SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Os Lusíadas
O léxico
A linguagem adotada por Luís de Camões na criação d’Os Lusíadas distancia-
se da normalmente utilizada pelos escritores seus contemporâneos, pelo que esta
não pode ser considerada como um modelo de linguagem clássica. Tal
distanciamento é notório através de três processos distintos:
 O latim  é notório o cuidado de substituir o vocabulário corrente por um
vocabulário culto; e o Latim, língua dos poetas, filósofos e geógrafos, era
considerado mais nobre do que o vocabulário coloquial.
 As metonímias/metáforas  surgem como um outro processo de evitar as
palavras vulgares, na medida em que Camões se serve destas figuras de estilo para
atribuir um outro nome a uma determinada palavra ou expressão. Por exemplo,
“flores” em lugar de faces do rosto; “ouro” em lugar de cabelo/dinheiro; “lenho” em
lugar de nau; “argento”, “líquido estranho”, “Tétis” ou “Dione” em lugar de mar, etc.
Por vezes as metonimias e as metaforas contêm, referências à mitologia greco-latina.
 As perífrases  através do uso de um numero de palavras maior do que o
necessário para exprimir uma determinada ideia, Camões atribui peculiaridade ao
discurso.
Os narradores
Ao longo da obra camoniana Os Lusíadas, Camões mantém a presença de um
narrador principal que vai adotando várias personalidades, que conduzem a
narração. São elas:
 Vasco da Gama, que narra a História de Portugal e a viagem desde Lisboa até
Moçambique;
 Camões (o narrador principal), que relata a viagem de Vasco da Gama desde
Moçambique até à Índia e toda a viagem de regresso;
 Paulo da Gama, que, em Calecut, explica o significado das 23 figuras
representadas nas bandeiras;
 Fernão Veloso, que descreve o episódio dos Doze de Inglaterra;
 Júpiter, que, através de profecias, anuncia para os portugueses “feitos
ilustres” no Oriente;
 Adamastor, que vaticina “ventos e tormentas desmeddas”, “naufrágios,
perdições de toda a sorte” para a gente ousada que navego nos seus mares;
 Ninfa Sirena, que descreve glórias futuras dos Portugueses;
 Tétis, que aponta os lugares onde os portugueses hão de realizar feitos
heroicos.
A mitificação do herói
Os Lusíadas não cantam apenas a viagem marítima e a história portuguesa,
mas revelam, também, o espírito do homem da Renascença que acredita na
experiencia e na razão. De facto, a viagem, mais do que a exploração dos mares,
exprime a passagem do desconhecido para o conhecimento experiencial.
A Ilha dos Amores, no final da obra, não passa de um mito construído com
elementos da cultura greco-latina (as ninfas) elaborado para o efeito específico que
Camões visa – enaltecer os feitos heroicos dos argonautas, bem como a sua
consequente divinização. Tem uma simbologia muito peculiar, visto que enaltece a
importância excecional do acontecimento nuclear do poema – a viagem de
descoberta do caminho marítimo para a Índia.
Esta viagem propiciou o engrandecimento do Império e a difusão da fé Cristã,
desmistificou conjeturas, desvendou mistérios, permitindo aos nautas conhecer a
verdade e o outrora desconhecido. Tais obras são dignas de serem recompensadas,
pelo que Vénus faz os navegadores portugueses aportar à Ilha dos Amores, uma ilha
paradisíaca, povoada de ninfas nuas, que lhes deleitaram os sentidos. Tal
deslumbramento dos nautas pelo erotismo da “ilha” simboliza a necessidade de uma
comunhão dos homens com o divino na procura da suprema harmonia.
Os navegantes, que chegaram à Índia, ultrapassando inúmeras adversidades
e oferecendo os seus serviços em prol da pátria, merecem realmente a mitificação.
