A DEGRADAÇÃO SANITÁRIA E AMBIENTAL DA LAGOA IMBOASSICA
E SUA RELAÇÃO COM O AUMENTO DO GABARITO DOS PRÉDIOS
LOCALIZADOS EM ...
aquáticos mais conhecidos cientificamente do nosso país. Os
resultados obtidos das pesquisas realizadas na lagoa Imbossica...
natura”, assoreamento de bacia e aberturas artificiais da barra que a
separa do mar.
LANÇAMENTO DE ESGOTO “IN NATURA”
A ca...
transportado pelas águas para o rio Imboassica e deste para a lagoa
Imboassica, onde ocorre sedimentação, tornando progres...
representam um grande impacto negativo à lagoa Imboassica. Entre
estes impactos destacam-se:
a) a desestruturação das comu...
primeiro estágio, que visa apenas retirar parte da matéria orgânica
contida nos esgotos. Desta maneira estas estações lanç...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Degradação da lagoa e sua relação com o gabarito dos prédios

580 visualizações

Publicada em

Estudo realizado pelo maior especialista da Lagoa de Imboassica. O Professor Francisco Esteves já estuda a região a mais de 20 anos, é diretor geral do Núcleo em Ecologia e desenvolvimento Sócio-ambiental de Macaé (NUPEM-UFRJ) e possui diversos trabalhos publicados sobre este ecossistema.
O estudo do professor fala sobre o laçamento de esgoto "in natura", assoreamento, aberturas artificiais e afirma que o aumento do gabarito dos prédios da Praia do Pecado e o consequente aumento da população, agravará ainda mais o quadro de degradação ecológica e sanitária da Bacia Hidrográfica de Imboassica.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
580
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Degradação da lagoa e sua relação com o gabarito dos prédios

