CAPÍTULO VII
Conceitos de Segurança Industrial aplicados na prevenção de danos
patrimoniais

Nota: Este capítulo faz parte...
VII. Análise dos riscos quanto a segurança patrimonial

Segurança Patrimonial é a parte da Segurança Industrial que trata ...
• quebra de máquinas ou quebra de equipamentos;
• incêndio;
• explosão de aparelhos ou de substâncias;
• roubo ou de furto...
• explosões provocadas;
• vazamentos de tecnologias.
Pela complexidade das estruturas administrativas das empresas, às vez...
Introdução à Segurança Patrimonial

283
Periodicamente novos conceitos e termos técnicos são divulgados, alguns modificando
radicalmente a noção que antes se tinh...
Atividades do setor de Segurança Patrimonial
285
As atividades desenvolvidas pelo setor de segurança patrimonial compreendem todas
aquelas necessárias à preservação do pat...
incêndio criminoso; colocar uma bomba; roubar um equipamento ou um documento valioso; seqüestrar
alguém; provocar ações de...
Identificação de pessoal de serviço
288
De modo geral, o pessoal de serviço em uma empresa faz parte do quadro funcional de
firma contratada. Enquadram-se nessa c...
a) Não é verificada a autenticidade dos documentos fornecidos pelos empregados
A principal razão da não verificação da aut...
II
III
IV

- Características da produção;
- Número de funcionários;
- Grau de segurança exigido.
Quando o serviço contrata...
Ingresso de pessoal em áreas não controladas

292
Na tentativa de implementar-se medidas de segurança que evitem ou impeçam que os
funcionários de empresas contratadas tenh...
Ingresso de pessoal em áreas controladas

294
As áreas restritas ou controladas são aquelas nas quais o ingresso de pessoal estranho à
atividade é permitido, desde que ...
Identificação de pessoal visitante

296
A característica do visitante para fins de fiscalização e controle é a mais ampla possível,
isso porque considera-se como ...
Fiscalização de terceiros

298
A fiscalização do interior da área industrial deve ser sempre feita de forma coercitiva,
visto que inúmeros são os riscos ...
• câmeras ocultas ou semi-ocultas;
• sistemas eletrônicos especiais (células fotoelétricas, fios sensores, placas eletrôni...
Em decorrência do grau de segurança exigido pela instalação, pode-se recomendar outra
forma de controle, como por exemplo ...
Ficha Modelo 1
Empresa ____________________________
Informações Gerais
Ficha de identificação
de Pessoal Contratado

Ficha...
Entrada e saída de materiais
Pode-se classificar, para fins de execução de tarefas, os seguintes materiais e bens da
empre...
No acompanhamento do veículo toda e qualquer anormalidade encontrada deverá ser
imediatamente notificada à transportadora....
A revista pode ser feita individualmente, em cabinas, muito adotada em fábricas de
confecções, além da abertura de volumes...
Controle de áreas externas

306
Compreendem áreas externas para fins de controle por parte dos vigilantes:
• corredores de circulação externos;
• áreas li...
Durante a execução dessas tarefas os vigilantes, por questões de racionalidade dos
serviços devem se comunicar com o respo...
Dimensionamento da equipe efetiva para o controle de áreas externas

309
Tomando-se como exemplo uma empresa com as características a seguir indicadas,
dimensionaremos uma equipe mínima de vigilâ...
Vigilância de áreas internas

311
A maior ou menor complexidade atribuída à atividade de vigilância depende,
fundamentalmente:
⇒ das obstruções à visão do v...
g) acompanhamento dos serviços dos operários, notadamente os das empresas contratadas, objetivando
inibi-los quanto à inic...
Dimensionamento da equipe efetiva de vigilantes para controle de áreas
internas
Por questões de simplificação de raciocíni...
É importante ressaltar que os números obtidos são aproximados, como se verá adiante.
Uma das simplificações empregadas é a...
Este número não inclui o pessoal de reserva, para suprir eventuais faltas ao serviço e
escalas de férias. A cada jornada d...
Controle das instalações e edificações

317
Em qualquer empresa, o controle sobre as condições de funcionamento e de manutenção
das instalações e edificações deve ser...
• flexões das redes de dutos pela ausência de suportes;
• perda de envoltórios térmicos;
• rompimentos;
• falta de equipam...
Controle de situações de emergência
Constituem situações de emergência aquelas que pela sua existência e gravidade podem
p...
elemento detonador (mecânico, elétrico, eletrônico, ou manual). A aparência às vezes simples dos
artefatos explosivos não ...
liberar de imediato todos os visitantes e terceiros que não precisem estar comprometidos com o
reinicio das atividades, ap...
Em princípio a responsabilidade pelo atendimento ao acidentado é exclusivamente do
Serviço Especializado em Segurança, Hig...
contenedores, contaminando o meio ambiente. De vez em quando surgem notícias nos jornais à respeito
de indústrias que polu...
Processos que envolvem calor

325
Um incêndio pode ter início devido a um superaquecimento ocorrido no em um
componente ou parte do processamento, envolvend...
Proteção dos sistemas elétricos

327
Sistemas elétricos são todos aqueles destinados a transmitir luz e força aos vários locais
de uma edificação. São sistemas...
contato entre emendas, mesmo que acidental, bem como aumentando a segurança contra possíveis
vazamentos de corrente elétri...
Operações de içamento e de transporte de cargas

330
Toda operação envolvendo o manuseio de cargas em recintos abertos ou não, deve ser
sempre cercada de todos os cuidados ind...
possível, na vertical, partindo dos pontos de pega para o equipamento de içamento. Um exemplo disto é o
apresentado esquem...
• Cabos
Cabos são elementos de amarração e de içamento de cargas. Podem ser constituídos por:
fibra natural, fibra sintéti...
•

traction steel.
As almas de fibra, de modo geral, tornam o cabo mais flexível e leve, podendo ser de

Rami, Sisal ou Po...
Durante uma inspeção periódica deve-se verificar cuidadosamente se o cabo de aço: está
sofrendo corrosão; se está sofrendo...
local onde o equipamento será operado. Os tipos mais comuns empregam: eletricidade, vapor, gasolina,
Diesel ou gás. Os equ...
Cuidados especiais adotados na Segurança Patrimonial

337
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais

1.296 visualizações

Publicada em

Apresentam-se informações e sugestões para a implantação de programas de segurança industrial que preservem a integridade das instalações e a vida das pessoas.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.296
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
92
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conceitos de segurança industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais

  1. 1. CAPÍTULO VII Conceitos de Segurança Industrial aplicados na prevenção de danos patrimoniais Nota: Este capítulo faz parte do livro Gerenciamento de Riscos Industriais, registrado. Qualquer utilização deste texto sem a correta citação da origem sujeita o infrator às penas legais. Gerenciamento de Riscos Industriais Fundação Biblioteca Nacional - Ministério da Cultura - Escritório de Direitos Autorais - Certificado de Registro ou Averbação nº 123.087, Livro 190, Folha 202 (Análises de Property Loss Control, Análises de Risco, Segurança Industrial, Controle Patrimonial), Inspeções de Riscos Industriais, Inspeções de Segurança. Eng. Antonio Fernando Navarro Rio de Janeiro, outubro de 1996 279
  2. 2. VII. Análise dos riscos quanto a segurança patrimonial Segurança Patrimonial é a parte da Segurança Industrial que trata das ações prevencionistas relacionadas ao patrimônio das empresas, especialmente no que concerne ao controle e a proteção física das instalações, equipamentos, bens e pessoas. A Segurança Patrimonial é um dos assuntos de características e abrangência geral, relacionados à preservação e ou proteção de bens quanto a aspectos de roubo, furto, incendiarismos, depredações entre outros, que podem assumir características semelhantes e paralisar processos, provocar perdas, gerar acidentes que muitas vezes apresentam o potencial de atingir instalações de terceiros. Inúmeros são os casos de empresas que tiveram sérios problemas porque a Segurança Patrimonial não foi tratada de modo adequado. Casos de Incendiarismo são hoje estudados como ações criminosas. Antigamente, quando o incêndio ocorria e não se podia atribuir a sua origem a um problema específico, p.ex. como causado por um dano elétrico (acidente de origem elétrica que pode gerar aumento de tensões e curtos-circuitos, com produção de fagulhas), enquadrava-o como gerado por causas diversas. Hoje se sabe que o Incendiarismo é relevante, seja ele intencional ou não. Afora esta questão considera-se também que têm ocorrido muitos casos de furto de tecnologias e projetos por empresas concorrentes, sabotagens, entre outras ações. Com o desenvolvimento da ciência computacional há que se considerar também a "invasão" nos sistemas da empresa, que terminam por provocar paralisações em quase todos os circuitos conectados, seja para o operação de grandes equipamentos, ou para a emissão de folhas de pagamento. Enfim, uma empresa produtiva que está situada em um contexto de concorrência comercial, ou que vem a se destacar dentre as demais empresas concorrentes, está sempre sujeita a ser afetada por perdas ou danos de origem na insegurança patrimonial. Neste capítulo abordaremos aspectos relativos à Segurança Patrimonial. Esses assuntos dizem respeito a questões que envolvem a segurança das edificações e instalações, a segurança das pessoas envolvidas no processo, a segurança ou integridade de documentos e dados, enfim, de aspectos gerais de segurança que não os relativos a incêndios ou operações fabris. Desde o advento da Revolução Industrial e em decorrência da maciça implantação de empreendimentos industriais, com centenas de milhares de operários, muitos têm sido os riscos relacionados à Segurança Patrimonial que uma empresa constantemente está sujeita. Para fins de gerenciamento de riscos industriais, grupam-se esses riscos da seguinte forma: riscos decorrentes da própria atividade industrial: São considerados como riscos decorrentes da atividade industrial aqueles que podem ser definidos como consequentes dessa mesma atividade. Por exemplo, poderá se ter os riscos abrangendo: • poluição industrial; 280
  3. 3. • quebra de máquinas ou quebra de equipamentos; • incêndio; • explosão de aparelhos ou de substâncias; • roubo ou de furto de bens; • furto de tecnologia; • vazamentos ou derrames de substâncias; • contaminação ambiental; • vazamentos de efluentes sólidos, líquidos ou gasosos; • desabamento, etc.. O risco de maior incidência em praticamente todas as atividades industriais é o incêndio, cerca de 40% do total. Esse também é responsável pelas maiores perdas, cerca de 70%. Nos capítulos anteriores fornecemos inúmeros exemplos e informações de como se prevenir a respeito desse tipo de evento, como identificá-lo corretamente, como mensurá-lo e quais as medidas preventivas que normalmente podem vir a ser empregadas. Por haver esgotado, em linhas gerais a análise para esse risco, vamos nos dedicar aos outros riscos, muitas vezes não mensuráveis convenientemente. riscos decorrentes da atividade humana: Os riscos decorrentes da atividade humana são aqueles nos quais há participação direta ou indireta de seres humanos. A bem pouco tempo atrás, duas grandes montadoras de veículos européias passaram a discutir na justiça o roubo de tecnologia, ou vazamento de informações, alegadamente promovida por um alto executivo que havia se demitido de uma delas. O caso tomou vulto, culminando com a demissão desse executivo pela outra montadora que o havia contratado, sem que tenha sido provado coisa alguma contra ele. Haviam coincidências muito grandes em alguns projetos, segundo informações prestadas pela imprensa. Inúmeros outros casos costumam ocorrer envolvendo indústrias químicas, de biotecnologia, informática, e outras onde o desenvolvimento e a maturação de um projeto pode levar anos, nas quais os possíveis ganhos financeiros são altíssimos. Há exemplos de estudos paralelos levados a cabo por indústrias de vacinas, notadamente contra AIDS, nos quais a imprensa levantou a suspeita de vazamentos de informações. Alguns desses riscos são os seguintes: • roubo; • roubo ou furto de projetos; • seqüestros visando ou não a transferência de informações privilegiadas; • grampos telefônicos efetuados principalmente para desmoralizar concorrentes importantes; • assaltos; • sabotagens; • incendiarismos; 281
  4. 4. • explosões provocadas; • vazamentos de tecnologias. Pela complexidade das estruturas administrativas das empresas, às vezes ocorre uma superposição de atividades envolvendo as áreas de segurança patrimonial, com grandes dispêndios de tempo, recursos, e principalmente, redundando na má execução dos serviços. Criam-se aquelas zonas cinza, onde uma área pensa que a outra está cuidando, e vice-versa. “Ah! pensei que isso era com você, por isso é que não providenciei nada.” "Imaginei que isso era com você”. "Ninguém fez nada por que não sabíamos que era para fazer”. Alguns acidentes de grande monta poderiam ter sido perfeitamente controlados se todos soubessem executar corretamente as suas responsabilidades. No presente capítulo iremos abordar a Segurança Patrimonial sob a ótica da proteção do patrimônio da empresa, contra danos eventualmente provocados por ou com a participação humana, sejam esses intencionais ou não. Os conceitos que iremos expressar a seguir são fruto de considerações próprias, desenvolvidas e aprimoradas através de inúmeros trabalhos realizados. Algumas propostas são meramente elucidativas, não podendo caracterizar-se como normativas ou impositivas. Em outras circunstâncias, para a execução das medidas preconizadas a empresa teria gastos adicionais elevados. É lógico que, se o risco é elevado a empresa tem que investir para que possa reduzi-lo. Se, ao contrário, o risco é de menor importância, cabem apenas medidas de supervisão e controle. 282
  5. 5. Introdução à Segurança Patrimonial 283
  6. 6. Periodicamente novos conceitos e termos técnicos são divulgados, alguns modificando radicalmente a noção que antes se tinha a respeito deles. Pelas características de serem passageiros, criados para certas situações, pode-se considerá-los como modismos. Assim vem ocorrendo com o significado da expressão Segurança Patrimonial. Hoje esse termo, conforme o querem divulgar, representa a área ou segmento da Segurança Industrial ao qual está afeto o patrimônio da empresa. Sob o seu manto protetor encontra-se o controle de ações de roubo, tumultos, greves, seqüestros, ações políticas e incendiarismos. Quando se pensa em Segurança Patrimonial, associa-se quase que de imediato, o nome com o da área onde existem vigilantes, guardas e brigadas de incêndio. Porém, por julgarmos que esse conceito não expressa corretamente as atividades desenvolvidas pelo setor, tentaremos elucidá-lo melhor. O figura a seguir posiciona a Segurança Industrial no topo de uma árvore que abrange: • Segurança do Trabalho; • Segurança Patrimonial; • Segurança das Instalações; • Segurança dos Processos; • Segurança contra Incêndio. SEGURANÇA INDUSTRIAL SEGURANÇA PATRIMONIAL SEGURANÇA DO TRABALHO SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO SEGURANÇA DOS PROCESSOS A Segurança Patrimonial, como uma das atividades ou um dos braços da Segurança Industrial, e consequentemente uma das ferramentas empregadas no Gerenciamento de Riscos, tem algumas de suas atribuições interagindo com as de outras áreas afins. A interação com a área da Segurança de Processos pode dar-se com o controle do vazamento de informações ou do roubo de tecnologia; a interação com a Segurança contra Incêndio, dá-se no desenvolvimento de planos conjuntos de desocupação de áreas; com a Segurança do Trabalho a interação verifica-se na análise dos ambientes de trabalho com vistas a evitar situações anormais; com a Segurança das Instalações, a interação dá-se no estudo da vulnerabilidade das mesmas instalações. Apesar de todas essas superposições de tarefas, muitas vezes benéficas, o Gerente de Riscos deve administrar as interfaces, de forma que os desperdícios de tempo e de recursos sejam diminuídos ou evitados, bem como não sejam criadas áreas de vácuo de controle ou de gestão. 284
  7. 7. Atividades do setor de Segurança Patrimonial 285
  8. 8. As atividades desenvolvidas pelo setor de segurança patrimonial compreendem todas aquelas necessárias à preservação do patrimônio da empresa. Consideram-se como principais as ações de controle e apoio: → de pessoal em situações de emergência; → das instalações e edificações; → de acesso a zonas perigosas; → de acesso de elevadores e plantas de edifícios; → de acesso de veículos e de carga; → de acesso do pessoal empregado e de visitantes; → de áreas internas e externas; → de áreas restritas à direção da empresa; → de entrada e saída de pessoal e de material; → de horário de funcionamento e visitantes; → de horário e de acesso em áreas de recreação. → sobre as situações de emergência. → de restrição à utilização de máquinas e equipamentos de escritório; → de restrição de passagem a zonas de alta segurança; → de supervisão de alarmes e sistemas de segurança; → de supervisão de sistemas de energia, iluminação, ar condicionado, etc.; a. Controle de pessoal e material A finalidade maior do controle de entrada e saída de pessoal e de material é a de evitar e mesmo impedir que estranhos tenham acesso às instalações industriais, como também fiscalizar essas movimentações com vistas a não existência de prejuízos de quaisquer natureza. Os riscos mais comuns podem ser: roubo; sabotagem; colocação de artefatos explosivos, etc.. Por razões de desenvolvimento dos serviços a serem executados as atividades desmembram-se em: ⇒ controle de terceiros; ⇒ controle de funcionários; ⇒ controle sobre a movimentação de pessoal. b. Controle de terceiros O controle de acesso de terceiros faz-se por meio de fiscalização e identificação de pessoal convidado ou a serviço, com vistas à prevenção de situações anormais. Em grandes edificações, onde a Segurança Patrimonial é insipiente, é comum um funcionário estar trabalhando em sua mesa e de repente aproximar-se dele um vendedor de joias, de carnês de pecúlio, de doces e comidas, de videolocadoras, etc.. Se essa entrada é facilitada para essas atividades, também o pode ser para: atear um 286
  9. 9. incêndio criminoso; colocar uma bomba; roubar um equipamento ou um documento valioso; seqüestrar alguém; provocar ações de sabotagens, etc.. Um grande hotel, situado em importante capital do país, teve que fixar molduras de madeira em suas tapeçarias, porque essas desapareciam das paredes tão logo eram colocadas, furtadas por hóspedes. Está certo que mandar um hóspede abrir a sua bagagem para se examinar o conteúdo por suspeita de ele haver furtado algo não é bom para a imagem do estabelecimento. Assim, antes que se chegue a essa situação, deve-se tomar conta do patrimônio que pode vir a ser levado como “brinde”. Importante banco teve vários equipamentos elétricos de última geração furtados por pessoas que se faziam passar por funcionários de empresas de manutenção. Os seguranças da portaria nada fizeram porque a empresa era uma antiga prestadora de serviços e retirava várias máquinas por semana para reparos. Grande empresa com elevado número de computadores teve a surpresa de verificar que os gabinetes dos micros que não estavam sendo utilizados com freqüência, encontravam-se completamente vazios, sem as placas, furtadas por funcionários com a conivência de funcionários da manutenção. Grande banco comercial que usualmente tinha uma de suas agências assaltadas, detectou que funcionários seus com a função de caixas de uma dessas agências, retiravam dinheiro das gavetas de numerário e os colocavam entre duas lixeiras superpostas junto a seus pés. Se naquele dia a agência fosse assaltada, o funcionário informava que também tinha sido roubado daquela quantia que antes ele mesmo havia retirado do caixa. Em um outro banco, o próprio vigilante ao final do expediente assaltou a agência em que trabalhava. Várias são as formas e os meios de fiscalização e de identificação. Entretanto, todas têm em comum a necessidade de enquadramento das áreas de acordo com o grau de segurança exigido pela empresa. Para cada um desses enquadramentos o controle a ser exercido será maior ou não. 287
