SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
 Português Instrumental 1 Segundo Semestre GedalvaOliveira.Psicopedagoga Email: gedalvauniversidade@hotmail.com Orkut:dalvaluz85@hotmail.com
UMA VIAGEM A LÍNGUA PORTUGUESA        A língua portuguesa falada no Brasil tem sua particularidade que diferencia dos outros sete países que  falam o Português.
               Sistema fonético e fonológico Alguns aspectos conservadores e inovadores da  fonética brasileira: Aspectos conservadores  Aspectos inovadores
A gramática é dividida em: fonologia, morfologia e sintaxe. Fonologia: fonemas, letras, pontos de articulação ortoépia (ortoepia) – estuda a correta pronuncia dos vocábulos     prosódia – determinação da sílaba tônica     ortografia – representa a escrita da língua
Morfologia: (forma) – estuda a composição dos vocábulos, estudo das classes de palavras e gramaticais. Sintaxe: relação entre as palavras de uma oração ou relação entre as orações de um período. de concordância – verbal (sujeito e verbo) e nominal (substantivo em relação ao artigo, adjetivo, numeral, etc.)     de regência – verbal (verbo pedindo preposição ou não) e nominal (nome acompanhado de preposição) de colocação – trata da colocação de certas palavras.  pronominal: próclise, mesóclise, ênclise.
MORFOLOGIA Em linguística, Morfologia é o estudo da estrutura, da formação e da classificação das palavras.  A peculiaridade da morfologia é estudar as palavras olhando para elas isoladamente e não dentro da sua participação na frase ou período.  A morfologia está agrupada em dez classes, denominadas classes de palavras ou classes gramaticais.  São elas: Substantivo, Artigo, Adjetivo, Numeral, Pronome, Verbo, Advérbio, Preposição, Conjunção e Interjeição.
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO SUJEITO é o ser de que se declara alguma coisa. O sujeito pode ser: Simples = quando houver uma só palavra (núcleo) nesta função. Por exemplo: O gato é mamífero. Composto = quando houver mais de uma palavra nesta função. Por exemplo: O gato e o cachorro são mamíferos. Indeterminado = quando aquele que fala ou escreve deixa de mencionar o sujeito. Por exemplo: Precisa-se de operários.
Inexistente = há orações que não possuem sujeito. O verbo de tais orações só admitem a terceira pessoa do singular e são chamados, por alguns gramáticos, de verbos impessoais. Por exemplo: Há pessoas na sala. Faz frio aqui. Está calor. Choveu muito ontem. Oculto = este é o mesmo sujeito simples. Ele não aparece na frase, mas está subentendido. Por exemplo: Sou apaixonado por você. (subentende-se que o sujeito é a primeira pessoa do singular = Eu).
PREDICADO É aquilo que se declara do sujeito se a oração o possui. Há três tipos de predicado: Verbal = quando o núcleo do predicado for um verbo transitivo ou intransitivo e, também, sem a presença de um predicativo qualquer. Por exemplo: O aluno leu o livro. (o verbo ler é transitivo direto e o livro é objeto direto). Nominal = é aquele no qual figura um verbo de ligação(ser, estar, ficar, parecer, permanecer, continuar) devidamente acompanhado de um predicativo do sujeito. Por exemplo: O professor é experiente. (o verbo ser é de ligação e experiente é predicativo do sujeito). Verbo-nominal = possui um verbo não de ligação e um predicativo qualquer como núcleos do predicado. Por exemplo: Eu considero você inteligente. (o verbo considerar é transitivo direto, você é objeto direto e inteligente é o predicativo do objeto).
Termos Acessórios de uma Oração  Acessórios são os termos secundários, que não integram necessariamente a estrutura básica da oração. Dividem-se em adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto.
Adjunto Adnominal é um termo que exerce a função adjetiva, uma vez que serve para especificar, restringir ou qualificar um nome, particularizando-lhe o sentido: a)  As crianças DO BRASIL merecem assistência do governo. b)  Índios BRASILEIROS continuam sendo exterminados. c)  A crise DO SOCIALISMO espalhou-se pelo mundo. d)  TODOS OS livros CRÍTICOS sofrem ameaças PERIGOSAS.
Adjunto Adverbial é o termo que expressa circunstâncias de modo, tempo, lugar, dúvida, intensidade, meio, finalidade, concessão, causa, companhia etc.. Correspondente ao advérbio, modifica o sentido de um verbo, um adjetivo ou mesmo de um advérbio: a)  Os camponeses pobres morrer de FOME. (adjunto adverbial de causa) b)  TALVEZ ninguém consiga seus objetivos. (adjunto adverbial de dúvida) c)  "NÃO nos deixeis cair em tentação." (adjunto adverbial de negação) d)  Dias Gomes escreveu peças políticas NOS ANOS 70. (adjunto adverbial de tempo) e)  "Bendita sois vós ENTRE AS MULHERES." (adjunto adverbial de LUGAR) f)  Saí ontem à noite COM A LOURINHA DE OLHOS AZUIS. (adj. adverbial de companhia) g)  Cortamos as árvores A FACA. (adjunto adverbial de instrumento) h)  Todos foram DE ÔNIBUS ao comício. (adjunto adverbial de meio) i)  Quasímodo era feio DEMAIS. (adjunto adverbial de intensidade) j)  Compre livros instrutivos PARA LEITURAS PRÓSPERAS. (adj. adverbial de finalidade) k)  Aconselhou INUTILMENTE a filha mais nova. (adjunto adverbial de modo)
