino com o objetivo de atender as necessidades
do (a) estudante na perspectiva de ampliar e consolidar aprendizagens;

 Considerando que a concepção de avaliação da forma como prevista nesta
Instrução, requer que a escola seja compreendida enquanto espaço de
aprendizagens múltiplas em função da construção da identidade cidadã dos
seus sujeitos;
Considerando que se torna imprescindível o envolvimento do(a) estudante,
pais e educadores da escola nos processos de ensino e de aprendizagens e
seus resultados;

RESOLVE:

 Art.1º- As Escolas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco implantarão, a
partir do ano letivo de 2008, as disposições previstas nesta Instrução
Normativa, referentes ao Sistema de Avaliação do processo de construção de
aprendizagens.

DAS ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS DA AVALIAÇÃO

 Art.2º- O processo de avaliação das aprendizagens do(a) estudante dar-se-á
de acordo com os níveis, ciclos/séries, anos, fases, modalidades e projetos de
ensino:

 I- na Educação Infantil, a avaliação do desenvolvimento da criança será
realizada através do acompanhamento sistemático e registro do seu
desenvolvimento mediante a elaboração de pareceres de aprendizagens sem o
objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao Ensino Fundamental, de
acordo com o disposto no Art. 31 da LDBEN nº. 9394/1996;

 II- nos Ciclos/Anos Iniciais do Ensino Fundamental, a avaliação das
aprendizagens do(a) estudante será realizada através de instrumentos
diversificados e registrada sob a forma de Parecer Descritivo da trajetória do
estudante, de acordo com o disposto no Art. 4º, incisos de I a V da Instrução
Normativa nº 01/2006 que orienta procedimentos para reorganização do ensino
em Ciclos no Sistema Educacional.

 III- nos anos finais do Ensino Fundamental (5ª à 8ª série/6º ao 9º ano), no
Ensino Médio–Médio Integrado à Educação Profissional, Normal Médio - e nas
modalidades da EJA, a avaliação das aprendizagens do(a) estudante deverá
ser realizada através de instrumentos diversificados e as verificações de
aprendizagens registradas sob a forma de nota;

 IV- nos projetos especiais da Secretaria de Educação a avaliação das
aprendizagens do(a) estudante e os registros de verificação serão realizados
de acordo com as orientações teórico-metodológicas da cada projeto.

 Parágrafo único. É vedado submeter o(a) estudante a um único instrumento de
avaliação e de verificação de aprendizagens em cada unidade didática
bimestral.

 Art.3º - As aprendizagens que o estudante deverá desenvolver na(s) série(s),
ano(s), fase(s), módulo(s) do Ensino Fundamental e Médio serão vivenciadas
em situações didáticas planejadas pelo(a) professor(a) e no Projeto Político
Pedagógico, por unidades didáticas bimestrais, considerando os conteúdos
curriculares definidos pela Secretaria de Educação.

 Art.4º- Os critérios avaliativos devem ser estabelecidos a partir dos conteúdos
definidos pela Secretaria de Educação.

DO PROCESSO DE PROGRESSÃO DO/A ESTUDANTE
Art. 5º- O(a) estudante ao longo da sua escolaridade poderá obter progressão
plena ou parcial.

 Art. 6º- A progressão plena dar-se-á quando o(a) estudante atingir ao término
do ano letivo ou após período de recuperação final, nota igual ou superior a 6,0
(seis) em todos os componentes curriculares da série/fase/ano/módulo e
freqüência mínima de 75% do total das horas letivas em cada componente
curricular.

 Art.7º- A progressão parcial, direito do(a) estudante, dar-se-á quando o(a)
mesmo(a) após período de recuperação final, não obtiver aprovação em até
dois componentes curriculares da série/fase/ano/módulo cursados e será
oferecida de acordo com as condições de cada escola.

 Art.8º- A progressão parcial será admitida nos anos/fases/séries finais do
Ensino Fundamental, nas 1ª e 2ª séries do Ensino Médio, nas 1ª, 2ª e 3ª séries
do Médio Integrado à Educação Profissional e nas 1ª, 2ª e 3ª séries do Normal
Médio.

 § 1º- No regime de progressão parcial as novas oportunidades de
aprendizagens deverão ser planejadas pelo(a) professor(a), divulgadas em
tempo hábil e oferecidas obrigatoriamente pela Escola.

§ 2º- Poderá cursar a 1º série/módulo do Ensino Médio, Médio Integrado à
Educação Profissional e do Normal Médio, apenas o(a) estudante aprovado(a)
em todos os componentes curriculares do Ensino Fundamental.

 § 3º- O(a) estudante, em regime de progressão parcial, deverá obter em cada
componente curricular a nota mínima 6,0 (seis) para aprovação.

 § 4º- Ao(a) estudante em regime de progressão parcial serão oferecidas, no
mínimo, 03 (três) oportunidades de reensino e avaliação da aprendizagem, no
ano letivo subseqüente.