  10. 10. Identificação de pessoal de serviço 288
  11. 11. De modo geral, o pessoal de serviço em uma empresa faz parte do quadro funcional de firma contratada. Enquadram-se nessa categoria as seguintes atividades, mais comuns: ⇒ fornecimento de alimentação; ⇒ manutenção de máquinas e equipamentos; ⇒ vigilância; ⇒ instalação de máquinas e equipamentos; ⇒ reformas e pequenas obras de construção civil; ⇒ serviços de jardinagem; ⇒ pinturas e reparos diversos; ⇒ pavimentação e arruamento; ⇒ desenvolvimento de softwares; ⇒ serviços de tesouraria e compensação bancária; ⇒ serviços de vistoria e inspeções para seguradoras; ⇒ serviços de decoração, etc.. Em função das características e duração dos serviços executados há sempre a possibilidade de existirem funcionários circulando pelo interior das edificações. São pessoas alheias ao quadro funcional da empresa contratante com outras características funcionais, com diferentes formas de controle e de treinamento, e enfim tantas outras peculiaridades divergentes que as tornam potencialmente perigosas. Fazendo parte do quadro funcional dessas empresas podem estar ex-funcionários que foram demitidos por razões várias e que guardam alguma mágoa de seu ex-empregador. A rotina para o controle e identificação do pessoal contratado pode variar de empresa para empresa, mas o que normalmente é feito tem a seguinte sistemática: ⇒ Após a assinatura do contrato de prestação de serviços a contratada deve remeter para a contratante a relação nominal das pessoas destacadas para o trabalho, bem como os dados e informações identificadoras de cada funcionário, devendo-se ter em mente que o objetivo dessas informações é o da rastreabilidade dos dados; ⇒ Deve-se evitar contratar empresas que possuam em seus quadros ex-funcionários que foram demitidos sem qualquer razão aparente; ⇒ Chegando ao local de serviço o funcionário contratado passa por uma triagem no setor de vigilância, a qual se inicia com: entrega da carteira de trabalho; carteira de identidade ou qualquer outro tipo de documento. Somente após isso recebe um documento de identificação provisório para ingresso nas instalações. Esse sistema de identificação e controle é o mais simples e mais adotado. Porém, apresenta uma série de desvantagens, dentre as quais citamos: 289
  12. 12. a) Não é verificada a autenticidade dos documentos fornecidos pelos empregados A principal razão da não verificação da autenticidade dos documentos fornecidos pelos empregados talvez seja a do desconhecimento das rotinas necessárias. Invoca-se muito a credibilidade da empresa contratada, ou então a falta de tempo disponível, como justificativa para a não execução de um trabalho de maior profundidade. Também se menciona que o nível de segurança exigido pela empresa não compensa todo esse trabalho. Os dados mais importantes a serem observados nos documentos fornecidos pelos funcionários são os seguintes: violabilidade do documento (um documento violado necessita de um Check-up mais rigoroso); fotografia constante do documento (muitas pessoas, por desconhecerem a sistemática dos órgãos oficiais de identificação, não renovam seus documentos de identidade a cada 10 anos. Nesse meio tempo, adquirem características que antes não possuíam, por quando do retrato original, como por exemplo, a perda de cabelos, cicatrizes por acidentes, etc.); comparação de assinaturas (esse é um item muito difícil de ser analisado, já que existem pessoas que assinam cada hora de uma maneira diferente. Entretanto, o talhe da letra sempre se aproxima. Conhecimentos de grafotécnica podem auxiliar bastante nessa tarefa); verificação do prazo de validade do documento de identificação. Varia de acordo com o órgão expedidor, não ultrapassando o prazo máximo de 10 anos. A fixação desses prazos decorre do fato das mudanças que se operam no indivíduo classificado (documentos com prazo de validade superior a 10 anos não deveriam ser aceitos); comparação das impressões digitais. b) Ausência de confrontação de dados do funcionário visitante Pelas mesmas razões anteriores não se costumam analisar as características físicas dos funcionários, a tomada de suas impressões digitais e a anotação de dados antropométricos. Esses dados, que devem ser coletados em intervalos de tempo nunca superiores a dois anos permitem a geração do banco de informações necessário por quando de eventuais comparações, em momentos que exijam essa análise. Assim, recomendamos a obtenção de dados como: • • • • • • idade; cor da pele; estatura; peso; marcas e cicatrizes; cor dos cabelos e dos olhos, etc. Independentemente da aplicação das medidas preconizadas anteriormente, não se verifica junto aos órgãos oficiais a existência de fatos desabonadores da conduta dos funcionários contratados. Mais uma vez cabe ao responsável pelo setor de Segurança Patrimonial tomar as decisões melhor aplicadas, calcadas nos seguintes parâmetros: I - Vulto da empresa; 290
  13. 13. II III IV - Características da produção; - Número de funcionários; - Grau de segurança exigido. Quando o serviço contratado é de menor importância, ou relevância para a segurança, como por exemplo, jardinagem, pintura de fachadas, pavimentação externa, obras civis externas, manutenção de edificações e instalações e outras atividades correlatas, o controle não precisa ser tão rígido. Nesses casos, podem-se analisar simplesmente os documentos, com a confrontação da impressão digital e assinatura. A tabela apresentada a seguir ilustra melhor a relação que existe entre o grau de segurança exigido, classificado em três itens, as ocupações principais desenvolvidas nas instalações, de acordo com o grau de segurança e, finalmente, as exigências mínimas feitas quanto à segurança do local. É conveniente frisar que todas as medidas implantadas em uma empresa para a sua segurança, destinamse à prevenção de perdas e a redução dos custos, como já comentado. Assim, por mais banais que possam parecer, essas medidas tem demonstrado serem importantes em um contexto geral. O caso mais comum é o do fornecimento do crachá. Em indústrias que tem mais cuidado com a segurança não é admitido, em hipótese alguma que os funcionários e os visitantes transitem sem os crachás, visíveis. Não aqueles por sob a roupa ou pendurados de qualquer forma no corpo, como presos ao cinto ou na parte interna dos casacos. O crachá deve estar visível à altura do peito, com a face onde consta a fotografia do funcionário visível. Graus de Segurança Pequeno Médio Grande Ocupações Principais Hospitais (excluindo centros cirúrgicos), • escolas, igrejas, escritórios, oficinas de manutenção, unidades de apoio, áreas • externas de unidades fabris, etc. • • Almoxarifados, depósitos (excluindo de • produtos perigosos), unidades de produção, • áreas internas de unidades fabris, etc. • • • Centros de processamento de dados; unidades de processamento; centrais de geração de • energia; guarda de documentos, numerário, • obras de arte; laboratórios de pesquisa; depósitos de produtos perigosos; centros de • pesquisa; depósitos de produtos explosivos; casas de força; casa de caldeiras; centros de • controle operacional; etc. • Exigências quanto à Segurança Patrimonial Fornecimento de documentos de identificação pelo empregado. Preparação de ficha de identidade conforme Modelo 1. Utilização de crachá. Fornecimento de documentos de identificação pelo empregado. Obtenção de dados antropométricos. Confrontação de assinaturas e impressões digitais. Preparação de ficha de identidade conforme Modelo 2. Utilização de crachá. Fornecimento de documentos de identificação pelo empregado. Obtenção de dados antropométricos. Confrontação de dados dos documentos de identificação. Pesquisa junto aos órgãos policiais. Preparação de ficha de identificação conforme Modelo 3. Utilização de crachá. Em algumas atividades é necessário que os funcionários contratados se movimentem por outras áreas da empresa, que não necessariamente aquelas onde efetivamente trabalham, ou onde estão sendo realizados os serviços para os quais foi contratado. Para o vigilante, a não ser que existam meios de identificação imediatos, fica difícil saber o que aquele funcionário está fazendo em local diferente do estipulado na sua ocupação ou contrato. 291
  14. 14. Ingresso de pessoal em áreas não controladas 292
  15. 15. Na tentativa de implementar-se medidas de segurança que evitem ou impeçam que os funcionários de empresas contratadas tenham livre trânsito a todas as áreas da indústria, são definidos critérios que facilitam a identificação das pessoas. Tal medida objetiva permitir o acompanhamento dos funcionários enquanto estiverem executando suas atividades. Sempre que possível o sistema de identificação possibilitará o reconhecimento das pessoas à distância, por intermédio de crachás, uniformes, capacetes, ou quaisquer outros meios. Vários são os processos ou formas de identificação, ou mesmo de restrição a áreas. Um dos mais empregados é o do crachá com cores diferenciadas por atividade. A identificação pode ser com selos próprios, coloridos, com validade somente para um momento, uma tarde, por exemplo. As cores que podem ser adotadas são as seguintes: Branco - pessoal visitante ou a serviço; Azul - ingresso em áreas com grau de segurança pequeno; Vermelho - ingresso em áreas de segurança médio; Preto - ingresso em áreas com grau de segurança grande. Considera-se como área não restrita aquela que por razões de segurança ou da própria atividade não apresente riscos à empresa. Excluem-se dessas áreas as seguintes atividades, dentre outras: ⇒ processamento e fabricação; ⇒ estocagem de matéria-prima e de produtos acabados; ⇒ laboratórios e centros de pesquisa; ⇒ centros de processamento de dados, tratamento de informações ou fitoteca; ⇒ guarda de numerário e de documentos; ⇒ casas de força, subestações elétricas, casas de caldeiras; ⇒ centros de comando e painéis de controle. Incluem-se como áreas não restritas, com grau de segurança pequeno: ⇒ ambientes externos às edificações; ⇒ corredores de circulação enclausurados; ⇒ vestiários e sanitários; ⇒ escritórios (somente as áreas para atendimento ao público). Para o controle de pessoal em áreas não restritas recomenda-se a adoção da Ficha de Identificação - Modelo 1 e o Cartão de Identificação Modelo 1. 293
  16. 16. Ingresso de pessoal em áreas controladas 294
  17. 17. As áreas restritas ou controladas são aquelas nas quais o ingresso de pessoal estranho à atividade é permitido, desde que ocorra qualquer uma das seguintes situações: visita acompanhada; treinamento; supervisão à distância. A restrição de acesso a determinadas áreas pode se dar não somente pelo temor de sabotagens, espionagens industriais, ou qualquer outro fator similar, mas também por representar risco à saúde, ou à vida de terceiros. Nesses critérios podem ser consideradas como áreas restritas: processamento e fabricação de bens e produtos; estocagem de matérias-primas e de produtos acabados, inclusive as áreas de tancagem; laboratórios, centros de pesquisa, centros de ensaios e testes; centros de informação, centros de processamento de dados, locais de guarda de fitas e discos magnéticos; almoxarifados e arquivos; centros de controle operacional; oficinas eletromecânicas; casas de força, caldeiras, centrais de ar condicionado, centrais de compressores; áreas circundantes de equipamentos com partes móveis, etc. Generalizando-se, toda a área industrial é sempre restrita, salvo poucas exceções. A restrição ao ingresso às áreas pode ser devida a: • • • • • • particularidades dos processos; tipos de equipamentos em operação; matérias-primas; produtos intermediários e produtos finais; salubridade do meio ambiente; riscos de explosões, etc.. Uma caldeiraria de pequeno porte pode não apresentar áreas restritas. Porém, uma caldeiraria pesada sempre as possui. Em se tratando de serviços executados em áreas restritas, o recomendável é que o cadastro do visitante ou pessoal a serviço seja o mais severo quanto mais restrita for a área. 295
  18. 18. Identificação de pessoal visitante 296
  19. 19. A característica do visitante para fins de fiscalização e controle é a mais ampla possível, isso porque considera-se como visitante o contínuo que vem trazer uma correspondência até o cliente que vem assinar um contrato importante para a empresa. Todos têm em comum uma certa particularidade, que é a da sua estada limitar-se a um curto espaço de tempo na empresa. A identificação de visitantes é a mais simples e discreta possível. O que é feito é o recebimento do documento de identidade e o fornecimento de um cartão de identificação. Eventualmente, de acordo com o tempo disponível, tipo de visita e o local visitado, é preenchida uma ficha simplificada de identificação, ou são feitas anotações em um livro registro, no qual deverá constar: • nome da pessoas visitada; • motivo da visita; • início e término da visita; • número do documento de identidade. Há empresas que filmam o visitante, gravando uma imagem de seu rosto, na mesma tela em que há uma ficha de identificação. As informações ficam armazenadas em um disco ótico durante determinado tempo, findo o qual são apagadas. Em outras empresas é tirada uma cópia do documento de identificação e do crachá fornecido, ou do selo que deverá ser fixado à lapela. Independentemente do visitante conhecer as instalações, em riscos com grau de segurança médio ou grande deverá estar sempre acompanhado, seja por um vigilante, seja pela própria pessoa visitada. Em áreas de maior segurança, ou de segurança máxima, as visitas devem ser limitadas ao máximo e deve ser feita uma pesquisa permanente de todas as pessoas visitadas e da frequência de visitas. 297
