Ecologia

15.003 visualizações

Publicada em

Aula em Power Point - Ecologia

Publicada em: Educação
11 comentários
34 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.003
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
11
Gostaram
34
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ecologia

  1. 1. Prof. Geraldo<br />
  2. 2. ECOLOGIA<br />Estudo das relações<br />entre os seres vivos<br />e o ambiente.<br />"Não adianta ser verde, tem que ser maduro"<br />
  3. 3.
  4. 4. Níveis de organização<br />Biosfera<br />Ecossistema<br />Comunidade<br />População<br />
  5. 5. Populações<br />Conjunto de indivíduos pertencentes <br />a uma mesma espécie e que ocupam <br />uma determinada área em <br />uma mesma unidade de tempo.<br />
  6. 6. Comunidades<br />(Biocenoses)<br />Conjunto de populações que <br />habitam uma determinada área <br />em uma mesma unidade de tempo.<br />
  7. 7. Ecossistemas<br />Conjunto de relações entre o <br />meio biótico e o meio abiótico.<br />Meio Biótico<br />Meio vivo ou que morreu à pouco tempo<br />Meio Abiótico<br />Meio não vivo (luz, água, temperatura, etc.)<br />
  8. 8. Biosfera<br />Compreende todos os lugares <br />do nosso planeta onde <br />há ser vivo.<br />
  9. 9. Conceitos Básicos:<br />Habitat:<br />Local específico onde vive o ser vivo.<br />Nicho Ecológico:<br />Papel biológico que o indivíduo desempenha na comunidade.<br />
  10. 10. Biota:<br />Fauna e flora de uma <br />determinada região.<br />Bioma: <br />São grandes paisagens naturais<br /> que constituem um tipo de ecossistema com similaridade de vegetação e condições climáticas.<br />Biótopo:<br />Região ambiental ocupada por uma comunidade.<br />
  11. 11. Estudo das populações<br />Fatores que influenciam no crescimento populacional<br />Espaço<br />1º Básicos<br />Alimento<br />Taxa de Natalidade<br />Taxa de Mortalidade<br />2º Consequentes<br />Emigrações<br />Migrações<br />Imigrações<br />
  12. 12. nº de indivíduos<br />D =<br />-<br />espaço ou volume<br />Análise quantitativa<br />- Densidade populacional<br /> A densidade populacional é a relação que existe entre o número de indivíduos de uma população e o espaço ou o volume ocupado por esta população, dependendo do tipo de habitat ocupado por ela.<br />Atenção<br />O espaço pode ser considerado em m2 , km2 , etc. O volume pode ser considerado em m3 , km3 , etc.<br />
  13. 13. nº de nascimentos<br />Natalidade = <br />-<br />tempo<br />nº de mortos<br />Mortalidade = <br />-<br />tempo<br />- Taxa de Natalidade<br />- Taxa de Mortalidade<br />
  14. 14. - Emigração<br />Saída de indivíduos da população.<br />- Imigração<br />Entrada de novos indivíduos na população.<br />Conclusão<br />O crescimento de uma população resulta da interação de quatro fatores: natalidade, mortalidade, imigração e emigração.<br />
  15. 15.
  16. 16. Crescimento Populacional<br />Conclusão<br />A curva de crescimento real de uma população, portanto, resulta da interação do seu potencial biótico e a resistência imposta pelo habitat onde ela vive.<br />
  17. 17. Potencial biótico<br />Nº de indivíduos<br />Tempo<br />
  18. 18. Crescimento populacional<br />Potencial<br />biótico<br />População<br />Resistência <br />do meio<br />Carga biótica máxima<br />Curva de <br />crescimento<br />Tempo<br />
  19. 19.
  20. 20.
  21. 21. Ecótono<br />Comunidade B<br />Comunidade A<br />Ecótono ou ecótone<br />Zona de transição entre comunidades <br />diferentes, que tem espécie de ambos<br />ecossistemas e espécies peculiares.<br />
  22. 22.
