SlideShare uma empresa Scribd logo
CALDEIRAS E VASOS DE
PRESSÃO
Juarez Sabino da Silva Junior
Técnico de Segurança do
Trabalho
Caldeiras a Vapor
São equipamentos destinados a produzir e acumular
vapor sob pressão superior á atmosférica, utilizando
qualquer fonte de energia, excetuando se os
refervedores e equipamentos similares utilizados em
unidades de processo.
PMTP ou PMTA
Pressão máxima de trabalho permitido

Pressão máxima de trabalho admissível

É o maior valor de
pressão compatível com
o código de projeto, a
resistência
dos
materiais utilizados, as
dimensões
do
equipamento e seus
parâmetros
operacionais.
A Falta destes seguintes itens constitui em
risco grave e eminente
Válvula de segurança com pressão de abertura ajustada em
valor igual ou inferior a PMTA.

Instrumento que indique a pressão do vapor acumulado

Injetor ou outro meio de alimentação de água,
independentemente do sistema principal, em caldeiras a
combustível sólido.

Sistema de drenagem rápida de água, em caldeiras de
recuperação de álcalis.

Sistema de indicação para controle de água ou outro sistema
que evite o superaquecimento por alimentação.
Toda caldeira deve ter afixada em seu corpo,
placa de identificação com as seguintes
informações.

Fabricante
Número de ordem dado pelo fabricante da caldeira
Ano de fabricação
Pressão máxima de trabalho admissível
Pressão do teste hidrostático
Capacidade de produção de vapor
Área da superfície de aquecimento
Código de projeto e ano de edição
Categoria da caldeira
Registro de segurança
Os registros de segurança deve ser constituído de livro
próprio, com páginas numeradas, onde serão registradas:
Todas as ocorrências importantes capazes de influir nas
condições de segurança da caldeira.
As ocorrências das inspeções de segurança periódicas e
extraordinárias, devendo constar o nome legível e assinatura
de “Profissional Habilitado e de operador de caldeira presente
na ocasião da inspeção.
Prontuário da Caldeira
Toda caldeira deverá possuir prontuário, contendo as
seguintes informações:
Código de projeto e ano de edição
Especificação dos materiais
Procedimentos utilizados na fabricação montagem, inspeção
final e determinação da PMTA.
Conjunto de desenhos e demais dados necessários para o
monitoramento da vida útil da caldeira:
Características funcionais:
Dados dos dispositivos de segurança

Ano de fabricação
Categoria da caldeira
Categorias de Caldeiras
Categoria A
São aquelas cuja pressão de operação é
igual ou superior a 1960 kPa (19,98 Kgf/cm2).

Categoria C
São aquelas cuja pressão de operação é
igual ou inferior a 588 kPa (5,99 Kgf/cm2) e o volume interno é
igual ou inferior a 100 litros.
Categoria B
São todas as caldeiras que não e enquadram
nas categorias anteriores.

Obs: As caldeiras categoria A, deverão possuir painel de
instrumentos instalados em sala de controle.
Manual de Operação
Toda caldeira deve possuir este manual, atualizado em
língua portuguesa contendo no mínimo:

Procedimento de partidas e paradas

Procedimentos e parâmetros operacionais de rotina

Procedimentos para situações de emergência

Procedimentos gerais de segurança, saúde e de
preservação do meio ambiente.
Qualidade da água

A Qualidade da água deve ser controlada e tratamentos devem
ser implementados, quando necessários, para compatibilizar
suas propriedades físico – químicos com os parâmetros de
operação da caldeira.
Operador de caldeira – Requisitos
Possuir

certificado

de

“Treinamento

de

Segurança

na

Operação de Caldeiras” e comprovação de estágio prático.
Possuir certificado de “Treinamento de Segurança para
Operação de Caldeiras” previsto na NR-13.
Possuir comprovação de pelo menos 3 anos de experiência
nessa atividade, até 8 de maio de 1984.
Ter atestado de conclusão do 1°grau , para participar do
Treinamento de Segurança na Operação de Caldeiras.
Inspeção de Segurança
As caldeiras devem ser submetidas a inspeções de segurança
inicial, periódica e extraordinária.
A Inspeção de segurança inicial deve ser feita em caldeiras novas,
antes da entrada em funcionamento, devendo compreender exame
interno e externo e teste hidrostático e de acumulação.
Válvulas de Segurança
As válvulas de segurança devem
periodicamente conforme segue:

ser

inspecionadas

Pelo menos uma vez por mês, mediante acionamento manual
alavanca em operação, para caldeiras das categorias “B e C”.
Desmontando, inspecionando e testando, em bancada, as
válvulas flangeadas e, no campo, as válvulas soldadas,
recalibrando-as numa frequencia compátivel com a experiência
operacional da mesma para caldeiras “A e B”.
Vasos de Pressão
Os Vasos de Pressão são equipamentos que contém fluidos
sob pressão.
Trocador de calor
Tubulação, Válvulas
Bombas
Turbinas e ejetores
Compressores
Torres, vasos, tanques e reatores

Fornos
Caldeiras
Classificação dos Vasos de Pressão
Fluídos
Os Fluídos contidos nos vasos de pressão são classificados
conforme descrito a seguir:
CLASSE A – Fluídos inflamáveis
temperatura superior ou igual a 200° C.

–

combustível

com

Fluídos tóxicos com limite de tolerância igual ou inferior a 20
ppm;
Hidrogênio
Acetileno
Fluídos
CLASSE B – Fluídos combustíveis com temperatura inferior a
200°C.
CLASSE C - Vapor de água, gases asfixiantes simples ou ar
comprimido.
CLASSE D - Água ou outros fluídos não enquadrados nas
classes “A”, “B” ou “C”, com temperaturas superior a 50°C.
Risco Grave e iminente
Constitui risco grave e iminente a falta de qualquer um dos
seguintes itens:

Válvula ou outro dispositivo de segurança com pressão de
abertura ajustada em valor igual ou inferior a PMTA, instalada no
vaso de pressão.
Dispositivo de segurança contra bloqueio inadvertido da válvula
quando esta não estiver instalada diretamente no vaso.
Instrumento que indique a pressão de operação.
Realização do teste Hidrostático.
Documentação do Vaso de Pressão
Todo vaso de pressão deve possuir no estabelecimento onde
estiver instalado, as seguintes informações:
Prontuário do Vaso de Pressão
Registro de Segurança
Projeto de Instalação
Projeto de alteração ou Reparo
Relatório de Inspeção
Registro de Segurança
Este “registro de segurança” deve ser constituído por livro de
páginas numeradas, onde serão registradas:
Todas as ocorrências importantes capazes de influir nas
condições de segurança dos vasos.
As ocorrências de inspeção de segurança
Instalação de Vasos de Pressão
Todo vaso de pressão deve ser instalado de modo que todos
os drenos, respiros, bocas de visita e indicadores de nível,
pressão e temperatura, quando existentes, sejam facilmente
acessíveis.
Vasos de pressão instalados em
ambientes confinados
Quando os vasos de pressão forem instalados em ambientes
confinados, a instalação deve satisfazer os seguintes
requisitos:
Dispor de pelo menos duas saídas amplas, permanentemente
desobstruídas em direções distintas.
Dispor de acesso fácil e seguro para as atividades de
manutenção, operação e inspeção.
Dispor de ventilação permanente com entradas de ar que não
possam ser bloqueadas.
Dispor de iluminação conforme normas oficiais vigentes.
Possuir sistema de iluminação de emergência.
Treinamento de Segurança na Operação
de Unidades.
A operação de unidades que possuam vasos de pressão de
categoria “I ou II” deve ser efetuada por profissional com
“Treinamento de Segurança na Operação de Unidades”.
Intervenções que exijam soldagem
Todas as intervenções que exijam soldagem em partes que
operem sob pressão devem ser seguidas de teste hidrostático
Inspeção de Segurança de Vasos de
Pressão
Inspeção de Segurança Inicial
Deve ser feita em
vasos novos, antes de sua entrada em funcionamento,
devendo compreender exame externo, interno e teste
hidrostático.
Inspeção de segurança periódica
É constituída por
exame externo, interno e teste hidrostático, deve obedecer aos
seguintes prazos máximos estabelecidos no próximo slides.

Inspeção extraordinária
controle operacional.