  20. 20. Fiscalização de terceiros 298
  21. 21. A fiscalização do interior da área industrial deve ser sempre feita de forma coercitiva, visto que inúmeros são os riscos afetando as próprias instalações e maquinismos, bem como a saúde ou a vida das pessoas. O sucesso dos programas de fiscalização a serem adotados irá depender em muito, das diretrizes traçadas pela alta gerência da empresa, como também da valorização atribuída ao setor de vigilância. Em se tratando do controle de terceiros, o projeto deverá ser encaminhado sob a ótica de ser ostensivo e ao mesmo tempo discreto. a) Fiscalização ostensiva A fiscalização é dita ostensiva quando se faz presente em todos os locais da empresa com a presença do vigilante. Os objetivos do trabalho são o do controle efetivo e a prevenção dos riscos através da intimidação. Dizem os estudiosos do comportamento humano que uma parcela das pessoas é traída pelo olhar. No trabalho de fiscalização ostensiva empregam-se: • câmeras; • rondas permanentes; • vigilantes fixos; • guaritas. Considera-se como fiscalização ostensiva o emprego de câmeras de circuito interno de TV, postadas ostensivamente. Esse é um dos métodos que exerce uma influência bem acentuada sobre as pessoas, já que está implícito que o controlador do equipamento está imune a ameaças e há gravação do que está sendo filmado, para posterior reprodução. Muitos assaltos a bancos e a supermercados foram desvendados com o auxílio dessas câmeras. Tumultos em estádios foram investigados com o auxílio da reprodução de fitas de vídeos amadores e de vídeos de televisões. A divulgação pelos jornais e TVs do desbaratamento de quadrilhas, presas por terem sido identificadas por câmeras de circuito interno faz com que o emprego do equipamento seja mais realçado. b) Fiscalização discreta A característica básica a adotar-se quanto à fiscalização discreta depende em muito do tipo de empresa que se está fiscalizando. A vigilância ou fiscalização é dita discreta, quando é percebida por todos, sem entretanto ser ostensiva. A ideia de que a pessoa pode estar sendo fiscalizada é sempre um fator inibidor de atos ou fatos danosos. Normalmente a atividade é exercida a distância sob a forma de supervisão. Os processos desenvolvidos podem ser os seguintes: • vigilantes postados à distância, em pontos estratégicos; 299
  22. 22. • câmeras ocultas ou semi-ocultas; • sistemas eletrônicos especiais (células fotoelétricas, fios sensores, placas eletrônicas, etc.). Em função do grau de segurança adotado para o local podem ser combinados processos ou equipamentos distintos. Por exemplo, em uma linha de produção em áreas de alto risco empregam-se vigilantes em pontos estratégicos e câmeras semi-ocultas. Poderão ser adotados mais de dois processos, como em uma fábrica de joias, com vigilantes, câmeras e sistemas eletrônicos especiais. É importante frisar que o vigilante necessita estar fardado, para a fiscalização ostensiva. Na fiscalização discreta não há essa necessidade. Esse tipo de fiscalização não é utilizado somente no controle de processos, como poderia vir a ser evidenciado, mas também em reunião de pessoas influentes (presidentes de empresas, políticos, celebridades, etc.), em exposição pública de joias, objetos de arte, manuscritos valiosos, etc. Controle de acesso de funcionários Existem várias maneiras de se exercer o controle e a fiscalização sobre os funcionários de uma empresa, com vistas a se prevenir situações anormais. A primeira delas e a mais usual, é a do funcionário ao chegar ao serviço ser obrigado a portar o crachá de identificação funcional. Normalmente, a plaqueta de identificação é fornecida por quando da contratação do funcionário pela empresa, servindo como identificação funcional. O modelo mais comumente empregado é o constante da figura a seguir. Empresa: ------------------- Nota: o funcionário obriga-se a portar este documento de identificação enquanto estiver a serviço na empresa. -------------------------------Nome: -------------------------------------------------------Função: ----------------------Identidade: ------------------ Foto Validade: -------------------- CTPS Admissão Identidade Grupo sangüíneo Selo de restrição de área Esse tipo de identificação possibilita que o funcionário execute o seu serviço sem precisar ser interrompido pelos vigilantes. Ainda assim, com esse sistema ocorrem várias deficiências. Uma delas é o de que o único controle de permanência desse na empresa ser o cartão de ponto, de eficiência duvidosa já que pode vir a ser manuseado por outras pessoas para encobrir faltas. Em uma empresa de grande porte com centenas de funcionários entrando ou saindo praticamente no mesmo horário, talvez esse seja o único modo, ou pelo menos o mais simplificado de se exercer algum tipo de controle, mesmo que precariamente. 300
  23. 23. Em decorrência do grau de segurança exigido pela instalação, pode-se recomendar outra forma de controle, como por exemplo a do funcionário entregar a carteira funcional e receber o cartão de identificação ao ingressar na empresa. Na saída do expediente faria exatamente o inverso. No crachá fornecido, além da fotografia deverá constar: • nome; • função; • número de identificação; • validade do documento; • carteira profissional; • carteira de identidade; • data de admissão; • grupo sangüíneo; • selo de restrição de áreas. O selo de restrição de áreas contém um código de cores através do qual o funcionário tem acesso a determinadas áreas. Existem outras formas de identificação de funcionários mais modernas, como os crachás com tarjas magnéticas, onde em cada local por onde o funcionário transita, abrindo ou fechando portas fica registrado o tempo em que por passou e o período de permanência. Esse mesmo crachá com tarja serve como ponto. Outra forma de identificação é através de códigos de barra. Todos esse processos de identificação visam exclusivamente, controlar os passos dos funcionários contratados ou dos visitantes em áreas de acesso restrito da empresa. Com a evolução dos sistemas de informática, já há controles que antigamente só se viam em filmes como o reconhecimento do fundo do olho ou da impressão digital. Infelizmente são sistemas caros, onde o seu emprego somente é compensado se houver um grande risco para a empresa. A seguir, apresentamos dois modelos de fichas de identificação de pessoal, relativamente simples. O Modelo 1, mais simplificado, destina-se a atividades de pequeno grau de segurança. O Modelo 2, mais complexo, destina-se a atividades com grau médio de segurança. A diferença básica entre eles é a do maior volume de informações disponibilizadas à empresa. É interessante frisar-se que quanto maior o número de informações, verdadeiramente apuradas, melhor o controle. De nada adiante perguntar-se uma quantidade enorme de dados se esses não são verificados antes da contratação do funcionário. 301
  24. 24. Ficha Modelo 1 Empresa ____________________________ Informações Gerais Ficha de identificação de Pessoal Contratado Ficha nº Nome:---------------------------------Função: --------------------------------Contratada: ----------------------------Endereço: ----------------------------------------------------------------- Foto Filiação: ------------------------------------------------------------------------------------Residência: --------------------------------------------------------------------------------Pessoa p/ contato: ------------------------------Telefone: -------------------------------------------Endereço: -----------------------------------------Doc. Identidade: Polegar direito --------------------------------Crachá nº: --------------------Assinatura Ficha Modelo 2 Empresa ____________________________ ____________________________ Ficha de identificação de Pessoal Contratado Nome:------------------------------Função: ----------------------------Contratada: -----------------------Endereço: ---------------------------------------------------- Informações Gerais Ficha nº Foto Filiação: ----------------------------------------- e -----------------------------------------Residência: ---------------------------------------------------------------------------------Referências Pessoais: ----------------------------------------------------------------------------------Telefones: -----------------------------------------Endereços: ----------------------------------------------------------------------------------Idade : -----------------------------------Cor : -----------------------------------Estatura : -----------------------------------Peso : -----------------------------------Estado Civil : -----------------------------------Grupo Sangüíneo : ------------------------------Marcas /Cicatrizes: ----------------------------------------------------------------------------------------------Doc. Ident.: ----------------Emissão: -------------------nº crachá: ------------------Polegar Direito Assinatura 302
  25. 25. Entrada e saída de materiais Pode-se classificar, para fins de execução de tarefas, os seguintes materiais e bens da empresa, com movimentação em seu interior: • matérias-primas; • produtos acabados; • materiais diversos; • peças de reposição; • equipamentos/componentes em substituição ou instalação. a) Controle de entrada e saída de matéria-prima O controle de entrada e saída de matérias-primas é normalmente feito através da conferência de notas fiscais e de guias de compra e venda de mercadorias. A carga sob a forma de granel sólido, líquido ou gasoso, acondicionada em caixarias, sacarias, tonéis, garrafas, etc., é inspecionada externamente com o objetivo de verificar-se; disposição, violabilidade, danos aparentes, contaminações, rompimentos de embalagens, etc., a seguir é encaminhada ao local de sua guarda ou consumo. Se for para guarda, provavelmente será o almoxarifado. Se for para consumo com certeza será a área de produção. O controle para o recebimento e expedição de matérias-primas deve ser executado pelo setor de vigilância patrimonial. Dentre as tarefas necessárias destacam-se: ⇒ conferência do meio de transporte; ⇒ verificação da documentação de acompanhamento da carga; ⇒ conferência visual da carga; ⇒ anotação de irregularidades ou ressalvas; ⇒ encaminhamento do veículo ao local de descarga; ⇒ acompanhamento da descarga; ⇒ encaminhamento do veículo à saída da empresa. Na conferência visual devem ser verificados itens como os destacados a seguir: disposição da carga no veículo; formas de acondicionamento; proteções adotadas contra intempéries; danos materiais aparentes; contaminação por água de chuva ou outros produtos; rompimento de embalagem; identificação de material transportado, existência de ficha de informações, caso se trate de produtos perigosos. 303
  26. 26. No acompanhamento do veículo toda e qualquer anormalidade encontrada deverá ser imediatamente notificada à transportadora. A segurança não deve manusear produtos ou abrir embalagens lacradas, excetuando-se casos de embalagens violadas ou danificadas, sobre as quais pairem qualquer dúvida. b) Controle de saída de produtos acabados Cabe ao setor de Segurança Patrimonial checar a entrada do veículo e seu condutor e ajudantes na entrada do mesmo no interior das instalações fabris, verificar a guia de liberação na saída da carga. Quando se tratar de produtos que possam ameaçar ou por em risco a integridade das instalações ou das pessoas envolvidas na operação, tais como: produtos tóxicos, explosivos, inflamáveis, corrosivos, etc., o setor deve acompanhar o embarque da carga e a retirada da mesma até os limites do terreno da empresa. Para produtos perigosos a área de segurança deve analisar adequadamente as formas de transporte, à luz das determinações do DNER. c) Controle do fluxo de materiais diversos O roubo de materiais praticados por funcionários ou por pessoal contratado pode vir a ser elevado, dependendo do tipo de bem processado e dos produtos fabricados. Em fábricas de confecções de roupas íntimas femininas há sempre muito desvio de peças. Entretanto, não existe só a retirada do material fabricado, como também dos próprios produtos existentes no local de trabalho, como por exemplo: • materiais de limpeza (sabão, esponjas, etc.); • materiais de escritório (blocos de papel, borrachas, lápis e canetas, apontadores, grampeadores, furadores, pastas, etc.); • equipamentos de uso diverso (máquinas calculadoras, estabilizadores, cafeteiras, garrafas térmicas, etc.); • café e açúcar; • lâmpadas, ferramentas e peças de pequeno porte; • suprimento de impressoras e Cds; • cinzeiros, porta-lápis, e outros objetos mais. Além desses materiais tem sido bastante comum o roubo de esguichos de mangueiras de hidrantes e volantes de válvulas, posteriormente vendidos a peso no ferro velho mais próximo. Quase sempre o produto do roubo é de pequeno valor. Porém, se somados uns com os outros, assume maior importância para a empresa. A prática mais usual é a da prevenção da ação através de uma fiscalização constante. A fiscalização pode ser dividida em duas etapas a saber: • revista de funcionários; • verificação dos ambientes de trabalho ao término do expediente. 304
