SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
151
3º ANO
Folclore .............................................................................................................. 152
• Cantigas de roda
• Ditados populares
• Brinquedos e brincadeiras populares
• Lendas
Cultura Afro-brasileira ...................................................................................... 158
Teatro.................................................................................................................. 161
• Teatro de bonecos
Ilustração de texto ............................................................................................ 163
Leitura e releitura de obras.............................................................................. 165
• Arte Naif
Origami............................................................................................................... 169
“O Belo torna-se belo pelo Belo”
Sócrates
Art_3º_2s_2010.indd 151
Art_3º_2s_2010.indd 151 21/3/2010 15:48:32
21/3/2010 15:48:32
152
Folclore
Folclore são tradições populares, formadas pela união de culturas, costumes, lendas,
provérbios, manifestações artísticas em geral, preservadas através da tradição oral.
Fazem parte do nosso folclore:
Cantigas de roda: Ciranda cirandinha, Caranguejo, Escravos de Jó, Pirulito que bate
bate, entre outras.
Exemplos de cantigas de roda
Ciranda cirandinha
Ciranda Cirandinha
Vamos todos cirandar
Vamos dar a meia volta
Volta e meia vamos dar
O Anel que tu me destes
Era vidro e se quebrou
O amor que tu me tinhas
Era pouco e se acabou
Por isso dona Sonia
Entre dentro desta roda
Diga um verso bem bonito
Diga adeus e vá se embora.
Domínio Público
Art_3º_2s_2010.indd 152
Art_3º_2s_2010.indd 152 21/3/2010 15:48:34
21/3/2010 15:48:34
153
Caranguejo
Caranguejo não é peixe
Caranguejo peixe é
Caranguejo não é peixe
Na vazante da maré.
Palma, palma, palma,
Pé, pé, pé
Caranguejo só é peixe, na
vazante da maré!
Escravos de Jó
Escravos de Jó
Jogavam caxangá
Tira, bota, deixa o Zé Pereira ficar.
Guerreiros com guerreiros fazem
zigue zigue zá
Guerreiros com guerreiros fazem
zigue zigue zá
1. Forme alguns grupos na sala. Cada grupo irá pesquisar junto a sua família uma música
e criar para ela uma coreografia. Combine com seu professor os horários de ensaio e
apresentação.
Dica: Converse com seu professor de música, ele poderá lhe ajudar.
Pirulito Que Bate Bate
Pirulito que bate bate
Pirulito que já bateu
Quem gosta de mim é ela
Quem gosta dela sou eu
Pirulito que bate bate
Pirulito que já bateu
A menina que eu gostava
Não gostava como eu.
Domínio Público
Domínio Público
Domínio Público
Art_3º_2s_2010.indd 153
Art_3º_2s_2010.indd 153 21/3/2010 15:48:38
21/3/2010 15:48:38
154
Brinquedos e brincadeiras populares: Papagaio ou pipa, Bambolê, Cabo de guerra,
Ioiô, Pião, Corrida de ovo na colher, Dominó, entre outros.
Papagaio ou pipa
Bambolê
Cabo de guerra Corrida de ovo na colher
Pião Dominó Ioiô
Art_3º_2s_2010.indd 154
Art_3º_2s_2010.indd 154 21/3/2010 15:48:39
21/3/2010 15:48:39
155
1. Crie no espaço a seguir um desenho com os brinquedos infantis.
Pinte o desenho utilizando lápis de cor ou caneta hidrográfica. Bom trabalho!
Atividade: “ Jogo da Memória”
No laboratório de informática vamos brincar com o jogo da
memória.
Como fazer:
Clique em <Iniciar> <Programas> <Internet Explorer>
ou Clique no atalho <Internet Explorer>.
Acesse o site: www.barueri.sp.gov.br/educacao
Acesse a atividade (no espaço reservado para o <3º Ano>, <Disciplina de Artes>) e siga
as instruções. Bom trabalho!
Art_3º_2s_2010.indd 155
Art_3º_2s_2010.indd 155 21/3/2010 15:48:49
21/3/2010 15:48:49
156
Ditados populares: São frases curtas, de origem popular que expressam de forma
sintetizada uma ideia ou pensamento.
Exemplo:
• Onde há fumaça, há fogo.
• Filho de peixe, peixinho é.
• Mãos frias, coração quente.
• De grão em grão a galinha enche o papo.
• Manda quem pode, obedece quem tem juízo.
• Mais vale um pássaro na mão do que dois voando.
• A união faz a força.
• Amor com amor se paga.
• Antes tarde do que nunca.
Lendas: São narrativas populares de caráter fantasioso, ou seja, fatos considerados
históricos modificados pela imaginação popular.
A lenda do saci pererê é uma das mais
populares do folclore. A lenda narra que
o saci é um negrinho de uma perna só,
atrevido, gosta de fumar cachimbo e usa
uma carapuça vermelha.
O saci pererê perturba as pessoas,
apaga o fogo, queima os alimentos,
esconde objetos, trança o rabo do cavalo.
Não é maldoso, porém brincalhão como
toda criança.
Saci Pererê
Art_3º_2s_2010.indd 156
Art_3º_2s_2010.indd 156 21/3/2010 15:48:51
21/3/2010 15:48:51
157
Diz a lenda que o curupira é um ser
pequeno de cor verde com os pés virados
para trás, protetor das matas e dos animais.
Ao perceber caçadores na mata pede a eles
