SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Primavera Árabe
O que é?
Não é uma estação do ano ou evento
esportivo, trata-se de movimentos
populares que visam destituir governos
autoritários. Todo o movimento inicia-se
por protestos e manifestações que
ocorreram no Oriente Médio e norte do
continente africano, onde a população foi
para as ruas lutar pela retirada dos
ditadores do poder, que estavam no
poder desses países por décadas.
Características
Tem-se como estopim desse movimento o
episódio envolvendo o jovem Mohamed
Bouazizi, que vivia com sua família através da
venda de frutas e que teve os seus produtos
confiscados pela polícia por se recusar a pagar
propina. Extremamente revoltado com essa
situação, Bouazizi ateou fogo em seu próprio
corpo, marcando um evento que abalou a
população de todo o país e que fomentou a
concretização da revolta popular.Em dezembro
de 2010, na Tunísia, iniciou-se a derrubada do
ditador Zine El Abidini Ben Ali, que pode ser
descrito como início de todo o movimento que
se alastrou para outros países. No total, entre
países que passaram e que ainda estão
passando por suas revoluções, somam-se à
Tunísia: Líbia, Egito, Argélia, Iêmen,
Marrocos, Bahrein, Síria, Jordânia e Omã.
Características
Se é possível tipificar a Primavera Árabe,
podemos situar ela entre os seguintes pontos:
• Movimentos de caráter laico (inicialmente);
• Liberalizantes;
• Pró-democracia;
• Populares
Causas
•Altos índices de desemprego na
região;
• Crise econômica;
• Pouca ou nenhuma representação
política da população;
• Ditaduras;
• Pouca liberdade de expressão.
As redes sociais e o seu papel
A Primavera Árabe pode se considerado como um movimento realizado em
cima da rede social e não por mensagens em lombos de camelos, como talvez
nossos preconceitos profetizassem. Que as literais revoluções árabes tenham
acontecido em países teoricamente atrasados sob o ponto de vista
tecnológico, as ditaduras sanguinárias dos respectivos regimes talvez
expliquem. Ou justifiquem. A revolução bolchevique, ao contrário do
previsível pelos primeiros marxistas, aconteceu numa Rússia atrasada e não
na Inglaterra, na França ou na Alemanha, onde o capitalismo estava mais
adiantado. No caso dos países árabes, seria de se adivinhar que os jovens
egípcios se organizassem em rede, pela internet, e não os jovens franceses
que anos antes, tentaram atingir o governo conservador de seu país, não pelos
computadores, mas pela queima de automóveis?
Alguns tem se referido à Primavera
Árabe como uma “Revolução 2.0”,
porque:
• Há o uso de redes sociais na
organização dos protestos;
• Facebook;
• Twitter;
• Ocorre a participação da rede de TV
Al Jazeera na cobertura
dos
movimentos;
• Tem o uso, pelos regimes em crise,
de sistemas de telefonia celular para a
delação dos envolvidos nos protestos.
Mapas dos países envolvidos o movimento
Mapas dos países envolvidos o movimento
Questão 1
Os protestos nessa revolução iniciaram-se em
janeiro de 2011, com o objetivo de derrubar o
então ditador Hosni Mubarak, o que foi
concretizado em menos de um mês. Os
rebeldes foram profundamente influenciados
por outra revolução realizada em um país
próximo, que derrubou o então ditador Zine El
Abidini Ben Ali, que se encontrava há 24 anos
no poder.
As revoluções a que o texto se refere são,
respectivamente:

a) Revolução dos Clérigos, em Bangladesh, e a
Revolução dos Trópicos, na China.
b) Revolução de Independência da Bósnia e a
Revolta Militar Sérvia.
c) Revolução de Lótus, no Egito, e Revolução
de Jasmim, na Tunísia.
d) Revolução da Síria e Revolução Iraniana.
Resposta Questão 1
Os primeiros protestos, que visaram à
derrubada de Hosni Mubarak, referem-se
à Revolução de Lótus, também chamada de
“Dias de Fúria”, que ocorreu no Egito após a
influência da também bem-sucedida Revolução
de Jasmim, na Tunísia, concluída um mês
antes.
Letra C.
Questão 2
Assinale a alternativa com o nome da primeira
das revoltas que marcaram a Primavera Árabe.
a) Revolução árabe
b) Revolução de Lótus
c) Revolução Líbia
d) Revolução de Jasmim
e) Revolução Palestina
Resposta Questão 2
A primeira revolução que desencadeou as
sequências de eventos que deflagraram a
Primavera Árabe ocorreu na Tunísia e recebeu
o nome deRevolução de Jasmim.
Portanto, letra d.
Questão 3
"Primavera Árabe" precisa ser aposentada
Eu acho que agora é oficial: a "Primavera Árabe" precisa ser aposentada. Não tem nada de
primaveril acontecendo por lá. O mais amplo, mas ainda vagamente esperançoso, "Despertar Árabe"
também já não parece válido, considerando-se tudo o que já foi despertado. E, por isso, o
estrategista Anthony Cordesman provavelmente está certo quando afirma que atualmente é melhor
falar da "Década Árabe" ou do "Quarto de Século Árabe" – um longo período de instabilidade
intranacional e intrarregional, durante o qual a luta tanto pelo futuro do Islã quanto pelo futuro de
cada país árabe se misturou em um "choque dentro de uma civilização" [...].
FRIEDMAN, Thomas L. "Primavera Árabe" precisa ser aposentada. Uol Notícias, 13/04/2013.
Disponível
em:
http://noticias.uol.com.br/blogs-e-colunas/coluna/thomasfriedman/2013/04/13/primavera-arabe-precisa-ser-aposentada.htm
De acordo com a leitura do texto e com os seus conhecimentos sobre o que se denominou por
“Primavera Árabe”, assinale a alternativa incorreta:
a) O autor defende a ideia de que a expressão “Primavera Árabe” não é suficiente para designar as
sucessivas revoltas populares no Oriente Médio em razão do caráter duradouro desses movimentos,
que se estendem por mais tempo do que uma simples estação do ano.
b) A escolha do autor pela expressão “Década Árabe” se deve ao fato de as revoluções da Primavera
Árabe já terem completado dez anos de existência.
c) Ao contrário do que ocorre na Tunísia e no Egito, as revoluções na Líbia e na Síria caracterizam-se
pelo confronto militar entre tropas leais aos regimes e os povos rebeldes.
d) Nem todas as revoluções da Primavera Árabe desejam a deposição dos governantes, a exemplo da
população do Marrocos, que defende apenas a diminuição dos plenos poderes do Rei Mohammed VI.
e) Percebe-se no texto que o autor preconiza a ideia de que a duração das sucessivas revoluções
árabes pode ser maior do que a comunidade internacional imaginava.
Resposta Questão 3
a) Correta – A ideia de “primavera” se faz em razão da rápida duração e conclusão
de uma determinada ação. No caso da “Primavera Árabe”, o período de duração com
certeza é maior e, por isso, outra expressão deve ser escolhida para designar as ondas
de protestos e revoluções que marcam o mundo árabe.
b) Incorreta – As revoluções árabes ainda não completaram 10 anos de existência. A
preferência pela expressão “Década Árabe” se faz pelo fato de tais revoluções serem
características da década de 2010.
c) Correta – Tanto a revolução na Líbia, que derrubou o ditador Muammar Kadhafi,
quanto a onda de protestos na Síria, que luta pela deposição de Bashar al-Assad,
foram marcadas pela ampla repressão do governo e os consequentes conflitos
armados nesses países.
d) Correta – Assim como em outros países, não há a exigência da derrocada do líder
de Estado, mas a diminuição de seus plenos poderes.
e) Correta – O autor enfatiza que as revoluções andam “vagarosamente” e que,
portanto, não podem ser denominadas através das expressões “primavera” e
“despertar”, pois tais nomes referem-se a movimentos mais rápidos e passageiros, o
que não é o caso.
Questão 4
(Enem - 2011)
No mundo árabe, países governados há décadas por regimes políticos centralizadores
contabilizam metade da população com menos de 30 anos; desses, 56% têm acesso à
internet. Sentindo-se sem perspectivas de futuro e diante da estagnação da economia,
esses jovens incubam vírus sedentos por modernidade e democracia. Em meados de
dezembro, um tunisiano de 26 anos, vendedor de frutas, põe fogo no próprio corpo em
protesto por trabalho, justiça e liberdade. Uma série de manifestações eclode na Tunísia
e, como uma epidemia, o vírus libertário começa a se espalhar pelos países vizinhos,
derrubando em seguida o presidente do Egito, Hosni Mubarak. Sites e redes sociais —
como o Facebook e o Twitter — ajudaram a mobilizar manifestantes do norte da África
a ilhas do Golfo Pérsico.
SEQUEIRA, C. D.; VILLAMÉA, L. A epidemia da Liberdade. IstoÉ Internacional. 2
mar. 2011 (adaptado).
Considerando os movimentos políticos mencionados no texto, o acesso à internet
permitiu aos jovens árabes:
a) reforçar a atuação dos regimes políticos existentes.
b) tomar conhecimento dos fatos sem se envolver.
c) manter o distanciamento necessário à sua segurança.
d) disseminar vírus capazes de destruir programas dos computadores.
e) difundir ideias revolucionárias que mobilizaram a população.
Resposta Questão 4
Alternativa E
Foi por meio das redes sociais que as principais
mobilizações se manifestaram. A população
jovem, insatisfeita com as condições e
características
dos
regimes
ditatoriais,
organizaram-se utilizando instrumentos de sites
como o Twitter e o Facebook para difundir as
suas insatisfações, marcar datas e organizar os
protestos que culminaram na derrocada das
ditaduras na Tunísia e no Egito.
Questão 5
Relacione as colunas, ligando os ditadores que
foram alvos das revoluções da Primavera Árabe
aos seus respectivos países.
(1) Muammar Kadhafi.
(2) Hosni Mubarak
(3) Ali Abdullah Saleh
(4) Bashar al-Assad
(5) Zine El Abidini Ben Ali.