  27. 27. A revista pode ser feita individualmente, em cabinas, muito adotada em fábricas de confecções, além da abertura de volumes e bolsas transportadas. Se o número de funcionários for grande a revista pode ser aleatória ou não. O tempo médio despendido para uma revista mais minuciosa, incluindo a dos volumes transportados pelo funcionário pode variar de 1 a 3 minutos por pessoa, desde a sua entrada no setor até a sua liberação. Esse dado é um parâmetro indicador do número de vigilantes a serem contratados, somente para essa atividade. Particularmente, achamos constrangedora a revista em cabinas, podendo estar sujeita a problemas judiciais, principalmente se mulheres forem revistadas. Outro ponto também discutido é que algumas empresas utilizam-se somente de vigilantes homens, que abusam quando a revistada é uma mulher. A empresa tem que avaliar corretamente se vale a pena investir nesse tipo de ação, comparando o risco da perda da imagem e das prováveis ações legais com as perdas efetivamente manifestadas. O que costuma-se denominar como roubo ou perda, não passa muitas vezes de uma apropriação por parte dos funcionários. Não são poucos os que carregam em suas bolsas canetas ou blocos da empresa em que trabalham. Outros têm em casa grampeadores, cinzeiros e até furadores de papel da empresa. Algumas pessoas têm prazer de levar para casa um objeto de alguém. Um famoso hotel do nordeste passou a contabilizar os furtos de cinzeiros de seus apartamentos pelos hóspedes, passando a gravar no fundo desses a seguinte mensagem: furtado do hotel ... . Os hóspedes deveriam ficar surpresos com a mensagem. Os cinzeiros de argila além de serem uma peça do mobiliário do apartamento passaram a ser peças promocionais do hotel. O setor de vigilância deve recomendar aos funcionários não entrem na empresa portando embrulhos. Outra prática que também deve ser evitada é o uso de bolsas, sacolas e mochilas. Nessas situações pode-se recorrer a uma revista na entrada e a outra na saída, ou simplesmente disponibilizar-se um local para guarda de pacotes e embrulhos, como fazem muitos supermercados. Todas as situações aqui descritas devem ser avaliadas caso a caso pelo Gerente de Riscos da empresa, não só em função ao grau de segurança exigido pela instituição como também por problemas de imagem da própria empresa. Medidas relativamente simples costumam produzir bons resultados, como o simples controle de material por parte da secretária, em um escritório, já passa a ser um fator inibidor dos furtos. 305
  28. 28. Controle de áreas externas 306
  29. 29. Compreendem áreas externas para fins de controle por parte dos vigilantes: • corredores de circulação externos; • áreas livres ao redor das edificações; • áreas programadas para expansões; • edificações de pequeno porte e não destinadas ao setor fabril, como: sanitários, guaritas, refeitórios, etc.. O controle dessas áreas deve ser sempre feito por rondas fixas e por vigilantes postados em locais estratégicos. Durante o horário de expediente o serviço assume as seguintes características: • inspeção periódica em todas as áreas, em período nunca superior a duas horas; • verificação do estado em que se encontram as portas, janelas, grades, sistemas de fechamento (cadeados, fechaduras, ferrolhos), sensores eletrônicos, etc. Além desses itens, em decorrência do horário de realização da vigilância durante o expediente ou fora desse há sempre pequenas modificações na rotina dos serviços, tais como: Controle de áreas durante o horário de expediente As principais tarefas a serem executadas com o objetivo do controle de áreas são as seguintes: a) controle por rondas móveis, em intervalo de tempo nunca superior a duas horas; b) verificação do sistema de fechamento das aberturas; c) Check up dos dispositivos eletrônicos de prevenção contra a entrada de estranhos; d) controle do pessoal visitante a serviço. Durante a execução dessas tarefas os vigilantes não necessitam andar armados, podendo usar sistema de radiocomunicação. O número mínimo de vigilantes para a execução dessas tarefas pode ser dimensionado da seguinte forma: um vigilante para cada 8.000 m2 de superfície de terreno, até 80.000 m2; um vigilante para cada 5.000 m2 ou fração, excedente a 80.000 m2 de terreno, incluindo-se aqui as áreas construídas contidas no interior do terreno. Controle de áreas fora do horário de expediente Fora do horário de expediente, a rotina de inspeção já deixa de ser afetada pelo burburinho dos funcionários falando, das máquinas operando, etc. A rotina a ser seguida é a seguinte: a) controle de área executado por ronda móvel, em intervalo de tempo nunca superior a uma hora; b) vigilância feita por homens armados; c) verificação de sistemas de fechamento das aberturas; d) Check up dos dispositivos eletrônicos de vigilância. e) Check up do sistema de iluminação ambiental. Não é recomendada a existência de superfícies com nível de iluminamento inferior a 100 LUX. 307
  30. 30. Durante a execução dessas tarefas os vigilantes, por questões de racionalidade dos serviços devem se comunicar com o responsável pela equipe de vigilância através de radiocomunicadores, em intervalos de tempo nunca superiores a 15 minutos entre cada chamada, transmitindo uma senha para situações normais e outra para situações anormais. A noite, o número de vigilantes deve ser sempre maior do que durante o dia, em cerca de 50%. 308
  31. 31. Dimensionamento da equipe efetiva para o controle de áreas externas 309
  32. 32. Tomando-se como exemplo uma empresa com as características a seguir indicadas, dimensionaremos uma equipe mínima de vigilância, a saber: ⇒ superfície do terreno : 118.000 m2 ⇒ área total construída : 46.000 m2 ⇒ três turnos de trabalho : 0600/1400 - 1400/2200 - 2200/0600 Nota: É importante que os turnos de trabalho da equipe de vigilância não coincidam com as jornadas de trabalho da empresa. • Dimensionamento da equipe mínima: 118.000 m2 - 80.000 m2 = 38.000 m2 80.000 m2 : 8.000 m2 2 = 10 vigilantes 2 38.000 m : 5.000 m = 8 vigilantes Total de vigilantes = 18 vigilantes Com a existência de três turnos, e o da noite devendo conter 50% a mais de pessoas, temse: 1 + 1+ 1,5 = 3,5 ∴ 18 : 3,5 ≅ 6 vigilantes. A distribuição dos funcionários nos turnos será a seguinte: 1º Turno : 6 vigilantes; 2º Turno : 6 vigilantes; 3º Turno : 9 vigilantes. Partindo-se da premissa de que do total da equipe no máximo 50% poderão estar em postos fixos, temos: 1º Turno : 3 vigilantes em ronda + 3 vigilantes em postos; 2º Turno : 3 vigilantes em ronda + 3 vigilantes em postos; 3º Turno : 5 vigilantes em ronda + 4 vigilantes em postos. Este número não inclui o pessoal de reserva, necessário para cobrir eventuais faltas ou férias, e nem ao descanso remunerado, já que por se tratar de equipe que trabalha em rodízio terão direito a pelo menos 1 domingo de folga no mês. Após cada turno de serviço deve ser feito um relatório pelo chefe da equipe, contendo todas as anormalidades e fatos ocorridos em seu turno. 310
  33. 33. Vigilância de áreas internas 311
  34. 34. A maior ou menor complexidade atribuída à atividade de vigilância depende, fundamentalmente: ⇒ das obstruções à visão do vigilante; ⇒ da possibilidade de refúgios; ⇒ da luminosidade interna; ⇒ do tipo de operação executada; ⇒ da densidade populacional; ⇒ dos equipamentos existentes; ⇒ do arranjo adotado na arrumação interna; ⇒ da quantidade de portas e janelas; ⇒ da existência de corredores limpos e desobstruídos; ⇒ da arrumação das mercadorias, etc. Por essas razões a vigilância em áreas internas é sempre mais difícil de ser feita, além de exigir um maior conhecimento técnico por parte dos vigilantes, os quais devem ser capazes de detectar e identificar falhas, além de situações anormais em equipamentos e instalações e de integrar-se perfeitamente ao próprio ambiente. O vigilante não deve expor-se nos corredores da empresa portando ostensivamente uma arma, ou exibindo os seus músculos, deve sim, portar-se como um funcionário da empresa treinado para detectar situações anormais ou inibir ações predatórias contra o patrimônio da empresa. Nas áreas internas a vigilância deve ser executada da seguinte forma: Vigilância durante o horário de expediente Durante o horário de expediente vários são os problemas normalmente encontrados pelos vigilantes, dentre os quais destacam-se: maior aglomeração de pessoas; trabalho contínuo de equipamentos e maquinismos. Uma rotina de trabalho sugerida nessas situações é a seguinte: a) vigilância executada por rondas móveis; b) verificação do sistema de fechamento das aberturas; c) inspeção visual dos equipamentos de detecção e combate a incêndios; d) inspeção dos corredores e circulações de pessoal e material de forma a evitar obstruções que dificultem a evacuação das áreas; e) verificação de situações anormais nos equipamentos e instalações (falta de dispositivos de proteção dos circuitos, vazamentos, superaquecimentos, produção anormal e todo um conjunto de observações já feitas nos capítulos anteriores); f) verificação das placas de sinalização, controles e avisos (por intermédio das placas consegue-se obter a informação necessária ao comando dos equipamentos. A título de curiosidade lembramos que ainda existem pessoas que sentem prazer em danificar avisos e advertências operacionais ou retirar as placas indicativas para guardar como souveniers); 312
  35. 35. g) acompanhamento dos serviços dos operários, notadamente os das empresas contratadas, objetivando inibi-los quanto à iniciativa de ações predatórias; h) promover o Check up dos dispositivos eletrônicos de segurança e vigilância; i) promover o Check up dos sistemas de iluminação, principalmente os de emergência, analisando-se as luminárias, projetores, dutos, tomadas, baterias, etc.. É importante que a vigilância seja executada por homens desarmados em rondas com intervalos de tempo nunca superiores a 3 horas. Vigilância fora do horário de expediente Após as jornadas de trabalho a rotina a ser adotada pelos vigilantes sofre uma brusca transformação, em virtude da menor movimentação de pessoal, da paralisação dos equipamentos, etc.. A metodologia de trabalho sugerida é a seguinte: a) vigilância feita por homens armados e com sistema radiocomunicador; b) verificação e testes dos sistemas de fechamento das aberturas e passagens entre os vários locais da empresa; c) inspeção visual dos equipamentos de detecção e combate a incêndios; d) inspeção de todos os corredores e passagens, não se permitindo obstruções, mesmo que provisórias; e) verificação das condições de manutenção de todos os painéis de aviso e sinalizadores; f) verificação de situações anormais nos equipamentos e instalações; g) Check up nos quadros e painéis de controle elétrico, verificando-se as condições de anormalidade; h) rondas em intervalos de tempo nunca superiores a uma hora; i) Check up dos dispositivos eletrônicos de segurança; j) Check up do sistema de iluminação de emergência; k) verificação dos depósitos de líquidos e gases, principalmente os contendo produtos perigosos (inflamáveis, explosivos, corrosivos), visando-se detectar situações anormais, principalmente vazamentos. Durante a execução de suas tarefas os vigilantes devem comunicar-se com o responsável pela equipe através de radiocomunicadores em intervalos de tempo nunca superiores a 30 minutos, transmitindo uma senha para situações normais e outra para as anormais. Após a passagem do serviço o vigilante deve apresentar relatório contendo anormalidades encontradas e providências tomadas para saná-las. À noite, o número de vigilantes deverá ser sempre superior ao existente durante o dia, em cerca de 50%. 313
  36. 36. Dimensionamento da equipe efetiva de vigilantes para controle de áreas internas Por questões de simplificação de raciocínio, partiremos do mesmo exemplo anterior, ou seja: superfície do terreno 118.000 m2 área total construída 46.000 m2 turnos de trabalho 3 turnos Influenciam bastante no dimensionamento da equipe de vigilância os seguintes dados: ⇒ a área construída corresponde a área de uma só edificação ou de várias edificações? ⇒ a área total construída está distribuída em um só pavimento ou em vários pavimentos? ⇒ as construções possuem uma densidade de equipamentos, maquinismos ou instalações pequena, média ou grande (considera-se densidade, neste caso, a quantidade de bens disposta em uma determinada área ocupada)? Imaginemos agora que após respondidas as perguntas formuladas obtivemos o seguinte resultado: ⇒ tratam-se de várias construções, quase todas isoladas uma das outras (conceito de isolamento já definido em capítulo anterior), sendo a maior delas com 8.000 m2 de área construída; ⇒ excetuando-se a maior construção, todas as demais possuem mais de um pavimento; ⇒ em todas as edificações, os espaços ocupados por maquinismos não superam a 40% da área útil total de cada edificação; No dimensionamento de Equipes de Vigilância a análise individualizada dos elementos questionados anteriormente não conduz a resultados práticos, visto que são várias as hipóteses que se desdobram dessas simples perguntas. Por exemplo, os pavimentos a que nos referimos podem ser meros mezaninos, ocupando parcialmente a área total do andar. Assim sendo, a área total vistoriada pode ficar menor do que o esperado. Outro ponto a ser considerado é que existem equipamentos em linha de produção contínua que ocupam quase que todo um pavimento, como máquinas engarrafadoras de bebidas, laminadores de siderúrgicas, extrusoras em indústrias de materiais plásticos, etc., onde o trabalho de inspeção pelo vigilante fica mais fácil. Para melhor compreensão de nossa metodologia adotaremos índices combinados, como propostos a seguir: área construída distribuída em uma única edificação - fator 1,0; área construída distribuída por várias edificações - fator 0,7. Com o fator determinado verifica-se na tabela a seguir qual a área máxima construída, admitida para cada vigilante em efetivo serviço, e a partir daí inicia-se o dimensionamento da equipe de vigilância patrimonial que irá operar na empresa. 314
