SlideShare uma empresa Scribd logo

Notícia Crime

E
E

PT aciona corregedor que não investigou membro da Lava Jato

Notícia Crime

1 de 9
Baixar para ler offline
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO COLENDO SUPERIOR TRIBUNAL DE
JUSTIÇA – STJ.
MD. JOÃO OTÁVIO DE NORONHA
GLEISI HELENA HOFFMANN, brasileira, casada, atualmente no exercício do
mandato de Deputada Federal pelo PT/PR e, ainda, Presidente do Partido dos Trabalhadores,
portadora da CI nº 3996866-5 – SSP/PR e CPF nº 676.770.619-15, com endereço na Câmara dos
Deputados, Gabinete 232 – Anexo IV – Brasília (DF); PAULO ROBERTO SEVERO PIMENTA,
brasileiro, casado, jornalista, portador da cédula de identidade de 2024323822 – SSP/RS, CPF
428449240-34, atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/RS e, ainda,
Líder da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara Federal, com endereço na Praça dos
Três Poderes – Câmara dos Deputados, gabinete 552, anexo IV, e endereço eletrônico
dep.paulopimenta@camara.leg.br; ARLINDO CHINAGLIA JÚNIOR, brasileiro, casado, médico,
atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/SP, portador da CI nº
46267657 – SSP/SP e CPF nº 068.211.461-87, com endereço no gabinete Ala A, Ed. Principal,
Anexo I, Câmara dos Deputados – Brasília (DF); RUI GOETHE DA COSTA FALCÃO, brasileiro,
casado, jornalista, Deputado Federal (PT/SP), portador da carteira de identidade RG 3171369-5,
SSP/SP, inscrito no CPF nº 614.646.868-15, com endereço na Câmara dos Deputados, anexo IV,
gabinete 819, Brasília/DF; ROGÉRIO CORREIA DE MOURA BAPTISTA, brasileiro, professor,
atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/MG, portador da CI nº
753027 – SSP/MG e CPF nº 471.025.006-53, com endereço na Câmara dos Deputados, gabinete
614, anexo IV – Brasília (DF); MARIA MARGARIDA MARTINS SALOMÃO, brasileira, professora,
atualmente no exercício do mandato de Deputada Federal pelo PT/MG, portadora da CI nº M-
2
1.387.404 – SSP/MG e CPF nº 135.210.396-68, com endereço na Câmara dos Deputados,
Gabinete 236 – Anexo IV – Brasília (DF); ALENCAR SANTANA BRAGA, brasileiro, advogado,
atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/SP, portador da CI nº
21285781-8 – SSP/SP e CPF nº 055.448.398-08, com endereço na Câmara dos Deputados,
gabinete 239, anexo IV – Brasília (DF); ENIO JOSÉ VERRI, brasileiro, casado, portador da carteira
de identidade RG nº 1973095-6, SSP/PR, inscrito no CPF nº 397.377.059-04, atualmente no
exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/PR, com endereço na Câmara dos
Deputados, anexo IV, gabinete 627, Brasília/DF; ALBERTO ROLIM ZARATTINI (Carlos Zarattini),
brasileiro, solteiro, economista, portador da CI nº 4417827X - SSP/SP e CPF nº 003.980.998-63,
atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/SP, com endereço na Câmara
dos Deputados, anexo IV – gabinete 808 – Brasília (DF); AFONSO BANDEIRA FLORENCE, brasileiro,
casado, Deputado Federal (PT/BA), portador da carteira de identidade RG nº 01512759-27,
inscrito no CPF/MF 177.341.505-00, com endereço na Câmara dos Deputados, gabinete 305,
anexo IV, Brasília/DF; ROSA NEIDE SANDES DE ALMEIDA, brasileira, professora, atualmente no
exercício do mandato de Deputada Federal pelo PT/MT, portadora da CI nº 12055956 – SSP/MT
e CPF nº 295.863.721-20, com endereço na Câmara dos Deputados, Gabinete 371 – Anexo III –
Brasília (DF); ODAIR JOSÉ DA CUNHA, brasileiro, casado advogado, atualmente no exercício do
mandato de Deputado Federal pelo PT/MG, portadora da CI nº M7236581 – MG e CPF nº
948.923.936-49, com endereço na Câmara dos Deputados, Gabinete 556 – Anexo IV – Brasília
(DF) e JOSÉ NOBRE GUIMARÃES, brasileiro, advogado, atualmente no exercício do mandato de
Deputado Federal pelo PT/CE, portadora da CI nº 734097 – SSP/CE e CPF nº 093.245.773-87,
com endereço na Câmara dos Deputados, Gabinete 306 – Anexo IV – Brasília (DF), vem à
presença de Vossa Excelência, com espeque no que estatui o art. 105 da Constituição Federal,
combinado com o art. 27 do Código de Processo Penal, apresentar
NOTTICIA CRIMINIS
Contra o Sr. OSWALDO JOSÉ BARBOSA SILVA, brasileiro, estado civil ignorado,
Subprocurador-Geral da República, atualmente no exercício do cargo de Corregedor-Geral do
Ministério Público Federal, com endereço sito no SAF Sul – Quadra 4 Conjunto C – Procuradoria-
3
Geral da República – Brasília/DF – Cep 70050-900, tudo conforme os fatos e fundamentos
jurídicos adiante delineados.
I – Dos Fatos. Síntese inicial.
Com efeito, há poucos meses os Procuradores da República em Curitiba,
integrantes da denominada Força Tarefa da Lava jato, numa ação megalomaníaca,
pretensamente messiânica, rogando-se como os verdadeiros e únicos arautos da moralidade e
do combate a corrupção, fizeram espalhar outdoors pela cidade de Curitiba e/ou outras
localidades do País, com as fotos dos integrantes da referida força tarefa, ostentando os
seguintes dizeres:
“Bem-vindos à República de Curitiba
Terra da Operação Lava Jato. A Investigação que mudou o País.
Aqui a lei se cumpre.
17 de março – 5 anos de Operação Lava Jato – O Brasil Agradece” (grifos
nossos).
É de se destacar, inicialmente, o deslumbramento dos referidos Procuradores,
não só pelo fato de ostentarem nos outdoors as respectivas fotos em poses majestosas, onde se
auto proclamam integrantes de uma suposta “República de Curitiba”, como também pelo fato
de tentarem cristalizar uma narrativa de que somente naqueles domínios geográficos (Curitiba)
reinaria a moralidade e a legalidade (aqui a lei se cumpre), o que não aconteceria, na visão
reducionista e preconceituosa deles, no restante do País.
A iniciativa, contudo, veiculava graves irregularidades, seja do ponto de vista
funcional (disciplinar), seja do ponto de vista administrativo e/ou criminal.
Com efeito, em março de 2019, o Centro de Direitos Humanos e Memória de Foz
do Iguaçu (CDHM-FI) e o professor de Direito Público da Universidade de Brasília (UnB), Marcelo
Neves, ingressaram com Representação disciplinar e pedido de providências junto ao Conselho
4