  23. 23. Fases de desenvolvimento:<br />ECESE<br />SERE<br />CLÍMAX<br />Ecese<br />Implantação da comunidade pioneira. Exemplo: Líquens<br />Sere<br />Implantação de novas comunidades. <br />Clímax<br />Implantação da comunidade definitiva.<br />
  24. 24.
  25. 25.
  26. 26. = PPB - R<br />
  27. 27.
  28. 28.
  29. 29. Ecossistema = Comunidade + fatores abióticos<br />
  30. 30. Nos ecossistema a MATÉRIA CICLA e a ENERGIA FLUI<br />
  31. 31. ex: organismo fotossintetizantes e quimiossintetizantes<br />ex: animais herbívoros,carnívoros e onívoros<br />
  32. 32.
  33. 33. Pirâmide<br />alimentar<br />PARAS I TAS<br />SAPRÓBIOS<br />GAVIÃO<br />COBRA<br /> COELHO<br /> VEGETAL<br />
  34. 34. Fluxo de energia no ecossistema<br />Da energia luminosa que chega a um ecossistema, pouco mais de 1% é utilizado na fotossíntese. Mas é o suficiente para gerar de 150 bilhões a 200 bilhões de toneladas de matéria orgânica por ano.<br />
  35. 35. Produtividade dos ecossistemas<br />A quantidade de matéria orgânica acumulada pelas plantas de um ecossistema em certo intervalo de tempo e por determinada área ou volume é chamada de produtividade primária bruta (PPB). Se descontarmos dessa parte aquela consumida pela própria planta na respiração (R), a que sobra é chamada de produtividade primária líquida (PPL).<br />PPL = PPB - R<br />
  36. 36.
  37. 37. Cadeia Alimentar<br />Consumidor<br />Primário<br />Consumidor<br />Secundário<br />Consumidor<br />Terciário<br />Produtor<br />COELHO<br />VEGETAL<br />COBRA<br />GAVIÃO<br />DECOMPOSITORES<br />
  38. 38. Vegetal<br />Coelho<br />Cobra<br />Gavião<br />Pirâmides Ecológicas<br />Pirâmide de Energia:<br />10 Kcal<br />100 Kcal<br /> 1.000 Kcal<br />10.000 Kcal<br />
  39. 39. Pirâmide<br /> de <br />Números:<br />3 cobras<br />15 coelhos<br />100 pés de milho<br />Atenção<br />A pirâmide dos números pode vir invertida quando o produtor é um vegetal de grande porte e/ou trata-se de relações parasitárias.<br />10 aranhas<br />1000 piolhos<br />300 insetos<br />10 macacos<br />1<br />1<br />árvore<br />árvore<br />
  40. 40. cobra<br />Pirâmide<br /> de<br /> Biomassa:<br /> rato<br />milho<br />Atenção<br />A pirâmide de biomassa pode vir invertida geralmente quando representa ecossistemas aquáticos onde o fitoplâncton apresenta alta taxa de reprodução.<br /> peixes<br />zooplâncton<br /> fitoplâncton<br />
  41. 41. GAVIÃO<br />COBRA<br />LAGARTO<br />COELHO<br />GAFANHOTO<br />VEGETAL<br />Teia Alimentar:<br />
  42. 42. Anotações Importantes:<br />Em um ecossistema o fluxo de energia é unidirecional e diminui dos produtores para os consumidores.<br />O fluxo de matéria é cíclico <br />Os organismos que se alimentam de animais e vegetais ao mesmo tempo são denominados onívoros.<br />A concentração de um agente poluente aumenta dos produtores para os consumidores (Magnificação Trófica)<br />
  43. 43. Fatores Abióticos:<br />Luz<br />Euribiontes<br />Organismos que suportam amplas variações de um fator ambiental.<br />Temperatura<br />Pressão<br />Estenobiontes<br />Salinidade<br />Organismos que não suportam amplas variações de um fator ambiental.<br />Água<br />p.H<br />
  44. 44. SUPORTAM<br />GRANDES VARIAÇÕES<br />NÃO SUPORTAM<br />GRANDES VARIAÇÕES<br />FATORES<br />Luz<br />EURIFÓTICOS<br />ESTENOFÓTICOS<br />EURITÉRMICOS<br />ESTENOTÉRMICOS<br />Temperatura<br />Pressão<br />EURIBÁRICOS<br />ESTENOBÁRICOS<br />Salinidade<br />EURIALINOS<br />ESTENOALINOS<br />Água<br />EURIHÍDRICOS<br />ESTENOHÍDRICOS<br />p.H<br />EURIÔNICOS<br />ESTENIÔNICOS<br />