que não matem os animais, mas, se isso
acontece não tem o seu perdão, prepara
armadilhas, enganando-os até se perderem
na mata.
O curupira não perdoa aqueles que matam
os animais indefesos.
Curupira
1. Construa personagens do folclore com sucata ou argila. Bom trabalho!
2. Pesquise outras lendas e registre-as em folhas de papel sulfite elaborando um livro. Ilustre-o
com desenho e pintura. Bom trabalho!
Art_3º_2s_2010.indd 157
Art_3º_2s_2010.indd 157 21/3/2010 15:48:55
21/3/2010 15:48:55
158
Cultura Afro-brasileira
A história da África está intimamente
ligada à história do Brasil. Os africanos,
trazidos para o nosso país como escravos,
entre os séculos XVI e XIX, enriqueceram
a cultura brasileira com seus costumes,
rituais religiosos, culinária, danças e
muito mais. A contribuição dos negros na
cultura e na formação do povo é imensa.
Preconceito
O preconceito existe quando julgamos
o outro por sua classe social, condição
financeira, religião, raça e outros.
Você tem a obrigação de fazer deste
mundo um lugar melhor para se viver, para
você, sua família e as outras pessoas.
Todos os seres humanos têm
direito ao respeito, carinho e atenção,
independentemente dele ser ou não parecido
com você.
Tratando todos com igualdade, o mundo
será mais feliz.
1. Monte um jogo da memória. Destaque a folha a seguir e cole-a em uma pedaço de cartolina
ou papel cartão, espere secar e recorte as peças no local indicado. Divirta-se.
Art_3º_2s_2010.indd 158
Art_3º_2s_2010.indd 158 21/3/2010 15:48:59
21/3/2010 15:48:59
159
Art_3º_2s_2010.indd 159
Art_3º_2s_2010.indd 159 21/3/2010 15:49:04
21/3/2010 15:49:04
160
Art_3º_2s_2010.indd 160
Art_3º_2s_2010.indd 160 21/3/2010 15:49:24
21/3/2010 15:49:24
161
Teatro
O teatro é uma arte antiga que surgiu na Grécia. Ele se utiliza de cenografia, dança
(coreografia), textos e música, além disso, o ator deve despertar a atenção e os sentimentos
da plateia.
Teatro de bonecos
Surgiu na China com as marionetes
e o teatro de sombras, em peças
musicais, festividades e rituais.
No Brasil, o teatro de bonecos
surgiu no Nordeste como forma de
manifestação popular. Essa forma de
teatro recebe o nome de mamulengo,
na qual os bonecos representam
personagens do nosso folclore.
O teatro de bonecos é uma aventura
no universo das artes.
1. Forme um grupo com alguns integrantes, escolha uma história e crie um teatro de fantoche
seguindo uma das opções a seguir. Monte os personagens e boa diversão!
Art_3º_2s_2010.indd 161
Art_3º_2s_2010.indd 161 21/3/2010 15:49:35
21/3/2010 15:49:35
162
Tipos de fantoches e como fazer.
Fantoche de saco de papel
• Use o fundo do saco de papel para
fazer o rosto do seu personagem e
a dobra como boca;
• Use o color set para criar o nariz,
orelhas, dentes, olhos e tudo o mais
que seu personagem precisar.
Fantoches de meia
• Use uma meia velha para fazer o seu personagem.
• Faça um furo nas laterais, logo abaixo da cabeça, para que você
encaixe seus dedos e forme os braços.
• Em seguida, recorte todos os elementos do rosto usando
recortes de color set.
• Complete o fantoche colando fios de lã para fazer o cabelo.
• Use pedaços de cartolina para recortar o
desenho desejado;
• Cole atrás do desenho um palito de sorvete
ou uma vareta.
Fantoches de palito
Como Fazer
Material:
• Caixa de papelão;
• Pano ou papel crepom;
• Cola.
1. Abra um retângulo no fundo da caixa, onde os bonecos aparecerão;
2. Em seguida cole retalhos de tecidos ou papel crepom para confeccionar a cortina.
Sugestão para um palco pequeno.
Art_3º_2s_2010.indd 162
Art_3º_2s_2010.indd 162 21/3/2010 15:49:40
21/3/2010 15:49:40
163
Ilustração de texto
Ilustração de texto: Imagens que acompanham textos de livros, jornais, revistas e etc.
A ilustração pode se referir a todo texto ou a uma parte dele.
A ÁRVORE E O MACHADO
Um homem foi à floresta e pediu às árvores que estas lhe doassem um cabo
para o seu machado. O conselho das árvores concordou com o seu pedido e
deu a ele uma jovem árvore para este fim.
Logo que o homem colocou o novo cabo no machado, começou furiosamente
a usá-lo e em pouco tempo havia derrubado com seus golpes as maiores e mais
nobres árvores da floresta.
Um velho Carvalho lamenta quando a destruição dos seus já está bem
adiantada, e diz a um cedro seu vizinho:
- O primeiro passo significou a perdição de todas nós. Tivéssemos respeitado
os direitos daquela jovem árvore, ainda teríamos os nossos próprios e o direito
de ficarmos de pé por muitos anos.
Autor: Esopo
MORAL DA HISTÓRIA: Quem menospreza ou discrimina seu semelhante,
não deve se surpreender se um dia lhe fizerem a mesma coisa.
Art_3º_2s_2010.indd 163
Art_3º_2s_2010.indd 163 21/3/2010 15:49:43
21/3/2010 15:49:43
164
1. Leia o texto “A árvore e o machado” com atenção e crie para ele uma ilustração. Capriche.
Art_3º_2s_2010.indd 164
