SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
FONTES DE
IGNIÇÃO
E SEU
CONTROLE
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Fontes de Ignição:
Uma mistura dentro dos limites de inflamabilidade necessita apenas
de um elemento para que se produza um incêndio ou explosão. A
FONTE DE IGNIÇÃO (faíscas, centelhas, chamas abertas, pontos
quentes, eletricidade estática, etc.). Na presença de produtos
inflamáveis, é de fundamental importância o controle das referidas
FONTES DE IGNIÇÃO.
O risco mais significativo diz respeito à
possibilidade de vazamento na presença
de fontes de ignição. As fontes de ignição
podem ser as mais variadas possíveis e
podem gerar temperaturas suficientes
para iniciar o processo de combustão da
maioria das substâncias inflamáveis
conhecidas:
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Fontes de Ignição:
Eletricidade estática: Como exemplo de cargas acumuladas nos materiais. As
cargas eletrostáticas surgem naturalmente, principalmente devido a atrito
com materiais isolantes; as manifestações da eletricidade estática são
observadas, principalmente, em locais onde a umidade do ar é muito baixa,
ou seja, locais secos;
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
1. Introdução
2. Abrangência
3. Definições
4. Classificação das Instalações
5. Inflamáveis: características, propriedades, perigos e riscos
6. Controles coletivo e individual para trabalhos com inflamáveis
7. Fontes de ignição e seu controle
8. Conhecimento e utilização dos sistemas de segurança contra incêndio com inflamáveis
9. Procedimentos básicos em situações de emergência com inflamáveis
10. Estudo da Norma Regulamentadora nº20
11. Metodologia e Análise de Riscos: conceitos e exercícios práticos
12. Permissão para trabalho com inflamáveis
13. Acidentes com inflamáveis e combustíveis
14. Números de Emergência
15. Glossário
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Fontes de Ignição:
Faíscas: O impacto de uma ferramenta contra uma superfície sólida pode
gerar uma alta temperatura, em função do atrito, capaz de ionizar os átomos
presentes nas moléculas do ar, permitindo que a luz se torne visível.
Normalmente chamada de faísca, esta temperatura gerada é estimada em
torno de 700ºC;
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Fontes de Ignição:
Brasa de cigarro: Pode alcançar temperaturas em torno de 1.000ºC;
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Fontes de Ignição:
Compressão adiabática: Toda vez que um gás ou vapor é comprimido em um
sistema fechado, ocorre um aquecimento natural. Quando esta compressão
acontece de forma muita rápida, (dependendo da diferença entre a pressão
inicial (P0) e final (P1), e o calor não sendo trocado devidamente entre os
sistemas envolvidos, ocorre o que chamamos tecnicamente de compressão
adiabática. Esta compressão pode gerar picos de temperatura que podem
chegar, dependendo da substância envolvida, a mais de 1.000ºC. Isto pode
acontecer, por exemplo, quando o oxigênio puro é comprimido, rapidamente
passando, de 1 atm para 200atm, em uma tubulação ou outro sistema sem a
presença de um regulador de pressão;
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Fontes de Ignição:
Chama direta: É a fonte de energia mais fácil de ser identificada. Algumas
chamas oxicombustíveis, por exemplo, podem atingir temperaturas variando
de 1.800ºC (hidrogênio ou GLP com oxigênio) a 3.100ºC (acetileno /
oxigênio).
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Fontes de Ignição:
Misturas perigosas: Sempre que possível, deverá ser evitada qualquer
mistura acidental de líquidos inflamáveis. Por exemplo: uma pequena
quantidade de acetona dentro de um tanque de querosene, pode baixar o
ponto de fulgor de seu conteúdo devido à volatilidade relativamente alta da
acetona, o que cria uma mistura inflamável, quando da utilização desse
mesmo querosene. A gasolina misturada com um óleo combustível pode
mudar o ponto de fulgor deste, de tal forma que seja perigoso para um uso
corriqueiro. Em cada caso, o ponto de fulgor baixo pode fazer as vezes de um
detonador para a ignição de materiais que têm pontos de fulgor altos.
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Controle:
Na presença de produtos inflamáveis, é de fundamental importância o
controle das referidas FONTES DE IGNIÇÃO.
Ventilação adequada;
Isolando adequadamente processos ou operações auxiliares consideradas
perigosas (ambientes confinados, externos ou compartimentados);
Aterramento adequado das instalações, máquinas e equipamentos.
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Controle:
Os produtos inflamáveis devem ser armazenados em áreas isoladas do
restante das instalações e edifícios, seja pelo distanciamento ou mediante a
utilização de elementos construtivos (compartimentação);
Armazenamentos auxiliares são os principais responsáveis por sinistros.
No caso de tambores e outros recipientes transportáveis deve ser deixado
um corredor separando os edifícios anexos e o armazenamento. A zona de
armazenamento deve ser utilizada única e exclusivamente para este fim.
Uso de recipientes metálicos (preferencialmente).
A estocagem dos recipientes deve ser feita em pallets, evitando-se o
contato direto com o piso e a altura de empilhamento, sempre que possível
não deve ser superior a um recipiente.
Realizar inspeções regularmente para detecção de possíveis vazamentos.
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Controle:
As áreas próximas ao armazenamento de produtos inflamáveis devem ser
mantidas livres de vegetação, lixo ou materiais combustíveis;
A manipulação e/ou o armazenamento de produtos inflamáveis, sempre
que possível, deve ser feito em depósitos ou salas exclusivamente destinados
para esta finalidade, não sendo recomendada esta prática em sótãos;
A construção deve ter resistência ao fogo de 120 minutos. Devem dispor
de sistemas de drenagem suficientes;
As instalações elétricas especiais conforme a classificação das zonas de
risco;
Não devem ser utilizados aparelhos elétricos que provoquem centelhas;
Deve existir sistema de ventilação adequado para evitar o acúmulo de
gases e vapores;
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Controle:
Dependendo do tamanho dos recipientes, devem ser previstas bandejas
para contenção de vazamentos;
Tratando-se de pequenos depósitos no exterior de prédios e isolados é
conveniente que a cobertura tenha baixa resistência (por exemplo:
fibrocimento);
Evitar que existam degraus no acesso ao depósito, para reduzir o risco de
tombamento dos meios de transporte;
Quando são utilizadas pequenas quantidades de inflamáveis, recomenda-
se que o armazenamento seja feito em armários especiais (sinalizados e com
resistência ao fogo de 15 minutos);
A transferência de líquidos inflamáveis só deverá ser realizada após todos
os elementos metálicos estarem conectados eletricamente entre si e a terra;
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Controle:
O aquecimento de líquidos inflamáveis representa risco de incêndio e/ou
explosão, quando não puder ser evitado, a operação deverá ser feita com
aparelhos próprios e com temperatura controlada (banho-maria, mantas
térmicas, etc.), jamais utilizar chama direta ou resistências elétricas
desprotegidas;
Manter um bom nível de ordem e limpeza, removendo frequentemente
tambores e outros recipientes vazios;
Realizar manutenção preventiva constante em equipamentos e acessórios;
 Devem ser mantidas as FISPQ;
Cuidados especiais quando em proximidade a trabalhos à quente;
Extintores portáteis e/ou sobre rodas de pó BC, quando existir somente
líquidos, ou pó ABC quando é possível um incêndio em sólidos;
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE
Controle:
 Detectores automáticos de incêndio do tipo termovelocimétricos;
Sistema de hidrantes para o resfriamento e proteção de prédios e
instalações vizinhas;
Chuveiros automáticos (sprinklers), caso nas demais áreas exista este tipo
de proteção;
Sistemas de água nebulizada para refrigeração de tanques de líquidos ou
gases;
Sistemas fixos ou manuais de espuma para extinção de incêndios em
líquidos, ou para sua prevenção em caso derrame;
Detecção de gases inflamáveis (interior e/ou exterior).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento de Brigada de Incêndio
Treinamento de Brigada de IncêndioTreinamento de Brigada de Incêndio
Treinamento de Brigada de Incêndioconbetcursos
 
