SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
VASOS DE PRESSÃO
Welding Soldagem e Inspeções Ltda
Benedito Campanha
Objetivo
É promover um debate e assim
estabelecer uma nova visão
para as inspeções de acordo
com a norma regulamentadora
NR-13.
Considerações Iniciais
• O que contempla a NR-13?
–
–
–
–

Edição
Segurança
PH (Profissional Habilitado)
Suportada por uma ou mais normas de
fabricação

• Histórico das inspeções
–
–
–
–

Como eram feitas
Atendimento à NR-13 (documentação)
Inspeção além do vaso
Arquivo dos documentos
Considerações Iniciais
• Dificuldade da inspeção:
–
–
–
–
–
–
–
–

Limpeza
Acesso para inspeção
Reconstituição da documentação
Desenhos - Vasos fabricados ou modificados
Dispositivos de segurança sem identificação
Tempo para inspeção
Vaso com limite da vida útil ultrapassado
Dimensionamento da firma inspetora
Considerações Iniciais
• Estratégia para resolver o problema
• Identificação de todos os vasos
• Definir prioridades para inspeção
• Elaboração da documentação
• Treinamento
• Coordenação

– Avaliação dos resultados
• Reparos que constitui risco grave e
iminente
• Reparos programáveis
Considerações Iniciais
• Fabricação de vasos novos
– Responsabilidade do comprador
– Responsabilidade do fabricante
Assuntos a serem abordados
1. Vasos de Pressão - Disposições Gerais
2. Enquadramento do Vaso de Pressão
3. Documentação
4. Placa de Identificação
5. Dispositivos de Segurança
6. Risco Grave e Iminente
7. Inspeções
8. Data-book
9. Discussão de Casos Práticos
10. Conclusão
1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais

Documentação
A documentação que deve acompanhar os vasos
de pressão durante toda a sua vida útil. Esta
documentação compõe o histórico do vaso de
pressão, cobrindo tanto o período anterior à
operação (projeto, fabricação e montagem),
quanto o período em serviço (ocorrências
operacionais, inspeção e manutenção). Este
conjunto de informações é necessário para a
determinação os limites operacionais e a vida
residual dos vasos de pressão.
1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais

Instalação do Vaso de Pressão
Neste capítulo, é citado a necessidade
de se ter à vista os medidores de
temperatura, pressão e nível para
facilitar a rápida verificação, sendo
também necessária a presença de rotas
de fuga, iluminação e ventilação
adequadas, para que haja segurança
para os operadores no campo.
1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais

Segurança na Operação de Vaso de
Pressão

A segurança na operação dos
vasos de pressão tem seu capítulo
focado no uso de procedimentos
escritos e na qualificação dos
operadores.
1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais

Segurança na Manutenção do Vaso de
Pressão
O objetivo é garantir que qualquer reparo
ou serviço que venha a ser realizado
tenha a sua qualidade garantida. Para tal,
é necessário que seja implementado um
“Projeto de alteração ou reparo”, que
deve contemplar todos os procedimentos
normativos para a execução do serviço.
1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais

Inspeção de Segurança do Vaso de
Pressão
Define que os vasos de pressão devem sofrer
inspeções de segurança inicial, periódicas e
extraordinárias. As periódicas têm seu intervalo
máximo, definidos em função do risco de falha
com base no produto “PV” e da classificação do
fluído. Esta forma de classificar o risco leva em
consideração somente os aspectos relacionados
com a conseqüência de uma falha estrutural, o que
torna a matriz da NR-13 “estática”, isto é, os
equipamentos apresentarão o mesmo risco
durante toda a vida.
1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais

DISCUSSÃO:
A NR-13 estabelece para os vasos de pressão uma
classificação que define os intervalos máximos
entre inspeções,se for realizada uma inspeção de
melhor ou pior qualidade nos períodos
determinados pela NR-13, não há um mecanismo
na Norma que permite estabelecer diretamente se
o risco após a inspeção está ou não adequado
para o vaso operar pelo tempo de campanha
previsto.
API 581 Inspeção baseada em risco
INI

Inspeção não intrusiva
2 - Enquadramento do Vaso de Pressão

• O que a NR-13 considera como
Vaso de Pressão?
• Como enquadrá-los?
- Grupo potencial de risco
- Classe do fluido
2 - Enquadramento do Vaso de Pressão

Por exemplo:
Um vaso que opera com vapor a 2 kgf/cm2 de pessão e possui um volume de 2 m3
Vamos verificar se ele é um vaso de pressão através do produto P x V > 8 onde:
- P = KPA sendo que 1 kgf/cm2 = 98,066 KPA
- V = m3
Fazendo as contas, temos: P (196,132 KPA) x V (2 m3) = 392,2
Portanto, 392,2 é > que 8, logo é considerado um vaso de pressão!

