SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Memorial  do Convento José Saramago E.B.2,3/ S Mestre Martins Correia Golegã  2010/2011 Adriana Narciso 12ºA nº1
CAPÍTULO I Personagens: Frei António de S. José (franciscano) D. Maria Ana Josefa D. João V D. Nuno da Cunha  (bispo inquisidor)
LIÇÃO DE HISTÓRIA D. João V, nascido a 22 de Outubro de 1689, foi o vigésimo quarto rei de Portugal e conta com umdos reinados mais longos em Portugal. Viria a falecer a 31 de Julho de 1750.  	Foi aclamado rei a 1 de Janeiro de 1707 e casou a 9 de Julho de 1708 com D. Maria Ana da Áustria.  	Ficou conhecido como “o Magnânimo ” devido às grandes obras que promoveu na arte, literatura e ciência. 	Dois exemplos de obras públicas de grande importância mandadas construir por este rei foram: O Convento de Mafra, para agradecer o nascimento de um herdeiro, e o Aqueduto das Águas Livres.  	Teve seis filhos do seu casamento com D. Maria Ana entre os quais D. José I (futuro rei de Portugal) e D. Maria Bárbara (futura rainha de Espanha). Também teve outros filhos fruto de relações extra-conjugais.
CAPÍTULO I Resumo: ,[object Object]
D. Nuno da Cunha (bispo inquisidor) vai falar com o rei para lhe comunicar que segundo Frei António de S. José se o rei prometer construir um convento franciscano na vila de Mafra Deus dá-lhe sucessão.,[object Object]
CAPÍTULO I Curiosidades: ,[object Object]
 A rainha sonha com o seu cunhado, Infante D. Francisco que pretendia roubar o trono ao irmão.Infante  D. Francisco

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memorial do convento, cap. 13 14
Memorial do convento,  cap. 13 14Memorial do convento,  cap. 13 14
Memorial do convento, cap. 13 14Ana Teresa
 
Memorial do convento espaço social e a crítica
Memorial do convento   espaço social e a críticaMemorial do convento   espaço social e a crítica
Memorial do convento espaço social e a críticaAntónio Teixeira
 
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)José Galvão
 
Memorial do convento capitulo VII
Memorial do convento capitulo VIIMemorial do convento capitulo VII
Memorial do convento capitulo VIIMarta Jorge
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoCarla Ribeiro
 
Capítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MCCapítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MC12anogolega
 
Capítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MCCapítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MC12anogolega
 
Capítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MCCapítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MC12anogolega
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento12anogolega
 
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicaMemorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicananasimao
 
Capítulo iii memorial do convento
Capítulo iii   memorial do conventoCapítulo iii   memorial do convento
Capítulo iii memorial do convento12anogolega
 
Memorial do convento xiv
Memorial do convento xivMemorial do convento xiv
Memorial do convento xiv12anogolega
 
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoMemorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoAntónio Teixeira
 
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.Elisabete
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC12anogolega
 
Memorial do Convento - Cap. II
Memorial do Convento - Cap. IIMemorial do Convento - Cap. II
Memorial do Convento - Cap. II12º A Golegã
 

Mais procurados (20)

Memorial do convento, cap. 13 14
Memorial do convento,  cap. 13 14Memorial do convento,  cap. 13 14
Memorial do convento, cap. 13 14
 
Memorial do convento espaço social e a crítica
Memorial do convento   espaço social e a críticaMemorial do convento   espaço social e a crítica
Memorial do convento espaço social e a crítica
 
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
 
Memorial do convento capitulo VII
Memorial do convento capitulo VIIMemorial do convento capitulo VII
Memorial do convento capitulo VII
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
 
Capítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MCCapítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MC
 
Capítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MCCapítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MC
 
Capítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MCCapítulo XVII - MC
Capítulo XVII - MC
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólicaMemorial do Convento-Dimensão simbólica
Memorial do Convento-Dimensão simbólica
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Capítulo iii memorial do convento
Capítulo iii   memorial do conventoCapítulo iii   memorial do convento
Capítulo iii memorial do convento
 