Brigada plano abandono
Brigada   plano abandonoBrigada   plano abandono
Brigada plano abandonoGliceu Grossi
 
2-Treinamento Brigada de Incêndio.ppt
2-Treinamento Brigada de Incêndio.ppt2-Treinamento Brigada de Incêndio.ppt
2-Treinamento Brigada de Incêndio.pptItayaengenharia
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023José Valfrido
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança João Vitor Rocha
 
Nr 26-sinalizacao-de-seguranca
Nr 26-sinalizacao-de-segurancaNr 26-sinalizacao-de-seguranca
Nr 26-sinalizacao-de-segurancaTst Valadares
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaClaudio Cesar Pontes ن
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaconbetcursos
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargasKarol Oliveira
 
Trabalho a quente modulo II
Trabalho a quente   modulo IITrabalho a quente   modulo II
Trabalho a quente modulo IIemanueltstegeon
 
Plano de emergência.
Plano de emergência.Plano de emergência.
Plano de emergência.Alfredo Brito
 
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADORobson Peixoto
 
Material de incendio
Material de incendioMaterial de incendio
Material de incendiothiago_design
 
Treinamento de Combate Incêndio com Extintores
Treinamento de Combate Incêndio com ExtintoresTreinamento de Combate Incêndio com Extintores
Treinamento de Combate Incêndio com ExtintoresIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 

Mais procurados (20)

Treinamento de Brigada de Incêndio
Treinamento de Brigada de IncêndioTreinamento de Brigada de Incêndio
Treinamento de Brigada de Incêndio
 
Apr trabalho em altura
Apr trabalho em alturaApr trabalho em altura
Apr trabalho em altura
 
Brigada plano abandono
Brigada   plano abandonoBrigada   plano abandono
Brigada plano abandono
 
Apr pinturade piso 160316
Apr   pinturade piso 160316Apr   pinturade piso 160316
Apr pinturade piso 160316
 
Treinamento apr revisado
Treinamento apr    revisadoTreinamento apr    revisado
Treinamento apr revisado
 
2-Treinamento Brigada de Incêndio.ppt
2-Treinamento Brigada de Incêndio.ppt2-Treinamento Brigada de Incêndio.ppt
2-Treinamento Brigada de Incêndio.ppt
 
Apr montagem-de-telhado
Apr montagem-de-telhadoApr montagem-de-telhado
Apr montagem-de-telhado
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
 
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da BrigadaModelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
Modelo de Cronograma de Treinamento Continuado da Brigada
 
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
 
Nr 26-sinalizacao-de-seguranca
Nr 26-sinalizacao-de-segurancaNr 26-sinalizacao-de-seguranca
Nr 26-sinalizacao-de-seguranca
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurança
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargas
 
Trabalho a quente modulo II
Trabalho a quente   modulo IITrabalho a quente   modulo II
Trabalho a quente modulo II
 
Plano de emergência.
Plano de emergência.Plano de emergência.
Plano de emergência.
 
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
 
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-alturaProcedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
Procedimentos de-seguranca-para-trabalhos-em-altura
 
Material de incendio
Material de incendioMaterial de incendio
Material de incendio
 
Treinamento de Combate Incêndio com Extintores
Treinamento de Combate Incêndio com ExtintoresTreinamento de Combate Incêndio com Extintores
Treinamento de Combate Incêndio com Extintores
 

Semelhante a 5- Fontes de Ignição e Controle.pdf

Trasfega de líquidos inflamáveis
Trasfega de líquidos  inflamáveisTrasfega de líquidos  inflamáveis
Trasfega de líquidos inflamáveisHacker32
 
Combate a incendios_treinamento_para_brigadista_2011
Combate a incendios_treinamento_para_brigadista_2011Combate a incendios_treinamento_para_brigadista_2011
Combate a incendios_treinamento_para_brigadista_2011rubenssilva101
 
