SlideShare uma empresa Scribd logo
CAPÍTULO 40
      Versículos 1-19
O copeiro e o padeiro do Faraó na prisão –
 Seus sonhos      interpretados por José

        Versículos 20-23
    A ingratidão do chefe dos copeiros
Versículos 1-19
      -O copeiro
e o padeiro do Faraó
      na prisão
    -Seus sonhos
   interpretados por
         José
1-E aconteceu, depois destas
coisas, que o copeiro do rei do
Egito, e o seu padeiro, ofenderam
o seu senhor, o rei do Egito.

2-E indignou-se Faraó muito contra
os seus dois oficiais, contra o
copeiro-mor e contra
o padeiro-mor.
3-E entregou-os à prisão, na casa do
capitão da guarda, na casa do
cárcere, no lugar onde José estava
preso.

4-E o capitão da guarda pô-los a
cargo de José, para que os servisse;
e estiveram muitos dias na prisão.
5-E ambos tiveram um sonho, cada
um seu sonho, na mesma noite,
cada um conforme a interpretação
do seu sonho, o copeiro e o padeiro
do rei do Egito, que estavam presos
na casa do cárcere.
6-E veio José a eles pela manhã, e
olhou para eles, e viu que estavam
perturbados.
5-E ambos tiveram um sonho, cada
um seu sonho, na mesma noite,
cada um conforme a interpretação
do seu sonho, o copeiro e o padeiro
do rei do Egito, que estavam presos
na casa do cárcere.
6-E veio José a eles pela manhã, e
olhou para eles, e viu que estavam
perturbados.
7-Então perguntou aos oficiais de
Faraó, que com ele estavam no cárcere
da casa de seu senhor, dizendo: Por
que estão hoje tristes os vossos
semblantes?
8-E eles lhe disseram: Tivemos um
sonho, e ninguém há que o interprete.
E José disse-lhes: Não são de Deus as
interpretações? Contai-mo, peço-vos.
9-Então contou o copeiro-mor o
seu sonho a José, e disse-lhe:
Eis que em meu sonho havia
uma vide diante da minha face.
10-E na vide três sarmentos, e
brotando ela, a sua flor saía, e
os seus cachos amadureciam
em uvas;
11-E o copo de Faraó estava na
minha mão, e eu tomava as
uvas, e as espremia no copo de
Faraó, e dava o copo na mão de
Faraó.
12-Então disse-lhe José: Esta é a
sua interpretação: Os três
sarmentos são três dias;
13-Dentro ainda de três dias Faraó
levantará a tua cabeça, e te restaurará
ao teu estado, e darás o copo de Faraó
na sua mão, conforme o costume
antigo, quando eras seu copeiro.