Neste sentido, a grandeza dos descobrimentos também se mede pela grandeza do
prémio, e esse foi o da imortalidade, simbolicamente representado na união
homens-deusas. Assim, os nautas, vitoriosos, ascendem à sublimação, fazendo cair
do pedestal as antigas divindades, e atingindo a tão merecida fama.
Em suma, a Ilha dos Amores representa a essência da vida – o Amor e o
Conhecimento – e é o símbolo da capacidade dos Portugueses na exploração dos
mares, bem como da sua divinização, pelos grandes feitos que alcançaram. O
desconhecido torna-se conhecido e o mistério é desvendado, os nauta divinizados.
A epopeia Humanista
Revela-se, particularmente, a partir do Canto V, o pendor humanista da obra:
- Epopeia empenhada em mostrar a capacidade da realização do homem, a
vitória sobre a natureza adversa, o alargamento dos limites do saber;
- Epopeia humanista, ainda, pela sua vertente pedagógica: o poeta propõe aos
portugueses modelos de perfeição, conjugando, por exemplo, as “armas e as letras”.
Sínteses intercalares
Canto I
 Navegação no Índico/ concílio dos Deuses no Olimpo: confronto entre Vénus
e Baco;
 Decisão favorável aos Portugueses;
 Chegada à Ilha de Moçambique;
 Contraste entre negros e brancos;
 Curiosidade dos Moçambicanos, diálogo;
 Visita do Régulo às Naus;
 Constatação das diferenças religiosas;
 Ódio dissimulação do Rei mouro;
 Instigações de Baco contra os Portugueses;
 Cilada;
 Simulação de arrependimento por parte do Rei e oferta
traiçoeira de um falso piloto;
 Partida em direção a Quílola;
 Intervenção providencial de Vénus: desvio da frota com o auxílio de ventos
contrários, impedindo a entrada em Quílola;
 Novas tentativas do falso piloto;
 Chegada a Monbaça;
 Novas ciladas instigadas por Baco;
 Exclamações de Camões.
Canto II
 Convite traiçoeiro do Rei de Monbaça para a armada entrar na cidade;
 Vasco da Gama envia dois condenados a terra para tirar informações;
 Encontram Baco disfarçado de sacerdote cristão numa igreja;
 O Gama decide desembarcar;
 Vénus e as Nereides impedem-no de entrar no porto;
 O falso piloto e os outros mouros que se encontravam nas naus, julgando-se
descobertos, atiram-se ao mar;
 Agradecimento do Gama a Deus e pedido de ajuda;
 Vénus vai ter com Júpiter e lamenta-se da falte de apoio para os Portugueses;
 O pai dos Deuses garante-lhe futuro glorioso para os seus protegidos;
 O Deus Mercúrio é enviado a terra para aparecer em sonhos a Vasco de
Gama, indicando-lhe o caminho e para lhes preparar uma boa receção no
próximo porto;
 Viagem até Melinde;
 Receção hospitaleira por parte do povo;
 O Capitão é convidado a desembarcar;
 Gama, cauteloso, responde que não está autorizado pelo seu Rei a descer,
mas convida o Rei de Melinde a subir a bordo;
 Visita do Rei e festejos em terra e no mar;
 O Rei pede a Gama que lhe fale dos Portugueses e de Portugal.
Canto III
 Camões pede a Calíope, musa inspiradora da poesia épica, que o ajude em
tarefa tão exigente;
 Vasco da gama inicia o seu longo discurso ao Rei de Melinde:
 Primeiro fala do seu país e da situação geográfica;
 Depois refere a História de Portugal:
∞ História primitiva – do Luso a Viriato;
∞ Conde D. Henrique: formação do condado Portucalense;
∞ Reis da 1ª Dinastia.
Canto IV
 Continua a referência à História de Portugal:
 Reis da 1ª Dinastia (conclusão);
 Reis da 2ª Dinastia;
 Convite a Vasco da Gama para comandar a armada (D.Manuel I);
 Partida das naus, da Praia de Belém, em Lisboa, a 8 de julho de 1497/ o velho
Restelo.