Art_3º_2s_2010.indd 164 21/3/2010 15:49:44
21/3/2010 15:49:44
165
Leitura e Releitura de Obras
Leitura de Obras: A leitura da imagem é uma
atividade particular, que leva o observador da
obra a uma interpretação individual.
ARTE NAIF- ARTE PRIMITIVA- INGÊNUA
Helena Coelho
Nasceu no Rio de Janeiro, desde pequena
usava a criatividade para conseguir alguns
trocados: escrevia e encenava peças de teatro
atrás dos lençóis estendidos no varal de roupas
da vila em que morava, fabricava seus próprios
fantochescompapiermachêecobravaingressos
para os espetáculos improvisados.
Suas pinturas são minuciosas, ingênuas e
delas se desprendem uma pureza singular.
A arte naif é intuitiva e espontânea,
realizada por autoditadas, ou seja, por
artistas sem formação acadêmica.
Helena Coelho- A orquestra do lago Helena Coelho- A lenda da cobra grande
Art_3º_2s_2010.indd 165
Art_3º_2s_2010.indd 165 21/3/2010 15:49:45
21/3/2010 15:49:45
166
1. Observe a obra “Uma família no Campo” e responda:
“Uma família no campo”
a) Quem produziu esta obra?
____________________________________________________________________
b) O que você sente quando vê a obra?
____________________________________________________________________
c) Quais as cores que você conhece, usadas pelo artista?
____________________________________________________________________
d) Que figuras estão representadas nesta obra?
____________________________________________________________________
e) Esta imagem retrata o espaço urbano ou rural? Como você sabe?
____________________________________________________________________
Art_3º_2s_2010.indd 166
Art_3º_2s_2010.indd 166 21/3/2010 15:49:56
21/3/2010 15:49:56
167
Releitura de obras: É a criação de outra obra a partir de algo já feito, onde
acrescentamos um toque pessoal.
Edward Munch
O grito- 1893
Releitura- O grito
Autor desconhecido
Tarsila do Amaral- Abaporu Releitura do quadro Abaporu de Tarsila do Amaral-
Romero Britto
Art_3º_2s_2010.indd 167
Art_3º_2s_2010.indd 167 21/3/2010 15:50:03
21/3/2010 15:50:03
168
1. Observe a obra “Quintal da minha infância” de Helena Coelho e no espaço a seguir faça
a releitura. Não se esqueça, releitura não é copia. Ilustre-a através de desenho, pintura ou
colagem. Bom trabalho!
Helena Coelho- Quintal da minha infância
Art_3º_2s_2010.indd 168
Art_3º_2s_2010.indd 168 21/3/2010 15:50:20
21/3/2010 15:50:20
169
Origami
Origami: É a técnica de dobradura que pode ser aplicada em ilustrações de histórias,
móbiles, entre outros.
O origami é uma arte prazerosa e um excelente desafio à criatividade.
Art_3º_2s_2010.indd 169
Art_3º_2s_2010.indd 169 21/3/2010 15:50:27
21/3/2010 15:50:27
170
1. Observe o passo a passo e faça o saci.
• Dobre a figura na diagonal formando um triângulo;
• Em seguida, dobre as duas pontas laterais,
acompanhando o vinco;
• Em seguida dobre a ponta superior;
• Para finalizar, cole o saci no espaço a seguir completando o olho, o nariz, a boca e o
corpo com desenho e pintura. Bom trabalho!
Art_3º_2s_2010.indd 170
Art_3º_2s_2010.indd 170 21/3/2010 15:50:39
21/3/2010 15:50:39
171
2. Monte a sereia seguindo os passos.
Após o término cole-a no espaço a seguir, completando com desenho e pintura.
Bom trabalho!
• Dobre as duas pontas laterais, acompanhando o vinco;
• Dobre as pontas laterais superiores para dentro;
• Posicione a peça com as dobras para trás e faça um corte na parte
inferior, formando a calda da sereia.
Art_3º_2s_2010.indd 171
Art_3º_2s_2010.indd 171 21/3/2010 15:50:48
21/3/2010 15:50:48
172
3. Brincando de pipa.
• Dobre o quadrado ao meio;
• Dobre as duas pontas, acompanhando o vinco;
• Em seguida vire e cole-o no espaço a seguir, completando com desenhos e pintura.
Art_3º_2s_2010.indd 172
Art_3º_2s_2010.indd 172 21/3/2010 15:50:52
21/3/2010 15:50:52
173
Estrela de oito pontas.
• Utilize dois quadrados de papel que você vai recortar da página de recorte;
• Corte onde está indicado;
• Dobre as pontas cortadas sem achatá-las, colando as extremidades;
• Faça o mesmo com o outro quadrado;
• Junte as duas estrelas formando assim as oito pontas.
• Use as estrelas para decorar cartões de natal.
Art_3º_2s_2010.indd 173
Art_3º_2s_2010.indd 173 21/3/2010 15:51:03
21/3/2010 15:51:03
174
4. Cartão de Natal.
Siga o passo a passo da árvore de natal e monte um cartão bem bonito e criativo no
espaço a seguir. Desta vez você terá que seguir as imagens.
Na folha seguinte você poderá recortar o material para fazer as dobraduras.
Art_3º_2s_2010.indd 174
Art_3º_2s_2010.indd 174 21/3/2010 15:51:17
21/3/2010 15:51:17
175
Página de recorte das dobraduras. Quando acabar este material, peça folhas coloridas ao
seu professor.
Art_3º_2s_2010.indd 175
Art_3º_2s_2010.indd 175 21/3/2010 15:51:24
21/3/2010 15:51:24
176
Art_3º_2s_2010.indd 176
Art_3º_2s_2010.indd 176 21/3/2010 15:51:33
21/3/2010 15:51:33