  1. 1. A DEGRADAÇÃO SANITÁRIA E AMBIENTAL DA LAGOA IMBOASSICA E SUA RELAÇÃO COM O AUMENTO DO GABARITO DOS PRÉDIOS LOCALIZADOS EM SUA BACIA HIDROGRÁFICA A lagoa Imboassica é sabidamente um dos ecossistemas mais importantes do município de Macaé. Esta importância pode ser atribuída seja por seu papel social como fonte de recursos pesqueiros e como importante área de lazer tanto para a pesca desportiva quanto para a prática de outros esportes e atividades de recreação aquáticas; ou seja, também, como por ser um patrimônio histórico, cultural e ambiental ímpar. Não menos relevante é a sua beleza cênica, que já no século XIX chamou a atenção de ilustres naturalistas e viajantes estrangeiros, os quais produziram estudos e relatos que hoje nos ajudam a contar a história de Macaé e região. Charles Darwin, por exemplo, nela coletou espécimes de peixes que contribuíram para o avanço do conhecimento científico que se tinha na época, além de ter descrito, em seu diário de campo, paisagens de ecossistemas cada vez mais escassos e que a Lagoa de Imboassica é ainda um dos poucos remanescentes. Esta beleza cênica é, inclusive, um dos motivos principais para a valorização imobiliária do seu entorno e também atrativo para as atividades de turismo na cidade e em toda a região. Somando-se a estas peculiaridades, a lagoa Imbossica tem sido estudada por um grande número de cientistas de diferentes áreas do saber do Brasil e do exterior, tornando-se um dos ecossistemas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento Sócio-Ambiental em Macaé
  2. 2. aquáticos mais conhecidos cientificamente do nosso país. Os resultados obtidos das pesquisas realizadas na lagoa Imbossica têm sido divulgados em periódicos científicos nacionais e internacionais. Por sua importância como berço de muitas tecnologias para a recuperação de ambientes aquáticos, a lagoa Imboassica se encontra entre as mais conhecidas do Brasil entre os cientistas ambientais. Em que pese sua importância ecológica, econômica e social, a lagoa Imboassica tem sido vítima do uso inadequado de sua bacia hidrográfica. Este ecossistema tem sido, há mais três décadas, progressivamente impactado por diferentes agentes antropogênicos. Uma caraterística dos impactos sobre as condições ambientais da lagoa Imboassica é que são, na quase totalidade, conseqüência do forte processo de especulação imobiliária e de outras formas de usos não racionais de seu entorno. Nas últimas duas décadas, grande parte das áreas alagáveis da lagoa Imboassica foram aterradas para dar lugar a loteamentos, construção de empreendimentos ligados à cadeia produtiva do petróleo e plantação de pastos para atender o agronegócio. Como resultado deste processo, a área ocupada pelo espelho d’água atual da lagoa Imboassica corresponde, apenas à cerca de 58% da área que esta lagoa tinha quando foi visitado por Charles Darwin em 1831. Como resultado da ocupação da Bacia Hidrográfica da Lagoa Imboassica, ou seja, de seu processo crescente de urbanização, passaram a ocorre também três processos que têm contribuído de maneira significativa para a perda de suas características ecológicas naturais, até o ponto no qual se encontra de total degradação sanitária e ecológica. Estes processos são: lançamento de esgoto “in
  3. 3. natura”, assoreamento de bacia e aberturas artificiais da barra que a separa do mar. LANÇAMENTO DE ESGOTO “IN NATURA” A carga de esgoto “in natura” que é lançada na lagoa Imboassica tem sido crescente e proporcional ao crescimento da ocupação humana em sua Bacia de Hidrográfica. A consequência do fato de que a lagoa Imboassica atualmente tem como funçãoprincipal receber e degradar o esgoto de grande parte da população macaense foi transformá-la num ambiente impróprio para o banho, para a prática de esportes aquáticos e com reduzido estoque de pescado, especialmente aquele de interesse econômico. Não menos importante é o fato de que a lagoa Imboasica é atualmente uma fonte de agentes patogênicos causadores de doenças como diarréias, hepatites, dermatoses, entre muitas outras doenças. Em outras palavras, a lagoa Imboassica perdeu por completo suas funções ambientais, com sérios desdobramentos ecológicos, econômicos e sociais. ASSOREAMENTO DE BACIA DA LAGOA IMBOASSICA O assoreamento, ou seja, a preenchimento da bacia da lagoaImbossica com sedimentos, especialmente argilas esta diretamente relacionada com a ocupação desordenada de sua Bacia Hidrográfica, especialmente na porção sul, próxima à região conhecida como Parque de Tubos, tanto na parte localizada no município de Macaé como na parte da Chamada Zona de Negócios do município de Rio das Ostras. Nesta região ocorre constantemente revolvimento de terras para fins de construção de galpões e outras edificações ligadas principalmente à economia do petróleo. No período das chuvas parte considerável do barro destas áreas é
  4. 4. transportado pelas águas para o rio Imboassica e deste para a lagoa Imboassica, onde ocorre sedimentação, tornando progressivamente a lagoa mais rasa. Este fenômeno é facilmente perceptível através da cor avermelhada que as águas do rio e da lagoa Imboassica assumem durante o período de chuvas. Os dados obtidos pelos pesquisadores do NUPEM/UFRJ apontam para a perda constante de profundidade e o consequente avanço dos bancos de plantas aquáticas, como a Taboa, em direção à parte central da lagoa. Este avanço das plantas aquáticas contribui para a perda de espelho d’água da lagoa Imboassica. Cálculos realizados pelos pesquisadores do NUPEM/UFRJ, no ano de 2006, indicaram que persistindo o processo de assoreamento nas taxas verificadas, em aproximadamente 130 anos o espelho d’água da lagoa Imboassica terá sido substituído por um brejo poluído e/ou contaminado, caso o lançamento de esgoto não seja interrompido. Destaca-se que novos cálculos realizados em 2011 apontam não mais para 130 anos, mas sim para 90 anos, demonstrando o agravamento da situação nestes últimos anos. ABERTURAS ARTIFICIAIS DA BARRA QUE A SEPARA DO MAR As aberturas artificiais da barra que separa a lagoa Imboassica do mar tem sido realizada praticamente todos os anos e não raramente mais de uma vez ao ano. Este procedimento é para reduzir, rapidamente, o nível da agua da lagoa Imboassica e desta maneira evitar a inundações dos imóveis, que foram construídos em áreas de aterro dentro deste ecossistema ou que foram construídos nas suas áreas de inundação. Estudos pioneiros realizados pela equipe de pesquisadores do NUPEM/UFRJ demostraram que as aberturas artificiais da barra
  5. 5. representam um grande impacto negativo à lagoa Imboassica. Entre estes impactos destacam-se: a) a desestruturação das comunidades aquáticas, com grandes prejuízos às comunidades de peixes de elevado valor econômico; b) aceleração do processo de assoreamento; c) aceleração da expansão da área ocupada pelas plantas aquáticas como a taboa etc.; e d) aumento repentino e considerável da degradação sanitária devido a redução drástica da capacidade da lagoa em diluir o esgoto. CONCLUSÃO Concluindo, pode ser afirmado que o aumento do gabarito dos prédios na Praia do Pecado e o consequente aumento da população da Bacia Hidrográfica de Imboassica sem a devida implementação de medidas realmente eficazes - como a coleta e tratamento de todos os esgotos que são lançados atualmente na neste corpo d’ água – agravará ainda mais o quadro que já é de gravidade elevadíssima no tocante as suas caraterísticas ecológicas e sanitárias. Nas discussões sobre a temática de ocupação da Bacia Hidrográfica de rios e lagos no Brasil é comum gestores públicos, empresários e políticos, geralmente ligados aos interesses imobiliários, afirmarem que após a construção dos prédios irão tratar todos os esgotos gerados pela população que irá ocupar os imóveis construídos. Deve ser destacado, no entanto, que quando as estações de tratamento de esgoto são construídas (casos muito raros no Brasil), estas são de baixo custo e se caracterizam por possuir apenas o
  6. 6. primeiro estágio, que visa apenas retirar parte da matéria orgânica contida nos esgotos. Desta maneira estas estações lançam efluentes nos ambientes aquáticos totalmente impróprios do ponto de vista ecológico, pois ainda contêm elevadas concentrações de compostos orgânicos e ricos em fosfato e em nitrogênio. Com estas características os efluentes são capazes de prover o crescimento descontrolado - denominado de eutrofização artificial - de algas e outros vegetais e desta maneira continuar a degradação do ambiente aquático. Sendo assim, recomendamos que iniciativas que levam à promoção do adensamento da Bacia Hidrográfica da lagoa Imboassica devam ser implementadas somente quando as questões de saneamento básico, que atualmente estão muito precárias, estejam totalmente equacionadas. Esta recomendação é de fundamental importância para a preservação do pouco que ainda resta de ecossistemas importantes como a lagoa Imboassica. Macaé, 23 de maio de 2013. Dr. Francisco de Assis Esteves Universidade Federal do Rio de Janeiro Professor Titular

×