(
(
(
(
(

) Iêmen
) Tunísia
) Líbia
) Egito
) Síria
Resposta Questão 5
Sequência correta:
(3)
(5)
(1)
(2)
(4)
Referências
FontesBrasil
Escola;
Disponível
em:
http://www.brasilescola.com/geografia/primavera-arabe.htm
http://exercicios.brasilescola.com/geografia/exercicios-sobreprimavera-Arabe.htm
Acesso 16 de outubro de 2013
A primavera árabe- professor Waldines – Geografia
Disponível
em:http://www.colegiocristorei.com.br/2013/pdf/geografia/3ano/P
rimaveraArabe.pdf Acesso 16 de outubro de 2013

Prof. Alan Carlos Ghedini - Inventando História Disponível em:
www.inventandohistoria.com Acesso 16 de outubro de 2013
Até mais!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula sobre primavera arabe

Semelhante a Aula sobre primavera arabe (20)

Primavera Árabe
Primavera Árabe Primavera Árabe
Primavera Árabe
 
Estudo: Crise no egito
Estudo: Crise no egitoEstudo: Crise no egito
Estudo: Crise no egito
 
Primavera árabe
Primavera árabePrimavera árabe
Primavera árabe
 
Primavera árabe
Primavera árabePrimavera árabe
Primavera árabe
 
A primavera árabe
A primavera árabeA primavera árabe
A primavera árabe
 
Primavera arabe
Primavera arabePrimavera arabe
Primavera arabe
 
Atividade Interdisciplinar de atualidades 2017.
Atividade Interdisciplinar de atualidades 2017.Atividade Interdisciplinar de atualidades 2017.
Atividade Interdisciplinar de atualidades 2017.
 
A caminho de uma ruptura global
A caminho de uma ruptura globalA caminho de uma ruptura global
A caminho de uma ruptura global
 
Primavera árabe
Primavera árabePrimavera árabe
Primavera árabe
 
Manifestações populares no brasi1
Manifestações populares no brasi1Manifestações populares no brasi1
Manifestações populares no brasi1
 
Manifestações populares no brasi1
Manifestações populares no brasi1Manifestações populares no brasi1
Manifestações populares no brasi1
 
10419
1041910419
10419
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Primavera árabe.PDF
Primavera árabe.PDFPrimavera árabe.PDF
Primavera árabe.PDF
 
Pré barra primavera árabe
Pré barra primavera árabePré barra primavera árabe
Pré barra primavera árabe
 
Revista visões
Revista visõesRevista visões
Revista visões
 
Revolução russa e mexicana. Slides explicativos e atividades
Revolução russa e mexicana. Slides explicativos e atividadesRevolução russa e mexicana. Slides explicativos e atividades
Revolução russa e mexicana. Slides explicativos e atividades
 
Questoeshist
QuestoeshistQuestoeshist
Questoeshist
 
2013 - Ciclo de Protestos em 2011 da ordem e das desordens...
2013 - Ciclo de Protestos em 2011 da ordem e das desordens...2013 - Ciclo de Protestos em 2011 da ordem e das desordens...
2013 - Ciclo de Protestos em 2011 da ordem e das desordens...
 