Agora vamos verificar o GRUPO POTENCIAL DE RISCO
1 Kgf/cm2 = 0,098 MPA
Então temos 2 Kgf/cm2 de vapor, que é equivalente a 0,196 MPA
P (0,196) x V (2 m3)

=

0,392
2 - Enquadramento do Vaso de Pressão
CLASSIFICAÇÃO DO FLUIDO DOS VASOS DE PRESSÃO
1 - PARA EFEITO DESTA NR OS VASOS DE PRESSÃO SÃO CLASSIFICADOS EM CATEGORIAS
SEGUNDO O TIPO DE FLUIDO E O POTENCIAL DE RISCO.

1.1 Os fluidos contidos nos vasos de pressão são classificados conforme descrito a seguir:
CLASSE “A”:
- Fluidos inflamáveis - combustível com temperatura superior ou igual a 200ºC;
- Fluidos tóxicos com limite de tolerância igual ou inferior a 20 ppm;
- Hidrogênio;
- Acetileno.
CLASSE "B”:
- Fluidos combustíveis com temperatura inferior a 200°C;
- Fluidos tóxicos com limite de tolerância superior a 20 ppm.
CLASSE “C”:
- Vapor de água, gases asfi-xiantes simples ou ar comprimido.
CLASSE “D":
- Água ou outros fluidos não enquadrados nas classes “A”, “B” ou "C", com
temperatura superior a 50°C.
3 - Documentação
Todo vaso de pressão deve possuir, no
estabelecimento onde estiver instalado, a seguinte
documentação devidamente atualizada:
a) Prontuário do Vaso de Pressão;
b) Registro de Segurança;
c) Projeto de Instalação;
d) Projetos de Alteração ou Reparo;
e) Manual de Operação;
f) Certificado de Treinamento dos Operadores;
g) Relatórios de Inspeção.
3 - Documentação (Prontuário)

a) Prontuário do Vaso de Pressão, a ser fornecido pelo
fabricante, contendo as seguintes informações:
- código de projeto e ano de edição;
- especificação dos materiais;
- procedimentos utilizados na fabricação,
montagem e inspeção final e determinação da
PMTA;
- conjunto de desenhos e demais dados
necessários para o monitoramento da sua vida útil;
- características funcionais;
- dados dos dispositivos do segurança;
- ano de fabricação;
- categoria do vaso.
3 - Documentação (Registro de Segurança)

a) todas as ocorrências importantes
capazes de influir nas condições de
segurança dos vasos;
b) as ocorrências de inspeção de
segurança.
3 - Documentação (Projeto de Instalação)

O "Projeto de Instalação" deve
conter pelo menos a planta baixa
do
estabelecimento,
com
o
posicionamento e a categoria de
cada vaso e das instalações de
segurança.
a) dispor de pelo menos duas saldas amplas,
permanentemente desobstruídas e dispostas em
direções distintas;
b) dispor de acesso fácil e seguro para as atividades
de manutenção, operação e inspeção, sendo que, para
guarda-corpos vazados, os vãos devem ter dimensões
que impeçam a queda de pessoas;
c) dispor de ventilação permanente com entradas de ar
que não possam ser bloqueadas;
d) dispor de iluminação conforme normas oficiais
vigentes;
e) possuir sistema de iluminação de emergência.
13.7.4 - Constitui risco grave e iminente
o não atendimento às seguintes
alíneas:
- "a", "c", "e" para vasos instalados em
ambientes confinados;
- “a” para vasos instalados em
ambientes abertos;
- "e” para vasos instalados em
ambientes abertos e que operem à
noite.
Quando o estabelecimento não
puder atender o disposto no item
anterior, deve ser elaborado
“Projeto Alternativo de Instalação”
com medidas complementares de
segurança que permitam a
atenuação dos riscos.
3 - Documentação (Manual de Operação)

Todo vaso de pressão enquadrado nas
categorias “I” e “II” deve possuir Manual de
Operação de fácil acesso aos operadores.
a) procedimentos de partidas e paradas;
b) procedimentos e parâmetros operacionais de
rotina;
e) procedimentos para situações de
emergência;
d) procedimentos gerais de segurança, saúde e
de preservação do meio ambiente.
3 - Documentação (Projetos de Alteração e Reparo)

“Projetos de Alteração ou Reparo” devem ser
concebidos previamente nas seguintes situações:
a) sempre que as condições de projeto forem
modificadas;
b) sempre que forem realizados reparos que
possam comprometer a segurança.
Reparos ou alterações que envolvam as
especialidades de eletrecidade, eletrônicas ou
química deverão ser concebidos e assinados por
profissionais legalmente habilitados.
3 - Documentação (Certificado de Treinamento)

A operação de unidades que possuam vasos de pressão de
categoria "I" ou “II” deve ser efetuada por profissional com
“Treinamento de Segurança na Operação de Unidades de
Processo", sendo que o não atendimento a esta exigência
caracteriza condição de risco grave e iminente.
Todo profissional com "Treinamento de Segurança na
Operação de Unidades de Processo", deve cumprir estágio
prático, supervisionado, na operação de vasos de pressão com
as seguintes durações mínimas:
a) 300 (trezentas) horas para vasos de categorias “I" ou "II";
b) 100 (cem) horas para vasos de categorias "III", "IV" ou "V"
3 - Documentação (Relatório)