Nacional do Ministério Público - CNMP, objetivando que aquele órgão adotasse as providências
legais com vistas a esclarecer a autoria da iniciativa panfletária que ao fim e ao cabo, apenas
autopromovia, de modo incompatível com a postura que deve guardar os integrantes do
Ministério Público Federal, os integrantes da Força Tarefa, bem como identificasse,
eventualmente, o uso de recursos públicos na iniciativa, o que, à toda evidência, é
terminantemente vedado.
A Corregedoria do CNMP apressou-se em arquivar a Representação Disciplinar,
tendo como referência uma resposta da empresa responsável pela confecção dos outdoors
(OUTDOORMIDIA), no sentido de que a publicidade irregular, inconstitucional e desnecessária,
não fora contratada por nenhum membro do Ministério Público Federal e que teria como
responsável, a pessoa de João Carlos Queiroz Barbosa (contratante).
Cobra relevo destacar, a título de informação, que o suposto contratante
desmentiu, inclusive solicitando a abertura de inquérito policial, a autoria da publicidade,
conforme investigações que seguem em curso na seara do Conselho Nacional do Ministério
Público – CNMP.
1 – Da Omissão e Prevaricação do Corregedor-Geral do Ministério Público Federal (Representado).
Com efeito, novas informações publicadas na imprensa brasileira pelo site “The
Intercept Brasil” ou reproduzidas a partir das investigações realizadas por estes
(https://www.conjur.com.br/2019-ago-26/procurador-bancou-outdoor-promover-lava-jato)
revelam que não só o material publicitário fora contratado (quiçá com dinheiro público) pelo
Procurador da República Diogo Castor de Mattos (de modo que todo o grupo da força tarefa
passaram informações falsas à Corregedoria do CNMP), como a própria Corregoria-Geral do
Ministério Público Federal não só tinha ciência desse fato, como agiu em “conluio” com o
Procurador-Chefe da Força Tarefa Deltan Dallagnol, para “pôr panos quentes” no ilícito, evitando
qualquer investigação ou punição dos responsáveis.
Nesse sentido, destaca-se os trechos da matéria publicada pelo site CONJUR:
5
“(...)
Perto de ser investigado por ter bancado um outdoor com elogios aos
procuradores da "lava jato" em Curitiba, o procurador Diogo Castor de
Mattos anunciou a saída da força-tarefa. Em 5 de abril, depois de ter
admitido que pagou para promover a peça, ele apresentou atestado
médico, por estafa física e mental. Em troca, o corregedor-geral do MPF,
Oswaldo Barbosa, descartou a confissão e arquivou o processo.
Divulgação/The Intercept Brasil
Procurador admitiu ter pago por outdoor instalado na saída do aeroporto
de Curitiba
Barbosa decidiu pelo arquivamento depois de conversar com o
coordenador da "lava jato" em Curitiba, o procurador Deltan Dallagnol. As
tratativas foram reveladas pelo site The Intercept Brasil, que divulgou
nesta segunda-feira (26/8) mais conversas dos procuradores no Telegram.
No dia 28 de março, no Telegram, o corregedor perguntou se Deltan
sabia quem pagou pelo outdoor. Num primeiro momento, Deltan disse
não saber. No dia seguinte, o corregedor voltou a questionar o
procurador e sugeriu que os procuradores descobrissem quem pagou e
removessem a peça, que estava "repercutindo muito, inclusive no
CNMP".
"Tenho certeza que não foram vocês! O sentido da minha intervenção foi
no sentido de eventualmente vocês conseguirem retirar o outdoor da
rua…", disse Barbosa.
Na semana seguinte, quando o corregedor foi informado que Castor de
Mattos pagou pelo outdoor, Deltan voltou a conversar com ele. De acordo
com Deltan, o corregedor disse que "nesse tipo de situação ele instaura
uma sindicância não disciplinar, submete a pessoa a junta médica, e a
depender do resultado pode entender pela inimputabilidade para o fato (e
inclusive para o outro fato em que ele falou 'turma do abafa')".
Além disso, segundo Deltan, o próprio corregedor pediu para ele fazer o
ofício, e, assim, "ele suspenderia apuração e mandaria ofício pro CNMP
pra suspender tb a apuração da turma do abafa, tudo com sigilo 4".
No dia 5 de abril, Deltan usou o grupo "Filhos do Januário 4" para avisar
aos colegas que havia enviado um ofício ao corregedor relatando a
6
confissão de Castor de Mattos e seu tratamento de saúde. Depois, Deltan
avisou o corregedor que encaminhara o ofício, agradeceu a atenção e
informou que o documento estava em sigilo, cadastrado apenas para os
dois terem acesso.
No CNMP, a representação foi arquivada cerca de 20 dias depois da
confissão de Castor de Mattos chegar à corregedoria do MPF e tramitar
em sigilo. "A publicidade não foi contratada por nenhum membro do
Ministério Público", considerou o relator do CNMP, conselheiro Luiz
Fernando Bandeira de Mello. (...)” (g.n)
Veja Senhor Ministro que o Corregedor-Geral do Ministério Público, omitindo-se
dolosamente de suas elevadas responsabilidades no cargo que ocupa, uniu-se ao Procurador-
Chefe da Força Tarefa de Curitiba, cuja contumácia na prática de ilícitos da espécie tem se
tornado público todos os dias, para, juntos, articular, de forma adrede e quiçá criminosa, uma
saída que evitasse até mesmo a investigação do ilícito apontado, quanto mais eventual punição.
Deixou de observar, o Corregedora ora representado, as altas responsabilidades
do cargo que ocupa, para ajudar a encobrir um ilícito grave, sugerindo inclusive estratégias que
deveriam ser adotadas para não prejudicar o autor do ilícito.
Trata-se de conduta reprovável, que deve merecer uma investigação
aprofundada, visando sua total responsabilização. É o que se espera.
II – O Direito.
As ações do Representado configuram violam a diversos dispositivos
constitucionais, éticos e disciplinares da carreira, caracterizam improbidade administrativa e
tipifica, em tese, crime previsto no Código Penal.
Com efeito, a Constituição Federal assevera em letras garrafais o seguinte:
“Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos
Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade,
publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
...
§ 1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos
órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de
Anúncio