Já o Aposto tem a função de esclarecer, identificar ou resumir um termo que lhe é anterior: a)  Salvador Dali, PINTOR ESPANHOL, imortalizou o Surrealismo. b)  O escritor ANTONIO CALLADO escreveu romances pós-modernos. c)  Napoleão, Hitler, Stálin, TODOS viraram pó. 1ª Obs. Uma mesma oração pode conter diversos apostos, a depender de sua complexidade: 2ª Obs. É preciso não confundir o vocativo com o aposto, uma vez que o vocativo tem uma função apelativa, apesar de assemelhar-se ao aposto pelas pausas e pelas vírgulas.
Termos Integrantes de uma Oração Integrantes são os termos que integram o sentido da oração, funcionando como complementos sem os quais a mensagem não chega a se finalizar. Dividem-se em complementos verbais (objeto direto e indireto) e complemento nominal.
COMPLEMENTOS VERBAIS Objeto Direto É o termo da oração que completa o sentido de um verbo transitivo direto. - Comprei um carro. - Ela limpou o quarto e a sala. Objeto indireto É o termo da oração que completa o sentido de um verbo transitivo indireto com auxílio da preposição. - Gostei do filme. - Concordo com você.
COMPLEMENTO NOMINAL Completa o sentido de um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) sempre com o auxílio da preposição. - A confiança na justiça. - O amor ao próximo. - A lembrança do passado. AGENTE DA PASSIVA Numa oração com verbo na voz passiva, quem pratica a ação é o agente da passiva. - A grama foi cortada pelo jardineiro. - O Brasil foi descoberto por Cabral.
CONCORDÂNCIA A sintaxe de concordância faz com que as palavras dependentes concordem, nas suas flexões, com as palavras de que dependem na frase. Os adjetivos, pronomes, artigos e numerais concordam em gênero e número com os substantivos determinados = concordância nominal. O verbo concorda em número e pessoa com o sujeito simples a que se refere = concordância verbal.
CONCORDÂNCIA NOMINAL Concordância do adjetivo adjunto com o substantivo: O adjetivo biforme, na função de adjunto adnominal, concorda com o substantivo em gênero e número = As árvores tristonhas deixavam cair suas lágrimas solidificadas. Referindo-se a mais de um substantivo de gênero e número diferentes, o adjetivo concordará no masculino plural ou com o substantivo mais próximo. A referida regra aplica-se aos adjetivos escritos após os substantivos = Um cravo e uma rosa perfumados(ou perfumada).
CONCORDÂNCIA VERBAL Sujeito simples = o verbo concorda em número e pessoa com o sujeito simples. ( O menino trabalha na fábrica; Nós gostamos de crianças.). Sujeito composto antes do verbo = escrito antes do verbo, o sujeito composto admite o verbo no plural. (O pai e o filho levantavam cedo.). Sujeito composto depois do verbo = escrito depois do verbo, o sujeito composto admite o verbo no plural ou em concordância com o sujeito mais próximo. (Levantavam ou levantava cedo o pai e o filho). Sujeito composto de pessoas gramaticais diferentes = sendo o sujeito composto de pessoas gramaticais diferentes, o verbo concordará no plural e na pessoa gramatical que prevalecer sobre as outras. A 1ª pessoa prevalece sobre a 2ª e a 3ª; a 2ª pessoa prevalece sobre a 3ª. (Eu, tu e ela dizemos a lição. Tu e ela fizestes a lição).
REGÊNCIA A sintaxe de regência estuda as relações de dependência das palavras nas orações e das orações no período. Ela divide-se em nominal(estuda o regime dos substantivos, adjetivos e advérbios) e verbal(estuda o regime dos verbos).
REGÊNCIA VERBAL É a relação de subordinação existente entre um complemento(palavra regida) e a palavra cujo sentido é completado. Neste caso é o verbo, que tem seu sentido completado por outro termo. Regência de alguns verbos: abraçar = no sentido de cingir, apertar nos braços, constrói-se com objeto direto ou indireto. Por exemplo: O pai abraçou o filho. Abraçou-se com a mãe. No sentido de adotar, seguir, constrói-se com objeto direto. Por exemplo: Não abraçou minha doutrina. ansiar = no sentido de causar ânsia, angustiar, constrói-se com objeto direto. Por exemplo: A solidão ansiava-o. No sentido de desejar ardentemente, constrói-se com objeto indireto. Por exemplo: Ansiava por um novo amor.
TRABALHO PARA ENTREGAR DAQUI A 30 DIAS PESQUISAR OS PAISES DE LINGUA PORTUGUESA E O PORTUGUÊS NO MUNDO. O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gramática da língua portuguesa pasquale cipro neto
Gramática da língua portuguesa   pasquale cipro netoGramática da língua portuguesa   pasquale cipro neto
Gramática da língua portuguesa pasquale cipro netoprof.aldemir2010
 