Canto V
 Continuação da narração da viagem feita por Vasco da Gama ao Rei de
Melinde:
 Viagem até ao Equador/ Oceano Atlântico;
 Fenómenos Marítimos – fogo de Santelmo e tromba marítima;
 Paragem na Baía de Santa Helena: a aventura de Fernão Veloso;
 Passagem do Atlântico para o Índico;
 Confronto com o Gigante Adamastor;
 Boa receção das populações da costa Oriental Africana/ Chegada ao
Rio dos Bons Sinais;
 Doença entre os marinheiros: escorbuto;
 Passagem pelo canal de Moçambique, com os graves problemas
contados anteriormente;
 Chegada a Melinde;
 Novos lamentos de Camões, sobre a desvalorização da arte da poesia.
Considerações do Poeta – Canto V
O poeta começa por mostrar como o canto, o louvor, incita à realização dos
feitos; dá em seguida exemplos do apreso dos antigos pelos seus poetas, bem como
da importância dada ao conhecimento e à cultura, que levava a que as armas não
fossem incompatíveis com o saber.
Não é, infelizmente, o que se passa com os portugueses: não se pode amar o
que não se conhece, e a falta de cultura dos heróis nacionais é responsável pela
indiferença que manifestam pela divulgação dos seus feitos.
Apesar disso, o poeta, movido pelo amor à pátria, reitera o seu propósito de
continuar a engrandecer, com os seus versos, as “grandes obras” realizadas.
Desta forma, manifesta a vertente pedagógica da sua epopeia, na defesa da
realização plena do homem em todas as suas capacidades.
Canto VI
 Festa de despedida em Melinde;
 Partida para a Índia com pilotos experientes: a viagem;
 Baco, em desespero, desce ao palácio de Neptuno e solicita-lhe um novo
consílio, desta vez dos deuses do mar, convencendo-os a destruíram os
portugueses. Éolo, deus do vento, fica encarregado de soltar os ventos;
 Os portugueses navegam calmos e confiantes: Fernão Veloso conta a história
dos doze de Inglaterra e do Magriço;
 Violentíssima tempestade;
 Prece de Vasco da Gama a Deus;
 Vénus manda as ninfas seduzir e amansar os ventos;
 Índia à vista;
 Vasco da Gama agradece à Divina providência, julgando ter havido um
milagre;
 Camões medita sobre o verdadeiro valor da Glória.
Considerações do Poeta – Canto VI
Vencidos os perigos e os medos, desvendados os segredos, é realizada a obra,
e a chegada, finalmente, é possível.
Continuando a exercer a sua função pedagógica, o poeta defende um novo
conceito de nobreza, espelho do modelo da virtude renascentista: a fama e a
imortalidade, o prestigio e o pode, adquirem-se pelo esforço – na batalha ou
enfrentando os elementos, sacrificando o corpo e sofrendo pela perda dos
companheiros; não se é nobre por herança, permanecendo no luxo e na ociosidade,
nem pela concessão de favores se deve alcançar um lugar de relevo.
Canto VII
 Chegada a Calecute;
 Camões elogia o espírito de cruzada e critica os outros países que não
seguem o mesmo exemplo;
 Descrição da Índia;
 Vasco da Gama manda um mensageiro anunciar a sua chegada a Calecute;
 O mensageiro desperta a curiosidade entre as gentes da Índia, pelo seu tom
de pele e modo de trajar;
 Monçaide, um mouro do norte que conhece a fama dos portugueses e fala
hispânico, recebe-o em sua casa e fala da Índia e das suas gentes;
 Gama decide desembarcar e visitar o Samorim;
 O capitão Português é recebido pelo Catual, governados da cidade, e passeia-
se pelas ruas de Calecute;
 Vasco da Gama é recebido pelo Samorim no seu palácio e expõe-lhe o
objetivo da sua viagem: levá-lo a fazer um pacto de Paz, Amizade e Comércio
com El-Rei D. Manuel I;
 O Catual quer informações sobre os portugueses e Monçaide aconselha-o a ir
visitar as naus;
 O Catual é recebido a bordo e pede a Paulo da Gama que lhe fale da bandeira
que tem cenas históricas pintadas;
 Camões pede inspiração, desta vez às ninfas do Tejo e do Mondego e lamenta-
se da ingratidão dos seus contemporâneos que não lhe dão o valor que ele
julga merecer.