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Representação incra funai - 5 10 17
Representação incra funai - 5 10 17Representação incra funai - 5 10 17
Representação incra funai - 5 10 17Editora 247
 
Ação Popular da ABI contra Pregão do governo Bolsonaro
Ação Popular da ABI contra Pregão do governo BolsonaroAção Popular da ABI contra Pregão do governo Bolsonaro
Ação Popular da ABI contra Pregão do governo BolsonaroMarcelo Auler
 
MPF aponta 'má-fé' de Romero Albuquerque por panfletos pagos pela mãe
MPF aponta 'má-fé' de Romero Albuquerque por panfletos pagos pela mãeMPF aponta 'má-fé' de Romero Albuquerque por panfletos pagos pela mãe
MPF aponta 'má-fé' de Romero Albuquerque por panfletos pagos pela mãePortal NE10
 
Juíza cassa mandato de Romero Albuquerque o deixa inelegível por oito anos
Juíza cassa mandato de Romero Albuquerque o deixa inelegível por oito anosJuíza cassa mandato de Romero Albuquerque o deixa inelegível por oito anos
Juíza cassa mandato de Romero Albuquerque o deixa inelegível por oito anosPortal NE10
 
Parlamentares pedem afastamento de Geddel e apuração de possíveis crimes
Parlamentares pedem afastamento de Geddel e apuração de possíveis crimesParlamentares pedem afastamento de Geddel e apuração de possíveis crimes
Parlamentares pedem afastamento de Geddel e apuração de possíveis crimesLiderança da Oposição
 
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão 0057920-68.2016.8.19.0000)
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão 0057920-68.2016.8.19.0000)ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão 0057920-68.2016.8.19.0000)
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão 0057920-68.2016.8.19.0000)Jerbialdo
 
Advogados pedem ao STF o afastamento de Bolsonaro; pedido preocupa o Planalto
Advogados pedem ao STF o afastamento de Bolsonaro; pedido preocupa o PlanaltoAdvogados pedem ao STF o afastamento de Bolsonaro; pedido preocupa o Planalto
Advogados pedem ao STF o afastamento de Bolsonaro; pedido preocupa o PlanaltoLuís Carlos Nunes
 
PT pede que STF investigue Bolsonaro e Moro por obstrução
PT pede que STF investigue Bolsonaro e Moro por obstruçãoPT pede que STF investigue Bolsonaro e Moro por obstrução
PT pede que STF investigue Bolsonaro e Moro por obstruçãoPortal NE10
 
EDIÇÃO 430 DE 16 DE ABRIL DE 2021
EDIÇÃO 430 DE 16 DE ABRIL DE 2021EDIÇÃO 430 DE 16 DE ABRIL DE 2021
EDIÇÃO 430 DE 16 DE ABRIL DE 2021Afonso Pena
 
Documento impeachment ABI Bolsonaro
Documento impeachment ABI BolsonaroDocumento impeachment ABI Bolsonaro
Documento impeachment ABI BolsonaroMatheusSantos699
 
Inteiro teor agravo regimental recl. 28.747.
Inteiro teor agravo regimental recl. 28.747.Inteiro teor agravo regimental recl. 28.747.
Inteiro teor agravo regimental recl. 28.747.Marcelo Auler
 
A íntegra da ação
A íntegra da açãoA íntegra da ação
A íntegra da açãoRadar News
 
Oposição vaio ao STF contra Eduardo Bolsonaro
Oposição vaio ao STF contra Eduardo BolsonaroOposição vaio ao STF contra Eduardo Bolsonaro
Oposição vaio ao STF contra Eduardo BolsonaroEditora 247
 
Comissão Arns denuncia Augusto Aras no STF
Comissão Arns denuncia Augusto Aras no STFComissão Arns denuncia Augusto Aras no STF
Comissão Arns denuncia Augusto Aras no STFPaulo Souza
 
Denúncia da OAB que pede o impeachment de Michel Temer
Denúncia da OAB que pede o impeachment de Michel TemerDenúncia da OAB que pede o impeachment de Michel Temer
Denúncia da OAB que pede o impeachment de Michel Temerpoliticaleiaja
 
Rcl 43007-350-manif-17022021105512205
Rcl 43007-350-manif-17022021105512205Rcl 43007-350-manif-17022021105512205
Rcl 43007-350-manif-17022021105512205Editora 247
 
Adpf 390 e 391 parecer
Adpf 390 e 391 parecerAdpf 390 e 391 parecer
Adpf 390 e 391 parecerVetor Mil
 

Mais procurados (20)

Representação incra funai - 5 10 17
Representação incra funai - 5 10 17Representação incra funai - 5 10 17
Representação incra funai - 5 10 17
 
Ação Popular da ABI contra Pregão do governo Bolsonaro
Ação Popular da ABI contra Pregão do governo BolsonaroAção Popular da ABI contra Pregão do governo Bolsonaro
Ação Popular da ABI contra Pregão do governo Bolsonaro
 
MPF aponta 'má-fé' de Romero Albuquerque por panfletos pagos pela mãe
MPF aponta 'má-fé' de Romero Albuquerque por panfletos pagos pela mãeMPF aponta 'má-fé' de Romero Albuquerque por panfletos pagos pela mãe
MPF aponta 'má-fé' de Romero Albuquerque por panfletos pagos pela mãe
 
Juíza cassa mandato de Romero Albuquerque o deixa inelegível por oito anos
Juíza cassa mandato de Romero Albuquerque o deixa inelegível por oito anosJuíza cassa mandato de Romero Albuquerque o deixa inelegível por oito anos
Juíza cassa mandato de Romero Albuquerque o deixa inelegível por oito anos
 
Parlamentares pedem afastamento de Geddel e apuração de possíveis crimes
Parlamentares pedem afastamento de Geddel e apuração de possíveis crimesParlamentares pedem afastamento de Geddel e apuração de possíveis crimes
Parlamentares pedem afastamento de Geddel e apuração de possíveis crimes
 