14-Porém lembra-te de mim, quando
te for bem; e rogo-te que uses comigo
de compaixão, e que faças menção de
mim a Faraó, e faze-me sair desta casa;
15-Porque, de fato, fui roubado da
terra dos hebreus; e tampouco aqui
nada tenho feito para que me
pusessem nesta cova.
16-Vendo então o padeiro-mor que
tinha interpretado bem, disse a
José: Eu também sonhei, e eis que
três cestos brancos estavam sobre a
minha cabeça;
17-E no cesto mais alto havia de todos os
manjares de Faraó, obra de padeiro; e as
aves o comiam do cesto, de sobre a minha
cabeça.
18-Então respondeu José, e disse: Esta é a
sua interpretação: Os três cestos são três
dias;
19-Dentro ainda de três dias Faraó tirará a
tua cabeça e te pendurará num pau, e as
aves comerão a tua carne de sobre ti.
Não foi o cárcere o que tanto
entristeceu o copeiro e o padeiro,
como seus sonhos. Deus tem mais de
um caminho para contristar os
espíritos. José teve compaixão deles.
Que nos interessemos pela tristeza
dos rostos de nossos irmãos. Para os
que têm problemas freqüentemente é
um alívio ser percebidos.
Além disso, aprendamos a ver a causa
de nosso próprio pesar. Existe uma boa
razão? Não há suficiente consolo para
equilibrá-la, qualquer que seja? Por
que estás abatida, oh minha alma?
José teve cuidado de dar a glória a
Deus. O sonho do chefe dos copeiros
anunciava sua ascensão. O sonho do
padeiro-mor, sua morte.
Não era culpa de José que não lhe
fossem dadas melhores notícias ao
padeiro. Assim, os ministros
somente são intérpretes; eles não
podem fazer que as coisas sejam
distintas do que são: se eles se
conduzem com fidelidade e sua
mensagem resulta desagradável, a
culpa não é deles.
José não pensa em seus irmãos que o
venderam; tampouco no mal que sua
ama e seu amo lhe fizeram, senão que
mansamente afirma sua inocência.
Quando somos chamados a defender-
nos, devemos evitar, cuidadosamente,
dentro do possível, falar mal dos
outros.    Contentemo-nos         com
demonstrar a nossa inocência e não
recriminemos aos outros sua culpa
Versículos 20-23
A ingratidão do chefe
     dos copeiros
20-E aconteceu ao terceiro dia, o
dia do nascimento de Faraó, que fez
um banquete a todos os seus
servos; e levantou a cabeça do
copeiro-mor, e a cabeça do padeiro-
mor, no meio dos seus servos.
21-E fez tornar o copeiro-mor ao
seu ofício de copeiro, e este deu o
copo na mão de Faraó.
22-Mas ao padeiro-mor
enforcou, como José havia
interpretado.

23-O copeiro-mor, porém,
não se lembrou de José,
antes se esqueceu dele.
A interpretação que José deu aos sonhos
aconteceu no dia indicado. No aniversário
do Faraó todos seus servos o atendiam e
então foram revisados os casos dos dois.
Todos podemos olhar para o nosso
aniversário com proveito, com gratidão
pelas misericórdias de nosso nascimento,
com tristeza pelo pecado de nossa vida e
com a expectativa de que o dia de nossa
morte seja melhor que o dia de nosso
nascimento.
Mas parece raro que a gente
mundana, tão aficionada a viver
aqui, deva regozijar-se afinal de
cada ano de sua curta expectativa
de vida. O cristão tem razão para
alegrar-se por ter nascido, de ir
aproximando-se o final de seu
pecado e pesar, e sua eterna
felicidade.
O chefe dos copeiros não se lembrou
de José, senão que o esqueceu. José
teria merecido algo melhor dele,
porém esqueceu. Não devemos pensar
que é estranho se neste mundo nos
devolvem ódio por nosso amor e
dardos por nossa bondade. Veja-se
quão dados a esquecer-se dos outros
que estão em problemas são os que
agora estão bem.
José aprendeu, por seu desengano,
a confiar unicamente em Deus. Nós
nunca devemos esperar nada do
homem nem demasiado de Deus.
(Sl 118:8-É melhor confiar no
SENHOR do que confiar no homem.

9-É melhor confiar no SENHOR do
que confiar nos príncipes.
Não       esqueçamos       os
sofrimentos, as promessas e o
amor de nosso Redentor.
Culpamos a ingratidão do
copeiro-mor para com José,
porém nós mesmos agimos
com muita mais ingratidão
para com o Senhor Jesus.
José apenas tinha anunciado a
ascensão do chefe dos copeiros, porém
Cristo produziu a nossa; Ele intercedeu
com o Rei de reis por nós, mas nós o
esquecemos, embora freqüentemente
se nos faz lembrá-lo e apesar de ter
prometido não esquecê-lo jamais.
Assim de mal lhe pagamos, como a
gente néscia e imprudente.
José apenas tinha anunciado a
ascensão do chefe dos copeiros, porém
Cristo produziu a nossa; Ele intercedeu
com o Rei de reis por nós, mas nós o
esquecemos, embora freqüentemente
se nos faz lembrá-lo e apesar de ter
prometido não esquecê-lo jamais.
Assim de mal lhe pagamos, como a gente
néscia e imprudente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III12º A Golegã
 