Considerações do Poeta – Canto VII
Est. 2 a 14 – Percorrido tão longo e difícil caminho, é momento para que, na
chegada a Calecute, o poeta faça novos louvores aos Portugueses. Exalta, então, o seu
espírito de cruzada, a incansável divulgação da Fé por África, Ásia, América “E se
mais mundos houver, lá chegará”, inserindo, assim, a viagem à Índia na missão
transcendente que assumiram e que é marca da sua identidade nacional.
Por oposição, critica duramente as outras nações europeias – os Alemães
“soberbo gado”, o “duro Inglês”, o “Galo indigno”, os italianos que, “em delicias/ Que
o vil ócio que no mundo traz consigo,/ Gastam as vida” – por não seguirem o seu
exemplo no combate aos infiéis.
Est. 78 a 87 – Numa reflexão de tom marcadamente autobiográfico, o Poeta
exprime um estado de espírito bem diferente daquele que caracterizava, no Canto I,
a invocação às Tágides – “ cego, / (…) insano e temerário”, percorre um caminho
“árduo, longo e vário”, e precisa de auxílio porque, segundo diz, teme que o barco da
sua vida e da sua obra não chegue a bom porto. Uma vida que tem sido cheia de
adversidades, que enumera: a pobreza, a desilusão, o desterro, os perigos do mar e
da guerra, entre outros. Em retribuição, recebe novas contrariedades – de novo a
crítica aos contemporâneos e o alerta para a inevitável inibição do surgimento de
outros poetas em consequência de tais exemplos.
Porém, a critica aumenta de tom na parte final, quando são enumerados
aqueles que nunca cantará e, implicitamente, denuncia abundarem na sociedade do
seu tempo: os ambiciosos, os que sobrepõem os seus interesses aos do “bem comum
e do seu Rei”, os dissimulados, os exploradores do povo, que não defendam “que se
pague o suor da servil gente”.
No final, retoma à definição do seu herói – o que arrisca a vida “por seu Deus,
por seu Rei”.
Nota: A definição como anti-heroicos dos atos de quem se serve do poder para seu
interesse pessoal, bem como dos que exploram e oprimem o povo, mesmo que
servindo diligentemente o rei, é uma crítica social e política de grande coragem e
frontalidade.
Canto VIII
 Paulo da Gama explica ao Catual o significado das figuras históricas
representadas nas bandeiras;
 Baco provoca novas intrigas, aparecendo em sonhos a um sacerdote
muçulmano que convoca pessoas da sua religião e indispõe-los contra os
portugueses;
 Decidem subornar os Catuais e estes retardam a decisão de fazer o acordo
com os portugueses;
 Vasco da Gama apela ao Samorim e este quer que ele confere que os
portugueses não são quem dizem ser;
 Vasco da Gama argumenta com palavras inspiradoras de Vénus e diz que
partirá logo, pois só pretende o tal tratado e especiarias para provar ao Rei D.
Manuel I que cumpriu sua missão;
 O Rei acredita nele e desconfia dos seus conselheiros;
 O Catual impede Gama de partir e procura que as naus se aproximem de
terra;
 Vasco da Gama apercebe-se da cilada e, no dia seguinte, pede-lhe de novo
para ir falar como Samorim;
 O Catual, com medo, propõe a liberdade em troca de mercadoria;
 Vasco da Gama escreve ao irmão e paga o resgate, sendo solto;
 Camões faz novas conjeturas sobre o poder corruptor do ouro.