Primavera árabe
Primavera árabePrimavera árabe
Primavera árabe
 

Mais de Nilberte Correia

Aula 01 o desenvolvimento do capitalismo
Aula 01 o desenvolvimento do capitalismoAula 01 o desenvolvimento do capitalismo
Aula 01 o desenvolvimento do capitalismoNilberte Correia
 
Quem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoQuem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoNilberte Correia
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeNilberte Correia
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Nilberte Correia
 
Slide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapaSlide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapaNilberte Correia
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Nilberte Correia
 
Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013Nilberte Correia
 
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoOrientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoNilberte Correia
 
Localização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º anoLocalização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º anoNilberte Correia
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoNilberte Correia
 
Regras para a criação do blog
Regras para a criação do blogRegras para a criação do blog
Regras para a criação do blogNilberte Correia
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoNilberte Correia
 

Mais de Nilberte Correia (16)

Aula 01 o desenvolvimento do capitalismo
Aula 01 o desenvolvimento do capitalismoAula 01 o desenvolvimento do capitalismo
Aula 01 o desenvolvimento do capitalismo
 
Quem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de populaçãoQuem vive no brasil aula de população
Quem vive no brasil aula de população
 
Resultado final
Resultado finalResultado final
Resultado final
 
Aula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabeAula sobre primavera arabe
Aula sobre primavera arabe
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
 
Slide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapaSlide da visita a estação da lapa
Slide da visita a estação da lapa
 
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3Analise dos dados das entrevistas 3 m3
Analise dos dados das entrevistas 3 m3
 
Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013Especial republicação pm ba 2013
Especial republicação pm ba 2013
 
Regionalizando o brasil
Regionalizando o brasilRegionalizando o brasil
Regionalizando o brasil
 
Quem vive no brasil
Quem vive no brasilQuem vive no brasil
Quem vive no brasil
 
Orientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º anoOrientação no espaço geográfico 6º ano
Orientação no espaço geográfico 6º ano
 
Localização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º anoLocalização no espaço geografico 6º ano
Localização no espaço geografico 6º ano
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
Regras para a criação do blog
Regras para a criação do blogRegras para a criação do blog
Regras para a criação do blog
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
Assedio moral
Assedio moralAssedio moral
Assedio moral
 