12235937_incendio.ppt
12235937_incendio.ppt12235937_incendio.ppt
12235937_incendio.pptCladiaRocha
 
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptcombate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptMariaNeide16
 
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptcombate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptLuizHenrique1001
 
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptcombate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptDaviSousa80
 
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptcombate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptJoselioPgaso
 
Prevenção
PrevençãoPrevenção
PrevençãoOrla Rio
 
Aulanr23 140214173526-phpapp01
Aulanr23 140214173526-phpapp01Aulanr23 140214173526-phpapp01
Aulanr23 140214173526-phpapp01Lucilio Sousa
 
NR 23 - Proteção Contra Incêndios.pdf
NR 23 - Proteção Contra Incêndios.pdfNR 23 - Proteção Contra Incêndios.pdf
NR 23 - Proteção Contra Incêndios.pdfDenizeFenixProjetosT
 
Trabalho de proteção contra incêndio
Trabalho de proteção contra incêndioTrabalho de proteção contra incêndio
Trabalho de proteção contra incêndioLuciano José Rezende
 
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO.pptx
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO.pptx_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO.pptx
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO.pptxAcoesSantos
 
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO cecope (1).pptx
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO cecope (1).pptx_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO cecope (1).pptx
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO cecope (1).pptxFernandoBrito308756
 
Prevenção e combate a incêndios
Prevenção e combate a incêndiosPrevenção e combate a incêndios
Prevenção e combate a incêndiosThiago Morəno
 
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c seg
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c segProteção contra incêndio modulo ii 1 c seg
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c segMarcio Andre
 
Sistemas de combate a incêndio introduçao a engenharia
Sistemas de combate a incêndio  introduçao a engenhariaSistemas de combate a incêndio  introduçao a engenharia
Sistemas de combate a incêndio introduçao a engenhariaJúnior Pereira
 
Nr 10-carlos-melo
Nr 10-carlos-meloNr 10-carlos-melo
Nr 10-carlos-meloCarlos Melo
 
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica DiegoAugusto86
 
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
MÉTODOS DE EXTINÇÃOMÉTODOS DE EXTINÇÃO
MÉTODOS DE EXTINÇÃODiegoAugusto86
 

Semelhante a 5- Fontes de Ignição e Controle.pdf (20)

Trasfega de líquidos inflamáveis
Trasfega de líquidos  inflamáveisTrasfega de líquidos  inflamáveis
Trasfega de líquidos inflamáveis
 
Combate a incendios_treinamento_para_brigadista_2011
Combate a incendios_treinamento_para_brigadista_2011Combate a incendios_treinamento_para_brigadista_2011
Combate a incendios_treinamento_para_brigadista_2011
 
12235937_incendio.ppt
12235937_incendio.ppt12235937_incendio.ppt
12235937_incendio.ppt
 
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptcombate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
 
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptcombate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
 
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptcombate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
 
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.pptcombate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
combate_a_incendios_treinamento_para_brigadista_2011.ppt
 
Prevenção
PrevençãoPrevenção
Prevenção
 
Datashowincendio
DatashowincendioDatashowincendio
Datashowincendio
 
Aulanr23 140214173526-phpapp01
Aulanr23 140214173526-phpapp01Aulanr23 140214173526-phpapp01
Aulanr23 140214173526-phpapp01
 
NR 23 - Proteção Contra Incêndios.pdf
NR 23 - Proteção Contra Incêndios.pdfNR 23 - Proteção Contra Incêndios.pdf
NR 23 - Proteção Contra Incêndios.pdf
 
Trabalho de proteção contra incêndio
Trabalho de proteção contra incêndioTrabalho de proteção contra incêndio
Trabalho de proteção contra incêndio
 
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO.pptx
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO.pptx_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO.pptx
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO.pptx
 
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO cecope (1).pptx
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO cecope (1).pptx_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO cecope (1).pptx
_PREVENÇÃO DE INCÊNDIO cecope (1).pptx
 