  45. 45. Classificação dos animais em relação à temperatura:<br />Homeotérmicos<br />A temperatura corpórea mantém-se constante mesmo variando a temperatura ambiental. Exemplo: aves e mamíferos.<br />Heterotérmicos ou<br />Pecilotérmicos<br />A temperatura corpórea acompanha as variações de temperatura do ambiente. Exemplo: invertebrados, peixes, anfíbios e répteis.<br />
  46. 46. Fotoperiodismo:<br />Períodos de desenvolvimento e/ou adaptações de um organismo em função da duração dos dias e das noites.<br />
  47. 47. A liberação de melatonina regula as mudanças sazonais. (a) A melatonina é liberada no escuro e inibida pela exposição à luz. A duração da liberação diária de melatonina muda com a alteração no comprimento do dia (fotoperíodo), induzindo mudanças fisiológicas dramáticas em alguns animais. (b) No inverno esses hamsters siberianos são brancos e não se reproduzem. No verão são mesclados e de marrom procriam.<br />
  48. 48. BIosfera<br />Hidrosfera<br />Litosfera<br />Atmosfera<br />Conjunto de todos os ecossistemas<br />
  49. 49. - Terrestre ou epinociclo<br />- De água doce ou limnociclo<br />- Marinho ou talassociclo<br />Subdivisões da biosfera<br />
  50. 50. Epinociclo<br />- 25% da superfície<br />- Subdivisões: <br /><ul><li>Província dos seres aerícolas ou epígeos
  51. 51. Província dos seres subterrâneos ou hipógeos</li></li></ul><li>Ecossistemas Aquáticos<br />Talassociclo<br />Limnociclo<br />Estudo do Talassociclo<br />Compreende os ecossistemas de água salgada ocupando cerca de 75% da superfície do planeta.<br />
  52. 52. Características<br />Grandes profundidades.<br />Salinidade média de 3,5 g/L de sais.<br />A temperatura varia de acordo com as estações do ano e com a latitude.<br />A pressão aumenta com a profundidade.<br />
  53. 53. Os seres vivos<br />Os seres vivos são classificados em três tipos: plâncton, nécton e benton.<br />Plâncton<br />É formado por organismos que flutuam na superfície das águas, geralmente sem movimentos próprios, e arrastados pelas correntezas.<br />Fitoplâncton<br />Zooplâncton<br />
  54. 54. Nécton<br />É composto de seres que nadam ativamente, vencendo as correntezas ,como lulas, peixes, tartarugas e mamíferos aquáticos.<br />
  55. 55. Benton<br />São compostos de seres que vivem fixos (corais) ou rastejando no fundo do mar, como estrela-do-mar, polvo, caranguejo, lagosta, pepino-do-mar.<br />
  56. 56. Regiões Marinhas<br />
  57. 57. Divisão bentônica<br />Quanto a profundidade<br />Sistema<br />oceânico<br />Sistema<br />nerítico<br />Litoral<br />200 m<br />Mar aberto<br />Zona batial<br />2000 m<br />Zona abissal<br />6000 m<br />Zona hadal<br />11000 m<br />
  58. 58. Divisão em relação a luz<br />Zona eufótica<br />100 m<br />Zona disfótica<br />200 m<br />Zonaafótica<br />
  59. 59. Divisão em relação a luz<br />Zona eufótica ou fótica<br />Luminosidade<br />Fitoplâncton abundante<br />Alta taxa de fotossíntese<br />Predomínio dos herbívoros<br />
  60. 60. Zona afótica<br />Ausência de luz<br />Produtores quimiossintetizantes<br />Predomínio dos carnívoros<br />Animais geralmente cegos<br />Bioluminescência<br />
  61. 61. Estudo do Limnociclo<br />Compreende os ecossistemas de água doce.<br />Divisão<br />Águas Lênticas (dormentes)<br />Águas Lóticas (correntes)<br />
  62. 62.