Aula 12
Aula 12Aula 12
Aula 12gsbq
 
(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressão(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressãoDaniCustodio
 
Gramática 11º ano
Gramática 11º anoGramática 11º ano
Gramática 11º anoLuis Antonio
 
Gramática aula 15 - concordância nominal ii
Gramática   aula 15 - concordância nominal iiGramática   aula 15 - concordância nominal ii
Gramática aula 15 - concordância nominal iimfmpafatima
 
2ª série E. M. - Pronomes: elementos coesivos
2ª série E. M. - Pronomes: elementos coesivos2ª série E. M. - Pronomes: elementos coesivos
2ª série E. M. - Pronomes: elementos coesivosAngélica Manenti
 
Generalidades sobre classe de palavras
Generalidades sobre classe de palavrasGeneralidades sobre classe de palavras
Generalidades sobre classe de palavrasJoanita Artigas
 
Aula 08 período composto ii
Aula 08   período composto iiAula 08   período composto ii
Aula 08 período composto iiJonatas Carlos
 
Sintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexicalSintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexicalquintaldasletras
 
Aula 03 predicação verbal e complementos verbais
Aula 03   predicação verbal e complementos verbaisAula 03   predicação verbal e complementos verbais
Aula 03 predicação verbal e complementos verbaisJonatas Carlos
 

Mais procurados (19)

Gramática da língua portuguesa pasquale cipro neto
Gramática da língua portuguesa   pasquale cipro netoGramática da língua portuguesa   pasquale cipro neto
Gramática da língua portuguesa pasquale cipro neto
 
Aula 12
Aula 12Aula 12
Aula 12
 
Morfologia 2
Morfologia 2Morfologia 2
Morfologia 2
 
(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressão(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressão
 