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simulado 5º ano português e m atemática
Simulado 5º ano português e m atemáticaSimulado 5º ano português e m atemática
Simulado 5º ano português e m atemáticaMaria José Sales
 
Modelo de avaliação bimestral para o 3º ano original
Modelo de avaliação bimestral para o 3º ano originalModelo de avaliação bimestral para o 3º ano original
Modelo de avaliação bimestral para o 3º ano originalSilvânia Silveira
 
Português Simulado 4-ano-segundo-semestre
Português Simulado 4-ano-segundo-semestrePortuguês Simulado 4-ano-segundo-semestre
Português Simulado 4-ano-segundo-semestreVivian Harrizvivian
 
Simulado 3 de portugues 4 unidade
Simulado 3 de portugues  4 unidadeSimulado 3 de portugues  4 unidade
Simulado 3 de portugues 4 unidadejulliana brito
 
Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.Raquel Becker
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoFrederico Marques Sodré
 
4º ano aval. diag. port.
4º ano   aval. diag. port.4º ano   aval. diag. port.
4º ano aval. diag. port.Cida Carvalho
 
Provao 6 ano gabarito
Provao 6 ano gabaritoProvao 6 ano gabarito
Provao 6 ano gabaritoTv união
 
Avaliação diagnóstica agosto 12 1º ano aluno
Avaliação diagnóstica agosto 12  1º ano alunoAvaliação diagnóstica agosto 12  1º ano aluno
Avaliação diagnóstica agosto 12 1º ano alunoilima12
 
Prova de português 5° ano
Prova de português 5° ano Prova de português 5° ano
Prova de português 5° ano Paulo Duarte
 
Prova de Português Edite Porto 1ª Unidade 2014
Prova de Português Edite Porto 1ª Unidade 2014Prova de Português Edite Porto 1ª Unidade 2014
Prova de Português Edite Porto 1ª Unidade 2014Angela Maria
 
Avaliação de português 3º bimestre
Avaliação de português   3º bimestreAvaliação de português   3º bimestre
Avaliação de português 3º bimestreRaquel Becker
 
2003 terceira série[1].
2003   terceira série[1].2003   terceira série[1].
2003 terceira série[1].Cidinha Paulo
 

Mais procurados (20)

Simulado 5º ano português e m atemática
Simulado 5º ano português e m atemáticaSimulado 5º ano português e m atemática
Simulado 5º ano português e m atemática
 
Avaliações do 4 ano
Avaliações do 4 anoAvaliações do 4 ano
Avaliações do 4 ano
 
Modelo de avaliação bimestral para o 3º ano original
Modelo de avaliação bimestral para o 3º ano originalModelo de avaliação bimestral para o 3º ano original
Modelo de avaliação bimestral para o 3º ano original
 
CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 5º ANO DO ENSINO FUN...
CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 5º ANO DO ENSINO FUN...CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 5º ANO DO ENSINO FUN...
CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 5º ANO DO ENSINO FUN...
 
Português Simulado 4-ano-segundo-semestre
Português Simulado 4-ano-segundo-semestrePortuguês Simulado 4-ano-segundo-semestre
Português Simulado 4-ano-segundo-semestre
 
Simulado 3 de portugues 4 unidade
Simulado 3 de portugues  4 unidadeSimulado 3 de portugues  4 unidade
Simulado 3 de portugues 4 unidade
 
CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 2º ANO DO ENSINO FUN...
CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 2º ANO DO ENSINO FUN...CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 2º ANO DO ENSINO FUN...
CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 2º ANO DO ENSINO FUN...
 
Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.Apostila gêneros textuais.
Apostila gêneros textuais.
 
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º AnoCaderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
Caderno do Futuro Língua Portuguesa 7º Ano
 
4º ano aval. diag. port.
4º ano   aval. diag. port.4º ano   aval. diag. port.
4º ano aval. diag. port.
 
