SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 194
Baixar para ler offline
DADOS DE COPYRIGHT
SOBRE A OBRA PRESENTE:
A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e
seus diversos parceiros, com o objetivo de oferecer
conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos
acadêmicos, bem como o simples teste da qualidade da
obra, com o fim exclusivo de compra futura. É
expressamente proibida e totalmente repudiável a venda,
aluguel, ou quaisquer uso comercial do presente conteúdo
SOBRE A EQUIPE LE LIVROS:
O Le Livros e seus parceiros disponibilizam conteúdo de
dominio publico e propriedade intelectual de forma
totalmente gratuita, por acreditar que o conhecimento e a
educação devem ser acessíveis e livres a toda e qualquer
pessoa. Você pode encontrar mais obras em nosso site:
LeLivros.love ou em qualquer um dos sites parceiros
apresentados neste LINK.
"Quando o mundo estiver
unido na busca do
conhecimento, e não mais
lutando por dinheiro e poder,
então nossa sociedade
poderá enfim evoluir a um
novo nível."
Copyright © Frederico Mattos, 2021
Copyright © Editora Planeta do Brasil, 2021
Todos os direitos reservados.
Preparação: Marina Castro
Revisão: Andréa Bruno e Elisa Martins
Diagramação: Vivian Oliveira
Capa: Helena Hennemann / Foresti Design
Adaptação para eBook: Hondana
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
Angélica Ilacqua CRB-8/7057
Mattos, Frederico
Maturidade emocional [livro eletrônico] / Frederico Mattos ; tradução de
Claudio Carina. -- São Paulo : Planeta, 2021.
176 p.
ISBN 978-65-5535-299-3 (e-book)
1. Emoções 2. Maturidade emocional 3. Maturação (Psicologia) I. Título
21-0051 CDD 155.7
Índice para catálogo sistemático:
1. Maturidade emocional
2021
Todos os direitos desta edição reservados à
Editora Planeta do Brasil Ltda.
Rua Bela Cintra 986, 4o andar – Consolação
São Paulo – SP CEP 01415-002
www.planetadelivros.com.br
faleconosco@editoraplaneta.com.br
Aos que ousam mergulhar nos mares
obscuros de si mesmos e retornam
transbordando sabedoria e compaixão.
Sumário
INTRODUÇÃO
PARTE I. UM MAPA DAS EMOÇÕES
CAPÍTULO 1. O QUE SÃO AS EMOÇÕES? COMO LIDAR COM
ELAS?
CAPÍTULO 2. COMO SURGE UMA EMOÇÃO E O PAPEL DOS PAIS
NAS SUAS ORIGENS
CAPÍTULO 3. POR QUE IGNORAR AS EMOÇÕES PODE SER UM
MAU NEGÓCIO?
CAPÍTULO 4. GLOSSÁRIO DAS EMOÇÕES PROBLEMÁTICAS (E
COMO ENFRENTÁ-LAS)
PARTE II. EFEITOS COLATERAIS DA IMATURIDADE
CAPÍTULO 5. O QUE É IMATURIDADE EMOCIONAL?
CAPÍTULO 6. OS CINCO TRAÇOS DA IMATURIDADE EMOCIONAL
CAPÍTULO 7. IMATURIDADE NA FAMÍLIA
CAPÍTULO 8. IMATURIDADE NOS RELACIONAMENTOS
AMOROSOS
CAPÍTULO 9. IMATURIDADE NO TRABALHO
CAPÍTULO 10. OS IMATUROS PODEM FAZER O MAL?
PARTE III. CAMINHO DE AMADURECIMENTO
CAPÍTULO 11. OS CINCO PILARES DA MATURIDADE EMOCIONAL
E 60 EXERCÍCIOS PRÁTICOS
CAPÍTULO 12. MATURIDADE NA VIDA COTIDIANA
CAPÍTULO 13. MATURIDADE AO LONGO DA VIDA
CONCLUSÃO
LIVROS E VÍDEOS DE INTERESSE CORRELATOS
AGRADECIMENTOS
Introdução
Quero convidar você para uma travessia de amadurecimento emocional que
impactará todas as suas decisões daqui para a frente.
Imagine a sua casa dos sonhos, ande pelos cômodos dela, repare na
decoração, observe as fotos em porta-retratos e você verá toda a sua
personalidade estampada lá. Esse foi um trabalho de anos, de muito esforço,
tudo para transformar paredes brancas e impessoais em seu aconchegante
lar…
A maturidade emocional cria em você esse tipo de arquitetura única e
inconfundível de uma vida mais plena de equilíbrio e conexão pessoal.
Raramente, porém, ela é decifrável num piscar de olhos, pois existem
camadas de beleza que florescem apenas quando observamos sem afobação,
como um prato sofisticado que degustamos de olhos fechados e que só
libera sua grandeza aos poucos.
Neste livro, você não verá uma fórmula universal ou quadradinha, mas
possibilidades para navegar do seu próprio jeito. A ideia é que você domine
a arte de lidar com suas emoções e crie sua própria mobília interior.
Se, por um lado, a maturidade é muito singular e, às vezes, enigmática, a
imaturidade é bastante parecida em qualquer canto que olhamos, de tão
caricata e previsível. Faça a seguinte experiência: pense em alguém que
você conhece que seja emocionalmente imaturo. Que imagens vêm à sua
cabeça? Quais sentimentos essa pessoa desperta no seu coração? Como
você se relaciona com ela? O que espera dos seus comportamentos? Quanto
confia nela? De que jeito a detesta? Você perceberá que outras pessoas
imaturas seguem padrões bem semelhantes.
Todos nós temos um critério intuitivo para identificar essa figura, mas não
sabemos nomear com clareza. Teria a ver com a idade, pagar as contas ou
ter responsabilidades? Não, afinal, já vimos sujeitos imaturos com cabelos
brancos, pagadores de boletos (até ricos de doer) e em cargos de chefia
(quem nunca teve um chefe alucinado?). Essa pessoa pode estar camuflada
em qualquer situação, vestida de terno e gravata ou de sandálias, pregando
paz e amor, com discurso extremista ou com filosofia humanitária.
O entendimento da maturidade emocional facilita tanto o autoconhecimento
quanto a compreensão dos outros e ajuda a decifrar o que está nos
bastidores de um comportamento que você acha problemático e que até
julgaria impiedosamente. Não seria incrível poder avaliar de forma menos
dura o que se passa dentro de nós e das pessoas com quem convivemos?
A maneira mais fácil de identificar nossa imaturidade é enfrentando um
problema. A crise testa a nossa maturidade, força os nossos limites,
desgasta as nossas máscaras e revela como agimos de verdade.
Quais parâmetros usamos para solucionar um problema? O que fizemos
quando as informações da situação eram incompletas? Qual foi o nosso
comportamento diante de um impasse? E nossa maneira de agir com as
outras pessoas? Como lidamos com as consequências de nossos erros?
Como gerenciamos as emoções? Os pais de uma criança a deixariam aos
nossos cuidados ou teriam medo de que a machucássemos por distração ou
até maldade?
A imaturidade, em alguma medida, é uma forma muito restrita de nos
relacionarmos, em que negligenciamos e até prejudicamos os outros para
garantir o nosso bem-estar. Essa visão fechada nos impede de equilibrar
necessidades individuais com as de grupo, e até mesmo uma pessoa
divertida e querida, se for emocionalmente imatura, não seria muito
indicada para lidar com questões que demandem maior sofisticação
emocional.
Este livro vai ajudá-lo tanto com questões urgentes quanto com situações
crônicas. Tomei o cuidado de falar sobre maturidade como um guia pessoal
aplicável a qualquer tipo de personalidade em vários contextos de vida (sem
virar um manual boboca de como agir corretamente). Quero fazer com você
uma travessia pelos caminhos de suas emoções, desde a maneira como você
lida com sentimentos difíceis até a possibilidade de construção da
maturidade emocional.
Na parte I deste livro, quero levar você a conhecer um pouco mais do seu
mundo emocional. Vou descrever o que são e como se originam as
emoções, como operam internamente e como agir quando elas se tornam
mais desafiadoras.
Na parte II, vou me deter propriamente nos cinco traços de imaturidade e
seus desdobramentos na família, nos relacionamentos amorosos e no
trabalho, além de refletir sobre as decorrências éticas da imaturidade.
Na parte III, finalmente, quero esclarecer quais são os pilares da maturidade
emocional (que são os contrapontos dos traços de imaturidade), como ela se
aplica na prática cotidiana e como se desenvolve ao longo da vida.
Propus cerca de 60 exercícios de graus variados de dificuldade ao longo do
livro para que ninguém se sinta subestimado ou submetido a uma prova de
fogo. Como a maturidade é uma dimensão dinâmica da vida, não é justo
imaginar que todas as pessoas estejam no mesmo passo. Você verá que isso
está longe de parecer um treinamento de “como se tornar sério e abrir mão
dos prazeres da vida”, pois amadurecer não tem a ver com abdicar de
alegria e bons momentos.
Não prometo que você será uma pessoa madura ao terminar de ler este
livro; os livros de autoajuda mentem descaradamente quando garantem esse
tipo de resultado. Tampouco quero que você sinta culpa por pensar que
falhou nas sugestões contidas aqui, afinal seria muito fácil dizer que o livro
é ótimo e que você foi incompetente ao aplicá-lo. É questão de tempo,
tentativa e erro e paciência – a persistência traz resultados que se somam no
longo prazo.
Confesso que falar de imaturidade foi um dos maiores desafios que tive,
pois é uma palavra batida, de uso corrente e alta carga pejorativa, e por isso
é muito difícil explicar algo que já está na mente das pessoas sem derrapar
em estereótipos. Cada linha deste livro se baseia em muita leitura
disseminada sobre assuntos correlatos, em anos de prática clínica e trabalho
com a minha própria imaturidade ao longo de bastante terapia pessoal. Não
queria decepcionar nenhum leitor por conta dos meus enganos pessoais ou
fazer parecer que falo do alto de uma montanha de maturidade,
desconectado dos mesmos problemas que você enfrenta.
Há outro desafio na leitura deste livro: como a ideia de maturidade parece
estar associada a algo meio chato, difícil e inacessível, as pessoas mais
emotivas, alegres e expansivas podem se sentir fora desse barco.
Maturidade emocional tem menos a ver com um traço específico e mais
com uma forma de lidar com a vida que pode vir embalada em senso de
humor, vivacidade e divertimento. E isso pode ser feito por pessoas com
qualquer tipo de personalidade, sejam elas introvertidas ou extrovertidas,
práticas ou intuitivas, racionais ou emotivas, e em qualquer fase da vida.
Uma dica para quem tem preguiça de ler: você pode ler o capítulo que
quiser na ordem que for do seu interesse, mas em certo ponto precisará
voltar às explicações mais técnicas sobre os traços de imaturidade para
entender o que está sendo dito, então não pule de jeito nenhum os capítulos
1, 6 e 11 e detenha-se neles com mais calma. Se quiser se aprofundar em
algum tema, teremos capítulos complementares na sequência desses. Se
estiver passando por problemas agudos para identificar suas emoções, fiz
um pequeno glossário de emoções no capítulo 4.
Desejo do fundo do meu coração que os seus dias sejam menos
problemáticos e que você tenha em mãos palavras que inspirem uma vida
mais madura e emocionalmente plena.
PARTE I
UM MAPA
DAS EMOÇÕES
CAPÍTULO 1
O que são as emoções? Como lidar com
elas?
Dentro de nós há uma coisa que não tem nome,
essa coisa é o que somos.
José Saramago
Emoções são reações neuropsicológicas passageiras a um
acontecimento que nos comunicam algo importante para nos incitar à
ação. São como nuvens temporárias que sugerem possibilidades,
retratam paisagens psicológicas e podem ganhar vida própria
dependendo de como respondemos ao seu chamado.
A tristeza, a raiva, o medo e a alegria são exemplos de emoções básicas e
universais que duram alguns minutos e ajudam a nos orientar internamente
nas nossas relações interpessoais. Agem como bússolas que nos guiam para
mais perto dos nossos valores pessoais e das experiências que tivemos ao
longo da vida.
Como seres humanos, passamos por milhares de anos de adaptação que nos
prepararam para novas condições físicas e sociais e, da mesma forma que
inventamos tecnologias avançadas como o fogo e a internet, também
desenvolvemos uma mente sofisticada capaz de lidar com cenários muito
complexos e sutis. E foi graças às nossas emoções que sobrevivemos a essa
jornada aprimorada de adaptabilidade.
Isso não quer dizer que devemos ser arrastados por nossas emoções –
algumas são frutos de um condicionamento tóxico ao longo de nossas vidas
–, mas que elas são um alerta importante que precisa ser ouvido com
atenção.
Se pudéssemos traduzir a emoção num modelo simplificado, seria este:
Emoção é o resultado do encontro entre um acontecimento e o nosso
sistema físico e psicológico (composto pela bagagem pessoal e pelo
significado que damos ao evento) naquele momento presente.
Imagine que você está distraído (momento presente), andando na rua
enquanto olha o celular, quando subitamente tromba com uma pessoa
(acontecimento externo) e, por hábito, ameaça esbravejar (bagagem
pessoal), pois deduz que a pessoa é folgada (significado/narrativa) e sente
raiva (emoção). No entanto, se dá conta de que ela é deficiente visual
(mudança de paisagem mental e novo acontecimento interno) e, por respeito
a essa condição (bagagem pessoal de educação), pede desculpas e, por
achar a sua reação precipitada (narrativa), se envergonha (emoção).
Uma emoção não surge sem a conexão entre o acontecimento externo ou
interno (uma lembrança ou outro sentimento) e a interpretação que se dá
(tomando por base os próprios hábitos e visões de mundo) ao que
aconteceu.
A bagagem pessoal é determinante para desenhar um condicionamento
emocional problemático ou libertador. Se uma pessoa sempre se irrita, se
lamenta ou se envergonha com as situações cotidianas, isso se deve a um
ciclo de anos de repetições das mesmas reações e interpretações dos fatos.
Portanto, as emoções nunca são óbvias ou universais, pois, se cada pessoa
viveu uma história pessoal, é provável que cada uma interprete os
acontecimentos de um modo diferente. Há pessoas que adoram festas
surpresa (por acharem que são prestigiadas e importantes) e outras que se
sentem mal (por sentirem que são humilhadas e feitas de boba). Se as
reações fossem iguais, ninguém discutiria diante dos mesmos fatos, afinal
tudo seria unânime, mas, como tivemos bases diferentes, interpretamos os
acontecimentos de formas muito personalizadas.
Mesmo um acontecimento aparentemente banal pode evocar emoções tão
únicas que jamais seríamos capazes de deduzir por que alguém mudou
repentinamente de humor por estar com fome ou por ter ouvido o barulho
de um rojão. Por isso, nossos julgamentos que dizem “não foi nada” ou
“para de frescura” costumam ser ofensivos, pois aquilo que provoca alegria
em nós pode despertar as piores emoções no outro.
Um acontecimento pode ser externo ou interno, pois, mesmo quando
não está acontecendo “nada” significativo do lado de fora, a nossa
mente está sempre produzindo conteúdos. Uma emoção difícil pode vir
do barulho de um pneu freando, mas também de uma memória.
A nossa narrativa também responde ao que sentimos, pois, se uma pessoa é
mais durona e acha que certa situação é uma besteira (significado), poderá
se irritar, mas, se acha que é uma situação delicada, vai sentir mais
compaixão.
Conhecer a sua bagagem pessoal é muito importante para decifrar suas
próprias emoções, além de perceber qual é o seu jeito padrão de contar para
si mesmo o que está acontecendo. Uma pessoa raivosa provavelmente
sempre interpreta os fatos de uma determinada maneira que cria um gatilho
de indignação, e a raiva vem como forma de lidar com os incômodos no
meio do caminho.
Então, se você mudar a maneira como interpreta os fatos, vai transformar
não só as suas reações como também as emoções subjacentes às ações. Se
acha que a vida é uma guerra, vai sentir raiva; se sentir que a vida é um
momento precioso, vai sentir tristeza ou alegria, dependendo do que
acontecer. No fundo, você decide como vai se emocionar antes de se
emocionar, por tudo aquilo que lhe ensinaram e pelas convicções que
formou sobre a vida.
As emoções têm cinco grandes objetivos evolutivos, e precisamos entender
o que isso significa para aproveitar melhor este livro:
1. Adaptação biopsicológica diante de novos dados, incitando à ação, se
necessário
Esse propósito responde por nossa capacidade de resolver problemas,
prever comportamentos e agir adequadamente. Seria bem problemático ser
incapaz de ver uma fisionomia e entender se aquela pessoa representa
perigo ou solidariedade.
2. Contextualização ambiental, criação de narrativas conforme a nossa
bagagem pessoal
Os principais sinais comportamentais são aqueles não verbalizados, e as
emoções são capazes de reconhecer o que escapa à percepção consciente.
Essa leitura social mais sutil é o que nos permite ver duas pessoas falando,
entender que elas estão conversando de forma mais ou menos harmoniosa e
até dar sentido para o que ouvimos. É como transformar palavras e
movimentos físicos que pareceriam desconectados em uma narrativa
pessoal (estão brigando, por exemplo) que nos dê meios de agir.
3. Base para compor aspectos de nossa identidade numa personalidade
plural
Cada vivência que tivemos imprimirá um colorido especial em dado
momento, e isso vai compor a arquitetura de nossa personalidade. Cada
aglomerado de emoções compõe um traço que formará uma faceta de nossa
identidade nessa grande construção psicológica que chamamos de “meu
jeito de ser”.
4. Construção de vínculos comunitários
O que nos atrai nas pessoas só pode ser mobilizado pelas emoções, o que
garante não só a sobrevivência da espécie pela procriação, mas também o
cuidado profundo dos laços comunitários que nos legitimam como seres
sociais.
5. Engajamento cognitivo para absorver novas informações e
habilidades
As emoções criam uma cola que gruda a nossa atenção e fixa as memórias
para a construção de hábitos e a absorção de novos conhecimentos. Você
provavelmente já memorizou uma matéria na escola cantando uma
musiquinha irritante (olha aí a emoção), mas que ajudava na hora da prova.
As emoções querem passar uma mensagem sobre algo muito importante
que está acontecendo. Ouça com atenção!
Sentimentos são estruturas psicológicas mais complexas, que dependem
de um cérebro humano plenamente desenvolvido, com suas operações
básicas, como memória, vontade, afetividade e raciocínio lógico,
funcionando a todo vapor, ou seja, dependem de uma cognição mais
sofisticada para operar efetivamente.
Uma criança tem protótipos sentimentais que, com o tempo, se tornarão
mais robustos e complexos. Se o seu filho pequeno diz que odeia você, ele
não quer dizer que odeia de fato, mas apenas que está com raiva pelo que
você fez naquele episódio. Ele provavelmente só vai odiá-lo mesmo (na
concepção correta de ódio) quando estiver na adolescência, com as funções
cognitivas mais plenamente desenvolvidas.
Se os sentimentos são mais complexos que as emoções, uma pessoa pode
ter o sentimento de amor e ao mesmo tempo sentir a emoção da raiva por
estar momentaneamente frustrada ou se sentindo rejeitada. O sentimento é o
guarda-chuva mais abrangente, em que cabem emoções variadas e até
contraditórias, como acontece com a angústia – em que existe culpa, medo,
tristeza, abandono, dúvida. Uma emoção momentânea não pode ser
confundida com um sentimento, que é mais multifatorial e duradouro.
Camadas emocionais
a) Emoções primárias, secundárias e terciárias
As emoções primárias são aquelas mais próximas da fonte que as provocou.
Um susto provoca surpresa, um ataque provoca medo, uma humilhação
pode provocar raiva ou tristeza, e uma boa notícia provoca alegria.
As emoções secundárias são aquelas que surgem como efeito de uma
emoção primária, por exemplo, a raiva de si mesmo por ter sentido medo ou
a tristeza decorrente de sentir inveja de uma pessoa querida. Isso quer dizer
que uma mesma emoção pode manifestar-se como decorrência de uma ação
imediata ou como reflexo de outra emoção.
As emoções terciárias são aquelas que absorvemos de outras pessoas, como
no caso de uma criança que sente a tristeza que seria da mãe, como uma
porta-voz da emoção alheia. Pessoas muito sensíveis acabam tornando-se
esponjas emocionais, pois estão sempre ligadas nas necessidades dos
outros, mesmo que de maneira exagerada.
b) Conscientes versus subterrâneas
Nem todas as emoções estão plenamente disponíveis para a nossa
consciência, em especial aquelas que vemos como vergonhosas,
indesejáveis ou perturbadoras.
Sentimentos como raiva, medo e inveja não são em si negativos, pois nos
dão uma pista da direção para a qual nossos valores estão apontando e do
que tentamos nos defender. Mas muitas pessoas mal reconhecem essas
emoções e criam uma manobra de repressão automática, negam para si
mesmas e fingem que elas não estão lá, mesmo que estejam.
Com o tempo, essas emoções vão tornando-se cada vez mais inacessíveis e
subterrâneas, e isso não quer dizer que elas não existam ou não nos afetem,
mas que não estão disponíveis (com um olhar superficial) para serem
olhadas, confrontadas, analisadas, diluídas ou solucionadas.
Você pode estar sendo grosseiro e ríspido com os outros sem saber que está
alterando seu tom de voz. O fato de você não ter percepção emocional de
algumas coisas não quer dizer que elas não existam. Algumas pessoas que
se dizem frias e racionais só estão inconscientes de si mesmas.
c) Complexidades emocionais ambivalentes e contraditórias
Como somos seres complexos, podemos sentir emoções muito ambivalentes
e, por vezes, contraditórias, como o que sempre acontece em relação à mãe.
Devido ao grau de importância que damos a essa figura quase mítica, nós a
amamos ao mesmo tempo que sentimos raiva, medo ou culpa em relação a
ela; enfim, sensações contraditórias.
Quando alguém diz que gosta ou não de algo de modo definitivo, você pode
desconfiar que essa é uma porção muito pequena do que a pessoa está
sentindo.
Na prática, as suas emoções não são tão lineares e previsíveis como
gostaria. Você tem muitas facetas ou subpersonalidades que atuam
conjuntamente, e cada pessoa demanda um aspecto de você.
A tristeza que você sente em relação a um amigo é diferente da que sente
pela sua mãe, apesar de parecer a mesma emoção, porque a textura das
relações é distinta. Então você pode sentir várias coisas aparentemente
contraditórias com relação a alguém por conta dessa complexidade
emocional.
EXERCÍCIO DE COMPREENSÃO
EMOCIONAL
Tente preencher o trecho a seguir com algum evento emocional que você
teve recentemente, de acordo com a definição que apresentei no começo do
capítulo.
Emoção (_________________) é o
resultado do encontro entre um
acontecimento (externo ou
interno__________________) e o nosso
sistema físico (necessidades
básicas__________________) e psicológico
[composto pela bagagem pessoal
(________________________) e pelo
significado (que narrativas você
construiu__________________) que damos
ao evento] naquele momento presente
(como você estava____________________).
CAPÍTULO 2
Como surge uma emoção e o papel dos
pais nas suas origens
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Manoel de Barros
Afinal, o que causa as nossas emoções: o lado biológico ou o social? Essa
pergunta nos induz a um erro muito comum nos debates acadêmicos, pois
nenhum fenômeno humano é só biológico ou só social: há uma base
biológica sem a qual não seria possível ter os mesmos mecanismos e
engrenagens compartilhados com as outras pessoas, e uma social, pois
necessita-se de uma teia comum que dê contexto para as dinâmicas
emocionais. Então, para acabar com essa falsa dicotomia entre biologia e
sociedade, precisamos entender o aspecto psicológico como o elemento de
conexão que dará um significado único para cada acontecimento a partir do
seu repertório particular.
Imagine que existem duas pessoas num carro que se acidenta: cada uma
delas reagirá de modo único, apesar de o evento ser o mesmo. A emoção,
portanto, é um fenômeno multifatorial que pede uma conversa entre
biólogos, sociólogos e psicólogos.
A origem das emoções
Se eu disser que você aprendeu a amar em algum momento da sua vida,
talvez isso cause um choque, afinal o amor parece instintivo – bastaria olhar
os bebês e suas mães. Mas isso não é verdade; sentimentos complexos
como o amor dependem de muitos ingredientes e narrativas. Os pais são os
grandes modeladores na hora de fermentar esse pão.
Emoções básicas como tristeza, medo, raiva, alegria, desprezo e nojo são
evolucionariamente instaladas no nosso cérebro como mecanismos
essenciais de sobrevivência. Quer você aceite, quer não, existe uma
programação que o predispõe a sentir essas emoções no corpo. Mas os
motivos pelos quais essas emoções serão associadas em sua mente a certos
eventos dependerão da aprendizagem social, ou seja, da convivência com as
figuras de seus cuidadores, pais, avós, professores e toda a rede de apoio.
Então, desde pequenos, somos capazes de experimentar tristeza, medo,
raiva e alegria, mas, ao longo da vida, os sentidos se modificam e as razões
mudam. Hoje você não se importaria em perder a mamadeira, mas ficaria
aborrecido sem um cigarro (se for fumante) ou um abraço. A operação
emocional é a mesma, mas os motivos vão transformando-se com o tempo.
A bagagem pessoal é resultado de um tipo de seleção emocional que, ao
longo dos anos, se fechou em pequenos atalhos psicológicos que podemos
chamar de identidades ou subpersonalidades. Algumas pessoas têm um
portfólio emocional mais amplo, com emoções que caminham por um
espectro mais diversificado de possibilidades, enquanto outras parecem
reagir trancadas em apenas uma ou duas emoções limitantes que resultam
em comportamentos problemáticos.
Esse repertório psicológico pode congelar ao longo dos anos, criando um
conjunto mais fluido ou fixo de identidades num tipo de personalidade mais
ou menos rígida. Esses núcleos de identidade baseiam-se tanto naquilo que
ouvimos sobre as nossas emoções e valores quanto no que experimentamos
no convívio com as pessoas que nos cercam.
A bagagem emocional ensinada
Como educadores emocionais, os pais têm um papel muito importante na
construção da nossa emocionalidade. Aquilo que eles falam, explicam e
repetem verbalmente tem o papel de construir a dimensão consciente que
está na ponta da língua quando nos perguntam sobre nossos valores morais.
Esse conjunto de valores vai compondo as regras que “eu sei” que tenho
que seguir, podendo ser mais coerentes ou caóticas. Esse sentimento de que
você deveria fazer algo tem base numa percepção mais idealizada pela
sociedade e pelos pais, e é comum que seja frágil em termos de
aplicabilidade, pois parte de ideias mais rasas sobre dilemas éticos.
“Seja bom”, “não machuque os outros”, “empreste o seu brinquedo” são
bons argumentos para incentivar os filhos a agir bem. Quando pensamos
nos nossos dilemas morais, essas mensagens surgem na nossa cabeça e nos
dizem o que deve ser feito. Mas por que, mesmo sabendo o que é correto,
você se flagra agindo de forma diferente daquilo em que acredita?
Esse sentimento de vergonha pelas nossas contradições vem da visão
convencional da moralidade, que é simplista, supostamente aplicável a
qualquer situação e pretensamente fácil de usar: mate ou não mate, ajude ou
não ajude. Mas a vida real aparece e dá um tapa na nossa cara com
situações mais complexas do que aquelas para as quais o nosso ideal se
programou.
Imagine a situação de Danilo, um jovem adulto que vivia com os seus pais
mais idosos atravessando um longo período com a mãe vítima de
Alzheimer. Ela já estava irreconhecível havia alguns anos: a doença
devastara toda a sua personalidade, que era de uma mulher extremamente
dócil, e agora a fazia agir como uma pessoa insensível, verborrágica e
grosseira. Então ela sofreu um AVC, que a deixou em coma e em uma
condição de degeneração irreversível, e ficou a cargo do filho a decisão de
insistir num tratamento ineficiente e interminável ou oferecer cuidados
paliativos até que ela morresse.
A regra de ser bom, não machucar os outros e lutar pela vida não ajuda
muito diante desse dilema, pois, na mentalidade convencional, não importa
o que aconteça, em nenhuma circunstância se deve apressar ou facilitar a
morte, mesmo que a pessoa esteja em condições deploráveis. Por outro
lado, essas regras foram criadas em contextos sociais em que ninguém era
exposto a esse tipo de situação, afinal a medicina pouco podia fazer na
maior parte dos casos como esse, e era o corpo que decidia pela própria
morte, e não os familiares. Diante de novos dilemas éticos, a moral
convencional tem uma aplicabilidade pouco clara e útil, tendo em vista que
os eventos não são óbvios e de única interpretação. Como vivemos num
mundo plural e com referências morais e filosóficas diversificadas, não
parece tão simples decidir-se pelo que é certo ou errado.
O que seria útil então? Certamente uma perspectiva moral que
contemplasse uma emocionalidade que suporta mais pontos de indefinição,
incerteza e impotência.
A bagagem emocional vivida
A segunda fatia do bolo emocional é resultado de outra influência sobre as
crianças: aquilo que é efetivamente feito com elas. O que é mais impactante
para uma criança que pouco compreende conceitos abstratos como justiça,
bondade, verdade e liberdade, mas entende com muita clareza se você
ajuda, mente, grita ou dá abraços? Para a criança, ver os pais gritando tem
um efeito muito mais convidativo para copiar do que a ordem de que não se
deve gritar.
Quando o pai fica dias emburrado com a mãe sem que o filho saiba dos
impasses sexuais do casal, o que a criança vai registrar emocionalmente?
Ela estará inconsciente das razões do silêncio e, mesmo que soubesse, não
compreenderia; na prática, ela só vê os pais mantendo distância e frieza
emocional. O relacionamento dos pais cria uma carga emocional muito
maior do que aquilo que falam sobre educação moral. Crianças sabem
racionalmente que é errado tratar com indiferença as pessoas que amam,
mas o que sentem é que a frieza é uma forma “eficiente” de agir no
momento de dor.
As crianças são ótimas observadoras, mas lhes falta o repertório sutil de
interpretação para que decodifiquem os fatos; logo, elas guardam aquilo que
as impacta diretamente nas emoções, e isso forma a sua “moralidade
emocional”.
Por exemplo, uma criança sabe que deve tratar bem as pessoas, mas sente
mais familiaridade na sensação que a violência física provoca, pois é isso
que experimentou com seus pais. Na escola, entre os amiguinhos, ela pode
sentir um “prazer” controverso em maltratar ou ser maltratada por outra
criança, pois é o que acumulou em sua bagagem emocional, em vez de se
proteger de violência, que foi o que os pais lhe ensinaram verbalmente. Os
pais mais atentos vão perceber que aquilo que fizeram foi mais
determinante do que aquilo que ensinaram.
Os pequenos entendem a força de uma ação e de uma não ação, então,
quando uma criança empurra a outra e olha para os pais, a reação deles será
mais determinante do que a bronca verbal. Se os pais rirem da situação
(porque interpretaram aquilo com uma admiração secreta – “olha como meu
menino é ousado e vigoroso” – ou ainda com piedade – do tipo “coitado, só
quer se divertir”), ela vai guardar a sensação de aprovação velada.
Depois de um tempo, quando forem confrontados por uma denúncia de
comportamento abusivo do filho com os coleguinhas, esses pais serão
tomados de assalto pela indignação. Conscientemente dirão que nunca
ensinaram o filho a tratar mal a ninguém, e isso é verdade do ponto de vista
mais superficial (é o que eles acreditam ter ensinado), mas a ação prática no
passado foi permissiva com violência. Foi isso que o filho espelhou.
As repetições emocionais vividas com os pais terão um peso simbólico e
emocional mais contundente, por melhores que sejam as intenções morais
da família. A hipocrisia unida a uma moralidade controversa é mais comum
do que pensamos, pois a pessoa julga a si mesma pelo que acha que fez, e
não pelos efeitos prejudiciais concretos de seus jogos psicológicos.
Agora talvez fique claro por que nos debatemos moralmente entre os
valores em que acreditamos e aquilo que de fato fazemos: nossa mente
racional está identificada com o que a cultura mais ampla nos ensina que é
correto e o que os pais verbalizam como regras de bons modos, mas os
nossos hábitos emocionais estão conectados com o que vivemos na pele ao
longo de anos.
Se a nossa educação familiar ignorou o aspecto emocional, provavelmente o
que sentimos acaba sendo o oposto daquilo que gostaríamos de fazer.
CAPÍTULO 3
Por que ignorar as emoções pode ser um
mau negócio?
Suponho que me entender não é uma questão de inteligência