O Relatório de inspeção deve conter no mínimo:
a) identificação do vaso de pressão;
b) fluidos de serviços e categoria do vaso de pressão;
c) tipo do vaso de pressão;
d) data de inicio e término da inspeção;
e) tipo de inspeção executada;
f) descrição dos exames e testes executados;
g) resultado das inspeções e intervenções executadas;
h) conclusões;
i) recomendações e providências necessárias;
j) data prevista para a próxima inspeção;
k) nome legível, assinatura e número do registro no conselho
profissional do "Profissio­nal Habilitado", nome legível e
assinatura de técnicos que participaram da inspeção.
Placa de Identificação
5 - Dispositivos de Segurança

As válvulas de segurança dos vasos de
pressão devem ser desmontadas,
inspecionadas e recalibradas por ocasião do
exame interno periódico.
Os serviços previstos nesse item poderão
ser realizados pela remoção da válvula e
deslocamento para oficina ou no próprio
local de instalação.
5 - Dispositivos de Segurança

Conforme ASME VIII , Boiler &
Pressure Vessel Code, Division 1, part
UG-126, page 94:
Todos os vasos de pressão devem ser
protegidos por uma válvula de alívio de
pressão, que deve garantir que a
pressão não suba acima de 10% ou 3
psi da pressão máxima de trabalho
admissível (PMTA).
6 - Risco Grave e Iminente

O que é risco grave e iminente?
A falta de:
a) válvula ou outro dispositivo de segurança com
pressão de abertura ajustada em valor igual ou
inferior a PMTA, instalada diretamente no vaso ou no
sistema que o inclui;
b) dispositivo de segurança contra bloqueio
inadvertido da válvula quando esta não estiver
instalada diretamente no vaso:
c) instrumento que indique a pressão de operação.
d) A operação de qualquer vaso de pressão em
condições diferentes das previstas no projeto
original.
7 - Inspeção

Os vasos de pressão devem
ser submetidos a inspeções
de segurança inicial,
periódico e extraordinária.
7 - Inspeção

A inspeção de segurança periódica, constituída por exame
externo, interno e teste hidrostático, deve obedecer aos
seguintes prazos máximos estabelecidos a seguir:
a) Para estabelecimentos que não possuam “Serviço
Próprio de Inspeção de Equipamentos”.
CATEGORIA DO
VASO

EXAME
EXTERNO

EXAME
INTERNO

TESTE
HIDROSTÁTICO

I

1 ANO

3 ANOS

6 ANOS

II

2 ANOS

4 ANOS

8 ANOS

III

3 ANOS

6 ANOS

12 ANOS

IV

4 ANOS

8 ANOS

16 ANOS

V

5 ANOS

10 ANOS

20 ANOS
7 - Inspeção

Vasos de pressão que não
permitam o exame interno ou
externo por impossibilidade
física devem ser
alternativamente submetidos a
teste hidrostático.
7 - Inspeção

Teste Hidrostático
Quando for tecnicamente inviável e mediante anotação no "Registro de
Segurança" pelo “Profissional Habilitado", o teste hidrostático pode ser
substituído por outra técnica de ensaio não-destrutivo ou inspeção que
permita obter segurança equivalente.

Considera-se como razões técnicas que inviabilizam o teste
hidrostático:
a) resistência estrutural da fundação ou da sustentação do
vaso incompatível com o peso da água que seria usada no
teste;
b) efeito prejudicial do fluido de teste a elementos internos
do vaso;
c) impossibilidade técnica de purga e secagem do sistema;
d) existência de revestimento interno;
e) influência prejudicial do teste sobre defeitos subcríticos.
7 - Inspeção

A inspeção de segurança extraordinária deve ser
feita nas seguintes oportunida-des:
a) sempre que o vaso for danificado por acidente ou
outra ocorrência que comprometa sua segurança;
b) quando o vaso for submetido a reparo ou alterações
importantes, capazes do alterar sua condição de
segurança;
c) antes do vaso ser recolocado em funcionamento,
quando permanecer inativo por mais de 12 (doze)
meses;
d) quando houver alteração de local de instalação do
vaso.
7 - Inspeção

Ensaios não-destrutivos
- Inspeção visual
-Líquido penetrante
-Partículas magnéticas fluorescentes
-Ultra-som para medição de espessura
-Ultra-som para verificação de integridade das soldas

- Ensaios especiais

-Análise metalográfica por réplica
-Ensaios mecânicos em amostra
-Correntes Parasitas
-Ensaio Íris
-Emissão Acústica
8 - Data-book
8 - Data-Book

