SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Reflexões do
poeta
Os Lusíadas
Luís de
Camões
Reflexões do poeta
Os Lusíadas
Reflexões do poeta
N’Os Lusíadas, mais de uma vez [e sobretudo em final de canto] […]
esquecemos os heróis e é no poeta que atentamos, [aconselhando-se] a si
próprio, lamentando-se, ou com desassombro fustigando os epígones1 dos
heróis. […] Tudo isto nos permite, no poema, conviver, a espaços, não apenas
com o espírito altíssimo do poeta, senão também com a concreta realidade do
homem, do cristão e do português, nos seus momentos de confiança exaltante e
de profunda depressão melancólica, no orgulho do passado, na evocação de
cujas glórias encontrava o estímulo, não tanto para a evasão da austera,
apagada e vil tristeza do presente, como para a forte, oportuna, desassombrada
lição com que escarmenta2 os descendentes dos heróis.
Hernâni Cidade, Luís de Camões – O épico, 2ª edição, Lisboa,
Editorial Presença, 1995, pp. 170 e 172 (texto adaptado)
1 Epígones: geração anterior.
2 Escarmenta: repreende, critica.
• As reflexões surgem após um
acontecimento que as motiva.
• Apresentam um discurso judicativo
e valorativo (juízos de valor).
• Têm uma intenção didática e
interventiva.
Canto I (105-106) – A insegurança e a fragilidade humana
Os valores do Humanismo, a fé afirmada no homem e nas suas extraordinárias
capacidades, fazem desta epopeia, sem dúvida, um poema renascentista. Porém,
simultaneamente, manifesta-se um outro espírito – duvidoso, inseguro, consciente da
fragilidade humana: o espírito antiépico. [De facto, Camões] vivia já numa outra
época, em que os problemas da extensão demasiada do Império se tornam
irresolúveis e avultam os vícios e a decadência. A vida no Oriente «é um quadro de
decadência deplorável, de indisciplina e de corrupção.
Maria Vitalina Leal de Matos, «Os Lusíadas», in Vítor Aguiar e Silva (coord.),
op.cit., pp. 495-497 (texto adaptado e com supressões)
• Note-se que esta reflexão surge no final do canto I, num
momento em que os navegadores ainda têm um longo e
difícil caminho a percorrer.
Reflexões do poeta
Os Lusíadas
Acontecimento motivador: a chegada da armada portuguesa a Mombaça, onde se
prepara nova cilada instigada por Baco.
Canto V (92-100) – O valor e a dignidade das Letras
Toda a epopeia camoniana pode ser lida como a defesa de um valor que o
poeta não se cansa de apontar: a conciliação das armas e das letras, topos que
vinha da mais recuada Antiguidade, mas que ganhava especial atualidade, num
momento em que a grande e a pequena aristocracia, absorvida com o
comércio resultante da expansão, e desejosa de enriquecer rapidamente,
manifestava desinteresse por se cultivar e por apoiar as artes [...].
[…] Trata-se de um discurso de grande vigor oratório, que pretende
justamente envergonhar os destinatários, estabelecendo um paralelismo
antitético entre os portugueses e os outros povos, que prezam o paradigma do
herói letrado, personificado por César. […] Mas a cultura, o amor das artes
exigem tempo, comunidade e gerações.
Idem, ibidem, p. 494 (texto adaptado)
Reflexões do poeta
Os Lusíadas
Acontecimento motivador: o fim da narrativa de Vasco da Gama ao rei de Melinde.
Canto VII (78-87) – Invocação e lamentação do poeta
• Num discurso nitidamente autobiográfico, refere-se à sua vida cheia de
adversidades (a pobreza, os perigos do mar e da terra, etc.).
• Lamenta a ingratidão daqueles que tem cantado em verso e dos nobres
portugueses por desprezarem as artes, por não valorizarem o seu talento.
• Como consequência dessa ingratidão, outros poetas poderão inibir-se de cantar os
feitos futuros.
• Recusa cantar aqueles que sobrepõem os seus interesses ao bem comum e do Rei,
os que são dissimulados ou exploram o povo.
Reflexões do poeta
Os Lusíadas
Acontecimento motivador: pedido do Catual a Paulo da Gama para que lhe explique
o significado das figuras desenhadas nas bandeiras da nau.
Objetivo do Poeta: cantar o verdadeiro herói – aquele que arrisca a
sua vida, colocando-a ao serviço de Deus e da Pátria, merecendo,
assim, a imortalidade.
Canto VIII (96-99) – O poder corruptor do dinheiro
Vasco da Gama fica retido, na Índia, pelo Catual e só é libertado a troco
de «fazenda» (produtos ou dinheiro). A propósito deste e outros factos,
Camões aproveita para fazer uma série de reflexões sobre o poder do
dinheiro, insistentemente animizado e criticado através da anáfora repetitiva
«este», que ocasiona mortes, adultérios, traições, perjúrios, raptos, justiça
corrupta, inimizades, tiranias, etc.
J. Oliveira Macêdo, Sob o signo do Império, Porto, Edições Asa, 2002, p. 187
Reflexões do poeta
Os Lusíadas
Acontecimento motivador: as traições sofridas por Vasco da Gama em Calecute (o
seu sequestro, do qual é libertado graças à entrega de valores materiais).
Objetivo do Poeta: alertar para os efeitos perniciosos do vil metal.
Reflexões do poeta
Os Lusíadas
Acontecimento motivador: a explicação a Vasco da Gama, por parte de Tétis, do
significado alegórico da Ilha dos Amores.
Canto IX (88-95) – Reflexão sobre o caminho para a fama
• O poeta censura os portugueses relativamente à ambição desmedida, à tirania e
vícios.
• Quem quer alcançar o estatuto de herói e atingir a imortalidade tem de
desprezar esses maus costumes.
• Conselhos aos portugueses – devem:
- despertar do estado de dormência e do ócio;
- desprezar a cobiça e a tirania;
- ser justos;
- lutar pela Pátria e pelo Rei.
Reflexões do poeta
Os Lusíadas
Acontecimento motivador: a chegada da armada de Vasco da Gama a Portugal.
Canto X (145-156) – A grandeza dos atos heroicos
• O poeta lamenta a decadência da Pátria, envolta no “gosto da cobiça” e que não
preza o seu talento artístico, o seu “honesto estudo”, a sua experiência; por isso,
manifesta o seu desalento, cansaço e recusa-se a prosseguir o seu canto.
• Elogia, contudo, os que são leais ao Rei (“os vassalos excelentes”), símbolo da
excelência do herói coletivo português.
• Exorta o rei D. Sebastião a prosseguir no caminho da glorificação do “peito ilustre
lusitano” e a dar matéria a nova epopeia.
Com estas reflexões, a epopeia apresenta-se como
• uma obra didática;
• um modelo de valores, um conjunto de normas
morais a seguir;
• um texto que critica os vícios da sociedade da
época;
• uma proposta de ideal superior de humanidade.
As reflexões do
poeta conferem à
obra um caráter
universal e
intemporal