  37. 37. É importante ressaltar que os números obtidos são aproximados, como se verá adiante. Uma das simplificações empregadas é a obtenção do total de vigilantes por quantidade de turnos, agravando em 50% o efetivo do turno da noite. Contudo, para os fins a que nos propomos a simplificação é plenamente válida: Qde de pavimentos Densidade Pequena Média Grande até 1 pavimento 6.000 m2 4.500 m2 3.000 m2 mais de 1 pavimento 5.000 m2 3.000 m2 1.500 m2 O conceito de densidade empregado no quadro acima é o seguinte: é aquela onde a área ocupada pelos equipamentos, maquinismos ou instalações poderá estar compreendida entre 0% a 20% da área útil da edificação, área essa avaliada pela Densidade pequena projeção das dimensões externas dos equipamentos no solo (conceito de layout descrito em capítulo anterior). Um equipamento pode ser muito grande, com o formato de uma torre. Porém, a sua projeção sobre o solo ser pequena. O que vale é a projeção dos contornos do equipamento sobre o solo; é aquela em que a soma das áreas projetadas pelos equipamentos, maquinismos e Densidade média instalações, no piso das edificações, está situada entre 21% a 40% da área útil da mesma; é aquela na qual o somatório das áreas projetadas pelos equipamentos, instalações e Densidade alta maquinismos sobre o piso das edificações é superior a 40% da área útil total do prédio. Em nosso exemplo, temos: → área total construída : 46.000 m2 → densidade de ocupação : média → quantidade de pavimentos : mais de 1 pavimento → quantidade de prédios : mais de 1 prédio (fator 0,7) Com esses dados entra-se na tabela apresentada anteriormente e obtém-se 3.000 m2. 3.000 m2 x 0,7= 2.100 m2 p/c/vigilante 46.000 m2 : 2.100 m2 = 22 vigilantes Como os vigilantes acham-se distribuídos em três turnos, e o turno da noite deve ter 50% mais pessoas que os demais turnos, o resultado a que se chega é o seguinte: 1º turno = (a) vigilantes + 2º turno = (a) vigilantes + 3º turno = (a + 50%) vigilantes = total = 3,5 (a) 1º = 22 vigilantes 2º = 22 vigilantes 3º = 33 vigilantes 315
  38. 38. Este número não inclui o pessoal de reserva, para suprir eventuais faltas ao serviço e escalas de férias. A cada jornada de trabalho deverá ser elaborado pela chefia do turno, um relatório contendo todas as situações de anormalidade e os fatos ocorridos no período. Para empresas com elevado grau de segurança, no turno da noite deve ser preparado um relato das principais comunicações feitas pelos vigilantes em ronda, com o horário em que essas ocorreram. Esse relato pode ser em meio eletrônico ou magnético. A seguir, apresentamos um modelo simplificado de Relatório de Ocorrência por Turno de Vigilância. Empresa: ................................................. ................................................. Relatório de Ocorrência por turno de vigilância Equipe: .................................. Hora/Comunicações Nº: .......... Turno: Componentes da Equipe: Ocorrências/Local/Hora: Local/data assinatura da Chefia da Equipe 316
  39. 39. Controle das instalações e edificações 317
  40. 40. Em qualquer empresa, o controle sobre as condições de funcionamento e de manutenção das instalações e edificações deve ser sempre exercido pelos funcionários da área industrial. No tocante à Segurança Patrimonial o controle sobre o patrimônio físico deve ser executado pela equipe de vigilantes. Não queremos dizer com isso que os vigilantes passem a cuidar da manutenção e muito menos preocupar-se com a operação dos bens, porque isso não seria nada lógico. O que queremos dizer é que o vigilante durante o seu trabalho de VIGILÂNCIA irá encontrar situações anormais, como por exemplo, um painel elétrico aberto, um tanque vazando, uma válvula de um duto de vapor com problemas, um motor ligado sem motivo aparente, e outras coisas mais. O seu conhecimento técnico acerca do qual já nos referimos anteriormente deve ser tal que consiga saber ou identificar o que está ocorrendo e comunicar de imediato a área afim, para que essa possa tomar as providências cabíveis. Nem sempre isso fica muito claro. Porém em determinadas horas, a única pessoa que está circulando por entre os equipamentos é o vigilante. Cabe ao setor de vigilância patrimonial fiscalizar os bens evitando que os mesmos venham a ser atingidos por ações danosas. Assim, durante suas rondas qualquer situação de anormalidade deve ser comunicada de imediato. O objetivo dos serviços desenvolvidos pelo setor é tão simplesmente o de fiscalizar áreas. Excepcionalmente um vigilante pode fechar a porta de um painel que tenha sido inadvertidamente mantida aberta ou fechar uma válvula que esteja vazando. É lógico que isso não deve se constituir em rotina, já que todos esses serviços podem e devem ser feitos pelos funcionários que operam os equipamentos. Um exemplo muito comum é o que ocorre em escritórios. Ao final do expediente o funcionário desliga o computador, porém esquece-se de desligar a impressora ou o monitor. Controle sobre as instalações As instalações normalmente encontradas em indústrias são as seguintes: água potável e água industrial; instalações de luz e força; instalações de esgoto sanitário e industrial; redes de ar comprimido; redes de gases industriais (oxigênio, acetileno, hidrogênio, gás carbônico, etc.); linhas de óleos combustíveis e inflamáveis; linhas de vapor; linhas de vácuo, etc. Cada uma dessas instalações possui características diferentes e formas de controle diferenciadas. As situações de anormalidades que usualmente são detectadas em uma inspeção visual são: • vazamentos; • amassamentos; 318
  41. 41. • flexões das redes de dutos pela ausência de suportes; • perda de envoltórios térmicos; • rompimentos; • falta de equipamentos (conexões, registros, válvulas, etc.); • ligações elétricas aparentes, sem qualquer tipo de isolamento; • falhas do aterramento elétrico dos equipamentos; • vazamentos em redes de gases; • ausência de proteção nos circuitos elétricos, do tipo: disjuntores e fusíveis. Em particular, ressaltam-se as instalações elétricas, como um dos itens mais vulneráveis quase sempre motivo de dor de cabeça para os vigilantes. São nessas instalações que ocorrem acidentes com uma frequência bastante superior às das demais instalações. Dos componentes de uma instalação elétrica os que apresentam mais problemas são os disjuntores. Algumas vezes, por sobrecarga elétrica da instalação costuma-se substituir os disjuntores por: moedas, arames, palhas de aço, fios de cobre, papel laminado de maços de cigarros, etc., situações essas já bastante comentadas em capítulos próprios e que põem em risco toda a empresa. O vigilante deverá ter o bom senso para entender o que é uma situação anormal e acionar de imediato o setor responsável, para as providências cabíveis. Controle sobre edificações Do mesmo modo que no item referente ao controle das instalações o controle sobre as edificações, a cargo do setor de segurança patrimonial, é apenas o visual, tendo por meta evitar ações predatórias contra o patrimônio da empresa. Considera-se como fazendo parte das edificações não só a própria construção como tudo a elas incorporado. Os principais aspectos que devem ser observados são os seguintes: pisos; paredes internas e externas; estruturas da construção (colunas, vigas, lajes); aberturas internas e externas; dispositivos de isolamento contra o fogo (portas corta-fogo, paredes corta-fogo sistemas de sprinklers cut off); proteção contra a entrada de estranhos; condições do telhado e dos travejamentos. As anormalidades encontradas devem ser comunicadas imediatamente e anotadas em relatório diário, elaborado após cada turno de trabalho. 319
  42. 42. Controle de situações de emergência Constituem situações de emergência aquelas que pela sua existência e gravidade podem por em risco a saúde ou a vida de terceiros e mesmo de funcionários, além de expor seriamente os bens da empresa. São exemplos de situações de emergência: existência de artefatos explosivos; ocorrências de incêndios; acidentes pessoais, incluindo crimes; acidentes envolvendo as instalações e edificações, do tipo: explosões de equipamentos, acidentes elétricos, rompimentos de tubulações, desabamentos, vazamentos de efluentes, etc.; inundação e alagamento; seqüestros; sabotagens; roubos e assaltos; contaminação ambiental; riscos de desabamento ou de desmoronamento; vazamentos de gases combustíveis; vazamentos de produtos tóxicos, inflamáveis ou corrosivos. A equipe de Segurança Patrimonial deve estar preparada para prestar apoio a cada uma dessas situações. O seu envolvimento nunca é direto, excetuando-se nos casos de: artefatos explosivos; seqüestros; sabotagens; roubos e correlatas. Afora esses, sua participação restringe-se ao isolamento e controle das áreas afetadas e a evacuação dos locais. Eventualmente o setor tem uma participação mais direta. Como exemplo citamos o fato de uma grande instituição bancária, onde em uma de suas agências houve falta de água no final do expediente de sexta-feira. Na manhã de sábado o fornecimento normalizou-se. Entretanto, um funcionário da agência havia esquecido uma torneira da pia na copa totalmente aberta. Com o restabelecimento do suprimento de água essa começou a transbordar da pia inundando o chão. A equipe de vigilância patrimonial em uma ronda, detectou o problema e encontrou a solução de imediato. Não houve prejuízos materiais elevados. Ocorre que nem todos os problemas referem-se a um simples fechamento de uma torneira de copa. Vejamos algumas situações, imaginando que ocorram durante o expediente normal, momento esse o mais crítico quanto à segurança das pessoas, já que há movimentação de funcionários, de terceiros, de prestadores de serviços, de fornecedores, tudo isso com a empresa em plena atividade. Existência de artefatos explosivos A colocação de bombas visando à intimidação, obtenção de vantagens financeiras ou à sabotagem, cria sempre uma situação de pânico bastante prejudicial e de difícil controle. Os artefatos explosivos são formados por uma substância explosiva, sólida (granulada ou não), ou pastosa, com um 320
  43. 43. elemento detonador (mecânico, elétrico, eletrônico, ou manual). A aparência às vezes simples dos artefatos explosivos não deve servir como elemento comparador de seu poder de destruição. As providências a serem tomadas pelo setor de segurança patrimonial são as seguintes: verificar a exata localização do artefato e as características visuais do mesmo, procurando fazer com que ninguém o toque ou mova de posição; avisar à Polícia Civil e a Militar, e eventualmente ao Exército; criar um cordão de isolamento ao redor da área, formando uma região de segurança em volta do artefato com um mínimo de 30 metros; providenciar a desocupação do local encaminhando as pessoas para um local seguro, até que novas ordens venham a ser dadas; o artefato somente deve ser manuseado pelos especialistas militares, os quais poderão optar por sua remoção ou pelo desmonte no próprio local; antes da área vir a ser liberada deverá ser feita uma completa varredura, com vistas a detectar-se qualquer outra anormalidade; após a liberação da área pelos militares o setor de segurança deverá encaminhar os funcionários às suas atividades normais; acompanhar posteriormente o desenvolvimento dos serviços no local, principalmente quanto ao comportamento dos funcionários. Ocorrência de incêndios Ocorrendo um incêndio ou um princípio de incêndio, várias são as medidas que deverão ser tomadas de imediato, a saber: identificação do local e do tipo de fogo bem como do tipo de material envolvido na combustão; aviso à Brigada de Incêndio própria, ou à guarnição do Corpo de Bombeiros Militar mais próxima; providenciar a imediata evacuação do local, criando um cordão de isolamento ao redor da área atingida; apoiar o deslocamento dos equipamentos de combate a incêndios para próximo da área onde serão utilizados; apoiar a brigada de incêndio no combate ao fogo, preocupando-se em empregar as mangueiras de incêndio para isolar o fogo enquanto que os funcionários que compõem a brigada cuidarão do combate efetivo do fogo; retirar os materiais e equipamentos valiosos situados próximos ao fogo, se houver possibilidade; manter os funcionários que foram deslocados de seus locais de trabalho em ambiente de tranqüilidade e conforto, fazendo com que não haja possibilidade deles virem a ser atingidos pelo fogo ou pelo calor das chamas; providenciar um tratamento especial às pessoas portadoras de deficiências físicas e aos idosos; 321