Gramática 11º ano
Gramática 11º anoGramática 11º ano
Gramática 11º ano
 
Morfema estudo
Morfema estudoMorfema estudo
Morfema estudo
 
Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
 
Classe de palavras
Classe de palavrasClasse de palavras
Classe de palavras
 
Gramática aula 15 - concordância nominal ii
Gramática   aula 15 - concordância nominal iiGramática   aula 15 - concordância nominal ii
Gramática aula 15 - concordância nominal ii
 
Ficha03
Ficha03Ficha03
Ficha03
 
2ª série E. M. - Pronomes: elementos coesivos
2ª série E. M. - Pronomes: elementos coesivos2ª série E. M. - Pronomes: elementos coesivos
2ª série E. M. - Pronomes: elementos coesivos
 
Generalidades sobre classe de palavras
Generalidades sobre classe de palavrasGeneralidades sobre classe de palavras
Generalidades sobre classe de palavras
 
Aula 08 período composto ii
Aula 08   período composto iiAula 08   período composto ii
Aula 08 período composto ii
 
Aula 01 sujeito i
Aula 01   sujeito iAula 01   sujeito i
Aula 01 sujeito i
 
A subordinação
A subordinaçãoA subordinação
A subordinação
 
Sintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexicalSintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexical
 
Aula 03 predicação verbal e complementos verbais
Aula 03   predicação verbal e complementos verbaisAula 03   predicação verbal e complementos verbais
Aula 03 predicação verbal e complementos verbais
 
Morfologia morfema
Morfologia   morfemaMorfologia   morfema
Morfologia morfema
 
Frase complexa1
Frase complexa1Frase complexa1
Frase complexa1
 

Semelhante a Português Instrumental: Uma viagem à língua portuguesa

Substantivos, adjetivos e numerais
Substantivos, adjetivos e numeraisSubstantivos, adjetivos e numerais
Substantivos, adjetivos e numeraisFlávio Ferreira
 
Concordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalConcordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalDaniele Silva
 
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptxrecursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptxMarluceBrum1
 
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptxA Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptxAdriellyWannessa
 
Estudo das Classes de Palavras do Português
Estudo das Classes de Palavras do PortuguêsEstudo das Classes de Palavras do Português
Estudo das Classes de Palavras do PortuguêsSônia Guedes
 
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxBruna Dantas
 
Classes Palavras 7ano
Classes Palavras 7anoClasses Palavras 7ano
Classes Palavras 7anoTeresa Pombo
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 03
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 03FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 03
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 03Jordano Santos Cerqueira
 
Morfologia. Palavras Variáveis e Invariáveis
Morfologia. Palavras Variáveis e InvariáveisMorfologia. Palavras Variáveis e Invariáveis
Morfologia. Palavras Variáveis e InvariáveisRosalina Simão Nunes
 

Semelhante a Português Instrumental: Uma viagem à língua portuguesa (20)

Portugues.ppt 0
Portugues.ppt 0Portugues.ppt 0
Portugues.ppt 0
 
Substantivos, adjetivos e numerais
Substantivos, adjetivos e numeraisSubstantivos, adjetivos e numerais
Substantivos, adjetivos e numerais
 
Concordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e NominalConcordância Verbal e Nominal
Concordância Verbal e Nominal
 
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptxrecursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
 
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptxA Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
 
AULA 1
AULA 1 AULA 1
AULA 1
 
Gramática - módulo 1.pdf
Gramática - módulo 1.pdfGramática - módulo 1.pdf
Gramática - módulo 1.pdf
 
Estudo das Classes de Palavras do Português
Estudo das Classes de Palavras do PortuguêsEstudo das Classes de Palavras do Português
Estudo das Classes de Palavras do Português
 
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
 
Classes Palavras 7ano
Classes Palavras 7anoClasses Palavras 7ano
Classes Palavras 7ano
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
Concordância
ConcordânciaConcordância
Concordância
 
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 03
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 03FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira  -  Linguagem Jurídica - AULA 03
FACELI - D1 - Zilda Maria Fantin Moreira - Linguagem Jurídica - AULA 03
 
Morfologia. Palavras Variáveis e Invariáveis
Morfologia. Palavras Variáveis e InvariáveisMorfologia. Palavras Variáveis e Invariáveis
Morfologia. Palavras Variáveis e Invariáveis
 