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão 0057920-68.2016.8.19.0000)
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão 0057920-68.2016.8.19.0000)ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão 0057920-68.2016.8.19.0000)
ADI - Ação Direta de Inconstitucionalidade (Acórdão 0057920-68.2016.8.19.0000)
 
Advogados pedem ao STF o afastamento de Bolsonaro; pedido preocupa o Planalto
Advogados pedem ao STF o afastamento de Bolsonaro; pedido preocupa o PlanaltoAdvogados pedem ao STF o afastamento de Bolsonaro; pedido preocupa o Planalto
Advogados pedem ao STF o afastamento de Bolsonaro; pedido preocupa o Planalto
 
Resposta Omar Aziz CPI
Resposta Omar Aziz CPIResposta Omar Aziz CPI
Resposta Omar Aziz CPI
 
PT pede que STF investigue Bolsonaro e Moro por obstrução
PT pede que STF investigue Bolsonaro e Moro por obstruçãoPT pede que STF investigue Bolsonaro e Moro por obstrução
PT pede que STF investigue Bolsonaro e Moro por obstrução
 
EDIÇÃO 430 DE 16 DE ABRIL DE 2021
EDIÇÃO 430 DE 16 DE ABRIL DE 2021EDIÇÃO 430 DE 16 DE ABRIL DE 2021
EDIÇÃO 430 DE 16 DE ABRIL DE 2021
 
Documento impeachment ABI Bolsonaro
Documento impeachment ABI BolsonaroDocumento impeachment ABI Bolsonaro
Documento impeachment ABI Bolsonaro
 
TSE 24 2018
TSE 24 2018TSE 24 2018
TSE 24 2018
 
Inteiro teor agravo regimental recl. 28.747.
Inteiro teor agravo regimental recl. 28.747.Inteiro teor agravo regimental recl. 28.747.
Inteiro teor agravo regimental recl. 28.747.
 
A íntegra da ação
A íntegra da açãoA íntegra da ação
A íntegra da ação
 
Oposição vaio ao STF contra Eduardo Bolsonaro
Oposição vaio ao STF contra Eduardo BolsonaroOposição vaio ao STF contra Eduardo Bolsonaro
Oposição vaio ao STF contra Eduardo Bolsonaro
 
Comissão Arns denuncia Augusto Aras no STF
Comissão Arns denuncia Augusto Aras no STFComissão Arns denuncia Augusto Aras no STF
Comissão Arns denuncia Augusto Aras no STF
 
Denúncia da OAB que pede o impeachment de Michel Temer
Denúncia da OAB que pede o impeachment de Michel TemerDenúncia da OAB que pede o impeachment de Michel Temer
Denúncia da OAB que pede o impeachment de Michel Temer
 
Aije pdt-bolsonaro
Aije pdt-bolsonaroAije pdt-bolsonaro
Aije pdt-bolsonaro
 
Rcl 43007-350-manif-17022021105512205
Rcl 43007-350-manif-17022021105512205Rcl 43007-350-manif-17022021105512205
Rcl 43007-350-manif-17022021105512205
 
Adpf 390 e 391 parecer
Adpf 390 e 391 parecerAdpf 390 e 391 parecer
Adpf 390 e 391 parecer
 

Semelhante a Notícia Crime

Lula e o caso do triplex - Volume 1
Lula  e o caso do  triplex  - Volume 1Lula  e o caso do  triplex  - Volume 1
Lula e o caso do triplex - Volume 1ESCRIBAVALDEMIR
 
Dallagnol é alvo de representação no CNMP após fabricação de delação revelada...
Dallagnol é alvo de representação no CNMP após fabricação de delação revelada...Dallagnol é alvo de representação no CNMP após fabricação de delação revelada...
Dallagnol é alvo de representação no CNMP após fabricação de delação revelada...diariodocentrodomundo
 
Representação CNMP
Representação CNMP Representação CNMP
Representação CNMP Editora 247
 
REPRESENTACAO AO MP ELEITORAL
REPRESENTACAO AO MP ELEITORALREPRESENTACAO AO MP ELEITORAL
REPRESENTACAO AO MP ELEITORALJeffinhoSantos2
 
Paulo Pimenta e Wadih Damous pedem prisão de Moro e procuradores da Lava Jato
Paulo Pimenta e Wadih Damous pedem prisão de Moro e procuradores da Lava JatoPaulo Pimenta e Wadih Damous pedem prisão de Moro e procuradores da Lava Jato
Paulo Pimenta e Wadih Damous pedem prisão de Moro e procuradores da Lava JatoAquiles Lins
 
Representação - Conselho de Ética - Nikolas Ferreira - Transfobia.pdf
Representação - Conselho de Ética - Nikolas Ferreira - Transfobia.pdfRepresentação - Conselho de Ética - Nikolas Ferreira - Transfobia.pdf
Representação - Conselho de Ética - Nikolas Ferreira - Transfobia.pdffernando de lima miler
 
Apelo de lula à onu
Apelo de lula à onuApelo de lula à onu
Apelo de lula à onuRadar News
 
• LEIA A ÍNTEGRA DE DENÚNCIA DO MPF DA OPERAÇÃO XEPA
•	LEIA A ÍNTEGRA DE DENÚNCIA DO MPF DA OPERAÇÃO XEPA•	LEIA A ÍNTEGRA DE DENÚNCIA DO MPF DA OPERAÇÃO XEPA
• LEIA A ÍNTEGRA DE DENÚNCIA DO MPF DA OPERAÇÃO XEPARadar News
 
Denúncia da Lava Jato contra João Santana
Denúncia da Lava Jato contra João SantanaDenúncia da Lava Jato contra João Santana
Denúncia da Lava Jato contra João SantanaMiguel Rosario
 
A decisão de Alexandre de Moraes sobre a prisão de Roberto Jefferson
A decisão de Alexandre de Moraes sobre a prisão de Roberto JeffersonA decisão de Alexandre de Moraes sobre a prisão de Roberto Jefferson
A decisão de Alexandre de Moraes sobre a prisão de Roberto Jeffersondiariodocentrodomundo
 
Oposição vai ao STF contra portaria que dificulta aborto legal
Oposição vai ao STF contra portaria que dificulta aborto legalOposição vai ao STF contra portaria que dificulta aborto legal
Oposição vai ao STF contra portaria que dificulta aborto legalEditora 247
 