 Art. 9º- O(a) estudante reprovado em até duas disciplinas na 8ªsérie/9º ano e
na 4ª fase da EJA do Ensino Fundamental - e no Ensino Médio - 3ª série, 4ª
série do Médio Integrado à Educação Profissional, 4ª série do Normal Médio e
no 2º ano da EJA Ensino Médio, tem direito a exame especial de progressão
parcial a realizar-se no final do ano letivo, conferindo-lhe, se aprovado(a) o
prosseguimento de estudos. Em caso de reprovação, após o exame final, o(a)
estudante repetirá a série.

 Art.10 - O(a) estudante que não obtiver aprovação, ao repetir a
série/fase/módulo/ano, não poderá ser reprovado no(s) componente(s)
curricular(es) em que já obteve aprovação no(s) ano(s) letivo(s) anterior(es).

DOS PROCEDIMENTOS DE ATRIBUIÇÃO E REGISTRO DE NOTAS

 Art. 11- O processo de atribuição e registro de notas considera os seguintes
critérios:

I - o nível de aprendizagem do(a) estudante deverá ser registrado pelo(a)
professor(a) no diário de classe;
II - a avaliação da aprendizagem terá registro em forma de notas expressas na
escala de 0 (zero) a 10,0 (dez virgula zero);

 III - o registro de notas será expresso mantendo até uma casa decimal,
conforme a escala: 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5; 3,0; 3,5; 4,0; 4,5; 5,0; 5,5; 6,0; 6,5;
7,0; 7,5; 8,0; 8,5; 9,0; 9,5 e 10,0.

Parágrafo único. O arredondamento de notas, quando necessário, será por
acréscimo e nunca por decréscimo de décimos.

 Art. 12- Para aprovação do(a) estudante ficará estabelecida a nota 6,0 (seis)
por componente curricular, a qual será calculada pela média aritmética das
notas atribuídas pelo professor(a) ao(a) estudante em cada unidade didática
bimestral.

 Art. 13- Em cada unidade didática bimestral, a avaliação da aprendizagem
compreenderá, no mínimo, duas atividades avaliativas a saber:

I - procedimentos avaliativos, tais como: trabalho em grupo, apresentação de
seminários, pesquisas, tarefas realizadas em sala de aula, realização de
projetos, planejados pelo(a) professor(a), correspondendo à 1ª (primeira) nota;

 II - procedimento avaliativo que represente a síntese dos conteúdos ensinados
e realizado individualmente pelo(a) estudante, no final de cada unidade didática
bimestral, correspondendo à 2ª (segunda) nota.

 Art. 14- A média aritmética do bimestre é o resultado obtido pelo(a) estudante
ao longo de cada unidade didática bimestral.

DA RECUPERAÇÃO DA APRENDIZAGEM

 Art.15- A recuperação da aprendizagem, direito do(a) estudante, será ofertada
ao longo de cada unidade didática bimestral, de forma paralela, e ao final do
ano letivo.

 § 1º- Os estudos paralelos de recuperação da aprendizagem deverão ocorrer
durante as unidades didáticas/bimestrais, através de situações didáticas, em
atividades diversificadas, garantindo ao estudante que não tenha demonstrado
apropriação do(s) conhecimento(s) novas oportunidades para aprendê-lo(s).

 § 2º- (a) ou (o) estudante que, ao final do ano letivo, não obtiver a média anual
6,0 (seis) será, obrigatoriamente, ofertada pela escola uma oportunidade final
de recuperação da aprendizagem.

 § 3º- A recuperação final da aprendizagem deverá contemplar os conteúdos
definidos para a série/fase/ano/módulo durante o ano letivo através de novas
oportunidades de ensino.

§ 4º- Caso a nota da recuperação final seja menor do que a nota anual
prevalecerá a maior nota para efeito de registro escolar.

DA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORMA
SATISFATÓRIA
Art.16-Para que a operacionalização do sistema de avaliação se desenvolva
de forma satisfatória, necessária se faz a participação do(a):

I - professor(a), no que se refere:

a) ao preenchimento de todos os dados do diário de classe;

 b) tornar acessíveis ao(a) estudante, seus pais ou responsáveis os dados
sobre as aprendizagens do(a) estudante;

c) participar do Conselho de Classe;

 d) oportunizar estudos de recuperação da aprendizagem ao(a) estudante
durante o ano letivo;

e) zelar pela aprendizagem do(a) estudante;

 II - conselho de classe, no que se refere à homologação dos resultados das
aprendizagens obtidos pelo(a) estudante, conforme registrado no diário de
classe;

 III - secretaria da escola, no que se refere à transposição dos dados contidos
nos diários de classe para a ficha individual do(a) estudante, os quais
obrigatoriamente integrarão seu histórico escolar.