Português 5º ano.fase 2
Português 5º ano.fase 2Português 5º ano.fase 2
Português 5º ano.fase 2
 
Provao 6 ano gabarito
Provao 6 ano gabaritoProvao 6 ano gabarito
Provao 6 ano gabarito
 
Avaliação diagnóstica agosto 12 1º ano aluno
Avaliação diagnóstica agosto 12  1º ano alunoAvaliação diagnóstica agosto 12  1º ano aluno
Avaliação diagnóstica agosto 12 1º ano aluno
 
Prova de português 5° ano
Prova de português 5° ano Prova de português 5° ano
Prova de português 5° ano
 
Prova de Português Edite Porto 1ª Unidade 2014
Prova de Português Edite Porto 1ª Unidade 2014Prova de Português Edite Porto 1ª Unidade 2014
Prova de Português Edite Porto 1ª Unidade 2014
 
3°série ef tarde
3°série ef tarde3°série ef tarde
3°série ef tarde
 
Avaliação de português 3º bimestre
Avaliação de português   3º bimestreAvaliação de português   3º bimestre
Avaliação de português 3º bimestre
 
2003 terceira série[1].
2003   terceira série[1].2003   terceira série[1].
2003 terceira série[1].
 
Fichasavaliaomensal2ano
Fichasavaliaomensal2anoFichasavaliaomensal2ano
Fichasavaliaomensal2ano
 
CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 3º ANO DO ENSINO FUN...
CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 3º ANO DO ENSINO FUN...CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 3º ANO DO ENSINO FUN...
CADERNO DO FUTURO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA O PROFESSOR: 3º ANO DO ENSINO FUN...
 

Semelhante a Apostila de artes 2

Semelhante a Apostila de artes 2 (20)

Folclore dez sacizinhos
Folclore dez sacizinhosFolclore dez sacizinhos
Folclore dez sacizinhos
 
Folclore 1
Folclore 1Folclore 1
Folclore 1
 
Folclore
Folclore Folclore
Folclore
 
Folclore 1
Folclore 1Folclore 1
Folclore 1
 
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoSimulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabarito
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESAAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
 
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
2ª p.d   2013 (port. 5º ano)2ª p.d   2013 (port. 5º ano)
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
 
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
2ª p.d   2013 (port. 5º ano)2ª p.d   2013 (port. 5º ano)
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
 
atividade para casa 5 ano.pdf
atividade para casa 5 ano.pdfatividade para casa 5 ano.pdf
atividade para casa 5 ano.pdf
 
Projeto folclore
Projeto folcloreProjeto folclore
Projeto folclore
 
Projeto Folclore
Projeto FolcloreProjeto Folclore
Projeto Folclore
 
075 teste diagnóstico_5.º
075 teste diagnóstico_5.º075 teste diagnóstico_5.º
075 teste diagnóstico_5.º
 
Projeto: Fábulas fabulosas
Projeto: Fábulas fabulosasProjeto: Fábulas fabulosas
Projeto: Fábulas fabulosas
 
Simulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos okSimulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos ok
 
Simulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos okSimulado português e matematica 8 anos ok
Simulado português e matematica 8 anos ok
 
Ano 1 Volume 2
Ano 1 Volume 2Ano 1 Volume 2
Ano 1 Volume 2
 
Férias de janeiro no Museu dos Brinquedos 2013
Férias de janeiro no Museu dos Brinquedos 2013Férias de janeiro no Museu dos Brinquedos 2013
Férias de janeiro no Museu dos Brinquedos 2013
 
Simulado 20 (port. 5º ano)
Simulado 20 (port. 5º ano)Simulado 20 (port. 5º ano)
Simulado 20 (port. 5º ano)
 
Projeto animais
Projeto animaisProjeto animais
Projeto animais
 
Planeamento final Prémio Fundação Ilídio Pinho 2018
Planeamento final Prémio Fundação Ilídio Pinho 2018Planeamento final Prémio Fundação Ilídio Pinho 2018
Planeamento final Prémio Fundação Ilídio Pinho 2018
 