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens)

Semelhante a Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens) (20)

Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 126-127
 
Camões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vbCamões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vb
 
Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)
 
Os lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesOs lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camões
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Camões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiaCamões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeia
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
Lusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciaisLusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciais
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugal
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Os lusiadas resumo
Os lusiadas resumoOs lusiadas resumo
Os lusiadas resumo
 
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
 
lusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docxlusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docx
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
classicismo Pablo kdabra.ppt
classicismo Pablo kdabra.pptclassicismo Pablo kdabra.ppt
classicismo Pablo kdabra.ppt
 

Os Lusíadas: reflexões do poeta (Mensagens)

  • 2. Reflexões do poeta Os Lusíadas Reflexões do poeta N’Os Lusíadas, mais de uma vez [e sobretudo em final de canto] […] esquecemos os heróis e é no poeta que atentamos, [aconselhando-se] a si próprio, lamentando-se, ou com desassombro fustigando os epígones1 dos heróis. […] Tudo isto nos permite, no poema, conviver, a espaços, não apenas com o espírito altíssimo do poeta, senão também com a concreta realidade do homem, do cristão e do português, nos seus momentos de confiança exaltante e de profunda depressão melancólica, no orgulho do passado, na evocação de cujas glórias encontrava o estímulo, não tanto para a evasão da austera, apagada e vil tristeza do presente, como para a forte, oportuna, desassombrada lição com que escarmenta2 os descendentes dos heróis. Hernâni Cidade, Luís de Camões – O épico, 2ª edição, Lisboa, Editorial Presença, 1995, pp. 170 e 172 (texto adaptado) 1 Epígones: geração anterior. 2 Escarmenta: repreende, critica. • As reflexões surgem após um acontecimento que as motiva. • Apresentam um discurso judicativo e valorativo (juízos de valor). • Têm uma intenção didática e interventiva.
  • 3. Canto I (105-106) – A insegurança e a fragilidade humana Os valores do Humanismo, a fé afirmada no homem e nas suas extraordinárias capacidades, fazem desta epopeia, sem dúvida, um poema renascentista. Porém, simultaneamente, manifesta-se um outro espírito – duvidoso, inseguro, consciente da fragilidade humana: o espírito antiépico. [De facto, Camões] vivia já numa outra época, em que os problemas da extensão demasiada do Império se tornam irresolúveis e avultam os vícios e a decadência. A vida no Oriente «é um quadro de decadência deplorável, de indisciplina e de corrupção. Maria Vitalina Leal de Matos, «Os Lusíadas», in Vítor Aguiar e Silva (coord.), op.cit., pp. 495-497 (texto adaptado e com supressões) • Note-se que esta reflexão surge no final do canto I, num momento em que os navegadores ainda têm um longo e difícil caminho a percorrer. Reflexões do poeta Os Lusíadas Acontecimento motivador: a chegada da armada portuguesa a Mombaça, onde se prepara nova cilada instigada por Baco.