  44. 44. liberar de imediato todos os visitantes e terceiros que não precisem estar comprometidos com o reinicio das atividades, após o rescaldo do incêndio. Caberá ao chefe da brigada a responsabilidade pela avaliação das condições do fogo e das possibilidades do mesmo vir a se alastrar a outros locais e com isso avisar ou não à guarnição do Corpo de Bombeiros. A evacuação do local de incêndio pode ser empreendida contando-se com o auxílio do Grupo de Apoio existente na empresa treinado para essas ocasiões. O encaminhamento do pessoal evacuado será feito para um local seguro quer quanto à incidência de radiações de calor incidente quer quanto à possibilidade de intoxicação por fumaças e gases tóxicos, bem como afastado dos centros de atividades e das rotas de deslocamento de pessoal, material e viaturas. O isolamento da área afetada pelo fogo pode ser conseguido formando-se cordões de isolamento. É muito importante que a área destinada ao combate ao fogo fique livre de pessoas estranhas que não estejam em missão de extinção do incêndio. Durante o isolamento não deve ser permitido o ingresso de pessoas que desejem reaver os seus objetos pessoais. Isso somente deverá ocorrer após a liberação da área. Após o rescaldo a área atingida deve ser mantida isolada para fins de perícia técnica e apuração das causas do incêndio. Não se deve esquecer que a Seguradora contratada pela empresa deve ter imediata ciência do ocorrido, cabendo a ela, manifestar-se por escrito (formalmente), à respeito do reinicio das atividades do setor. Em princípio, o combate ao incêndio deve ser feito pela própria brigada da empresa. Porém, como os funcionários do setor de segurança patrimonial são obrigados a ter conhecimento de combate a incêndios e treinamento adequado, poderão ajudar nesse combate. Contudo, sugerimos que a equipe de segurança atue apenas como apoio à brigada. Acidentes Pessoais, incluindo crime Os acidentes pessoais sem gravidade, ocorridos em indústrias, são os mais comuns, consistindo de luxações, intoxicações leves, arranhaduras e esfoladuras, picadas de insetos ou animais daninhos, especialmente vetores, fraturas de membros, e outros. Todavia, não se descarta a possibilidade de ocorrerem acidentes mais sérios, do tipo, queimaduras, lesões múltiplas, fraturas múltiplas, intoxicações pneumônicas graves, e até mesmo óbitos. Vimos anteriormente que um grande número de produtos e substâncias empregadas em indústrias geram sérios problemas à saúde das pessoas. Os contatos com esses produtos podem se dar acidentalmente ou como consequência de um ato de sabotagem. Outra hipótese é de que a pessoa que provoca um acidente pode muitas vezes o estar fazendo para prejudicar determinado colega ou até mesmo a chefia. Um momento crítico se dá por ocasião de época de demissões coletivas. O que fazer nessas situações? 322
  45. 45. Em princípio a responsabilidade pelo atendimento ao acidentado é exclusivamente do Serviço Especializado em Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho. Caso não o haja mas a indústria possua um ambulatório médico o atendimento ainda será do pessoal do ambulatório. Dificilmente surgirá o momento em que os vigilantes terão que prestar atendimento a acidentes pessoais. Porem, o exigido da equipe de vigilância é o isolamento da área onde o acidentado se encontra e a garantia de sua pronta remoção para um local de atendimento mais adequado, sob a supervisão de um médico ou de um enfermeiro. O setor de vigilância deve ter sempre à mão uma relação de hospitais, clínicas, ambulatórios e médicos, de acordo com as respectivas especialidades, e os telefones para contato imediato. O ideal é que essas empresas que porventura venham a ser contatadas em uma situação dessas, sejam previamente visitadas pela equipe que terá oportunidade de avaliar melhor os serviços oferecidos. Dessa forma dificilmente uma pessoa intoxicada por um gás será levada a um pronto socorro que trate de fraturas. Após a remoção do acidentado e em conjunto com o setor específico, deverão ser apuradas as causas do acidente, sobretudo em investigações ou suspeitas de casos de sabotagem ou crimes. O resultado da apuração deve constar do Livro de Ocorrências e da Ficha do Funcionário. A ocorrência de óbito, seja ou não por crime, é sempre mais trabalhosa, haja vista que a polícia deve ser notificada de imediato, não podendo ser desfeito o local até a liberação final pela Polícia. Vazamentos de efluentes e contaminação ambiental Efluentes são todos os rejeitos ou despejos resultantes de um processamento. Podem ser sólidos, líquidos ou gasosos. Os efluentes podem ter origem no próprio processamento ou no esgotamento sanitário de um banheiro. Independentemente de sua origem os efluentes antes de serem lançados no meio exterior sofrem um processo de depuração e tratamento. Esses processos de tratamento variam de acordo com o tipo de material a ser tratado. Alguns desses sistemas são: • lavadores de gases; • filtros de manga; • ciclones; • precipitadores; • decantadores; • aeradores; • gradeamento; • floculadores, etc.. Eventualmente, por uma falha no processo no sistema de tratamento ou função de uma condição ambiental adversa há possibilidade dos efluentes virem a vazar para fora de seus naturais 323
  46. 46. contenedores, contaminando o meio ambiente. De vez em quando surgem notícias nos jornais à respeito de indústrias que poluíram determinado rio ou cidade, com grandes prejuízos financeiros, com graves danos à imagem da empresa, seja essa culpada ou não. Cabe ao órgão de segurança patrimonial, após ser cientificado do vazamento, como órgão de apoio verificar a extensão dos danos e as áreas atingidas. É muito comum surgirem reclamações de pessoas que não foram atingidas e nem tiveram seus bens atingidos, porém moram em uma região afetada pelo vazamento. Há sempre uma tendência das pessoas de tirarem proveito de situações envolvendo empresas de grande porte. Aí é que está uma das áreas que o setor de segurança patrimonial poderá atuar. A área de segurança dará apoio às ações envolvendo riscos ao patrimônio da empresa. Para cada uma das situações que se apresentam haverá sempre uma solução. Ocorre entretanto, que as soluções nunca devem ser “tiradas do bolso do colete”, ou surjam de última hora. Sempre existirá um planejamento amplo e sério, abrangendo todas as situações imagináveis de riscos envolvendo a segurança patrimonial. 324
  47. 47. Processos que envolvem calor 325
  48. 48. Um incêndio pode ter início devido a um superaquecimento ocorrido no em um componente ou parte do processamento, envolvendo a geração de calor, ou vir a ser decorrente do contato de materiais combustíveis com fontes de calor não controladas. A exaustão inadequada de vapores desprendidos nos processos à seco pode conduzir à explosões e, por conseguinte, a incêndios. Torna-se fundamental que o Gerente de Riscos analise o projeto de exaustão e ventilação, de modo a que as concentrações de gases dissolvidos na atmosfera ambiente não esteja acima dos limites máximos permitidos em normas. Uma outra causa de origem dos incêndios são as falhas dos mecanismos de controle dos equipamentos que operam com chamas, empregando para isso a queima de óleo ou de gás, principalmente o fornecido por refinarias de petróleo. Os mecanismos defeituosos não costumam interromper a sequência de formação das chamas, impedindo dessa forma o alastramento do fogo a outros locais. Em uma empresa gerenciada um equipamento para a secagem de matéria prima, empregando a geração de calor a partir da queima de gás de refinaria, teve um problema no acionamento do queimador. Havia controle à distância para o acendimento da chama piloto caso essa tivesse se apagado. Por um problema de projeto não haviam portinholas para a exaustão do gás. Durante a fase de testes do equipamento a chama apagou-se. Imediatamente acendeu-se uma lâmpada piloto no painel de controle. O operador, seguindo uma sequência de procedimentos reacendeu o piloto. Ocorre que como havia um grande volume de gás na câmara de combustão, em função da inexistência de um adequado sistema de exaustão, bem como da falta da queima, ocorreu uma explosão causando prejuízos de cerca de US$ 1,600,000.00 e uma paralisação no início das atividades da empresa de cerca de 6 meses. Nessa explosão a tampa do equipamento, pesando mais de 50 toneladas foi projetada a mais de 200 metros de distância, atingindo outros equipamentos nas proximidades. Recomendações de caráter geral para processos que envolvam calor Dentre as precauções recomendadas citamos: • projetar dispositivos de segurança para a interrupção do aquecimento, de sorte a acusar falha no sistema de exaustão ou ventilação ou indicar a queda de pressão nos dutos de alimentação, devido a ruptura das canalizações de vapor; • prever a existência de aberturas para reduzir os efeitos de explosões em fogões e secadores à chama de gás, e onde possa haver concentração explosiva de vapores ou de pós; • empregar aberturas nas paredes somente em locais onde os sistemas de exaustão venham a ser desaconselháveis, pelo fato de conduzirem a um aumento da ventilação natural; • projetar sistemas de ventilação compatíveis para locais onde haja desprendimento de pós ou de vapores inflamáveis. Se o edifício industrial for construído em estrutura metálica, os pavimentos poderão vir a ter grades e menor número possível de paredes laterais, como forma de evitar ou amenizar o risco de explosão; 326
  49. 49. Proteção dos sistemas elétricos 327
  50. 50. Sistemas elétricos são todos aqueles destinados a transmitir luz e força aos vários locais de uma edificação. São sistemas constituídos de eletrodutos rígidos ou flexíveis, fios e cabos, tomadas, disjuntores, etc., todos fazendo parte de um mesmo circuito. Circuito é definido como um conjunto de pontos ativos no mesmo par de condutores, ligados a dispositivos de proteção, tais como: chaves, disjuntores, relês, interruptores, etc. O isolamento dos fios condutores depende da utilização a que se destinam, devendo atender a uma tensão mínima de serviço de 1.000 volts. Ainda hoje são empregados como isolantes dos condutores e cabos elétricos materiais do tipo: • borracha sintética; • borracha butílica; • papel impregnado; • sintanax, etc. Na proteção dos condutores contra impactos mecânicos lança-se mão de eletrodutos rígidos. Se a instalação vier a ser embutida pode-se empregar eletrodutos flexíveis ao invés de rígidos. Na conexão de motores ou equipamentos que apresentem vibração durante o seu funcionamento, pode-se utilizar eletrodutos metálicos flexíveis ou de material à base de borracha clorada. O mais importante é que os fios condutores não venham a ficar expostos e nem estarem sujeitos a danos, que não teriam se estivessem no interior de dutos, flexíveis ou não. Cuidados especiais ao examinar-se um sistema elétrico: ⇒ assegurar-se que as emendas dos condutores sejam feitas com fios de mesmo diâmetro, a fim de se ter uma resistência mecânica adequada e um contato elétrico perfeito. Nas emendas de condutores podese empregar conectores apropriados ou recorrer-se à solda de estanho, essa aplicável exclusivamente a fios de cobre recozido e não sujeitos a tensões mecânicas; ⇒ o isolamento elétrico das emendas e derivações deve ter características físico-químicas equivalentes às dos isolamentos dos condutores empregados no restante da instalação, para um isolamento elétrico perfeito e uma proteção contra danos mecânicos equivalente à proporcionada pelas próprias capas dos condutores; ⇒ o diâmetro interno do eletroduto deve ser proporcional ao somatório dos diâmetros dos condutores elétricos nele contido, para evitar-se o superaquecimento dos fios. A soma dos diâmetros dos condutores deve ser no máximo igual à metade do diâmetro interno do eletroduto, para aumentar-se a circulação interna de ar; ⇒ As fitas de isolamento devem envolver não somente a emenda como também as partes dos condutores adjacentes à ela; ⇒ ao acondicionar-se um determinado número de fios condutores emendados em uma caixa de derivações deve-se fazer com que as emendas estejam posicionadas alternadamente, evitando assim o 328
  51. 51. contato entre emendas, mesmo que acidental, bem como aumentando a segurança contra possíveis vazamentos de corrente elétrica. Não se deve emendar dois pares de fios condutores em uma mesma altura ou posição. Recomenda-se que entre essas emendas exista um distanciamento mínimo de 10 centímetros; ⇒ nos condutores de entrada de corrente, logo após o medidor de consumo, deve ser instalado um interruptor geral com capacidade suficiente para a carga total da instalação ou do circuito elétrico, e nunca da capacidade total dos equipamentos por esse alimentado, que devem estar providos de disjuntores compatíveis com os circuitos elétricos de alimentação. Não se deve empregar nesses casos chaves do tipo faca; ⇒ qualquer capa de isolamento de fios condutores deteriora-se, com mais de 500 horas de uso em regime de sobrecarga. Assim, quando a instalação tiver a possibilidade de estar em sobrecarga devese inspecioná-la periodicamente, com alicates medidores de tensão, a fim de detectar-se ocorrências de vazamentos de corrente elétrica; ⇒ a capacidade de proteção do disjuntor deve ser idêntica à capacidade de transmissão de energia elétrica do fio condutor. Isso quer dizer que é a instalação elétrica que é protegida e não os equipamentos a ela conectados. Se a instalação estiver sobrecarregada por qualquer razão, o disjuntor deve desarmar-se de imediato, protegendo não só os cabos condutores de energia elétrica como também os equipamentos a eles conectados; ⇒ a segurança das instalações requer um bom projeto que contemple, inclusive: possibilidade de expansão futura; facilidade de acesso aos vários compartimentos; confiabilidade nos sistemas de proteção; facilidade de leitura e entendimento do circuito pelo pessoal responsável pela manutenção. Além disso, o projeto deve prever que todos os circuitos serão adequadamente sinalizados. Sempre que possível serão empregados condutores com capas de proteção de cores distintas para indicar as fases e os retornos, ou as várias fases. ⇒ comum observar-se durante inspeções que os painéis elétricos ficam aquecidos em determinado circuito. Isso ocorre porque não foi prevista a ampliação de carga. Isso ocorre com mais freqüência com os circuitos de iluminação; ⇒ ao desligar-se um circuito elétrico deve-se começar sempre pelos pontos de menor carga e nunca pelo de maior, com o objetivo de evitar o risco de formação de arcos elétricos junto às chaves gerais; ⇒ as instalações elétricas que transportam maior carga devem estar sinalizadas e protegidas. O mesmo deve ocorrer com as tomadas de luz e de força, as quais deverão ter adesivos que indique a capacidade de carga das mesmas; ⇒ se as instalações elétricas tiverem que ficar expostas, por qualquer razão técnica, os fios condutores devem estar posicionados em bandejas ou calhas apropriadas. Admite-se, entretanto, que parte dos circuitos elétricos fique aparente, fixados em castanhas de isolamento junto às paredes. Nesses casos os circuitos serão posicionados a uma altura tal que os mantenham livres de contatos acidentais com pessoas ou equipamentos; 329