Último

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 

Apostila de artes 2

  • 1. 151 3º ANO Folclore .............................................................................................................. 152 • Cantigas de roda • Ditados populares • Brinquedos e brincadeiras populares • Lendas Cultura Afro-brasileira ...................................................................................... 158 Teatro.................................................................................................................. 161 • Teatro de bonecos Ilustração de texto ............................................................................................ 163 Leitura e releitura de obras.............................................................................. 165 • Arte Naif Origami............................................................................................................... 169 “O Belo torna-se belo pelo Belo” Sócrates Art_3º_2s_2010.indd 151 Art_3º_2s_2010.indd 151 21/3/2010 15:48:32 21/3/2010 15:48:32
  • 2. 152 Folclore Folclore são tradições populares, formadas pela união de culturas, costumes, lendas, provérbios, manifestações artísticas em geral, preservadas através da tradição oral. Fazem parte do nosso folclore: Cantigas de roda: Ciranda cirandinha, Caranguejo, Escravos de Jó, Pirulito que bate bate, entre outras. Exemplos de cantigas de roda Ciranda cirandinha Ciranda Cirandinha Vamos todos cirandar Vamos dar a meia volta Volta e meia vamos dar O Anel que tu me destes Era vidro e se quebrou O amor que tu me tinhas Era pouco e se acabou Por isso dona Sonia Entre dentro desta roda Diga um verso bem bonito Diga adeus e vá se embora. Domínio Público Art_3º_2s_2010.indd 152 Art_3º_2s_2010.indd 152 21/3/2010 15:48:34 21/3/2010 15:48:34
  • 3. 153 Caranguejo Caranguejo não é peixe Caranguejo peixe é Caranguejo não é peixe Na vazante da maré. Palma, palma, palma, Pé, pé, pé Caranguejo só é peixe, na vazante da maré! Escravos de Jó Escravos de Jó Jogavam caxangá Tira, bota, deixa o Zé Pereira ficar. Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá 1. Forme alguns grupos na sala. Cada grupo irá pesquisar junto a sua família uma música e criar para ela uma coreografia. Combine com seu professor os horários de ensaio e apresentação. Dica: Converse com seu professor de música, ele poderá lhe ajudar. Pirulito Que Bate Bate Pirulito que bate bate Pirulito que já bateu Quem gosta de mim é ela Quem gosta dela sou eu Pirulito que bate bate Pirulito que já bateu A menina que eu gostava Não gostava como eu. Domínio Público Domínio Público Domínio Público Art_3º_2s_2010.indd 153 Art_3º_2s_2010.indd 153 21/3/2010 15:48:38 21/3/2010 15:48:38
  • 4. 154 Brinquedos e brincadeiras populares: Papagaio ou pipa, Bambolê, Cabo de guerra, Ioiô, Pião, Corrida de ovo na colher, Dominó, entre outros. Papagaio ou pipa Bambolê Cabo de guerra Corrida de ovo na colher Pião Dominó Ioiô Art_3º_2s_2010.indd 154 Art_3º_2s_2010.indd 154 21/3/2010 15:48:39 21/3/2010 15:48:39
  • 5. 155 1. Crie no espaço a seguir um desenho com os brinquedos infantis. Pinte o desenho utilizando lápis de cor ou caneta hidrográfica. Bom trabalho! Atividade: “ Jogo da Memória” No laboratório de informática vamos brincar com o jogo da memória. Como fazer: Clique em <Iniciar> <Programas> <Internet Explorer> ou Clique no atalho <Internet Explorer>. Acesse o site: www.barueri.sp.gov.br/educacao Acesse a atividade (no espaço reservado para o <3º Ano>, <Disciplina de Artes>) e siga as instruções. Bom trabalho! Art_3º_2s_2010.indd 155 Art_3º_2s_2010.indd 155 21/3/2010 15:48:49 21/3/2010 15:48:49
  • 6. 156 Ditados populares: São frases curtas, de origem popular que expressam de forma sintetizada uma ideia ou pensamento. Exemplo: • Onde há fumaça, há fogo. • Filho de peixe, peixinho é. • Mãos frias, coração quente. • De grão em grão a galinha enche o papo. • Manda quem pode, obedece quem tem juízo. • Mais vale um pássaro na mão do que dois voando. • A união faz a força. • Amor com amor se paga. • Antes tarde do que nunca. Lendas: São narrativas populares de caráter fantasioso, ou seja, fatos considerados históricos modificados pela imaginação popular. A lenda do saci pererê é uma das mais populares do folclore. A lenda narra que o saci é um negrinho de uma perna só, atrevido, gosta de fumar cachimbo e usa uma carapuça vermelha. O saci pererê perturba as pessoas, apaga o fogo, queima os alimentos, esconde objetos, trança o rabo do cavalo. Não é maldoso, porém brincalhão como toda criança. Saci Pererê Art_3º_2s_2010.indd 156 Art_3º_2s_2010.indd 156 21/3/2010 15:48:51 21/3/2010 15:48:51
