DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA

153 visualizações

Publicada em

O objetivo deste estudo foi avaliar doses de um complexo de antagonistas na incidência e danos de tripes, no índice de clorofila, na produtividade, e nas perdas pós-colheita de cebola. O experimento foi realizado na Epagri, Estação Experimental de Ituporanga, SC. A cultivar utilizada foi a Epagri 362 Crioula Alto Vale. O transplante de mudas foi realizado em 31/08/2012 e a colheita de bulbos realizada em 10/12/2012. Os tratamentos foram pulverizações foliares nas doses de 0,5%, 1% e 2% do complexo de fungos antagonistas Native® composto por Trichoderma spp.; Clonostachys rosea; Bacillus subtilis; Paenibacillus lentimorbus, associados com Mn 2% e Zn 2,2. A incidência, danos de tripes, índice de clorofila e a produtividade de cebola não foram influenciados pelos tratamentos.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
153
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA

  1. 1. Conbraf - Congresso Brasileiro de Fitossanidade, 3, 2015. Águas de Lindóia-SP 11 Organização: Depto. Fitossanidade, UNESP - Câmpus de Jaboticabal. DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA Paulo Antonio de Souza Gonçalves 1 ; Francisco Olmar Gervini de Menezes Júnior 2 1 Eng. Agr. Dr., Epagri, Estação Experimental de Ituporanga-SC, Estrada Geral Lageado Águas Negras, 453, CEP 88400-000,.pasg@epagri.sc.gov.br 2 Eng. Agr. Dr., Epagri, Estação Experimental de Ituporanga-SC, Estrada Geral Lageado Águas Negras, 453, CEP 88400-000, franciscomenezes@epagri.sc.gov.br Resumo - O objetivo deste estudo foi avaliar doses de um complexo de antagonistas na incidência e danos de tripes, no índice de clorofila, na produtividade, e nas perdas pós-colheita de cebola. O experimento foi realizado na Epagri, Estação Experimental de Ituporanga, SC. A cultivar utilizada foi a Epagri 362 Crioula Alto Vale. O transplante de mudas foi realizado em 31/08/2012 e a colheita de bulbos realizada em 10/12/2012. Os tratamentos foram pulverizações foliares nas doses de 0,5%, 1% e 2% do complexo de fungos antagonistas Native® composto por Trichoderma spp.; Clonostachys rosea; Bacillus subtilis; Paenibacillus lentimorbus, associados com Mn 2% e Zn 2,2. A incidência, danos de tripes, índice de clorofila e a produtividade de cebola não foram influenciados pelos tratamentos. Palavras-chave: Allium cepa; Thrips tabaci; controle biológico; indução de resistência. Introdução O tripes, Thrips tabaci Lind. (Thysanoptera: Thripidae), é um dos principais problemas fitossanitários na fase de lavoura em cebola no Brasil com aplicações intensas de inseticidas (GONÇALVES, 2006). Em infestações severas de T. tabaci a planta de cebola danificada apresenta-se de coloração prateada a esbranquiçada, com retorcimento e secamento de folhas, o que origina bulbos de peso e tamanho reduzidos (GONÇALVES, 2006). Os agricultores da região do Alto Vale do Itajaí, Santa Catarina, têm demandado pesquisas que possibilitem a conversão da cultura da cebola para produção orgânica. Porém, entre os principais entraves da adoção deste sistema está o manejo de tripes. Caetano e Medeiros (2002) ressaltaram a importância de triar insumos para uso em agricultura orgânica que sejam seguros ao homem e ambiente; que possam ser utilizados em baixas doses e reduzido número de aplicações. O Bacillus subtilis, tradicionalmente é citado na inibição de fitopatógenos (Chaurasia et al., 2005; Liu et al.,2007). Porém, Obha et al. (1981) citados por Pinto et al. (2010) relataram que também podem produzir a toxina thuringiensina, que atua no controle de insetos. O objetivo deste estudo foi avaliar doses de um complexo de antagonistas e micronutrientes sobre a incidência e dano de tripes, Thrips tabaci Lind. (Thysanoptera: Thripidae), índice de clorofila e produtividade de cebola em sistema de produção orgânico. Material e Métodos O experimento foi conduzido na Epagri, Estação Experimental de Ituporanga, SC. O transplante de mudas de cebola foi realizado em 31/08/2012 e a colheita dos bulbos em 10/12/2012. A cultivar utilizada foi a Epagri 362 Crioula Alto Vale. A adubação foi realizada com 9 t ha -1 de esterco de peru, parcelado em 3 vezes, 1/3 sobre as plantas de cobertura, 1/3 no transplante e 1/3 aos 34 dias após transplante, e 0,6 t ha -1 de fosfato natural de Gafsa® no plantio. O complexo foi o produto comercial Native®. A composição do produto são os antagonistas Trichoderma spp.; Clonostachys rosea; Bacillus subtilis; Paenibacillus lentimorbus, associados com Mn 2% e Zn 2,2%. Os tratamentos foram pulverizações foliares em água com o produto comercial nas doses de 0,5%; 1% e 2% e testemunha sem aplicação. O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso com quatro repetições. As parcelas foram duas linhas de 2 m lineares. A incidência de tripes foi avaliada semanalmente, 24 horas após as pulverizações dos tratamentos, em cinco plantas por parcela experimental, aos 61, 68, 75 e 82 dias após transplante (DAT) através de uma escala de notas. A escala visual adotada foi com as seguintes notas de
  2. 2. Conbraf - Congresso Brasileiro de Fitossanidade, 3, 2015. Águas de Lindóia-SP 12 Organização: Depto. Fitossanidade, UNESP - Câmpus de Jaboticabal. níveis de infestação: 1= baixo; 3= médio e 9= alto. O nível médio de incidência foi estabelecido em foto com 15 ninfas por planta. Os danos de tripes foram avaliados em cinco plantas por parcela no final do ciclo aos 83 DAT com uma escala visual de danos. O índice de clorofila foi determinado com auxílio de um clorofilômetro (Clorofilog-CFL1030 - Falker®) na porção central da primeira folha mais alta totalmente expandida, em dia ensolarado, aos 83 DAT. A produtividade foi avaliada pela colheita de todos os bulbos da área útil. Os bulbos foram considerados comerciais com diâmetro igual ou superior a 50 mm. Os dados foram submetidos à análise de regressão e de variância, para a determinação do modelo de melhor ajuste, com o uso do programa SAS. Resultados e Discussão As notas médias de incidência, danos de tripes, e índice de clorofila, não foram influenciados pelos tratamentos (Tabela 1). Gonçalves et al. (2004), ao avaliarem biofertilizante bovino, que contém o antagonista Bacillus subtilis, zinco e manganês, como no complexo de antagonistas avaliado, também não observaram redução da incidência de tripes e aumentos na produtividade. Portanto, a possibilidade da thuringiensina ser produzida pelo B. subtilis (PINTO et al.,2010) e reduzir a população do inseto não foi observada.O uso de biofertilizante bovino de maneira similar não apresentou efeito significativo sobre danos de tripes e produtividade de cebola (MENEZES Jr, et al. 2013). A produtividade também não foi alterada pelas doses do complexo de antagonistas Native® (Tabela 1). Similarmente Kurtz e Ernani (2010) também observaram que não houve efeito via foliar com 0,5% de sulfato de zinco. Porém, estes autores observaram que Zn aplicado ao solo incrementa produtividade de bulbos de cebola, em doses de 2,7 kg ha -1 a 4,5 kg ha -1 . Estes autores também não observaram efeito de sulfato de manganês 1% aplicado via foliar e doses de até 16 kg ha -1 . A baixa capacidade de absorção de nutrientes pelas folhas da cebola nas doses testadas pode ter sido responsável pela ausência de diferenças de produtividade entre os tratamentos (MENEZES JUNIOR et al., 2013). Tabela 1. Notas médias da incidência e danos de Thrips tabaci por planta, índice de clorofila, produtividade total (PT em t ha -1 ), peso médio de bulbos (PB em g) de cebola tratada com doses do complexo de antagonistas Native®. Epagri, Ituporanga, SC, 2012. Tratamentos Médias Incidência Danos Clorofila PT PB Native® 0,5% 2,4 ns 3,8 ns 71,5 ns 13,2 ns 52,8 ns Native® 1,0% 2,7 3,3 73,4 11,7 46,7 Native® 2,0% 2,5 3,4 72,1 12,6 50,3 Testemunha 3,9 3,4 72,3 14,9 59,8 Média 2,9 3,5 72,3 13,1 52,4 CV (%) 26,5 26,9 3,2 23,9 23,9 ns: resultados não significativos a 5% de probabilidade pelo teste de F. Conclusão O complexo de antagonistas Native® nas doses testadas não influenciou a incidência e danos de tripes, e produtividade de cebola em sistema orgânico. Referências CAETANO, V.R.; MEDEIROS, A.R.M. Desenvolvimento, produção, avaliação e uso de insumos orgânicos. Pelotas: EMBRAPA/CPACT, 2002. 21 p. CHAURASIA, B.; PANDEY, A.; PALNI, L.M.S.; TRIVEDI, P.; KUMAR, B.; COLVIN, N. Diffusible and volatile compounds produced by an antagonistic Bacillus subtilis strain cause structural deformations in pathogenic fungi in vitro. Microbiological research, v.160, n.1, p.75-81, 2005.
  3. 3. Conbraf - Congresso Brasileiro de Fitossanidade, 3, 2015. Águas de Lindóia-SP 13 Organização: Depto. Fitossanidade, UNESP - Câmpus de Jaboticabal. GONÇALVES, P.A.S.; WERNER, H.; DEBARBA. J.F. Avaliação de biofertilizantes, extratos vegetais e diferentes substâncias alternativas no manejo de tripes em cebola em sistema orgânico. Horticultura Brasileira, v.22, n.3, p.659-662, 2004. GONÇALVES, P.A.S. Manejo ecológico das principais pragas da cebola. In: WORDELL FILHO, J.A.; ROWE, E.; GONÇALVES, P.A.S.; DEBARBA, J.F.; BOFF, P.; THOMAZELLI, L.F. Manejo fitossanitário na cultura da cebola. Florianópolis, SC: Epagri, 2006. Cap. 4. p.168-189. KURTZ, C.; ERNANI, P.R. Produtividade de cebola influenciada pela aplicação de micronutrientes. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.34, p.133-142, 2010. LIU, Y.; CHEN, Z.; NG, T. B.; ZHANG, J.; ZHOU, M.; SONG, F.; LU, F.; LIU, Y. Bacisubin, an antifungal protein with ribonuclease and hemagglutinating activities from Bacillus subtilis strain B- 916. Peptides, v.28, n.3, p.553-559, 2007. MENEZES JÚNIOR, F.O.G.; GONÇALVES, P.A.S.; VIEIRA NETO, J. Produtividade, incidência de tripes e perdas pós-colheita da cebola sob adubação orgânica e uso de biofertilizantes. Revista de Ciências Agroveterinárias, v.12, n.3, p.264-270, 2013. PINTO, L.M.N; BERLITZ, D.L; FORTES, R.C.; FIUZA, L.M. Toxinas de Bacillus thuringiensis. Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento, v. 11, n.38, p. 24-31, 2010. SAS INSTITUTE. SAS, versão 6.12. SAS Institute INC. Cary, NC, USA, 1996. 1 CD-ROM.

×