Noções previas grego (5)
Noções previas grego (5)Noções previas grego (5)
Noções previas grego (5)
 
Aula 3 lp em
Aula 3   lp emAula 3   lp em
Aula 3 lp em
 
Portugues 2015
Portugues 2015Portugues 2015
Portugues 2015
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Intensivo Aula 4 morfologia
Intensivo  Aula 4   morfologiaIntensivo  Aula 4   morfologia
Intensivo Aula 4 morfologia
 

Mais de Sandra Paula

Termos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoTermos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoSandra Paula
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSandra Paula
 
Elementos da comunicacao
Elementos da comunicacaoElementos da comunicacao
Elementos da comunicacaoSandra Paula
 
A natureza da leitura escrita
A natureza da leitura escritaA natureza da leitura escrita
A natureza da leitura escritaSandra Paula
 
Quando me amei de verdade charleschaplin
Quando me amei de verdade charleschaplinQuando me amei de verdade charleschaplin
Quando me amei de verdade charleschaplinSandra Paula
 

Mais de Sandra Paula (7)

Termos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracaoTermos integrantes-da-oracao
Termos integrantes-da-oracao
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividades
 
Elementos da comunicacao
Elementos da comunicacaoElementos da comunicacao
Elementos da comunicacao
 
Conjuncoes2
Conjuncoes2Conjuncoes2
Conjuncoes2
 
Conjuncoes
ConjuncoesConjuncoes
Conjuncoes
 
A natureza da leitura escrita
A natureza da leitura escritaA natureza da leitura escrita
A natureza da leitura escrita
 
Quando me amei de verdade charleschaplin
Quando me amei de verdade charleschaplinQuando me amei de verdade charleschaplin
Quando me amei de verdade charleschaplin
 

Último

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 

Último (20)