Prevenção e combate a incêndios
Prevenção e combate a incêndiosPrevenção e combate a incêndios
Prevenção e combate a incêndios
 
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c seg
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c segProteção contra incêndio modulo ii 1 c seg
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c seg
 
Sistemas de combate a incêndio introduçao a engenharia
Sistemas de combate a incêndio  introduçao a engenhariaSistemas de combate a incêndio  introduçao a engenharia
Sistemas de combate a incêndio introduçao a engenharia
 
Nr 10-carlos-melo
Nr 10-carlos-meloNr 10-carlos-melo
Nr 10-carlos-melo
 
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
 
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
MÉTODOS DE EXTINÇÃOMÉTODOS DE EXTINÇÃO
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
 

Mais de Thiago Thome

6. Como abrir sua Empresa.pdf
6. Como abrir sua Empresa.pdf6. Como abrir sua Empresa.pdf
6. Como abrir sua Empresa.pdfThiago Thome
 
5. Plano de Negócios.pdf
5. Plano de Negócios.pdf5. Plano de Negócios.pdf
5. Plano de Negócios.pdfThiago Thome
 
4. Descobrindo a Oportunidade.pdf
4. Descobrindo a Oportunidade.pdf4. Descobrindo a Oportunidade.pdf
4. Descobrindo a Oportunidade.pdfThiago Thome
 
3. Empreendedorismo no Brasil.pdf
3. Empreendedorismo no Brasil.pdf3. Empreendedorismo no Brasil.pdf
3. Empreendedorismo no Brasil.pdfThiago Thome
 
2. O Empreendedor.pdf
2. O Empreendedor.pdf2. O Empreendedor.pdf
2. O Empreendedor.pdfThiago Thome
 
1. Introdução.pdf
1. Introdução.pdf1. Introdução.pdf
1. Introdução.pdfThiago Thome
 
7. A Excelência no Atendimento a Clientes.pdf
7. A Excelência no Atendimento a Clientes.pdf7. A Excelência no Atendimento a Clientes.pdf
7. A Excelência no Atendimento a Clientes.pdfThiago Thome
 
6. A Tecnologia no Atendimento ao Cliente.pdf
6. A Tecnologia no Atendimento ao Cliente.pdf6. A Tecnologia no Atendimento ao Cliente.pdf
6. A Tecnologia no Atendimento ao Cliente.pdfThiago Thome
 
5. O Processo de Atendimento ao Cliente.pdf
5. O Processo de Atendimento ao Cliente.pdf5. O Processo de Atendimento ao Cliente.pdf
5. O Processo de Atendimento ao Cliente.pdfThiago Thome
 
4. O Perfil do Profissional de Atendimento.pdf
4. O Perfil do Profissional de Atendimento.pdf4. O Perfil do Profissional de Atendimento.pdf
4. O Perfil do Profissional de Atendimento.pdfThiago Thome
 
3. O Negócio Chamado Atendimento ao Cliente.pdf
3. O Negócio Chamado Atendimento ao Cliente.pdf3. O Negócio Chamado Atendimento ao Cliente.pdf
3. O Negócio Chamado Atendimento ao Cliente.pdfThiago Thome
 
2. Quem é o Cliente.pdf
2. Quem é o Cliente.pdf2. Quem é o Cliente.pdf
2. Quem é o Cliente.pdfThiago Thome
 
Chefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdfChefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdfThiago Thome
 
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdfThiago Thome
 
4. RISCOS ADICIONAIS.pdf
4. RISCOS ADICIONAIS.pdf4. RISCOS ADICIONAIS.pdf
4. RISCOS ADICIONAIS.pdfThiago Thome
 
2. MEDIDAS DE CONTROLE.pdf
2. MEDIDAS DE CONTROLE.pdf2. MEDIDAS DE CONTROLE.pdf
2. MEDIDAS DE CONTROLE.pdfThiago Thome
 
1. RISCOS ELÉTRICOS.pdf
1. RISCOS ELÉTRICOS.pdf1. RISCOS ELÉTRICOS.pdf
1. RISCOS ELÉTRICOS.pdfThiago Thome
 
2. ATO INSEGURO X CONDIÇÃO INSEGURA.pdf
2. ATO INSEGURO X CONDIÇÃO INSEGURA.pdf2. ATO INSEGURO X CONDIÇÃO INSEGURA.pdf
2. ATO INSEGURO X CONDIÇÃO INSEGURA.pdfThiago Thome
 

