Cirrose e hepatite a

1.148 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.148
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cirrose e hepatite a

  1. 1. A cirrose é uma doença difusa do fígado, que altera as funções das suas células e dos sistemas de canais biliares e sanguíneos. É o resultado de diversos processos, entre os quais, a morte de células do fígado e a produção de um tecido fibroso não funcionante. Isto prejudica toda a estrutura e o trabalho do fígado.
  2. 2. Muitas pessoas com cirrose ligeira não tem sintomas e parecem estar bem durante muitos anos. Outras sentem fraqueza, têm pouco apetite, sentem-se doentes e perdem peso.
  3. 3. Uma obstrução crónica do fluxo da bílis pode produzir icterícia, comichão e a formação de pequenos nódulos amarelados na pele, especialmente à volta das pálpebras.
  4. 4. Entre os sintomas da cirrose os doentes podem expulsar grande quantidade de sangue com a tosse ou o vómito devido a hemorragias produzidas por rotura de veias varicosas situadas na parte inferior do esófago (varizes esofágicas). Estes vasos sanguíneos dilatados desenvolvem-se devido à elevada pressão do sangue nas veias que vão do intestino ao fígado.
  5. 5. Uma ecografia pode mostrar um aumento do fígado. Uma gamagrafia hepática, usando isótopos radioactivos, dá uma imagem que mostra as zonas do fígado que funcionam e as que têm cicatrizes.
  6. 6. Com frequência, os resultados dos exames da função hepática estão dentro dos limites normais porque, para realizar as funções químicas essenciais, basta uma percentagem reduzida de células hepáticas sãs. O diagnóstico definitivo baseia-se no exame ao microscópio de uma amostra de tecido hepático.
  7. 7. Os factores de risco para o desenvolvimento da cirrose são múltiplos e relacionam-se com as causas mais comuns de doença hepática crónica. O tóxico hepático mais comum é o álcool.
  8. 8. Existem ainda vários fármacos ou agentes químicos referenciados como potenciais causadores de cirrose, nomeadamente, metotrexato, amiodarona, isoniazida, fitotoxinas, micotoxinas, entre outros.
  9. 9. É de notar, que certos produtos de ervanária devem ser consumidos sob vigilância, pelo risco de poderem potenciar o aparecimento de doença hepática aguda ou crónica.
  10. 10. A cirrose costuma ser progressiva. Se a cirrose alcoólica estiver na fase inicial se o indivíduo deixar de beber, o processo de cicatrização geralmente é interrompido e se já estiver num nível extremo a solução é o transplante de fígado.
  11. 11. Infecção provocada pelo vírus da Hepatite A (VHA) que entra no organismo através do aparelho digestivo e multiplica-se no fígado, causando neste órgão a inflamação denominada hepatite A. A descoberta do vírus ocorreu em 1975, todavia, na Antiguidade, já se registavam surtos da doença, na altura chamada «icterícia infecciosa», e eram frequentes as epidemias em períodos de guerra.
  12. 12. Náuseas, febre, falta de apetite, fadiga, diarreia, dores musculares e articulares, dores de cabeça e inflamação dos olhos, são os sintomas mais comuns e normalmente ao início a doença pode ser confundida com uma simples gripe.
  13. 13. As dúvidas desfazem-se quando os olhos e a pele ficam amarelados, porque é sinal de que o fígado não consegue remover a bilirrubina do sangue. Mas ao longo da doença ainda podem aparecer mais sintomas como o aparecimento de pigmentos biliares na urina, a falta de secreção biliar, dor de barriga, aumento do volume do fígado e em alguns casos o baço também pode aumentar de volume.
  14. 14. Antes do teste serológico que permite o diagnóstico do tipo de hepatite são realizadas análises de sangue para avaliar os parâmetros hepáticos, como as transaminases e a bilirrubina.
  15. 15. Na maioria dos casos de hepatite não se consegue identificar a origem do contágio. Mas, esta doença transmite-se através da ingestão de alimentos ou água, contaminados pelo vírus. Por exemplo: As frutas, os vegetais e as saladas, ou outros alimentos que estejam crus, quando usados por uma pessoa infectada ou lavados com água imprópria.
  16. 16. • Pessoas não vacinadas ou que não tenham os anticorpos necessários; • Turistas que vão para países menos desenvolvidos onde a doença predomina; • Toxicodependentes – uso de agulhas não esterilizadas; • Parceiros sexuais de pessoas infectadas.
  17. 17. Não existem medicamentos próprios para o tratamento desta doença. Trata-se, essencialmente, com repouso durante a fase aguda, até que os valores de análises hepáticas voltem ao normal.
  18. 18. Recomenda-se :alimentação equilibrada, evitar a desidratação bebendo muitos líquidos, menos o álcool que pode agravar a lesão no fígado. Devem ter cuidado com os medicamentos que tomam, porque o fígado inflamado perde a capacidade de transformar os medicamentos, e alguns podem tornar-se tóxicos, agravando a doença.
  19. 19. As funções do Técnico Auxiliar de Saúde são: ajudar o paciente nas suas tarefas como por exemplo na sua higiene, alimentação, … Os técnicos auxiliares de saúde devem ter cuidado quando estão a relacionar-se com os pacientes, usando batas e mascaras apropriadas, pois não sabem se os pacientes tem doenças infecciosas como a Hepatite A.
  20. 20.  Cirrose: http://www.manualmerck.net/?id=143&cn=1154  Hepatite A: http://www.roche.pt/hepatites/hepatitea/  Google: Fotografias de Cirrose e Hepatite.

×