Representação crime de responsabilidade tcu 5 10 17
Representação crime de responsabilidade tcu  5 10 17Representação crime de responsabilidade tcu  5 10 17
Representação crime de responsabilidade tcu 5 10 17Editora 247
 
Decisao_6232448_Despacho
Decisao_6232448_DespachoDecisao_6232448_Despacho
Decisao_6232448_DespachoEditora 247
 
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio Moro
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio MoroPetição de Lula à ONU contra atuação de Sergio Moro
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio MoroCarlos Eduardo
 
Comp. de protocolo - Ação Popular - 7 de setembro
Comp. de protocolo - Ação Popular - 7 de setembroComp. de protocolo - Ação Popular - 7 de setembro
Comp. de protocolo - Ação Popular - 7 de setembroEditora 247
 

Semelhante a Notícia Crime (20)

Lula e o caso do triplex - Volume 1
Lula  e o caso do  triplex  - Volume 1Lula  e o caso do  triplex  - Volume 1
Lula e o caso do triplex - Volume 1
 
Dallagnol é alvo de representação no CNMP após fabricação de delação revelada...
Dallagnol é alvo de representação no CNMP após fabricação de delação revelada...Dallagnol é alvo de representação no CNMP após fabricação de delação revelada...
Dallagnol é alvo de representação no CNMP após fabricação de delação revelada...
 
Representação CNMP
Representação CNMP Representação CNMP
Representação CNMP
 
REPRESENTACAO AO MP ELEITORAL
REPRESENTACAO AO MP ELEITORALREPRESENTACAO AO MP ELEITORAL
REPRESENTACAO AO MP ELEITORAL
 
Paulo Pimenta e Wadih Damous pedem prisão de Moro e procuradores da Lava Jato
Paulo Pimenta e Wadih Damous pedem prisão de Moro e procuradores da Lava JatoPaulo Pimenta e Wadih Damous pedem prisão de Moro e procuradores da Lava Jato
Paulo Pimenta e Wadih Damous pedem prisão de Moro e procuradores da Lava Jato
 
PT x Bolsonaro
PT x BolsonaroPT x Bolsonaro
PT x Bolsonaro
 
Representação - Conselho de Ética - Nikolas Ferreira - Transfobia.pdf
Representação - Conselho de Ética - Nikolas Ferreira - Transfobia.pdfRepresentação - Conselho de Ética - Nikolas Ferreira - Transfobia.pdf
Representação - Conselho de Ética - Nikolas Ferreira - Transfobia.pdf
 
Apelo de lula à onu
Apelo de lula à onuApelo de lula à onu
Apelo de lula à onu
 
• LEIA A ÍNTEGRA DE DENÚNCIA DO MPF DA OPERAÇÃO XEPA
•	LEIA A ÍNTEGRA DE DENÚNCIA DO MPF DA OPERAÇÃO XEPA•	LEIA A ÍNTEGRA DE DENÚNCIA DO MPF DA OPERAÇÃO XEPA
• LEIA A ÍNTEGRA DE DENÚNCIA DO MPF DA OPERAÇÃO XEPA
 
Denúncia da Lava Jato contra João Santana
Denúncia da Lava Jato contra João SantanaDenúncia da Lava Jato contra João Santana
Denúncia da Lava Jato contra João Santana
 
A decisão de Alexandre de Moraes sobre a prisão de Roberto Jefferson
A decisão de Alexandre de Moraes sobre a prisão de Roberto JeffersonA decisão de Alexandre de Moraes sobre a prisão de Roberto Jefferson
A decisão de Alexandre de Moraes sobre a prisão de Roberto Jefferson
 
Prisão de Jefferson
Prisão de JeffersonPrisão de Jefferson
Prisão de Jefferson
 
Roberto Jefferson
Roberto JeffersonRoberto Jefferson
Roberto Jefferson
 
Oposição vai ao STF contra portaria que dificulta aborto legal
Oposição vai ao STF contra portaria que dificulta aborto legalOposição vai ao STF contra portaria que dificulta aborto legal
Oposição vai ao STF contra portaria que dificulta aborto legal
 
Representação crime de responsabilidade tcu 5 10 17
Representação crime de responsabilidade tcu  5 10 17Representação crime de responsabilidade tcu  5 10 17
Representação crime de responsabilidade tcu 5 10 17
 
Documento da OAB contra Bretas
Documento da OAB contra BretasDocumento da OAB contra Bretas
Documento da OAB contra Bretas
 
Decisao_6232448_Despacho
Decisao_6232448_DespachoDecisao_6232448_Despacho
Decisao_6232448_Despacho
 
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio Moro
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio MoroPetição de Lula à ONU contra atuação de Sergio Moro
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio Moro
 
Comp. de protocolo - Ação Popular - 7 de setembro
Comp. de protocolo - Ação Popular - 7 de setembroComp. de protocolo - Ação Popular - 7 de setembro
Comp. de protocolo - Ação Popular - 7 de setembro
 
Bolsonaro no TSE
Bolsonaro no TSEBolsonaro no TSE
Bolsonaro no TSE
 

Mais de Editora 247

Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelar
Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelarConib - caso breno altman - aditamento medida cautelar
Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelarEditora 247
 
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24Editora 247
 
Depreciação Imediata
Depreciação Imediata Depreciação Imediata
Depreciação Imediata Editora 247
 
Balanço Gestão
Balanço Gestão Balanço Gestão
Balanço Gestão Editora 247
 
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdf
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdfNota_CSD_ 04.05.2023.pdf
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdfEditora 247
 
Moraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro mesesMoraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro mesesEditora 247
 
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegra
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegraFazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegra
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegraEditora 247
 
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdf
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdfQUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdf
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdfEditora 247
 
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1Oficio-MP-TCE-Sabesp-1
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1Editora 247
 
Apesentação Arcabouço Fiscal
Apesentação Arcabouço FiscalApesentação Arcabouço Fiscal
Apesentação Arcabouço FiscalEditora 247
 
Projeto de lei nº 474/2019
Projeto de lei nº 474/2019Projeto de lei nº 474/2019
Projeto de lei nº 474/2019Editora 247
 
GENOCÍDIO YANOMAMI
GENOCÍDIO YANOMAMIGENOCÍDIO YANOMAMI
GENOCÍDIO YANOMAMIEditora 247
 
119_MANIF_MPF1.PDF
119_MANIF_MPF1.PDF119_MANIF_MPF1.PDF
119_MANIF_MPF1.PDFEditora 247
 
Minuta de Portaria
Minuta de PortariaMinuta de Portaria
Minuta de PortariaEditora 247
 