Quando algo foge do
Inspeção de Segurança Extraordinária de
Vasos de Pressão
Este tipo de inspeção deve ser feita nas seguintes oportunidades:
Sempre que o vaso for danificado por acidente ou outra
ocorrência que comprometa sua segurança.
Quando o vaso for submetido a reparo, capazes de alterar sua
condição de segurança.
Quando permanecer inativo por mais de 12 meses.
Quando houver alteração de local de instalação do vaso.
Prazos máximos de inspeção de segurança – Empresas que não
possuam serviço próprio de inspeção de equipamentos

Categoria do
vaso

Exame externo

Exame Interno

Teste
Hidrostático

I

1 ANO

3 ANOS

6 ANOS

II

2 ANOS

4 ANOS

8 ANOS

III

3 ANOS

6 ANOS

12 ANOS

IV

4 ANOS

8 ANOS

16 ANOS

V

5 ANOS

10 ANOS

20 ANOS
Prazos máximos de inspeção de segurança – Empresas que
possuam serviço próprio de inspeção de equipamentos

Categoria do
vaso

Exame externo

Exame interno

Teste
Hidrostático

I

3 ANOS

6 ANOS

12 ANOS

II

4 ANOS

8 ANOS

16 ANOS

III

5 ANOS

10 ANOS

a critério

IV

6 ANOS

12 ANOS

a critério

v

7 anos

a critério

a critério
Inspeção de Segurança de Vasos de
Pressão
Vasos de pressão que não permitam o exame interno ou externo por
impossibilidade física devem ser alternativamente submetidos a teste
hidrostático.
OBRIGADO PELA ATENÇÃO

Juarez Sabino da Silva Junior
Técnico de Segurança do Trabalho
juarezsabino@hotmail.com
9163 51 63

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (19)

Nr 13 vaso pressão (1)
Nr 13 vaso pressão (1)Nr 13 vaso pressão (1)
Nr 13 vaso pressão (1)
 
Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)
 
Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00
 
Nr 13
Nr 13Nr 13
Nr 13
 
Resumo nr
Resumo nrResumo nr
Resumo nr
 
Apresentacao Tcc
Apresentacao TccApresentacao Tcc
Apresentacao Tcc
 
Caldeiras e vasos de pressão
Caldeiras e vasos de pressãoCaldeiras e vasos de pressão
Caldeiras e vasos de pressão
 
Vasos de pressao (1)
Vasos de pressao (1)Vasos de pressao (1)
Vasos de pressao (1)
 
File id75
File id75File id75
File id75
 
NR 13
NR 13NR 13
NR 13
 
Tst aula 07
Tst   aula 07Tst   aula 07
Tst aula 07
 
Manual vasos
Manual vasosManual vasos
Manual vasos
 
Manual de caldeiras e vasos de pressão
Manual de caldeiras e vasos de pressãoManual de caldeiras e vasos de pressão
Manual de caldeiras e vasos de pressão
 
Questionário de caldeiras e vasos de pressão
Questionário de caldeiras e vasos de pressãoQuestionário de caldeiras e vasos de pressão
Questionário de caldeiras e vasos de pressão
 
Aula
AulaAula
Aula
 
Nova norma nr 13
Nova norma nr 13Nova norma nr 13
Nova norma nr 13
 
Elementos Finais de Controle
Elementos Finais de ControleElementos Finais de Controle
Elementos Finais de Controle
 
Exemplo de curso nr 13 - segurança na operação de caldeiras e unidades de pro...
Exemplo de curso nr 13 - segurança na operação de caldeiras e unidades de pro...Exemplo de curso nr 13 - segurança na operação de caldeiras e unidades de pro...
Exemplo de curso nr 13 - segurança na operação de caldeiras e unidades de pro...
 
6397656 apresentacao-nr-13[1]
6397656 apresentacao-nr-13[1]6397656 apresentacao-nr-13[1]
6397656 apresentacao-nr-13[1]
 

Destaque

Guião de leitura2
Guião de leitura2Guião de leitura2
Guião de leitura2Ana Luis
 
Cookies
CookiesCookies
Cookiesgannp
 
Aparato urinario
Aparato urinarioAparato urinario
Aparato urinarioyair flores
 
Presentación en tiempo de abuelos2
Presentación en tiempo de abuelos2Presentación en tiempo de abuelos2
Presentación en tiempo de abuelos2proyectoauaunquillo
 
BD Startup Labs_Strategeek_v3
BD Startup Labs_Strategeek_v3BD Startup Labs_Strategeek_v3
BD Startup Labs_Strategeek_v3Sidrat Talukder
 