Considerações do Poeta – Canto VIII
A propósito da narração ao suborno do Catual e das suas exigências aos
navegadores, são agora enumerados os efeitos perniciosos do ouro – provoca
derrotas, faz dos amigos traidores, mancha o que há de mais puro, deturpa o
conhecimento e a consciência, os textos e as leis são por ele condicionados, está na
origem de difamações da tirania dos reis, corrompe até os sacerdotes sob a
aparência da virtude.
Retomando a função pedagógica do seu canto, o Poeta aponta um dos males
da sociedade sua contemporânea, orientada por valores materialistas.
Canto IX
 Os dois feitores que tinham vindo a terra com o resgate são aprisionados
para retardar a partida, pois uma poderosa armada turca está a chegar;
 Monçaide avisa o Gama e este mantém a bordo dois mercadores importantes
indianos;
 A família destes intercede junto do Samorim e faz-se a troca de reféns;
 Monçaide consegue as especiarias para o Gama e parte com os portugueses;
 Partida: regresso à Pátria – missão cumprida;
 Vénus prepara uma merecida recompensa para os descobridores: uma ilha
onde repousem da sua árdua tarefa e, simultaneamente, satisfação os
sentidos, numa perspetiva carnal;
 Na Ilha dos Amores: confraternização amorosa entre os marinheiros e as
ninfas;
 Conselhos de Camões aos que aspiram à imortalidade.
Considerações do Poeta/ Ilha dos Amores – Canto IX
Estando os navegantes na viagem de regresso a Portugal, Vénus prepara-lhes,
com a ajuda das ninfas e do seu filho cupido, uma recompensa pelos perigos e
tormentas que enfrentaram vitoriosos. Fá-los aportar numa ilha paradisíaca,
povoada por ninfas amorosas que lhes deleitam os sentidos. Numa atitude estudada
de sedução, as divindades fingem-se assustar-se com a presença dos marinheiros
mas logo se rendem aos prazeres do amor.
Esta ilha não existe na realidade, mas na imaginação, no sonho que dá sentido
à vida, sonho esse que permite atingir a plenitude da Beleza, do Amor, da Realização.
Neste sentido, a grandeza dos descobrimentos também se mede pela
grandeza do prémio, e esse foi o da imortalidade, simbolicamente representado na
união homem-deusas.
O Poeta não perde o ensejo, no final do canto, de esboçar o perfil dos que
podem ser “nesta Ilha de Vénus recebidos”, reiterando valores como a justiça, a
coragem, o amor à pátria, a lealdade ao reino.
Desta forma, independentemente das circunstâncias históricas, se construirá
uma sociedade mais justa – “E todos tereis mais, e nenhum menos” -, atingindo-se,
então, a verdadeira e merecida fama.
Simultaneamente, o poeta não deixa de sublinhar a importância da vontade
da consecução dos nossos objetivos, porque “quem quis, sempre pode”.
Canto X
 Tétis e as outras Ninfas oferecem um banquete aos navegadores portugueses;
 Uma ninfa, cantando, vaticina feitos futuros para o peito lusitano;
 Camões interrompe para solicitar a Calíope que o faça recuperar o gosto e o
poder da escrita, pois está velho e cansado;
 A Ninfa saliente feitos sobretudo relacionados com os futuros governadores
da Índia;
 Tétis leva Gama ao alto de um monte, onde lhe mostra a grande Máquina do
Mundo, só vista por seres divinos, e descreve-lhe os lugares onde os
portugueses irão praticar feitos heroicos;
 Tétis comunica-lhe que é tempo de partir;
 Chegada a Portugal;
 Camões finda a leitura do Poema ao Rei D. Sebastião e exorta-o a reconhecer
o valor dos que o servem e a cometer, ele também, feitos gloriosos no norte
de África, pondo-se à sua disposição como soldado, para o servir, e como
poeta, para o cantar.