e sim de sentir, de entrar em contato… Ou toca, ou não toca.
Clarice Lispector
Neste começo do século XXI, estamos numa temporada em que as emoções
ainda são alvo de muito desprezo e preconceito, especialmente porque estão
associadas à fama de “ruins” ou descontroladas. Ser racional, frio e
produtivo, sem se deixar inundar por emoções, pareceria o caminho mais
respeitável e bem pago, e daí vem a nossa escolha de rejeitar o contato com
a nossa vida emocional.
Quando lidamos com as emoções, elas parecem intensas, descontroladas e
responsáveis por comportamentos catastróficos. Temos a ideia de que,
quando nos tornamos maduros emocionalmente, somos mais racionais (o
oposto de emocionais) e menos afetados pelas emoções. Mas amadurecer é
seguir em contato com as emoções, com a diferença de que não seremos
dominados por elas nem agiremos de forma destrutiva ou problemática.
Se as emoções são partes tão essenciais da vida, o que perdemos quando
ignoramos o nosso lado emocional?
1. Ponto cego
Ao ignorar o que acontece no campo emocional, você perderá informações
valiosas sobre os acontecimentos, pois as emoções oferecem uma visão
global sobre um evento e garantem o colorido da situação. Imagine perder a
capacidade de ver pequenos milagres ou realidades duras por causa de uma
anestesia psicológica: seria como dirigir em alta velocidade no meio de uma
neblina cerrada. Então, quando tiver que tomar uma decisão pessoal,
profissional ou financeira, você poderá sentir um tipo de bloqueio para se
posicionar com firmeza, simplesmente porque não terá as suas emoções
como boas conselheiras.
2. Perda de brilho pessoal
Com o colorido das emoções, a nossa visão das pessoas, bem como a
maneira como somos vistos por elas, ganha potência. Uma pessoa
desconectada de suas emoções pode mostrar-se apática ou arrogante,
mesmo que ache ter vivacidade e carisma. Além disso, com as emoções
somos capazes de nos conectar, ter interesse e até mudar uma realidade
indesejável sem sermos cínicos ou alheios aos outros. Uma pessoa com
pouco brilho nos olhos não terá automotivação, pois isso depende da
conexão com as emoções do momento e do desejo ardente de um resultado
no futuro.
3. Radar social prejudicado
Sem emoções, você seria incapaz de perceber um clima desagradável, um
constrangimento alheio ou uma postura inadequada (e as pessoas diriam
que você é sem noção ou insensível). Algumas percepções sociais são
muito sutis; entre tantas coisas acontecendo, existem várias outras que são
cruciais para formar uma imagem abrangente do cenário. Perder essa
perspectiva é ter apenas um ângulo de um contexto mais complexo. Isso
acontece com muita frequência em brigas de casal, em que uma das pessoas
ignora completamente os sinais sutis que a outra emite sem as palavras.
4. Fraca conexão emocional
Se ignorar suas emoções, sua disposição para a intimidade emocional será
menor, e, toda vez que estiver próximo de um relacionamento saudável,
você poderá colocar tudo a perder. Como o contato com os seus sentimentos
é pobre, terá menos engajamento nas suas relações e ficará predisposto ao
tédio com mais facilidade, só porque não leva em consideração as emoções.
Ao ser incapaz de lidar com o campo emocional, você também poderá
negar um sinal de alerta para situações tóxicas e com isso se colocar numa
condição manipulável.
5. Falta de tesão
O tesão pela vida depende da conexão emocional. Para se apaixonar por
alguém, ter vontade de crescer na vida, de estudar ou fazer atividade física,
é preciso conexão com as emoções, com aquilo que pulsa internamente e
que o move numa determinada direção. Ao transformar as relações em algo
impessoal ou raso, você provavelmente vai diminuir a sua capacidade de se
envolver por um longo tempo e até de sustentar o desejo sexual, afinal as
emoções e a vivacidade estão intrinsecamente conectadas.
6. Perda de traquejo social
Você não conseguirá ter desenvoltura nem saber a hora de mudar, se
reposicionar ou agir, correndo o risco de ser inconveniente, inadaptado ou
passivo. Conhecer a mente humana e a própria personalidade na sua
complexidade é fundamental para a saída de uma areia movediça
emocional. Ao perder essa ginga dada pelas emoções, você deixa de acionar
os mecanismos para ser uma pessoa mais querida, carismática e amada.
Depois de explicar o que você pode perder ao negar suas emoções, quero
desfazer algumas objeções que costumo ouvir no consultório, de pessoas
que têm medo, receio, tabus ou preconceito em relação às próprias
emoções.
OBJEÇÃO 1:
“Se eu mexer muito, vou encontrar
emoções negativas”
Emoções são processos adaptativos da espécie humana. O que talvez seja
negativo é a maneira como você se julga quando sente uma emoção difícil e
como a digere. Nossa cultura tem emoções “queridinhas” em comparação
com outras; em alguns países, as pessoas se sentem mais à vontade com um
sentimento do que com outros. Então existe, sim, um tipo de julgamento
coletivo que cria uma camada de culpa sobre uma emoção com a qual já é
difícil lidar.
A maneira como você experimenta essas emoções acaba definindo o grau
de “negatividade” que você atribui a elas; algumas trazem vitalidade e
outras nos deixam drenados. Provavelmente é isso que você chama de
negativo.
A raiva e o amor têm a sua importância, dependendo de como vamos
encarar os seus efeitos sobre nós. É no modo como conduzimos uma
emoção que realmente podemos mudar a chave da experiência de negativa
para positiva, ou seja, tornar construtivo algo que poderia ser problemático.
A ideia da maturidade emocional é que as emoções chamadas negativas
passem a ser vistas como aliadas do processo de autoconhecimento
emocional; portanto, nessa perspectiva, todas emoções são úteis, quer nos
tragam alegrias, quer nos tragam dores.
OBJEÇÃO 2:
“Vou perder a minha essência se eu ficar
muito contido”
Quando está muito identificado com uma emoção, você costuma definir-se
por ela: “Sou raivoso”. Então avalia que deixar de alimentar a raiva poderia
ser um desastre, coisa de quem não é forte de verdade. Por isso, a ideia de
mudar soa como uma perda de identidade ou de controle da própria
espontaneidade.
Mas a pergunta que eu sempre faço é: você chegou até aqui por causa de
sua emoção de estimação ou apesar dela?
Você não vai virar um robô se amadurecer, e sua espontaneidade passará
por caminhos variados, menos monotemáticos. A ideia equivocada de
maturidade emocional é de alguém muito sério, sisudo, tenso, chato e
implicante, ou de um general dizendo o que fazemos de errado. Mas na
prática não é assim.
Uma hora a gente percebe que gerenciar melhor as emoções nos torna mais
leves, vivos, sensíveis e até lúdicos, capazes de brincar em situações
difíceis e rir das próprias desgraças.
OBJEÇÃO 3:
“Por que vou mexer nisso se no fundo não
posso mudar como me sinto?”
Verdade, você tem menos controle sobre como se sente quando está
transbordando. Mas e se pudesse domar esse cavalo selvagem de forma
mais ágil? E se, com o tempo, toda a força desse cavalo pudesse estar a seu
favor?
Dependendo do que conta para si mesmo sobre como as pessoas são e como
o mundo funciona, você terá emoções diferentes. Dependendo da
personalidade e da forma de encarar a vida, duas pessoas podem sentir
coisas completamente distintas num mesmo cenário, e isso determina a
maneira como dominam as suas emoções.
Uma pessoa mais aberta e fluida sentirá as emoções brevemente, não mais
que isso, e outra que cultiva uma visão mais conflitiva e revanchista poderá
arrastar emoções dolorosas por anos a fio.
Você pode não ter plena capacidade de impedir que as emoções surjam (e
isso nem seria adequado), mas pode ter habilidade para diluir suas
manifestações e cristalizações. Uma pessoa terá mais facilidade para sentir
entusiasmo diante de um problema, como se fosse um desafio, e outra, que
se acostumou a recuar e fugir dos obstáculos, sucumbirá num mar de
pessimismo e medo.
Quando você diz que não consegue escolher como se sente, na verdade
apenas está inconsciente dos seus mecanismos emocionais e, por isso, reage
de maneira impulsiva. Ao ter mais familiaridade com essa visão interna,
com certeza ganhará tempo psicológico antes que uma emoção domine as
suas ações.
No fim das contas, ao tomar consciência de suas emoções e ampliar a
perspectiva de si mesmo, você poderá, sim, mudar como se sente, mesmo
que no curto prazo isso pareça impossível.
OBJEÇÃO 4:
“Emoções me deixam desprotegido ou
influenciável”
O maior medo que temos é parecermos fracos ou manipuláveis (“Não vou
me abrir para sentir coisas e ficar chorando todo dia no escritório quando o
babaca do meu chefe me chamar a atenção”). Sentir emoções e ser
dominado, impressionado ou controlado por elas são duas coisas distintas.
Somos educados de um jeito que faz com que as pessoas ganhem poderes
sobrenaturais sobre a maneira como nos sentimos, podendo nos erguer ou
derrubar.
Entretanto, isso não é culpa das emoções, mas do modo como você enxerga
a si mesmo e se relaciona com os outros. É a nossa rigidez emocional que
nos torna influenciáveis; as pessoas só têm o poder de criar certas emoções
em nós quando a nossa autoimagem é muito fixa, como quando nos
provocam com um apelido indesejado.
A familiaridade que você ganhar com suas emoções o deixará menos
vulnerável ao poder alheio. Numa mesa de negociação, quando você
ignorar a dimensão emocional, não vai perceber certas expressões, os
contornos emocionais ou cada detalhe das coisas que acontecem; vai
atropelar os impasses e perder oportunidades simplesmente por ignorar
essas sutilezas.
Todas as emoções que acontecem na relação com as pessoas são sistêmicas,
ou seja, ninguém vai inocular uma emoção em você se não souber apertar
os botões certos na sua cabeça. Se essa pessoa tiver poder de persuasão e
clareza emocional, vai levá-lo no bico, caso você não tenha a mesma
consciência.
Portanto, ter consciência emocional não deixa você desprotegido, e sim um
passo à frente dos outros, com uma visão mais global e profunda em
qualquer contexto, e por isso ninguém mais vai poder “criar” uma emoção
em você.
OBJEÇÃO 5:
“Prefiro ser uma pessoa racional”
Deixe-me contar um segredo meio chato: ninguém é racional! As mais
recentes descobertas no campo das neurociências, em especial o trabalho de
António Damásio no livro A estranha ordem das coisas: as origens
biológicas dos sentimentos e da cultura, mostram isso (grifo meu).
Hipoteticamente, se você reduzisse as “trilhas” de sentimento da sua mente,
ficaria apenas com cadeias dessecadas de imagens sensitivas do mundo
exterior em todas as variedades conhecidas – visuais, sonoras, táteis,
olfativas, gustativas, mais ou menos concretas ou abstratas, traduzidas ou
não para alguma forma simbólica, ou seja, verbal, provenientes da
percepção, ou evocadas da memória. E seria ainda pior se você tivesse
nascido sem as trilhas de sentimentos: o resto das imagens viajaria pela sua
mente sem ser afetado e sem ser qualificado. Uma vez removidos os
sentimentos, você se tornaria incapaz de classificar imagens como belas ou
feias, prazerosas ou dolorosas, elegantes ou vulgares, espirituais ou
mundanas. Poderia ainda ser treinado, com muito esforço, a fazer
classificações estéticas ou morais de objetos ou eventos (isso também
poderia ser feito com um robô, obviamente).
Se a racionalidade pura é um mito, então o que uma pessoa dura como
pedra faz com seus sentimentos? A mesma coisa que os outros, só que sem
saber o que se passa nos bastidores da sua mente. Um emotivo atravessa as
emoções de maneira desgovernada, sem ouvir de verdade o que está
ocorrendo, e a pessoa rígida também faz isso, mas de forma mais discreta.
Ambos perdem a verdadeira mensagem das emoções: um a ignora e o outro
a dramatiza.
Não existem razão e emoção em termos reais; essa é só uma divisão
didática (e às vezes poética) que fazemos no cotidiano para falar do que se
passa dentro de nós. O que chamamos de pensamento é a faceta descritiva e
linguística dos nossos estados psicológicos, e a emoção é a contraparte
corporal que vai dar o impulso para nossas ações.
Se uma pessoa não tivesse emoções, ela seria um robô incapaz de fazer
qualquer escolha sem que houvesse sido programada para isso. A emoção
está onipresente na sua vida, quer você goste, quer não.
Portanto, se você acha que é uma pessoa racional, na verdade só não sabe o
que está acontecendo na festa que rola agora no seu porão, e mesmo assim
vai causar confusão na vizinhança. Então, se é para ficar desgovernado
emocionalmente, sendo duro ou dramático, é melhor saber o que se passa aí
dentro do que ignorar.
CAPÍTULO 4
Glossário das emoções problemáticas (e
como enfrentá-las)
Este capítulo tem um caráter consultivo. Recorra a este pequeno glossário
quando se sentir tocado por uma emoção específica ou estiver sem
vocabulário para nomear o que está vivendo emocionalmente.
1. Emoções básicas
São interpretações simples e menos elaboradas dos acontecimentos;
costumam ter uma mensagem bem direta para nós, pois nos incitam a ações
cotidianas de sobrevivência física e psicológica. Lembre-se de que as
emoções estão sempre nos mandando mensagens para uma ação interna ou
externa e querem nos proteger da dor e proporcionar conforto (baseadas nas
nossas narrativas internas e bagagem pessoal).
TRISTEZA:
“Olhe para aquilo que é importante e você
está perdendo”
A tristeza é o pesar pela perda de algo valioso que amamos, como uma
pessoa, uma ideia, uma chance, um emprego ou um papel profissional.
Lidar com ela é se conectar com o que está sendo perdido, valorizar a
existência que se vai, expressar o pesar e vivê-lo num processo de luto. A
tristeza também nos conecta com as perdas dos outros e pode abrir espaço
para o sentimento de compaixão.
Portanto, não deveríamos bloquear a tristeza, mas apenas garantir que ela
transmita as suas mensagens sem paralisar as nossas ações. Ao olharmos
para ela, podemos detectar as escolhas problemáticas da nossa vida e mudar
de rumo, ou pelo menos saber que estamos valorizando coisas que não são
muito boas para nós e das quais devemos nos desapegar.
MEDO:
“Você está correndo perigo. Fuja!”
O medo é o movimento de afastamento em relação a um ataque real ou
imaginário. Como o medo depende de nosso repertório pessoal, podemos
achar uma coisa mais perigosa que outra, dependendo de como fomos
ensinados emocionalmente. Nossos pais podem nos ensinar um medo
desproporcional de baratas que nos faz avaliar esses insetos como mais
perigosos do que são. Então até mesmo o medo pode nos enganar e nos
induzir a pensar que algo é mais danoso do que realmente é. Uma
imaginação catastrófica é bem diferente de uma realidade factual perigosa,
e precisamos treinar esse crivo de saber quando estamos antecipando uma
perda real ou quando temos uma fantasia de perda que pode só nos
desgastar inutilmente.
O medo também é a antecipação da tristeza, então, se pudermos perceber
quão precioso é aquilo que tememos perder, podemos ganhar força, sem
ficar paralisados.
Se uma mãe imagina que o filho está em perigo só porque está correndo, em
vez de sofrer com a ideia de perdê-lo, ela pode simplesmente abraçá-lo e
dizer que o ama, sem alarde ou recomendações catastróficas.
RAIVA:
“Invadiram com desrespeito o seu
território. Ataque!”
A raiva é o preparo para o contra-ataque diante de um ataque real ou
imaginário.
Se alguém é fechado no trânsito, a raiva surge como reação à inter-pretação
de ter sido humilhado, passado para trás ou feito de bobo pelo motorista da
frente. Na prática, não é possível averiguar a real intenção do outro, e
caberá a nós escolher se vamos cultivar a raiva com muita frequência. A
raiva costuma ser viciante por oferecer uma aparência de força e controle da
situação, mas pode encobrir outras emoções importantes, como a tristeza
subjacente à ameaça.
A raiva pode ser valiosa para avisar sobre o que nos ameaça, mas inútil se
ficarmos absorvidos por ela num impasse. Essa emoção é o alerta que
aparece quando a cerca elétrica é acionada, mas vira um problema se a
sirene continua apitando e precisamos tomar uma decisão ponderada.
Quem é muito sensível à raiva precisa entender se a sua cerca elétrica está
disparando com facilidade e quais são os gatilhos sociais mais propensos a
causar isso. Se é acionado o tempo todo, esse sistema de defesa cria
desgaste pessoal e ineficiência para lidar com as situações, uma vez que
guerrear com os outros pode prolongar inutilmente um embate.
ALEGRIA:
“Não adoraria se divertir e ter mais
energia?”
A alegria é a emoção que busca recompensa por algo conquistado. É
quando o desejo se realiza e vivemos algum tipo de prazer físico ou
psicológico. Ela pode aparecer também para nos levar a obter mais energia
ou tirar proveito de situações difíceis.
DESPREZO:
“Isso é perigoso e você deve se desfazer
disso imediatamente”
É a percepção de algo como perigoso, diferente ou inferior, e pode ser
prejudicial física ou emocionalmente. Como também faz parte da nossa
educação emocional, o desprezo pode transformar-se num mecanismo
patológico de depreciar e diminuir os outros. Portanto, é importante
diferenciar o que é perigoso do que só é diferente para não cair numa
conduta preconceituosa e arrogante.
2. Sentimentos
Sentimentos são intrinsecamente complexos e, para uma análise mais
profunda, seria preciso entender o contexto da bagagem da pessoa
envolvida. Como a personalidade é sempre composta de muitas identidades
internas, os sentimentos costumam causar certa confusão e ambiguidade
interior, pois podem apontar para ações aparentemente contrárias.
ACEITAÇÃO:
“Relaxe, vai ficar tudo bem”
É uma elaboração interna de respeito ao que é inevitável na vida. Depois de
se debater contra uma perda irreversível, a pessoa processa o que aconteceu,
se recompõe e percebe quais são as partes que se quebraram e as que podem
ser reaproveitadas.
AMARGURA:
“Proteja-se da maldade do mundo”
Surge como resultado da briga com os fatos da vida em forma de desprezo
generalizado. Costuma surgir aos poucos diante de acontecimentos duros e
que criaram desilusão pessoal em diferentes áreas da vida. Para se libertar
desse fechamento, a pessoa precisa abrir-se para novas possibilidades até
que a amargura ceda lugar ao encantamento.
AMBIÇÃO:
“Busque tudo o que puder”
Faz a pessoa se movimentar em relação a uma fantasia idealizada e pode
tanto estar presente num cientista que busca uma vacina quanto se distorcer
em ganância tóxica. A ambição não tem um caráter emocional negativo,
mas algumas pessoas podem ficar deslumbradas com a própria idealização
e se tornar obcecadas. Para sair dessa fixação é preciso conviver com as
próprias vulnerabilidades e se engajar num caminho de desconstrução.
AMOR:
“Nunca mais você se sentirá só”
Tem quatro dimensões. A primeira é existencial, uma vontade humana de
beneficiar outro ser humano, e é nessa base que as outras dimensões se
manifestam. A segunda é sentimental, que engloba várias emoções, como a
admiração, a excitação, a alegria, a tristeza, a raiva e o medo. A terceira é
relacional, como aquela experiência quase visceral de necessitar a presença
do outro. A quarta dimensão é atitudinal, um comportamento de benefício
ao florescimento humano da pessoa amada por meio de atos concretos.
ANGÚSTIA:
“Você quer tudo e não está dando conta.
Faça uma escolha”
É a perda de energia por um conflito interno entre duas facetas opostas da
personalidade. É quando se deseja o que é proibido ou se rejeita aquilo que
deveria ser visto como agradável. Ao criar a possibilidade de olhar para
essa multiplicidade interna sem necessariamente alimentar a concorrência
entre os dois caminhos, conseguimos abrir espaço para que a contradição
nos enriqueça emocionalmente.
ANSIEDADE:
“Há muito perigo no futuro. Proteja-se!”
Diferente da condição patológica, o sentimento de ansiedade é a busca de
antecipar uma imagem futura e catastrófica baseada em eventos dolorosos
do passado. O ansioso pensa que se prepara para lidar com a dor futura
quando está apenas evitando repetir angústias infantis. A confiança é a
melhor maneira de lidar com o medo ansioso, pois parte da certeza de que
ele já enfrentou muitos dramas e poderá lidar com outros mais.
CARÊNCIA:
“Você quer tudo e nada basta”
É um vazio emocional que busca no outro a sensação de saciedade para
compensar uma solidão crônica ou falta insuportável. A pessoa carente
precisa, a todo momento, certificar-se de que é amada, respeitada e
reconhecida. Se pudesse cuidar dos outros como busca cuidado, a carência
reverteria a passividade para a doação.
CIÚME:
“Controle cada passo para evitar a
rejeição”
É um sentimento que mistura inferioridade, desconfiança e ruminação.
Longe de ser saudável ou natural do amor, o ciúme é uma disfunção do
relacionamento, pois parte da premissa de que a felicidade é construída com
base na posse e na dominação do outro. Para sair do caminho da
mesquinhez é preciso apostar no crescimento, na liberdade e no
compartilhamento de vida com o outro até que o ciúme perca espaço para a
generosidade afetiva.
COMPAIXÃO:
“Cuide da dor dos outros”
É a capacidade de se colocar ao lado da dor dos outros ao mesmo tempo
que sente um impulso irresistível e alegre de acolher, compreender e
apaziguar as causas do sofrimento alheio.
CULPA:
“Você precisa pagar pelo que fez de errado
e se corrigir”
É a tristeza pela perda de uma imagem idealizada de si mesmo. Apesar do
caráter corretivo, a culpa nem sempre busca a recomposição efetiva da
pessoa prejudicada: pode virar um mecanismo de distração psicológica, do
tipo “eu me culpo para não ter que reparar o malfeito”. Para superar o
sentimento de culpa é preciso identificar e mudar os padrões emocionais
que levaram ao ato, e não se martirizar pelo ato em si.
CURIOSIDADE:
“Olhe tudo o que está à sua volta”
É o impulso emocional de buscar algo que parece desconhecido e
inacabado, na tentativa de fechar uma imagem que parecia incompleta.
DESAMPARO:
“Você está só neste mundo. Feche-se”
É o sentimento de perda de referência afetiva por perda de base emocional.
Ocorre quando você fica, em alguma medida, desapropriado da sua rede de
confiança.
DESAPONTAMENTO:
“Falhou, nada é perfeito”
É a quebra de expectativa a respeito de si mesmo ou dos outros. O
desapontamento ocorre quando você se percebe pior do que tinha
imaginado, pois a sua fantasia era maior do que a realidade. Em vez de criar
imagens das pessoas, é melhor se relacionar com as características
contraditórias delas.
DÓ:
“Ela precisa de você, está vulnerável”
Surge quando você olha alguém que está numa posição emocional, física,
financeira ou social mais desfavorecida e sente uma ambivalência de
superioridade e compaixão. Pode ser um protótipo da compaixão, se você
perceber que estamos todos no mesmo barco de tormenta emocional, ainda
que em contextos diferentes.
EMPATIA:
“O que será que está acontecendo ali?”
É a habilidade de se colocar mentalmente no lugar de outra pessoa. É a
habilidade de se compadecer ou, pelo menos, imaginar o que o outro possa
estar sentindo, seja numa situação desconfortável, seja numa situação de
sucesso.
ENCANTAMENTO:
“A vida é linda!”
É o sentimento de desabrochar diante de uma situação, com um traço de
simplicidade e alegria. Encantamento é uma forma de alegria suave, serena,
como se você se refrescasse com um pequeno milagre da vida cotidiana.
ESPERANÇA:
“Nem tudo está perdido. Prossiga”
É quando você sente que pode contar com uma melhora futura e que as
coisas parecem convergir para uma vivência mais positiva em comparação
com a anterior.
FÉ:
“Você não sabe o que está acontecendo e
tudo bem”
É o sentimento de entrega diante do desconhecido, uma convicção que
ultrapassa os abalos da vida cotidiana. Pode basear-se puramente numa
figura transcendental ou num senso de habilidade pessoal. De modo geral, é
associada a um sentimento de espiritualidade.
FELICIDADE:
“Tudo está bem, não importa o motivo”
É um estado mental que transcende os sentimentos e as emoções da vida
cotidiana, como uma condição existencial mais estável, para além das
variações do dia a dia, ainda que tenhamos a tendência a confundir
felicidade com alegria.
FRUSTRAÇÃO:
“Você perdeu algo, que raiva. Agora
descanse”
É a raiva como reação à tristeza pela perda de algo valioso que encontrará
na aceitação um novo significado para o luto.
GRATIDÃO:
“A vida é boa”
É o senso de recompensa e preenchimento por uma conquista ou um
presente.
INVEJA:
“É tão triste não ser como aquela pessoa.
Será que ela deveria ter tanto?”
Surge da percepção de assimetria e inferioridade em relação ao valor do
outro; portanto, é um tipo de tristeza associada com desprezo referente a
uma pessoa vista como superior àquela que sente. Pode virar um impulso
para o crescimento ou permanecer como uma rivalidade amargurada.
LIBERDADE:
“Você pode fluir”
É experimentada como emoção de autonomia com o direito de ir e vir, mas
pode ser também uma condição existencial exercida com as escolhas diante
dos desagrados da vida: sua maneira de reagir a eles é que determina o bom
ou o mau uso da sua liberdade.
LUTO:
“Você precisa de tempo para lidar com
essa dor”
É um processo que acontece ao longo do tempo de elaboração da dor pela
perda de uma pessoa ou algo de grande carga de afetos. Nessa jornada de
ressignificação, muitas emoções surgem: da negação e da raiva iniciais até a
aceitação e a retomada da vida.
MÁGOA:
“Proteja-se. Não confie tão facilmente”
É um sentimento que mistura raiva, tristeza, menos-valia e impotência
diante do agressor. Para sair dessa espiral é preciso um processo lento de
liberação pessoal e perdão – não uma reconciliação, mas uma cura interior
na reconstrução do bem-estar.
NOJO:
“Afaste-se disso imediatamente”
É uma emoção básica que afasta você de uma experiência ameaçadora ou
de um agente externo. Ela foi fundamental ao longo da evolução da espécie
para garantir que nos afastássemos de condições de envenenamento ou
perigo. Isso não quer dizer que todos os nossos nojos são instintivos, pois
também aprendemos com os nossos cuidadores a nos enojar de coisas e
situações específicas.
OBSESSÃO:
“Não saia daqui até completar a missão”
É a atitude comportamental que vem de uma fixação em relação a uma
imagem ou pessoa. Costuma nos dar indicativos de necessidades não
atendidas e de uma vida menos realizada, de modo que o prazer em torno de
algo determinado se torna o centro da vida.
ÓDIO:
“É preciso destruir aquilo que ameaçou
você”
É um sentimento profundo de afronta contra algo ou alguém que você reduz
a uma característica que possa atacar e transformar num inimigo. O ódio é
um tipo de distração emocional: simplifica a vida ao criar uma narrativa
persecutória de acusações a terceiros. Para superar o ódio é necessário
expandir os horizontes, conhecer a diversidade da vida e se aprofundar na
complexidade dela, aceitar que nem tudo é o que parece para abrir os
horizontes emocionais e até buscar mais fontes de prazer e realização para
diminuir a obsessão odienta.
PRAZER:
“Relaxe e descarregue a tensão”
É a interface entre o sensorial e o emocional que causa uma descarga e um
relaxamento da tensão preexistente.
PREGUIÇA:
“Poupe esforços, pois há muito pela
frente”
É a recusa à ação por perda de energia ou por uma rejeição involuntária a
cumprir uma regra imposta. Em vez de relutar, é preciso conectar-se com o
senso de realização verdadeiro, e não com uma sujeição passiva ao desejo
dos outros.
SAUDADE:
“A falta está doendo. Busque”
É a percepção da indisponibilidade de uma situação ou pessoa que
permanece só no campo da memória e remete a afetos muito intensos,
positivos e, paradoxalmente, dolorosos.
SOLIDÃO:
“Você precisa de espaço para se recompor,
mesmo querendo companhia”
É o senso de não pertencimento a nenhum grupo, associação ou companhia
pessoal. Uma pessoa pode estar acompanhada por várias outras e, no
entanto, não se sentir conectada com ninguém por se considerar superior ou
incompreendida.
TÉDIO:
“Você não está conectado ao que está
acontecendo”
É o mal-estar diante de uma sensação repetitiva e conhecida que já não
causa animação ou euforia. O tédio pode tanto ser decorrente de uma
conjuntura muito desgastante de repetição meramente mecânica e que
dispensa criatividade como pode ser resultado de uma personalidade
presunçosa que sente que nada a entretém. Olhar com apreciação e
curiosidade para a vida pode reintroduzir vitalidade no cotidiano.
VERGONHA:
“Você fez algo ruim. Esconda-se”
É o sentimento de inferioridade pela consciência de uma quebra de
expectativa social. É um tipo de recuo do contato humano por medo de que
as pessoas julguem aquele que sente ou revelem o senso de inferioridade
que ele carrega.
EXERCÍCIOS PARA LIDAR COM
EMOÇÕES DIFÍCEIS
AUTO-OBSERVAÇÃO
Tenha um diário. Anote tudo o que puder do seu mundo interno por
trinta dias seguidos. Se facilitar, divida por períodos do dia. Por uma
questão de aprendizado, é importante anotar todos os dias nesse
primeiro mês para incorporar o hábito; depois isso se tornará natural.
VOCABULÁRIO
Aprenda o nome de uma emoção nova a cada dois dias. Procure no
glossário deste livro ou busque na internet e em outros meios, mas
saiba dar nome aos sentimentos.
RECONHECIMENTO
Aprenda a reconhecer três emoções básicas em você. As mais fáceis são
tristeza, medo e raiva. Faça uma tabela para saber quando elas
surgiram e com o que estavam relacionadas.
CONHEÇA SEUS GATILHOS
Saiba dar nome para a emoção despertada por um evento externo ou
interno. Crie conexões causais entre situações e emoções e veja como
existem emoções que são gatilhos de outras (se sobrepõem) e que
contrastam com outras (e criam ambivalência emocional).
EMPATIA
Aprenda a reconhecer emoções nos outros. Tente identificar o que os
outros sentem e como enxergam o mundo.
OUÇA
Se as suas emoções querem enviar uma mensagem, tente personificá-
las. Imagine que são pessoas que moram dentro de você e pergunte a
elas: “O que vocês estão tentando me mostrar?”. Com certeza você vai
se surpreender com o seu chamado.
PARTE II
EFEITOS COLATERAIS DA IMATURIDADE
CAPÍTULO 5
O que é imaturidade emocional?
O amor imaturo diz: “Eu te amo porque preciso de ti”.
O amor maduro diz: “Eu preciso de ti porque te amo”.
Erich Fromm
Quem já conviveu com uma criança em desenvolvimento tem uma noção
do que é o processo de amadurecer. O recém-nascido é muito frágil, parece
passivo diante da sua necessidade de sobrevivência física e emocional, mas
tem uma capacidade muito poderosa de aprendizado.
Todo o gerenciamento emocional da primeira infância está focado em um
reconhecimento embrionário das próprias emoções e na detecção de
sentidos mais e mais profundos da convivência social. Esse gerenciamento
pode até parecer ineficiente para lidar com situações intensas, mas forma o
terreno que será capaz de enfrentar os desafios que surgirem ao longo da
vida.
À medida que cresce, a criança torna-se efetivamente capaz de olhar para os
lados, gerenciar os seus ímpetos, tornar-se sociável e conviver com o que é
diferente, até que comece a entender as regras do jogo de um mundo cada
vez mais abstrato e complexo.
Não me parece muito honesto chamar uma pessoa imatura de infantil,
pois uma criança tem uma maturidade relativa altíssima, tendo em
vista sua capacidade de aprendizado e sua incorporação de novas
habilidades. A pressa da criança é diferente da afobação do adulto, e
vamos entender isso ao longo do livro.
Da infância ao começo da vida adulta, o processo maturacional de base está
consolidado em termos de ferramentas operacionais, mas não em
capacidade de uso. Nossa imaturidade pode ficar camuflada pelo contexto
ou pelas pessoas que nos cercam, em especial aquelas que amamos. Uma
criança não tem uma capacidade cerebral plenamente desenvolvida para
agir de modo sofisticado, mas um adulto, com seu aparato mental
disponível, não poderia alegar o mesmo.
A imaturidade emocional é um tipo de descompasso psicológico que
dificulta o enfrentamento das demandas da vida adulta, quase uma recusa
em atravessar as fronteiras da infância para resolver os dilemas mais
complexos da vida adulta. É um tipo de fixação emocional que prejudica a
maneira como você enxerga o mundo, gerencia as emoções, se relaciona
com as pessoas e encaminha os impasses cotidianos.
Essa visão nublada costuma criar problemas cotidianos, como uma pessoa
que só olha para os seus interesses e reage com afobação e intensidade
diante de cada impasse ou permanece fechada e fria para se relacionar. O
resultado disso é um sentimento de insatisfação crônica e infelicidade que
muitas pessoas relatam sentir na vida.
As saídas imaturas para um problema buscam uma diminuição imediata da
pressão interna e têm pouca resiliência para enfrentar o verdadeiro núcleo
de uma questão. A pessoa que busca essa escapatória reage de forma parcial
e imediatista, tentando apagar um incêndio com gasolina.
O pior de tudo é que aqueles que poderiam nos dar bons exemplos também
carecem de recursos emocionais: temos poucas pessoas próximas como
referência do que seria alguém maduro. Na hora em que o calo aperta,
nossos ídolos também se desequilibram e paralisam numa postura rígida,
controladora, dramática ou artificialmente fria e desconectada do problema.
O resultado é catastrófico, pois seguimos passando esse bastão de
imaturidade emocional de geração em geração.
E por que resolvi usar a expressão maturidade emocional? Para definir bem
a diferença entre outros tipos de maturidade, pois alguém que tem
maturidade profissional ou intelectual pode não ter o mesmo nível de
desenvolvimento emocional. Também para não causar confusão com o
conceito de inteligência emocional, que se refere mais a habilidades de
reconhecimento e controle das emoções. A maturidade, além de
competências, abrange um conjunto de posturas pessoais que permitem
gerenciar emoções com maestria e encaminhar impasses e dilemas com
sabedoria.
Cascata de confusão emocional
Um dos maiores desafios do cotidiano é lidar com as emoções acontecendo
na prática. Um fenômeno comum a todos, com o qual você provavelmente
vai se reconhecer, é nos embolarmos numa sequência de ações impulsivas,
desgovernadas e que se sobrepõem em camadas de confusão.
Como acontecia com a Júlia, uma jovem engenheira que atendi e que se
vangloriava de ser muito racional, a não ser quando o assunto era a
fidelidade do parceiro. Uma vez invadiu a aula de ioga do namorado (que
era o professor), chamando uma das alunas para a briga. Depois que o fogo
passava, ela percebia o comportamento desproporcional, caía numa ressaca
moral e entrava num ciclo problemático de submissão, excitação sexual e
arrependimento.
O que isso quer dizer? É como se vivêssemos várias emoções sobrepostas
pela simples inabilidade de lidar com elas. Um exemplo é uma pessoa que
tem raiva e se sente culpada por sentir raiva (pois julga que deveria ser mais
pacífica), então sente vergonha por estar culpada (pois prometeu para si
mesma que não seria dominada por culpa) e triste (por fracassar mais uma
vez ao sentir vergonha e mesmo assim não mudar nada em seu
comportamento).
É como se a pessoa sentisse vários afetos que a perturbam e incomodam
simplesmente porque não consegue aceitar a si mesma lidando com
emoções difíceis. A forma como nossa cultura e sociedade lida com esse
tipo de reação interna é muito problemática.
Trabalhando como psicólogo clínico desde 2004, já vi muitos casos em que
as emoções se sobrepunham em forma de cascata emocional. Um deles foi
o de uma mulher que estava noiva e mantinha um caso com um homem
casado, ao mesmo tempo que vivia num grande pé de guerra com os pais,
pois se sentia humilhada por eles ainda a ajudarem financeiramente.
Segundo ela, o envolvimento com o homem casado era temporário e uma
forma de tentar saber se o que sentia pelo noivo era forte o suficiente para
seguir no processo de matrimônio. Seu conflito era reflexo de um
sentimento de dívida que carregava por ele ter sido um grande apoio
emocional no passado misturado com pesar por ver que não sentia
vitalidade naquela relação de anos. Com o homem casado, apesar da atração
intelectual e sexual, ela não sentia segurança pessoal em relação ao caráter
dele. Essas várias emoções sobrepostas criavam situações tensas e
aprisionantes, gerando um ciclo infinito de culpa, vergonha, medo e
impotência que a impedia de tomar uma decisão efetiva e moralmente
satisfatória.
A falta de gerenciamento emocional é sempre um convite para criar uma
camada extra numa cascata de confusão instalada.
Manobras imaturas para lidar com o
sofrimento
Toda vez que pensar nas suas emoções, considere olhar para elas como se
fossem pessoas com intenções próprias. Normalmente, elas vão tentar se
afastar do que é desagradável e se aproximar do que é gostoso e
confortável, ainda que isso seja problemático; o importante é saber que as
emoções tendem a se dirigir para esse lugar quentinho e aconchegante.
Listei alguns dos principais movimentos que usamos de maneira imatura
para lidar com o sofrimento.
AFASTAR
Nessa operação, a mente procura afastar o objeto de sofrimento para longe.
Você já deve ter afastado alguém que amava por temer sentir rejeição ou
humilhação.
APAGAR
Quando você se esquece de um evento doloroso, é como se algo na sua
mente apagasse o registro. Situações traumáticas costumam provocar essa
reação para nos poupar das emoções correspondentes.
APROXIMAR
Sabe aquele amigo de infância de quem você ficava perto de tanto medo
que ele causava? Ou o chefe tirano que você adulou para ser poupado de
humilhações? Dormir com o inimigo é uma manobra para que o medo
pareça menos paralisante.
DESCONECTAR
Quem nunca fechou os olhos num filme de terror para evitar o susto? Ou
passou um dia inteiro obcecado com um assunto para não entrar em contato
com a pessoa ao lado? Esse é um tipo de anulação dos sentimentos
presentes, a tal ponto que perdemos o contato com os afetos em jogo.
DESLOCAR
Se você já brigou com a sua mãe para não se desentender com a pessoa
amada, fez uso do deslocamento emocional. É quando o afeto é realocado
de uma pessoa para outra para evitar o contato com a dor daquela relação.
DISTORCER
Ocorre quando uma notícia ou um acontecimento é muito doloroso e você o
atenua, nega, altera, aumenta ou diminui para digerir as emoções em conta-
gotas. Algumas vezes retomamos o conteúdo original para lidar com a
verdade, e em outras passamos anos perpetuando a história distorcida.
ENCOLHER
Os tímidos usam muito essa manobra ao se curvar e se diminuir diante dos
outros. Ocorre também quando alguém se fecha para evitar intimidade.
Outro exemplo é quando alguém nos causa inveja e falamos mal dessa
pessoa: ao rebaixá-la, encolhemos a imagem de grandeza para atenuar o
sentimento de inferioridade; para não sofrer pela comparação assimétrica,
nos apegamos aos pontos em que supomos sermos melhores que o outro.
EXPANDIR
Quando você conta uma vantagem grandiosa (e mentirosa) para
impressionar alguém, está expandindo a própria imagem para se afastar de
uma percepção de mediocridade. Outra manobra é expandir a imagem de
uma pessoa (um artista ou chefe) em forma de idealizações
megalomaníacas para não lidar com o sentimento de pequenez que possa vir
ao se comparar com seu ídolo. Esse mecanismo é muito usado por pessoas
narcisistas, quando agem de forma exagerada e verborrágica, esbravejando
seu desempenho olímpico.
EXTERNAR
Quando alguém passa o tempo todo atribuindo a responsabilidade pelas
suas ações aos outros ou ao contexto, o que acontece é um tipo de
externalização do sentimento conflitante. A culpa é sempre do vizinho, do
chefe, do parceiro, dos pais, do mundo, e quase nunca há uma
responsabilização própria pela ação danosa; ela é colocada do lado de fora
para atenuar o peso moral.
FANTASIAR
Escapar da realidade e inventar um mundo próprio para si é um jeito
comum de se proteger dos dias ruins. Pessoas que sofrem de devaneio
excessivo e passam muito tempo inventando cenários mágicos normalmente
fantasiam para amortecer a dor do presente. Às vezes, a pessoa perde o
controle do que fantasiou e vive numa realidade paralela, mas em geral ela
só cria a sua versão para amenizar o constrangimento do que viveu,
seguindo em contato com o fato real.
INTERNAR
Essa manobra é feita quando trazemos o sofrimento para dentro de nós na
tentativa de abafá-lo. É como se cada afeto incômodo se acomodasse
atuando com mais força dentro do que fora. Às vezes, alguém que sofre
violência passa a agir com violência consigo mesmo, como se internalizasse
o mal que sofreu.
MACHUCAR
Quem nunca tratou mal alguém porque era difícil se sentir tão refém do
amor do outro? Para evitar a vulnerabilidade que o amor causa, a pessoa
acaba ferindo e distanciando quem ama para obter um falso controle dos
sentimentos.
REPLICAR
Algumas pessoas ficam indignadas de se verem repetindo aquilo que
sofreram nas mãos de outros, como a violência que receberam dos pais
sendo replicada com os próprios filhos. É como se agir como aqueles que as
submeteram à dor pudesse protegê-las da cicatriz passada.
PEQUENO EXERCÍCIO DE
REFLEXÃO
Convido você a fazer uma reflexão antes
de prosseguir a leitura. Este é um pequeno
exercício inicial para você se dar conta do
lugar de onde partirá rumo àquele aonde
quer chegar.
•Quanto de imaturidade você percebe no
seu comportamento?
•Que nota você daria para si mesmo?
(Zero para total imaturidade e dez para
maturidade.)
•Quais desses mecanismos citados você se
vê utilizando em seu cotidiano?
CAPÍTULO 6
Os cinco traços da imaturidade emocional
Não podes ver o que és. O que vês é a tua sombra.
Rabindranath Tagore
Agora voltamos ao ponto do início do livro. Pense de novo naquela pessoa
imatura que você conhece. É possível que você se lembre de uma sequência
de pisadas na bola que ela deu. Com frequência, ela agiu de uma forma que
fez você deixar de acreditar na humanidade, não porque foi
intencionalmente maléfica, mas porque foi desastrosamente fechada em
suas visões de mundo e só defendeu os próprios interesses.
Todas as características descritas daqui em diante precisam ser olhadas
com especial atenção: elas não são fechadas, definitivas, imutáveis ou
intrínsecas a alguém; são posições psicológicas, lugares emocionais
onde nos colocamos, dinâmicas de relacionamento que nos habituamos
a reproduzir, e por isso são passíveis de mudança, questionamento e
transformação.
Por uma questão didática, vou citar alguns casos do consultório, mas não se
iluda achando que isso só acontece em situações extremas ou que cada traço
aparece isoladamente em uma pessoa: eles se inter-calam, se sobrepõem e
se acumulam no comportamento. Cada um de nós pode agir sob essas
perspectivas a qualquer momento.
TRAÇO 1: Egocentrismo
“Eu só vejo o que interessa para mim”
Rafael é bonito, charmoso e bem-sucedido, o modelo do que uma pessoa
gostaria de ter como amigo, pelo menos superficialmente. Mas, ao nos
aproximarmos dele, notamos comportamentos bem difíceis e até
problemáticos.
Qualquer assunto mais complicado em que você tente envolvê-lo, que
abranja responsabilidade, persistência e comprometimento, causará algum
tipo de confusão. Para começar, Rafael não gosta de ser cobrado, tudo tem
que ser no seu tempo, ritmo e vontade. O problema é que nunca chega a
hora das necessidades dos outros, e todas as suas relações orbitam em torno
de seus caprichos.
Características centrais: parcialidade e egocentrismo.
Eu me lembro de uma ocasião, quando tinha cerca de 8 anos de idade; era
Natal e os meus avós maternos tinham vindo passar o feriado conosco.
Como foi um tempo curto de prosperidade financeira, meu pai abastecia a
despensa com uma das minhas sobremesas favoritas: pêssego em calda.
Na noite da ceia, eu me saciei com o pêssego, até que notei os adultos
brindando com um líquido amarelado. Perguntei o que era e me disseram
que haviam batido uma parte dos pêssegos com bebida alcoólica. Numa
fração de segundo, minha alegria foi substituída por um impulso irracional
de ódio.
Não havia uma etiqueta na lata com o nome Frederico: foi o meu delírio
infantil apropriando-se do pêssego que criou o embate. Eu constrangi a
todos, esperneei, gritei, ofendi minha avó (que tentava me acalmar) e fiz o
Natal se transformar num suplício. Até que meu pai, num ato exagerado,
encontrou um empório aberto e trouxe mais pêssego. Aquilo me acalmou?
Não exatamente, pois todos já tinham estragado o “meu” Natal, e eu resolvi
seguir mal-humorado, sem comer pêssego e fazendo caras e bocas.
Não sinto mais vergonha dessa história (mesmo sendo um surto
inesquecível de egocentrismo), mas ela retrata até onde o egocentrismo
consegue chegar. Esse é um tipo de comportamento caprichoso que
estabelece apenas os próprios interesses como prioridade (da pessoa e do
resto do mundo).
Diante do olhar egocêntrico, só existe a sua versão parcial dos fatos; os
outros se tornam subitamente invisíveis, e não é possível enxergar com
clareza.
O que falta nessa perspectiva é o equilíbrio entre a vontade individual e a
coletiva, pois há uma egolatria tipicamente infantil que não é superada com
o passar dos anos. Para amadurecer é preciso sair do centro do mundo,
lentamente adquirir um olhar mais amplo e perder a fantasia tóxica de que
os outros nos devem favores especiais.
O egocêntrico sofre de pensamento mágico, pois cria causas ilógicas para
certos acontecimentos, torcendo a realidade a seu favor, e não raramente
sofre de certa paranoia, imaginando que tudo lhe diz respeito.
Agora imagine um adulto tomando decisões baseadas apenas nas suas
estreitas impressões sobre a realidade. Quando a pessoa tem um desejo
sexual, por exemplo, pode achar que todos estão conspirando para vê-lo
atendido, supondo que os seus alvos estão “dando mole”, ou seja, faz uma
inversão lógica, delirando que as pessoas a desejam quando na verdade ela
é quem está as desejando.
O caráter interesseiro marca as dinâmicas sociais, ainda que para a própria
pessoa o mundo seja um lugar de gente egoísta que não atende os seus
apelos, como se todos quisessem tirar algo dela e oferecessem muito pouco.
Mesmo que os outros a atendam, nada basta para suprir uma insatisfação
crônica: sua boca é muito grande, sua garganta é estreita e sua barriga tem
um buraco infinito de necessidades não supridas.
A relação de uma pessoa egocêntrica com os demais é de certa dominância
e pouca gratidão; dizer “obrigado” ou “desculpa” é uma raridade. Sua
forma de amar se confunde com uma relação vertical na qual a outra parte
age como plateia para os seus grandes feitos. Mas não pense que isso é
sempre descarado, pois a queixa de ser uma pessoa incompreendida,
rejeitada ou deixada de escanteio também pode vir dessa noção egocêntrica.
Quando o egocêntrico resolve se relacionar com alguém com talentos
maiores e vontades mais afirmativas, pode haver uma batalha competitiva
por atenção e reconhecimento. Sua dificuldade reside em enxergar as
pessoas como mundos próprios, com histórias e narrativas diferentes para
os “mesmos” fenômenos.
A palavra “tédio” está sempre entre as suas preferidas, afinal essa pessoa
precisa de grandes acontecimentos que entretenham o seu apelo por
grandiosidade e espetáculo. Em decorrência disso, está sempre entretida em
jogos sociais para receber aplausos, likes, elogios e agrados que lustrem a
sua autoilusão grandiosa (e nunca admitida).
Outro passatempo mental é um tipo pernicioso de devaneio diurno feito
como um exercício para compensar uma vida comum e transformá-la em
algo incrível. Depois de uma conversa meio sem graça, a pessoa fica
imaginando cenários espetaculares e argumentos afiados. Após uma reunião
de trabalho enfadonha, fica projetando-se em empresas-modelo onde seria
finalmente reconhecida (mesmo que não saiba justificar os motivos).
Não é tão óbvio, mas esse traço torna a pessoa muito geniosa e
intransigente quando se trata de ceder espaço para outras opiniões. As
conversas tornam-se uma queda de braço para que a vontade dela prevaleça,
e até um convite vira uma ordem, o que a faz levar a fama de ser mandona.
Com o tempo, as pessoas desistem dela e percebem que não há nada que
seja recíproco ali. Infelizmente, algumas personalidades mais submissas
acabam entrando no jogo de ganha-perde, cedendo sua vida para atender
aos gostos e gozos daquela autoproclamada “divindade”.
É como jogar futebol com uma pessoa “fominha”: é cansativo passar tempo
com quem está sempre chamando o jogo para si, mas não toca a bola e
reclama quando os outros fazem dribles individuais. A felicidade alheia é
vista como rivalidade e acaba sendo sufocada para que o protagonismo gire
em um só lugar.
Mas não pense que a única manifestação de egocentrismo pertence aos
bem-sucedidos e sortudos da vida. Os menos afortunados também podem
querer roubar os holofotes para si e usar de sua história de provações para
angariar piedade. Lembro-me de ter passado os meus primeiros anos de
jovem adulto colhendo simpatia por conta de minha história crônica de
virgindade e feiura. Aquele lugar de sofrimento capitalizava solidariedade,
e eu usava aquilo, mesmo que inconscientemente, para receber atenção,
afeto e reconhecimento por toda a “luta” que travava em meio às privações
financeiras e estéticas. Não havia uma única conversa em que esse assunto
não viesse à tona para que eu vaidosamente me sentisse olhado com um
misto de misericórdia e heroísmo. No fundo, todo tipo de recompensa social
que eu recebia era uma forma de egocentrismo mascarado de humildade.
Ninguém está livre disso, nem aqueles que passam por dificuldades.
TRAÇO 2: Reatividade
“Tem que ser agora!”
Manu se descrevia como uma ansiosa crônica e cheia de medos e dizia que
muitos pensamentos catastróficos vinham à sua mente para toda decisão
que tomasse, o que transformava seus dias em uma sequência de
passividade. A dificuldade com o futuro era tão grande que ela preferia não
desejar tanto as coisas se isso custasse sua tranquilidade.
Relacionamentos amorosos estavam sempre na berlinda, pois, com a sua
afobação, ela reagia apressadamente ao comportamento dos seus parceiros,
de acordo com o medo da rejeição. Se se sentia amada, era agradável; se
interpretava uma frieza como abandono, reagia com fúria. Ela não
conseguia perceber que era muito difícil estar ao seu lado diante de
vontades que não tinham nenhuma consistência, pois eram formatadas para
tirar o risco do abandono do seu caminho.
Características centrais: imediatismo e reatividade.
Se você disser para essa pessoa que “espere um pouco, dê tempo para as
coisas se encaixarem”, será o mesmo que assinar um atestado de óbito
antecipado. A própria ideia de adiar a realização de seus desejos parece uma
eternidade, e cada vontade cotidiana vira uma pequena tortura.
Algumas pessoas parecem sofrer dessa espécie de precipitação emocional,
pois ficam tão apreensivas pelos resultados que atropelam os
acontecimentos e criam uma camada extra de confusão. A reatividade é
marcada por uma impulsividade cheia de pressa que quer se livrar do
desconforto emocional e, para isso, reage rápida e impensadamente diante
do comportamento alheio.
Existe um padrão de voracidade emocional que a própria pessoa caracteriza
como carência, quando na verdade se trata de um impulso constante de
apressar os outros a ceder às suas vontades.
Pessoas que mudam toda hora de humor levam a fama de bipolares, mas o
que acontece é um pingue-pongue de emoções que se alternam de acordo
com os fatos. Para terem o que desejam, elas pressionarão até conseguirem
o que querem, mesmo deixando um rastro de dor só por quererem chegar
rapidamente ao seu paraíso de satisfação e prazer. Quem olha de fora pode
achar que são malucas, mas por dentro verá pessoas obcecadas por bem-
estar que evitam a todo custo ficar por baixo na situação.
Dessa perspectiva, o modus operandi de cada movimento dos outros incita
uma ação impensada e carregada de ansiedade ou raiva. É um jogo de poder
no qual a pessoa reativa sente que está sempre perdendo um tempo
precioso, como se a vida tivesse uma urgência aflitiva.
Com isso, parece estar sempre apertando o botão de turbo no carro para
insuflar um tom de euforia e bem-estar mesmo em situações dolorosas. Na
sua opinião, os velórios deveriam ser rápidos “pra ninguém sofrer tanto”; as
conversas burocráticas, encurtadas; os diálogos difíceis, anulados; e
qualquer evento que exija tempo e amadurecimento, abreviado.
Na tentativa de viver sem problemas, a pessoa reativa atropela quem ama e,
apesar de todo relacionamento ser feito de duas vontades, precisa que a sua
própria seja soberana. Por isso, o clima na convivência é de certa
irritabilidade e urgência para que tudo fique bem o quanto antes, e não
existe assunto pendente para o dia seguinte, em especial se for do seu
interesse.
Inconscientemente há sempre uma expectativa de que a alegria e o prazer
(ou pelo menos a ausência de aflição) estejam em alta, por isso o tédio é o
inimigo potencial do imediatista. Ele não percebe que sua exigência de
euforia ansiosa é resultado de uma anestesia emocional: ao forçar o tempo
das relações, acaba perdendo a sensibilidade e achando tudo meio chato.
Quando você trombar com uma pessoa queixosa e que estiver reclamando
compulsivamente da vida, ela estará falando a partir desse lugar interno de
pressa aborrecida. A administração do tempo será uma correria psicológica
desenfreada, pois a pessoa vai acordar aflita com a hora de dormir e terá
problemas para dormir, angustiada com a hora de acordar.
Ela mesma se descreverá como ansiosa, mas esse termo não se refere à
psicopatologia, e sim à pressa de se livrar do peso da vida. Quando não tem,
quer; e, quando consegue, teme perder. Por isso age de forma
emocionalmente instável, pois suas emoções dançam conforme a sua
percepção de fracasso e sucesso, cada hora de um jeito.
A pessoa imediatista passa boa parte do tempo guiada pelo medo, num
impasse entre o que ainda não conseguiu (ansiedade) e a queixa a respeito
do que já não conseguiu (ressentimento).
Como tem uma reatividade interna contra a dor, frequentemente age como
se não fosse dona de seus atos, narrando a si mesma como vítima dos
acontecimentos e de uma conspiração. Sua infelicidade é culpa da oposição,
dos inimigos, de poderes demoníacos ou de pessoas que não querem o seu
bem. Essa falta de protagonismo misturada com a pressa pela solução dos
problemas deixa o imediatista muito vulnerável à ideia de sorte, destino e
forças ocultas que venham inter-ferir a seu favor.
TRAÇO 3: Descontrole emocional
“As emoções me dominam”
Não se passava um dia sem que Ana debatesse consigo mesma ou com
alguém de sua família. Sobrava até para a mesa, se trombasse com o seu pé.
Ela era possuída por um tipo de ardor tão intenso e brutal que facilmente se
via brigando com uma pessoa querida para logo em seguida cair em
arrependimento e lágrimas. Então começava um novo ciclo de
tranquilidade, acúmulo de tensão, nova explosão e sentimentos
inconsoláveis de remorso.
Por outro lado, Alex era uma pessoa muito racional, tão analítica que mal se
lembrava de quando tinha sido a última vez que se afetara por algo
importante, mesmo com a recente morte do pai. Essa aparente desconexão
dos afetos fazia com que ele “sentisse” a vida mais distante, fria e sem
sentido. Na prática, isso também ocasionou dois divórcios, filhos distantes e
problemas profissionais devido à impessoalidade na liderança e ao seu
temperamento pouco humano.
Característica central: descontrole emocional.
O que uma pessoa raivosa tem em comum com outra que é fria e
aparentemente desconectada? Ambas são dominadas por extremos
emocionais e agem de forma desadaptada e desproporcional aos
acontecimentos por estarem tomadas por esse tipo de viés psicológico.
Nossa cultura tem uma visão estereotipada de uma pessoa emocionalmente
descontrolada: logo nos vem à mente a imagem de uma fúria enlouquecida
ou de um tipo de dramaticidade exagerada. Quase nunca pensamos na
pessoa descontrolada com uma atitude fria ou até apática. Porém, a verdade
é que o descontrole emocional é uma posição psicológica que faz a pessoa
ser possuída por uma emoção específica que controla sua maneira de
interpretar o mundo e se relacionar com as pessoas, como um vício mental
dominante.
No livro A linguagem das emoções, Paul Ekman – psicólogo especialista
em estudos sobre expressões faciais e emoções – descreve esse estado em
que estamos presos a uma emoção como (grifo meu)
um “período refratário”, durante o qual só podemos lembrar informações
que se encaixam na emoção; só podemos interpretar os outros de uma
maneira que se encaixe na emoção. Frequentemente, um período refratário
é de curta duração e, quando é assim, pode ser útil, concentrando nossa
atenção. Para o humor, um período refratário pode durar um dia inteiro e,
durante todo esse tempo, estamos interpretando mal o mundo. Não temos
acesso a tudo o que sabemos, apenas ao que se adapta ao nosso humor.
O descontrole emocional não é apenas alguém falando com as paredes, mas
é a submissão psicológica a um tipo específico de emoção (ou combinações
delas) a tal ponto que a pessoa não vê mais nada que discorde desse
colorido específico. Se está com raiva, tudo é uma ameaça que deve ser
combatida, e nenhum argumento diferente disso parece ser razoável.
Existem ainda dois aspectos que precisamos considerar quando falamos de
descontrole emocional: a lente que colocamos e a profundidade que ela
adota.
LENTE
Uma pessoa descontrolada de tristeza ou de medo pode até aparentar estar
sob controle, simplesmente porque achamos que o descontrole emocional é
necessariamente aparente e escandaloso como alguém com raiva, que grita
loucamente. Todas as emoções que citei no glossário podem nos
desequilibrar de alguma forma, sendo isso visível para um observador ou
não.
Quando a tristeza domina, o desequilíbrio pode aparecer em forma de
melancolia, lamentação e apatia; quando é a alegria, pode surgir um
comportamento energizante ou inconveniente; quando o desprezo domina,
pode ocorrer uma repugnância e evitação crônica.
Se uma pessoa tem um comportamento difícil ou problemático, é possível
que tenha um desequilíbrio emocional, usando uma lente específica que
domina a sua forma de ver o mundo e a si mesma e de se relacionar com os
outros.
Uma pessoa dominada pelo medo, por exemplo, pode chegar a extremos tão
grandes que adota uma posição essencialmente racionalizadora e evitativa:
não entra na arena das emoções e dos conflitos cotidianos para não ser
tocada pela trama complicada da intimidade. Há certa obsessão
estereotipada na sua forma de viver, tudo para evitar lidar com emoções
ameaçadoras; seu foco gira em torno de controle, razão e produtividade,
com o objetivo de manter o distanciamento emocional.
A lenta desconexão com os afetos vai fazendo a pessoa perder o acesso aos
seus valores mais profundos e se prender a uma moralidade rígida, pois,
quando alguém perde a capacidade de avaliar emocionalmente um impasse
moral caso a caso, pode criar um código de conduta rígido para escapar da
ambiguidade moral cotidiana. Nessa busca perfeccionista, pode cair num
tipo de intransigência com as próprias falhas e com os erros dos outros.
A tentativa de compreender racionalmente todas as camadas da realidade é
um objetivo constante e certamente perturba suas relações, afinal demonstra
frieza pessoal quando o assunto são os sentimentos. Seu prazer no campo da
imaginação costuma superar a própria satisfação na execução; a expectativa
da festa é melhor do que a festa em si.
Sentimentos, afetos, impulsos e desejos são “coisas ameaçadoras”, por isso
a pessoa racional evita surpresas ou imprevistos para não ser flagrada em
demonstração de emotividade e vulnerabilidade. Por conta da teimosia
orgulhosamente chamada de “foco e resultado”, acaba fechando-se em seu
mundo de sistemas e fórmulas pessoais. Até as novidades perturbam o seu
desejo por uma ordem preestabelecida.
Os relacionamentos pessoais são um desafio quase impossível para a pessoa
dominada pelo medo, já que manter cada palavra, intenção e emoção sob
controle já é torturante, ainda mais quando esse desejo estende-se aos
outros. Não é incomum que ela tenha uma noção polarizada do que é
errado, correto, pecado, salvação, bem, mal, que a levará a desgastar a
interação social.
Essa supressão dos afetos parece uma vantagem estratégica, mas na prática
se torna um mecanismo de anestesia e tédio em relação ao mundo que
impede a pessoa de se alegrar genuinamente com a vida e os
acontecimentos.
A lente emocional que o descontrole adota determina um padrão de reação
que deixa a pessoa com a visão ofuscada e incapaz de agir com clareza, por
isso costumamos pedir a ela que se acalme e pense direito, mas, se ela já
tem o hábito enraizado de apelar para um tipo de emoção específica,
provavelmente será bem difícil dissuadi-la de sua teimosia.
PROFUNDIDADE
Uma emoção pode ser passageira ou duradoura, também aguda ou amena.
Em seu curso natural, ela surge, passa o recado e vai embora, mas, se ganha
reforço, eco e incentivo, pode permanecer em ondas e ciclos que se
instalam como comportamento padrão.
A emoção pode aparecer com alta carga de intensidade e ofuscar a nossa
forma de pensar ou pode ser mais constante, branda e desgastante, como
acontece com a angústia.
Uma pessoa dramática, por exemplo, costuma oscilar entre encantamento,
tristeza, raiva e afetuosidade excessiva. Esse último estado surge da
tendência a exagerar os afetos e navegar por paisagens pouco profundas da
convivência humana. Você já deve ter conhecido uma pessoa imaginativa e
impressionável (do tipo que se assusta com os próprios pensamentos), com
a autoestima oscilando ao sabor dos acontecimentos, relativamente insegura
(a ponto de não colocar limites para as outras pessoas) e variando entre uma
postura esperançosa-ingênua e amargurada-pessimista.
No cotidiano, essa pessoa parece carregar uma carência que a faz demandar
muito das pessoas, se submeter a relacionamentos ruins e flertar
constantemente com o sentimento de rejeição. É um pouco sonhadora e
idealista, e não raramente procura respostas mágicas para a vida (o que a
faz ser vulnerável para o obscurantismo ou seitas estranhas).
Às vezes essa pessoa parece ter dificuldade de se firmar profissionalmente
por se afetar muito com as pressões do ambiente corporativo. Como a sua
capacidade de atenção se guia por emoções entusiasmantes, acaba
entediando-se rápido, tendo muita iniciativa e dificuldade de concluir seus
projetos. Seu senso de utilidade é quase sempre afetado por influências
externas, pois se deixa levar pela opinião dos outros com facilidade.
Esse traço psicológico de descontrole é provavelmente o maior alvo de
rejeição quando pensamos numa pessoa imatura; o descontrolado é alguém
que ninguém leva muito a sério, por parecer instável e pouco confiável.
TRAÇO 4: Jogos de poder e controle
“Faço jogos para controlar os outros”
O maior medo de Talita era ficar sozinha, e sua forma de se relacionar era
quase predatória. Por conta da boa aparência, sabia encantar os
pretendentes, mas tinha dificuldade de sustentar a relação. Seus
movimentos eram calculados para se antecipar nas interações, fosse para
evitar ficar por baixo, fosse para obter algo que a outra pessoa não queria
fazer.
Por dentro estava sempre se remoendo e brigando contra o desejo de dizer
“eu te amo” no primeiro encontro (sempre achava que o novo pretendente
era o amor da sua vida). Cada encontro e microrrelacionamento abria e
fechava um ciclo de emoções dramáticas e apocalípticas que virava tema de
queixas constantes.
Existem pessoas que não se dão conta de sua grande capacidade para
movimentar as emoções das outras. Falam, agem e se expressam arrastando
todos à sua volta na direção que premeditaram. São especialistas em jogos
de controle e provocam nos outros reações que reforçam seu lugar de poder.
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

PNL - Crenças
PNL - CrençasPNL - Crenças
PNL - Crenças
 
Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenir
 
Valorização da vida - Wilma Badan CG
Valorização da vida - Wilma Badan CGValorização da vida - Wilma Badan CG
Valorização da vida - Wilma Badan CG
 
Ciência do perdão
Ciência do perdãoCiência do perdão
Ciência do perdão
 
Autoconhecimento
AutoconhecimentoAutoconhecimento
Autoconhecimento
 
Lei da atração
Lei da atraçãoLei da atração
Lei da atração
 
A autoestima
A autoestimaA autoestima
A autoestima
 
QUAL SEU PROPOSITO DE VIDA?
QUAL SEU PROPOSITO DE VIDA?QUAL SEU PROPOSITO DE VIDA?
QUAL SEU PROPOSITO DE VIDA?
 
A Construção da Paz Interior
A Construção da Paz InteriorA Construção da Paz Interior
A Construção da Paz Interior
 
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
 
Cure seu Corpo - Louise Hay
Cure seu Corpo - Louise Hay Cure seu Corpo - Louise Hay
Cure seu Corpo - Louise Hay
 
Liberdade é viver sem drogas.
Liberdade é viver sem drogas.Liberdade é viver sem drogas.
Liberdade é viver sem drogas.
 
Doenças da alma
Doenças da almaDoenças da alma
Doenças da alma
 
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
 
Honestidade
HonestidadeHonestidade
Honestidade
 
Auto Conhecer-se !
Auto Conhecer-se !Auto Conhecer-se !
Auto Conhecer-se !
 
Auto Estima
Auto EstimaAuto Estima
Auto Estima
 
O amor
O amorO amor
O amor
 
a perspectiva bíblica sobre a auto-estima
a perspectiva bíblica sobre a auto-estimaa perspectiva bíblica sobre a auto-estima
a perspectiva bíblica sobre a auto-estima
 
Palestra motivacional apresentada para mais de 600 Mães em Camboriú/SC
Palestra motivacional apresentada para mais de 600 Mães em Camboriú/SCPalestra motivacional apresentada para mais de 600 Mães em Camboriú/SC
Palestra motivacional apresentada para mais de 600 Mães em Camboriú/SC
 

Semelhante a Maturidade Emocional.pdf

Descola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violentaDescola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violentaJussara Ribeiro
 
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdfComo se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdfSandraLima324724
 
Encontrando o Amor da Sua Vida - Leonardo Tavares - Demonstração
Encontrando o Amor da Sua Vida - Leonardo Tavares - DemonstraçãoEncontrando o Amor da Sua Vida - Leonardo Tavares - Demonstração
Encontrando o Amor da Sua Vida - Leonardo Tavares - DemonstraçãoLeonardo Tavares
 
10 motivos para amar de novo
10 motivos para amar de novo10 motivos para amar de novo
10 motivos para amar de novoEdilaine
 
Curso de Numerologia
Curso de NumerologiaCurso de Numerologia
Curso de Numerologiahelenice65a
 
Cursodenumerologiagravadoempowerpoint 140608225520-phpapp02
Cursodenumerologiagravadoempowerpoint 140608225520-phpapp02Cursodenumerologiagravadoempowerpoint 140608225520-phpapp02
Cursodenumerologiagravadoempowerpoint 140608225520-phpapp02Nicky Nic
 
Maturidadeemocional
MaturidadeemocionalMaturidadeemocional
MaturidadeemocionalManoel Gamas
 
Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...
Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...
Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...Mayara Vellardi
 
Relações abusivas - Manual de sobrevivência - auto.ppsx
Relações abusivas - Manual de sobrevivência - auto.ppsxRelações abusivas - Manual de sobrevivência - auto.ppsx
Relações abusivas - Manual de sobrevivência - auto.ppsxGilson Tavares
 
2013-02-24-Palestra-O Ser e seus papeis na vida -Rosana De Rosa
2013-02-24-Palestra-O Ser e seus papeis na vida -Rosana De Rosa2013-02-24-Palestra-O Ser e seus papeis na vida -Rosana De Rosa
2013-02-24-Palestra-O Ser e seus papeis na vida -Rosana De RosaRosana De Rosa
 
Profissão: como decidir a minha?
Profissão: como decidir a minha?Profissão: como decidir a minha?
Profissão: como decidir a minha?Renata Lapetina
 
Dinámica apresentação
Dinámica apresentaçãoDinámica apresentação
Dinámica apresentaçãodianacondeco38
 
Apresentação livro das famílias
Apresentação livro das famíliasApresentação livro das famílias
Apresentação livro das famíliasCleverton Epormucena
 

Semelhante a Maturidade Emocional.pdf (20)

Descola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violentaDescola ebook comunicacao-nao-violenta
Descola ebook comunicacao-nao-violenta
 
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdfComo se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdf
 
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
Como se libertar das relacoes t   lucy beresfordComo se libertar das relacoes t   lucy beresford
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
 
# Amália silveira - o egoísmo - [ espiritismo]
#   Amália silveira - o egoísmo - [ espiritismo]#   Amália silveira - o egoísmo - [ espiritismo]
# Amália silveira - o egoísmo - [ espiritismo]
 
Encontrando o Amor da Sua Vida - Leonardo Tavares - Demonstração
Encontrando o Amor da Sua Vida - Leonardo Tavares - DemonstraçãoEncontrando o Amor da Sua Vida - Leonardo Tavares - Demonstração
Encontrando o Amor da Sua Vida - Leonardo Tavares - Demonstração
 
10 motivos para amar de novo
10 motivos para amar de novo10 motivos para amar de novo
10 motivos para amar de novo
 
Curso de Numerologia
Curso de NumerologiaCurso de Numerologia
Curso de Numerologia
 
Cursodenumerologiagravadoempowerpoint 140608225520-phpapp02
Cursodenumerologiagravadoempowerpoint 140608225520-phpapp02Cursodenumerologiagravadoempowerpoint 140608225520-phpapp02
Cursodenumerologiagravadoempowerpoint 140608225520-phpapp02
 
Maturidadeemocional
MaturidadeemocionalMaturidadeemocional
Maturidadeemocional
 
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdfRELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
RELAÇÕES INTERPESSOAIS.pdf
 
Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...
Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...
Material de apoio do livro paradidático "E se eu não existisse?" (reponsáveis...
 
Sexualidade Relacao
Sexualidade RelacaoSexualidade Relacao
Sexualidade Relacao
 
Duvidasangustias
DuvidasangustiasDuvidasangustias
Duvidasangustias
 
Documento de ma (4)
Documento de ma (4)Documento de ma (4)
Documento de ma (4)
 
Relações abusivas - Manual de sobrevivência - auto.ppsx
Relações abusivas - Manual de sobrevivência - auto.ppsxRelações abusivas - Manual de sobrevivência - auto.ppsx
Relações abusivas - Manual de sobrevivência - auto.ppsx
 
2013-02-24-Palestra-O Ser e seus papeis na vida -Rosana De Rosa
2013-02-24-Palestra-O Ser e seus papeis na vida -Rosana De Rosa2013-02-24-Palestra-O Ser e seus papeis na vida -Rosana De Rosa
2013-02-24-Palestra-O Ser e seus papeis na vida -Rosana De Rosa
 
Profissão: como decidir a minha?
Profissão: como decidir a minha?Profissão: como decidir a minha?
Profissão: como decidir a minha?
 
Dinámica apresentação
Dinámica apresentaçãoDinámica apresentação
Dinámica apresentação
 
Vanessa
VanessaVanessa
Vanessa
 
Apresentação livro das famílias
Apresentação livro das famíliasApresentação livro das famílias
Apresentação livro das famílias
 

Mais de SandraLima324724

Livro de Ouro dos Gatilhos Mentais.pdf
Livro de Ouro dos Gatilhos Mentais.pdfLivro de Ouro dos Gatilhos Mentais.pdf
Livro de Ouro dos Gatilhos Mentais.pdfSandraLima324724
 
Como se Defender dos Manipuladores.pdf
Como se Defender dos Manipuladores.pdfComo se Defender dos Manipuladores.pdf
Como se Defender dos Manipuladores.pdfSandraLima324724
 
Como se defender de ataques verbais.pdf
Como se defender de ataques verbais.pdfComo se defender de ataques verbais.pdf
Como se defender de ataques verbais.pdfSandraLima324724
 
Ansiedade, Desconstruindo a.pdf
Ansiedade, Desconstruindo a.pdfAnsiedade, Desconstruindo a.pdf
Ansiedade, Desconstruindo a.pdfSandraLima324724
 
A arte de se fazer respeitar.pdf
A arte de se fazer respeitar.pdfA arte de se fazer respeitar.pdf
A arte de se fazer respeitar.pdfSandraLima324724
 

Mais de SandraLima324724 (8)

Sua Melhor Versao.pdf
Sua Melhor Versao.pdfSua Melhor Versao.pdf
Sua Melhor Versao.pdf
 
Maturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdfMaturidade Emocional.pdf
Maturidade Emocional.pdf
 
Livro de Ouro dos Gatilhos Mentais.pdf
Livro de Ouro dos Gatilhos Mentais.pdfLivro de Ouro dos Gatilhos Mentais.pdf
Livro de Ouro dos Gatilhos Mentais.pdf
 
Inteligencia visual.pdf
Inteligencia visual.pdfInteligencia visual.pdf
Inteligencia visual.pdf
 
Como se Defender dos Manipuladores.pdf
Como se Defender dos Manipuladores.pdfComo se Defender dos Manipuladores.pdf
Como se Defender dos Manipuladores.pdf
 
Como se defender de ataques verbais.pdf
Como se defender de ataques verbais.pdfComo se defender de ataques verbais.pdf
Como se defender de ataques verbais.pdf
 
Ansiedade, Desconstruindo a.pdf
Ansiedade, Desconstruindo a.pdfAnsiedade, Desconstruindo a.pdf
Ansiedade, Desconstruindo a.pdf
 
A arte de se fazer respeitar.pdf
A arte de se fazer respeitar.pdfA arte de se fazer respeitar.pdf
A arte de se fazer respeitar.pdf
 

Maturidade Emocional.pdf

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4. DADOS DE COPYRIGHT SOBRE A OBRA PRESENTE: A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos parceiros, com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos acadêmicos, bem como o simples teste da qualidade da obra, com o fim exclusivo de compra futura. É expressamente proibida e totalmente repudiável a venda, aluguel, ou quaisquer uso comercial do presente conteúdo SOBRE A EQUIPE LE LIVROS: O Le Livros e seus parceiros disponibilizam conteúdo de dominio publico e propriedade intelectual de forma totalmente gratuita, por acreditar que o conhecimento e a educação devem ser acessíveis e livres a toda e qualquer pessoa. Você pode encontrar mais obras em nosso site: LeLivros.love ou em qualquer um dos sites parceiros apresentados neste LINK. "Quando o mundo estiver unido na busca do
  • 5. conhecimento, e não mais lutando por dinheiro e poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a um novo nível."
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Copyright © Frederico Mattos, 2021 Copyright © Editora Planeta do Brasil, 2021 Todos os direitos reservados. Preparação: Marina Castro Revisão: Andréa Bruno e Elisa Martins Diagramação: Vivian Oliveira Capa: Helena Hennemann / Foresti Design Adaptação para eBook: Hondana Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Angélica Ilacqua CRB-8/7057 Mattos, Frederico Maturidade emocional [livro eletrônico] / Frederico Mattos ; tradução de Claudio Carina. -- São Paulo : Planeta, 2021. 176 p. ISBN 978-65-5535-299-3 (e-book)
  • 10. 1. Emoções 2. Maturidade emocional 3. Maturação (Psicologia) I. Título 21-0051 CDD 155.7
  • 11. Índice para catálogo sistemático: 1. Maturidade emocional 2021 Todos os direitos desta edição reservados à Editora Planeta do Brasil Ltda. Rua Bela Cintra 986, 4o andar – Consolação São Paulo – SP CEP 01415-002 www.planetadelivros.com.br faleconosco@editoraplaneta.com.br
  • 12. Aos que ousam mergulhar nos mares obscuros de si mesmos e retornam transbordando sabedoria e compaixão.
  • 13. Sumário INTRODUÇÃO PARTE I. UM MAPA DAS EMOÇÕES CAPÍTULO 1. O QUE SÃO AS EMOÇÕES? COMO LIDAR COM ELAS? CAPÍTULO 2. COMO SURGE UMA EMOÇÃO E O PAPEL DOS PAIS NAS SUAS ORIGENS CAPÍTULO 3. POR QUE IGNORAR AS EMOÇÕES PODE SER UM MAU NEGÓCIO? CAPÍTULO 4. GLOSSÁRIO DAS EMOÇÕES PROBLEMÁTICAS (E COMO ENFRENTÁ-LAS) PARTE II. EFEITOS COLATERAIS DA IMATURIDADE CAPÍTULO 5. O QUE É IMATURIDADE EMOCIONAL?
  • 14. CAPÍTULO 6. OS CINCO TRAÇOS DA IMATURIDADE EMOCIONAL CAPÍTULO 7. IMATURIDADE NA FAMÍLIA CAPÍTULO 8. IMATURIDADE NOS RELACIONAMENTOS AMOROSOS CAPÍTULO 9. IMATURIDADE NO TRABALHO CAPÍTULO 10. OS IMATUROS PODEM FAZER O MAL? PARTE III. CAMINHO DE AMADURECIMENTO CAPÍTULO 11. OS CINCO PILARES DA MATURIDADE EMOCIONAL E 60 EXERCÍCIOS PRÁTICOS CAPÍTULO 12. MATURIDADE NA VIDA COTIDIANA CAPÍTULO 13. MATURIDADE AO LONGO DA VIDA
  • 15. CONCLUSÃO LIVROS E VÍDEOS DE INTERESSE CORRELATOS AGRADECIMENTOS
  • 16. Introdução Quero convidar você para uma travessia de amadurecimento emocional que impactará todas as suas decisões daqui para a frente. Imagine a sua casa dos sonhos, ande pelos cômodos dela, repare na decoração, observe as fotos em porta-retratos e você verá toda a sua personalidade estampada lá. Esse foi um trabalho de anos, de muito esforço, tudo para transformar paredes brancas e impessoais em seu aconchegante lar… A maturidade emocional cria em você esse tipo de arquitetura única e inconfundível de uma vida mais plena de equilíbrio e conexão pessoal. Raramente, porém, ela é decifrável num piscar de olhos, pois existem camadas de beleza que florescem apenas quando observamos sem afobação, como um prato sofisticado que degustamos de olhos fechados e que só libera sua grandeza aos poucos. Neste livro, você não verá uma fórmula universal ou quadradinha, mas possibilidades para navegar do seu próprio jeito. A ideia é que você domine a arte de lidar com suas emoções e crie sua própria mobília interior. Se, por um lado, a maturidade é muito singular e, às vezes, enigmática, a imaturidade é bastante parecida em qualquer canto que olhamos, de tão caricata e previsível. Faça a seguinte experiência: pense em alguém que você conhece que seja emocionalmente imaturo. Que imagens vêm à sua cabeça? Quais sentimentos essa pessoa desperta no seu coração? Como você se relaciona com ela? O que espera dos seus comportamentos? Quanto confia nela? De que jeito a detesta? Você perceberá que outras pessoas imaturas seguem padrões bem semelhantes.
  • 17. Todos nós temos um critério intuitivo para identificar essa figura, mas não sabemos nomear com clareza. Teria a ver com a idade, pagar as contas ou ter responsabilidades? Não, afinal, já vimos sujeitos imaturos com cabelos brancos, pagadores de boletos (até ricos de doer) e em cargos de chefia (quem nunca teve um chefe alucinado?). Essa pessoa pode estar camuflada em qualquer situação, vestida de terno e gravata ou de sandálias, pregando paz e amor, com discurso extremista ou com filosofia humanitária. O entendimento da maturidade emocional facilita tanto o autoconhecimento quanto a compreensão dos outros e ajuda a decifrar o que está nos bastidores de um comportamento que você acha problemático e que até julgaria impiedosamente. Não seria incrível poder avaliar de forma menos dura o que se passa dentro de nós e das pessoas com quem convivemos? A maneira mais fácil de identificar nossa imaturidade é enfrentando um problema. A crise testa a nossa maturidade, força os nossos limites, desgasta as nossas máscaras e revela como agimos de verdade. Quais parâmetros usamos para solucionar um problema? O que fizemos quando as informações da situação eram incompletas? Qual foi o nosso comportamento diante de um impasse? E nossa maneira de agir com as outras pessoas? Como lidamos com as consequências de nossos erros? Como gerenciamos as emoções? Os pais de uma criança a deixariam aos nossos cuidados ou teriam medo de que a machucássemos por distração ou até maldade? A imaturidade, em alguma medida, é uma forma muito restrita de nos relacionarmos, em que negligenciamos e até prejudicamos os outros para garantir o nosso bem-estar. Essa visão fechada nos impede de equilibrar necessidades individuais com as de grupo, e até mesmo uma pessoa divertida e querida, se for emocionalmente imatura, não seria muito indicada para lidar com questões que demandem maior sofisticação emocional. Este livro vai ajudá-lo tanto com questões urgentes quanto com situações crônicas. Tomei o cuidado de falar sobre maturidade como um guia pessoal aplicável a qualquer tipo de personalidade em vários contextos de vida (sem virar um manual boboca de como agir corretamente). Quero fazer com você
  • 18. uma travessia pelos caminhos de suas emoções, desde a maneira como você lida com sentimentos difíceis até a possibilidade de construção da maturidade emocional. Na parte I deste livro, quero levar você a conhecer um pouco mais do seu mundo emocional. Vou descrever o que são e como se originam as emoções, como operam internamente e como agir quando elas se tornam mais desafiadoras. Na parte II, vou me deter propriamente nos cinco traços de imaturidade e seus desdobramentos na família, nos relacionamentos amorosos e no trabalho, além de refletir sobre as decorrências éticas da imaturidade. Na parte III, finalmente, quero esclarecer quais são os pilares da maturidade emocional (que são os contrapontos dos traços de imaturidade), como ela se aplica na prática cotidiana e como se desenvolve ao longo da vida. Propus cerca de 60 exercícios de graus variados de dificuldade ao longo do livro para que ninguém se sinta subestimado ou submetido a uma prova de fogo. Como a maturidade é uma dimensão dinâmica da vida, não é justo imaginar que todas as pessoas estejam no mesmo passo. Você verá que isso está longe de parecer um treinamento de “como se tornar sério e abrir mão dos prazeres da vida”, pois amadurecer não tem a ver com abdicar de alegria e bons momentos. Não prometo que você será uma pessoa madura ao terminar de ler este livro; os livros de autoajuda mentem descaradamente quando garantem esse tipo de resultado. Tampouco quero que você sinta culpa por pensar que falhou nas sugestões contidas aqui, afinal seria muito fácil dizer que o livro é ótimo e que você foi incompetente ao aplicá-lo. É questão de tempo, tentativa e erro e paciência – a persistência traz resultados que se somam no longo prazo. Confesso que falar de imaturidade foi um dos maiores desafios que tive, pois é uma palavra batida, de uso corrente e alta carga pejorativa, e por isso é muito difícil explicar algo que já está na mente das pessoas sem derrapar em estereótipos. Cada linha deste livro se baseia em muita leitura disseminada sobre assuntos correlatos, em anos de prática clínica e trabalho
  • 19. com a minha própria imaturidade ao longo de bastante terapia pessoal. Não queria decepcionar nenhum leitor por conta dos meus enganos pessoais ou fazer parecer que falo do alto de uma montanha de maturidade, desconectado dos mesmos problemas que você enfrenta. Há outro desafio na leitura deste livro: como a ideia de maturidade parece estar associada a algo meio chato, difícil e inacessível, as pessoas mais emotivas, alegres e expansivas podem se sentir fora desse barco. Maturidade emocional tem menos a ver com um traço específico e mais com uma forma de lidar com a vida que pode vir embalada em senso de humor, vivacidade e divertimento. E isso pode ser feito por pessoas com qualquer tipo de personalidade, sejam elas introvertidas ou extrovertidas, práticas ou intuitivas, racionais ou emotivas, e em qualquer fase da vida. Uma dica para quem tem preguiça de ler: você pode ler o capítulo que quiser na ordem que for do seu interesse, mas em certo ponto precisará voltar às explicações mais técnicas sobre os traços de imaturidade para entender o que está sendo dito, então não pule de jeito nenhum os capítulos 1, 6 e 11 e detenha-se neles com mais calma. Se quiser se aprofundar em algum tema, teremos capítulos complementares na sequência desses. Se estiver passando por problemas agudos para identificar suas emoções, fiz um pequeno glossário de emoções no capítulo 4. Desejo do fundo do meu coração que os seus dias sejam menos problemáticos e que você tenha em mãos palavras que inspirem uma vida mais madura e emocionalmente plena.
  • 20. PARTE I UM MAPA DAS EMOÇÕES
  • 21. CAPÍTULO 1 O que são as emoções? Como lidar com elas? Dentro de nós há uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos. José Saramago Emoções são reações neuropsicológicas passageiras a um acontecimento que nos comunicam algo importante para nos incitar à ação. São como nuvens temporárias que sugerem possibilidades, retratam paisagens psicológicas e podem ganhar vida própria dependendo de como respondemos ao seu chamado. A tristeza, a raiva, o medo e a alegria são exemplos de emoções básicas e universais que duram alguns minutos e ajudam a nos orientar internamente nas nossas relações interpessoais. Agem como bússolas que nos guiam para mais perto dos nossos valores pessoais e das experiências que tivemos ao longo da vida. Como seres humanos, passamos por milhares de anos de adaptação que nos prepararam para novas condições físicas e sociais e, da mesma forma que inventamos tecnologias avançadas como o fogo e a internet, também
  • 22. desenvolvemos uma mente sofisticada capaz de lidar com cenários muito complexos e sutis. E foi graças às nossas emoções que sobrevivemos a essa jornada aprimorada de adaptabilidade. Isso não quer dizer que devemos ser arrastados por nossas emoções – algumas são frutos de um condicionamento tóxico ao longo de nossas vidas –, mas que elas são um alerta importante que precisa ser ouvido com atenção. Se pudéssemos traduzir a emoção num modelo simplificado, seria este: Emoção é o resultado do encontro entre um acontecimento e o nosso sistema físico e psicológico (composto pela bagagem pessoal e pelo significado que damos ao evento) naquele momento presente. Imagine que você está distraído (momento presente), andando na rua enquanto olha o celular, quando subitamente tromba com uma pessoa (acontecimento externo) e, por hábito, ameaça esbravejar (bagagem pessoal), pois deduz que a pessoa é folgada (significado/narrativa) e sente raiva (emoção). No entanto, se dá conta de que ela é deficiente visual (mudança de paisagem mental e novo acontecimento interno) e, por respeito a essa condição (bagagem pessoal de educação), pede desculpas e, por achar a sua reação precipitada (narrativa), se envergonha (emoção). Uma emoção não surge sem a conexão entre o acontecimento externo ou interno (uma lembrança ou outro sentimento) e a interpretação que se dá (tomando por base os próprios hábitos e visões de mundo) ao que aconteceu. A bagagem pessoal é determinante para desenhar um condicionamento emocional problemático ou libertador. Se uma pessoa sempre se irrita, se
  • 23. lamenta ou se envergonha com as situações cotidianas, isso se deve a um ciclo de anos de repetições das mesmas reações e interpretações dos fatos. Portanto, as emoções nunca são óbvias ou universais, pois, se cada pessoa viveu uma história pessoal, é provável que cada uma interprete os acontecimentos de um modo diferente. Há pessoas que adoram festas surpresa (por acharem que são prestigiadas e importantes) e outras que se sentem mal (por sentirem que são humilhadas e feitas de boba). Se as reações fossem iguais, ninguém discutiria diante dos mesmos fatos, afinal tudo seria unânime, mas, como tivemos bases diferentes, interpretamos os acontecimentos de formas muito personalizadas. Mesmo um acontecimento aparentemente banal pode evocar emoções tão únicas que jamais seríamos capazes de deduzir por que alguém mudou repentinamente de humor por estar com fome ou por ter ouvido o barulho de um rojão. Por isso, nossos julgamentos que dizem “não foi nada” ou “para de frescura” costumam ser ofensivos, pois aquilo que provoca alegria em nós pode despertar as piores emoções no outro. Um acontecimento pode ser externo ou interno, pois, mesmo quando não está acontecendo “nada” significativo do lado de fora, a nossa mente está sempre produzindo conteúdos. Uma emoção difícil pode vir do barulho de um pneu freando, mas também de uma memória. A nossa narrativa também responde ao que sentimos, pois, se uma pessoa é mais durona e acha que certa situação é uma besteira (significado), poderá se irritar, mas, se acha que é uma situação delicada, vai sentir mais compaixão. Conhecer a sua bagagem pessoal é muito importante para decifrar suas próprias emoções, além de perceber qual é o seu jeito padrão de contar para si mesmo o que está acontecendo. Uma pessoa raivosa provavelmente sempre interpreta os fatos de uma determinada maneira que cria um gatilho de indignação, e a raiva vem como forma de lidar com os incômodos no meio do caminho. Então, se você mudar a maneira como interpreta os fatos, vai transformar não só as suas reações como também as emoções subjacentes às ações. Se
  • 24. acha que a vida é uma guerra, vai sentir raiva; se sentir que a vida é um momento precioso, vai sentir tristeza ou alegria, dependendo do que acontecer. No fundo, você decide como vai se emocionar antes de se emocionar, por tudo aquilo que lhe ensinaram e pelas convicções que formou sobre a vida. As emoções têm cinco grandes objetivos evolutivos, e precisamos entender o que isso significa para aproveitar melhor este livro: 1. Adaptação biopsicológica diante de novos dados, incitando à ação, se necessário Esse propósito responde por nossa capacidade de resolver problemas, prever comportamentos e agir adequadamente. Seria bem problemático ser incapaz de ver uma fisionomia e entender se aquela pessoa representa perigo ou solidariedade. 2. Contextualização ambiental, criação de narrativas conforme a nossa bagagem pessoal Os principais sinais comportamentais são aqueles não verbalizados, e as emoções são capazes de reconhecer o que escapa à percepção consciente. Essa leitura social mais sutil é o que nos permite ver duas pessoas falando, entender que elas estão conversando de forma mais ou menos harmoniosa e até dar sentido para o que ouvimos. É como transformar palavras e movimentos físicos que pareceriam desconectados em uma narrativa pessoal (estão brigando, por exemplo) que nos dê meios de agir. 3. Base para compor aspectos de nossa identidade numa personalidade plural
  • 25. Cada vivência que tivemos imprimirá um colorido especial em dado momento, e isso vai compor a arquitetura de nossa personalidade. Cada aglomerado de emoções compõe um traço que formará uma faceta de nossa identidade nessa grande construção psicológica que chamamos de “meu jeito de ser”. 4. Construção de vínculos comunitários O que nos atrai nas pessoas só pode ser mobilizado pelas emoções, o que garante não só a sobrevivência da espécie pela procriação, mas também o cuidado profundo dos laços comunitários que nos legitimam como seres sociais. 5. Engajamento cognitivo para absorver novas informações e habilidades As emoções criam uma cola que gruda a nossa atenção e fixa as memórias para a construção de hábitos e a absorção de novos conhecimentos. Você provavelmente já memorizou uma matéria na escola cantando uma musiquinha irritante (olha aí a emoção), mas que ajudava na hora da prova. As emoções querem passar uma mensagem sobre algo muito importante que está acontecendo. Ouça com atenção! Sentimentos são estruturas psicológicas mais complexas, que dependem de um cérebro humano plenamente desenvolvido, com suas operações básicas, como memória, vontade, afetividade e raciocínio lógico,
  • 26. funcionando a todo vapor, ou seja, dependem de uma cognição mais sofisticada para operar efetivamente. Uma criança tem protótipos sentimentais que, com o tempo, se tornarão mais robustos e complexos. Se o seu filho pequeno diz que odeia você, ele não quer dizer que odeia de fato, mas apenas que está com raiva pelo que você fez naquele episódio. Ele provavelmente só vai odiá-lo mesmo (na concepção correta de ódio) quando estiver na adolescência, com as funções cognitivas mais plenamente desenvolvidas. Se os sentimentos são mais complexos que as emoções, uma pessoa pode ter o sentimento de amor e ao mesmo tempo sentir a emoção da raiva por estar momentaneamente frustrada ou se sentindo rejeitada. O sentimento é o guarda-chuva mais abrangente, em que cabem emoções variadas e até contraditórias, como acontece com a angústia – em que existe culpa, medo, tristeza, abandono, dúvida. Uma emoção momentânea não pode ser confundida com um sentimento, que é mais multifatorial e duradouro. Camadas emocionais a) Emoções primárias, secundárias e terciárias As emoções primárias são aquelas mais próximas da fonte que as provocou. Um susto provoca surpresa, um ataque provoca medo, uma humilhação pode provocar raiva ou tristeza, e uma boa notícia provoca alegria. As emoções secundárias são aquelas que surgem como efeito de uma emoção primária, por exemplo, a raiva de si mesmo por ter sentido medo ou a tristeza decorrente de sentir inveja de uma pessoa querida. Isso quer dizer que uma mesma emoção pode manifestar-se como decorrência de uma ação imediata ou como reflexo de outra emoção.
  • 27. As emoções terciárias são aquelas que absorvemos de outras pessoas, como no caso de uma criança que sente a tristeza que seria da mãe, como uma porta-voz da emoção alheia. Pessoas muito sensíveis acabam tornando-se esponjas emocionais, pois estão sempre ligadas nas necessidades dos outros, mesmo que de maneira exagerada. b) Conscientes versus subterrâneas Nem todas as emoções estão plenamente disponíveis para a nossa consciência, em especial aquelas que vemos como vergonhosas, indesejáveis ou perturbadoras. Sentimentos como raiva, medo e inveja não são em si negativos, pois nos dão uma pista da direção para a qual nossos valores estão apontando e do que tentamos nos defender. Mas muitas pessoas mal reconhecem essas emoções e criam uma manobra de repressão automática, negam para si mesmas e fingem que elas não estão lá, mesmo que estejam. Com o tempo, essas emoções vão tornando-se cada vez mais inacessíveis e subterrâneas, e isso não quer dizer que elas não existam ou não nos afetem, mas que não estão disponíveis (com um olhar superficial) para serem olhadas, confrontadas, analisadas, diluídas ou solucionadas. Você pode estar sendo grosseiro e ríspido com os outros sem saber que está alterando seu tom de voz. O fato de você não ter percepção emocional de algumas coisas não quer dizer que elas não existam. Algumas pessoas que se dizem frias e racionais só estão inconscientes de si mesmas. c) Complexidades emocionais ambivalentes e contraditórias Como somos seres complexos, podemos sentir emoções muito ambivalentes e, por vezes, contraditórias, como o que sempre acontece em relação à mãe. Devido ao grau de importância que damos a essa figura quase mítica, nós a
  • 28. amamos ao mesmo tempo que sentimos raiva, medo ou culpa em relação a ela; enfim, sensações contraditórias. Quando alguém diz que gosta ou não de algo de modo definitivo, você pode desconfiar que essa é uma porção muito pequena do que a pessoa está sentindo. Na prática, as suas emoções não são tão lineares e previsíveis como gostaria. Você tem muitas facetas ou subpersonalidades que atuam conjuntamente, e cada pessoa demanda um aspecto de você. A tristeza que você sente em relação a um amigo é diferente da que sente pela sua mãe, apesar de parecer a mesma emoção, porque a textura das relações é distinta. Então você pode sentir várias coisas aparentemente contraditórias com relação a alguém por conta dessa complexidade emocional. EXERCÍCIO DE COMPREENSÃO EMOCIONAL Tente preencher o trecho a seguir com algum evento emocional que você teve recentemente, de acordo com a definição que apresentei no começo do capítulo. Emoção (_________________) é o resultado do encontro entre um
  • 29. acontecimento (externo ou interno__________________) e o nosso sistema físico (necessidades básicas__________________) e psicológico [composto pela bagagem pessoal (________________________) e pelo significado (que narrativas você construiu__________________) que damos ao evento] naquele momento presente (como você estava____________________).
  • 30. CAPÍTULO 2 Como surge uma emoção e o papel dos pais nas suas origens Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário. Manoel de Barros Afinal, o que causa as nossas emoções: o lado biológico ou o social? Essa pergunta nos induz a um erro muito comum nos debates acadêmicos, pois nenhum fenômeno humano é só biológico ou só social: há uma base biológica sem a qual não seria possível ter os mesmos mecanismos e engrenagens compartilhados com as outras pessoas, e uma social, pois necessita-se de uma teia comum que dê contexto para as dinâmicas emocionais. Então, para acabar com essa falsa dicotomia entre biologia e sociedade, precisamos entender o aspecto psicológico como o elemento de conexão que dará um significado único para cada acontecimento a partir do seu repertório particular. Imagine que existem duas pessoas num carro que se acidenta: cada uma delas reagirá de modo único, apesar de o evento ser o mesmo. A emoção, portanto, é um fenômeno multifatorial que pede uma conversa entre biólogos, sociólogos e psicólogos.
  • 31. A origem das emoções Se eu disser que você aprendeu a amar em algum momento da sua vida, talvez isso cause um choque, afinal o amor parece instintivo – bastaria olhar os bebês e suas mães. Mas isso não é verdade; sentimentos complexos como o amor dependem de muitos ingredientes e narrativas. Os pais são os grandes modeladores na hora de fermentar esse pão. Emoções básicas como tristeza, medo, raiva, alegria, desprezo e nojo são evolucionariamente instaladas no nosso cérebro como mecanismos essenciais de sobrevivência. Quer você aceite, quer não, existe uma programação que o predispõe a sentir essas emoções no corpo. Mas os motivos pelos quais essas emoções serão associadas em sua mente a certos eventos dependerão da aprendizagem social, ou seja, da convivência com as figuras de seus cuidadores, pais, avós, professores e toda a rede de apoio. Então, desde pequenos, somos capazes de experimentar tristeza, medo, raiva e alegria, mas, ao longo da vida, os sentidos se modificam e as razões mudam. Hoje você não se importaria em perder a mamadeira, mas ficaria aborrecido sem um cigarro (se for fumante) ou um abraço. A operação emocional é a mesma, mas os motivos vão transformando-se com o tempo. A bagagem pessoal é resultado de um tipo de seleção emocional que, ao longo dos anos, se fechou em pequenos atalhos psicológicos que podemos chamar de identidades ou subpersonalidades. Algumas pessoas têm um portfólio emocional mais amplo, com emoções que caminham por um espectro mais diversificado de possibilidades, enquanto outras parecem reagir trancadas em apenas uma ou duas emoções limitantes que resultam em comportamentos problemáticos. Esse repertório psicológico pode congelar ao longo dos anos, criando um conjunto mais fluido ou fixo de identidades num tipo de personalidade mais ou menos rígida. Esses núcleos de identidade baseiam-se tanto naquilo que ouvimos sobre as nossas emoções e valores quanto no que experimentamos no convívio com as pessoas que nos cercam.
  • 32. A bagagem emocional ensinada Como educadores emocionais, os pais têm um papel muito importante na construção da nossa emocionalidade. Aquilo que eles falam, explicam e repetem verbalmente tem o papel de construir a dimensão consciente que está na ponta da língua quando nos perguntam sobre nossos valores morais. Esse conjunto de valores vai compondo as regras que “eu sei” que tenho que seguir, podendo ser mais coerentes ou caóticas. Esse sentimento de que você deveria fazer algo tem base numa percepção mais idealizada pela sociedade e pelos pais, e é comum que seja frágil em termos de aplicabilidade, pois parte de ideias mais rasas sobre dilemas éticos. “Seja bom”, “não machuque os outros”, “empreste o seu brinquedo” são bons argumentos para incentivar os filhos a agir bem. Quando pensamos nos nossos dilemas morais, essas mensagens surgem na nossa cabeça e nos dizem o que deve ser feito. Mas por que, mesmo sabendo o que é correto, você se flagra agindo de forma diferente daquilo em que acredita? Esse sentimento de vergonha pelas nossas contradições vem da visão convencional da moralidade, que é simplista, supostamente aplicável a qualquer situação e pretensamente fácil de usar: mate ou não mate, ajude ou não ajude. Mas a vida real aparece e dá um tapa na nossa cara com situações mais complexas do que aquelas para as quais o nosso ideal se programou. Imagine a situação de Danilo, um jovem adulto que vivia com os seus pais mais idosos atravessando um longo período com a mãe vítima de Alzheimer. Ela já estava irreconhecível havia alguns anos: a doença devastara toda a sua personalidade, que era de uma mulher extremamente dócil, e agora a fazia agir como uma pessoa insensível, verborrágica e grosseira. Então ela sofreu um AVC, que a deixou em coma e em uma
  • 33. condição de degeneração irreversível, e ficou a cargo do filho a decisão de insistir num tratamento ineficiente e interminável ou oferecer cuidados paliativos até que ela morresse. A regra de ser bom, não machucar os outros e lutar pela vida não ajuda muito diante desse dilema, pois, na mentalidade convencional, não importa o que aconteça, em nenhuma circunstância se deve apressar ou facilitar a morte, mesmo que a pessoa esteja em condições deploráveis. Por outro lado, essas regras foram criadas em contextos sociais em que ninguém era exposto a esse tipo de situação, afinal a medicina pouco podia fazer na maior parte dos casos como esse, e era o corpo que decidia pela própria morte, e não os familiares. Diante de novos dilemas éticos, a moral convencional tem uma aplicabilidade pouco clara e útil, tendo em vista que os eventos não são óbvios e de única interpretação. Como vivemos num mundo plural e com referências morais e filosóficas diversificadas, não parece tão simples decidir-se pelo que é certo ou errado. O que seria útil então? Certamente uma perspectiva moral que contemplasse uma emocionalidade que suporta mais pontos de indefinição, incerteza e impotência. A bagagem emocional vivida A segunda fatia do bolo emocional é resultado de outra influência sobre as crianças: aquilo que é efetivamente feito com elas. O que é mais impactante para uma criança que pouco compreende conceitos abstratos como justiça, bondade, verdade e liberdade, mas entende com muita clareza se você ajuda, mente, grita ou dá abraços? Para a criança, ver os pais gritando tem um efeito muito mais convidativo para copiar do que a ordem de que não se deve gritar.
  • 34. Quando o pai fica dias emburrado com a mãe sem que o filho saiba dos impasses sexuais do casal, o que a criança vai registrar emocionalmente? Ela estará inconsciente das razões do silêncio e, mesmo que soubesse, não compreenderia; na prática, ela só vê os pais mantendo distância e frieza emocional. O relacionamento dos pais cria uma carga emocional muito maior do que aquilo que falam sobre educação moral. Crianças sabem racionalmente que é errado tratar com indiferença as pessoas que amam, mas o que sentem é que a frieza é uma forma “eficiente” de agir no momento de dor. As crianças são ótimas observadoras, mas lhes falta o repertório sutil de interpretação para que decodifiquem os fatos; logo, elas guardam aquilo que as impacta diretamente nas emoções, e isso forma a sua “moralidade emocional”. Por exemplo, uma criança sabe que deve tratar bem as pessoas, mas sente mais familiaridade na sensação que a violência física provoca, pois é isso que experimentou com seus pais. Na escola, entre os amiguinhos, ela pode sentir um “prazer” controverso em maltratar ou ser maltratada por outra criança, pois é o que acumulou em sua bagagem emocional, em vez de se proteger de violência, que foi o que os pais lhe ensinaram verbalmente. Os pais mais atentos vão perceber que aquilo que fizeram foi mais determinante do que aquilo que ensinaram. Os pequenos entendem a força de uma ação e de uma não ação, então, quando uma criança empurra a outra e olha para os pais, a reação deles será mais determinante do que a bronca verbal. Se os pais rirem da situação (porque interpretaram aquilo com uma admiração secreta – “olha como meu menino é ousado e vigoroso” – ou ainda com piedade – do tipo “coitado, só quer se divertir”), ela vai guardar a sensação de aprovação velada. Depois de um tempo, quando forem confrontados por uma denúncia de comportamento abusivo do filho com os coleguinhas, esses pais serão tomados de assalto pela indignação. Conscientemente dirão que nunca ensinaram o filho a tratar mal a ninguém, e isso é verdade do ponto de vista mais superficial (é o que eles acreditam ter ensinado), mas a ação prática no passado foi permissiva com violência. Foi isso que o filho espelhou.
  • 35. As repetições emocionais vividas com os pais terão um peso simbólico e emocional mais contundente, por melhores que sejam as intenções morais da família. A hipocrisia unida a uma moralidade controversa é mais comum do que pensamos, pois a pessoa julga a si mesma pelo que acha que fez, e não pelos efeitos prejudiciais concretos de seus jogos psicológicos. Agora talvez fique claro por que nos debatemos moralmente entre os valores em que acreditamos e aquilo que de fato fazemos: nossa mente racional está identificada com o que a cultura mais ampla nos ensina que é correto e o que os pais verbalizam como regras de bons modos, mas os nossos hábitos emocionais estão conectados com o que vivemos na pele ao longo de anos. Se a nossa educação familiar ignorou o aspecto emocional, provavelmente o que sentimos acaba sendo o oposto daquilo que gostaríamos de fazer.
  • 36. CAPÍTULO 3 Por que ignorar as emoções pode ser um mau negócio? Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato… Ou toca, ou não toca. Clarice Lispector Neste começo do século XXI, estamos numa temporada em que as emoções ainda são alvo de muito desprezo e preconceito, especialmente porque estão associadas à fama de “ruins” ou descontroladas. Ser racional, frio e produtivo, sem se deixar inundar por emoções, pareceria o caminho mais respeitável e bem pago, e daí vem a nossa escolha de rejeitar o contato com a nossa vida emocional. Quando lidamos com as emoções, elas parecem intensas, descontroladas e responsáveis por comportamentos catastróficos. Temos a ideia de que, quando nos tornamos maduros emocionalmente, somos mais racionais (o oposto de emocionais) e menos afetados pelas emoções. Mas amadurecer é seguir em contato com as emoções, com a diferença de que não seremos dominados por elas nem agiremos de forma destrutiva ou problemática.
  • 37. Se as emoções são partes tão essenciais da vida, o que perdemos quando ignoramos o nosso lado emocional? 1. Ponto cego Ao ignorar o que acontece no campo emocional, você perderá informações valiosas sobre os acontecimentos, pois as emoções oferecem uma visão global sobre um evento e garantem o colorido da situação. Imagine perder a capacidade de ver pequenos milagres ou realidades duras por causa de uma anestesia psicológica: seria como dirigir em alta velocidade no meio de uma neblina cerrada. Então, quando tiver que tomar uma decisão pessoal, profissional ou financeira, você poderá sentir um tipo de bloqueio para se posicionar com firmeza, simplesmente porque não terá as suas emoções como boas conselheiras. 2. Perda de brilho pessoal Com o colorido das emoções, a nossa visão das pessoas, bem como a maneira como somos vistos por elas, ganha potência. Uma pessoa desconectada de suas emoções pode mostrar-se apática ou arrogante, mesmo que ache ter vivacidade e carisma. Além disso, com as emoções somos capazes de nos conectar, ter interesse e até mudar uma realidade indesejável sem sermos cínicos ou alheios aos outros. Uma pessoa com pouco brilho nos olhos não terá automotivação, pois isso depende da conexão com as emoções do momento e do desejo ardente de um resultado no futuro.
  • 38. 3. Radar social prejudicado Sem emoções, você seria incapaz de perceber um clima desagradável, um constrangimento alheio ou uma postura inadequada (e as pessoas diriam que você é sem noção ou insensível). Algumas percepções sociais são muito sutis; entre tantas coisas acontecendo, existem várias outras que são cruciais para formar uma imagem abrangente do cenário. Perder essa perspectiva é ter apenas um ângulo de um contexto mais complexo. Isso acontece com muita frequência em brigas de casal, em que uma das pessoas ignora completamente os sinais sutis que a outra emite sem as palavras. 4. Fraca conexão emocional Se ignorar suas emoções, sua disposição para a intimidade emocional será menor, e, toda vez que estiver próximo de um relacionamento saudável, você poderá colocar tudo a perder. Como o contato com os seus sentimentos é pobre, terá menos engajamento nas suas relações e ficará predisposto ao tédio com mais facilidade, só porque não leva em consideração as emoções. Ao ser incapaz de lidar com o campo emocional, você também poderá negar um sinal de alerta para situações tóxicas e com isso se colocar numa condição manipulável. 5. Falta de tesão
  • 39. O tesão pela vida depende da conexão emocional. Para se apaixonar por alguém, ter vontade de crescer na vida, de estudar ou fazer atividade física, é preciso conexão com as emoções, com aquilo que pulsa internamente e que o move numa determinada direção. Ao transformar as relações em algo impessoal ou raso, você provavelmente vai diminuir a sua capacidade de se envolver por um longo tempo e até de sustentar o desejo sexual, afinal as emoções e a vivacidade estão intrinsecamente conectadas. 6. Perda de traquejo social Você não conseguirá ter desenvoltura nem saber a hora de mudar, se reposicionar ou agir, correndo o risco de ser inconveniente, inadaptado ou passivo. Conhecer a mente humana e a própria personalidade na sua complexidade é fundamental para a saída de uma areia movediça emocional. Ao perder essa ginga dada pelas emoções, você deixa de acionar os mecanismos para ser uma pessoa mais querida, carismática e amada. Depois de explicar o que você pode perder ao negar suas emoções, quero desfazer algumas objeções que costumo ouvir no consultório, de pessoas que têm medo, receio, tabus ou preconceito em relação às próprias emoções. OBJEÇÃO 1: “Se eu mexer muito, vou encontrar emoções negativas”
  • 40. Emoções são processos adaptativos da espécie humana. O que talvez seja negativo é a maneira como você se julga quando sente uma emoção difícil e como a digere. Nossa cultura tem emoções “queridinhas” em comparação com outras; em alguns países, as pessoas se sentem mais à vontade com um sentimento do que com outros. Então existe, sim, um tipo de julgamento coletivo que cria uma camada de culpa sobre uma emoção com a qual já é difícil lidar. A maneira como você experimenta essas emoções acaba definindo o grau de “negatividade” que você atribui a elas; algumas trazem vitalidade e outras nos deixam drenados. Provavelmente é isso que você chama de negativo. A raiva e o amor têm a sua importância, dependendo de como vamos encarar os seus efeitos sobre nós. É no modo como conduzimos uma emoção que realmente podemos mudar a chave da experiência de negativa para positiva, ou seja, tornar construtivo algo que poderia ser problemático. A ideia da maturidade emocional é que as emoções chamadas negativas passem a ser vistas como aliadas do processo de autoconhecimento emocional; portanto, nessa perspectiva, todas emoções são úteis, quer nos tragam alegrias, quer nos tragam dores. OBJEÇÃO 2: “Vou perder a minha essência se eu ficar muito contido” Quando está muito identificado com uma emoção, você costuma definir-se por ela: “Sou raivoso”. Então avalia que deixar de alimentar a raiva poderia ser um desastre, coisa de quem não é forte de verdade. Por isso, a ideia de mudar soa como uma perda de identidade ou de controle da própria espontaneidade.
  • 41. Mas a pergunta que eu sempre faço é: você chegou até aqui por causa de sua emoção de estimação ou apesar dela? Você não vai virar um robô se amadurecer, e sua espontaneidade passará por caminhos variados, menos monotemáticos. A ideia equivocada de maturidade emocional é de alguém muito sério, sisudo, tenso, chato e implicante, ou de um general dizendo o que fazemos de errado. Mas na prática não é assim. Uma hora a gente percebe que gerenciar melhor as emoções nos torna mais leves, vivos, sensíveis e até lúdicos, capazes de brincar em situações difíceis e rir das próprias desgraças. OBJEÇÃO 3: “Por que vou mexer nisso se no fundo não posso mudar como me sinto?” Verdade, você tem menos controle sobre como se sente quando está transbordando. Mas e se pudesse domar esse cavalo selvagem de forma mais ágil? E se, com o tempo, toda a força desse cavalo pudesse estar a seu favor? Dependendo do que conta para si mesmo sobre como as pessoas são e como o mundo funciona, você terá emoções diferentes. Dependendo da personalidade e da forma de encarar a vida, duas pessoas podem sentir coisas completamente distintas num mesmo cenário, e isso determina a maneira como dominam as suas emoções. Uma pessoa mais aberta e fluida sentirá as emoções brevemente, não mais que isso, e outra que cultiva uma visão mais conflitiva e revanchista poderá arrastar emoções dolorosas por anos a fio.
  • 42. Você pode não ter plena capacidade de impedir que as emoções surjam (e isso nem seria adequado), mas pode ter habilidade para diluir suas manifestações e cristalizações. Uma pessoa terá mais facilidade para sentir entusiasmo diante de um problema, como se fosse um desafio, e outra, que se acostumou a recuar e fugir dos obstáculos, sucumbirá num mar de pessimismo e medo. Quando você diz que não consegue escolher como se sente, na verdade apenas está inconsciente dos seus mecanismos emocionais e, por isso, reage de maneira impulsiva. Ao ter mais familiaridade com essa visão interna, com certeza ganhará tempo psicológico antes que uma emoção domine as suas ações. No fim das contas, ao tomar consciência de suas emoções e ampliar a perspectiva de si mesmo, você poderá, sim, mudar como se sente, mesmo que no curto prazo isso pareça impossível. OBJEÇÃO 4: “Emoções me deixam desprotegido ou influenciável” O maior medo que temos é parecermos fracos ou manipuláveis (“Não vou me abrir para sentir coisas e ficar chorando todo dia no escritório quando o babaca do meu chefe me chamar a atenção”). Sentir emoções e ser dominado, impressionado ou controlado por elas são duas coisas distintas. Somos educados de um jeito que faz com que as pessoas ganhem poderes sobrenaturais sobre a maneira como nos sentimos, podendo nos erguer ou derrubar. Entretanto, isso não é culpa das emoções, mas do modo como você enxerga a si mesmo e se relaciona com os outros. É a nossa rigidez emocional que
  • 43. nos torna influenciáveis; as pessoas só têm o poder de criar certas emoções em nós quando a nossa autoimagem é muito fixa, como quando nos provocam com um apelido indesejado. A familiaridade que você ganhar com suas emoções o deixará menos vulnerável ao poder alheio. Numa mesa de negociação, quando você ignorar a dimensão emocional, não vai perceber certas expressões, os contornos emocionais ou cada detalhe das coisas que acontecem; vai atropelar os impasses e perder oportunidades simplesmente por ignorar essas sutilezas. Todas as emoções que acontecem na relação com as pessoas são sistêmicas, ou seja, ninguém vai inocular uma emoção em você se não souber apertar os botões certos na sua cabeça. Se essa pessoa tiver poder de persuasão e clareza emocional, vai levá-lo no bico, caso você não tenha a mesma consciência. Portanto, ter consciência emocional não deixa você desprotegido, e sim um passo à frente dos outros, com uma visão mais global e profunda em qualquer contexto, e por isso ninguém mais vai poder “criar” uma emoção em você. OBJEÇÃO 5: “Prefiro ser uma pessoa racional” Deixe-me contar um segredo meio chato: ninguém é racional! As mais recentes descobertas no campo das neurociências, em especial o trabalho de António Damásio no livro A estranha ordem das coisas: as origens biológicas dos sentimentos e da cultura, mostram isso (grifo meu).
  • 44. Hipoteticamente, se você reduzisse as “trilhas” de sentimento da sua mente, ficaria apenas com cadeias dessecadas de imagens sensitivas do mundo exterior em todas as variedades conhecidas – visuais, sonoras, táteis, olfativas, gustativas, mais ou menos concretas ou abstratas, traduzidas ou não para alguma forma simbólica, ou seja, verbal, provenientes da percepção, ou evocadas da memória. E seria ainda pior se você tivesse nascido sem as trilhas de sentimentos: o resto das imagens viajaria pela sua mente sem ser afetado e sem ser qualificado. Uma vez removidos os sentimentos, você se tornaria incapaz de classificar imagens como belas ou feias, prazerosas ou dolorosas, elegantes ou vulgares, espirituais ou mundanas. Poderia ainda ser treinado, com muito esforço, a fazer classificações estéticas ou morais de objetos ou eventos (isso também poderia ser feito com um robô, obviamente). Se a racionalidade pura é um mito, então o que uma pessoa dura como pedra faz com seus sentimentos? A mesma coisa que os outros, só que sem saber o que se passa nos bastidores da sua mente. Um emotivo atravessa as emoções de maneira desgovernada, sem ouvir de verdade o que está ocorrendo, e a pessoa rígida também faz isso, mas de forma mais discreta. Ambos perdem a verdadeira mensagem das emoções: um a ignora e o outro a dramatiza. Não existem razão e emoção em termos reais; essa é só uma divisão didática (e às vezes poética) que fazemos no cotidiano para falar do que se passa dentro de nós. O que chamamos de pensamento é a faceta descritiva e linguística dos nossos estados psicológicos, e a emoção é a contraparte corporal que vai dar o impulso para nossas ações. Se uma pessoa não tivesse emoções, ela seria um robô incapaz de fazer qualquer escolha sem que houvesse sido programada para isso. A emoção está onipresente na sua vida, quer você goste, quer não. Portanto, se você acha que é uma pessoa racional, na verdade só não sabe o que está acontecendo na festa que rola agora no seu porão, e mesmo assim vai causar confusão na vizinhança. Então, se é para ficar desgovernado
  • 45. emocionalmente, sendo duro ou dramático, é melhor saber o que se passa aí dentro do que ignorar.
  • 46. CAPÍTULO 4 Glossário das emoções problemáticas (e como enfrentá-las) Este capítulo tem um caráter consultivo. Recorra a este pequeno glossário quando se sentir tocado por uma emoção específica ou estiver sem vocabulário para nomear o que está vivendo emocionalmente. 1. Emoções básicas São interpretações simples e menos elaboradas dos acontecimentos; costumam ter uma mensagem bem direta para nós, pois nos incitam a ações cotidianas de sobrevivência física e psicológica. Lembre-se de que as emoções estão sempre nos mandando mensagens para uma ação interna ou externa e querem nos proteger da dor e proporcionar conforto (baseadas nas nossas narrativas internas e bagagem pessoal). TRISTEZA:
  • 47. “Olhe para aquilo que é importante e você está perdendo” A tristeza é o pesar pela perda de algo valioso que amamos, como uma pessoa, uma ideia, uma chance, um emprego ou um papel profissional. Lidar com ela é se conectar com o que está sendo perdido, valorizar a existência que se vai, expressar o pesar e vivê-lo num processo de luto. A tristeza também nos conecta com as perdas dos outros e pode abrir espaço para o sentimento de compaixão. Portanto, não deveríamos bloquear a tristeza, mas apenas garantir que ela transmita as suas mensagens sem paralisar as nossas ações. Ao olharmos para ela, podemos detectar as escolhas problemáticas da nossa vida e mudar de rumo, ou pelo menos saber que estamos valorizando coisas que não são muito boas para nós e das quais devemos nos desapegar. MEDO: “Você está correndo perigo. Fuja!” O medo é o movimento de afastamento em relação a um ataque real ou imaginário. Como o medo depende de nosso repertório pessoal, podemos achar uma coisa mais perigosa que outra, dependendo de como fomos ensinados emocionalmente. Nossos pais podem nos ensinar um medo desproporcional de baratas que nos faz avaliar esses insetos como mais perigosos do que são. Então até mesmo o medo pode nos enganar e nos induzir a pensar que algo é mais danoso do que realmente é. Uma imaginação catastrófica é bem diferente de uma realidade factual perigosa, e precisamos treinar esse crivo de saber quando estamos antecipando uma perda real ou quando temos uma fantasia de perda que pode só nos desgastar inutilmente.
  • 48. O medo também é a antecipação da tristeza, então, se pudermos perceber quão precioso é aquilo que tememos perder, podemos ganhar força, sem ficar paralisados. Se uma mãe imagina que o filho está em perigo só porque está correndo, em vez de sofrer com a ideia de perdê-lo, ela pode simplesmente abraçá-lo e dizer que o ama, sem alarde ou recomendações catastróficas. RAIVA: “Invadiram com desrespeito o seu território. Ataque!” A raiva é o preparo para o contra-ataque diante de um ataque real ou imaginário. Se alguém é fechado no trânsito, a raiva surge como reação à inter-pretação de ter sido humilhado, passado para trás ou feito de bobo pelo motorista da frente. Na prática, não é possível averiguar a real intenção do outro, e caberá a nós escolher se vamos cultivar a raiva com muita frequência. A raiva costuma ser viciante por oferecer uma aparência de força e controle da situação, mas pode encobrir outras emoções importantes, como a tristeza subjacente à ameaça. A raiva pode ser valiosa para avisar sobre o que nos ameaça, mas inútil se ficarmos absorvidos por ela num impasse. Essa emoção é o alerta que aparece quando a cerca elétrica é acionada, mas vira um problema se a sirene continua apitando e precisamos tomar uma decisão ponderada. Quem é muito sensível à raiva precisa entender se a sua cerca elétrica está disparando com facilidade e quais são os gatilhos sociais mais propensos a causar isso. Se é acionado o tempo todo, esse sistema de defesa cria
  • 49. desgaste pessoal e ineficiência para lidar com as situações, uma vez que guerrear com os outros pode prolongar inutilmente um embate. ALEGRIA: “Não adoraria se divertir e ter mais energia?” A alegria é a emoção que busca recompensa por algo conquistado. É quando o desejo se realiza e vivemos algum tipo de prazer físico ou psicológico. Ela pode aparecer também para nos levar a obter mais energia ou tirar proveito de situações difíceis. DESPREZO: “Isso é perigoso e você deve se desfazer disso imediatamente” É a percepção de algo como perigoso, diferente ou inferior, e pode ser prejudicial física ou emocionalmente. Como também faz parte da nossa educação emocional, o desprezo pode transformar-se num mecanismo patológico de depreciar e diminuir os outros. Portanto, é importante diferenciar o que é perigoso do que só é diferente para não cair numa conduta preconceituosa e arrogante.
  • 50. 2. Sentimentos Sentimentos são intrinsecamente complexos e, para uma análise mais profunda, seria preciso entender o contexto da bagagem da pessoa envolvida. Como a personalidade é sempre composta de muitas identidades internas, os sentimentos costumam causar certa confusão e ambiguidade interior, pois podem apontar para ações aparentemente contrárias. ACEITAÇÃO: “Relaxe, vai ficar tudo bem” É uma elaboração interna de respeito ao que é inevitável na vida. Depois de se debater contra uma perda irreversível, a pessoa processa o que aconteceu, se recompõe e percebe quais são as partes que se quebraram e as que podem ser reaproveitadas. AMARGURA: “Proteja-se da maldade do mundo” Surge como resultado da briga com os fatos da vida em forma de desprezo generalizado. Costuma surgir aos poucos diante de acontecimentos duros e que criaram desilusão pessoal em diferentes áreas da vida. Para se libertar desse fechamento, a pessoa precisa abrir-se para novas possibilidades até que a amargura ceda lugar ao encantamento.
  • 51. AMBIÇÃO: “Busque tudo o que puder” Faz a pessoa se movimentar em relação a uma fantasia idealizada e pode tanto estar presente num cientista que busca uma vacina quanto se distorcer em ganância tóxica. A ambição não tem um caráter emocional negativo, mas algumas pessoas podem ficar deslumbradas com a própria idealização e se tornar obcecadas. Para sair dessa fixação é preciso conviver com as próprias vulnerabilidades e se engajar num caminho de desconstrução. AMOR: “Nunca mais você se sentirá só” Tem quatro dimensões. A primeira é existencial, uma vontade humana de beneficiar outro ser humano, e é nessa base que as outras dimensões se manifestam. A segunda é sentimental, que engloba várias emoções, como a admiração, a excitação, a alegria, a tristeza, a raiva e o medo. A terceira é relacional, como aquela experiência quase visceral de necessitar a presença do outro. A quarta dimensão é atitudinal, um comportamento de benefício ao florescimento humano da pessoa amada por meio de atos concretos. ANGÚSTIA:
  • 52. “Você quer tudo e não está dando conta. Faça uma escolha” É a perda de energia por um conflito interno entre duas facetas opostas da personalidade. É quando se deseja o que é proibido ou se rejeita aquilo que deveria ser visto como agradável. Ao criar a possibilidade de olhar para essa multiplicidade interna sem necessariamente alimentar a concorrência entre os dois caminhos, conseguimos abrir espaço para que a contradição nos enriqueça emocionalmente. ANSIEDADE: “Há muito perigo no futuro. Proteja-se!” Diferente da condição patológica, o sentimento de ansiedade é a busca de antecipar uma imagem futura e catastrófica baseada em eventos dolorosos do passado. O ansioso pensa que se prepara para lidar com a dor futura quando está apenas evitando repetir angústias infantis. A confiança é a melhor maneira de lidar com o medo ansioso, pois parte da certeza de que ele já enfrentou muitos dramas e poderá lidar com outros mais. CARÊNCIA: “Você quer tudo e nada basta” É um vazio emocional que busca no outro a sensação de saciedade para compensar uma solidão crônica ou falta insuportável. A pessoa carente precisa, a todo momento, certificar-se de que é amada, respeitada e
  • 53. reconhecida. Se pudesse cuidar dos outros como busca cuidado, a carência reverteria a passividade para a doação. CIÚME: “Controle cada passo para evitar a rejeição” É um sentimento que mistura inferioridade, desconfiança e ruminação. Longe de ser saudável ou natural do amor, o ciúme é uma disfunção do relacionamento, pois parte da premissa de que a felicidade é construída com base na posse e na dominação do outro. Para sair do caminho da mesquinhez é preciso apostar no crescimento, na liberdade e no compartilhamento de vida com o outro até que o ciúme perca espaço para a generosidade afetiva. COMPAIXÃO: “Cuide da dor dos outros” É a capacidade de se colocar ao lado da dor dos outros ao mesmo tempo que sente um impulso irresistível e alegre de acolher, compreender e apaziguar as causas do sofrimento alheio. CULPA:
  • 54. “Você precisa pagar pelo que fez de errado e se corrigir” É a tristeza pela perda de uma imagem idealizada de si mesmo. Apesar do caráter corretivo, a culpa nem sempre busca a recomposição efetiva da pessoa prejudicada: pode virar um mecanismo de distração psicológica, do tipo “eu me culpo para não ter que reparar o malfeito”. Para superar o sentimento de culpa é preciso identificar e mudar os padrões emocionais que levaram ao ato, e não se martirizar pelo ato em si. CURIOSIDADE: “Olhe tudo o que está à sua volta” É o impulso emocional de buscar algo que parece desconhecido e inacabado, na tentativa de fechar uma imagem que parecia incompleta. DESAMPARO: “Você está só neste mundo. Feche-se” É o sentimento de perda de referência afetiva por perda de base emocional. Ocorre quando você fica, em alguma medida, desapropriado da sua rede de confiança.
  • 55. DESAPONTAMENTO: “Falhou, nada é perfeito” É a quebra de expectativa a respeito de si mesmo ou dos outros. O desapontamento ocorre quando você se percebe pior do que tinha imaginado, pois a sua fantasia era maior do que a realidade. Em vez de criar imagens das pessoas, é melhor se relacionar com as características contraditórias delas. DÓ: “Ela precisa de você, está vulnerável” Surge quando você olha alguém que está numa posição emocional, física, financeira ou social mais desfavorecida e sente uma ambivalência de superioridade e compaixão. Pode ser um protótipo da compaixão, se você perceber que estamos todos no mesmo barco de tormenta emocional, ainda que em contextos diferentes. EMPATIA: “O que será que está acontecendo ali?” É a habilidade de se colocar mentalmente no lugar de outra pessoa. É a habilidade de se compadecer ou, pelo menos, imaginar o que o outro possa
  • 56. estar sentindo, seja numa situação desconfortável, seja numa situação de sucesso. ENCANTAMENTO: “A vida é linda!” É o sentimento de desabrochar diante de uma situação, com um traço de simplicidade e alegria. Encantamento é uma forma de alegria suave, serena, como se você se refrescasse com um pequeno milagre da vida cotidiana. ESPERANÇA: “Nem tudo está perdido. Prossiga” É quando você sente que pode contar com uma melhora futura e que as coisas parecem convergir para uma vivência mais positiva em comparação com a anterior. FÉ: “Você não sabe o que está acontecendo e tudo bem”
  • 57. É o sentimento de entrega diante do desconhecido, uma convicção que ultrapassa os abalos da vida cotidiana. Pode basear-se puramente numa figura transcendental ou num senso de habilidade pessoal. De modo geral, é associada a um sentimento de espiritualidade. FELICIDADE: “Tudo está bem, não importa o motivo” É um estado mental que transcende os sentimentos e as emoções da vida cotidiana, como uma condição existencial mais estável, para além das variações do dia a dia, ainda que tenhamos a tendência a confundir felicidade com alegria. FRUSTRAÇÃO: “Você perdeu algo, que raiva. Agora descanse” É a raiva como reação à tristeza pela perda de algo valioso que encontrará na aceitação um novo significado para o luto. GRATIDÃO: “A vida é boa”
  • 58. É o senso de recompensa e preenchimento por uma conquista ou um presente. INVEJA: “É tão triste não ser como aquela pessoa. Será que ela deveria ter tanto?” Surge da percepção de assimetria e inferioridade em relação ao valor do outro; portanto, é um tipo de tristeza associada com desprezo referente a uma pessoa vista como superior àquela que sente. Pode virar um impulso para o crescimento ou permanecer como uma rivalidade amargurada. LIBERDADE: “Você pode fluir” É experimentada como emoção de autonomia com o direito de ir e vir, mas pode ser também uma condição existencial exercida com as escolhas diante dos desagrados da vida: sua maneira de reagir a eles é que determina o bom ou o mau uso da sua liberdade. LUTO:
  • 59. “Você precisa de tempo para lidar com essa dor” É um processo que acontece ao longo do tempo de elaboração da dor pela perda de uma pessoa ou algo de grande carga de afetos. Nessa jornada de ressignificação, muitas emoções surgem: da negação e da raiva iniciais até a aceitação e a retomada da vida. MÁGOA: “Proteja-se. Não confie tão facilmente” É um sentimento que mistura raiva, tristeza, menos-valia e impotência diante do agressor. Para sair dessa espiral é preciso um processo lento de liberação pessoal e perdão – não uma reconciliação, mas uma cura interior na reconstrução do bem-estar. NOJO: “Afaste-se disso imediatamente” É uma emoção básica que afasta você de uma experiência ameaçadora ou de um agente externo. Ela foi fundamental ao longo da evolução da espécie para garantir que nos afastássemos de condições de envenenamento ou perigo. Isso não quer dizer que todos os nossos nojos são instintivos, pois também aprendemos com os nossos cuidadores a nos enojar de coisas e situações específicas.
  • 60. OBSESSÃO: “Não saia daqui até completar a missão” É a atitude comportamental que vem de uma fixação em relação a uma imagem ou pessoa. Costuma nos dar indicativos de necessidades não atendidas e de uma vida menos realizada, de modo que o prazer em torno de algo determinado se torna o centro da vida. ÓDIO: “É preciso destruir aquilo que ameaçou você” É um sentimento profundo de afronta contra algo ou alguém que você reduz a uma característica que possa atacar e transformar num inimigo. O ódio é um tipo de distração emocional: simplifica a vida ao criar uma narrativa persecutória de acusações a terceiros. Para superar o ódio é necessário expandir os horizontes, conhecer a diversidade da vida e se aprofundar na complexidade dela, aceitar que nem tudo é o que parece para abrir os horizontes emocionais e até buscar mais fontes de prazer e realização para diminuir a obsessão odienta. PRAZER:
  • 61. “Relaxe e descarregue a tensão” É a interface entre o sensorial e o emocional que causa uma descarga e um relaxamento da tensão preexistente. PREGUIÇA: “Poupe esforços, pois há muito pela frente” É a recusa à ação por perda de energia ou por uma rejeição involuntária a cumprir uma regra imposta. Em vez de relutar, é preciso conectar-se com o senso de realização verdadeiro, e não com uma sujeição passiva ao desejo dos outros. SAUDADE: “A falta está doendo. Busque” É a percepção da indisponibilidade de uma situação ou pessoa que permanece só no campo da memória e remete a afetos muito intensos, positivos e, paradoxalmente, dolorosos. SOLIDÃO:
  • 62. “Você precisa de espaço para se recompor, mesmo querendo companhia” É o senso de não pertencimento a nenhum grupo, associação ou companhia pessoal. Uma pessoa pode estar acompanhada por várias outras e, no entanto, não se sentir conectada com ninguém por se considerar superior ou incompreendida. TÉDIO: “Você não está conectado ao que está acontecendo” É o mal-estar diante de uma sensação repetitiva e conhecida que já não causa animação ou euforia. O tédio pode tanto ser decorrente de uma conjuntura muito desgastante de repetição meramente mecânica e que dispensa criatividade como pode ser resultado de uma personalidade presunçosa que sente que nada a entretém. Olhar com apreciação e curiosidade para a vida pode reintroduzir vitalidade no cotidiano. VERGONHA: “Você fez algo ruim. Esconda-se” É o sentimento de inferioridade pela consciência de uma quebra de expectativa social. É um tipo de recuo do contato humano por medo de que
  • 63. as pessoas julguem aquele que sente ou revelem o senso de inferioridade que ele carrega. EXERCÍCIOS PARA LIDAR COM EMOÇÕES DIFÍCEIS AUTO-OBSERVAÇÃO Tenha um diário. Anote tudo o que puder do seu mundo interno por trinta dias seguidos. Se facilitar, divida por períodos do dia. Por uma questão de aprendizado, é importante anotar todos os dias nesse primeiro mês para incorporar o hábito; depois isso se tornará natural. VOCABULÁRIO Aprenda o nome de uma emoção nova a cada dois dias. Procure no glossário deste livro ou busque na internet e em outros meios, mas saiba dar nome aos sentimentos. RECONHECIMENTO Aprenda a reconhecer três emoções básicas em você. As mais fáceis são tristeza, medo e raiva. Faça uma tabela para saber quando elas surgiram e com o que estavam relacionadas.
  • 64. CONHEÇA SEUS GATILHOS Saiba dar nome para a emoção despertada por um evento externo ou interno. Crie conexões causais entre situações e emoções e veja como existem emoções que são gatilhos de outras (se sobrepõem) e que contrastam com outras (e criam ambivalência emocional). EMPATIA Aprenda a reconhecer emoções nos outros. Tente identificar o que os outros sentem e como enxergam o mundo. OUÇA Se as suas emoções querem enviar uma mensagem, tente personificá- las. Imagine que são pessoas que moram dentro de você e pergunte a elas: “O que vocês estão tentando me mostrar?”. Com certeza você vai se surpreender com o seu chamado.
  • 65. PARTE II EFEITOS COLATERAIS DA IMATURIDADE
  • 66. CAPÍTULO 5 O que é imaturidade emocional? O amor imaturo diz: “Eu te amo porque preciso de ti”. O amor maduro diz: “Eu preciso de ti porque te amo”. Erich Fromm Quem já conviveu com uma criança em desenvolvimento tem uma noção do que é o processo de amadurecer. O recém-nascido é muito frágil, parece passivo diante da sua necessidade de sobrevivência física e emocional, mas tem uma capacidade muito poderosa de aprendizado. Todo o gerenciamento emocional da primeira infância está focado em um reconhecimento embrionário das próprias emoções e na detecção de sentidos mais e mais profundos da convivência social. Esse gerenciamento pode até parecer ineficiente para lidar com situações intensas, mas forma o terreno que será capaz de enfrentar os desafios que surgirem ao longo da vida. À medida que cresce, a criança torna-se efetivamente capaz de olhar para os lados, gerenciar os seus ímpetos, tornar-se sociável e conviver com o que é diferente, até que comece a entender as regras do jogo de um mundo cada vez mais abstrato e complexo.
  • 67. Não me parece muito honesto chamar uma pessoa imatura de infantil, pois uma criança tem uma maturidade relativa altíssima, tendo em vista sua capacidade de aprendizado e sua incorporação de novas habilidades. A pressa da criança é diferente da afobação do adulto, e vamos entender isso ao longo do livro. Da infância ao começo da vida adulta, o processo maturacional de base está consolidado em termos de ferramentas operacionais, mas não em capacidade de uso. Nossa imaturidade pode ficar camuflada pelo contexto ou pelas pessoas que nos cercam, em especial aquelas que amamos. Uma criança não tem uma capacidade cerebral plenamente desenvolvida para agir de modo sofisticado, mas um adulto, com seu aparato mental disponível, não poderia alegar o mesmo. A imaturidade emocional é um tipo de descompasso psicológico que dificulta o enfrentamento das demandas da vida adulta, quase uma recusa em atravessar as fronteiras da infância para resolver os dilemas mais complexos da vida adulta. É um tipo de fixação emocional que prejudica a maneira como você enxerga o mundo, gerencia as emoções, se relaciona com as pessoas e encaminha os impasses cotidianos. Essa visão nublada costuma criar problemas cotidianos, como uma pessoa que só olha para os seus interesses e reage com afobação e intensidade diante de cada impasse ou permanece fechada e fria para se relacionar. O resultado disso é um sentimento de insatisfação crônica e infelicidade que muitas pessoas relatam sentir na vida. As saídas imaturas para um problema buscam uma diminuição imediata da pressão interna e têm pouca resiliência para enfrentar o verdadeiro núcleo de uma questão. A pessoa que busca essa escapatória reage de forma parcial e imediatista, tentando apagar um incêndio com gasolina. O pior de tudo é que aqueles que poderiam nos dar bons exemplos também carecem de recursos emocionais: temos poucas pessoas próximas como referência do que seria alguém maduro. Na hora em que o calo aperta, nossos ídolos também se desequilibram e paralisam numa postura rígida, controladora, dramática ou artificialmente fria e desconectada do problema.
  • 68. O resultado é catastrófico, pois seguimos passando esse bastão de imaturidade emocional de geração em geração. E por que resolvi usar a expressão maturidade emocional? Para definir bem a diferença entre outros tipos de maturidade, pois alguém que tem maturidade profissional ou intelectual pode não ter o mesmo nível de desenvolvimento emocional. Também para não causar confusão com o conceito de inteligência emocional, que se refere mais a habilidades de reconhecimento e controle das emoções. A maturidade, além de competências, abrange um conjunto de posturas pessoais que permitem gerenciar emoções com maestria e encaminhar impasses e dilemas com sabedoria. Cascata de confusão emocional Um dos maiores desafios do cotidiano é lidar com as emoções acontecendo na prática. Um fenômeno comum a todos, com o qual você provavelmente vai se reconhecer, é nos embolarmos numa sequência de ações impulsivas, desgovernadas e que se sobrepõem em camadas de confusão. Como acontecia com a Júlia, uma jovem engenheira que atendi e que se vangloriava de ser muito racional, a não ser quando o assunto era a fidelidade do parceiro. Uma vez invadiu a aula de ioga do namorado (que era o professor), chamando uma das alunas para a briga. Depois que o fogo passava, ela percebia o comportamento desproporcional, caía numa ressaca moral e entrava num ciclo problemático de submissão, excitação sexual e arrependimento. O que isso quer dizer? É como se vivêssemos várias emoções sobrepostas pela simples inabilidade de lidar com elas. Um exemplo é uma pessoa que tem raiva e se sente culpada por sentir raiva (pois julga que deveria ser mais pacífica), então sente vergonha por estar culpada (pois prometeu para si
  • 69. mesma que não seria dominada por culpa) e triste (por fracassar mais uma vez ao sentir vergonha e mesmo assim não mudar nada em seu comportamento). É como se a pessoa sentisse vários afetos que a perturbam e incomodam simplesmente porque não consegue aceitar a si mesma lidando com emoções difíceis. A forma como nossa cultura e sociedade lida com esse tipo de reação interna é muito problemática. Trabalhando como psicólogo clínico desde 2004, já vi muitos casos em que as emoções se sobrepunham em forma de cascata emocional. Um deles foi o de uma mulher que estava noiva e mantinha um caso com um homem casado, ao mesmo tempo que vivia num grande pé de guerra com os pais, pois se sentia humilhada por eles ainda a ajudarem financeiramente. Segundo ela, o envolvimento com o homem casado era temporário e uma forma de tentar saber se o que sentia pelo noivo era forte o suficiente para seguir no processo de matrimônio. Seu conflito era reflexo de um sentimento de dívida que carregava por ele ter sido um grande apoio emocional no passado misturado com pesar por ver que não sentia vitalidade naquela relação de anos. Com o homem casado, apesar da atração intelectual e sexual, ela não sentia segurança pessoal em relação ao caráter dele. Essas várias emoções sobrepostas criavam situações tensas e aprisionantes, gerando um ciclo infinito de culpa, vergonha, medo e impotência que a impedia de tomar uma decisão efetiva e moralmente satisfatória. A falta de gerenciamento emocional é sempre um convite para criar uma camada extra numa cascata de confusão instalada. Manobras imaturas para lidar com o sofrimento
  • 70. Toda vez que pensar nas suas emoções, considere olhar para elas como se fossem pessoas com intenções próprias. Normalmente, elas vão tentar se afastar do que é desagradável e se aproximar do que é gostoso e confortável, ainda que isso seja problemático; o importante é saber que as emoções tendem a se dirigir para esse lugar quentinho e aconchegante. Listei alguns dos principais movimentos que usamos de maneira imatura para lidar com o sofrimento. AFASTAR Nessa operação, a mente procura afastar o objeto de sofrimento para longe. Você já deve ter afastado alguém que amava por temer sentir rejeição ou humilhação. APAGAR Quando você se esquece de um evento doloroso, é como se algo na sua mente apagasse o registro. Situações traumáticas costumam provocar essa reação para nos poupar das emoções correspondentes. APROXIMAR Sabe aquele amigo de infância de quem você ficava perto de tanto medo que ele causava? Ou o chefe tirano que você adulou para ser poupado de humilhações? Dormir com o inimigo é uma manobra para que o medo pareça menos paralisante.
  • 71. DESCONECTAR Quem nunca fechou os olhos num filme de terror para evitar o susto? Ou passou um dia inteiro obcecado com um assunto para não entrar em contato com a pessoa ao lado? Esse é um tipo de anulação dos sentimentos presentes, a tal ponto que perdemos o contato com os afetos em jogo. DESLOCAR Se você já brigou com a sua mãe para não se desentender com a pessoa amada, fez uso do deslocamento emocional. É quando o afeto é realocado de uma pessoa para outra para evitar o contato com a dor daquela relação. DISTORCER Ocorre quando uma notícia ou um acontecimento é muito doloroso e você o atenua, nega, altera, aumenta ou diminui para digerir as emoções em conta- gotas. Algumas vezes retomamos o conteúdo original para lidar com a verdade, e em outras passamos anos perpetuando a história distorcida. ENCOLHER Os tímidos usam muito essa manobra ao se curvar e se diminuir diante dos outros. Ocorre também quando alguém se fecha para evitar intimidade. Outro exemplo é quando alguém nos causa inveja e falamos mal dessa pessoa: ao rebaixá-la, encolhemos a imagem de grandeza para atenuar o
  • 72. sentimento de inferioridade; para não sofrer pela comparação assimétrica, nos apegamos aos pontos em que supomos sermos melhores que o outro. EXPANDIR Quando você conta uma vantagem grandiosa (e mentirosa) para impressionar alguém, está expandindo a própria imagem para se afastar de uma percepção de mediocridade. Outra manobra é expandir a imagem de uma pessoa (um artista ou chefe) em forma de idealizações megalomaníacas para não lidar com o sentimento de pequenez que possa vir ao se comparar com seu ídolo. Esse mecanismo é muito usado por pessoas narcisistas, quando agem de forma exagerada e verborrágica, esbravejando seu desempenho olímpico. EXTERNAR Quando alguém passa o tempo todo atribuindo a responsabilidade pelas suas ações aos outros ou ao contexto, o que acontece é um tipo de externalização do sentimento conflitante. A culpa é sempre do vizinho, do chefe, do parceiro, dos pais, do mundo, e quase nunca há uma responsabilização própria pela ação danosa; ela é colocada do lado de fora para atenuar o peso moral. FANTASIAR Escapar da realidade e inventar um mundo próprio para si é um jeito comum de se proteger dos dias ruins. Pessoas que sofrem de devaneio excessivo e passam muito tempo inventando cenários mágicos normalmente
  • 73. fantasiam para amortecer a dor do presente. Às vezes, a pessoa perde o controle do que fantasiou e vive numa realidade paralela, mas em geral ela só cria a sua versão para amenizar o constrangimento do que viveu, seguindo em contato com o fato real. INTERNAR Essa manobra é feita quando trazemos o sofrimento para dentro de nós na tentativa de abafá-lo. É como se cada afeto incômodo se acomodasse atuando com mais força dentro do que fora. Às vezes, alguém que sofre violência passa a agir com violência consigo mesmo, como se internalizasse o mal que sofreu. MACHUCAR Quem nunca tratou mal alguém porque era difícil se sentir tão refém do amor do outro? Para evitar a vulnerabilidade que o amor causa, a pessoa acaba ferindo e distanciando quem ama para obter um falso controle dos sentimentos. REPLICAR Algumas pessoas ficam indignadas de se verem repetindo aquilo que sofreram nas mãos de outros, como a violência que receberam dos pais sendo replicada com os próprios filhos. É como se agir como aqueles que as submeteram à dor pudesse protegê-las da cicatriz passada.
  • 74. PEQUENO EXERCÍCIO DE REFLEXÃO Convido você a fazer uma reflexão antes de prosseguir a leitura. Este é um pequeno exercício inicial para você se dar conta do lugar de onde partirá rumo àquele aonde quer chegar. •Quanto de imaturidade você percebe no seu comportamento? •Que nota você daria para si mesmo? (Zero para total imaturidade e dez para maturidade.) •Quais desses mecanismos citados você se vê utilizando em seu cotidiano?
  • 75. CAPÍTULO 6 Os cinco traços da imaturidade emocional Não podes ver o que és. O que vês é a tua sombra. Rabindranath Tagore Agora voltamos ao ponto do início do livro. Pense de novo naquela pessoa imatura que você conhece. É possível que você se lembre de uma sequência de pisadas na bola que ela deu. Com frequência, ela agiu de uma forma que fez você deixar de acreditar na humanidade, não porque foi intencionalmente maléfica, mas porque foi desastrosamente fechada em suas visões de mundo e só defendeu os próprios interesses. Todas as características descritas daqui em diante precisam ser olhadas com especial atenção: elas não são fechadas, definitivas, imutáveis ou intrínsecas a alguém; são posições psicológicas, lugares emocionais onde nos colocamos, dinâmicas de relacionamento que nos habituamos a reproduzir, e por isso são passíveis de mudança, questionamento e transformação. Por uma questão didática, vou citar alguns casos do consultório, mas não se iluda achando que isso só acontece em situações extremas ou que cada traço aparece isoladamente em uma pessoa: eles se inter-calam, se sobrepõem e se acumulam no comportamento. Cada um de nós pode agir sob essas perspectivas a qualquer momento.
  • 76. TRAÇO 1: Egocentrismo “Eu só vejo o que interessa para mim” Rafael é bonito, charmoso e bem-sucedido, o modelo do que uma pessoa gostaria de ter como amigo, pelo menos superficialmente. Mas, ao nos aproximarmos dele, notamos comportamentos bem difíceis e até problemáticos. Qualquer assunto mais complicado em que você tente envolvê-lo, que abranja responsabilidade, persistência e comprometimento, causará algum tipo de confusão. Para começar, Rafael não gosta de ser cobrado, tudo tem que ser no seu tempo, ritmo e vontade. O problema é que nunca chega a hora das necessidades dos outros, e todas as suas relações orbitam em torno de seus caprichos. Características centrais: parcialidade e egocentrismo. Eu me lembro de uma ocasião, quando tinha cerca de 8 anos de idade; era Natal e os meus avós maternos tinham vindo passar o feriado conosco. Como foi um tempo curto de prosperidade financeira, meu pai abastecia a despensa com uma das minhas sobremesas favoritas: pêssego em calda. Na noite da ceia, eu me saciei com o pêssego, até que notei os adultos brindando com um líquido amarelado. Perguntei o que era e me disseram que haviam batido uma parte dos pêssegos com bebida alcoólica. Numa
  • 77. fração de segundo, minha alegria foi substituída por um impulso irracional de ódio. Não havia uma etiqueta na lata com o nome Frederico: foi o meu delírio infantil apropriando-se do pêssego que criou o embate. Eu constrangi a todos, esperneei, gritei, ofendi minha avó (que tentava me acalmar) e fiz o Natal se transformar num suplício. Até que meu pai, num ato exagerado, encontrou um empório aberto e trouxe mais pêssego. Aquilo me acalmou? Não exatamente, pois todos já tinham estragado o “meu” Natal, e eu resolvi seguir mal-humorado, sem comer pêssego e fazendo caras e bocas. Não sinto mais vergonha dessa história (mesmo sendo um surto inesquecível de egocentrismo), mas ela retrata até onde o egocentrismo consegue chegar. Esse é um tipo de comportamento caprichoso que estabelece apenas os próprios interesses como prioridade (da pessoa e do resto do mundo). Diante do olhar egocêntrico, só existe a sua versão parcial dos fatos; os outros se tornam subitamente invisíveis, e não é possível enxergar com clareza. O que falta nessa perspectiva é o equilíbrio entre a vontade individual e a coletiva, pois há uma egolatria tipicamente infantil que não é superada com o passar dos anos. Para amadurecer é preciso sair do centro do mundo, lentamente adquirir um olhar mais amplo e perder a fantasia tóxica de que os outros nos devem favores especiais. O egocêntrico sofre de pensamento mágico, pois cria causas ilógicas para certos acontecimentos, torcendo a realidade a seu favor, e não raramente sofre de certa paranoia, imaginando que tudo lhe diz respeito. Agora imagine um adulto tomando decisões baseadas apenas nas suas estreitas impressões sobre a realidade. Quando a pessoa tem um desejo sexual, por exemplo, pode achar que todos estão conspirando para vê-lo atendido, supondo que os seus alvos estão “dando mole”, ou seja, faz uma inversão lógica, delirando que as pessoas a desejam quando na verdade ela é quem está as desejando.
  • 78. O caráter interesseiro marca as dinâmicas sociais, ainda que para a própria pessoa o mundo seja um lugar de gente egoísta que não atende os seus apelos, como se todos quisessem tirar algo dela e oferecessem muito pouco. Mesmo que os outros a atendam, nada basta para suprir uma insatisfação crônica: sua boca é muito grande, sua garganta é estreita e sua barriga tem um buraco infinito de necessidades não supridas. A relação de uma pessoa egocêntrica com os demais é de certa dominância e pouca gratidão; dizer “obrigado” ou “desculpa” é uma raridade. Sua forma de amar se confunde com uma relação vertical na qual a outra parte age como plateia para os seus grandes feitos. Mas não pense que isso é sempre descarado, pois a queixa de ser uma pessoa incompreendida, rejeitada ou deixada de escanteio também pode vir dessa noção egocêntrica. Quando o egocêntrico resolve se relacionar com alguém com talentos maiores e vontades mais afirmativas, pode haver uma batalha competitiva por atenção e reconhecimento. Sua dificuldade reside em enxergar as pessoas como mundos próprios, com histórias e narrativas diferentes para os “mesmos” fenômenos. A palavra “tédio” está sempre entre as suas preferidas, afinal essa pessoa precisa de grandes acontecimentos que entretenham o seu apelo por grandiosidade e espetáculo. Em decorrência disso, está sempre entretida em jogos sociais para receber aplausos, likes, elogios e agrados que lustrem a sua autoilusão grandiosa (e nunca admitida). Outro passatempo mental é um tipo pernicioso de devaneio diurno feito como um exercício para compensar uma vida comum e transformá-la em algo incrível. Depois de uma conversa meio sem graça, a pessoa fica imaginando cenários espetaculares e argumentos afiados. Após uma reunião de trabalho enfadonha, fica projetando-se em empresas-modelo onde seria finalmente reconhecida (mesmo que não saiba justificar os motivos). Não é tão óbvio, mas esse traço torna a pessoa muito geniosa e intransigente quando se trata de ceder espaço para outras opiniões. As conversas tornam-se uma queda de braço para que a vontade dela prevaleça, e até um convite vira uma ordem, o que a faz levar a fama de ser mandona.
  • 79. Com o tempo, as pessoas desistem dela e percebem que não há nada que seja recíproco ali. Infelizmente, algumas personalidades mais submissas acabam entrando no jogo de ganha-perde, cedendo sua vida para atender aos gostos e gozos daquela autoproclamada “divindade”. É como jogar futebol com uma pessoa “fominha”: é cansativo passar tempo com quem está sempre chamando o jogo para si, mas não toca a bola e reclama quando os outros fazem dribles individuais. A felicidade alheia é vista como rivalidade e acaba sendo sufocada para que o protagonismo gire em um só lugar. Mas não pense que a única manifestação de egocentrismo pertence aos bem-sucedidos e sortudos da vida. Os menos afortunados também podem querer roubar os holofotes para si e usar de sua história de provações para angariar piedade. Lembro-me de ter passado os meus primeiros anos de jovem adulto colhendo simpatia por conta de minha história crônica de virgindade e feiura. Aquele lugar de sofrimento capitalizava solidariedade, e eu usava aquilo, mesmo que inconscientemente, para receber atenção, afeto e reconhecimento por toda a “luta” que travava em meio às privações financeiras e estéticas. Não havia uma única conversa em que esse assunto não viesse à tona para que eu vaidosamente me sentisse olhado com um misto de misericórdia e heroísmo. No fundo, todo tipo de recompensa social que eu recebia era uma forma de egocentrismo mascarado de humildade. Ninguém está livre disso, nem aqueles que passam por dificuldades. TRAÇO 2: Reatividade “Tem que ser agora!”
  • 80. Manu se descrevia como uma ansiosa crônica e cheia de medos e dizia que muitos pensamentos catastróficos vinham à sua mente para toda decisão que tomasse, o que transformava seus dias em uma sequência de passividade. A dificuldade com o futuro era tão grande que ela preferia não desejar tanto as coisas se isso custasse sua tranquilidade. Relacionamentos amorosos estavam sempre na berlinda, pois, com a sua afobação, ela reagia apressadamente ao comportamento dos seus parceiros, de acordo com o medo da rejeição. Se se sentia amada, era agradável; se interpretava uma frieza como abandono, reagia com fúria. Ela não conseguia perceber que era muito difícil estar ao seu lado diante de vontades que não tinham nenhuma consistência, pois eram formatadas para tirar o risco do abandono do seu caminho. Características centrais: imediatismo e reatividade. Se você disser para essa pessoa que “espere um pouco, dê tempo para as coisas se encaixarem”, será o mesmo que assinar um atestado de óbito antecipado. A própria ideia de adiar a realização de seus desejos parece uma eternidade, e cada vontade cotidiana vira uma pequena tortura. Algumas pessoas parecem sofrer dessa espécie de precipitação emocional, pois ficam tão apreensivas pelos resultados que atropelam os acontecimentos e criam uma camada extra de confusão. A reatividade é marcada por uma impulsividade cheia de pressa que quer se livrar do desconforto emocional e, para isso, reage rápida e impensadamente diante do comportamento alheio. Existe um padrão de voracidade emocional que a própria pessoa caracteriza como carência, quando na verdade se trata de um impulso constante de apressar os outros a ceder às suas vontades. Pessoas que mudam toda hora de humor levam a fama de bipolares, mas o que acontece é um pingue-pongue de emoções que se alternam de acordo
  • 81. com os fatos. Para terem o que desejam, elas pressionarão até conseguirem o que querem, mesmo deixando um rastro de dor só por quererem chegar rapidamente ao seu paraíso de satisfação e prazer. Quem olha de fora pode achar que são malucas, mas por dentro verá pessoas obcecadas por bem- estar que evitam a todo custo ficar por baixo na situação. Dessa perspectiva, o modus operandi de cada movimento dos outros incita uma ação impensada e carregada de ansiedade ou raiva. É um jogo de poder no qual a pessoa reativa sente que está sempre perdendo um tempo precioso, como se a vida tivesse uma urgência aflitiva. Com isso, parece estar sempre apertando o botão de turbo no carro para insuflar um tom de euforia e bem-estar mesmo em situações dolorosas. Na sua opinião, os velórios deveriam ser rápidos “pra ninguém sofrer tanto”; as conversas burocráticas, encurtadas; os diálogos difíceis, anulados; e qualquer evento que exija tempo e amadurecimento, abreviado. Na tentativa de viver sem problemas, a pessoa reativa atropela quem ama e, apesar de todo relacionamento ser feito de duas vontades, precisa que a sua própria seja soberana. Por isso, o clima na convivência é de certa irritabilidade e urgência para que tudo fique bem o quanto antes, e não existe assunto pendente para o dia seguinte, em especial se for do seu interesse. Inconscientemente há sempre uma expectativa de que a alegria e o prazer (ou pelo menos a ausência de aflição) estejam em alta, por isso o tédio é o inimigo potencial do imediatista. Ele não percebe que sua exigência de euforia ansiosa é resultado de uma anestesia emocional: ao forçar o tempo das relações, acaba perdendo a sensibilidade e achando tudo meio chato. Quando você trombar com uma pessoa queixosa e que estiver reclamando compulsivamente da vida, ela estará falando a partir desse lugar interno de pressa aborrecida. A administração do tempo será uma correria psicológica desenfreada, pois a pessoa vai acordar aflita com a hora de dormir e terá problemas para dormir, angustiada com a hora de acordar. Ela mesma se descreverá como ansiosa, mas esse termo não se refere à psicopatologia, e sim à pressa de se livrar do peso da vida. Quando não tem,
  • 82. quer; e, quando consegue, teme perder. Por isso age de forma emocionalmente instável, pois suas emoções dançam conforme a sua percepção de fracasso e sucesso, cada hora de um jeito. A pessoa imediatista passa boa parte do tempo guiada pelo medo, num impasse entre o que ainda não conseguiu (ansiedade) e a queixa a respeito do que já não conseguiu (ressentimento). Como tem uma reatividade interna contra a dor, frequentemente age como se não fosse dona de seus atos, narrando a si mesma como vítima dos acontecimentos e de uma conspiração. Sua infelicidade é culpa da oposição, dos inimigos, de poderes demoníacos ou de pessoas que não querem o seu bem. Essa falta de protagonismo misturada com a pressa pela solução dos problemas deixa o imediatista muito vulnerável à ideia de sorte, destino e forças ocultas que venham inter-ferir a seu favor. TRAÇO 3: Descontrole emocional “As emoções me dominam” Não se passava um dia sem que Ana debatesse consigo mesma ou com alguém de sua família. Sobrava até para a mesa, se trombasse com o seu pé. Ela era possuída por um tipo de ardor tão intenso e brutal que facilmente se via brigando com uma pessoa querida para logo em seguida cair em arrependimento e lágrimas. Então começava um novo ciclo de tranquilidade, acúmulo de tensão, nova explosão e sentimentos inconsoláveis de remorso. Por outro lado, Alex era uma pessoa muito racional, tão analítica que mal se lembrava de quando tinha sido a última vez que se afetara por algo importante, mesmo com a recente morte do pai. Essa aparente desconexão
  • 83. dos afetos fazia com que ele “sentisse” a vida mais distante, fria e sem sentido. Na prática, isso também ocasionou dois divórcios, filhos distantes e problemas profissionais devido à impessoalidade na liderança e ao seu temperamento pouco humano. Característica central: descontrole emocional. O que uma pessoa raivosa tem em comum com outra que é fria e aparentemente desconectada? Ambas são dominadas por extremos emocionais e agem de forma desadaptada e desproporcional aos acontecimentos por estarem tomadas por esse tipo de viés psicológico. Nossa cultura tem uma visão estereotipada de uma pessoa emocionalmente descontrolada: logo nos vem à mente a imagem de uma fúria enlouquecida ou de um tipo de dramaticidade exagerada. Quase nunca pensamos na pessoa descontrolada com uma atitude fria ou até apática. Porém, a verdade é que o descontrole emocional é uma posição psicológica que faz a pessoa ser possuída por uma emoção específica que controla sua maneira de interpretar o mundo e se relacionar com as pessoas, como um vício mental dominante. No livro A linguagem das emoções, Paul Ekman – psicólogo especialista em estudos sobre expressões faciais e emoções – descreve esse estado em que estamos presos a uma emoção como (grifo meu) um “período refratário”, durante o qual só podemos lembrar informações que se encaixam na emoção; só podemos interpretar os outros de uma maneira que se encaixe na emoção. Frequentemente, um período refratário é de curta duração e, quando é assim, pode ser útil, concentrando nossa atenção. Para o humor, um período refratário pode durar um dia inteiro e, durante todo esse tempo, estamos interpretando mal o mundo. Não temos acesso a tudo o que sabemos, apenas ao que se adapta ao nosso humor.
  • 84. O descontrole emocional não é apenas alguém falando com as paredes, mas é a submissão psicológica a um tipo específico de emoção (ou combinações delas) a tal ponto que a pessoa não vê mais nada que discorde desse colorido específico. Se está com raiva, tudo é uma ameaça que deve ser combatida, e nenhum argumento diferente disso parece ser razoável. Existem ainda dois aspectos que precisamos considerar quando falamos de descontrole emocional: a lente que colocamos e a profundidade que ela adota. LENTE Uma pessoa descontrolada de tristeza ou de medo pode até aparentar estar sob controle, simplesmente porque achamos que o descontrole emocional é necessariamente aparente e escandaloso como alguém com raiva, que grita loucamente. Todas as emoções que citei no glossário podem nos desequilibrar de alguma forma, sendo isso visível para um observador ou não. Quando a tristeza domina, o desequilíbrio pode aparecer em forma de melancolia, lamentação e apatia; quando é a alegria, pode surgir um comportamento energizante ou inconveniente; quando o desprezo domina, pode ocorrer uma repugnância e evitação crônica. Se uma pessoa tem um comportamento difícil ou problemático, é possível que tenha um desequilíbrio emocional, usando uma lente específica que domina a sua forma de ver o mundo e a si mesma e de se relacionar com os outros. Uma pessoa dominada pelo medo, por exemplo, pode chegar a extremos tão grandes que adota uma posição essencialmente racionalizadora e evitativa: não entra na arena das emoções e dos conflitos cotidianos para não ser
  • 85. tocada pela trama complicada da intimidade. Há certa obsessão estereotipada na sua forma de viver, tudo para evitar lidar com emoções ameaçadoras; seu foco gira em torno de controle, razão e produtividade, com o objetivo de manter o distanciamento emocional. A lenta desconexão com os afetos vai fazendo a pessoa perder o acesso aos seus valores mais profundos e se prender a uma moralidade rígida, pois, quando alguém perde a capacidade de avaliar emocionalmente um impasse moral caso a caso, pode criar um código de conduta rígido para escapar da ambiguidade moral cotidiana. Nessa busca perfeccionista, pode cair num tipo de intransigência com as próprias falhas e com os erros dos outros. A tentativa de compreender racionalmente todas as camadas da realidade é um objetivo constante e certamente perturba suas relações, afinal demonstra frieza pessoal quando o assunto são os sentimentos. Seu prazer no campo da imaginação costuma superar a própria satisfação na execução; a expectativa da festa é melhor do que a festa em si. Sentimentos, afetos, impulsos e desejos são “coisas ameaçadoras”, por isso a pessoa racional evita surpresas ou imprevistos para não ser flagrada em demonstração de emotividade e vulnerabilidade. Por conta da teimosia orgulhosamente chamada de “foco e resultado”, acaba fechando-se em seu mundo de sistemas e fórmulas pessoais. Até as novidades perturbam o seu desejo por uma ordem preestabelecida. Os relacionamentos pessoais são um desafio quase impossível para a pessoa dominada pelo medo, já que manter cada palavra, intenção e emoção sob controle já é torturante, ainda mais quando esse desejo estende-se aos outros. Não é incomum que ela tenha uma noção polarizada do que é errado, correto, pecado, salvação, bem, mal, que a levará a desgastar a interação social. Essa supressão dos afetos parece uma vantagem estratégica, mas na prática se torna um mecanismo de anestesia e tédio em relação ao mundo que impede a pessoa de se alegrar genuinamente com a vida e os acontecimentos.
  • 86. A lente emocional que o descontrole adota determina um padrão de reação que deixa a pessoa com a visão ofuscada e incapaz de agir com clareza, por isso costumamos pedir a ela que se acalme e pense direito, mas, se ela já tem o hábito enraizado de apelar para um tipo de emoção específica, provavelmente será bem difícil dissuadi-la de sua teimosia. PROFUNDIDADE Uma emoção pode ser passageira ou duradoura, também aguda ou amena. Em seu curso natural, ela surge, passa o recado e vai embora, mas, se ganha reforço, eco e incentivo, pode permanecer em ondas e ciclos que se instalam como comportamento padrão. A emoção pode aparecer com alta carga de intensidade e ofuscar a nossa forma de pensar ou pode ser mais constante, branda e desgastante, como acontece com a angústia. Uma pessoa dramática, por exemplo, costuma oscilar entre encantamento, tristeza, raiva e afetuosidade excessiva. Esse último estado surge da tendência a exagerar os afetos e navegar por paisagens pouco profundas da convivência humana. Você já deve ter conhecido uma pessoa imaginativa e impressionável (do tipo que se assusta com os próprios pensamentos), com a autoestima oscilando ao sabor dos acontecimentos, relativamente insegura (a ponto de não colocar limites para as outras pessoas) e variando entre uma postura esperançosa-ingênua e amargurada-pessimista. No cotidiano, essa pessoa parece carregar uma carência que a faz demandar muito das pessoas, se submeter a relacionamentos ruins e flertar constantemente com o sentimento de rejeição. É um pouco sonhadora e idealista, e não raramente procura respostas mágicas para a vida (o que a faz ser vulnerável para o obscurantismo ou seitas estranhas). Às vezes essa pessoa parece ter dificuldade de se firmar profissionalmente por se afetar muito com as pressões do ambiente corporativo. Como a sua capacidade de atenção se guia por emoções entusiasmantes, acaba
  • 87. entediando-se rápido, tendo muita iniciativa e dificuldade de concluir seus projetos. Seu senso de utilidade é quase sempre afetado por influências externas, pois se deixa levar pela opinião dos outros com facilidade. Esse traço psicológico de descontrole é provavelmente o maior alvo de rejeição quando pensamos numa pessoa imatura; o descontrolado é alguém que ninguém leva muito a sério, por parecer instável e pouco confiável. TRAÇO 4: Jogos de poder e controle “Faço jogos para controlar os outros” O maior medo de Talita era ficar sozinha, e sua forma de se relacionar era quase predatória. Por conta da boa aparência, sabia encantar os pretendentes, mas tinha dificuldade de sustentar a relação. Seus movimentos eram calculados para se antecipar nas interações, fosse para evitar ficar por baixo, fosse para obter algo que a outra pessoa não queria fazer. Por dentro estava sempre se remoendo e brigando contra o desejo de dizer “eu te amo” no primeiro encontro (sempre achava que o novo pretendente era o amor da sua vida). Cada encontro e microrrelacionamento abria e fechava um ciclo de emoções dramáticas e apocalípticas que virava tema de queixas constantes. Existem pessoas que não se dão conta de sua grande capacidade para movimentar as emoções das outras. Falam, agem e se expressam arrastando todos à sua volta na direção que premeditaram. São especialistas em jogos de controle e provocam nos outros reações que reforçam seu lugar de poder.