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

 Art. 17-Os casos de estudante com doença comprovada ou estado de
gestação, bem como outros de natureza específica, serão tratados conforme
legislação educacional vigente.

 Art. 18-Os casos omissos serão resolvidos pelos Conselhos Escolares e de
Classe, ouvida a Gerência Regional de Educação a qual a escola está
jurisdicionada.

 Art. 19-A presente Instrução revoga a Instrução nº 002/2002 de 08 de abril de
2002.

 Art. 20-Esta Instrução Normativa entrará em vigor a partir da data de
publicação no Diário Oficial do Estado.

                                                   Recife, 14 de abril de 2008.



Aída Maria Monteiro da Silva

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação



Vicência Barbosa de Andrade Torres

Gerente de Normatização do Ensino.
SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

COMUNICADO

Orientações para registro da verificação das aprendizagens dos estudantes no
Diário de Classe do Ensino Fundamental de 5ª a 8ª séries/ Ensino Médio - ano
letivo 2008.

 A Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação, no uso das suas
atribuições, considerando as disposições previstas na Instrução Normativa Nº
04/2008, em que fixa diretrizes e procedimentos para a Avaliação das
Aprendizagens dos estudantes da Rede Estadual de Ensino, partir do ano
letivo de 2008, nas Escolas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco;

Considerando a necessidade de adequação dos Diários de Classes de 2008 à
nova Instrução de Avaliação;

Considerando a organização do ano letivo estruturado em quatro Unidades
Didáticas Bimestrais;

Considerando que o Diário de Classe é um documento oficial em que registra a
trajetória da vida escolar do(a) estudante;

Considerando que compete ao(a) professor(a) o preenchimento do Diário de
Classe e a secretaria da escola fazer a transposição dos dados do Diário de
Classe, de forma fidedigna, para a ficha individual do(a) estudante;

Orienta as Gerências Regionais de Educação e as Escolas sobre os
procedimentos para o registro da verificação das aprendizagens dos(as)
estudantes, nos Diários de Classes do Ensino Fundamental de 5ª a 8ª séries e
do Ensino Médio, no decorrer do ano letivo 2008;

I - No quadro de Indicadores de Desempenhos Trabalhados.

As colunas com as letras A, B, C, D devem ser utilizadas para os registros das
notas que correspondem às QUATRO UNIDADES DIDÁTICAS BIMESTRAIS,
respectivamente.

Na coluna OE:

1ª linha registrar a PRIMEIRA NOTA;

2ª linha registrar a SEGUNDA NOTA;

3ª   linha  registrar      a    MÉDIA      ARITMÉTICA       DA      UNIDADE
DIDÁTICA/BIMESTRAL.
Exemplo:

OE                      A I Unidade B II Unidade C III Unidade D IV Unidade
                        Didática    Didática     Didática      Didática
1ª Nota                 5,0          6,0               4,5              7,0
2ª Nota                 6,0          6,0               5,0              7,0
Nota da     Média   da 5,5           6,0               5,0              7,0
Unidade
II. No quadro da Recuperação Final

Na coluna com a letra A registrar a MÉDIA ANUAL;

Na coluna com a letra B registrar a NOTA DA RECUPERAÇÃO FINAL;

Na coluna com a letra C registrar a NOTA FINAL.

 Exemplo:

A Média Anual 6,0     B Nota da Recuperação Final      C Nota Final
II - O quadro do Perfil Anual não será preenchido.



                                                     Recife, 14 de abril de 2008.



AÍDA MARIA MONTEIRO DA SILVA

Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação


OBS.: D.O.E em 15 de abril de 2008

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
ellannia
 
Instrução normativa nº 11.2008
Instrução normativa nº 11.2008Instrução normativa nº 11.2008
Instrução normativa nº 11.2008
elannialins
 
Edital monitoria 2013_2_final
Edital monitoria 2013_2_finalEdital monitoria 2013_2_final
Edital monitoria 2013_2_final
Estela Lasmar
 
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
pinkytortue
 
Manual de formaturas
Manual de formaturasManual de formaturas
Manual de formaturas
Gi Olli
 

Mais procurados (16)

Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
 
Res se 89, 29.12.2011
Res se 89, 29.12.2011Res se 89, 29.12.2011
Res se 89, 29.12.2011
 
JNE - COMUNICAÇÃO N.º 5/JNE/2020 - Orientações para o processo de inscrição n...
JNE - COMUNICAÇÃO N.º 5/JNE/2020 - Orientações para o processo de inscrição n...JNE - COMUNICAÇÃO N.º 5/JNE/2020 - Orientações para o processo de inscrição n...
JNE - COMUNICAÇÃO N.º 5/JNE/2020 - Orientações para o processo de inscrição n...
 