El yen (autoguardado)
El yen (autoguardado)El yen (autoguardado)
El yen (autoguardado)EMILIO FLORES
 
En världsomsnegling: jorden runt på trettio semesterdagar
En världsomsnegling: jorden runt på trettio semesterdagarEn världsomsnegling: jorden runt på trettio semesterdagar
En världsomsnegling: jorden runt på trettio semesterdagarStefan Högberg
 
2013_造形スタジオ_13n1115
2013_造形スタジオ_13n11152013_造形スタジオ_13n1115
2013_造形スタジオ_13n111513n1115
 
Es virus
Es virusEs virus
Es virusleandra
 
Liquid vs Granular Fertilizer
Liquid vs Granular FertilizerLiquid vs Granular Fertilizer
Liquid vs Granular FertilizerAquaSoil SS Corp
 
Regimen de servicio civil
Regimen de servicio civilRegimen de servicio civil
Regimen de servicio civilJulio Combe
 
Tejido crochet 2013
Tejido crochet 2013Tejido crochet 2013
Tejido crochet 2013mdqutn
 
54 rapport cdsp 2011
54 rapport cdsp 201154 rapport cdsp 2011
54 rapport cdsp 2011CCDH75
 

Destaque (20)

Guião de leitura2
Guião de leitura2Guião de leitura2
Guião de leitura2
 
Cookies
CookiesCookies
Cookies
 
Credentials20001
Credentials20001Credentials20001
Credentials20001
 
Aparato urinario
Aparato urinarioAparato urinario
Aparato urinario
 
Reto
RetoReto
Reto
 
Presentación en tiempo de abuelos2
Presentación en tiempo de abuelos2Presentación en tiempo de abuelos2
Presentación en tiempo de abuelos2
 
Policia municipal de aguirre
Policia municipal de aguirrePolicia municipal de aguirre
Policia municipal de aguirre
 
Omar dueñas
Omar dueñasOmar dueñas
Omar dueñas
 
BD Startup Labs_Strategeek_v3
BD Startup Labs_Strategeek_v3BD Startup Labs_Strategeek_v3
BD Startup Labs_Strategeek_v3
 
El yen (autoguardado)
El yen (autoguardado)El yen (autoguardado)
El yen (autoguardado)
 
En världsomsnegling: jorden runt på trettio semesterdagar
En världsomsnegling: jorden runt på trettio semesterdagarEn världsomsnegling: jorden runt på trettio semesterdagar
En världsomsnegling: jorden runt på trettio semesterdagar
 
2013_造形スタジオ_13n1115
2013_造形スタジオ_13n11152013_造形スタジオ_13n1115
2013_造形スタジオ_13n1115
 
Os animais
Os animaisOs animais
Os animais
 
Es virus
Es virusEs virus
Es virus
 
Liquid vs Granular Fertilizer
Liquid vs Granular FertilizerLiquid vs Granular Fertilizer
Liquid vs Granular Fertilizer
 
project_plan
project_planproject_plan
project_plan
 
Regimen de servicio civil
Regimen de servicio civilRegimen de servicio civil
Regimen de servicio civil
 
Orgutleme
OrgutlemeOrgutleme
Orgutleme
 
Tejido crochet 2013
Tejido crochet 2013Tejido crochet 2013
Tejido crochet 2013
 
54 rapport cdsp 2011
54 rapport cdsp 201154 rapport cdsp 2011
54 rapport cdsp 2011
 

Semelhante a Caldeiras e-vasos-de-pressao

Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............
Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............
Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............TRISEGENGENHARIAEMED
 
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdfsegurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdfWCTreinamentos
 
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.pptSobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.pptluasiq47
 
NR 13 APRESENTAÇÃO.pdf
NR 13 APRESENTAÇÃO.pdfNR 13 APRESENTAÇÃO.pdf
NR 13 APRESENTAÇÃO.pdfssuser22319e
 
Treinamento de NR-13.pptx
Treinamento de NR-13.pptxTreinamento de NR-13.pptx
Treinamento de NR-13.pptxEvertonDias41
 
Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23stoc3214
 
Carga e descarga de amônia gás anidra informações técnicas(1)
Carga e descarga de amônia gás anidra   informações técnicas(1)Carga e descarga de amônia gás anidra   informações técnicas(1)
Carga e descarga de amônia gás anidra informações técnicas(1)Marcelo Faustino
 
NR-13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO 006.pptx
NR-13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO 006.pptxNR-13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO 006.pptx
NR-13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO 006.pptxBernardo628487
 
Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)Universiy
 

Semelhante a Caldeiras e-vasos-de-pressao (20)

Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............
Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............
Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............
 
