Articulação entre constituintes e entre frases

Frase simples

Frase em que existe um único verbo principal ou copulativo....
312

PARTE

Processo sintáctico que consiste na junção de duas ou mais unidades linguísticas numa relação
de dependência h...
subordinada
adverbial

Desempenha a função sintáctica de modificador da frase ou do grupo verbal.
Exprime a razão, o motiv...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Frase complexa1

404 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Frase complexa1

  1. 1. Articulação entre constituintes e entre frases Frase simples Frase em que existe um único verbo principal ou copulativo. Ex.: A Francisca emprestou-me um livro óptimo. Frase complexa Frase em que existe mais do que um verbo principal ou copulativo. As frases complexas são frases que contêm mais do que uma oração. Numa frase complexa podemos ter orações coordenadas e/ou subordinantes e subordinadas. Exs.: Saí e apanhei o autocarro. Disse que estava muito contente. Unidade sintáctica constituída por um predicado e os elementos que com ele estabelecem relações gramaticais. Oração COORDENAÇÃO Processo sintáctico que consiste na junção de duas ou mais unidades linguísticas com a mesma categoria e/ou função sintáctica. Nota: Além de orações, os constituintes coordenados podem pertencer a qualquer grupo sintáctico (nominal, adjectival, adverbial, verbal ou preposicional). 1. ORAÇÃO COORDENADA Oração contida numa frase complexa, que não mantém uma relação de subordinação sintáctica com a(s) oração(ões) com que se combina. Distingue-se das subordinadas por não poder ser anteposta. Estas orações podem ser sindéticas (quando existe um elemento de ligação – conjunção ou locução conjuntiva) ou assindéticas (quando são separadas por uma pausa, representada por uma vírgula). Exs.: Todos sabiam, mas ninguém falou. * Mas ninguém falou, todos sabiam. [Frase agramatical] Todos sabiam, ninguém falou. 1.1. Coordenada copulativa 1.2. Coordenada adversativa Estabelece uma relação de adição com a(s) oração(ões) com que se combina. Ex.: Estou cansado e vou descansar. Transmite uma ideia de contraste, de oposição, relativamente à ideia expressa na frase ou oração com que se combina. Ex.: Estou cansado, mas vou continuar. 1.3. Coordenada disjuntiva Exprime um valor de alternativa face ao que é expresso pela oração com que se combina. Ex.: Ou descanso ou não posso continuar. 1.4. Coordenada EXP10EPI © Porto Editora conclusiva Transmite uma ideia de conclusão decorrente da ideia expressa na frase ou oração com que se combina. Ex.: Estou cansado, logo não posso continuar. 1.5. Coordenada explicativa Apresenta uma justificação ou explicação relativa à frase ou oração com que se combina. Ex.: A Maria está com febre, pois apanhou muito frio. 311 2 PARTE Funcionamento da Língua 3.
  2. 2. 312 PARTE Processo sintáctico que consiste na junção de duas ou mais unidades linguísticas numa relação de dependência hierárquica entre oração subordinante e oração subordinada. 1. SUBORDINANTE Palavra, constituinte ou frase de que depende uma oração subordinada. Funcionamento da Língua Exs.: A minha irmã prometeu que me ia oferecer um CD. (Elemento subordinante: a forma verbal prometeu) A possibilidade de chegares ainda hoje agrada-me. (Elemento subordinante: o nome possibilidade) Quando chegar a hora, eu digo-te. (Elemento subordinante: a oração subordinante eu digo-te) 2. ORAÇÃO SUBORDINADA Oração contida numa frase complexa, que desempenha uma função sintáctica na frase em que se encontra, estando dependente de uma oração ou elemento subordinante. Nota: As orações subordinadas finitas ou não finitas denominam-se desta forma conforme apresentam o verbo numa forma finita ou não finita (infinitivo, gerúndio, particípio passado), respectivamente. 2.1. Oração subordinada substantiva Desempenha a função sintáctica de sujeito ou complemento de um verbo, nome ou adjectivo. Completiva É sujeito ou complemento de um verbo, nome ou adjectivo, podendo ser introduzida pelas conjunções subordinativas completivas que, se e para. Exs.: A Sofia disse que nada sabia sobre rios. Finita Não finitas infinitivas Introduzida por quantificadores e pronomes relativos sem antecedente, como quem, o que, onde, quanto. Relativa Exs.: Quem espera sempre alcança. Finitas Não finita infinitiva 2.2. Oração subordinada adjectiva O Luís pediu para sair. Afirmou adorar a banda daquela noite. Leio livros onde os encontro. Esta noite, não tenho onde dormir. Desempenha uma função sintáctica própria de um adjectivo. Relativa restritiva Introduzida por um pronome relativo, tem a função de restringir a informação dada sobre o antecedente, ou seja, de identificar a parte do domínio denotado pelo antecedente. Ex.: Os versos que ele escreveu são belíssimos. Relativa explicativa Introduzida por um pronome relativo, contribui com informação adicional sobre o antecedente. Ex.: A literatura, que é imortal, encanta os leitores. EXP10EPI © Porto Editora 2 SUBORDINAÇÃO
  3. 3. subordinada adverbial Desempenha a função sintáctica de modificador da frase ou do grupo verbal. Exprime a razão, o motivo (a causa) do evento descrito na subordinante. Causal Finita Exs.: Gostamos deste lugar porque é calmo. Não finita infinitiva participial gerundiva Comparativa Contém o segundo elemento de uma comparação que se estabelece em relação a uma situação apresentada na subordinante. Finita Exs.: Está tudo como eu queria. Não finita infinitiva gerundiva Concessiva Exs.: Não conseguia sair, embora fosse essa a sua vontade. Não finita infinitiva participial gerundiva Exs.: Se dormisses mais tempo, estarias melhor. Não finita infinitiva participial gerundiva A pensar assim, deve ter alguns problemas. Dito isso, ninguém acreditará em ti. Afirmando isso, ninguém acreditará em ti. Exprime a consequência de um facto apresentado na subordinante. Finita Exs.: O dia estava tão frio que não saí de casa. Não finita infinitiva Estava frio a ponto de a água do rio gelar. Exprime a intenção (finalidade) da realização da situação descrita na subordinante. Final Exs.: Escrevi a carta para que tudo ficasse esclarecido. Finita Não finita infinitiva Escrevi a carta para tudo ficar esclarecido. Estabelece a referência temporal em relação à qual a subordinante é interpretada. Temporal Finita EXP10EPI © Porto Editora Apesar de ser essa a sua vontade, não conseguia sair. Apesar de determinada, não conseguia sair. Mesmo sendo essa a sua vontade, não conseguia sair. Exprime a condição em que se verifica o facto expresso na subordinante. Finita Consecutiva Aprecio mais ouvir música do que ver televisão. Suas mãos abriam-se, como pedindo algo. Transmite uma ideia de contraste relativamente ao que é apresentado na subordinante. Finita Condicional Gostamos deste lugar por ser calmo. Encontrado este lugar, ficámos a adorá-lo. Entrando aqui, nunca mais se esquece. Exs.: Quando leres o livro, empresta-mo. Não finita infinitiva participial gerundiva Até leres o livro não devias distrair-te. Uma vez lido o livro, já poderei ouvir música. Lendo este artigo, começo a fazer o trabalho. Ver CADERNO DE ACTIVIDADES | pp. 49-59 313 2 PARTE Funcionamento da Língua 2.3. Oração

×