  63. 63. Manguezal: Santuário Ecológico<br />Flora<br />Plantas predominantemente epífitas com adaptações como pneumatóforos (raízes respiratórias), raízes tipo escoras e células com grande força de sucção osmótica, o que garante a obtenção de água em solo salgado.<br />
  64. 64. Fauna<br />O mangue é o berço do mar, pois sua riqueza orgânica faz com que muitos moluscos, crustáceos e peixes aí se desenvolvam antes de saírem para mar aberto.<br />
  65. 65. Região de ressurgência<br />A produtividade primária é muito alta pois as correntes marítimas levam os sais minerais do fundo para a superfície iluminada. Esse fenômeno aumenta o número de produtores e, em consequência, o de consumidores, o que torna a região propícia à pesca.<br />
  66. 66. Fitotelmos ou Fitolimnos<br />Água acumulada nas bainhas das plantas - muito comum em bromélias.<br />Permafrost<br /> tipo de solo encontrado na região do Ártico.<br />É constituído por terra, gelo e rochas permanentemente congelados. No inverno chega a atingir 300 metros de profundidade e ao se derreter no verão, reduz-se para de 0,5 a 2 metros, tornando a superfície do solo pantanosa, uma vez que as águas não são absorvidas pelo solo congelado.<br />
  67. 67. Alelobioses<br />Relações ecológicas entre seres vivos.<br />Tipos de relação ecológica:<br />Relações Intraespecíficas:<br />São as que se estabelecem entre indivíduos de mesma espécie.<br />Relações Interespecíficas:<br />São as que ocorrem entre indivíduos de espécies diferentes.<br />
  68. 68. Relações Harmônicas:<br />A<br />B<br />+<br />+<br />Ambos são beneficiados<br />A<br />B<br />Um é beneficiado e o outro é passivo<br />+<br />0<br />Relações Desarmônicas:<br />A<br />B<br />Um é beneficiado e o outro é prejudicado<br />-<br />+<br />A<br />B<br />-<br />-<br />Ambos são prejudicados<br />
  69. 69. Relações harmônicas intraespecíficas<br />1 - COLÔNIAS<br />Associação entre indivíduos da mesma espécie, que se mantêm ligados entre si formando uma unidade estrutural. <br />
  70. 70. Tipos de colônias <br />Isomórficas: não existe divisão de trabalho<br />ex: corais<br />Heteromórficas: existe divisão de trabalho<br />ex: Caravela<br />IIsomórficas<br />Heteromórfica<br />
  71. 71. Colônias<br />Corais e esponjas<br />Bactérias<br />
  72. 72. 2 - SOCIEDADES<br />Associação entre indivíduos de uma mesma espécie onde ocorre divisão de trabalho, polimorfismo e independência morfofuncional. <br />Ex.: insetos sociais como abelhas, cupins e formigas. <br />
  73. 73. Haplóide (n) <br />Diplóide (2n)<br />
  74. 74. 1) Mutualismo (+/+)<br />Interação obrigatória entre duas espécies com benefício mútuo<br />exemplos<br />
  75. 75. 2) Protocooperação (+/+)<br />Interação facultativa entre duas espécies com benefício mútuo<br />Crocodilo e<br /> pássaro “paliteiro”<br />Boi e anu<br />
  76. 76. Protocooperação<br />Paguro<br />Paguro e anêmona<br /> Anêmona<br />