Mais de Thiago Thome (20)

Template New.pdf
Template New.pdfTemplate New.pdf
Template New.pdf
 
6. Como abrir sua Empresa.pdf
6. Como abrir sua Empresa.pdf6. Como abrir sua Empresa.pdf
6. Como abrir sua Empresa.pdf
 
5. Plano de Negócios.pdf
5. Plano de Negócios.pdf5. Plano de Negócios.pdf
5. Plano de Negócios.pdf
 
4. Descobrindo a Oportunidade.pdf
4. Descobrindo a Oportunidade.pdf4. Descobrindo a Oportunidade.pdf
4. Descobrindo a Oportunidade.pdf
 
3. Empreendedorismo no Brasil.pdf
3. Empreendedorismo no Brasil.pdf3. Empreendedorismo no Brasil.pdf
3. Empreendedorismo no Brasil.pdf
 
2. O Empreendedor.pdf
2. O Empreendedor.pdf2. O Empreendedor.pdf
2. O Empreendedor.pdf
 
1. Introdução.pdf
1. Introdução.pdf1. Introdução.pdf
1. Introdução.pdf
 
7. A Excelência no Atendimento a Clientes.pdf
7. A Excelência no Atendimento a Clientes.pdf7. A Excelência no Atendimento a Clientes.pdf
7. A Excelência no Atendimento a Clientes.pdf
 
6. A Tecnologia no Atendimento ao Cliente.pdf
6. A Tecnologia no Atendimento ao Cliente.pdf6. A Tecnologia no Atendimento ao Cliente.pdf
6. A Tecnologia no Atendimento ao Cliente.pdf
 
5. O Processo de Atendimento ao Cliente.pdf
5. O Processo de Atendimento ao Cliente.pdf5. O Processo de Atendimento ao Cliente.pdf
5. O Processo de Atendimento ao Cliente.pdf
 
4. O Perfil do Profissional de Atendimento.pdf
4. O Perfil do Profissional de Atendimento.pdf4. O Perfil do Profissional de Atendimento.pdf
4. O Perfil do Profissional de Atendimento.pdf
 
3. O Negócio Chamado Atendimento ao Cliente.pdf
3. O Negócio Chamado Atendimento ao Cliente.pdf3. O Negócio Chamado Atendimento ao Cliente.pdf
3. O Negócio Chamado Atendimento ao Cliente.pdf
 
2. Quem é o Cliente.pdf
2. Quem é o Cliente.pdf2. Quem é o Cliente.pdf
2. Quem é o Cliente.pdf
 
Chefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdfChefia e Liderança.pdf
Chefia e Liderança.pdf
 
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf
5. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.pdf
 
4. RISCOS ADICIONAIS.pdf
4. RISCOS ADICIONAIS.pdf4. RISCOS ADICIONAIS.pdf
4. RISCOS ADICIONAIS.pdf
 
3. EPC & EPI.pdf
3. EPC & EPI.pdf3. EPC & EPI.pdf
3. EPC & EPI.pdf
 
2. MEDIDAS DE CONTROLE.pdf
2. MEDIDAS DE CONTROLE.pdf2. MEDIDAS DE CONTROLE.pdf
2. MEDIDAS DE CONTROLE.pdf
 
1. RISCOS ELÉTRICOS.pdf
1. RISCOS ELÉTRICOS.pdf1. RISCOS ELÉTRICOS.pdf
1. RISCOS ELÉTRICOS.pdf
 
2. ATO INSEGURO X CONDIÇÃO INSEGURA.pdf
2. ATO INSEGURO X CONDIÇÃO INSEGURA.pdf2. ATO INSEGURO X CONDIÇÃO INSEGURA.pdf
2. ATO INSEGURO X CONDIÇÃO INSEGURA.pdf
 