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 

Português Instrumental: Uma viagem à língua portuguesa

  • 1. Português Instrumental 1 Segundo Semestre GedalvaOliveira.Psicopedagoga Email: gedalvauniversidade@hotmail.com Orkut:dalvaluz85@hotmail.com
  • 2. UMA VIAGEM A LÍNGUA PORTUGUESA A língua portuguesa falada no Brasil tem sua particularidade que diferencia dos outros sete países que falam o Português.
  • 3. Sistema fonético e fonológico Alguns aspectos conservadores e inovadores da fonética brasileira: Aspectos conservadores Aspectos inovadores
  • 4. A gramática é dividida em: fonologia, morfologia e sintaxe. Fonologia: fonemas, letras, pontos de articulação ortoépia (ortoepia) – estuda a correta pronuncia dos vocábulos prosódia – determinação da sílaba tônica ortografia – representa a escrita da língua
  • 5. Morfologia: (forma) – estuda a composição dos vocábulos, estudo das classes de palavras e gramaticais. Sintaxe: relação entre as palavras de uma oração ou relação entre as orações de um período. de concordância – verbal (sujeito e verbo) e nominal (substantivo em relação ao artigo, adjetivo, numeral, etc.) de regência – verbal (verbo pedindo preposição ou não) e nominal (nome acompanhado de preposição) de colocação – trata da colocação de certas palavras. pronominal: próclise, mesóclise, ênclise.
  • 6. MORFOLOGIA Em linguística, Morfologia é o estudo da estrutura, da formação e da classificação das palavras. A peculiaridade da morfologia é estudar as palavras olhando para elas isoladamente e não dentro da sua participação na frase ou período. A morfologia está agrupada em dez classes, denominadas classes de palavras ou classes gramaticais. São elas: Substantivo, Artigo, Adjetivo, Numeral, Pronome, Verbo, Advérbio, Preposição, Conjunção e Interjeição.
  • 7. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO SUJEITO é o ser de que se declara alguma coisa. O sujeito pode ser: Simples = quando houver uma só palavra (núcleo) nesta função. Por exemplo: O gato é mamífero. Composto = quando houver mais de uma palavra nesta função. Por exemplo: O gato e o cachorro são mamíferos. Indeterminado = quando aquele que fala ou escreve deixa de mencionar o sujeito. Por exemplo: Precisa-se de operários.
  • 8. Inexistente = há orações que não possuem sujeito. O verbo de tais orações só admitem a terceira pessoa do singular e são chamados, por alguns gramáticos, de verbos impessoais. Por exemplo: Há pessoas na sala. Faz frio aqui. Está calor. Choveu muito ontem. Oculto = este é o mesmo sujeito simples. Ele não aparece na frase, mas está subentendido. Por exemplo: Sou apaixonado por você. (subentende-se que o sujeito é a primeira pessoa do singular = Eu).
  • 9. PREDICADO É aquilo que se declara do sujeito se a oração o possui. Há três tipos de predicado: Verbal = quando o núcleo do predicado for um verbo transitivo ou intransitivo e, também, sem a presença de um predicativo qualquer. Por exemplo: O aluno leu o livro. (o verbo ler é transitivo direto e o livro é objeto direto). Nominal = é aquele no qual figura um verbo de ligação(ser, estar, ficar, parecer, permanecer, continuar) devidamente acompanhado de um predicativo do sujeito. Por exemplo: O professor é experiente. (o verbo ser é de ligação e experiente é predicativo do sujeito). Verbo-nominal = possui um verbo não de ligação e um predicativo qualquer como núcleos do predicado. Por exemplo: Eu considero você inteligente. (o verbo considerar é transitivo direto, você é objeto direto e inteligente é o predicativo do objeto).
  • 10. Termos Acessórios de uma Oração Acessórios são os termos secundários, que não integram necessariamente a estrutura básica da oração. Dividem-se em adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto.
  • 11. Adjunto Adnominal é um termo que exerce a função adjetiva, uma vez que serve para especificar, restringir ou qualificar um nome, particularizando-lhe o sentido: a) As crianças DO BRASIL merecem assistência do governo. b) Índios BRASILEIROS continuam sendo exterminados. c) A crise DO SOCIALISMO espalhou-se pelo mundo. d) TODOS OS livros CRÍTICOS sofrem ameaças PERIGOSAS.
  • 12. Adjunto Adverbial é o termo que expressa circunstâncias de modo, tempo, lugar, dúvida, intensidade, meio, finalidade, concessão, causa, companhia etc.. Correspondente ao advérbio, modifica o sentido de um verbo, um adjetivo ou mesmo de um advérbio: a) Os camponeses pobres morrer de FOME. (adjunto adverbial de causa) b) TALVEZ ninguém consiga seus objetivos. (adjunto adverbial de dúvida) c) "NÃO nos deixeis cair em tentação." (adjunto adverbial de negação) d) Dias Gomes escreveu peças políticas NOS ANOS 70. (adjunto adverbial de tempo) e) "Bendita sois vós ENTRE AS MULHERES." (adjunto adverbial de LUGAR) f) Saí ontem à noite COM A LOURINHA DE OLHOS AZUIS. (adj. adverbial de companhia) g) Cortamos as árvores A FACA. (adjunto adverbial de instrumento) h) Todos foram DE ÔNIBUS ao comício. (adjunto adverbial de meio) i) Quasímodo era feio DEMAIS. (adjunto adverbial de intensidade) j) Compre livros instrutivos PARA LEITURAS PRÓSPERAS. (adj. adverbial de finalidade) k) Aconselhou INUTILMENTE a filha mais nova. (adjunto adverbial de modo)