Instrução normativa nº 11.2008
Instrução normativa nº 11.2008Instrução normativa nº 11.2008
Instrução normativa nº 11.2008
 
Edital monitoria 2013_2_final
Edital monitoria 2013_2_finalEdital monitoria 2013_2_final
Edital monitoria 2013_2_final
 
avaliação na Rede Estadual da Bahia em 2021
avaliação na Rede Estadual da Bahia em 2021avaliação na Rede Estadual da Bahia em 2021
avaliação na Rede Estadual da Bahia em 2021
 
Desp106 2005
Desp106 2005Desp106 2005
Desp106 2005
 
Decreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abril
Decreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abrilDecreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abril
Decreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abril
 
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
 
NORMA 02/JNE/2020 - Atualização
NORMA 02/JNE/2020 - AtualizaçãoNORMA 02/JNE/2020 - Atualização
NORMA 02/JNE/2020 - Atualização
 
NORMA 02/JNE/2020 – Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário
NORMA 02/JNE/2020 – Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino SecundárioNORMA 02/JNE/2020 – Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário
NORMA 02/JNE/2020 – Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário
 
Resolução se 72
Resolução se 72Resolução se 72
Resolução se 72
 
Manual de formaturas
Manual de formaturasManual de formaturas
Manual de formaturas
 
Orientação para Operacionalização de Relatório para Acompanhamento dos Alunos...
Orientação para Operacionalização de Relatório para Acompanhamento dos Alunos...Orientação para Operacionalização de Relatório para Acompanhamento dos Alunos...
Orientação para Operacionalização de Relatório para Acompanhamento dos Alunos...
 
Norma 01 jne_2013
Norma 01 jne_2013Norma 01 jne_2013
Norma 01 jne_2013
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
 

Destaque

Destaque (8)

Преподаватели Социологического факультета ГАУГН
Преподаватели Социологического факультета ГАУГНПреподаватели Социологического факультета ГАУГН
Преподаватели Социологического факультета ГАУГН
 
Потребление как фактор пространственной реорганизации урбанизированных террит...
Потребление как фактор пространственной реорганизации урбанизированных террит...Потребление как фактор пространственной реорганизации урбанизированных террит...
Потребление как фактор пространственной реорганизации урбанизированных террит...
 
Субкультуры: хипстеры
Субкультуры: хипстерыСубкультуры: хипстеры
Субкультуры: хипстеры
 
Александр Семенов (НИУ ВШЭ)
Александр Семенов (НИУ ВШЭ)Александр Семенов (НИУ ВШЭ)
Александр Семенов (НИУ ВШЭ)
 
Diferentes Ideas de la Conflictología desde la Sociología del siglo XX
Diferentes Ideas de la Conflictología desde la Sociología del siglo XXDiferentes Ideas de la Conflictología desde la Sociología del siglo XX
Diferentes Ideas de la Conflictología desde la Sociología del siglo XX
 
Социальная стратификация
Социальная стратификацияСоциальная стратификация
Социальная стратификация
 
Социология - наука об обществе
Социология - наука об обществеСоциология - наука об обществе
Социология - наука об обществе
 
Введение
ВведениеВведение
Введение
 

Semelhante a Instrução normativa nº 04 diário

Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
elannialins
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
elannialins
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
elannialins
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
elannialins
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
elannialins
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
elannialins
 
Sistemaavaliacaoensinosecundario
SistemaavaliacaoensinosecundarioSistemaavaliacaoensinosecundario
Sistemaavaliacaoensinosecundario
Ministerio_Educacao
 
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela TrentinRegimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
alexrrosaueja
 
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
Jhosyrene Oliveira
 
PCAGP - SEE SP - Algumas leis
PCAGP - SEE SP - Algumas leisPCAGP - SEE SP - Algumas leis
PCAGP - SEE SP - Algumas leis
Liana Maura
 
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicialAs fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
ANA GRALHEIRO
 
Despacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADDDespacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADD
Maria André
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
Maria André
 

Semelhante a Instrução normativa nº 04 diário (20)

Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
 
Despacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abril
Despacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abrilDespacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abril
Despacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abril
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
 
Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008Instrução normativa nº 14.2008
Instrução normativa nº 14.2008
 
Sistemaavaliacaoensinosecundario
SistemaavaliacaoensinosecundarioSistemaavaliacaoensinosecundario
Sistemaavaliacaoensinosecundario
 
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela TrentinRegimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
Regimento da EJA - 2012 - Recortes - Prof. Elisângela Trentin
 
Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1
Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1
Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1
 
Delibera%c3%a7%c3%a3o%2001%20de%202003[1]
Delibera%c3%a7%c3%a3o%2001%20de%202003[1]Delibera%c3%a7%c3%a3o%2001%20de%202003[1]
Delibera%c3%a7%c3%a3o%2001%20de%202003[1]
 
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
Apresentaootpcagp 130717055845-phpapp02
 