Memorial do convento xiv
Memorial do convento xivMemorial do convento xiv
Memorial do convento xiv
 
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoMemorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
 
Capítulo viii
Capítulo viiiCapítulo viii
Capítulo viii
 
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC
 
Memorial do Convento - Cap. II
Memorial do Convento - Cap. IIMemorial do Convento - Cap. II
Memorial do Convento - Cap. II
 

Semelhante a Capítulo i power point(1)

Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Carmo Silva
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragançaCarmo Silva
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragançaCarmo Silva
 
Dinastia de bragança (1815 – 1822)
Dinastia de bragança   (1815 – 1822)Dinastia de bragança   (1815 – 1822)
Dinastia de bragança (1815 – 1822)Laís Maíne
 
O Convento de Mafra - por João Aníbal Henriques
O Convento de Mafra - por João Aníbal HenriquesO Convento de Mafra - por João Aníbal Henriques
O Convento de Mafra - por João Aníbal HenriquesCascais - Portugal
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesMaria Gomes
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragançaCarmo Silva
 
Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Carmo Silva
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragançaCarmo Silva
 
morte de D. sebastião e a sucessão ao trono portugues
morte de D. sebastião e a sucessão ao trono portuguesmorte de D. sebastião e a sucessão ao trono portugues
morte de D. sebastião e a sucessão ao trono portuguesafonso Nunes
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembroguest9ca549
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembroguest9ca549
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembroguest9ca549
 
Vida de dom pedro i
Vida de dom pedro iVida de dom pedro i
Vida de dom pedro imahhhluiza
 
Dinastia de bragança 1
Dinastia de bragança 1Dinastia de bragança 1
Dinastia de bragança 1Carmo Silva
 
Dinastia de bragança 1
Dinastia de bragança 1Dinastia de bragança 1
Dinastia de bragança 1Carmo Silva
 

Semelhante a Capítulo i power point(1) (20)

Cronica d. pedro
Cronica d. pedroCronica d. pedro
Cronica d. pedro
 
Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
Dinastia de bragança (1815 – 1822)
Dinastia de bragança   (1815 – 1822)Dinastia de bragança   (1815 – 1822)
Dinastia de bragança (1815 – 1822)
 
O Convento de Mafra - por João Aníbal Henriques
O Convento de Mafra - por João Aníbal HenriquesO Convento de Mafra - por João Aníbal Henriques
O Convento de Mafra - por João Aníbal Henriques
 
D. Filipa de Lencastre - A Rainha
D. Filipa de Lencastre - A RainhaD. Filipa de Lencastre - A Rainha
D. Filipa de Lencastre - A Rainha
 
Aulas sobre o memorial
Aulas sobre o memorialAulas sobre o memorial
Aulas sobre o memorial
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2Dinastia de bragança 2
Dinastia de bragança 2
 
Dinastia de bragança
Dinastia de bragançaDinastia de bragança
Dinastia de bragança
 
D joao mestreavis
D joao mestreavisD joao mestreavis
D joao mestreavis
 
morte de D. sebastião e a sucessão ao trono portugues
morte de D. sebastião e a sucessão ao trono portuguesmorte de D. sebastião e a sucessão ao trono portugues
morte de D. sebastião e a sucessão ao trono portugues
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
 
Rafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De DezembroRafael 1 De Dezembro
Rafael 1 De Dezembro
 
Vida de dom pedro i
Vida de dom pedro iVida de dom pedro i
Vida de dom pedro i
 
Dinastia de bragança 1
Dinastia de bragança 1Dinastia de bragança 1
Dinastia de bragança 1
 
Dinastia de bragança 1
Dinastia de bragança 1Dinastia de bragança 1
Dinastia de bragança 1
 

Mais de 12anogolega

Mais de 12anogolega (20)