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdf
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdfRepresentação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdf
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdfEditora 247
 
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdf
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdfIphan DF Vistoria Bens culturais.pdf
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdfEditora 247
 

Mais de Editora 247 (20)

Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelar
Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelarConib - caso breno altman - aditamento medida cautelar
Conib - caso breno altman - aditamento medida cautelar
 
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24
MP-SP Documento antissemita SEI/MPSP n. 29.0001.0034944.2023-24
 
Depreciação Imediata
Depreciação Imediata Depreciação Imediata
Depreciação Imediata
 
Balanço Gestão
Balanço Gestão Balanço Gestão
Balanço Gestão
 
Protocolo
ProtocoloProtocolo
Protocolo
 
PGR
PGRPGR
PGR
 
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdf
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdfNota_CSD_ 04.05.2023.pdf
Nota_CSD_ 04.05.2023.pdf
 
Moraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro mesesMoraes solta Anderson Torres após quatro meses
Moraes solta Anderson Torres após quatro meses
 
GENIAL QUAEST
GENIAL QUAESTGENIAL QUAEST
GENIAL QUAEST
 
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegra
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegraFazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegra
Fazenda apresenta texto completo do novo marco fiscal; leia a íntegra
 
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdf
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdfQUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdf
QUAEST+AVALIAÇÃO+GOVERNO+MG+ABR23.pdf
 
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1Oficio-MP-TCE-Sabesp-1
Oficio-MP-TCE-Sabesp-1
 
Apesentação Arcabouço Fiscal
Apesentação Arcabouço FiscalApesentação Arcabouço Fiscal
Apesentação Arcabouço Fiscal
 
Projeto de lei nº 474/2019
Projeto de lei nº 474/2019Projeto de lei nº 474/2019
Projeto de lei nº 474/2019
 
GENOCÍDIO YANOMAMI
GENOCÍDIO YANOMAMIGENOCÍDIO YANOMAMI
GENOCÍDIO YANOMAMI
 
119_MANIF_MPF1.PDF
119_MANIF_MPF1.PDF119_MANIF_MPF1.PDF
119_MANIF_MPF1.PDF
 
Minuta de Portaria
Minuta de PortariaMinuta de Portaria
Minuta de Portaria
 
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdf
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdfRepresentação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdf
Representação MPF - Fabio Wajgarten e Pedro Guimarães.pdf
 
Davos_full_2023
Davos_full_2023Davos_full_2023
Davos_full_2023
 
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdf
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdfIphan DF Vistoria Bens culturais.pdf
Iphan DF Vistoria Bens culturais.pdf
 