PCAGP - SEE SP - Algumas leis
PCAGP - SEE SP - Algumas leisPCAGP - SEE SP - Algumas leis
PCAGP - SEE SP - Algumas leis
 
Despacho fichas-add
Despacho fichas-addDespacho fichas-add
Despacho fichas-add
 
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicialAs fichas   despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
As fichas despacho fichas-add novo com alteraçoes à inicial
 
Nova Sistemática de Avaliação da Rede Municipal de Ensino de São Luís-MA
Nova Sistemática de Avaliação da Rede Municipal de Ensino de São Luís-MANova Sistemática de Avaliação da Rede Municipal de Ensino de São Luís-MA
Nova Sistemática de Avaliação da Rede Municipal de Ensino de São Luís-MA
 
curso de matemática manual_matematica_licenciados.pdf
curso de matemática manual_matematica_licenciados.pdfcurso de matemática manual_matematica_licenciados.pdf
curso de matemática manual_matematica_licenciados.pdf
 
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdfProjeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
 
Despacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADDDespacho fichas avaliacao_ADD
Despacho fichas avaliacao_ADD
 
Despacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_globalDespacho fichas avaliacao_global
Despacho fichas avaliacao_global
 

Mais de elannialins

9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
elannialins
 
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
elannialins
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
elannialins
 
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
elannialins
 
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
elannialins
 
3.currículo e cultura escolar 2012
3.currículo e cultura escolar   20123.currículo e cultura escolar   2012
3.currículo e cultura escolar 2012
elannialins
 
2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional
elannialins
 
1.educador de apoio 2012
1.educador de apoio 20121.educador de apoio 2012
1.educador de apoio 2012
elannialins
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
elannialins
 
Texto capaciação 1
Texto capaciação 1Texto capaciação 1
Texto capaciação 1
elannialins
 
Gerenciamento[1]
Gerenciamento[1]Gerenciamento[1]
Gerenciamento[1]
elannialins
 
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
elannialins
 
3.currículo e cultura escolar 2012
3.currículo e cultura escolar   20123.currículo e cultura escolar   2012
3.currículo e cultura escolar 2012
elannialins
 
2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional
elannialins
 
Perguntas aos educadores de apoio
Perguntas aos educadores de apoioPerguntas aos educadores de apoio
Perguntas aos educadores de apoio
elannialins
 
Escolas feias, escolas boas
Escolas feias, escolas boasEscolas feias, escolas boas
Escolas feias, escolas boas
elannialins
 
Aprova brasil 2a edição
Aprova brasil   2a ediçãoAprova brasil   2a edição
Aprova brasil 2a edição
elannialins
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
elannialins
 
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
elannialins
 

Mais de elannialins (20)

9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
 
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
 
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
 
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
 
3.currículo e cultura escolar 2012
3.currículo e cultura escolar   20123.currículo e cultura escolar   2012
3.currículo e cultura escolar 2012
 
2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional
 
1.educador de apoio 2012
1.educador de apoio 20121.educador de apoio 2012
1.educador de apoio 2012
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
 
Texto capaciação 1
Texto capaciação 1Texto capaciação 1
Texto capaciação 1
 
Gerenciamento[1]
Gerenciamento[1]Gerenciamento[1]
Gerenciamento[1]
 
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
 
3.currículo e cultura escolar 2012
3.currículo e cultura escolar   20123.currículo e cultura escolar   2012
3.currículo e cultura escolar 2012
 
2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional
 
Perguntas aos educadores de apoio
Perguntas aos educadores de apoioPerguntas aos educadores de apoio
Perguntas aos educadores de apoio
 
Escolas feias, escolas boas
Escolas feias, escolas boasEscolas feias, escolas boas
Escolas feias, escolas boas
 
Aprova brasil 2a edição
Aprova brasil   2a ediçãoAprova brasil   2a edição
Aprova brasil 2a edição
 
Pesquisa ação
Pesquisa açãoPesquisa ação
Pesquisa ação
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
 