  52. 52. Operações de içamento e de transporte de cargas 330
  53. 53. Toda operação envolvendo o manuseio de cargas em recintos abertos ou não, deve ser sempre cercada de todos os cuidados indispensáveis a essa atividade, visto que os acidentes costumam ser em grande número. Invariavelmente, poderão ocorrer perdas ou danos envolvendo: • as próprias cargas transportadas; • os equipamentos que estão no trajeto das cargas móveis; • os equipamentos que transportam as cargas; • as pessoas que estejam nas proximidades da operação; • as instalações da empresa. Visitamos empresas onde a carga transportada por ponte rolante desprendeu-se, afetando não só as próprias cargas transportadas como também os equipamentos que estavam sob o trajeto da mesma. Em outra indústria uma carga com 400 toneladas de peso, transportada por duas pontes rolantes ao longo de um galpão de mais de 400 metros de comprimento em uma operação extremamente complexa, ao ser desviada de equipamentos recentemente instalados no trajeto das pontes veio a colidir contra um dos pilares do galpão provocando severas perdas. Houveram danos a uma das pontes rolantes, à carga transportada e ao pilar do galpão. O somatório dessas perdas representou mais de US$ 5,000,000.00. O acidente poderia ter sido previsto se houvesse um planejamento na disposição das cargas e dos equipamentos no interior do galpão. Acidentes como esses podem vir a ocorrer em empresas que realizam montagens mecânicas de grande porte. Quanto maiores forem as dimensões da carga maiores serão os riscos que podem advir desse transporte. Como forma de prevenir-se os danos físicos e materiais abordaremos a seguir alguns aspectos envolvendo o envolvimento de três itens existentes em uma operação de transporte. São eles: carga; cabos; máquinas de guindar. • Carga Toda carga movimentada deve estar bem arrumada ou disposta e perfeitamente amarrada, de forma que mudanças súbitas ocorridas tanto na direção quanto no sentido do trajeto não venham a provocar a queda ou o seu tombamento. Se a carga for única e com grande dimensão passam a ser necessários pontos de pega ou pontos de içamento. Se a carga for composta por vários volumes, o seu empilhamento deve ser feito de forma que o conjunto permaneça em equilíbrio. Se os volumes forem dispostos sobre estrado metálico ou de madeira, deverão ser projetados pontos de pega e de amarração das caixas. O estrado terá que ter resistência mecânica compatível com a carga apoiada sobre ele. Os pontos para içamento situar-se-ão de modo tal que o cruzamento das lingadas ou cabos de içamento não danifiquem própria carga. Isso quer dizer que os cabos devem estar, sempre que 331
  54. 54. possível, na vertical, partindo dos pontos de pega para o equipamento de içamento. Um exemplo disto é o apresentado esquematicamente a seguir: • • ← ponto de içamento → lingadas ← ← cargas errado → → certo Ao empilhar-se várias embalagens objetivando facilitar o manuseio das mesmas ou seu armazenamento, deve-se verificar as condições de resistência de cada embalagem, bem como as recomendações dos fabricantes, de modo que não haja o rompimento das embalagens inferiores pelo excesso das que estão acima, preservando assim as mercadorias nelas contidas. Alguns produtos são embalados com recomendações bastante explícitas para o transporte e estocagem. Essas recomendações devem-se não só em função do peso ou das dimensões das mercadorias como também do modo de serem transportadas. Por exemplo, não se pode empilhar mais do que 5 embalagens de televisores ou duas embalagens de geladeiras a fim de que as mercadorias não venham a se danificar ou tombem nos depósitos das lojas ou das transportadoras. O empilhamento pode ser limitado por normas de segurança em função do volume das substâncias estocadas. Essa situação ocorre principalmente com produtos extremamente voláteis, produtos que reagem em contato com o ar ou com outros produtos, substâncias inflamáveis ou corrosivas. Um exemplo de armazenamento de mercadorias sobre pallets é o esquematizado a seguir. É importante que os pallets possuam “pés” ou calços para proteger as mercadorias da infiltração de água. Se as mercadorias forem sensíveis a água os pallets serão de material plástico ou metálico. No nosso exemplo, o excesso de peso estar por esmagar a caixa debaixo, deformando a embalagem e pondo em risco o conteúdo da mesma. caixa esmagada pelo peso --> 332
  55. 55. • Cabos Cabos são elementos de amarração e de içamento de cargas. Podem ser constituídos por: fibra natural, fibra sintética ou aço. São confeccionados para oferecer grande resistência a esforços longitudinais. São comercializados com vários diâmetros, compatíveis com a carga que irão transportar. São constituídos pela união de vários fios retorcidos ao redor de um fio central, formando as pernas, as quais, por sua vez, são enroladas ao redor da alma do cabo. Nas indústrias, o cabo mais empregado e de maior durabilidade é o de aço, feito de arames de fio de aço. Inúmeros são os cuidados para prolongar-se a vida útil dos cabos. Um desses cuidados é o da verificação da capacidade de carga. A carga de trabalho de um cabo de uso geral, especialmente quando empregado na movimentação de cargas, não deve exceder a 1/5 da carga de ruptura mínima efetiva do mesmo. Qualquer esforço ou carga adicional põem em risco toda a operação. Os fatores de segurança mínimos, aplicáveis a cabos e cordoalhas de diversos usos são: Aplicação dos cabos de aço Coeficiente de Segurança Cabos e cordoalhas estáticas 03 a 04 Cabos para tração horizontal 04 a 05 Cabos para guinchos 05 Cabos para pás, guindastes, escavadeiras 05 Cabos para pontes rolantes 06 a 08 Cabos para talhas elétricas 07 Cabos para derricks 06 a 08 Cabos para laços (slings) 05 a 06 Cabos para elevadores de carga 08 a 10 Cabos para elevadores de passageiros 10 a 12 Para a composição dos arames na fabricação dos cabos de aço existem inúmeros modelos, dentre os quais destacamos: Seale, Filler e Warrington. Para a composição da alma dos cabos de aço pode-se empregar algum dos seguintes materiais abaixo: • alma de fibra natural; • alma de fibra artificial; • alma de aço formada por cabo independente; • alma de aço formada por uma perna. De acordo com a sua resistência os cabos de aço são classificados de várias maneiras. Uma das mais empregadas para cabos e cordoalhas para uso marítimo é a seguinte: • extra improved plow steel; • improved plow steel; • plow steel; • mild plow steel; 333
  56. 56. • traction steel. As almas de fibra, de modo geral, tornam o cabo mais flexível e leve, podendo ser de Rami, Sisal ou Polipropileno. Apresentam como desvantagens: deterioração quando em contato com a água ou com substâncias agressivas; fraca resistência ao esmagamento; aparecimento de gaiolas de passarinho (quando as pernas se abrem sob a forma de uma gaiola, com a alma do cabo em seu interior), etc.. As almas de aço garantem maior resistência aos amassamentos e aumentam a resistência dos cabos à tração. A lubrificação dos cabos de aço é muito importante para a proteção contra a corrosão, contribuindo também para o aumento da sua vida útil. Muitas empresas costumam envolver os cabos de aço com grossas camadas de graxa, não as removendo nem mesmo para inspecionar periodicamente os cabos. Ocorre que a graxa vai se contaminando com produtos químicos e resíduos e, por essa razão, termina sendo nociva ao cabo, afetando principalmente a alma do cabo. Os cabos de aço, quando em serviço, devem ser inspecionados periodicamente a fim de que a sua substituição seja determinada sem que seu estado chegue a apresentar perigo de ruptura. Em geral, uma inspeção compreende as seguintes análises: a) número de arames rompidos Deve-se anotar o número de arames rompidos em um passo ou em 5 passos do cabo (passo é a volta que uma perna faz ao redor da alma do cabo). Observar se as rupturas estão distribuídas uniformemente ou se estão concentradas em uma ou duas pernas apenas. Neste caso, há o perigo das pernas se romperem antes do rompimento do cabo. pernas que compõem o cabo alma do cabo b) arames gastos por abrasão Mesmo que os arames não cheguem a romper-se, podem atingir um ponto de desgaste tal em que há considerável diminuição do coeficiente de segurança do cabo, tornando inadequado ou contraindicando para muitos usos. A carga máxima suportada por um cabo está diretamente correlacionada ao somatório das áreas de cada um dos arames que o compõem. Assim, se essa área passa a ser menor em decorrência de uma abrasão, mesmo que superficial, a carga suportada pelo cabo também passa a ser menor. c) corrosão 334
  57. 57. Durante uma inspeção periódica deve-se verificar cuidadosamente se o cabo de aço: está sofrendo corrosão; se está sofrendo redução de diâmetro, mesmo que localizada, seja ela por esmagamento, por falta de pernas, por desgaste ou por corrosão. Uma outra hipótese para a redução do diâmetro é a decomposição da alma do cabo se de fibra natural ou artificial. A corrosão poder-se-á dar pelo ataque de substâncias químicas agressivas como também pelo contato com a água salgada, com o ar atmosférico, incidindo sob superfície desgastada por abrasão. Cabos que costumam ser arrastados sob superfícies duras estão muito mais sujeitos de ataque por corrosão. d) maus tratos e nós Deve-se inspecionar todo o comprimento do cabo para a verificação da existência de nós, ou de qualquer outra anormalidade que possa ocasionar um desgaste prematuro, ou a ruptura, principalmente junto às fixações. A periodicidade para a inspeção pode ser determinada: pelo fabricante do cabo; pelas condições de uso ou pelos esforços a que são submetidos. Qualquer deficiência encontrada já é um ponto negativo na análise. Os maus tratos referem-se à forma de como o cabo é manuseado. Os fatores que denotam bom uso são os seguintes: limpeza; ausência de nós (provocados pela maneira incorreta de enrolamento nas bobinas); ausência de sinais de corrosão ou de abrasão; ausência de fios rompidos; ausência de esmagamento de alma ou de fios do cabo. Máquinas de guindar Máquinas de guindar são equipamentos destinados ou empregados na elevação e na movimentação das cargas. As dimensões e capacidade devem ser compatíveis com as cargas a movimentar e com os locais de trânsito, de sorte a obter-se um melhor aproveitamento do equipamento. Se empilha-se cargas em prateleiras distantes umas das outras 1,50 metros, não se pode trabalhar com equipamentos de largura superior a essa. Os equipamentos mais comumente empregados no içamento e/ou transporte de cargas são: ⇒ elevadores; ⇒ gruas; ⇒ pórticos rolantes; ⇒ pontes rolantes; ⇒ empilhadeiras; ⇒ talhas; ⇒ tifors, e outras. Um outro aspecto importante é aquele que diz respeito ao acionamento das máquinas, principalmente o relacionado ao combustível empregado. Essa escolha é muito importante em função do 335
  58. 58. local onde o equipamento será operado. Os tipos mais comuns empregam: eletricidade, vapor, gasolina, Diesel ou gás. Os equipamentos a gás são mais indicados para locais onde a produção de fagulhas no cano de descarga é perigosa, capaz de gerar explosões em atmosferas contendo a presença de vapores inflamáveis. Para o manuseio de cargas com equipamentos apoiados no solo deve-se verificar previamente se o terreno está firme e se possui capacidade de suporte suficiente para o somatório dos pesos do próprio equipamento e da carga transportada. Para um equipamento com peso de 5 toneladas e que transporte 15 toneladas, a capacidade de resistência do piso deverá ser de no mínimo 20 toneladas. O índice de acidentes envolvendo o manuseio de cargas é bem grande devido a uma série de fatores, dentre os quais destacamos: imperícia do operador, acarretando tombamento, queda ou perda da carga transportada; defeitos mecânicos no equipamento, conduzindo à queda ou quebra da carga transportada; rompimento das lingadas, com a queda da carga; rompimento dos pontos de pega, com danos à carga ou a sua queda; tombamento da carga por má arrumação ou má estiva; tombamento da carga por excesso de velocidade do transporte, provocada, principalmente, por má arrumação ou falta de fixação; problemas com o piso, como buracos ou ondulações, que podem fazer com que os equipamentos de transporte das cargas se desequilibrem ou tombem; danos com o equipamento de içamento ou transporte, etc. Pelo fato do grande número de acidentes estar correlacionado a imperícia do operador, dever-se-á dar uma maior atenção a esse aspecto. Os acidentes mais comuns em que a imperícia é flagrante são os seguintes: • excesso de velocidade; • abalroamento por falta de visibilidade; • tombamento do veículo ou da carga; • queda da carga pela precariedade na amarração da mesma, e outras causas mais. As consequências desses acidentes podem ser conduzir a danos físicos ou materiais à pessoas, máquinas, equipamentos, mercadorias e construções. 336
  59. 59. Cuidados especiais adotados na Segurança Patrimonial 337

×