SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
Fases e indicadores
 Com o rápido crescimento da população mundial, especialmente
  nos países subdesenvolvidos, estatísticas dão-nos conta que em
  2050 poderemos chegar até 12,5 biliões de habitantes no planeta.

 Apenas pelo conhecimento dos números, já tomamos
  consciência da importância que tem o estudo da população.

 Todavia os números só servem para quantificar e, no caso da
  população humana, diferentemente das populações animais em
  que todos vivem de maneira semelhante, a população mundial
  caracteriza-se pela grande diversidade social.

Vivemos num mundo onde apenas um terço da população desfruta
  das vantagens.
O total de habitantes de um lugar constitui a
  sua população absoluta.
 Assim, podemos dizer que a população absoluta da Terra é
  superior a 5,6 biliões de habitantes.
 Mas para avaliar concretamente a presença humana num
  determinado lugar, utilizamos também o conceito de população
  relativa, que indica a distribuição da população em relação à
  superfície do lugar.
 A população relativa, também chamada de
  densidade demográfica, corresponde ao
  número de habitantes por unidade de área,
  geralmente o quilómetro quadrado.
População absoluta e a população relativa de cada
                 continente.




                 Os dados referentes à população mundial
                 são sempre aproximados
Nos estudos de geografia das populações são muito
  utilizados os conceitos de populoso e povoado.
 Populoso refere se a população absoluta
 Povoado diz respeito à população relativa de um lugar.
 Assim, enquanto a Ásia é o continente mais populoso e
  mais povoado do mundo, a Oceânia é o continente
  menos populoso e menos povoado..
Uma área é considerada superpovoada quando sua população
  ultrapassa um limite acima do qual se torna difícil o aumento da produção de
  recursos para a sua subsistência. Noutras palavras, quando a população é maior
  que os recursos disponíveis.

 Ocorre, contudo, que o ser humano tem uma capacidade incessante de
  produzir os meios necessários à sua sobrevivência. Os povos que conquistaram
  um maior desenvolvimento económico e tecnológico criaram condições para a
  fixação de grandes populações no seu território, o que compreensivelmente não
  é do seu interesse.

 Por outro lado, os povos que vivem em condições de baixa produtividade é
  considerada superpovoada, quando a sua população ultrapassa um limite a
  partir do qual começa a baixar significativamente o nível de vida, prevalecendo
  a fome e a difusão de moléstias infecto-contagiosas. Nas áreas superpovoadas a
  população vive em condições que levam à pobreza absoluta.

 Na índia, considerada um país superpovoado, a densidade demográfica é de
  284 hab./Km2.
 Na Bélgica vivem 330 hab./Km2e mesmo assim esse país não é considerado
  superpovoado  .
No sentido das populações – tanto no âmbito local
  quanto no âmbito mundial –, é necessário utilizar recursos
  numéricos ou dados estatísticos para quantificar os
  fenómenos demográficos, a estrutura e as condições de vida
  do contingente humano.
 Entre esses recursos, destacam-se :
 os indicadores demográficos,
 as pirâmides etárias e
 indicadores sociais.

A partir deles, os governantes e empresários
  desenvolvem políticas sociais e planeiam actividades
  económicas.
 Os principais indicadores demográficos do
 crescimento demográfico são o crescimento
 vegetativo e a imigração

 Por meio desses indicadores, é possível observar a
 dinâmica de uma população: se ela cresceu ou não,
 quantas pessoas nasceram e quantas morreram no
 período em estudo, quantas deixaram o lugar, quantas
 chegaram, etc.
 O crescimento vegetativo é a diferença entre os nascimentos e os
  óbitos, ou seja, entre a taxa de natalidade e a de mortalidade,
  geralmente ele é expresso em percentagem.
 O cálculo do crescimento vegetativo não representa o crescimento real
  de uma população.
 Para verificar o crescimento demográfico de um país, é necessário
  considerar os fluxos de entrada (imigração) e de saída (emigração)
  da população. A ‘fórmula’ do crescimento demográfico (ou total) é
  assim representada:
  Para se ter o total da população de um país no final de um
  determinado ano, é preciso somar a população absoluta (P - total
  de habitantes de um lugar) com o crescimento total (CT) do ano
  em questão.
A taxa de natalidade indica o número de nascimentos ocorridos
anualmente para cada grupo de mil habitantes de um lugar, seja
um país, um estado ou uma cidade
A taxa de mortalidade indica o número de mortes ocorridas
anualmente para cada grupo de mil habitantes de um lugar.

Tanto a mortalidade quanto a natalidade são, portanto, expressas
por mil.

A mortalidade pode ser calculada pela média geral, que considera
todo o conjunto da população, ou por grupos específicos,
delimitados por profissão, faixa de rendimentos ou idade, por
exemplo, resultando no índice de mortalidade diferencial.
 O cálculo da mortalidade diferencial por idade permite a avaliação
da mortalidade infantil, um dos mais importantes indicadores
sociais.
A população mundial tem crescido no decorrer da história em função de
uma maior taxa de natalidade em relação à taxa de mortalidade.

No início da Era Cristã a população humana correspondia a 250 milhões
de habitantes;
Chegou a 500 milhões em 1650;
Atingiu1 bilhão em 1850;
Ultrapassou os 2 biliões em 1950;
Chegou a 5,6 biliões em 1995;
Ultrapassou os 6 biliões de habitantes no final do século XX.

 Esses números mostram que no início a população levou séculos para
duplicar, depois dobrou em duzentos anos, a seguir, dobrou em apenas
cem anos e que triplicou no período de 1950 a 2000.
Analisando a marcha de crescimento populacional, podemos distinguir duas fases:

Crescimento lento: até o séc. XVII, em função da inexistência de condições
sanitárias adequadas, guerras, epidemias, etc., a taxa de mortalidade era elevada;

Crescimento rápido: compreende principalmente, num período mais modesto;
os séculos XVII e XIX e, acentuadamente, na segunda metade do séc. XX, em
função dos avanços científicos e da melhorias das condições higiénico-sanitárias.
Nesse período, o mundo deparou-se com um vertiginoso crescimento populacional,
denominado explosão demográfica.

Esses períodos foram marcados por calorosos debates, que resultaram na
formulação de teorias demográficas
As teorias demográficas

O crescimento acelerado da população, embora tenha
sido um processo mundial, tem-se concentrado
principalmente nos países subdesenvolvidos, onde as
taxas de natalidade são muito altas e as taxas de
mortalidade vem declinando.
Esse crescimento elevado da população tem
promovido profundas discussões e teorias sobre esse
tema desde o século passado
As faixas etárias da população costumam obedecer a um padrão que pode ser expresso em
   gráficos no formato de pirâmides.
Zaire
   A pirâmide populacional do Zaire é representativa do conjunto de países cuja transição
   demográfica está menos avançada.

   Há uma regular e constante ampliação da base, a chamada "pirâmide em forma de guarda-
    sol".

   O ritmo de expansão é elevado: o número de nascimentos nos últimos cinco anos duplicou
    em relação ao de 15 ou 20 anos atrás.

                   O resultado é uma população muito jovem (praticamente 50% da população
                      tem menos de 25 anos) e com um grande potencial de crescimento. Mas é
                        também um obstáculo para uma rápida melhoria das condições de vida,
                       devido ao elevado custo dos serviços sanitários e de educação que devem
                                                               ser oferecidos às novas gerações.
Zaire


        A transição demográfica está
        menos avançada.

        Há uma regular e constante
        ampliação da base, a chamada
        "pirâmide em forma de guarda-
        sol".
Zaire
        O ritmo de expansão é elevado: o
        número de nascimentos nos
        últimos cinco anos duplicou em
        relação ao de 15 ou 20 anos atrás.
Brasil




• A pirâmide brasileira mostra a estrutura da segunda fase da transição
demográfica, na qual o ritmo de crescimento começa a se atenuar.
 A forma é muito parecida à de um triângulo cuja base, ainda que
continue
crescendo, o faz a um ritmo menor que no caso zairense.

• O desequilíbrio entre população jovem e adulta é inferior: no caso
brasileiro, a faixa etária entre 35 e 40 anos apresenta a metade do
número de membros que a dos nascidos nos últimos 5 anos.

• A diminuição no ritmo de crescimento da população está ligada a uma
diminuição da fertilidade e, com ela, das taxas de natalidade.
Apesar disso, quando as novas e numerosas gerações chegarem à idade
reprodutiva, o crescimento populacional continuará em
ascensão até a primeira metade do século XXI.
Brasil




O desequilíbrio entre população
jovem e adulta é inferior: no
caso brasileiro, a faixa etária
entre 35 e 40 anos apresenta a
metade do número de membros
que a dos nascidos nos últimos
5 anos.
Austrália
• A pirâmide australiana corresponde a um país em pleno regime
demográfico moderno.

• Sua forma corresponde ao tipo ogival, com uma reentrância
correspondente aos anos de 1930 e início dos de 1940, seguidos do
baby boom posterior à Segunda Guerra Mundial (nascimentos
após 1945).

• O processo imigratório continuado, até a primeira metade da
década de 1970, mantém o crescimento.

• Depois, entre 1975 e 1990 há uma redução, de modo que a faixa
etária de 0 a 5 anos é tão numerosa quanto a dos nascidos entre
1945 e 1950 (entre 40 e 45 anos).

• O menor número de nascimentos origina um processo de
envelhecimento que se verifica no alargamento da parte superior
da pirâmide.
Austrália




            • O menor número de nascimentos
            origina um processo de
            envelhecimento que se verifica no
            alargamento da parte superior da
            pirâmide.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO MundialDinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO MundialIvonete Leguisaman
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacionalDébora Sales
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundialolatdbm
 
Populacao mundial
Populacao mundialPopulacao mundial
Populacao mundialVirgilio Nt
 
Biologia crescimento demográfico rita e andreia
Biologia crescimento demográfico rita e andreiaBiologia crescimento demográfico rita e andreia
Biologia crescimento demográfico rita e andreiabecresforte
 
Crescimento Populacional - 1EM
Crescimento Populacional - 1EMCrescimento Populacional - 1EM
Crescimento Populacional - 1EMAdemir Aquino
 
Populacao - Aula 01
Populacao - Aula 01Populacao - Aula 01
Populacao - Aula 01ProfGeoJean
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacionalDébora Sales
 
Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas Idalina Leite
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundialflaviocosac
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficosProfessor
 
Estrutura da população 9ano
Estrutura da população 9anoEstrutura da população 9ano
Estrutura da população 9anorsaloes
 
Crescimento da população humana
Crescimento da população humanaCrescimento da população humana
Crescimento da população humanaunesp
 
Dinâmica demográfica
Dinâmica demográficaDinâmica demográfica
Dinâmica demográficanilzatmachado
 
Crescimento Populacionalnomundo
Crescimento PopulacionalnomundoCrescimento Populacionalnomundo
Crescimento Populacionalnomundodebora
 

Mais procurados (20)

DinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO MundialDinãMica De PopulaçãO Mundial
DinãMica De PopulaçãO Mundial
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundial
 
Populacao mundial
Populacao mundialPopulacao mundial
Populacao mundial
 
Biologia crescimento demográfico rita e andreia
Biologia crescimento demográfico rita e andreiaBiologia crescimento demográfico rita e andreia
Biologia crescimento demográfico rita e andreia
 
Crescimento Populacional - 1EM
Crescimento Populacional - 1EMCrescimento Populacional - 1EM
Crescimento Populacional - 1EM
 
População
PopulaçãoPopulação
População
 
Populacao - Aula 01
Populacao - Aula 01Populacao - Aula 01
Populacao - Aula 01
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
 
Demografia mundial
Demografia mundialDemografia mundial
Demografia mundial
 
Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas Crescimento populacional e Políticas demográficas
Crescimento populacional e Políticas demográficas
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
 
Estrutura da população 9ano
Estrutura da população 9anoEstrutura da população 9ano
Estrutura da população 9ano
 
Crescimento da população humana
Crescimento da população humanaCrescimento da população humana
Crescimento da população humana
 
Dinâmica demográfica
Dinâmica demográficaDinâmica demográfica
Dinâmica demográfica
 
População Mundial 2008
População Mundial 2008População Mundial 2008
População Mundial 2008
 
Crescimento Populacionalnomundo
Crescimento PopulacionalnomundoCrescimento Populacionalnomundo
Crescimento Populacionalnomundo
 

Destaque

Cpm 3 ano - geo - urbanização brasileira e rede urbana
Cpm   3 ano - geo - urbanização brasileira e rede urbana Cpm   3 ano - geo - urbanização brasileira e rede urbana
Cpm 3 ano - geo - urbanização brasileira e rede urbana Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
3 ano o espaço urbano do mundo contemporâneo
3 ano o espaço urbano do mundo contemporâneo3 ano o espaço urbano do mundo contemporâneo
3 ano o espaço urbano do mundo contemporâneoGeová da Silva
 
Economia de portugal na atualidade
Economia de portugal na atualidadeEconomia de portugal na atualidade
Economia de portugal na atualidadeTiago Filipe
 
As Políticas Regionais da UE e as Regiões Portuguesas
As Políticas Regionais da UE e as Regiões PortuguesasAs Políticas Regionais da UE e as Regiões Portuguesas
As Políticas Regionais da UE e as Regiões PortuguesasJorge Pereira
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosIan Costansi
 
Problemas urbanos
Problemas urbanosProblemas urbanos
Problemas urbanosKaryn XP
 
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANO
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANOÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANO
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANOLuís Ferreira
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosMarcio Cicchelli
 
Slides população (1)
Slides população (1)Slides população (1)
Slides população (1)terceirob
 
Os problemas urbanos
Os problemas urbanosOs problemas urbanos
Os problemas urbanosPaula Melo
 

Destaque (16)

A comunidade humana
A comunidade humanaA comunidade humana
A comunidade humana
 
As primeiras comunidades
As primeiras comunidadesAs primeiras comunidades
As primeiras comunidades
 
Cpm 3 ano - geo - urbanização brasileira e rede urbana
Cpm   3 ano - geo - urbanização brasileira e rede urbana Cpm   3 ano - geo - urbanização brasileira e rede urbana
Cpm 3 ano - geo - urbanização brasileira e rede urbana
 
3 ano o espaço urbano do mundo contemporâneo
3 ano o espaço urbano do mundo contemporâneo3 ano o espaço urbano do mundo contemporâneo
3 ano o espaço urbano do mundo contemporâneo
 
Reconstrutores urbanos
Reconstrutores urbanosReconstrutores urbanos
Reconstrutores urbanos
 
El mundo esta fragmentado
El mundo esta fragmentadoEl mundo esta fragmentado
El mundo esta fragmentado
 
Economia de portugal na atualidade
Economia de portugal na atualidadeEconomia de portugal na atualidade
Economia de portugal na atualidade
 
As Políticas Regionais da UE e as Regiões Portuguesas
As Políticas Regionais da UE e as Regiões PortuguesasAs Políticas Regionais da UE e as Regiões Portuguesas
As Políticas Regionais da UE e as Regiões Portuguesas
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Problemas urbanos
Problemas urbanosProblemas urbanos
Problemas urbanos
 
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANO
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANOÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANO
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANO
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Slides população (1)
Slides população (1)Slides população (1)
Slides população (1)
 
Urbanização e problemas urbanos
Urbanização e problemas urbanosUrbanização e problemas urbanos
Urbanização e problemas urbanos
 
Os problemas urbanos
Os problemas urbanosOs problemas urbanos
Os problemas urbanos
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
 

Semelhante a Fases e indicadores demográficos

O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosIdalina Leite
 
Populacao teorias
Populacao teoriasPopulacao teorias
Populacao teoriasUFMS
 
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraRansição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraAtividades Diversas Cláudia
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...inessalgado
 
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoCrescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoDébora Sales
 
F:\Crescimento Populacionalnomundo
F:\Crescimento PopulacionalnomundoF:\Crescimento Populacionalnomundo
F:\Crescimento Populacionalnomundoguestbef9ff2
 
Crescimento Populacionalnomundo
Crescimento PopulacionalnomundoCrescimento Populacionalnomundo
Crescimento Populacionalnomundoguestbef9ff2
 
Aula1populaolog 140306142905-phpapp01 (2)
Aula1populaolog 140306142905-phpapp01 (2)Aula1populaolog 140306142905-phpapp01 (2)
Aula1populaolog 140306142905-phpapp01 (2)ivinhapi
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraPedro Neves
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Carson Souza
 
A dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.pptA dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.pptJaneteMaura1
 

Semelhante a Fases e indicadores demográficos (20)

O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Populacao teorias
Populacao teoriasPopulacao teorias
Populacao teorias
 
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileiraRansição demográfica e envelhecimento da população brasileira
Ransição demográfica e envelhecimento da população brasileira
 
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
Evolução das populações: indicadores demográficos; estrutura etária das popul...
 
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoCrescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
 
Quem vive no brasil
Quem vive no brasilQuem vive no brasil
Quem vive no brasil
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
F:\Crescimento Populacionalnomundo
F:\Crescimento PopulacionalnomundoF:\Crescimento Populacionalnomundo
F:\Crescimento Populacionalnomundo
 
Crescimento Populacionalnomundo
Crescimento PopulacionalnomundoCrescimento Populacionalnomundo
Crescimento Populacionalnomundo
 
Aula1populaolog 140306142905-phpapp01 (2)
Aula1populaolog 140306142905-phpapp01 (2)Aula1populaolog 140306142905-phpapp01 (2)
Aula1populaolog 140306142905-phpapp01 (2)
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Aulas 3 e 4 População
Aulas 3 e 4 PopulaçãoAulas 3 e 4 População
Aulas 3 e 4 População
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Aula 7º (cap.4)
Aula 7º (cap.4)Aula 7º (cap.4)
Aula 7º (cap.4)
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.
 
A dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.pptA dinamica populacional brasileira01.ppt
A dinamica populacional brasileira01.ppt
 
2º Va Grupo 8
2º Va   Grupo 82º Va   Grupo 8
2º Va Grupo 8
 

Mais de Pelo Siro

Mais de Pelo Siro (20)

1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas1195593414 substancias quimicas
1195593414 substancias quimicas
 
11955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 111955889 121.derrames 1
11955889 121.derrames 1
 
1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros1196259117 primeiros socorros
1196259117 primeiros socorros
 
1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais1199995673 riscos profissionais
1199995673 riscos profissionais
 
119625756 motsser2
119625756 motsser2119625756 motsser2
119625756 motsser2
 
119999888 revisoes
119999888 revisoes119999888 revisoes
119999888 revisoes
 
119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos119558341 123.avaliacao de_riscos
119558341 123.avaliacao de_riscos
 
2146
21462146
2146
 
2079
20792079
2079
 
2080
20802080
2080
 
2064
20642064
2064
 
2061
20612061
2061
 
2060
20602060
2060
 
2032
20322032
2032
 
2031
20312031
2031
 
2019
20192019
2019
 
2018
20182018
2018
 
2017
20172017
2017
 
2015
20152015
2015
 
2014
20142014
2014
 

Fases e indicadores demográficos

  • 2.  Com o rápido crescimento da população mundial, especialmente nos países subdesenvolvidos, estatísticas dão-nos conta que em 2050 poderemos chegar até 12,5 biliões de habitantes no planeta.  Apenas pelo conhecimento dos números, já tomamos consciência da importância que tem o estudo da população.  Todavia os números só servem para quantificar e, no caso da população humana, diferentemente das populações animais em que todos vivem de maneira semelhante, a população mundial caracteriza-se pela grande diversidade social. Vivemos num mundo onde apenas um terço da população desfruta das vantagens.
  • 3. O total de habitantes de um lugar constitui a sua população absoluta.  Assim, podemos dizer que a população absoluta da Terra é superior a 5,6 biliões de habitantes.  Mas para avaliar concretamente a presença humana num determinado lugar, utilizamos também o conceito de população relativa, que indica a distribuição da população em relação à superfície do lugar.  A população relativa, também chamada de densidade demográfica, corresponde ao número de habitantes por unidade de área, geralmente o quilómetro quadrado.
  • 4. População absoluta e a população relativa de cada continente. Os dados referentes à população mundial são sempre aproximados
  • 5. Nos estudos de geografia das populações são muito utilizados os conceitos de populoso e povoado.  Populoso refere se a população absoluta  Povoado diz respeito à população relativa de um lugar.  Assim, enquanto a Ásia é o continente mais populoso e mais povoado do mundo, a Oceânia é o continente menos populoso e menos povoado..
  • 6. Uma área é considerada superpovoada quando sua população ultrapassa um limite acima do qual se torna difícil o aumento da produção de recursos para a sua subsistência. Noutras palavras, quando a população é maior que os recursos disponíveis.  Ocorre, contudo, que o ser humano tem uma capacidade incessante de produzir os meios necessários à sua sobrevivência. Os povos que conquistaram um maior desenvolvimento económico e tecnológico criaram condições para a fixação de grandes populações no seu território, o que compreensivelmente não é do seu interesse.  Por outro lado, os povos que vivem em condições de baixa produtividade é considerada superpovoada, quando a sua população ultrapassa um limite a partir do qual começa a baixar significativamente o nível de vida, prevalecendo a fome e a difusão de moléstias infecto-contagiosas. Nas áreas superpovoadas a população vive em condições que levam à pobreza absoluta.  Na índia, considerada um país superpovoado, a densidade demográfica é de 284 hab./Km2.  Na Bélgica vivem 330 hab./Km2e mesmo assim esse país não é considerado superpovoado .
  • 7. No sentido das populações – tanto no âmbito local quanto no âmbito mundial –, é necessário utilizar recursos numéricos ou dados estatísticos para quantificar os fenómenos demográficos, a estrutura e as condições de vida do contingente humano.  Entre esses recursos, destacam-se :  os indicadores demográficos,  as pirâmides etárias e  indicadores sociais. A partir deles, os governantes e empresários desenvolvem políticas sociais e planeiam actividades económicas.
  • 8.  Os principais indicadores demográficos do crescimento demográfico são o crescimento vegetativo e a imigração  Por meio desses indicadores, é possível observar a dinâmica de uma população: se ela cresceu ou não, quantas pessoas nasceram e quantas morreram no período em estudo, quantas deixaram o lugar, quantas chegaram, etc.
  • 9.  O crescimento vegetativo é a diferença entre os nascimentos e os óbitos, ou seja, entre a taxa de natalidade e a de mortalidade, geralmente ele é expresso em percentagem.  O cálculo do crescimento vegetativo não representa o crescimento real de uma população.  Para verificar o crescimento demográfico de um país, é necessário considerar os fluxos de entrada (imigração) e de saída (emigração) da população. A ‘fórmula’ do crescimento demográfico (ou total) é assim representada: Para se ter o total da população de um país no final de um determinado ano, é preciso somar a população absoluta (P - total de habitantes de um lugar) com o crescimento total (CT) do ano em questão.
  • 10. A taxa de natalidade indica o número de nascimentos ocorridos anualmente para cada grupo de mil habitantes de um lugar, seja um país, um estado ou uma cidade A taxa de mortalidade indica o número de mortes ocorridas anualmente para cada grupo de mil habitantes de um lugar. Tanto a mortalidade quanto a natalidade são, portanto, expressas por mil. A mortalidade pode ser calculada pela média geral, que considera todo o conjunto da população, ou por grupos específicos, delimitados por profissão, faixa de rendimentos ou idade, por exemplo, resultando no índice de mortalidade diferencial. O cálculo da mortalidade diferencial por idade permite a avaliação da mortalidade infantil, um dos mais importantes indicadores sociais.
  • 11.
  • 12. A população mundial tem crescido no decorrer da história em função de uma maior taxa de natalidade em relação à taxa de mortalidade. No início da Era Cristã a população humana correspondia a 250 milhões de habitantes; Chegou a 500 milhões em 1650; Atingiu1 bilhão em 1850; Ultrapassou os 2 biliões em 1950; Chegou a 5,6 biliões em 1995; Ultrapassou os 6 biliões de habitantes no final do século XX. Esses números mostram que no início a população levou séculos para duplicar, depois dobrou em duzentos anos, a seguir, dobrou em apenas cem anos e que triplicou no período de 1950 a 2000.
  • 13. Analisando a marcha de crescimento populacional, podemos distinguir duas fases: Crescimento lento: até o séc. XVII, em função da inexistência de condições sanitárias adequadas, guerras, epidemias, etc., a taxa de mortalidade era elevada; Crescimento rápido: compreende principalmente, num período mais modesto; os séculos XVII e XIX e, acentuadamente, na segunda metade do séc. XX, em função dos avanços científicos e da melhorias das condições higiénico-sanitárias. Nesse período, o mundo deparou-se com um vertiginoso crescimento populacional, denominado explosão demográfica. Esses períodos foram marcados por calorosos debates, que resultaram na formulação de teorias demográficas
  • 14. As teorias demográficas O crescimento acelerado da população, embora tenha sido um processo mundial, tem-se concentrado principalmente nos países subdesenvolvidos, onde as taxas de natalidade são muito altas e as taxas de mortalidade vem declinando. Esse crescimento elevado da população tem promovido profundas discussões e teorias sobre esse tema desde o século passado
  • 15. As faixas etárias da população costumam obedecer a um padrão que pode ser expresso em gráficos no formato de pirâmides. Zaire A pirâmide populacional do Zaire é representativa do conjunto de países cuja transição demográfica está menos avançada.  Há uma regular e constante ampliação da base, a chamada "pirâmide em forma de guarda- sol".  O ritmo de expansão é elevado: o número de nascimentos nos últimos cinco anos duplicou em relação ao de 15 ou 20 anos atrás. O resultado é uma população muito jovem (praticamente 50% da população tem menos de 25 anos) e com um grande potencial de crescimento. Mas é também um obstáculo para uma rápida melhoria das condições de vida, devido ao elevado custo dos serviços sanitários e de educação que devem ser oferecidos às novas gerações.
  • 16. Zaire A transição demográfica está menos avançada. Há uma regular e constante ampliação da base, a chamada "pirâmide em forma de guarda- sol". Zaire O ritmo de expansão é elevado: o número de nascimentos nos últimos cinco anos duplicou em relação ao de 15 ou 20 anos atrás.
  • 17. Brasil • A pirâmide brasileira mostra a estrutura da segunda fase da transição demográfica, na qual o ritmo de crescimento começa a se atenuar. A forma é muito parecida à de um triângulo cuja base, ainda que continue crescendo, o faz a um ritmo menor que no caso zairense. • O desequilíbrio entre população jovem e adulta é inferior: no caso brasileiro, a faixa etária entre 35 e 40 anos apresenta a metade do número de membros que a dos nascidos nos últimos 5 anos. • A diminuição no ritmo de crescimento da população está ligada a uma diminuição da fertilidade e, com ela, das taxas de natalidade. Apesar disso, quando as novas e numerosas gerações chegarem à idade reprodutiva, o crescimento populacional continuará em ascensão até a primeira metade do século XXI.
  • 18. Brasil O desequilíbrio entre população jovem e adulta é inferior: no caso brasileiro, a faixa etária entre 35 e 40 anos apresenta a metade do número de membros que a dos nascidos nos últimos 5 anos.
  • 19. Austrália • A pirâmide australiana corresponde a um país em pleno regime demográfico moderno. • Sua forma corresponde ao tipo ogival, com uma reentrância correspondente aos anos de 1930 e início dos de 1940, seguidos do baby boom posterior à Segunda Guerra Mundial (nascimentos após 1945). • O processo imigratório continuado, até a primeira metade da década de 1970, mantém o crescimento. • Depois, entre 1975 e 1990 há uma redução, de modo que a faixa etária de 0 a 5 anos é tão numerosa quanto a dos nascidos entre 1945 e 1950 (entre 40 e 45 anos). • O menor número de nascimentos origina um processo de envelhecimento que se verifica no alargamento da parte superior da pirâmide.
  • 20. Austrália • O menor número de nascimentos origina um processo de envelhecimento que se verifica no alargamento da parte superior da pirâmide.