Data-Book

1.1 Nome do cliente
Identificação do vaso
Categoria
Classe do fluído
Grupo de risco
1.2 Desenho / Croqui / Foto
1.3 Desenho da placa de identificação
1.4 Prontuário
1.5 Relatório de inspeção
1.6 Projeto de alteração e reparo
1.7 Manual de operação
1.8 Documentação do operador
1.9 Certificados de calibração das válvulas de
segurança
1.10 ART - Anotação de Responsabilidade Técnica
1.11 Divisões para próxima inspeção
9 - Discussão de
Casos Práticos
10 - Conclusão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vasos de pressao (1)
Vasos de pressao (1)Vasos de pressao (1)
Vasos de pressao (1)
Jupira Silva
 
Nr 13 comentada
Nr 13 comentadaNr 13 comentada
Nr 13 comentada
stoc3214
 
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
Kamilla Tavares
 
Caldeiras e-vasos-de-pressao
Caldeiras e-vasos-de-pressaoCaldeiras e-vasos-de-pressao
Caldeiras e-vasos-de-pressao
Bruno Monteiro
 

Mais procurados (17)

Manual caldeiras
Manual caldeirasManual caldeiras
Manual caldeiras
 
NR 13
NR 13NR 13
NR 13
 
Nr 13 vaso pressão (1)
Nr 13 vaso pressão (1)Nr 13 vaso pressão (1)
Nr 13 vaso pressão (1)
 
Vasos de pressao (1)
Vasos de pressao (1)Vasos de pressao (1)
Vasos de pressao (1)
 
Apresentacao Tcc
Apresentacao TccApresentacao Tcc
Apresentacao Tcc
 
6397656 apresentacao-nr-13
6397656 apresentacao-nr-136397656 apresentacao-nr-13
6397656 apresentacao-nr-13
 
Caldeiras e vasos de pressão
Caldeiras e vasos de pressãoCaldeiras e vasos de pressão
Caldeiras e vasos de pressão
 
Exemplo de curso nr 13 - segurança na operação de caldeiras e unidades de pro...
Exemplo de curso nr 13 - segurança na operação de caldeiras e unidades de pro...Exemplo de curso nr 13 - segurança na operação de caldeiras e unidades de pro...
Exemplo de curso nr 13 - segurança na operação de caldeiras e unidades de pro...
 
Questionário de caldeiras e vasos de pressão
Questionário de caldeiras e vasos de pressãoQuestionário de caldeiras e vasos de pressão
Questionário de caldeiras e vasos de pressão
 
Nr 13
Nr 13Nr 13
Nr 13
 
Nr 13 comentada
Nr 13 comentadaNr 13 comentada
Nr 13 comentada
 
Nbr 12177 2 - 1999 - inspeção caldeiras aquatubulares
Nbr 12177 2 - 1999 - inspeção caldeiras aquatubularesNbr 12177 2 - 1999 - inspeção caldeiras aquatubulares
Nbr 12177 2 - 1999 - inspeção caldeiras aquatubulares
 
INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO
INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃOINSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO
INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO
 
Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)
 
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
 
Caldeiras e-vasos-de-pressao
Caldeiras e-vasos-de-pressaoCaldeiras e-vasos-de-pressao
Caldeiras e-vasos-de-pressao
 
Norma Regulamentadora (NR13) - Impactos da Nova Redação
Norma Regulamentadora (NR13) - Impactos da Nova RedaçãoNorma Regulamentadora (NR13) - Impactos da Nova Redação
Norma Regulamentadora (NR13) - Impactos da Nova Redação
 

Destaque

Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)
Jupira Silva
 
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviçoNBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
Jarson Garcia Arena
 
Gestão do Escopo de Projetos - Prof. Luis Augusto dos Santos
Gestão do Escopo de Projetos - Prof. Luis Augusto dos SantosGestão do Escopo de Projetos - Prof. Luis Augusto dos Santos
Gestão do Escopo de Projetos - Prof. Luis Augusto dos Santos
Sustentare Escola de Negócios
 
Mat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópiaMat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópia
Elias Aniceto
 
Questionário solda.
Questionário solda.Questionário solda.
Questionário solda.
qualidadesqi
 

Destaque (17)

Nbr14842
Nbr14842Nbr14842
Nbr14842
 
Introdução à normas técnicas
Introdução à normas técnicasIntrodução à normas técnicas
Introdução à normas técnicas
 
Apostilapm
ApostilapmApostilapm
Apostilapm
 
Qualificação de Procedimento
Qualificação de ProcedimentoQualificação de Procedimento
Qualificação de Procedimento
 
Análise tensões vasos_pressão_por_mef
Análise tensões vasos_pressão_por_mefAnálise tensões vasos_pressão_por_mef
Análise tensões vasos_pressão_por_mef
 
Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)Vasos de pressao (3)
Vasos de pressao (3)
 
Soluções para inspeções em Tanques, Vasos e Tubulações
Soluções para inspeções em Tanques, Vasos e TubulaçõesSoluções para inspeções em Tanques, Vasos e Tubulações
Soluções para inspeções em Tanques, Vasos e Tubulações
 