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)AndreiaFilipa63
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando PessoaFilipaFonseca
 
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"InsdeCastro7
 
Capítulo iii memorial do convento
Capítulo iii   memorial do conventoCapítulo iii   memorial do convento
Capítulo iii memorial do convento12anogolega
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãSofia_Afonso
 
Capítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MCCapítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MC12anogolega
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33luisprista
 
Puríssima Conceição da Virgem Maria - Pe. Atonio Vieira- 1699
Puríssima Conceição da Virgem Maria - Pe. Atonio Vieira- 1699Puríssima Conceição da Virgem Maria - Pe. Atonio Vieira- 1699
Puríssima Conceição da Virgem Maria - Pe. Atonio Vieira- 1699Renata Ernani Freitas
 
Leandro, o Rei da Helíria - Alice Vieira - CAMINHO
Leandro, o Rei da Helíria - Alice Vieira - CAMINHOLeandro, o Rei da Helíria - Alice Vieira - CAMINHO
Leandro, o Rei da Helíria - Alice Vieira - CAMINHOPedro Abreu
 
Leandro rei-da-heliria-e book
Leandro rei-da-heliria-e bookLeandro rei-da-heliria-e book
Leandro rei-da-heliria-e bookFernanda Sousa
 
Foral manp lima_transcr
Foral manp lima_transcrForal manp lima_transcr
Foral manp lima_transcrAntonio Reis
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosRui Matos
 
MC construção da passarola
MC construção da passarolaMC construção da passarola
MC construção da passarolaAnaFPinto
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMaria Teixiera
 

Mais procurados (17)

Memorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. IIIMemorial do Convento - Cap. III
Memorial do Convento - Cap. III
 
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
 
Capítulo iii memorial do convento
Capítulo iii   memorial do conventoCapítulo iii   memorial do convento
Capítulo iii memorial do convento
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 
Capítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MCCapítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MC
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33
 
Puríssima Conceição da Virgem Maria - Pe. Atonio Vieira- 1699
Puríssima Conceição da Virgem Maria - Pe. Atonio Vieira- 1699Puríssima Conceição da Virgem Maria - Pe. Atonio Vieira- 1699
Puríssima Conceição da Virgem Maria - Pe. Atonio Vieira- 1699
 
Leandro, o Rei da Helíria - Alice Vieira - CAMINHO
Leandro, o Rei da Helíria - Alice Vieira - CAMINHOLeandro, o Rei da Helíria - Alice Vieira - CAMINHO
Leandro, o Rei da Helíria - Alice Vieira - CAMINHO
 
Leandro rei-da-heliria-e book
Leandro rei-da-heliria-e bookLeandro rei-da-heliria-e book
Leandro rei-da-heliria-e book
 
Foral manp lima_transcr
Foral manp lima_transcrForal manp lima_transcr
Foral manp lima_transcr
 
D.Sebastião
D.SebastiãoD.Sebastião
D.Sebastião
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
MC construção da passarola
MC construção da passarolaMC construção da passarola
MC construção da passarola
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise
 

Semelhante a Genesis 40

Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASLiçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASantonio vieira
 
Ebd aula 7 4°trimestre 2016 José,fé em meio as injustiças.
Ebd aula 7 4°trimestre 2016 José,fé em meio as injustiças.Ebd aula 7 4°trimestre 2016 José,fé em meio as injustiças.
Ebd aula 7 4°trimestre 2016 José,fé em meio as injustiças.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
LIÇÃO 07 - JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
LIÇÃO 07 - JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASLIÇÃO 07 - JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
LIÇÃO 07 - JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASLourinaldo Serafim
 
José Fé em Meio as Injustiças.
José Fé em Meio as Injustiças.José Fé em Meio as Injustiças.
José Fé em Meio as Injustiças.Márcio Martins
 
Lição 7 José: Fé em meio às injustiças
Lição 7   José:  Fé em meio às injustiçasLição 7   José:  Fé em meio às injustiças
Lição 7 José: Fé em meio às injustiçasRegio Davis
 