Apresentao NR-13.ppt
Apresentao NR-13.pptApresentao NR-13.ppt
Apresentao NR-13.ppt
 
Apresentação NR-13.ppt
Apresentação NR-13.pptApresentação NR-13.ppt
Apresentação NR-13.ppt
 
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdfsegurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
 
1268972.ppt
1268972.ppt1268972.ppt
1268972.ppt
 
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.pptSobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
 
Vasos sob Presso.ppt
Vasos sob Presso.pptVasos sob Presso.ppt
Vasos sob Presso.ppt
 
NR 13 APRESENTAÇÃO.pdf
NR 13 APRESENTAÇÃO.pdfNR 13 APRESENTAÇÃO.pdf
NR 13 APRESENTAÇÃO.pdf
 
Treinamento de NR-13.pptx
Treinamento de NR-13.pptxTreinamento de NR-13.pptx
Treinamento de NR-13.pptx
 
nr-13.pptx
nr-13.pptxnr-13.pptx
nr-13.pptx
 
6397656 apresentacao-nr-13
6397656 apresentacao-nr-136397656 apresentacao-nr-13
6397656 apresentacao-nr-13
 
Vaso pressão (1)
Vaso pressão (1)Vaso pressão (1)
Vaso pressão (1)
 
Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23
 
Cartilha NR-13.ppt
Cartilha NR-13.pptCartilha NR-13.ppt
Cartilha NR-13.ppt
 
Carga e descarga de amônia gás anidra informações técnicas(1)
Carga e descarga de amônia gás anidra   informações técnicas(1)Carga e descarga de amônia gás anidra   informações técnicas(1)
Carga e descarga de amônia gás anidra informações técnicas(1)
 
383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor
 
Vasodepressao
VasodepressaoVasodepressao
Vasodepressao
 
NR-13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO 006.pptx
NR-13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO 006.pptxNR-13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO 006.pptx
NR-13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO 006.pptx
 
Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)
 
File id75
File id75File id75
File id75
 

Mais de Andrerlã Siqueira

Mais de Andrerlã Siqueira (8)

Curso análise ergonômica
Curso análise ergonômicaCurso análise ergonômica
Curso análise ergonômica
 
Modelo de análise de risco
Modelo de análise de riscoModelo de análise de risco
Modelo de análise de risco
 
Modelo de análise de risco
Modelo de análise de riscoModelo de análise de risco
Modelo de análise de risco
 
Higiene industrial e segurança do trabalho
Higiene industrial e segurança do trabalhoHigiene industrial e segurança do trabalho
Higiene industrial e segurança do trabalho
 
Cumulativa periculosidade x salubridade
Cumulativa periculosidade x salubridadeCumulativa periculosidade x salubridade
Cumulativa periculosidade x salubridade
 
Dinheiro
DinheiroDinheiro
Dinheiro
 
Cronograma de execução
Cronograma de execuçãoCronograma de execução
Cronograma de execução
 
Projetos de instalacoes
Projetos de instalacoesProjetos de instalacoes
Projetos de instalacoes
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 

Último (20)