Regulagem das moendas
Regulagem das moendasRegulagem das moendas
Regulagem das moendas
 
VÁVULAS DE SEGURANÇA E ALÍVIO
VÁVULAS DE SEGURANÇA E ALÍVIOVÁVULAS DE SEGURANÇA E ALÍVIO
VÁVULAS DE SEGURANÇA E ALÍVIO
 
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviçoNBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
NBR 15417rev07- Vasos de pressão - Inspeção de segurança em serviço
 
Gestão do Escopo de Projetos - Prof. Luis Augusto dos Santos
Gestão do Escopo de Projetos - Prof. Luis Augusto dos SantosGestão do Escopo de Projetos - Prof. Luis Augusto dos Santos
Gestão do Escopo de Projetos - Prof. Luis Augusto dos Santos
 
Mat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópiaMat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópia
 
ManutençãO EstratéGica Linkedin
ManutençãO EstratéGica LinkedinManutençãO EstratéGica Linkedin
ManutençãO EstratéGica Linkedin
 
Questionário solda.
Questionário solda.Questionário solda.
Questionário solda.
 
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOSTubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
 
Caldeiras - Estudante Do Curso Inspetor De Equipamentos
Caldeiras  - Estudante Do Curso Inspetor De EquipamentosCaldeiras  - Estudante Do Curso Inspetor De Equipamentos
Caldeiras - Estudante Do Curso Inspetor De Equipamentos
 
SEGURANÇA - PONTES ROLANTES -
SEGURANÇA - PONTES ROLANTES -SEGURANÇA - PONTES ROLANTES -
SEGURANÇA - PONTES ROLANTES -
 

Semelhante a File id75

segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdfsegurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
WCTreinamentos
 
Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23
stoc3214
 
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.pptSobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
luasiq47
 
Vasos de pressao (4)
Vasos de pressao (4)Vasos de pressao (4)
Vasos de pressao (4)
Jupira Silva
 
Vasos de pressao (2)
Vasos de pressao (2)Vasos de pressao (2)
Vasos de pressao (2)
Jupira Silva
 

Semelhante a File id75 (20)

NR 13 APRESENTAÇÃO.pdf
NR 13 APRESENTAÇÃO.pdfNR 13 APRESENTAÇÃO.pdf
NR 13 APRESENTAÇÃO.pdf
 
Vasos sob Presso.ppt
Vasos sob Presso.pptVasos sob Presso.ppt
Vasos sob Presso.ppt
 
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdfsegurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
segurana-em-caldeiras-e-vasos-de-pressao-nr-13.pdf
 
File id75
File id75File id75
File id75
 
Caldeiras e-vasos-de-pressao
Caldeiras e-vasos-de-pressaoCaldeiras e-vasos-de-pressao
Caldeiras e-vasos-de-pressao
 
Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............
Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............
Caldeira e V.P. NR 13.ppt...............
 
Apresentao NR-13.ppt
Apresentao NR-13.pptApresentao NR-13.ppt
Apresentao NR-13.ppt
 
Apresentação NR-13.ppt
Apresentação NR-13.pptApresentação NR-13.ppt
Apresentação NR-13.ppt
 
Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23Nr – 7,13,14,16 e 23
Nr – 7,13,14,16 e 23
 
1268972.ppt
1268972.ppt1268972.ppt
1268972.ppt
 
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.pptSobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
Sobre a NR-13 p Caldeiras e Vasos de Pressão.ppt
 
Vaso pressão (1)
Vaso pressão (1)Vaso pressão (1)
Vaso pressão (1)
 
Treinamento de NR-13.pptx
Treinamento de NR-13.pptxTreinamento de NR-13.pptx
Treinamento de NR-13.pptx
 
nr-13.pptx
nr-13.pptxnr-13.pptx
nr-13.pptx
 
383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor383658421 laudo-de-compressor
383658421 laudo-de-compressor
 
Vasos de pressao (4)
Vasos de pressao (4)Vasos de pressao (4)
Vasos de pressao (4)
 
Vasos de pressao (2)
Vasos de pressao (2)Vasos de pressao (2)
Vasos de pressao (2)
 
Vasos de pressao
Vasos de pressaoVasos de pressao
Vasos de pressao
 
Infotec 005 insp_ext_tq
Infotec 005 insp_ext_tqInfotec 005 insp_ext_tq
Infotec 005 insp_ext_tq
 
Ensaios de Estanquicidade- especificação técnica-boomlift
Ensaios de Estanquicidade- especificação técnica-boomliftEnsaios de Estanquicidade- especificação técnica-boomlift
Ensaios de Estanquicidade- especificação técnica-boomlift
 