José fé em meio as injustiças - Lição 07 - 4º Trimestre 2016
José fé em meio as injustiças - Lição 07 - 4º Trimestre 2016José fé em meio as injustiças - Lição 07 - 4º Trimestre 2016
José fé em meio as injustiças - Lição 07 - 4º Trimestre 2016Pr. Andre Luiz
 
E.b.d adultos 4ºtrimestre2016 lição 07
E.b.d   adultos 4ºtrimestre2016 lição 07E.b.d   adultos 4ºtrimestre2016 lição 07
E.b.d adultos 4ºtrimestre2016 lição 07Joel Silva
 
Lição 7 - José Fé em Meio às Injustiças
Lição 7 - José Fé em Meio às InjustiçasLição 7 - José Fé em Meio às Injustiças
Lição 7 - José Fé em Meio às InjustiçasAndrew Guimarães
 
2016 4º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 07.pptx2016 4º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 07.pptxJoel Silva
 
José em exemplo de fé em meio as injustiças
José em exemplo de fé em meio as injustiçasJosé em exemplo de fé em meio as injustiças
José em exemplo de fé em meio as injustiçasRODRIGO FERREIRA
 
José a Realidade de um Sonho
José a Realidade de um SonhoJosé a Realidade de um Sonho
José a Realidade de um SonhoMárcio Martins
 
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiças
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiçasLBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiças
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiçasNatalino das Neves Neves
 
Lições dos Sonhos Despedaçados
Lições dos Sonhos DespedaçadosLições dos Sonhos Despedaçados
Lições dos Sonhos DespedaçadosIBMemorialJC
 
Lição 13 josé, a realidade de um sonho
Lição 13   josé, a realidade de um sonhoLição 13   josé, a realidade de um sonho
Lição 13 josé, a realidade de um sonhoAndrew Guimarães
 
Sonhos, eu tenho! mas como alcança los
Sonhos, eu tenho! mas como alcança losSonhos, eu tenho! mas como alcança los
Sonhos, eu tenho! mas como alcança losMarcela Nascimento
 
José a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoJosé a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoPr. Gerson Eller
 
O mordomo infiel
O mordomo infielO mordomo infiel
O mordomo infielnelmarvoc
 
EBD CPAD lições bíblicas 4 trimestre 2015 aula 13 José,A realidade de um sonho.
EBD CPAD lições bíblicas 4 trimestre 2015 aula 13 José,A realidade de um sonho.EBD CPAD lições bíblicas 4 trimestre 2015 aula 13 José,A realidade de um sonho.
EBD CPAD lições bíblicas 4 trimestre 2015 aula 13 José,A realidade de um sonho.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 

Semelhante a Genesis 40 (20)

Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASLiçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
Liçao 7 JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
 
Ebd aula 7 4°trimestre 2016 José,fé em meio as injustiças.
Ebd aula 7 4°trimestre 2016 José,fé em meio as injustiças.Ebd aula 7 4°trimestre 2016 José,fé em meio as injustiças.
Ebd aula 7 4°trimestre 2016 José,fé em meio as injustiças.
 
LIÇÃO 07 - JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
LIÇÃO 07 - JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇASLIÇÃO 07 - JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
LIÇÃO 07 - JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS
 
José Fé em Meio as Injustiças.
José Fé em Meio as Injustiças.José Fé em Meio as Injustiças.
José Fé em Meio as Injustiças.
 