Aula sobre primavera arabe

  • 2. O que é? Não é uma estação do ano ou evento esportivo, trata-se de movimentos populares que visam destituir governos autoritários. Todo o movimento inicia-se por protestos e manifestações que ocorreram no Oriente Médio e norte do continente africano, onde a população foi para as ruas lutar pela retirada dos ditadores do poder, que estavam no poder desses países por décadas.
  • 3. Características Tem-se como estopim desse movimento o episódio envolvendo o jovem Mohamed Bouazizi, que vivia com sua família através da venda de frutas e que teve os seus produtos confiscados pela polícia por se recusar a pagar propina. Extremamente revoltado com essa situação, Bouazizi ateou fogo em seu próprio corpo, marcando um evento que abalou a população de todo o país e que fomentou a concretização da revolta popular.Em dezembro de 2010, na Tunísia, iniciou-se a derrubada do ditador Zine El Abidini Ben Ali, que pode ser descrito como início de todo o movimento que se alastrou para outros países. No total, entre países que passaram e que ainda estão passando por suas revoluções, somam-se à Tunísia: Líbia, Egito, Argélia, Iêmen, Marrocos, Bahrein, Síria, Jordânia e Omã.
  • 4. Características Se é possível tipificar a Primavera Árabe, podemos situar ela entre os seguintes pontos: • Movimentos de caráter laico (inicialmente); • Liberalizantes; • Pró-democracia; • Populares
  • 5.
  • 6. Causas •Altos índices de desemprego na região; • Crise econômica; • Pouca ou nenhuma representação política da população; • Ditaduras; • Pouca liberdade de expressão.
  • 7. As redes sociais e o seu papel A Primavera Árabe pode se considerado como um movimento realizado em cima da rede social e não por mensagens em lombos de camelos, como talvez nossos preconceitos profetizassem. Que as literais revoluções árabes tenham acontecido em países teoricamente atrasados sob o ponto de vista tecnológico, as ditaduras sanguinárias dos respectivos regimes talvez expliquem. Ou justifiquem. A revolução bolchevique, ao contrário do previsível pelos primeiros marxistas, aconteceu numa Rússia atrasada e não na Inglaterra, na França ou na Alemanha, onde o capitalismo estava mais adiantado. No caso dos países árabes, seria de se adivinhar que os jovens egípcios se organizassem em rede, pela internet, e não os jovens franceses que anos antes, tentaram atingir o governo conservador de seu país, não pelos computadores, mas pela queima de automóveis?
  • 8. Alguns tem se referido à Primavera Árabe como uma “Revolução 2.0”, porque: • Há o uso de redes sociais na organização dos protestos; • Facebook; • Twitter; • Ocorre a participação da rede de TV Al Jazeera na cobertura dos movimentos; • Tem o uso, pelos regimes em crise, de sistemas de telefonia celular para a delação dos envolvidos nos protestos.
  • 9. Mapas dos países envolvidos o movimento
  • 10. Mapas dos países envolvidos o movimento
  • 11.
  • 12. Questão 1 Os protestos nessa revolução iniciaram-se em janeiro de 2011, com o objetivo de derrubar o então ditador Hosni Mubarak, o que foi concretizado em menos de um mês. Os rebeldes foram profundamente influenciados por outra revolução realizada em um país próximo, que derrubou o então ditador Zine El Abidini Ben Ali, que se encontrava há 24 anos no poder. As revoluções a que o texto se refere são, respectivamente: a) Revolução dos Clérigos, em Bangladesh, e a Revolução dos Trópicos, na China. b) Revolução de Independência da Bósnia e a Revolta Militar Sérvia. c) Revolução de Lótus, no Egito, e Revolução de Jasmim, na Tunísia. d) Revolução da Síria e Revolução Iraniana.
  • 13. Resposta Questão 1 Os primeiros protestos, que visaram à derrubada de Hosni Mubarak, referem-se à Revolução de Lótus, também chamada de “Dias de Fúria”, que ocorreu no Egito após a influência da também bem-sucedida Revolução de Jasmim, na Tunísia, concluída um mês antes. Letra C.
  • 14. Questão 2 Assinale a alternativa com o nome da primeira das revoltas que marcaram a Primavera Árabe. a) Revolução árabe b) Revolução de Lótus c) Revolução Líbia d) Revolução de Jasmim e) Revolução Palestina
  • 15. Resposta Questão 2 A primeira revolução que desencadeou as sequências de eventos que deflagraram a Primavera Árabe ocorreu na Tunísia e recebeu o nome deRevolução de Jasmim. Portanto, letra d.