File id75

  • 1. VASOS DE PRESSÃO Welding Soldagem e Inspeções Ltda Benedito Campanha
  • 2. Objetivo É promover um debate e assim estabelecer uma nova visão para as inspeções de acordo com a norma regulamentadora NR-13.
  • 3. Considerações Iniciais • O que contempla a NR-13? – – – – Edição Segurança PH (Profissional Habilitado) Suportada por uma ou mais normas de fabricação • Histórico das inspeções – – – – Como eram feitas Atendimento à NR-13 (documentação) Inspeção além do vaso Arquivo dos documentos
  • 4. Considerações Iniciais • Dificuldade da inspeção: – – – – – – – – Limpeza Acesso para inspeção Reconstituição da documentação Desenhos - Vasos fabricados ou modificados Dispositivos de segurança sem identificação Tempo para inspeção Vaso com limite da vida útil ultrapassado Dimensionamento da firma inspetora
  • 5. Considerações Iniciais • Estratégia para resolver o problema • Identificação de todos os vasos • Definir prioridades para inspeção • Elaboração da documentação • Treinamento • Coordenação – Avaliação dos resultados • Reparos que constitui risco grave e iminente • Reparos programáveis
  • 6. Considerações Iniciais • Fabricação de vasos novos – Responsabilidade do comprador – Responsabilidade do fabricante
  • 7. Assuntos a serem abordados 1. Vasos de Pressão - Disposições Gerais 2. Enquadramento do Vaso de Pressão 3. Documentação 4. Placa de Identificação 5. Dispositivos de Segurança 6. Risco Grave e Iminente 7. Inspeções 8. Data-book 9. Discussão de Casos Práticos 10. Conclusão
  • 8. 1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais Documentação A documentação que deve acompanhar os vasos de pressão durante toda a sua vida útil. Esta documentação compõe o histórico do vaso de pressão, cobrindo tanto o período anterior à operação (projeto, fabricação e montagem), quanto o período em serviço (ocorrências operacionais, inspeção e manutenção). Este conjunto de informações é necessário para a determinação os limites operacionais e a vida residual dos vasos de pressão.
  • 9. 1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais Instalação do Vaso de Pressão Neste capítulo, é citado a necessidade de se ter à vista os medidores de temperatura, pressão e nível para facilitar a rápida verificação, sendo também necessária a presença de rotas de fuga, iluminação e ventilação adequadas, para que haja segurança para os operadores no campo.
  • 10. 1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais Segurança na Operação de Vaso de Pressão A segurança na operação dos vasos de pressão tem seu capítulo focado no uso de procedimentos escritos e na qualificação dos operadores.
  • 11. 1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais Segurança na Manutenção do Vaso de Pressão O objetivo é garantir que qualquer reparo ou serviço que venha a ser realizado tenha a sua qualidade garantida. Para tal, é necessário que seja implementado um “Projeto de alteração ou reparo”, que deve contemplar todos os procedimentos normativos para a execução do serviço.
  • 12. 1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais Inspeção de Segurança do Vaso de Pressão Define que os vasos de pressão devem sofrer inspeções de segurança inicial, periódicas e extraordinárias. As periódicas têm seu intervalo máximo, definidos em função do risco de falha com base no produto “PV” e da classificação do fluído. Esta forma de classificar o risco leva em consideração somente os aspectos relacionados com a conseqüência de uma falha estrutural, o que torna a matriz da NR-13 “estática”, isto é, os equipamentos apresentarão o mesmo risco durante toda a vida.
  • 13. 1 - Vaso de Pressão - Disposições Gerais DISCUSSÃO: A NR-13 estabelece para os vasos de pressão uma classificação que define os intervalos máximos entre inspeções,se for realizada uma inspeção de melhor ou pior qualidade nos períodos determinados pela NR-13, não há um mecanismo na Norma que permite estabelecer diretamente se o risco após a inspeção está ou não adequado para o vaso operar pelo tempo de campanha previsto. API 581 Inspeção baseada em risco INI Inspeção não intrusiva
  • 14. 2 - Enquadramento do Vaso de Pressão • O que a NR-13 considera como Vaso de Pressão? • Como enquadrá-los? - Grupo potencial de risco - Classe do fluido
  • 15. 2 - Enquadramento do Vaso de Pressão Por exemplo: Um vaso que opera com vapor a 2 kgf/cm2 de pessão e possui um volume de 2 m3 Vamos verificar se ele é um vaso de pressão através do produto P x V > 8 onde: - P = KPA sendo que 1 kgf/cm2 = 98,066 KPA - V = m3 Fazendo as contas, temos: P (196,132 KPA) x V (2 m3) = 392,2 Portanto, 392,2 é > que 8, logo é considerado um vaso de pressão! Agora vamos verificar o GRUPO POTENCIAL DE RISCO 1 Kgf/cm2 = 0,098 MPA Então temos 2 Kgf/cm2 de vapor, que é equivalente a 0,196 MPA P (0,196) x V (2 m3) = 0,392