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
 

Instrução normativa nº 04 diário

  • 1. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2008 Ementa:Dispõe sobre as diretrizes e procedimentos para implantação do Sistema de Avaliação das Aprendizagens nas Escolas da Rede Estadual de Ensino a partir do ano letivo de 2008. A Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação e a Gerência de Normatização do Ensino, com base no Decreto nº. 30.362 de 17 de abril de 2007, DOE de 18 de abril de 2007, na Lei Federal nº. 9.394 de 20 de dezembro de 1996, DOU de 20 de dezembro de 1996, na Lei nº. 10.172 de 09 de janeiro de 2001, que dispõe sobre o PNE, Lei nº. 11.114/2005, Lei nº. 11.274/2006 que altera os artigos 2º, 3º, 32 e 87 da LDB, Parecer CNE/CEB nº. 04/1998, Resolução CNE/CEB nº. 02/98, Parecer CNE/CEB nº. 06/2005, Resolução CNE/CEB nº. 03/2005, Parecer CNE/CEB nº. 18/2005, Resolução CEE/PE nº. 03/2006, Lei Estadual nº. 12.252/2002, que dispõe sobre o PEE, Lei nº. 12.286/2002 que altera o PEE, Resolução CEE/PE nº.02/2007, Parecer CNE/CEB nº. 15/98, Resolução CNE/CEB nº. 03/98, Decreto CNE/CEB nº. 5.154/2004, Parecer CNE/CEB nº. 39/2004, Parecer CNE/CEB nº. 01/99, Resolução CNE/CEB nº. 02/1999, Parecer CNE/CEB nº. 11/2000, Resolução CNE/CEB nº. 01/2000, Resolução CEE/PE nº. 02/2004. Considerando que a Secretaria de Educação de Pernambuco define como princípio norteador do conjunto das políticas educacionais a educação para a cidadania e destaca como prioridade a universalização da educação básica com permanência do(a) estudante, ampliação e qualidade da educação escolar; Considerando que a concepção de avaliação do processo de aprendizagem explicitada na lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional-LDBEN nº 9394/1996 define a avaliação como parte integrante e estruturante do processo de aprendizagens e da ação pedagógica que possibilita o acompanhamento da construção de conhecimento e de desenvolvimento sócio-cognitivo do(a) estudante; Considerando que a avaliação do processo de aprendizagens caracteriza-se pela predominância dos procedimentos qualitativos sobre os quantitativos, dos processos sobre os produtos, a ser implementada como dinâmica de natureza cumulativa, contínua, sistemática, extensiva e flexível, superando a visão classificatória e terminal; Considerando que os dados da avaliação devem ser indicadores para a reflexão do (a) professor (a) sobre sua ação e da prática pedagógica da escola no sentido de redirecionar o ensino com o objetivo de atender as necessidades do (a) estudante na perspectiva de ampliar e consolidar aprendizagens; Considerando que a concepção de avaliação da forma como prevista nesta Instrução, requer que a escola seja compreendida enquanto espaço de aprendizagens múltiplas em função da construção da identidade cidadã dos seus sujeitos;
  • 2. Considerando que se torna imprescindível o envolvimento do(a) estudante, pais e educadores da escola nos processos de ensino e de aprendizagens e seus resultados; RESOLVE: Art.1º- As Escolas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco implantarão, a partir do ano letivo de 2008, as disposições previstas nesta Instrução Normativa, referentes ao Sistema de Avaliação do processo de construção de aprendizagens. DAS ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS DA AVALIAÇÃO Art.2º- O processo de avaliação das aprendizagens do(a) estudante dar-se-á de acordo com os níveis, ciclos/séries, anos, fases, modalidades e projetos de ensino: I- na Educação Infantil, a avaliação do desenvolvimento da criança será realizada através do acompanhamento sistemático e registro do seu desenvolvimento mediante a elaboração de pareceres de aprendizagens sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao Ensino Fundamental, de acordo com o disposto no Art. 31 da LDBEN nº. 9394/1996; II- nos Ciclos/Anos Iniciais do Ensino Fundamental, a avaliação das aprendizagens do(a) estudante será realizada através de instrumentos diversificados e registrada sob a forma de Parecer Descritivo da trajetória do estudante, de acordo com o disposto no Art. 4º, incisos de I a V da Instrução Normativa nº 01/2006 que orienta procedimentos para reorganização do ensino em Ciclos no Sistema Educacional. III- nos anos finais do Ensino Fundamental (5ª à 8ª série/6º ao 9º ano), no Ensino Médio–Médio Integrado à Educação Profissional, Normal Médio - e nas modalidades da EJA, a avaliação das aprendizagens do(a) estudante deverá ser realizada através de instrumentos diversificados e as verificações de aprendizagens registradas sob a forma de nota; IV- nos projetos especiais da Secretaria de Educação a avaliação das aprendizagens do(a) estudante e os registros de verificação serão realizados de acordo com as orientações teórico-metodológicas da cada projeto. Parágrafo único. É vedado submeter o(a) estudante a um único instrumento de avaliação e de verificação de aprendizagens em cada unidade didática bimestral. Art.3º - As aprendizagens que o estudante deverá desenvolver na(s) série(s), ano(s), fase(s), módulo(s) do Ensino Fundamental e Médio serão vivenciadas em situações didáticas planejadas pelo(a) professor(a) e no Projeto Político Pedagógico, por unidades didáticas bimestrais, considerando os conteúdos curriculares definidos pela Secretaria de Educação. Art.4º- Os critérios avaliativos devem ser estabelecidos a partir dos conteúdos definidos pela Secretaria de Educação. DO PROCESSO DE PROGRESSÃO DO/A ESTUDANTE