Voluntariado - AP
Voluntariado - APVoluntariado - AP
Voluntariado - AP
 
Curiosidades - AP
Curiosidades - APCuriosidades - AP
Curiosidades - AP
 
Água - Biologia
Água - BiologiaÁgua - Biologia
Água - Biologia
 
Esquizofrenia - AP
Esquizofrenia - APEsquizofrenia - AP
Esquizofrenia - AP
 
Psi - Inês
Psi - InêsPsi - Inês
Psi - Inês
 
Psi3 - Inês
Psi3 - InêsPsi3 - Inês
Psi3 - Inês
 
Psi4 - Inês
Psi4 - InêsPsi4 - Inês
Psi4 - Inês
 
Psi2 - Inês
Psi2 - InêsPsi2 - Inês
Psi2 - Inês
 
Last PP - Telma
Last PP - TelmaLast PP - Telma
Last PP - Telma
 
Last PP - Leonor
Last PP - LeonorLast PP - Leonor
Last PP - Leonor
 
Last PP - Inês
Last PP - InêsLast PP - Inês
Last PP - Inês
 
Last PP - Guadalupe
Last PP - GuadalupeLast PP - Guadalupe
Last PP - Guadalupe
 
Last PP - Paulo
Last PP - PauloLast PP - Paulo
Last PP - Paulo
 
Last PP - Magy
Last PP - MagyLast PP - Magy
Last PP - Magy
 
Last PP - Constança
Last PP - ConstançaLast PP - Constança
Last PP - Constança
 
Last PP - Julha
Last PP - JulhaLast PP - Julha
Last PP - Julha
 
Last PP - Adri
Last PP - AdriLast PP - Adri
Last PP - Adri
 
Last PP - Cláudia
Last PP - CláudiaLast PP - Cláudia
Last PP - Cláudia
 
Capítulo XIX - MC
Capítulo XIX - MCCapítulo XIX - MC
Capítulo XIX - MC
 
Last FL - Telma
Last FL - TelmaLast FL - Telma
Last FL - Telma
 

Capítulo i power point(1)

  • 1. Memorial do Convento José Saramago E.B.2,3/ S Mestre Martins Correia Golegã 2010/2011 Adriana Narciso 12ºA nº1
  • 2. CAPÍTULO I Personagens: Frei António de S. José (franciscano) D. Maria Ana Josefa D. João V D. Nuno da Cunha (bispo inquisidor)
  • 3. LIÇÃO DE HISTÓRIA D. João V, nascido a 22 de Outubro de 1689, foi o vigésimo quarto rei de Portugal e conta com umdos reinados mais longos em Portugal. Viria a falecer a 31 de Julho de 1750. Foi aclamado rei a 1 de Janeiro de 1707 e casou a 9 de Julho de 1708 com D. Maria Ana da Áustria. Ficou conhecido como “o Magnânimo ” devido às grandes obras que promoveu na arte, literatura e ciência. Dois exemplos de obras públicas de grande importância mandadas construir por este rei foram: O Convento de Mafra, para agradecer o nascimento de um herdeiro, e o Aqueduto das Águas Livres. Teve seis filhos do seu casamento com D. Maria Ana entre os quais D. José I (futuro rei de Portugal) e D. Maria Bárbara (futura rainha de Espanha). Também teve outros filhos fruto de relações extra-conjugais.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. A rainha sonha com o seu cunhado, Infante D. Francisco que pretendia roubar o trono ao irmão.Infante D. Francisco
  • 8. CAPÍTULO I Conclusão: O primeiro capítulo descreve o que se passou por trás da construção do convento, mostrando que não foi simplesmente um acto de boa fé ou de adoração mas sim algo que se deu em troca, um meio que o rei usou para atingir os seus fins e também como forma de mostrar aos outros a riqueza que Portugal possuía. Foi importante para demonstrar um pouco da forma como se vivia naquele tempo e como o casamento podia ser impessoal e de certa forma uma “obrigação”.