  77. 77. 3) Inquilinismo (+/0)<br />Uma espécie utiliza outra como abrigo ou proteção sem prejudicá-la<br />Pepino-do-mar e Fierasfer<br />Peixe-palhaço e anêmona<br />
  78. 78. Epifitismo<br />Inquilinismo entre vegetais<br /> Árvore e bromélia<br /> Árvore e orquídea<br />
  79. 79. 4) Comensalismo (+0)<br />Relação onde uma espécie comensal alimenta-se das sobras da dieta de seres de outra espécie.<br />Tubarão e rêmoras<br />Leões e hienas<br />Tubarão e Peixe piloto<br />
  80. 80. 5) foresia (+/o)<br />Relação onde uma espécie serve de meio de transporte para outra espécie<br />exemplos<br />Tubarão e Rêmora<br />Aedes e vírus da dengue<br />
  81. 81. Rhopalurus roxae<br />Relações desarmônicas intraespecíficas<br />1 – CANIBALISMO +/-<br />Relação onde um indivíduo mata representantes da mesma espécie para alimentar-se.<br />
  82. 82. 2 – COMPETIÇÃO -/-<br />Disputa entre indivíduos de mesma espécie pelo espaço e pelo alimento.<br />
  83. 83. Competição intraespecífica<br />Luz<br />
  84. 84. Atenção<br />A competição intraespecífica controla o tamanho da população<br />
  85. 85. Relações desarmônicas interespecíficas<br />1 – PREDATISMO +/-<br />Matar representantes de outra espécie para alimentar-se.<br />
  86. 86. 2 – HERBIVORISMO +/-<br />É uma relação semelhante ao predatismo, que ocorre entre um animal herbívoro e as plantas das quais se alimenta.<br />
  87. 87. Predação (+/-)<br />Predador<br />Herbivorismo<br />Presa<br />
  88. 88. Controle populacional<br />Presa X Predador<br />Nº de indivíduos<br />Tempo<br />
  89. 89. 3 – COMPETIÇÃO -/-<br />Duas espécies disputam nichos semelhantes, o que leva a uma delas a emigrar ou a ser extinta.<br />
  90. 90. Princípio de Gause-Exclusão competitiva-<br />Nº de indivíduos<br />Tempo<br />Paramecium aurelia<br />
  91. 91. Princípio de Gause-Exclusão competitiva-<br />Nº de indivíduos<br />Tempo<br />Paramecium caudatum<br />
  92. 92. Princípio de Gause-Exclusão competitiva-<br />Nº de indivíduos<br />Tempo<br />Paramecium aurelia e<br />Paramecium caudatum<br />
  93. 93. 4 - AMENSALISMO OU ANTIBIOSE +/-<br />Relação em que uma das espécies produz substâncias que inibe o crescimento ou a reprodução da outra.<br />exemplos<br />- Bactérias e fungos<br />- Algas e peixes (mares vermelhas)<br />-Eucalipto (alelopatia)<br />
  94. 94. 5 - ESCRAVAGISMO OU ESCLAVAGISMO +/-<br />Relação em que uma espécie transforma a outra em escrava. Ex: as formigas e os pulgões.<br />
  95. 95. 6- Parasitismo +/-<br />Relação onde a espécie parasita vive às custas da espécie hospedeira<br />Objetivos: alimentação e reprodução<br />
  96. 96.
  97. 97.
  98. 98. Ciclos Biogeoquímicos<br />Ciclo da água<br />Ciclo do carbono<br />Ciclo do oxigênio<br />Ciclo do nitrogênio<br />
  99. 99. Ciclo da água<br />Água no planeta<br />97% - salgada<br />3% - doce<br />2,3%-Gelo (polos)<br />0,7%-Rios, lagos e lençóis freáticos<br />
  100. 100.