  • 3. Art. 5º- O(a) estudante ao longo da sua escolaridade poderá obter progressão plena ou parcial. Art. 6º- A progressão plena dar-se-á quando o(a) estudante atingir ao término do ano letivo ou após período de recuperação final, nota igual ou superior a 6,0 (seis) em todos os componentes curriculares da série/fase/ano/módulo e freqüência mínima de 75% do total das horas letivas em cada componente curricular. Art.7º- A progressão parcial, direito do(a) estudante, dar-se-á quando o(a) mesmo(a) após período de recuperação final, não obtiver aprovação em até dois componentes curriculares da série/fase/ano/módulo cursados e será oferecida de acordo com as condições de cada escola. Art.8º- A progressão parcial será admitida nos anos/fases/séries finais do Ensino Fundamental, nas 1ª e 2ª séries do Ensino Médio, nas 1ª, 2ª e 3ª séries do Médio Integrado à Educação Profissional e nas 1ª, 2ª e 3ª séries do Normal Médio. § 1º- No regime de progressão parcial as novas oportunidades de aprendizagens deverão ser planejadas pelo(a) professor(a), divulgadas em tempo hábil e oferecidas obrigatoriamente pela Escola. § 2º- Poderá cursar a 1º série/módulo do Ensino Médio, Médio Integrado à Educação Profissional e do Normal Médio, apenas o(a) estudante aprovado(a) em todos os componentes curriculares do Ensino Fundamental. § 3º- O(a) estudante, em regime de progressão parcial, deverá obter em cada componente curricular a nota mínima 6,0 (seis) para aprovação. § 4º- Ao(a) estudante em regime de progressão parcial serão oferecidas, no mínimo, 03 (três) oportunidades de reensino e avaliação da aprendizagem, no ano letivo subseqüente. Art. 9º- O(a) estudante reprovado em até duas disciplinas na 8ªsérie/9º ano e na 4ª fase da EJA do Ensino Fundamental - e no Ensino Médio - 3ª série, 4ª série do Médio Integrado à Educação Profissional, 4ª série do Normal Médio e no 2º ano da EJA Ensino Médio, tem direito a exame especial de progressão parcial a realizar-se no final do ano letivo, conferindo-lhe, se aprovado(a) o prosseguimento de estudos. Em caso de reprovação, após o exame final, o(a) estudante repetirá a série. Art.10 - O(a) estudante que não obtiver aprovação, ao repetir a série/fase/módulo/ano, não poderá ser reprovado no(s) componente(s) curricular(es) em que já obteve aprovação no(s) ano(s) letivo(s) anterior(es). DOS PROCEDIMENTOS DE ATRIBUIÇÃO E REGISTRO DE NOTAS Art. 11- O processo de atribuição e registro de notas considera os seguintes critérios: I - o nível de aprendizagem do(a) estudante deverá ser registrado pelo(a) professor(a) no diário de classe;
  • 4. II - a avaliação da aprendizagem terá registro em forma de notas expressas na escala de 0 (zero) a 10,0 (dez virgula zero); III - o registro de notas será expresso mantendo até uma casa decimal, conforme a escala: 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5; 3,0; 3,5; 4,0; 4,5; 5,0; 5,5; 6,0; 6,5; 7,0; 7,5; 8,0; 8,5; 9,0; 9,5 e 10,0. Parágrafo único. O arredondamento de notas, quando necessário, será por acréscimo e nunca por decréscimo de décimos. Art. 12- Para aprovação do(a) estudante ficará estabelecida a nota 6,0 (seis) por componente curricular, a qual será calculada pela média aritmética das notas atribuídas pelo professor(a) ao(a) estudante em cada unidade didática bimestral. Art. 13- Em cada unidade didática bimestral, a avaliação da aprendizagem compreenderá, no mínimo, duas atividades avaliativas a saber: I - procedimentos avaliativos, tais como: trabalho em grupo, apresentação de seminários, pesquisas, tarefas realizadas em sala de aula, realização de projetos, planejados pelo(a) professor(a), correspondendo à 1ª (primeira) nota; II - procedimento avaliativo que represente a síntese dos conteúdos ensinados e realizado individualmente pelo(a) estudante, no final de cada unidade didática bimestral, correspondendo à 2ª (segunda) nota. Art. 14- A média aritmética do bimestre é o resultado obtido pelo(a) estudante ao longo de cada unidade didática bimestral. DA RECUPERAÇÃO DA APRENDIZAGEM Art.15- A recuperação da aprendizagem, direito do(a) estudante, será ofertada ao longo de cada unidade didática bimestral, de forma paralela, e ao final do ano letivo. § 1º- Os estudos paralelos de recuperação da aprendizagem deverão