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 

Caldeiras e-vasos-de-pressao

  • 1. CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho
  • 2. Caldeiras a Vapor São equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior á atmosférica, utilizando qualquer fonte de energia, excetuando se os refervedores e equipamentos similares utilizados em unidades de processo.
  • 3. PMTP ou PMTA Pressão máxima de trabalho permitido Pressão máxima de trabalho admissível É o maior valor de pressão compatível com o código de projeto, a resistência dos materiais utilizados, as dimensões do equipamento e seus parâmetros operacionais.
  • 4. A Falta destes seguintes itens constitui em risco grave e eminente Válvula de segurança com pressão de abertura ajustada em valor igual ou inferior a PMTA. Instrumento que indique a pressão do vapor acumulado Injetor ou outro meio de alimentação de água, independentemente do sistema principal, em caldeiras a combustível sólido. Sistema de drenagem rápida de água, em caldeiras de recuperação de álcalis. Sistema de indicação para controle de água ou outro sistema que evite o superaquecimento por alimentação.
  • 5. Toda caldeira deve ter afixada em seu corpo, placa de identificação com as seguintes informações. Fabricante Número de ordem dado pelo fabricante da caldeira Ano de fabricação Pressão máxima de trabalho admissível Pressão do teste hidrostático Capacidade de produção de vapor Área da superfície de aquecimento Código de projeto e ano de edição Categoria da caldeira
  • 6. Registro de segurança Os registros de segurança deve ser constituído de livro próprio, com páginas numeradas, onde serão registradas: Todas as ocorrências importantes capazes de influir nas condições de segurança da caldeira. As ocorrências das inspeções de segurança periódicas e extraordinárias, devendo constar o nome legível e assinatura de “Profissional Habilitado e de operador de caldeira presente na ocasião da inspeção.
  • 7. Prontuário da Caldeira Toda caldeira deverá possuir prontuário, contendo as seguintes informações: Código de projeto e ano de edição Especificação dos materiais Procedimentos utilizados na fabricação montagem, inspeção final e determinação da PMTA. Conjunto de desenhos e demais dados necessários para o monitoramento da vida útil da caldeira: Características funcionais: Dados dos dispositivos de segurança Ano de fabricação Categoria da caldeira
  • 8. Categorias de Caldeiras Categoria A São aquelas cuja pressão de operação é igual ou superior a 1960 kPa (19,98 Kgf/cm2). Categoria C São aquelas cuja pressão de operação é igual ou inferior a 588 kPa (5,99 Kgf/cm2) e o volume interno é igual ou inferior a 100 litros. Categoria B São todas as caldeiras que não e enquadram nas categorias anteriores. Obs: As caldeiras categoria A, deverão possuir painel de instrumentos instalados em sala de controle.
  • 9. Manual de Operação Toda caldeira deve possuir este manual, atualizado em língua portuguesa contendo no mínimo: Procedimento de partidas e paradas Procedimentos e parâmetros operacionais de rotina Procedimentos para situações de emergência Procedimentos gerais de segurança, saúde e de preservação do meio ambiente.
  • 10. Qualidade da água A Qualidade da água deve ser controlada e tratamentos devem ser implementados, quando necessários, para compatibilizar suas propriedades físico – químicos com os parâmetros de operação da caldeira.
  • 11. Operador de caldeira – Requisitos Possuir certificado de “Treinamento de Segurança na Operação de Caldeiras” e comprovação de estágio prático. Possuir certificado de “Treinamento de Segurança para Operação de Caldeiras” previsto na NR-13. Possuir comprovação de pelo menos 3 anos de experiência nessa atividade, até 8 de maio de 1984. Ter atestado de conclusão do 1°grau , para participar do Treinamento de Segurança na Operação de Caldeiras.
  • 12. Inspeção de Segurança As caldeiras devem ser submetidas a inspeções de segurança inicial, periódica e extraordinária. A Inspeção de segurança inicial deve ser feita em caldeiras novas, antes da entrada em funcionamento, devendo compreender exame interno e externo e teste hidrostático e de acumulação.
  • 13. Válvulas de Segurança As válvulas de segurança devem periodicamente conforme segue: ser inspecionadas Pelo menos uma vez por mês, mediante acionamento manual alavanca em operação, para caldeiras das categorias “B e C”. Desmontando, inspecionando e testando, em bancada, as válvulas flangeadas e, no campo, as válvulas soldadas, recalibrando-as numa frequencia compátivel com a experiência operacional da mesma para caldeiras “A e B”.