Último

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 

Último (20)

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 

5- Fontes de Ignição e Controle.pdf

  • 2. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Fontes de Ignição: Uma mistura dentro dos limites de inflamabilidade necessita apenas de um elemento para que se produza um incêndio ou explosão. A FONTE DE IGNIÇÃO (faíscas, centelhas, chamas abertas, pontos quentes, eletricidade estática, etc.). Na presença de produtos inflamáveis, é de fundamental importância o controle das referidas FONTES DE IGNIÇÃO. O risco mais significativo diz respeito à possibilidade de vazamento na presença de fontes de ignição. As fontes de ignição podem ser as mais variadas possíveis e podem gerar temperaturas suficientes para iniciar o processo de combustão da maioria das substâncias inflamáveis conhecidas:
  • 3. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Fontes de Ignição: Eletricidade estática: Como exemplo de cargas acumuladas nos materiais. As cargas eletrostáticas surgem naturalmente, principalmente devido a atrito com materiais isolantes; as manifestações da eletricidade estática são observadas, principalmente, em locais onde a umidade do ar é muito baixa, ou seja, locais secos;
  • 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Abrangência 3. Definições 4. Classificação das Instalações 5. Inflamáveis: características, propriedades, perigos e riscos 6. Controles coletivo e individual para trabalhos com inflamáveis 7. Fontes de ignição e seu controle 8. Conhecimento e utilização dos sistemas de segurança contra incêndio com inflamáveis 9. Procedimentos básicos em situações de emergência com inflamáveis 10. Estudo da Norma Regulamentadora nº20 11. Metodologia e Análise de Riscos: conceitos e exercícios práticos 12. Permissão para trabalho com inflamáveis 13. Acidentes com inflamáveis e combustíveis 14. Números de Emergência 15. Glossário
  • 5. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Fontes de Ignição: Faíscas: O impacto de uma ferramenta contra uma superfície sólida pode gerar uma alta temperatura, em função do atrito, capaz de ionizar os átomos presentes nas moléculas do ar, permitindo que a luz se torne visível. Normalmente chamada de faísca, esta temperatura gerada é estimada em torno de 700ºC;
  • 6. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Fontes de Ignição: Brasa de cigarro: Pode alcançar temperaturas em torno de 1.000ºC;
  • 7. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Fontes de Ignição: Compressão adiabática: Toda vez que um gás ou vapor é comprimido em um sistema fechado, ocorre um aquecimento natural. Quando esta compressão acontece de forma muita rápida, (dependendo da diferença entre a pressão inicial (P0) e final (P1), e o calor não sendo trocado devidamente entre os sistemas envolvidos, ocorre o que chamamos tecnicamente de compressão adiabática. Esta compressão pode gerar picos de temperatura que podem chegar, dependendo da substância envolvida, a mais de 1.000ºC. Isto pode acontecer, por exemplo, quando o oxigênio puro é comprimido, rapidamente passando, de 1 atm para 200atm, em uma tubulação ou outro sistema sem a presença de um regulador de pressão;
  • 8. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Fontes de Ignição: Chama direta: É a fonte de energia mais fácil de ser identificada. Algumas chamas oxicombustíveis, por exemplo, podem atingir temperaturas variando de 1.800ºC (hidrogênio ou GLP com oxigênio) a 3.100ºC (acetileno / oxigênio).
  • 9. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Fontes de Ignição: Misturas perigosas: Sempre que possível, deverá ser evitada qualquer mistura acidental de líquidos inflamáveis. Por exemplo: uma pequena quantidade de acetona dentro de um tanque de querosene, pode baixar o ponto de fulgor de seu conteúdo devido à volatilidade relativamente alta da acetona, o que cria uma mistura inflamável, quando da utilização desse mesmo querosene. A gasolina misturada com um óleo combustível pode mudar o ponto de fulgor deste, de tal forma que seja perigoso para um uso corriqueiro. Em cada caso, o ponto de fulgor baixo pode fazer as vezes de um detonador para a ignição de materiais que têm pontos de fulgor altos.