ocorrer durante as unidades didáticas/bimestrais, através de situações didáticas, em atividades diversificadas, garantindo ao estudante que não tenha demonstrado apropriação do(s) conhecimento(s) novas oportunidades para aprendê-lo(s). § 2º- (a) ou (o) estudante que, ao final do ano letivo, não obtiver a média anual 6,0 (seis) será, obrigatoriamente, ofertada pela escola uma oportunidade final de recuperação da aprendizagem. § 3º- A recuperação final da aprendizagem deverá contemplar os conteúdos definidos para a série/fase/ano/módulo durante o ano letivo através de novas oportunidades de ensino. § 4º- Caso a nota da recuperação final seja menor do que a nota anual prevalecerá a maior nota para efeito de registro escolar. DA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORMA SATISFATÓRIA
  • 5. Art.16-Para que a operacionalização do sistema de avaliação se desenvolva de forma satisfatória, necessária se faz a participação do(a): I - professor(a), no que se refere: a) ao preenchimento de todos os dados do diário de classe; b) tornar acessíveis ao(a) estudante, seus pais ou responsáveis os dados sobre as aprendizagens do(a) estudante; c) participar do Conselho de Classe; d) oportunizar estudos de recuperação da aprendizagem ao(a) estudante durante o ano letivo; e) zelar pela aprendizagem do(a) estudante; II - conselho de classe, no que se refere à homologação dos resultados das aprendizagens obtidos pelo(a) estudante, conforme registrado no diário de classe; III - secretaria da escola, no que se refere à transposição dos dados contidos nos diários de classe para a ficha individual do(a) estudante, os quais obrigatoriamente integrarão seu histórico escolar. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 17-Os casos de estudante com doença comprovada ou estado de gestação, bem como outros de natureza específica, serão tratados conforme legislação educacional vigente. Art. 18-Os casos omissos serão resolvidos pelos Conselhos Escolares e de Classe, ouvida a Gerência Regional de Educação a qual a escola está jurisdicionada. Art. 19-A presente Instrução revoga a Instrução nº 002/2002 de 08 de abril de 2002. Art. 20-Esta Instrução Normativa entrará em vigor a partir da data de publicação no Diário Oficial do Estado. Recife, 14 de abril de 2008. Aída Maria Monteiro da Silva Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação Vicência Barbosa de Andrade Torres Gerente de Normatização do Ensino.
  • 6. SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO COMUNICADO Orientações para registro da verificação das aprendizagens dos estudantes no Diário de Classe do Ensino Fundamental de 5ª a 8ª séries/ Ensino Médio - ano letivo 2008. A Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação, no uso das suas atribuições, considerando as disposições previstas na Instrução Normativa Nº 04/2008, em que fixa diretrizes e procedimentos para a Avaliação das Aprendizagens dos estudantes da Rede Estadual de Ensino, partir do ano letivo de 2008, nas Escolas da Rede Estadual de Ensino de Pernambuco; Considerando a necessidade de adequação dos Diários de Classes de 2008 à nova Instrução de Avaliação; Considerando a organização do ano letivo estruturado em quatro Unidades Didáticas Bimestrais; Considerando que o Diário de Classe é um documento oficial em que registra a trajetória da vida escolar do(a) estudante; Considerando que compete ao(a) professor(a) o preenchimento do Diário de Classe e a secretaria da escola fazer a transposição dos dados do Diário de Classe, de forma fidedigna, para a ficha individual do(a) estudante; Orienta as Gerências Regionais de Educação e as Escolas sobre os procedimentos para o registro da verificação das aprendizagens dos(as) estudantes, nos Diários de Classes do Ensino Fundamental de 5ª a 8ª séries e do Ensino Médio, no decorrer do ano letivo 2008; I - No quadro de Indicadores de Desempenhos Trabalhados. As colunas com as letras A, B, C, D devem ser utilizadas para os registros das notas que correspondem às QUATRO UNIDADES DIDÁTICAS BIMESTRAIS, respectivamente. Na coluna OE: 1ª linha registrar a PRIMEIRA NOTA; 2ª linha registrar a SEGUNDA NOTA; 3ª linha registrar a MÉDIA ARITMÉTICA DA UNIDADE DIDÁTICA/BIMESTRAL.
  • 7. Exemplo: OE A I Unidade B II Unidade C III Unidade D IV Unidade Didática Didática Didática Didática 1ª Nota 5,0 6,0 4,5 7,0 2ª Nota 6,0 6,0 5,0 7,0 Nota da Média da 5,5 6,0 5,0 7,0 Unidade II. No quadro da Recuperação Final Na coluna com a letra A registrar a MÉDIA ANUAL; Na coluna com a letra B registrar a NOTA DA RECUPERAÇÃO FINAL; Na coluna com a letra C registrar a NOTA FINAL. Exemplo: A Média Anual 6,0 B Nota da Recuperação Final C Nota Final II - O quadro do Perfil Anual não será preenchido. Recife, 14 de abril de 2008. AÍDA MARIA MONTEIRO DA SILVA Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação OBS.: D.O.E em 15 de abril de 2008