Assembleia Arquidiocesana do 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidiocese de Campinas

5.638 visualizações

Publicada em

Apresentação de abertura da Assembleia Arquidiocesana 2010 sobre o 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidiocese de Campinas. Mais em www.arquidiocesecampinas.com

Publicada em: Educação, Espiritual, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.638
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.344
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Assembleia Arquidiocesana do 7 PPO com Monsenhor João Luiz Fávero da Arquidiocese de Campinas

  1. 1. Mons. João Luiz Fávero
  2. 2.  A Carta Pastoral de Dom Bruno Gamberini (2008)
  3. 3. “EvangelizarEvangelizar a partir do EncontroEncontro com Jesus Cristo, Como discípulos missionáriosdiscípulos missionários, à luz da evangélica opção preferencial pelosopção preferencial pelos pobrespobres, promovendo a dignidade da pessoapessoa, renovando a comunidadecomunidade, participando da construção de uma sociedadesociedade justa e solidária, para que todos tenham vida em abundânciavida em abundância”
  4. 4. Devido à urbanização do mundo, marca do processo de globalização, os problemas sociais se avolumaram .
  5. 5. Podemos constatar que transformações tão intensas mudam os referenciais. A referência não é mais o conjunto das relações sociais, mas o indivíduo consumidor.
  6. 6. Os laços comunitários se esgarçam, as consequências se fazem sentir nas famílias e nas comunidades eclesiais.
  7. 7.  A Vida em plenitude para todos!
  8. 8. - A Igreja é chamada a ser sacramento de amor, solidariedade e justiça entre os povos. - Nossa Arquidiocese quer assumir esta missão.
  9. 9. - Impelida pela necessidade de renovar suas estruturas, nossa Igreja quer a construção de uma sociedade justa e solidária, com oportunidades para todos.
  10. 10. - O projeto de Jesus é libertador. Uma Igreja toda ministerial surge como ponto forte de iluminação.
  11. 11. - A vivência consciente, madura e encarnada da Palavra e da Liturgia nos torna capazes de viver como missionários que testemunham aquilo que pregam.
  12. 12. UMA IGREJA EM ESTADO PERMANENT E DE MISSÃO
  13. 13. A Igreja que queremos ser é aquela que a Revisão Ampla (115-134) desenha como uma construção permanente, impulsionada pelo Espírito e se caracteriza como Povo de Servidores: Queremos ser uma Igreja missionária, da caridade como amor-serviço. (Carta Pastoral, 40)
  14. 14. UMA CONVERSÃO PASTORAL E A RENOVAÇÃO ECLESIAL
  15. 15. A conversão pastoral de nossas comunidades exige que se vá além de uma pastoral de mera conservação para uma pastoral decididamente missionária. É necessário renovar todas as estruturas eclesiais em vista do discipulado e da
  16. 16. Nenhum segmento deve se isentar de entrar decididamente, com todas suas forças, nos processos constantes de renovação missionária e de abandonar as ultrapassadas estruturas que já não favoreçam a transmissão da fé.
  17. 17. •Igreja que Acolhe; •Igreja que se Renova; •Igreja do Serviço Solidário.
  18. 18. - Os três eixos assumidos pela nossa Igreja de Campinas para o 7º Plano de Pastoral Orgânica articulam-se entre si. Não estão separados como se cada um alimentasse um setor da vida eclesial; - Eles se interligam, abastecendo uns aos outros como uma tríplice força vital de toda a Igreja.
  19. 19. ACOLHER
  20. 20. - Com uma atitude missionária devemos abrir não só as portas da Igreja templo, mas também as portas do coração de cada membro da comunidade; - Que assumamos de forma “afetiva e efetiva” a opção pela família e pela juventude na busca conjunta de propostas concretas;
  21. 21. - Que nossas Comunidades sejam “Pólos Missionários”, centro de vivência comunitária e irradiação do Evangelho (RA 98). - Que nossas paróquias sejam, de fato, “comunidade de comunidades” (DA 99, e), alicerçadas na Comunhão, na Partilha e na Vivência Ministerial; - Que a Palavra, a Eucarística e a Amizade sejam o alimento de uma Igreja Caridade - uma Igreja missionária do Reino de Deus;
  22. 22. - Que a Formação seja um Processo contínuo, centrado em Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida; - Que o Planejamento Participativo e a cultura de avaliação nos ajudem a pensar e trabalhar juntos, superar o improviso e dar mais dinamismo à ação pastoral.
  23. 23. -Uma Igreja do Serviço Solidário: Opção preferencial pelos pobres; - Uma Igreja profética, misericordiosa, libertadora e amorosa pela Criação Divina; - “Uma comunidade insensível às necessidades dos irmãos e à luta para vencer a injustiça é um contra- testemunho e celebra indignamente a própria liturgia”
  24. 24. -Não há um autêntico processo de conversão sem fé na possibilidade histórica da Utopia do Reino de Deus; -Uma Igreja sem esperança é morta! - “Necessitamos sair ao encontro das pessoas, das famílias, das comunidades e dos povos para lhes comunicar e compartilhar o dom do encontro com Jesus Cristo” (DA 548)
  25. 25. Anúncio:Anúncio: proclamaçãoproclamação do Reinodo Reino Serviço:Serviço: conhecimentoconhecimento e inserção sociale inserção social Diálogo:Diálogo: abertura eabertura e escuta doescuta do outrooutro TestemunhoTestemunho de Comunhão:de Comunhão: fé acolhida efé acolhida e partilhadapartilhada
  26. 26.  Processo continuado  Itinerário catequético  Cinco aspectos pedagógicos Encontro com Jesus Cristo Conversão Discipulado Comunhão Missão
  27. 27.  Eixos pastoraisEixos pastorais Experiência de fé Vivência comunitária Formação bíblico-teológica Compromisso missionário de toda a comunidade Formação específica para cada vocação ou ministério
  28. 28.  Abertura à ação do Espírito: Escuta da Palavra Participação na liturgia Oração generosa Abandono ao Espírito Doação de si É fundamental a busca por uma espiritualidade encarnada-vivencial, capaz de relacionar o que se vive com o que se celebra.
  29. 29. “Qualquer que seja o ponto a que chegamos, conservemos o rumo” (Fl 3,16) Não nos deixemos desanimar pelas estruturas estagnadas que nos cercam, mas busquemos a força necessária para sermos uma Igreja criativa. Somos convocados a um novo Pentecostes.
  30. 30. “Que a Virgem Imaculada nos mostre os caminhos e nos alcance a disposição necessária para enfrentarmos os desafios na construção do Reino de Deus já presente na História” (Carta Pastoral, 58)
  31. 31. Coordenação Colegiada de Pastoral Equipe DinamizadoraEquipe Dinamizadora do 7º Plano de Pastoraldo 7º Plano de Pastoral OrgânicaOrgânica

×