  • 16. Questão 3 "Primavera Árabe" precisa ser aposentada Eu acho que agora é oficial: a "Primavera Árabe" precisa ser aposentada. Não tem nada de primaveril acontecendo por lá. O mais amplo, mas ainda vagamente esperançoso, "Despertar Árabe" também já não parece válido, considerando-se tudo o que já foi despertado. E, por isso, o estrategista Anthony Cordesman provavelmente está certo quando afirma que atualmente é melhor falar da "Década Árabe" ou do "Quarto de Século Árabe" – um longo período de instabilidade intranacional e intrarregional, durante o qual a luta tanto pelo futuro do Islã quanto pelo futuro de cada país árabe se misturou em um "choque dentro de uma civilização" [...]. FRIEDMAN, Thomas L. "Primavera Árabe" precisa ser aposentada. Uol Notícias, 13/04/2013. Disponível em: http://noticias.uol.com.br/blogs-e-colunas/coluna/thomasfriedman/2013/04/13/primavera-arabe-precisa-ser-aposentada.htm De acordo com a leitura do texto e com os seus conhecimentos sobre o que se denominou por “Primavera Árabe”, assinale a alternativa incorreta: a) O autor defende a ideia de que a expressão “Primavera Árabe” não é suficiente para designar as sucessivas revoltas populares no Oriente Médio em razão do caráter duradouro desses movimentos, que se estendem por mais tempo do que uma simples estação do ano. b) A escolha do autor pela expressão “Década Árabe” se deve ao fato de as revoluções da Primavera Árabe já terem completado dez anos de existência. c) Ao contrário do que ocorre na Tunísia e no Egito, as revoluções na Líbia e na Síria caracterizam-se pelo confronto militar entre tropas leais aos regimes e os povos rebeldes. d) Nem todas as revoluções da Primavera Árabe desejam a deposição dos governantes, a exemplo da população do Marrocos, que defende apenas a diminuição dos plenos poderes do Rei Mohammed VI. e) Percebe-se no texto que o autor preconiza a ideia de que a duração das sucessivas revoluções árabes pode ser maior do que a comunidade internacional imaginava.
  • 17. Resposta Questão 3 a) Correta – A ideia de “primavera” se faz em razão da rápida duração e conclusão de uma determinada ação. No caso da “Primavera Árabe”, o período de duração com certeza é maior e, por isso, outra expressão deve ser escolhida para designar as ondas de protestos e revoluções que marcam o mundo árabe. b) Incorreta – As revoluções árabes ainda não completaram 10 anos de existência. A preferência pela expressão “Década Árabe” se faz pelo fato de tais revoluções serem características da década de 2010. c) Correta – Tanto a revolução na Líbia, que derrubou o ditador Muammar Kadhafi, quanto a onda de protestos na Síria, que luta pela deposição de Bashar al-Assad, foram marcadas pela ampla repressão do governo e os consequentes conflitos armados nesses países. d) Correta – Assim como em outros países, não há a exigência da derrocada do líder de Estado, mas a diminuição de seus plenos poderes. e) Correta – O autor enfatiza que as revoluções andam “vagarosamente” e que, portanto, não podem ser denominadas através das expressões “primavera” e “despertar”, pois tais nomes referem-se a movimentos mais rápidos e passageiros, o que não é o caso.
  • 18. Questão 4 (Enem - 2011) No mundo árabe, países governados há décadas por regimes políticos centralizadores contabilizam metade da população com menos de 30 anos; desses, 56% têm acesso à internet. Sentindo-se sem perspectivas de futuro e diante da estagnação da economia, esses jovens incubam vírus sedentos por modernidade e democracia. Em meados de dezembro, um tunisiano de 26 anos, vendedor de frutas, põe fogo no próprio corpo em protesto por trabalho, justiça e liberdade. Uma série de manifestações eclode na Tunísia e, como uma epidemia, o vírus libertário começa a se espalhar pelos países vizinhos, derrubando em seguida o presidente do Egito, Hosni Mubarak. Sites e redes sociais — como o Facebook e o Twitter — ajudaram a mobilizar manifestantes do norte da África a ilhas do Golfo Pérsico. SEQUEIRA, C. D.; VILLAMÉA, L. A epidemia da Liberdade. IstoÉ Internacional. 2 mar. 2011 (adaptado). Considerando os movimentos políticos mencionados no texto, o acesso à internet permitiu aos jovens árabes: a) reforçar a atuação dos regimes políticos existentes. b) tomar conhecimento dos fatos sem se envolver. c) manter o distanciamento necessário à sua segurança. d) disseminar vírus capazes de destruir programas dos computadores. e) difundir ideias revolucionárias que mobilizaram a população.
  • 19. Resposta Questão 4 Alternativa E Foi por meio das redes sociais que as principais mobilizações se manifestaram. A população jovem, insatisfeita com as condições e características dos regimes ditatoriais, organizaram-se utilizando instrumentos de sites como o Twitter e o Facebook para difundir as suas insatisfações, marcar datas e organizar os protestos que culminaram na derrocada das ditaduras na Tunísia e no Egito.
  • 20. Questão 5 Relacione as colunas, ligando os ditadores que foram alvos das revoluções da Primavera Árabe aos seus respectivos países. (1) Muammar Kadhafi. (2) Hosni Mubarak (3) Ali Abdullah Saleh (4) Bashar al-Assad (5) Zine El Abidini Ben Ali. ( ( ( ( ( ) Iêmen ) Tunísia ) Líbia ) Egito ) Síria
  • 21. Resposta Questão 5 Sequência correta: (3) (5) (1) (2) (4)
  • 22. Referências FontesBrasil Escola; Disponível em: http://www.brasilescola.com/geografia/primavera-arabe.htm http://exercicios.brasilescola.com/geografia/exercicios-sobreprimavera-Arabe.htm Acesso 16 de outubro de 2013 A primavera árabe- professor Waldines – Geografia Disponível em:http://www.colegiocristorei.com.br/2013/pdf/geografia/3ano/P rimaveraArabe.pdf Acesso 16 de outubro de 2013 Prof. Alan Carlos Ghedini - Inventando História Disponível em: www.inventandohistoria.com Acesso 16 de outubro de 2013