Lição 7 José: Fé em meio às injustiças
Lição 7   José:  Fé em meio às injustiçasLição 7   José:  Fé em meio às injustiças
Lição 7 José: Fé em meio às injustiças
 
José fé em meio as injustiças - Lição 07 - 4º Trimestre 2016
José fé em meio as injustiças - Lição 07 - 4º Trimestre 2016José fé em meio as injustiças - Lição 07 - 4º Trimestre 2016
José fé em meio as injustiças - Lição 07 - 4º Trimestre 2016
 
E.b.d adultos 4ºtrimestre2016 lição 07
E.b.d   adultos 4ºtrimestre2016 lição 07E.b.d   adultos 4ºtrimestre2016 lição 07
E.b.d adultos 4ºtrimestre2016 lição 07
 
Lição 7 - José Fé em Meio às Injustiças
Lição 7 - José Fé em Meio às InjustiçasLição 7 - José Fé em Meio às Injustiças
Lição 7 - José Fé em Meio às Injustiças
 
2016 4º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 07.pptx2016 4º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 4º trimestre adultos lição 07.pptx
 
José em exemplo de fé em meio as injustiças
José em exemplo de fé em meio as injustiçasJosé em exemplo de fé em meio as injustiças
José em exemplo de fé em meio as injustiças
 
José a Realidade de um Sonho
José a Realidade de um SonhoJosé a Realidade de um Sonho
José a Realidade de um Sonho
 
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiças
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiçasLBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiças
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiças
 
Lições dos Sonhos Despedaçados
Lições dos Sonhos DespedaçadosLições dos Sonhos Despedaçados
Lições dos Sonhos Despedaçados
 
Lição 13 josé, a realidade de um sonho
Lição 13   josé, a realidade de um sonhoLição 13   josé, a realidade de um sonho
Lição 13 josé, a realidade de um sonho
 
Sonhos, eu tenho! mas como alcança los
Sonhos, eu tenho! mas como alcança losSonhos, eu tenho! mas como alcança los
Sonhos, eu tenho! mas como alcança los
 
As 4 Respostas de José
As 4 Respostas de JoséAs 4 Respostas de José
As 4 Respostas de José
 
José, a realidade de um sonho. lição 13
José, a realidade de um sonho. lição 13 José, a realidade de um sonho. lição 13
José, a realidade de um sonho. lição 13
 
José a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoJosé a realidade de um sonho
José a realidade de um sonho
 
O mordomo infiel
O mordomo infielO mordomo infiel
O mordomo infiel
 
EBD CPAD lições bíblicas 4 trimestre 2015 aula 13 José,A realidade de um sonho.
EBD CPAD lições bíblicas 4 trimestre 2015 aula 13 José,A realidade de um sonho.EBD CPAD lições bíblicas 4 trimestre 2015 aula 13 José,A realidade de um sonho.
EBD CPAD lições bíblicas 4 trimestre 2015 aula 13 José,A realidade de um sonho.
 

Mais de Associação Kalunga Nordeste Goiano (20)

2 samuel 17
2 samuel 172 samuel 17
2 samuel 17
 
Josué 3
Josué 3Josué 3
Josué 3
 
Josué 2
Josué 2Josué 2
Josué 2
 
Josué 1
Josué 1Josué 1
Josué 1
 
Todas as coisas
Todas as coisasTodas as coisas
Todas as coisas
 
Te agradeço
Te agradeçoTe agradeço
Te agradeço
 
Não ha deus maior
Não ha deus maiorNão ha deus maior
Não ha deus maior
 
344 deus cuidará de ti
344   deus cuidará de ti344   deus cuidará de ti
344 deus cuidará de ti
 
337 nada de desânimo
337   nada de desânimo337   nada de desânimo
337 nada de desânimo
 
236 atribulado coração
236   atribulado coração236   atribulado coração
236 atribulado coração
 
Todas as coisas
Todas as coisasTodas as coisas
Todas as coisas
 
Quero louvar te
Quero louvar teQuero louvar te
Quero louvar te
 
Diante da cruz
Diante da cruzDiante da cruz
Diante da cruz
 
A ele a gloria
A ele a gloriaA ele a gloria
A ele a gloria
 
289 ao pé da cruz
289   ao pé da cruz289   ao pé da cruz
289 ao pé da cruz
 
135 louvor
135   louvor135   louvor
135 louvor
 
015 exultação
015   exultação015   exultação
015 exultação
 
123 seja bendito o cordeiro
123   seja bendito o cordeiro123   seja bendito o cordeiro
123 seja bendito o cordeiro
 