  • 4. Canto V (92-100) – O valor e a dignidade das Letras Toda a epopeia camoniana pode ser lida como a defesa de um valor que o poeta não se cansa de apontar: a conciliação das armas e das letras, topos que vinha da mais recuada Antiguidade, mas que ganhava especial atualidade, num momento em que a grande e a pequena aristocracia, absorvida com o comércio resultante da expansão, e desejosa de enriquecer rapidamente, manifestava desinteresse por se cultivar e por apoiar as artes [...]. […] Trata-se de um discurso de grande vigor oratório, que pretende justamente envergonhar os destinatários, estabelecendo um paralelismo antitético entre os portugueses e os outros povos, que prezam o paradigma do herói letrado, personificado por César. […] Mas a cultura, o amor das artes exigem tempo, comunidade e gerações. Idem, ibidem, p. 494 (texto adaptado) Reflexões do poeta Os Lusíadas Acontecimento motivador: o fim da narrativa de Vasco da Gama ao rei de Melinde.
  • 5. Canto VII (78-87) – Invocação e lamentação do poeta • Num discurso nitidamente autobiográfico, refere-se à sua vida cheia de adversidades (a pobreza, os perigos do mar e da terra, etc.). • Lamenta a ingratidão daqueles que tem cantado em verso e dos nobres portugueses por desprezarem as artes, por não valorizarem o seu talento. • Como consequência dessa ingratidão, outros poetas poderão inibir-se de cantar os feitos futuros. • Recusa cantar aqueles que sobrepõem os seus interesses ao bem comum e do Rei, os que são dissimulados ou exploram o povo. Reflexões do poeta Os Lusíadas Acontecimento motivador: pedido do Catual a Paulo da Gama para que lhe explique o significado das figuras desenhadas nas bandeiras da nau. Objetivo do Poeta: cantar o verdadeiro herói – aquele que arrisca a sua vida, colocando-a ao serviço de Deus e da Pátria, merecendo, assim, a imortalidade.
  • 6. Canto VIII (96-99) – O poder corruptor do dinheiro Vasco da Gama fica retido, na Índia, pelo Catual e só é libertado a troco de «fazenda» (produtos ou dinheiro). A propósito deste e outros factos, Camões aproveita para fazer uma série de reflexões sobre o poder do dinheiro, insistentemente animizado e criticado através da anáfora repetitiva «este», que ocasiona mortes, adultérios, traições, perjúrios, raptos, justiça corrupta, inimizades, tiranias, etc. J. Oliveira Macêdo, Sob o signo do Império, Porto, Edições Asa, 2002, p. 187 Reflexões do poeta Os Lusíadas Acontecimento motivador: as traições sofridas por Vasco da Gama em Calecute (o seu sequestro, do qual é libertado graças à entrega de valores materiais). Objetivo do Poeta: alertar para os efeitos perniciosos do vil metal.
  • 7. Reflexões do poeta Os Lusíadas Acontecimento motivador: a explicação a Vasco da Gama, por parte de Tétis, do significado alegórico da Ilha dos Amores. Canto IX (88-95) – Reflexão sobre o caminho para a fama • O poeta censura os portugueses relativamente à ambição desmedida, à tirania e vícios. • Quem quer alcançar o estatuto de herói e atingir a imortalidade tem de desprezar esses maus costumes. • Conselhos aos portugueses – devem: - despertar do estado de dormência e do ócio; - desprezar a cobiça e a tirania; - ser justos; - lutar pela Pátria e pelo Rei.
  • 8. Reflexões do poeta Os Lusíadas Acontecimento motivador: a chegada da armada de Vasco da Gama a Portugal. Canto X (145-156) – A grandeza dos atos heroicos • O poeta lamenta a decadência da Pátria, envolta no “gosto da cobiça” e que não preza o seu talento artístico, o seu “honesto estudo”, a sua experiência; por isso, manifesta o seu desalento, cansaço e recusa-se a prosseguir o seu canto. • Elogia, contudo, os que são leais ao Rei (“os vassalos excelentes”), símbolo da excelência do herói coletivo português. • Exorta o rei D. Sebastião a prosseguir no caminho da glorificação do “peito ilustre lusitano” e a dar matéria a nova epopeia. Com estas reflexões, a epopeia apresenta-se como • uma obra didática; • um modelo de valores, um conjunto de normas morais a seguir; • um texto que critica os vícios da sociedade da época; • uma proposta de ideal superior de humanidade. As reflexões do poeta conferem à obra um caráter universal e intemporal