  • 13. Já o Aposto tem a função de esclarecer, identificar ou resumir um termo que lhe é anterior: a) Salvador Dali, PINTOR ESPANHOL, imortalizou o Surrealismo. b) O escritor ANTONIO CALLADO escreveu romances pós-modernos. c) Napoleão, Hitler, Stálin, TODOS viraram pó. 1ª Obs. Uma mesma oração pode conter diversos apostos, a depender de sua complexidade: 2ª Obs. É preciso não confundir o vocativo com o aposto, uma vez que o vocativo tem uma função apelativa, apesar de assemelhar-se ao aposto pelas pausas e pelas vírgulas.
  • 14. Termos Integrantes de uma Oração Integrantes são os termos que integram o sentido da oração, funcionando como complementos sem os quais a mensagem não chega a se finalizar. Dividem-se em complementos verbais (objeto direto e indireto) e complemento nominal.
  • 15. COMPLEMENTOS VERBAIS Objeto Direto É o termo da oração que completa o sentido de um verbo transitivo direto. - Comprei um carro. - Ela limpou o quarto e a sala. Objeto indireto É o termo da oração que completa o sentido de um verbo transitivo indireto com auxílio da preposição. - Gostei do filme. - Concordo com você.
  • 16. COMPLEMENTO NOMINAL Completa o sentido de um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) sempre com o auxílio da preposição. - A confiança na justiça. - O amor ao próximo. - A lembrança do passado. AGENTE DA PASSIVA Numa oração com verbo na voz passiva, quem pratica a ação é o agente da passiva. - A grama foi cortada pelo jardineiro. - O Brasil foi descoberto por Cabral.
  • 17. CONCORDÂNCIA A sintaxe de concordância faz com que as palavras dependentes concordem, nas suas flexões, com as palavras de que dependem na frase. Os adjetivos, pronomes, artigos e numerais concordam em gênero e número com os substantivos determinados = concordância nominal. O verbo concorda em número e pessoa com o sujeito simples a que se refere = concordância verbal.
  • 18. CONCORDÂNCIA NOMINAL Concordância do adjetivo adjunto com o substantivo: O adjetivo biforme, na função de adjunto adnominal, concorda com o substantivo em gênero e número = As árvores tristonhas deixavam cair suas lágrimas solidificadas. Referindo-se a mais de um substantivo de gênero e número diferentes, o adjetivo concordará no masculino plural ou com o substantivo mais próximo. A referida regra aplica-se aos adjetivos escritos após os substantivos = Um cravo e uma rosa perfumados(ou perfumada).
  • 19. CONCORDÂNCIA VERBAL Sujeito simples = o verbo concorda em número e pessoa com o sujeito simples. ( O menino trabalha na fábrica; Nós gostamos de crianças.). Sujeito composto antes do verbo = escrito antes do verbo, o sujeito composto admite o verbo no plural. (O pai e o filho levantavam cedo.). Sujeito composto depois do verbo = escrito depois do verbo, o sujeito composto admite o verbo no plural ou em concordância com o sujeito mais próximo. (Levantavam ou levantava cedo o pai e o filho). Sujeito composto de pessoas gramaticais diferentes = sendo o sujeito composto de pessoas gramaticais diferentes, o verbo concordará no plural e na pessoa gramatical que prevalecer sobre as outras. A 1ª pessoa prevalece sobre a 2ª e a 3ª; a 2ª pessoa prevalece sobre a 3ª. (Eu, tu e ela dizemos a lição. Tu e ela fizestes a lição).
  • 20. REGÊNCIA A sintaxe de regência estuda as relações de dependência das palavras nas orações e das orações no período. Ela divide-se em nominal(estuda o regime dos substantivos, adjetivos e advérbios) e verbal(estuda o regime dos verbos).
  • 21. REGÊNCIA VERBAL É a relação de subordinação existente entre um complemento(palavra regida) e a palavra cujo sentido é completado. Neste caso é o verbo, que tem seu sentido completado por outro termo. Regência de alguns verbos: abraçar = no sentido de cingir, apertar nos braços, constrói-se com objeto direto ou indireto. Por exemplo: O pai abraçou o filho. Abraçou-se com a mãe. No sentido de adotar, seguir, constrói-se com objeto direto. Por exemplo: Não abraçou minha doutrina. ansiar = no sentido de causar ânsia, angustiar, constrói-se com objeto direto. Por exemplo: A solidão ansiava-o. No sentido de desejar ardentemente, constrói-se com objeto indireto. Por exemplo: Ansiava por um novo amor.
  • 22. TRABALHO PARA ENTREGAR DAQUI A 30 DIAS PESQUISAR OS PAISES DE LINGUA PORTUGUESA E O PORTUGUÊS NO MUNDO. O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO