SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
DETERMINAÇÃO DE PERDA DE PRODUTIVIDADE DE GRÃOS NA
CULTURA DA SOJA CAUSADA POR FALHA NA APLICAÇÃO DE
FUNGICIDA NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA
Eggers, Henrique S.1; Jost, Evandro. 2
1Curso de Agronomia, Instituto Federal Farroupilha - Campus São Vicente do Sul;
2Orientador, Engenheiro Agrônomo, Dr., Instituto Federal Farroupilha- Campus São Vicente
do Sul;
INTRODUÇÃO
A cultura da soja está presente em grande parte das propriedades rurais de pequeno,
médio e grande porte, apresentando grande importância no cenário econômico nacional. Entre
os principais fatores que limitam a exploração máxima do potencial de produtividade da soja
estão as doenças, sendo que um grande número causadas por fungos, bactérias, nematoides e
vírus já foram constatadas no Brasil. A ferrugem asiática da soja causada pelo fungo
Phakopsora pachyrhizi, possui alto potencial de dano à cultura, pois pode causar rápido
amarelecimento e queda prematura de folhas, prejudicando a plena formação dos grãos.
(SOARES, et al., 2004). Diversos trabalhos relatam o alto potencial desta doença em
proporcionar reduções de produtividade na cultura da soja. Cunha et al. (2008) observaram
reduções na produtividade de 61%, Prado et al. (2010) de 37%; Christovam et al. (2010) de
49% e Aguiar-Júnior et al. (2011) de 60%. A utilização de cultivares de ciclo precoce e
semeaduras no início da época recomendada, a eliminação de plantas de soja voluntárias e a
ausência de cultivo de soja na entressafra por meio do vazio sanitário, o monitoramento da
lavoura desde o inicio do desenvolvimento da cultura, a utilização de fungicidas no
aparecimento dos sintomas ou preventivamente e a utilização de cultivares com gene de
resistência são medidas de prevenção que devem ser adotadas para a não instalação e
proliferação do patógeno na cultura (EMBRAPA SOJA, 2013). A estratégia de manejo para
este patógeno deve ser iniciada desde os estágios primários (vegetativos) e mantido até os
estágios finais (reprodutivos) da cultivar, pois um ataque do fungo, em qualquer que seja o
estágio ou órgão vegetativo, ocasionará em perda de produtividade. Avaliando uma situação
real de campo, o objetivo deste trabalho foi avaliar a redução da produtividade de grãos na
cultura da soja pela incidência de ferrugem asiática em área onde ocorreu falha de aplicação
de fungicida no controle da doença no início do estádio reprodutivo.
Materiais e métodos
A área onde foram coletados os dados pertence ao setor de agricultura do Instituto
Federal Farroupilha – Campus São Vicente do Sul/RS. A semeadura da soja foi realizada na
data de 28 de janeiro de 2016, em uma área de sucessão com milho silagem. A cultivar
utilizada nesta área foi a BMX Tornado RR (grupo de maturação 6.2 e hábito de crescimento
indeterminado), com população de plantas de 350.000 plantas ha-1, espaçamento entre linhas
de 45 cm e adubação de 300kg/ha da fórmula 0-20-30. Foram realizadas quatro aplicações de
fungicida, sendo duas com o princípio ativo azoxistrobina 300 g/kg + benzovindiflupyr 150
g/kg (nome comercial Elatus) e as outras duas aplicações com princípio ativo trifloxistrobina
150 g/L+ protioconazol 175 g/L (nome comercial Fox). As datas de aplicação e reaplicação
foram determinadas de acordo com as recomendações de efeito do princípio ativo dos
produtos e condições meteorológicas de aplicação, conforme descrito abaixo, sendo utilizado
adjuvantes na mistura de calda de acordo com a descrição da bula para cada produto.
 1ª aplicação realizada no dia 11/03/2016, (azoxistrobina + benzovindiflupyr);
 2ª aplicação realizada no dia 01/04/2016, (azoxistrobina + benzovindiflupyr);
 3ª aplicação realizada no dia 16/04/2016, (trifloxistrobina + protioconazol);
 4ª aplicação realizada no dia 03/05/2016, (trifloxistrobina + protioconazol).
Após o operador utilizar por engano na 2º aplicação de fungicida (florescimento
pleno) a mesma marcação de linha da 1º aplicação, no entanto com pulverizadores de barras
de tamanhos diferentes (1º aplicação = pulverizador com 14 metros de barra; 2º aplicação =
pulverizador com 12 metros de barra) constatou-se uma falha de aplicação entre as linhas de
pulverização de aproximadamente 2 metros de largura, o qual começou a apresentar sintomas
mais severos de ataque da doença. A partir de então, passamos a monitorá-la durante seu
desenvolvimento, sendo que nas 3ª e 4ª aplicações esta faixa recebeu as aplicações de
fungicida normalmente, junto com a área total da lavoura. Antes da colheita da área total,
foram realizadas três amostragens em pontos distintos da área que teve falha na aplicação,
sendo também colhida do lado uma amostra semelhante de área onde ocorreram os
tratamentos de fungicida de forma normal. Foram colhidas duas linhas com 2,5m de
comprimento todas espaçadas em 0,45 m, totalizando uma parcela útil de 2,25 m2. Em cada
amostragem foi realizada a contagem de plantas. A trilha foi realizada com o uso de batedor
tratorizado sendo então determinada impureza e umidade para posterior obtenção das
produtividades extrapoladas para sacas/ha. Também foram determinados em
laboratório o peso de mil sementes para cada amostragem. Os dados foram submetidos ao
teste t a 5% de probabilidade de erro para observar se ocorreu diferença entre as medias
obtidas para população de plantas, rendimento de grãos e peso de mil sementes.
Resultados
A média da população de plantas para aplicação normal de fungicida (337.774
plantas/ha) (Tabela 1) apresentou-se muito próxima da média de população de plantas das
parcelas com falha na 2º aplicação de fungicida (324.441plantas/ha) não apresentado
diferença de médias pelo teste t. Podemos observar que a população de plantas estava um
pouco acima do que é preconizado para o cultivar BMX Tornado RR para esta região de
cultivo (200.000 a 280.000 plantas/ha), o que foi realizado intencionalmente para compensar a
época tardia de semeadura.
Tabela 1. População de plantas, rendimento de grãos e peso de mil sementes (PMS) de soja
submetidas a diferentes números de aplicações de fungicida.
Tratamento
População
(plantas/ha)
Rend.
(sc/ha)
PMS
Aplicação Normal de fungicida 337.774ns 45,64* 152,95*
Falha na 2º aplicação de fungicida 324.441 27,35 124,11
*diferença significativa entre médias pelo teste t a 5% de probabilidade de erro.
ns
diferença não significativa entre médias pelo teste t a 5% de probabilidade de erro.
Com relação a rendimento de grãos, a média das amostragens colhidas com aplicação
normal de fungicida foi de 45,64 sc/ha, contra uma média de 27,35 sc/ha para as amostragens
que foram colhidas na área sem falha na 2º aplicação de fungicida, sendo que as médias
apresentaram diferenças pelo test t a 5% de probabilidade de erro. Esta redução representa
aproximadamente 40% do potencial da lavoura. Este resultado está de acordo com os obtidos
por Cunha et al. (2008) que observou reduções na produtividade de 61%, Prado et al. (2010)
de 37%; Christovam et al. (2010) de 49% e Aguiar-Júnior et al. (2011) de 60%. Com relação
ao peso de mil sementes (PMS) também foi observado diferença significativa entre médias
pelo teste t. Onde ocorreu aplicação normal de fungicida, o PMS foi de 152,95 gramas, sendo
maior que o observado para a média das amostragens com falha na segunda aplicação de
fungicida (124,11 gramas). Esta redução no PMS representa 18,8% de perda em função do
menor enchimento de grão. O restante da perda se da em função principalmente do não
enchimento dos grãos localizados nas vagens da extremidade superior da planta que, em
função da perda de folhas e consequente encurtamento de ciclo não são formados. Os
resultados comprovam os cuidados que temos que ter em relação à aplicação de fungicida,
pois uma aplicação não feita, ou feita com falhas, como foi o ocorrido, acarretará diretamente
no rendimento da cultivar. Depois de o fungo causador da ferrugem asiática colonizar a
planta, é praticamente impossível controlar seu dano mesmo utilizando fungicidas currativos,
e os melhores produtos que existem no mercado. Partindo do princípio que uma aplicação de
fungicida tenha um custo aproximado de duas sacas de soja/ha e a perda observada foi de
18,27 sc /ha, os prejuízos por um descuido na aplicação, bem como a falta de uma aplicação
podem acabar inviabilizando a cultura da soja com relação a receita final obtida.
CONCLUSÃO
Nas condições de cultivo acima descritas a falha de aplicação de fungicida ocasionou
uma perda aproximada de 40% no potencial produtivo da lavoura, sendo o peso de mil
sementes diretamente influenciado pela severidade da doença.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Aguiar-júnior, H.O.; Raetano, C.G.; Prado, E.P.; Dal Pogetto, M.H.F.A.; Christovam, R.S.;
Gimenes, M.J. Adjuvantes e assistência de ar em pulverizador de barras sobre a deposição da
calda e controle de Phakopsora pachyrhizi (Sydow & Sydow) Summa Phytopathologica,
Botucatu, v.37, n.3, p.103-109, 2011.
Christovam, R.S.; Raetano, C.G.; Prado, E.P.; Dal Pogetto, M.H.F.A.; Aguiar-Júnior, H.O.;
Gimenes, M.J.; Serra, M.E. Airassistance and low volume application to control of Asian rust
on soybean crop. Journal of Plant Protection Research, Poznan, v.50, n.3, p.354-359, 2010.
Cunha, J.P.A.R.; Moura, E.A.C.; Silva Júnior, J.; Zago, F.A.; Juliatti, F.C. Efeito de pontas de
pulverização no controle químico da ferrugem da soja. Engenharia Agrícola, Jaboticabal,
v.28, n.2, p.283-291, 2008.
Prado, E.P.; Raetano, C.G.; Aguiar Júnior, H.O.; Dal Pogetto, M.H.F.A.; Christovam, R.S.;
Gimenes, M.J.; Araújo, D. Velocidade do ar em barra de pulverização na deposição da calda
fungicida, severidade da ferrugem asiática e produtividade da soja. Summa
Phytopathologica, Botucatu, v.36, n.1, p.45-50, 2010.
SOARES, R.M.; LIBRELOTTO, S.A.; WIELEWICKI, A.P; OZELAME, J.G. Fungicidas no
controle da ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi) e produtividade da soja disponível em:
Ciência Rural, v.34, n.4, p. 1245, agosto de 2004.
Tecnologias de produção de soja – Região Central do Brasil 2014. – Londrina: Embrapa Soja,
2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bases Ecotoxicológicas para o Manejo da Resistência a Inseticidas
Bases Ecotoxicológicas para o Manejo da Resistência a InseticidasBases Ecotoxicológicas para o Manejo da Resistência a Inseticidas
Bases Ecotoxicológicas para o Manejo da Resistência a InseticidasIRAC-BR
 
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilCultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilIRAC-BR
 
Glifosato e Paraquat: Dinâmica Solo e Planta
Glifosato e Paraquat: Dinâmica Solo e PlantaGlifosato e Paraquat: Dinâmica Solo e Planta
Glifosato e Paraquat: Dinâmica Solo e PlantaGeagra UFG
 
20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de nSandro Marcelo de Caires
 
Apresentação cafe 2012-nematoides controle alternativo
Apresentação cafe 2012-nematoides controle alternativoApresentação cafe 2012-nematoides controle alternativo
Apresentação cafe 2012-nematoides controle alternativoRevista Cafeicultura
 
Soja convencional x transgênica e microrganismos do solo
Soja convencional x transgênica e microrganismos do soloSoja convencional x transgênica e microrganismos do solo
Soja convencional x transgênica e microrganismos do soloRural Pecuária
 
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...Oxya Agro e Biociências
 
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Manejo de Pragas do Girassol
Manejo de Pragas do GirassolManejo de Pragas do Girassol
Manejo de Pragas do GirassolGeagra UFG
 
Controle de sclerotinia sclerotiorum com o circular técnica - 81 (embrapa -...
Controle de sclerotinia sclerotiorum com o   circular técnica - 81 (embrapa -...Controle de sclerotinia sclerotiorum com o   circular técnica - 81 (embrapa -...
Controle de sclerotinia sclerotiorum com o circular técnica - 81 (embrapa -...Ederson Antonio
 
Boletim Tecnico Fascinate- Luciano
Boletim Tecnico Fascinate- LucianoBoletim Tecnico Fascinate- Luciano
Boletim Tecnico Fascinate- LucianoUPL
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroGeagra UFG
 
Efeito de fungicidas utilizados no controle de brusone e mancha de grãos em o...
Efeito de fungicidas utilizados no controle de brusone e mancha de grãos em o...Efeito de fungicidas utilizados no controle de brusone e mancha de grãos em o...
Efeito de fungicidas utilizados no controle de brusone e mancha de grãos em o...Thiago Pinheiro
 
Manejo de Plantas Daninhas 2ª Safra
Manejo de Plantas Daninhas 2ª Safra Manejo de Plantas Daninhas 2ª Safra
Manejo de Plantas Daninhas 2ª Safra Geagra UFG
 
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BREstratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BRIRAC-BR
 

Mais procurados (19)

Bases Ecotoxicológicas para o Manejo da Resistência a Inseticidas
Bases Ecotoxicológicas para o Manejo da Resistência a InseticidasBases Ecotoxicológicas para o Manejo da Resistência a Inseticidas
Bases Ecotoxicológicas para o Manejo da Resistência a Inseticidas
 
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do BrasilCultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
Cultivos agrícolas, pragas e seu manejo no Sul do Brasil
 
Glifosato e Paraquat: Dinâmica Solo e Planta
Glifosato e Paraquat: Dinâmica Solo e PlantaGlifosato e Paraquat: Dinâmica Solo e Planta
Glifosato e Paraquat: Dinâmica Solo e Planta
 
Parte 1 - Palestra CAF
Parte 1 - Palestra CAFParte 1 - Palestra CAF
Parte 1 - Palestra CAF
 
20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n
 
Apresentação cafe 2012-nematoides controle alternativo
Apresentação cafe 2012-nematoides controle alternativoApresentação cafe 2012-nematoides controle alternativo
Apresentação cafe 2012-nematoides controle alternativo
 
Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Artigo bioterra v1_n1_2019_08Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Artigo bioterra v1_n1_2019_08
 
Soja convencional x transgênica e microrganismos do solo
Soja convencional x transgênica e microrganismos do soloSoja convencional x transgênica e microrganismos do solo
Soja convencional x transgênica e microrganismos do solo
 
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...
III WSF, Campinas – Adeney de Freitas Bueno - Manejo do complexo de lagartas ...
 
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
 
Manejo de Pragas do Girassol
Manejo de Pragas do GirassolManejo de Pragas do Girassol
Manejo de Pragas do Girassol
 
Controle de sclerotinia sclerotiorum com o circular técnica - 81 (embrapa -...
Controle de sclerotinia sclerotiorum com o   circular técnica - 81 (embrapa -...Controle de sclerotinia sclerotiorum com o   circular técnica - 81 (embrapa -...
Controle de sclerotinia sclerotiorum com o circular técnica - 81 (embrapa -...
 
Aula2005(2)
Aula2005(2)Aula2005(2)
Aula2005(2)
 
Boletim Tecnico Fascinate- Luciano
Boletim Tecnico Fascinate- LucianoBoletim Tecnico Fascinate- Luciano
Boletim Tecnico Fascinate- Luciano
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Efeito de fungicidas utilizados no controle de brusone e mancha de grãos em o...
Efeito de fungicidas utilizados no controle de brusone e mancha de grãos em o...Efeito de fungicidas utilizados no controle de brusone e mancha de grãos em o...
Efeito de fungicidas utilizados no controle de brusone e mancha de grãos em o...
 
Manejo de Plantas Daninhas 2ª Safra
Manejo de Plantas Daninhas 2ª Safra Manejo de Plantas Daninhas 2ª Safra
Manejo de Plantas Daninhas 2ª Safra
 
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
Efeito de terra de diatomáceas e óleo essencial de citronela, Cymbopogon nard...
 
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BREstratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
Estratégias de Manejo da Resistência de Insetos – IRAC-BR
 

Semelhante a Perda de produtividade de soja por falha na aplicação de fungicida contra ferrugem asiática

Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito naSeveridade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito naLeandro Almeida
 
Uso de Misturas de Agrotóxicos na Agricultura e Suas Implicações Toxicológica...
Uso de Misturas de Agrotóxicos na Agricultura e Suas Implicações Toxicológica...Uso de Misturas de Agrotóxicos na Agricultura e Suas Implicações Toxicológica...
Uso de Misturas de Agrotóxicos na Agricultura e Suas Implicações Toxicológica...João Siqueira da Mata
 
Mip soja percevejo marrom
Mip soja   percevejo marromMip soja   percevejo marrom
Mip soja percevejo marromEdiney Dias
 
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiroNovas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiroRural Pecuária
 
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLADOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLAPaulo Antonio de Souza Gonçalves
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...Ana Aguiar
 
Avaliação do extrato de quitosana no manejo de tripes, Thrips tabaci, míldio,...
Avaliação do extrato de quitosana no manejo de tripes, Thrips tabaci, míldio,...Avaliação do extrato de quitosana no manejo de tripes, Thrips tabaci, míldio,...
Avaliação do extrato de quitosana no manejo de tripes, Thrips tabaci, míldio,...Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Preparados homeopáticos de Natrum muriaticum e calcário de conchas no manejo ...
Preparados homeopáticos de Natrum muriaticum e calcário de conchas no manejo ...Preparados homeopáticos de Natrum muriaticum e calcário de conchas no manejo ...
Preparados homeopáticos de Natrum muriaticum e calcário de conchas no manejo ...Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerradoManejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerradodaviagr
 
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoErradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoCristiane Assis
 
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 

Semelhante a Perda de produtividade de soja por falha na aplicação de fungicida contra ferrugem asiática (20)

Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito naSeveridade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
 
Uso de Misturas de Agrotóxicos na Agricultura e Suas Implicações Toxicológica...
Uso de Misturas de Agrotóxicos na Agricultura e Suas Implicações Toxicológica...Uso de Misturas de Agrotóxicos na Agricultura e Suas Implicações Toxicológica...
Uso de Misturas de Agrotóxicos na Agricultura e Suas Implicações Toxicológica...
 
ze
zeze
ze
 
Mip soja percevejo marrom
Mip soja   percevejo marromMip soja   percevejo marrom
Mip soja percevejo marrom
 
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiroNovas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
Novas técnicas recomendadas no manejo de doenças do maracujazeiro
 
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLADOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
 
Doenças do milho
Doenças do milhoDoenças do milho
Doenças do milho
 
Nyre boone
Nyre booneNyre boone
Nyre boone
 
Nyre boone
Nyre booneNyre boone
Nyre boone
 
Parte 5 - Palestra CAF
Parte 5 - Palestra CAFParte 5 - Palestra CAF
Parte 5 - Palestra CAF
 
Avaliação do extrato de quitosana no manejo de tripes, Thrips tabaci, míldio,...
Avaliação do extrato de quitosana no manejo de tripes, Thrips tabaci, míldio,...Avaliação do extrato de quitosana no manejo de tripes, Thrips tabaci, míldio,...
Avaliação do extrato de quitosana no manejo de tripes, Thrips tabaci, míldio,...
 
Preparados homeopáticos de Natrum muriaticum e calcário de conchas no manejo ...
Preparados homeopáticos de Natrum muriaticum e calcário de conchas no manejo ...Preparados homeopáticos de Natrum muriaticum e calcário de conchas no manejo ...
Preparados homeopáticos de Natrum muriaticum e calcário de conchas no manejo ...
 
Contiero_2018.pdf
Contiero_2018.pdfContiero_2018.pdf
Contiero_2018.pdf
 
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerradoManejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
 
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoErradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
 
Tripes em cebola: cuidados no manejo
Tripes em cebola: cuidados no manejoTripes em cebola: cuidados no manejo
Tripes em cebola: cuidados no manejo
 
abc23
abc23abc23
abc23
 
Circulartecnica 73
Circulartecnica 73Circulartecnica 73
Circulartecnica 73
 
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010
 

Último

Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS HIB (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS HIB (1).pdfSelling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS HIB (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS HIB (1).pdfmaanuarruda
 
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS VJ (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS VJ (1).pdfSelling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS VJ (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS VJ (1).pdfmaanuarruda
 
AULA_02_-_SISTEMA_DE_NUMERACAO2023/2.pdf
AULA_02_-_SISTEMA_DE_NUMERACAO2023/2.pdfAULA_02_-_SISTEMA_DE_NUMERACAO2023/2.pdf
AULA_02_-_SISTEMA_DE_NUMERACAO2023/2.pdfhistonfilho
 
Relatório de Gestão 2022-2023 Intra Leste Nordeste
Relatório de Gestão 2022-2023 Intra Leste NordesteRelatório de Gestão 2022-2023 Intra Leste Nordeste
Relatório de Gestão 2022-2023 Intra Leste NordesteDaniloMatos36
 
EM-3ª-SERIE-SLIDE-DE-BIOLOGIA-os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelian...
EM-3ª-SERIE-SLIDE-DE-BIOLOGIA-os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelian...EM-3ª-SERIE-SLIDE-DE-BIOLOGIA-os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelian...
EM-3ª-SERIE-SLIDE-DE-BIOLOGIA-os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelian...9z64mgz4kf
 
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS TD (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS TD (1).pdfSelling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS TD (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS TD (1).pdfmaanuarruda
 

Último (6)

Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS HIB (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS HIB (1).pdfSelling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS HIB (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS HIB (1).pdf
 
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS VJ (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS VJ (1).pdfSelling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS VJ (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS VJ (1).pdf
 
AULA_02_-_SISTEMA_DE_NUMERACAO2023/2.pdf
AULA_02_-_SISTEMA_DE_NUMERACAO2023/2.pdfAULA_02_-_SISTEMA_DE_NUMERACAO2023/2.pdf
AULA_02_-_SISTEMA_DE_NUMERACAO2023/2.pdf
 
Relatório de Gestão 2022-2023 Intra Leste Nordeste
Relatório de Gestão 2022-2023 Intra Leste NordesteRelatório de Gestão 2022-2023 Intra Leste Nordeste
Relatório de Gestão 2022-2023 Intra Leste Nordeste
 
EM-3ª-SERIE-SLIDE-DE-BIOLOGIA-os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelian...
EM-3ª-SERIE-SLIDE-DE-BIOLOGIA-os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelian...EM-3ª-SERIE-SLIDE-DE-BIOLOGIA-os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelian...
EM-3ª-SERIE-SLIDE-DE-BIOLOGIA-os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelian...
 
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS TD (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS TD (1).pdfSelling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS TD (1).pdf
Selling Story Max Excellence DIS - Q2'24 DIS TD (1).pdf
 

Perda de produtividade de soja por falha na aplicação de fungicida contra ferrugem asiática

  • 1. DETERMINAÇÃO DE PERDA DE PRODUTIVIDADE DE GRÃOS NA CULTURA DA SOJA CAUSADA POR FALHA NA APLICAÇÃO DE FUNGICIDA NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA Eggers, Henrique S.1; Jost, Evandro. 2 1Curso de Agronomia, Instituto Federal Farroupilha - Campus São Vicente do Sul; 2Orientador, Engenheiro Agrônomo, Dr., Instituto Federal Farroupilha- Campus São Vicente do Sul; INTRODUÇÃO A cultura da soja está presente em grande parte das propriedades rurais de pequeno, médio e grande porte, apresentando grande importância no cenário econômico nacional. Entre os principais fatores que limitam a exploração máxima do potencial de produtividade da soja estão as doenças, sendo que um grande número causadas por fungos, bactérias, nematoides e vírus já foram constatadas no Brasil. A ferrugem asiática da soja causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi, possui alto potencial de dano à cultura, pois pode causar rápido amarelecimento e queda prematura de folhas, prejudicando a plena formação dos grãos. (SOARES, et al., 2004). Diversos trabalhos relatam o alto potencial desta doença em proporcionar reduções de produtividade na cultura da soja. Cunha et al. (2008) observaram reduções na produtividade de 61%, Prado et al. (2010) de 37%; Christovam et al. (2010) de 49% e Aguiar-Júnior et al. (2011) de 60%. A utilização de cultivares de ciclo precoce e semeaduras no início da época recomendada, a eliminação de plantas de soja voluntárias e a ausência de cultivo de soja na entressafra por meio do vazio sanitário, o monitoramento da lavoura desde o inicio do desenvolvimento da cultura, a utilização de fungicidas no aparecimento dos sintomas ou preventivamente e a utilização de cultivares com gene de resistência são medidas de prevenção que devem ser adotadas para a não instalação e proliferação do patógeno na cultura (EMBRAPA SOJA, 2013). A estratégia de manejo para este patógeno deve ser iniciada desde os estágios primários (vegetativos) e mantido até os estágios finais (reprodutivos) da cultivar, pois um ataque do fungo, em qualquer que seja o estágio ou órgão vegetativo, ocasionará em perda de produtividade. Avaliando uma situação real de campo, o objetivo deste trabalho foi avaliar a redução da produtividade de grãos na cultura da soja pela incidência de ferrugem asiática em área onde ocorreu falha de aplicação de fungicida no controle da doença no início do estádio reprodutivo. Materiais e métodos
  • 2. A área onde foram coletados os dados pertence ao setor de agricultura do Instituto Federal Farroupilha – Campus São Vicente do Sul/RS. A semeadura da soja foi realizada na data de 28 de janeiro de 2016, em uma área de sucessão com milho silagem. A cultivar utilizada nesta área foi a BMX Tornado RR (grupo de maturação 6.2 e hábito de crescimento indeterminado), com população de plantas de 350.000 plantas ha-1, espaçamento entre linhas de 45 cm e adubação de 300kg/ha da fórmula 0-20-30. Foram realizadas quatro aplicações de fungicida, sendo duas com o princípio ativo azoxistrobina 300 g/kg + benzovindiflupyr 150 g/kg (nome comercial Elatus) e as outras duas aplicações com princípio ativo trifloxistrobina 150 g/L+ protioconazol 175 g/L (nome comercial Fox). As datas de aplicação e reaplicação foram determinadas de acordo com as recomendações de efeito do princípio ativo dos produtos e condições meteorológicas de aplicação, conforme descrito abaixo, sendo utilizado adjuvantes na mistura de calda de acordo com a descrição da bula para cada produto.  1ª aplicação realizada no dia 11/03/2016, (azoxistrobina + benzovindiflupyr);  2ª aplicação realizada no dia 01/04/2016, (azoxistrobina + benzovindiflupyr);  3ª aplicação realizada no dia 16/04/2016, (trifloxistrobina + protioconazol);  4ª aplicação realizada no dia 03/05/2016, (trifloxistrobina + protioconazol). Após o operador utilizar por engano na 2º aplicação de fungicida (florescimento pleno) a mesma marcação de linha da 1º aplicação, no entanto com pulverizadores de barras de tamanhos diferentes (1º aplicação = pulverizador com 14 metros de barra; 2º aplicação = pulverizador com 12 metros de barra) constatou-se uma falha de aplicação entre as linhas de pulverização de aproximadamente 2 metros de largura, o qual começou a apresentar sintomas mais severos de ataque da doença. A partir de então, passamos a monitorá-la durante seu desenvolvimento, sendo que nas 3ª e 4ª aplicações esta faixa recebeu as aplicações de fungicida normalmente, junto com a área total da lavoura. Antes da colheita da área total, foram realizadas três amostragens em pontos distintos da área que teve falha na aplicação, sendo também colhida do lado uma amostra semelhante de área onde ocorreram os tratamentos de fungicida de forma normal. Foram colhidas duas linhas com 2,5m de comprimento todas espaçadas em 0,45 m, totalizando uma parcela útil de 2,25 m2. Em cada amostragem foi realizada a contagem de plantas. A trilha foi realizada com o uso de batedor tratorizado sendo então determinada impureza e umidade para posterior obtenção das produtividades extrapoladas para sacas/ha. Também foram determinados em laboratório o peso de mil sementes para cada amostragem. Os dados foram submetidos ao teste t a 5% de probabilidade de erro para observar se ocorreu diferença entre as medias obtidas para população de plantas, rendimento de grãos e peso de mil sementes. Resultados A média da população de plantas para aplicação normal de fungicida (337.774 plantas/ha) (Tabela 1) apresentou-se muito próxima da média de população de plantas das parcelas com falha na 2º aplicação de fungicida (324.441plantas/ha) não apresentado diferença de médias pelo teste t. Podemos observar que a população de plantas estava um pouco acima do que é preconizado para o cultivar BMX Tornado RR para esta região de
  • 3. cultivo (200.000 a 280.000 plantas/ha), o que foi realizado intencionalmente para compensar a época tardia de semeadura. Tabela 1. População de plantas, rendimento de grãos e peso de mil sementes (PMS) de soja submetidas a diferentes números de aplicações de fungicida. Tratamento População (plantas/ha) Rend. (sc/ha) PMS Aplicação Normal de fungicida 337.774ns 45,64* 152,95* Falha na 2º aplicação de fungicida 324.441 27,35 124,11 *diferença significativa entre médias pelo teste t a 5% de probabilidade de erro. ns diferença não significativa entre médias pelo teste t a 5% de probabilidade de erro. Com relação a rendimento de grãos, a média das amostragens colhidas com aplicação normal de fungicida foi de 45,64 sc/ha, contra uma média de 27,35 sc/ha para as amostragens que foram colhidas na área sem falha na 2º aplicação de fungicida, sendo que as médias apresentaram diferenças pelo test t a 5% de probabilidade de erro. Esta redução representa aproximadamente 40% do potencial da lavoura. Este resultado está de acordo com os obtidos por Cunha et al. (2008) que observou reduções na produtividade de 61%, Prado et al. (2010) de 37%; Christovam et al. (2010) de 49% e Aguiar-Júnior et al. (2011) de 60%. Com relação ao peso de mil sementes (PMS) também foi observado diferença significativa entre médias pelo teste t. Onde ocorreu aplicação normal de fungicida, o PMS foi de 152,95 gramas, sendo maior que o observado para a média das amostragens com falha na segunda aplicação de fungicida (124,11 gramas). Esta redução no PMS representa 18,8% de perda em função do menor enchimento de grão. O restante da perda se da em função principalmente do não enchimento dos grãos localizados nas vagens da extremidade superior da planta que, em função da perda de folhas e consequente encurtamento de ciclo não são formados. Os resultados comprovam os cuidados que temos que ter em relação à aplicação de fungicida, pois uma aplicação não feita, ou feita com falhas, como foi o ocorrido, acarretará diretamente no rendimento da cultivar. Depois de o fungo causador da ferrugem asiática colonizar a planta, é praticamente impossível controlar seu dano mesmo utilizando fungicidas currativos, e os melhores produtos que existem no mercado. Partindo do princípio que uma aplicação de fungicida tenha um custo aproximado de duas sacas de soja/ha e a perda observada foi de 18,27 sc /ha, os prejuízos por um descuido na aplicação, bem como a falta de uma aplicação podem acabar inviabilizando a cultura da soja com relação a receita final obtida. CONCLUSÃO Nas condições de cultivo acima descritas a falha de aplicação de fungicida ocasionou uma perda aproximada de 40% no potencial produtivo da lavoura, sendo o peso de mil sementes diretamente influenciado pela severidade da doença.
  • 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Aguiar-júnior, H.O.; Raetano, C.G.; Prado, E.P.; Dal Pogetto, M.H.F.A.; Christovam, R.S.; Gimenes, M.J. Adjuvantes e assistência de ar em pulverizador de barras sobre a deposição da calda e controle de Phakopsora pachyrhizi (Sydow & Sydow) Summa Phytopathologica, Botucatu, v.37, n.3, p.103-109, 2011. Christovam, R.S.; Raetano, C.G.; Prado, E.P.; Dal Pogetto, M.H.F.A.; Aguiar-Júnior, H.O.; Gimenes, M.J.; Serra, M.E. Airassistance and low volume application to control of Asian rust on soybean crop. Journal of Plant Protection Research, Poznan, v.50, n.3, p.354-359, 2010. Cunha, J.P.A.R.; Moura, E.A.C.; Silva Júnior, J.; Zago, F.A.; Juliatti, F.C. Efeito de pontas de pulverização no controle químico da ferrugem da soja. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.28, n.2, p.283-291, 2008. Prado, E.P.; Raetano, C.G.; Aguiar Júnior, H.O.; Dal Pogetto, M.H.F.A.; Christovam, R.S.; Gimenes, M.J.; Araújo, D. Velocidade do ar em barra de pulverização na deposição da calda fungicida, severidade da ferrugem asiática e produtividade da soja. Summa Phytopathologica, Botucatu, v.36, n.1, p.45-50, 2010. SOARES, R.M.; LIBRELOTTO, S.A.; WIELEWICKI, A.P; OZELAME, J.G. Fungicidas no controle da ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi) e produtividade da soja disponível em: Ciência Rural, v.34, n.4, p. 1245, agosto de 2004. Tecnologias de produção de soja – Região Central do Brasil 2014. – Londrina: Embrapa Soja, 2013.