  • 16. 2 - Enquadramento do Vaso de Pressão CLASSIFICAÇÃO DO FLUIDO DOS VASOS DE PRESSÃO 1 - PARA EFEITO DESTA NR OS VASOS DE PRESSÃO SÃO CLASSIFICADOS EM CATEGORIAS SEGUNDO O TIPO DE FLUIDO E O POTENCIAL DE RISCO. 1.1 Os fluidos contidos nos vasos de pressão são classificados conforme descrito a seguir: CLASSE “A”: - Fluidos inflamáveis - combustível com temperatura superior ou igual a 200ºC; - Fluidos tóxicos com limite de tolerância igual ou inferior a 20 ppm; - Hidrogênio; - Acetileno. CLASSE "B”: - Fluidos combustíveis com temperatura inferior a 200°C; - Fluidos tóxicos com limite de tolerância superior a 20 ppm. CLASSE “C”: - Vapor de água, gases asfi-xiantes simples ou ar comprimido. CLASSE “D": - Água ou outros fluidos não enquadrados nas classes “A”, “B” ou "C", com temperatura superior a 50°C.
  • 17.
  • 18. 3 - Documentação Todo vaso de pressão deve possuir, no estabelecimento onde estiver instalado, a seguinte documentação devidamente atualizada: a) Prontuário do Vaso de Pressão; b) Registro de Segurança; c) Projeto de Instalação; d) Projetos de Alteração ou Reparo; e) Manual de Operação; f) Certificado de Treinamento dos Operadores; g) Relatórios de Inspeção.
  • 19. 3 - Documentação (Prontuário) a) Prontuário do Vaso de Pressão, a ser fornecido pelo fabricante, contendo as seguintes informações: - código de projeto e ano de edição; - especificação dos materiais; - procedimentos utilizados na fabricação, montagem e inspeção final e determinação da PMTA; - conjunto de desenhos e demais dados necessários para o monitoramento da sua vida útil; - características funcionais; - dados dos dispositivos do segurança; - ano de fabricação; - categoria do vaso.
  • 20. 3 - Documentação (Registro de Segurança) a) todas as ocorrências importantes capazes de influir nas condições de segurança dos vasos; b) as ocorrências de inspeção de segurança.
  • 21. 3 - Documentação (Projeto de Instalação) O "Projeto de Instalação" deve conter pelo menos a planta baixa do estabelecimento, com o posicionamento e a categoria de cada vaso e das instalações de segurança.
  • 22. a) dispor de pelo menos duas saldas amplas, permanentemente desobstruídas e dispostas em direções distintas; b) dispor de acesso fácil e seguro para as atividades de manutenção, operação e inspeção, sendo que, para guarda-corpos vazados, os vãos devem ter dimensões que impeçam a queda de pessoas; c) dispor de ventilação permanente com entradas de ar que não possam ser bloqueadas; d) dispor de iluminação conforme normas oficiais vigentes; e) possuir sistema de iluminação de emergência.
  • 23. 13.7.4 - Constitui risco grave e iminente o não atendimento às seguintes alíneas: - "a", "c", "e" para vasos instalados em ambientes confinados; - “a” para vasos instalados em ambientes abertos; - "e” para vasos instalados em ambientes abertos e que operem à noite.
  • 24. Quando o estabelecimento não puder atender o disposto no item anterior, deve ser elaborado “Projeto Alternativo de Instalação” com medidas complementares de segurança que permitam a atenuação dos riscos.
  • 25. 3 - Documentação (Manual de Operação) Todo vaso de pressão enquadrado nas categorias “I” e “II” deve possuir Manual de Operação de fácil acesso aos operadores. a) procedimentos de partidas e paradas; b) procedimentos e parâmetros operacionais de rotina; e) procedimentos para situações de emergência; d) procedimentos gerais de segurança, saúde e de preservação do meio ambiente.
  • 26. 3 - Documentação (Projetos de Alteração e Reparo) “Projetos de Alteração ou Reparo” devem ser concebidos previamente nas seguintes situações: a) sempre que as condições de projeto forem modificadas; b) sempre que forem realizados reparos que possam comprometer a segurança. Reparos ou alterações que envolvam as especialidades de eletrecidade, eletrônicas ou química deverão ser concebidos e assinados por profissionais legalmente habilitados.
  • 27. 3 - Documentação (Certificado de Treinamento) A operação de unidades que possuam vasos de pressão de categoria "I" ou “II” deve ser efetuada por profissional com “Treinamento de Segurança na Operação de Unidades de Processo", sendo que o não atendimento a esta exigência caracteriza condição de risco grave e iminente. Todo profissional com "Treinamento de Segurança na Operação de Unidades de Processo", deve cumprir estágio prático, supervisionado, na operação de vasos de pressão com as seguintes durações mínimas: a) 300 (trezentas) horas para vasos de categorias “I" ou "II"; b) 100 (cem) horas para vasos de categorias "III", "IV" ou "V"