  • 10. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Controle: Na presença de produtos inflamáveis, é de fundamental importância o controle das referidas FONTES DE IGNIÇÃO. Ventilação adequada; Isolando adequadamente processos ou operações auxiliares consideradas perigosas (ambientes confinados, externos ou compartimentados); Aterramento adequado das instalações, máquinas e equipamentos.
  • 11. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Controle: Os produtos inflamáveis devem ser armazenados em áreas isoladas do restante das instalações e edifícios, seja pelo distanciamento ou mediante a utilização de elementos construtivos (compartimentação); Armazenamentos auxiliares são os principais responsáveis por sinistros. No caso de tambores e outros recipientes transportáveis deve ser deixado um corredor separando os edifícios anexos e o armazenamento. A zona de armazenamento deve ser utilizada única e exclusivamente para este fim. Uso de recipientes metálicos (preferencialmente). A estocagem dos recipientes deve ser feita em pallets, evitando-se o contato direto com o piso e a altura de empilhamento, sempre que possível não deve ser superior a um recipiente. Realizar inspeções regularmente para detecção de possíveis vazamentos.
  • 12. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Controle: As áreas próximas ao armazenamento de produtos inflamáveis devem ser mantidas livres de vegetação, lixo ou materiais combustíveis; A manipulação e/ou o armazenamento de produtos inflamáveis, sempre que possível, deve ser feito em depósitos ou salas exclusivamente destinados para esta finalidade, não sendo recomendada esta prática em sótãos; A construção deve ter resistência ao fogo de 120 minutos. Devem dispor de sistemas de drenagem suficientes; As instalações elétricas especiais conforme a classificação das zonas de risco; Não devem ser utilizados aparelhos elétricos que provoquem centelhas; Deve existir sistema de ventilação adequado para evitar o acúmulo de gases e vapores;
  • 13. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Controle: Dependendo do tamanho dos recipientes, devem ser previstas bandejas para contenção de vazamentos; Tratando-se de pequenos depósitos no exterior de prédios e isolados é conveniente que a cobertura tenha baixa resistência (por exemplo: fibrocimento); Evitar que existam degraus no acesso ao depósito, para reduzir o risco de tombamento dos meios de transporte; Quando são utilizadas pequenas quantidades de inflamáveis, recomenda- se que o armazenamento seja feito em armários especiais (sinalizados e com resistência ao fogo de 15 minutos); A transferência de líquidos inflamáveis só deverá ser realizada após todos os elementos metálicos estarem conectados eletricamente entre si e a terra;
  • 14. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Controle: O aquecimento de líquidos inflamáveis representa risco de incêndio e/ou explosão, quando não puder ser evitado, a operação deverá ser feita com aparelhos próprios e com temperatura controlada (banho-maria, mantas térmicas, etc.), jamais utilizar chama direta ou resistências elétricas desprotegidas; Manter um bom nível de ordem e limpeza, removendo frequentemente tambores e outros recipientes vazios; Realizar manutenção preventiva constante em equipamentos e acessórios;  Devem ser mantidas as FISPQ; Cuidados especiais quando em proximidade a trabalhos à quente; Extintores portáteis e/ou sobre rodas de pó BC, quando existir somente líquidos, ou pó ABC quando é possível um incêndio em sólidos;
  • 16. FONTES DE IGNIÇÃO E SEU CONTROLE Controle:  Detectores automáticos de incêndio do tipo termovelocimétricos; Sistema de hidrantes para o resfriamento e proteção de prédios e instalações vizinhas; Chuveiros automáticos (sprinklers), caso nas demais áreas exista este tipo de proteção; Sistemas de água nebulizada para refrigeração de tanques de líquidos ou gases; Sistemas fixos ou manuais de espuma para extinção de incêndios em líquidos, ou para sua prevenção em caso derrame; Detecção de gases inflamáveis (interior e/ou exterior).