  101. 101. NUVENS<br />Chuva ou neve<br />Chuva ou neve<br />EVAPOTRANSPIRAÇÃO<br />SERES VIVOS<br />CONTINENTES ILHAS GELEIRAS<br />OCEANOS E MARES<br />ABSORÇÃO<br />RIOS<br />
  102. 102. o<br />C<br />o<br />H O<br />2<br />2<br />2<br />Água:<br />Exógena (água da Biosfera)<br />ORIGEM<br />Endógena (água metabólica)<br />LIPÍDIOS<br />+<br />+<br />+<br />ENERGIA<br />Atenção<br />A quantidade de água é diretamente proporcional à atividade metabólica, inversamente proporcional à idade de um organismo e varia de espécie para espécie.<br />
  103. 103. Ciclo do carbono<br />
  104. 104. Legenda:<br />Ciclo do O<br />2<br />Ciclo do O<br />1- Fotossíntese<br />2 - Respiração<br />3 - Combustão <br />2<br />
  105. 105. A camada de ozônio<br />
  106. 106. Ciclo do nitrogênio<br />
  107. 107. N atmosférico<br />2<br />Etapas:<br />1º - Fixação<br />Transformação do gás N2 em compostos orgânicos nitrogenados.<br />Fixação não biológica<br />descargas elétricas<br />nitrogênio orgânico<br />
  108. 108. Fixação biológica<br />Bactérias dos gêneros Clostridium , Azotobacter e cianobactérias por exemplo, têm vida livre e conseguem fixar N2 da atmosfera. Entretanto, os mais importantes seres fixadores de nitrogênio são as bactérias do gênero Rhizobium que vivem em relação de mutualismo nas raízes de plantas leguminosas (feijão, soja, ervilha, lentilha, amendoim,etc).<br />Atenção<br />O nitrogênio é introduzido nos seres heterotróficos através da cadeia alimentar e eliminado na forma de escórias nitrogenadas (amônia, uréia e ácido úrico).<br />
  109. 109. Classificação dos animais em relação a<br /> principal excreta nitrogenada:<br />Amoniotélicos: Eliminam amônia<br />Exemplos: a maioria dos invertebrados, peixes ósseos e larvas de anfíbios.<br />Uricotélicos: Eliminam ácido úrico<br />Exemplos: invertebrados terrestres, répteis e aves.<br />Ureotélicos: Eliminam uréia<br />Exemplos: peixes cartilaginosos, anfíbios adultos e mamíferos.<br />
  110. 110. 2º - Amonificação<br />Transformação de produtos e resíduos nitrogenados em amônia por bactérias decompositoras.<br />3º - Nitrificação<br />Transformação de produtos nitrogenados em nitritos e nitratos.<br />Nitrozação<br />Nitrosomonas<br />+<br />-<br />2<br />NH<br />3<br />O<br />+<br />NO<br />2<br />+<br />2<br />H<br />O<br />+<br />2<br />H<br />+<br />ENERGIA<br />2<br />2<br />3<br />2<br />Nitratação<br />Nitrobacter<br />-<br />-<br />NO<br />2<br />O<br />+<br />NO<br />2<br />ENERGIA<br />+<br />2<br />3<br />2<br />
  111. 111. Atenção<br />As bactérias nitrificantes são autótrofas quimiossintetizantes.<br />4º -Desnitrificação<br />Transformação de produtos nitrogenados em gás nitrogênio (N2), que retorna à atmosfera.<br />
  112. 112. Fauna<br />O mangue é o berço do mar, pois sua riqueza orgânica faz com que muitos moluscos, crustáceos e peixes aí se desenvolvam antes de saírem para mar aberto.<br />
  113. 113. Poluição<br />1) Poluição Atmosférica<br />
  114. 114. Chuva Ácida<br /> A chuva ácida é uma das principais conseqüências da poluição do ar. Normalmente, a água da chuva é ácida e o pH é de aproximadamente 5,5, como conseqüência da formação de ácido carbônico decorrente da reação de gás carbônico com água.<br />
  115. 115. SMOG<br />Tipos:<br />SMOG industrial:<br />Névoa gasosa cinzenta provocada pela acentuada concentração de substâncias no vapor de água das grandes cidades.<br />SMOG fotoquímico:<br />Resulta da transformação de determinadas substâncias presentes na névoa gasosa cinzenta sob a ação de radiações luminosas.<br />