  • 28. 3 - Documentação (Relatório) O Relatório de inspeção deve conter no mínimo: a) identificação do vaso de pressão; b) fluidos de serviços e categoria do vaso de pressão; c) tipo do vaso de pressão; d) data de inicio e término da inspeção; e) tipo de inspeção executada; f) descrição dos exames e testes executados; g) resultado das inspeções e intervenções executadas; h) conclusões; i) recomendações e providências necessárias; j) data prevista para a próxima inspeção; k) nome legível, assinatura e número do registro no conselho profissional do "Profissio­nal Habilitado", nome legível e assinatura de técnicos que participaram da inspeção.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. 5 - Dispositivos de Segurança As válvulas de segurança dos vasos de pressão devem ser desmontadas, inspecionadas e recalibradas por ocasião do exame interno periódico. Os serviços previstos nesse item poderão ser realizados pela remoção da válvula e deslocamento para oficina ou no próprio local de instalação.
  • 34.
  • 35. 5 - Dispositivos de Segurança Conforme ASME VIII , Boiler & Pressure Vessel Code, Division 1, part UG-126, page 94: Todos os vasos de pressão devem ser protegidos por uma válvula de alívio de pressão, que deve garantir que a pressão não suba acima de 10% ou 3 psi da pressão máxima de trabalho admissível (PMTA).
  • 36. 6 - Risco Grave e Iminente O que é risco grave e iminente? A falta de: a) válvula ou outro dispositivo de segurança com pressão de abertura ajustada em valor igual ou inferior a PMTA, instalada diretamente no vaso ou no sistema que o inclui; b) dispositivo de segurança contra bloqueio inadvertido da válvula quando esta não estiver instalada diretamente no vaso: c) instrumento que indique a pressão de operação. d) A operação de qualquer vaso de pressão em condições diferentes das previstas no projeto original.
  • 37. 7 - Inspeção Os vasos de pressão devem ser submetidos a inspeções de segurança inicial, periódico e extraordinária.
  • 38. 7 - Inspeção A inspeção de segurança periódica, constituída por exame externo, interno e teste hidrostático, deve obedecer aos seguintes prazos máximos estabelecidos a seguir: a) Para estabelecimentos que não possuam “Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos”. CATEGORIA DO VASO EXAME EXTERNO EXAME INTERNO TESTE HIDROSTÁTICO I 1 ANO 3 ANOS 6 ANOS II 2 ANOS 4 ANOS 8 ANOS III 3 ANOS 6 ANOS 12 ANOS IV 4 ANOS 8 ANOS 16 ANOS V 5 ANOS 10 ANOS 20 ANOS
  • 39. 7 - Inspeção Vasos de pressão que não permitam o exame interno ou externo por impossibilidade física devem ser alternativamente submetidos a teste hidrostático.
  • 40. 7 - Inspeção Teste Hidrostático Quando for tecnicamente inviável e mediante anotação no "Registro de Segurança" pelo “Profissional Habilitado", o teste hidrostático pode ser substituído por outra técnica de ensaio não-destrutivo ou inspeção que permita obter segurança equivalente. Considera-se como razões técnicas que inviabilizam o teste hidrostático: a) resistência estrutural da fundação ou da sustentação do vaso incompatível com o peso da água que seria usada no teste; b) efeito prejudicial do fluido de teste a elementos internos do vaso; c) impossibilidade técnica de purga e secagem do sistema; d) existência de revestimento interno; e) influência prejudicial do teste sobre defeitos subcríticos.
  • 41.
  • 42.
  • 43. 7 - Inspeção A inspeção de segurança extraordinária deve ser feita nas seguintes oportunida-des: a) sempre que o vaso for danificado por acidente ou outra ocorrência que comprometa sua segurança; b) quando o vaso for submetido a reparo ou alterações importantes, capazes do alterar sua condição de segurança; c) antes do vaso ser recolocado em funcionamento, quando permanecer inativo por mais de 12 (doze) meses; d) quando houver alteração de local de instalação do vaso.
  • 44. 7 - Inspeção Ensaios não-destrutivos - Inspeção visual -Líquido penetrante -Partículas magnéticas fluorescentes -Ultra-som para medição de espessura -Ultra-som para verificação de integridade das soldas - Ensaios especiais -Análise metalográfica por réplica -Ensaios mecânicos em amostra -Correntes Parasitas -Ensaio Íris -Emissão Acústica
  • 46. 8 - Data-Book Data-Book 1.1 Nome do cliente Identificação do vaso Categoria Classe do fluído Grupo de risco 1.2 Desenho / Croqui / Foto 1.3 Desenho da placa de identificação 1.4 Prontuário 1.5 Relatório de inspeção 1.6 Projeto de alteração e reparo 1.7 Manual de operação 1.8 Documentação do operador 1.9 Certificados de calibração das válvulas de segurança 1.10 ART - Anotação de Responsabilidade Técnica 1.11 Divisões para próxima inspeção
  • 47. 9 - Discussão de Casos Práticos
  • 48.
  • 49.
  • 50.