  • 7. 157 Diz a lenda que o curupira é um ser pequeno de cor verde com os pés virados para trás, protetor das matas e dos animais. Ao perceber caçadores na mata pede a eles que não matem os animais, mas, se isso acontece não tem o seu perdão, prepara armadilhas, enganando-os até se perderem na mata. O curupira não perdoa aqueles que matam os animais indefesos. Curupira 1. Construa personagens do folclore com sucata ou argila. Bom trabalho! 2. Pesquise outras lendas e registre-as em folhas de papel sulfite elaborando um livro. Ilustre-o com desenho e pintura. Bom trabalho! Art_3º_2s_2010.indd 157 Art_3º_2s_2010.indd 157 21/3/2010 15:48:55 21/3/2010 15:48:55
  • 8. 158 Cultura Afro-brasileira A história da África está intimamente ligada à história do Brasil. Os africanos, trazidos para o nosso país como escravos, entre os séculos XVI e XIX, enriqueceram a cultura brasileira com seus costumes, rituais religiosos, culinária, danças e muito mais. A contribuição dos negros na cultura e na formação do povo é imensa. Preconceito O preconceito existe quando julgamos o outro por sua classe social, condição financeira, religião, raça e outros. Você tem a obrigação de fazer deste mundo um lugar melhor para se viver, para você, sua família e as outras pessoas. Todos os seres humanos têm direito ao respeito, carinho e atenção, independentemente dele ser ou não parecido com você. Tratando todos com igualdade, o mundo será mais feliz. 1. Monte um jogo da memória. Destaque a folha a seguir e cole-a em uma pedaço de cartolina ou papel cartão, espere secar e recorte as peças no local indicado. Divirta-se. Art_3º_2s_2010.indd 158 Art_3º_2s_2010.indd 158 21/3/2010 15:48:59 21/3/2010 15:48:59
  • 9. 159 Art_3º_2s_2010.indd 159 Art_3º_2s_2010.indd 159 21/3/2010 15:49:04 21/3/2010 15:49:04
  • 10. 160 Art_3º_2s_2010.indd 160 Art_3º_2s_2010.indd 160 21/3/2010 15:49:24 21/3/2010 15:49:24
  • 11. 161 Teatro O teatro é uma arte antiga que surgiu na Grécia. Ele se utiliza de cenografia, dança (coreografia), textos e música, além disso, o ator deve despertar a atenção e os sentimentos da plateia. Teatro de bonecos Surgiu na China com as marionetes e o teatro de sombras, em peças musicais, festividades e rituais. No Brasil, o teatro de bonecos surgiu no Nordeste como forma de manifestação popular. Essa forma de teatro recebe o nome de mamulengo, na qual os bonecos representam personagens do nosso folclore. O teatro de bonecos é uma aventura no universo das artes. 1. Forme um grupo com alguns integrantes, escolha uma história e crie um teatro de fantoche seguindo uma das opções a seguir. Monte os personagens e boa diversão! Art_3º_2s_2010.indd 161 Art_3º_2s_2010.indd 161 21/3/2010 15:49:35 21/3/2010 15:49:35
  • 12. 162 Tipos de fantoches e como fazer. Fantoche de saco de papel • Use o fundo do saco de papel para fazer o rosto do seu personagem e a dobra como boca; • Use o color set para criar o nariz, orelhas, dentes, olhos e tudo o mais que seu personagem precisar. Fantoches de meia • Use uma meia velha para fazer o seu personagem. • Faça um furo nas laterais, logo abaixo da cabeça, para que você encaixe seus dedos e forme os braços. • Em seguida, recorte todos os elementos do rosto usando recortes de color set. • Complete o fantoche colando fios de lã para fazer o cabelo. • Use pedaços de cartolina para recortar o desenho desejado; • Cole atrás do desenho um palito de sorvete ou uma vareta. Fantoches de palito Como Fazer Material: • Caixa de papelão; • Pano ou papel crepom; • Cola. 1. Abra um retângulo no fundo da caixa, onde os bonecos aparecerão; 2. Em seguida cole retalhos de tecidos ou papel crepom para confeccionar a cortina. Sugestão para um palco pequeno. Art_3º_2s_2010.indd 162 Art_3º_2s_2010.indd 162 21/3/2010 15:49:40 21/3/2010 15:49:40
  • 13. 163 Ilustração de texto Ilustração de texto: Imagens que acompanham textos de livros, jornais, revistas e etc. A ilustração pode se referir a todo texto ou a uma parte dele. A ÁRVORE E O MACHADO Um homem foi à floresta e pediu às árvores que estas lhe doassem um cabo para o seu machado. O conselho das árvores concordou com o seu pedido e deu a ele uma jovem árvore para este fim. Logo que o homem colocou o novo cabo no machado, começou furiosamente a usá-lo e em pouco tempo havia derrubado com seus golpes as maiores e mais nobres árvores da floresta. Um velho Carvalho lamenta quando a destruição dos seus já está bem adiantada, e diz a um cedro seu vizinho: - O primeiro passo significou a perdição de todas nós. Tivéssemos respeitado os direitos daquela jovem árvore, ainda teríamos os nossos próprios e o direito de ficarmos de pé por muitos anos. Autor: Esopo MORAL DA HISTÓRIA: Quem menospreza ou discrimina seu semelhante, não deve se surpreender se um dia lhe fizerem a mesma coisa. Art_3º_2s_2010.indd 163 Art_3º_2s_2010.indd 163 21/3/2010 15:49:43 21/3/2010 15:49:43
  • 14. 164 1. Leia o texto “A árvore e o machado” com atenção e crie para ele uma ilustração. Capriche. Art_3º_2s_2010.indd 164 Art_3º_2s_2010.indd 164 21/3/2010 15:49:44 21/3/2010 15:49:44