Notícia Crime

  • 1. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO COLENDO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA – STJ. MD. JOÃO OTÁVIO DE NORONHA GLEISI HELENA HOFFMANN, brasileira, casada, atualmente no exercício do mandato de Deputada Federal pelo PT/PR e, ainda, Presidente do Partido dos Trabalhadores, portadora da CI nº 3996866-5 – SSP/PR e CPF nº 676.770.619-15, com endereço na Câmara dos Deputados, Gabinete 232 – Anexo IV – Brasília (DF); PAULO ROBERTO SEVERO PIMENTA, brasileiro, casado, jornalista, portador da cédula de identidade de 2024323822 – SSP/RS, CPF 428449240-34, atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/RS e, ainda, Líder da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara Federal, com endereço na Praça dos Três Poderes – Câmara dos Deputados, gabinete 552, anexo IV, e endereço eletrônico dep.paulopimenta@camara.leg.br; ARLINDO CHINAGLIA JÚNIOR, brasileiro, casado, médico, atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/SP, portador da CI nº 46267657 – SSP/SP e CPF nº 068.211.461-87, com endereço no gabinete Ala A, Ed. Principal, Anexo I, Câmara dos Deputados – Brasília (DF); RUI GOETHE DA COSTA FALCÃO, brasileiro, casado, jornalista, Deputado Federal (PT/SP), portador da carteira de identidade RG 3171369-5, SSP/SP, inscrito no CPF nº 614.646.868-15, com endereço na Câmara dos Deputados, anexo IV, gabinete 819, Brasília/DF; ROGÉRIO CORREIA DE MOURA BAPTISTA, brasileiro, professor, atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/MG, portador da CI nº 753027 – SSP/MG e CPF nº 471.025.006-53, com endereço na Câmara dos Deputados, gabinete 614, anexo IV – Brasília (DF); MARIA MARGARIDA MARTINS SALOMÃO, brasileira, professora, atualmente no exercício do mandato de Deputada Federal pelo PT/MG, portadora da CI nº M-
  • 2. 2 1.387.404 – SSP/MG e CPF nº 135.210.396-68, com endereço na Câmara dos Deputados, Gabinete 236 – Anexo IV – Brasília (DF); ALENCAR SANTANA BRAGA, brasileiro, advogado, atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/SP, portador da CI nº 21285781-8 – SSP/SP e CPF nº 055.448.398-08, com endereço na Câmara dos Deputados, gabinete 239, anexo IV – Brasília (DF); ENIO JOSÉ VERRI, brasileiro, casado, portador da carteira de identidade RG nº 1973095-6, SSP/PR, inscrito no CPF nº 397.377.059-04, atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/PR, com endereço na Câmara dos Deputados, anexo IV, gabinete 627, Brasília/DF; ALBERTO ROLIM ZARATTINI (Carlos Zarattini), brasileiro, solteiro, economista, portador da CI nº 4417827X - SSP/SP e CPF nº 003.980.998-63, atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/SP, com endereço na Câmara dos Deputados, anexo IV – gabinete 808 – Brasília (DF); AFONSO BANDEIRA FLORENCE, brasileiro, casado, Deputado Federal (PT/BA), portador da carteira de identidade RG nº 01512759-27, inscrito no CPF/MF 177.341.505-00, com endereço na Câmara dos Deputados, gabinete 305, anexo IV, Brasília/DF; ROSA NEIDE SANDES DE ALMEIDA, brasileira, professora, atualmente no exercício do mandato de Deputada Federal pelo PT/MT, portadora da CI nº 12055956 – SSP/MT e CPF nº 295.863.721-20, com endereço na Câmara dos Deputados, Gabinete 371 – Anexo III – Brasília (DF); ODAIR JOSÉ DA CUNHA, brasileiro, casado advogado, atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/MG, portadora da CI nº M7236581 – MG e CPF nº 948.923.936-49, com endereço na Câmara dos Deputados, Gabinete 556 – Anexo IV – Brasília (DF) e JOSÉ NOBRE GUIMARÃES, brasileiro, advogado, atualmente no exercício do mandato de Deputado Federal pelo PT/CE, portadora da CI nº 734097 – SSP/CE e CPF nº 093.245.773-87, com endereço na Câmara dos Deputados, Gabinete 306 – Anexo IV – Brasília (DF), vem à presença de Vossa Excelência, com espeque no que estatui o art. 105 da Constituição Federal, combinado com o art. 27 do Código de Processo Penal, apresentar NOTTICIA CRIMINIS Contra o Sr. OSWALDO JOSÉ BARBOSA SILVA, brasileiro, estado civil ignorado, Subprocurador-Geral da República, atualmente no exercício do cargo de Corregedor-Geral do Ministério Público Federal, com endereço sito no SAF Sul – Quadra 4 Conjunto C – Procuradoria-
  • 3. 3 Geral da República – Brasília/DF – Cep 70050-900, tudo conforme os fatos e fundamentos jurídicos adiante delineados. I – Dos Fatos. Síntese inicial. Com efeito, há poucos meses os Procuradores da República em Curitiba, integrantes da denominada Força Tarefa da Lava jato, numa ação megalomaníaca, pretensamente messiânica, rogando-se como os verdadeiros e únicos arautos da moralidade e do combate a corrupção, fizeram espalhar outdoors pela cidade de Curitiba e/ou outras localidades do País, com as fotos dos integrantes da referida força tarefa, ostentando os seguintes dizeres: “Bem-vindos à República de Curitiba Terra da Operação Lava Jato. A Investigação que mudou o País. Aqui a lei se cumpre. 17 de março – 5 anos de Operação Lava Jato – O Brasil Agradece” (grifos nossos). É de se destacar, inicialmente, o deslumbramento dos referidos Procuradores, não só pelo fato de ostentarem nos outdoors as respectivas fotos em poses majestosas, onde se auto proclamam integrantes de uma suposta “República de Curitiba”, como também pelo fato de tentarem cristalizar uma narrativa de que somente naqueles domínios geográficos (Curitiba) reinaria a moralidade e a legalidade (aqui a lei se cumpre), o que não aconteceria, na visão reducionista e preconceituosa deles, no restante do País. A iniciativa, contudo, veiculava graves irregularidades, seja do ponto de vista funcional (disciplinar), seja do ponto de vista administrativo e/ou criminal. Com efeito, em março de 2019, o Centro de Direitos Humanos e Memória de Foz do Iguaçu (CDHM-FI) e o professor de Direito Público da Universidade de Brasília (UnB), Marcelo Neves, ingressaram com Representação disciplinar e pedido de providências junto ao Conselho
  • 4. 4 Nacional do Ministério Público - CNMP, objetivando que aquele órgão adotasse as providências legais com vistas a esclarecer a autoria da iniciativa panfletária que ao fim e ao cabo, apenas autopromovia, de modo incompatível com a postura que deve guardar os integrantes do Ministério Público Federal, os integrantes da Força Tarefa, bem como identificasse, eventualmente, o uso de recursos públicos na iniciativa, o que, à toda evidência, é terminantemente vedado. A Corregedoria do CNMP apressou-se em arquivar a Representação Disciplinar, tendo como referência uma resposta da empresa responsável pela confecção dos outdoors (OUTDOORMIDIA), no sentido de que a publicidade irregular, inconstitucional e desnecessária, não fora contratada por nenhum membro do Ministério Público Federal e que teria como responsável, a pessoa de João Carlos Queiroz Barbosa (contratante). Cobra relevo destacar, a título de informação, que o suposto contratante desmentiu, inclusive solicitando a abertura de inquérito policial, a autoria da publicidade, conforme investigações que seguem em curso na seara do Conselho Nacional do Ministério Público – CNMP. 1 – Da Omissão e Prevaricação do Corregedor-Geral do Ministério Público Federal (Representado). Com efeito, novas informações publicadas na imprensa brasileira pelo site “The Intercept Brasil” ou reproduzidas a partir das investigações realizadas por estes (https://www.conjur.com.br/2019-ago-26/procurador-bancou-outdoor-promover-lava-jato) revelam que não só o material publicitário fora contratado (quiçá com dinheiro público) pelo Procurador da República Diogo Castor de Mattos (de modo que todo o grupo da força tarefa passaram informações falsas à Corregedoria do CNMP), como a própria Corregoria-Geral do Ministério Público Federal não só tinha ciência desse fato, como agiu em “conluio” com o Procurador-Chefe da Força Tarefa Deltan Dallagnol, para “pôr panos quentes” no ilícito, evitando qualquer investigação ou punição dos responsáveis. Nesse sentido, destaca-se os trechos da matéria publicada pelo site CONJUR:
  • 5. 5 “(...) Perto de ser investigado por ter bancado um outdoor com elogios aos procuradores da "lava jato" em Curitiba, o procurador Diogo Castor de Mattos anunciou a saída da força-tarefa. Em 5 de abril, depois de ter admitido que pagou para promover a peça, ele apresentou atestado médico, por estafa física e mental. Em troca, o corregedor-geral do MPF, Oswaldo Barbosa, descartou a confissão e arquivou o processo. Divulgação/The Intercept Brasil Procurador admitiu ter pago por outdoor instalado na saída do aeroporto de Curitiba Barbosa decidiu pelo arquivamento depois de conversar com o coordenador da "lava jato" em Curitiba, o procurador Deltan Dallagnol. As tratativas foram reveladas pelo site The Intercept Brasil, que divulgou nesta segunda-feira (26/8) mais conversas dos procuradores no Telegram. No dia 28 de março, no Telegram, o corregedor perguntou se Deltan sabia quem pagou pelo outdoor. Num primeiro momento, Deltan disse não saber. No dia seguinte, o corregedor voltou a questionar o procurador e sugeriu que os procuradores descobrissem quem pagou e removessem a peça, que estava "repercutindo muito, inclusive no CNMP". "Tenho certeza que não foram vocês! O sentido da minha intervenção foi no sentido de eventualmente vocês conseguirem retirar o outdoor da rua…", disse Barbosa. Na semana seguinte, quando o corregedor foi informado que Castor de Mattos pagou pelo outdoor, Deltan voltou a conversar com ele. De acordo com Deltan, o corregedor disse que "nesse tipo de situação ele instaura uma sindicância não disciplinar, submete a pessoa a junta médica, e a depender do resultado pode entender pela inimputabilidade para o fato (e inclusive para o outro fato em que ele falou 'turma do abafa')". Além disso, segundo Deltan, o próprio corregedor pediu para ele fazer o ofício, e, assim, "ele suspenderia apuração e mandaria ofício pro CNMP pra suspender tb a apuração da turma do abafa, tudo com sigilo 4". No dia 5 de abril, Deltan usou o grupo "Filhos do Januário 4" para avisar aos colegas que havia enviado um ofício ao corregedor relatando a
  • 6. 6 confissão de Castor de Mattos e seu tratamento de saúde. Depois, Deltan avisou o corregedor que encaminhara o ofício, agradeceu a atenção e informou que o documento estava em sigilo, cadastrado apenas para os dois terem acesso. No CNMP, a representação foi arquivada cerca de 20 dias depois da confissão de Castor de Mattos chegar à corregedoria do MPF e tramitar em sigilo. "A publicidade não foi contratada por nenhum membro do Ministério Público", considerou o relator do CNMP, conselheiro Luiz Fernando Bandeira de Mello. (...)” (g.n) Veja Senhor Ministro que o Corregedor-Geral do Ministério Público, omitindo-se dolosamente de suas elevadas responsabilidades no cargo que ocupa, uniu-se ao Procurador- Chefe da Força Tarefa de Curitiba, cuja contumácia na prática de ilícitos da espécie tem se tornado público todos os dias, para, juntos, articular, de forma adrede e quiçá criminosa, uma saída que evitasse até mesmo a investigação do ilícito apontado, quanto mais eventual punição. Deixou de observar, o Corregedora ora representado, as altas responsabilidades do cargo que ocupa, para ajudar a encobrir um ilícito grave, sugerindo inclusive estratégias que deveriam ser adotadas para não prejudicar o autor do ilícito. Trata-se de conduta reprovável, que deve merecer uma investigação aprofundada, visando sua total responsabilização. É o que se espera. II – O Direito. As ações do Representado configuram violam a diversos dispositivos constitucionais, éticos e disciplinares da carreira, caracterizam improbidade administrativa e tipifica, em tese, crime previsto no Código Penal. Com efeito, a Constituição Federal assevera em letras garrafais o seguinte: “Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: ... § 1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de
  • 7. 7 orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos. ” Ademais, a Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993, que dispõe sobre a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público da União, prevê: Art. 236. O membro do Ministério Público da União, em respeito à dignidade de suas funções e à da Justiça, deve observar as normas que regem o seu exercício e especialmente: (...) IX - desempenhar com zelo e probidade as suas funções; X - guardar decoro pessoal. Art. 237. É vedado ao membro do Ministério Público da União: (...) V - exercer atividade político-partidária, ressalvada a filiação e o direito de afastar-se para exercer cargo eletivo ou a ele concorrer. Some-se a isso a Lei Orgânica do Ministério Público, nº 8.625, de 12 de fevereiro de 1993, a qual dispõe: Art. 43. São deveres dos membros do Ministério Público, além de outros previstos em lei: I - manter ilibada conduta pública e particular; II - zelar pelo prestígio da Justiça, por suas prerrogativas e pela dignidade de suas funções; VIII - adotar, nos limites de suas atribuições, as providências cabíveis em face da irregularidade de que tenha conhecimento ou que ocorra nos serviços a seu cargo; (...) (g.n.) As condutas do Representado caracterizam claramente grave violação dos deveres funcionais dos membros do Ministério Público Federal, de modo que suas condutas devem ser amplamente apuradas nos feitos judiciais que eventualmente foram instaurados. Lado outro, os indícios de ilícitos administrativos e penais aqui destacados, apontam, em tese, a violação de diversos princípios da Administração Pública aplicáveis à
  • 8. 8 atuação do Ministério Público Federal, configurando, desta feita, a prática de Improbidade Administrativa (Art. 11 da Lei nº 8.429, de 1992) do Representado, nos seguintes termos: “(...) Dos Atos de Improbidade Administrativa que Atentam Contra os Princípios da Administração Pública Art. 11. Constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, e notadamente: I - praticar ato visando fim proibido em lei ou regulamento ou diverso daquele previsto, na regra de competência; Por fim, as iniciativas do Representado tipificam, em tese, os seguintes delitos criminais: Prevaricação Art. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. Condescendência criminosa Art. 320 - Deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar subordinado que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao conhecimento da autoridade competente: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. Assim, o recebimento e processamento da presente notícia de crime, é medida que se impõe, com a urgência que a situação fática e jurídica requer. III – Do Pedido. Face ao exposto, requer o Parlamentar que ora noticia a ocorrência dos fatos criminosos praticados pelo Corregedor-Geral do Ministério Público Federal, Senhor Oswaldo José Barbosa Silva, que V. Exa. dê o devido processamento a esta comunicação, para que, após a manifestação da Exma. Sra. Procuradora-Geral da República, o qual espera-se, no exercício do
  • 9. 9 seu mister legal e constitucional, formule a correspondente denúncia, julgue o representado e obtenha a condenação pela prática de crimes comuns nos termos da lei, além das providências cabíveis a serem tomadas quanto a prática de atos de improbidade administrativa. Requer-se a juntada do instrumento de procuração no tempo legal. Brasília (DF), 02 de setembro de 2019 Gleisi Hoffmann Deputada Federal – PT/PR Paulo Pimenta Deputado Federal – PT/RS Arlindo Chinaglia Deputado Federal – PT/SP Rui Falcão Deputado Federal – PT/SP Rogério Correia Deputado Federal – PT/MG Margarida Salomão Deputada Federal – PT/MG Alencar Santana Deputado Federal – PT/SP Enio Verri Deputado Federal – PT/PR Carlos Zarattini Deputado Federal – PT/SP Afonso Florence Deputado Federal – PT/BA Rosa Neide Deputada Federal – PT/MT José Guimarães Deputado Federal – PT/CE Odair Cunha Deputado Federal – PT/MG Ao Senhor João Otávio de Noronha Ministro Presidente do Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça – STJ SAFS – Quadra 06 – Lote 01 – Trecho III – CEP: 70095-900 Brasília (DF).