  • 14. Vasos de Pressão Os Vasos de Pressão são equipamentos que contém fluidos sob pressão. Trocador de calor Tubulação, Válvulas Bombas Turbinas e ejetores Compressores Torres, vasos, tanques e reatores Fornos Caldeiras
  • 15. Classificação dos Vasos de Pressão Fluídos Os Fluídos contidos nos vasos de pressão são classificados conforme descrito a seguir: CLASSE A – Fluídos inflamáveis temperatura superior ou igual a 200° C. – combustível com Fluídos tóxicos com limite de tolerância igual ou inferior a 20 ppm; Hidrogênio Acetileno
  • 16. Fluídos CLASSE B – Fluídos combustíveis com temperatura inferior a 200°C. CLASSE C - Vapor de água, gases asfixiantes simples ou ar comprimido. CLASSE D - Água ou outros fluídos não enquadrados nas classes “A”, “B” ou “C”, com temperaturas superior a 50°C.
  • 17. Risco Grave e iminente Constitui risco grave e iminente a falta de qualquer um dos seguintes itens: Válvula ou outro dispositivo de segurança com pressão de abertura ajustada em valor igual ou inferior a PMTA, instalada no vaso de pressão. Dispositivo de segurança contra bloqueio inadvertido da válvula quando esta não estiver instalada diretamente no vaso. Instrumento que indique a pressão de operação. Realização do teste Hidrostático.
  • 18. Documentação do Vaso de Pressão Todo vaso de pressão deve possuir no estabelecimento onde estiver instalado, as seguintes informações: Prontuário do Vaso de Pressão Registro de Segurança Projeto de Instalação Projeto de alteração ou Reparo Relatório de Inspeção
  • 19. Registro de Segurança Este “registro de segurança” deve ser constituído por livro de páginas numeradas, onde serão registradas: Todas as ocorrências importantes capazes de influir nas condições de segurança dos vasos. As ocorrências de inspeção de segurança
  • 20. Instalação de Vasos de Pressão Todo vaso de pressão deve ser instalado de modo que todos os drenos, respiros, bocas de visita e indicadores de nível, pressão e temperatura, quando existentes, sejam facilmente acessíveis.
  • 21. Vasos de pressão instalados em ambientes confinados Quando os vasos de pressão forem instalados em ambientes confinados, a instalação deve satisfazer os seguintes requisitos: Dispor de pelo menos duas saídas amplas, permanentemente desobstruídas em direções distintas. Dispor de acesso fácil e seguro para as atividades de manutenção, operação e inspeção. Dispor de ventilação permanente com entradas de ar que não possam ser bloqueadas. Dispor de iluminação conforme normas oficiais vigentes. Possuir sistema de iluminação de emergência.
  • 22. Treinamento de Segurança na Operação de Unidades. A operação de unidades que possuam vasos de pressão de categoria “I ou II” deve ser efetuada por profissional com “Treinamento de Segurança na Operação de Unidades”.
  • 23. Intervenções que exijam soldagem Todas as intervenções que exijam soldagem em partes que operem sob pressão devem ser seguidas de teste hidrostático
  • 24. Inspeção de Segurança de Vasos de Pressão Inspeção de Segurança Inicial Deve ser feita em vasos novos, antes de sua entrada em funcionamento, devendo compreender exame externo, interno e teste hidrostático. Inspeção de segurança periódica É constituída por exame externo, interno e teste hidrostático, deve obedecer aos seguintes prazos máximos estabelecidos no próximo slides. Inspeção extraordinária controle operacional. Quando algo foge do
  • 25. Inspeção de Segurança Extraordinária de Vasos de Pressão Este tipo de inspeção deve ser feita nas seguintes oportunidades: Sempre que o vaso for danificado por acidente ou outra ocorrência que comprometa sua segurança. Quando o vaso for submetido a reparo, capazes de alterar sua condição de segurança. Quando permanecer inativo por mais de 12 meses. Quando houver alteração de local de instalação do vaso.
  • 26. Prazos máximos de inspeção de segurança – Empresas que não possuam serviço próprio de inspeção de equipamentos Categoria do vaso Exame externo Exame Interno Teste Hidrostático I 1 ANO 3 ANOS 6 ANOS II 2 ANOS 4 ANOS 8 ANOS III 3 ANOS 6 ANOS 12 ANOS IV 4 ANOS 8 ANOS 16 ANOS V 5 ANOS 10 ANOS 20 ANOS
  • 27. Prazos máximos de inspeção de segurança – Empresas que possuam serviço próprio de inspeção de equipamentos Categoria do vaso Exame externo Exame interno Teste Hidrostático I 3 ANOS 6 ANOS 12 ANOS II 4 ANOS 8 ANOS 16 ANOS III 5 ANOS 10 ANOS a critério IV 6 ANOS 12 ANOS a critério v 7 anos a critério a critério
  • 28. Inspeção de Segurança de Vasos de Pressão Vasos de pressão que não permitam o exame interno ou externo por impossibilidade física devem ser alternativamente submetidos a teste hidrostático.
  • 29. OBRIGADO PELA ATENÇÃO Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho juarezsabino@hotmail.com 9163 51 63