Vem esta e a hora
Vem esta e a horaVem esta e a hora
Vem esta e a hora
 
Somos o povo de deus
Somos o povo de deusSomos o povo de deus
Somos o povo de deus
 

Genesis 40

  • 1. CAPÍTULO 40 Versículos 1-19 O copeiro e o padeiro do Faraó na prisão – Seus sonhos interpretados por José Versículos 20-23 A ingratidão do chefe dos copeiros
  • 2. Versículos 1-19 -O copeiro e o padeiro do Faraó na prisão -Seus sonhos interpretados por José
  • 3. 1-E aconteceu, depois destas coisas, que o copeiro do rei do Egito, e o seu padeiro, ofenderam o seu senhor, o rei do Egito. 2-E indignou-se Faraó muito contra os seus dois oficiais, contra o copeiro-mor e contra o padeiro-mor.
  • 4. 3-E entregou-os à prisão, na casa do capitão da guarda, na casa do cárcere, no lugar onde José estava preso. 4-E o capitão da guarda pô-los a cargo de José, para que os servisse; e estiveram muitos dias na prisão.
  • 5. 5-E ambos tiveram um sonho, cada um seu sonho, na mesma noite, cada um conforme a interpretação do seu sonho, o copeiro e o padeiro do rei do Egito, que estavam presos na casa do cárcere. 6-E veio José a eles pela manhã, e olhou para eles, e viu que estavam perturbados.
  • 6. 5-E ambos tiveram um sonho, cada um seu sonho, na mesma noite, cada um conforme a interpretação do seu sonho, o copeiro e o padeiro do rei do Egito, que estavam presos na casa do cárcere. 6-E veio José a eles pela manhã, e olhou para eles, e viu que estavam perturbados.
  • 7. 7-Então perguntou aos oficiais de Faraó, que com ele estavam no cárcere da casa de seu senhor, dizendo: Por que estão hoje tristes os vossos semblantes? 8-E eles lhe disseram: Tivemos um sonho, e ninguém há que o interprete. E José disse-lhes: Não são de Deus as interpretações? Contai-mo, peço-vos.
  • 8. 9-Então contou o copeiro-mor o seu sonho a José, e disse-lhe: Eis que em meu sonho havia uma vide diante da minha face. 10-E na vide três sarmentos, e brotando ela, a sua flor saía, e os seus cachos amadureciam em uvas;
  • 9. 11-E o copo de Faraó estava na minha mão, e eu tomava as uvas, e as espremia no copo de Faraó, e dava o copo na mão de Faraó. 12-Então disse-lhe José: Esta é a sua interpretação: Os três sarmentos são três dias;
  • 10. 13-Dentro ainda de três dias Faraó levantará a tua cabeça, e te restaurará ao teu estado, e darás o copo de Faraó na sua mão, conforme o costume antigo, quando eras seu copeiro. 14-Porém lembra-te de mim, quando te for bem; e rogo-te que uses comigo de compaixão, e que faças menção de mim a Faraó, e faze-me sair desta casa;
  • 11. 15-Porque, de fato, fui roubado da terra dos hebreus; e tampouco aqui nada tenho feito para que me pusessem nesta cova. 16-Vendo então o padeiro-mor que tinha interpretado bem, disse a José: Eu também sonhei, e eis que três cestos brancos estavam sobre a minha cabeça;
  • 12. 17-E no cesto mais alto havia de todos os manjares de Faraó, obra de padeiro; e as aves o comiam do cesto, de sobre a minha cabeça. 18-Então respondeu José, e disse: Esta é a sua interpretação: Os três cestos são três dias; 19-Dentro ainda de três dias Faraó tirará a tua cabeça e te pendurará num pau, e as aves comerão a tua carne de sobre ti.
  • 13. Não foi o cárcere o que tanto entristeceu o copeiro e o padeiro, como seus sonhos. Deus tem mais de um caminho para contristar os espíritos. José teve compaixão deles. Que nos interessemos pela tristeza dos rostos de nossos irmãos. Para os que têm problemas freqüentemente é um alívio ser percebidos.