  116. 116. Hb + O HbO (Oxihemoglobina)<br />2<br />2<br />Hb + CO HbCO (Carbohemoglobina)<br />2<br />2<br />Hb + CO HbCO (Carboxihemoglobina)<br />ATENÇÃO<br /> O ozônio decorrente do smog fotoquímico provoca um quadro conhecido como fibrose pulmonar.<br /> O monóxido de carbono combina-se de forma praticamente irreversível com a hemoglobina.<br /> Os óxidos de nitrogênio comprometem o sistema imunológico.<br />
  117. 117. Inversão térmica<br />A inversão térmica retém os poluentes junto ao solo, agravando o problema da poluição atmosférica nas grandes cidades.<br />
  118. 118. Efeito estufa<br />
  119. 119. Redução da camada de ozônio<br />O gás ozônio (O3), concentrado entre 17 km e 21 km de altura, forma uma espécie de capa protetora ao redor da Terra, capaz de filtrar os raios (UV) do Sol.<br />
  120. 120. 2) Poluição das águas<br />e do solo<br />
  121. 121. Eutroficação ( Eutrofização )<br /> Ocorre quando há aumento da concentração de nutrientes como fósforo e nitrogênio, nos ambientes aquáticos. <br /> Etapas:<br />Aumento da quantidade de matéria orgânica<br />Diante de uma maior disponibilidade de nutrientes, as algas se reproduzem rapidamente e se espalham pela lagoa.<br />
  122. 122. A floração das algas diminui a penetração de luz, dificultando a fotossíntese. <br />Ao morrer, essas algas são degradadas por microorganismos aeróbicos, cuja população aumenta. <br />Vários organismos, incluindo os peixes, sensíveis à diminuição do oxigênio na água, se extinguem.<br />Sobram agora decompositores anaeróbios, que realizam processos fermentativos, produzindo substâncias malcheirosas como sulfetos e gás metano.<br />
  123. 123. O que é DBO?<br />Quanto maior a quantidade de matéria orgânica no rio ou na lagoa, maior será o consumo de oxigênio, também chamado DBO (demanda bioquímica de oxigênio). <br />
  124. 124. Marés vermelhas<br />Em alguns casos, a eutroficação pode levar à grande proliferação de dinoflagelados (protistas fotossintetizantes). Estas causam a morte de peixes, principalmente porque os dinoflagelados competem com eles pelo oxigênio, além de liberar substâncias tóxicas na água.<br />Marés negras<br />Resulta do vazamento de petróleo. O petróleo adere as brânquias dos peixes impedindo sua respiração, às penas das aves e aos pêlos dos mamíferos, eliminando o colchão de ar retido entre os pêlos e as penas, comprometendo o isolamento térmico do animal. <br />
  125. 125. Bioacumulação<br />A bioacumulação consiste no progressivo acúmulo de uma substância nos tecidos dos seres no decorrer de uma cadeia alimentar.<br />Exemplos:<br />Metais pesados<br />Os metais pesados são elementos de elevado peso atômico (chumbo, mercúrio, cobre, cádmio, cromo, níquel, zinco, estrôncio).<br />Agrotóxicos<br />Os agrotóxicos ou defensivos agrícolas englobam herbicidas, inseticidas, e fungicidas que são produtos usados na agricultura no combate a ervas daninhas, insetos, fungos e outros seres. <br />
  126. 126. O problema do lixo<br />A atividade humana produz resíduos. Quando líquidos, esses resíduos constituem o esgoto; quando sólidos, o lixo. Tanto o esgoto como o lixo podem ter origem industrial ou domiciliar. Nas grandes cidades, a coleta e a destinação do lixo coletado representam um imenso desafio. No Brasil, por exemplo, são produzidas 250 mil toneladas de lixo por dia, ou seja, 90 milhões de tonelada por ano. Veja no gráfico abaixo a composição do lixo.<br />
  127. 127. NÃO ADIANTA SER VERDE, TEM QUE SER MADURO!<br />Educação ambiental<br />OS 5 R´s DA ECOLOGIA<br />
  128. 128. Possíveis soluções<br />Biodigestores<br />Compostagem<br />
  129. 129. Biorremediação<br />
  130. 130. Preservação<br /> da<br /> Biodiversidade<br />
  131. 131. Biotecnologia<br />e <br />Nanotecnologia<br />Fim...<br />

×