  • 15. 165 Leitura e Releitura de Obras Leitura de Obras: A leitura da imagem é uma atividade particular, que leva o observador da obra a uma interpretação individual. ARTE NAIF- ARTE PRIMITIVA- INGÊNUA Helena Coelho Nasceu no Rio de Janeiro, desde pequena usava a criatividade para conseguir alguns trocados: escrevia e encenava peças de teatro atrás dos lençóis estendidos no varal de roupas da vila em que morava, fabricava seus próprios fantochescompapiermachêecobravaingressos para os espetáculos improvisados. Suas pinturas são minuciosas, ingênuas e delas se desprendem uma pureza singular. A arte naif é intuitiva e espontânea, realizada por autoditadas, ou seja, por artistas sem formação acadêmica. Helena Coelho- A orquestra do lago Helena Coelho- A lenda da cobra grande Art_3º_2s_2010.indd 165 Art_3º_2s_2010.indd 165 21/3/2010 15:49:45 21/3/2010 15:49:45
  • 16. 166 1. Observe a obra “Uma família no Campo” e responda: “Uma família no campo” a) Quem produziu esta obra? ____________________________________________________________________ b) O que você sente quando vê a obra? ____________________________________________________________________ c) Quais as cores que você conhece, usadas pelo artista? ____________________________________________________________________ d) Que figuras estão representadas nesta obra? ____________________________________________________________________ e) Esta imagem retrata o espaço urbano ou rural? Como você sabe? ____________________________________________________________________ Art_3º_2s_2010.indd 166 Art_3º_2s_2010.indd 166 21/3/2010 15:49:56 21/3/2010 15:49:56
  • 17. 167 Releitura de obras: É a criação de outra obra a partir de algo já feito, onde acrescentamos um toque pessoal. Edward Munch O grito- 1893 Releitura- O grito Autor desconhecido Tarsila do Amaral- Abaporu Releitura do quadro Abaporu de Tarsila do Amaral- Romero Britto Art_3º_2s_2010.indd 167 Art_3º_2s_2010.indd 167 21/3/2010 15:50:03 21/3/2010 15:50:03
  • 18. 168 1. Observe a obra “Quintal da minha infância” de Helena Coelho e no espaço a seguir faça a releitura. Não se esqueça, releitura não é copia. Ilustre-a através de desenho, pintura ou colagem. Bom trabalho! Helena Coelho- Quintal da minha infância Art_3º_2s_2010.indd 168 Art_3º_2s_2010.indd 168 21/3/2010 15:50:20 21/3/2010 15:50:20
  • 19. 169 Origami Origami: É a técnica de dobradura que pode ser aplicada em ilustrações de histórias, móbiles, entre outros. O origami é uma arte prazerosa e um excelente desafio à criatividade. Art_3º_2s_2010.indd 169 Art_3º_2s_2010.indd 169 21/3/2010 15:50:27 21/3/2010 15:50:27
  • 20. 170 1. Observe o passo a passo e faça o saci. • Dobre a figura na diagonal formando um triângulo; • Em seguida, dobre as duas pontas laterais, acompanhando o vinco; • Em seguida dobre a ponta superior; • Para finalizar, cole o saci no espaço a seguir completando o olho, o nariz, a boca e o corpo com desenho e pintura. Bom trabalho! Art_3º_2s_2010.indd 170 Art_3º_2s_2010.indd 170 21/3/2010 15:50:39 21/3/2010 15:50:39
  • 21. 171 2. Monte a sereia seguindo os passos. Após o término cole-a no espaço a seguir, completando com desenho e pintura. Bom trabalho! • Dobre as duas pontas laterais, acompanhando o vinco; • Dobre as pontas laterais superiores para dentro; • Posicione a peça com as dobras para trás e faça um corte na parte inferior, formando a calda da sereia. Art_3º_2s_2010.indd 171 Art_3º_2s_2010.indd 171 21/3/2010 15:50:48 21/3/2010 15:50:48
  • 22. 172 3. Brincando de pipa. • Dobre o quadrado ao meio; • Dobre as duas pontas, acompanhando o vinco; • Em seguida vire e cole-o no espaço a seguir, completando com desenhos e pintura. Art_3º_2s_2010.indd 172 Art_3º_2s_2010.indd 172 21/3/2010 15:50:52 21/3/2010 15:50:52
  • 23. 173 Estrela de oito pontas. • Utilize dois quadrados de papel que você vai recortar da página de recorte; • Corte onde está indicado; • Dobre as pontas cortadas sem achatá-las, colando as extremidades; • Faça o mesmo com o outro quadrado; • Junte as duas estrelas formando assim as oito pontas. • Use as estrelas para decorar cartões de natal. Art_3º_2s_2010.indd 173 Art_3º_2s_2010.indd 173 21/3/2010 15:51:03 21/3/2010 15:51:03
  • 24. 174 4. Cartão de Natal. Siga o passo a passo da árvore de natal e monte um cartão bem bonito e criativo no espaço a seguir. Desta vez você terá que seguir as imagens. Na folha seguinte você poderá recortar o material para fazer as dobraduras. Art_3º_2s_2010.indd 174 Art_3º_2s_2010.indd 174 21/3/2010 15:51:17 21/3/2010 15:51:17
  • 25. 175 Página de recorte das dobraduras. Quando acabar este material, peça folhas coloridas ao seu professor. Art_3º_2s_2010.indd 175 Art_3º_2s_2010.indd 175 21/3/2010 15:51:24 21/3/2010 15:51:24
  • 26. 176 Art_3º_2s_2010.indd 176 Art_3º_2s_2010.indd 176 21/3/2010 15:51:33 21/3/2010 15:51:33