  • 14. Além disso, aprendamos a ver a causa de nosso próprio pesar. Existe uma boa razão? Não há suficiente consolo para equilibrá-la, qualquer que seja? Por que estás abatida, oh minha alma? José teve cuidado de dar a glória a Deus. O sonho do chefe dos copeiros anunciava sua ascensão. O sonho do padeiro-mor, sua morte.
  • 15. Não era culpa de José que não lhe fossem dadas melhores notícias ao padeiro. Assim, os ministros somente são intérpretes; eles não podem fazer que as coisas sejam distintas do que são: se eles se conduzem com fidelidade e sua mensagem resulta desagradável, a culpa não é deles.
  • 16. José não pensa em seus irmãos que o venderam; tampouco no mal que sua ama e seu amo lhe fizeram, senão que mansamente afirma sua inocência. Quando somos chamados a defender- nos, devemos evitar, cuidadosamente, dentro do possível, falar mal dos outros. Contentemo-nos com demonstrar a nossa inocência e não recriminemos aos outros sua culpa
  • 17. Versículos 20-23 A ingratidão do chefe dos copeiros
  • 18. 20-E aconteceu ao terceiro dia, o dia do nascimento de Faraó, que fez um banquete a todos os seus servos; e levantou a cabeça do copeiro-mor, e a cabeça do padeiro- mor, no meio dos seus servos. 21-E fez tornar o copeiro-mor ao seu ofício de copeiro, e este deu o copo na mão de Faraó.
  • 19. 22-Mas ao padeiro-mor enforcou, como José havia interpretado. 23-O copeiro-mor, porém, não se lembrou de José, antes se esqueceu dele.
  • 20. A interpretação que José deu aos sonhos aconteceu no dia indicado. No aniversário do Faraó todos seus servos o atendiam e então foram revisados os casos dos dois. Todos podemos olhar para o nosso aniversário com proveito, com gratidão pelas misericórdias de nosso nascimento, com tristeza pelo pecado de nossa vida e com a expectativa de que o dia de nossa morte seja melhor que o dia de nosso nascimento.
  • 21. Mas parece raro que a gente mundana, tão aficionada a viver aqui, deva regozijar-se afinal de cada ano de sua curta expectativa de vida. O cristão tem razão para alegrar-se por ter nascido, de ir aproximando-se o final de seu pecado e pesar, e sua eterna felicidade.
  • 22. O chefe dos copeiros não se lembrou de José, senão que o esqueceu. José teria merecido algo melhor dele, porém esqueceu. Não devemos pensar que é estranho se neste mundo nos devolvem ódio por nosso amor e dardos por nossa bondade. Veja-se quão dados a esquecer-se dos outros que estão em problemas são os que agora estão bem.
  • 23. José aprendeu, por seu desengano, a confiar unicamente em Deus. Nós nunca devemos esperar nada do homem nem demasiado de Deus. (Sl 118:8-É melhor confiar no SENHOR do que confiar no homem. 9-É melhor confiar no SENHOR do que confiar nos príncipes.
  • 24. Não esqueçamos os sofrimentos, as promessas e o amor de nosso Redentor. Culpamos a ingratidão do copeiro-mor para com José, porém nós mesmos agimos com muita mais ingratidão para com o Senhor Jesus.
  • 25. José apenas tinha anunciado a ascensão do chefe dos copeiros, porém Cristo produziu a nossa; Ele intercedeu com o Rei de reis por nós, mas nós o esquecemos, embora freqüentemente se nos faz lembrá-lo e apesar de ter prometido não esquecê-lo jamais. Assim de mal lhe pagamos, como a gente néscia e imprudente.
  • 26. José apenas tinha anunciado a ascensão do chefe dos copeiros, porém Cristo produziu a nossa; Ele intercedeu com o Rei de reis por nós, mas nós o esquecemos, embora freqüentemente se nos faz lembrá-lo e apesar de ter prometido não esquecê-lo jamais. Assim de mal lhe pagamos, como a gente néscia e imprudente.