Considerações do poeta – Canto X – Ilha dos Amores/ Invocação a Calíope
No banquete com que homenageiam os navegantes, uma ninfa profetiza
futuras vitórias dos portugueses. É momento para o poeta interromper e pedir
inspiração a Calíope, musa da poesia épica e da eloquência, uma vez que a “Matéria”
é elevada, sublime, digna de ser cantada numa epopeia e não em poesia vulgar.
Novamente, através de um tom marcadamente autobiográfico, o Poeta refere
aspetos da sua vida, queixando-se do envelhecimento e dos desgostos que o vão
levando à morte. Assim, o Poeta pede a Calíope que lhe permita levar a cabo esta
expressão do amor pela pátria, uma vez que sento um menor gosto pela escrita.
Canto X – a Máquina do Mundo
A Máquina do
Mundo era composta por
11 esferas (ou céus):
 No centro, a Terra,
formada pelos quatro
elementos (terra, água,
fogo e ar);
 Sobre esta esfera
assentava o céu da Lua,
seguindo-se os céus de
Mercúrio, Vénus, Marte,
Júpiter, Saturno e o do
Sol;
 Sobre os céus destes planetas, estava a oitava esfera, onde se encontrava as
constelações;
 Depois vinha a nona esfera. Cristalina ou Segundo móbil;
 Envolvendo todas as anteriores, estava o décimo céu ou o primeiro móbil;
 A cobrir todos estes céus materiais, havia o Empíreo, fixo, morada dos bem-
aventurados.
Considerações do Poeta – Canto X
O Poeta encerra a sua obra, condenando o abandono a que em Portugal se
votam às letras e exortando D. Sebastião a continuar a série de vitórias portuguesas
em Marrocos.
É, mais uma vez, o lamento sentido de um poeta que se sente injustiçado por
ver que está a “cantar a gente surda e endurecida”, insensível à arte e mergulhada
não no amor à pátria, mas sim “No gosto da cobiça e na rudeza/ Duma austera,
apagada e vil tristeza”.
Neste desencanto, há ainda uma centelha de esperança, quando, ao dirigir-se
ao Rei D. Sebastião, “Senhor só de vassalos excelentes”, capazes de tudo enfrentar e
suportar, o Poeta o exorta a fazer renascer a glória portuguesa através de uma serie
de conselhos: favorecer todos os súbditos de acordo com a sua aptidão, aliviar o país
de lei rigorosas, valorizar o saber dos experientes, ter apreso pelos guerreiros que
dilatam a Fé e o império – a sua mensagem resume-se aos versos “ Não se aprende,
Senhor, na fantasia/ Sonhando, imaginando ou estudando, / Senão vendo, tratando e
pelejando”.
Perante a indiferença e o esquecimento a que esta cotado, Camões não se
inibe de apresentar os seus contributos a que, em muito, poderão contribuir para a
exaltação épica do rei e da pátria – “honesto estudo”, “longa experiencia” e
“engenho”.
Assim, só falta ao poeta ser aceite por D. Sebastião de modo a que, ao cantar
os seus feitos, Alexandre Magno, herói da antiguidade clássica, passe a ter o Rei
Português com modelo, em vez de invejar a glória de Aquiles.
Mensagem: Os Lusíadas encerram com uma mensagem abarca o passado, o presente
e o futuro – a glória do passado deverá ser encarada como um exemplo presente
para construir um futuro glorioso. Camões deposita no Rei a esperança de que saiba
aproveitar e estimular as energias dos portugueses para dar continuidade à
glorificação do “peito lusitano”.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Os Lusíadas: a viagem épica e a divinização dos heróis portugueses

Semelhante a Os Lusíadas: a viagem épica e a divinização dos heróis portugueses (20)

Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Os Lusíadas Ilha dos Amores - Canto X
Os Lusíadas   Ilha dos Amores -  Canto XOs Lusíadas   Ilha dos Amores -  Canto X
Os Lusíadas Ilha dos Amores - Canto X
 
Teste de preparação correção
Teste de preparação   correçãoTeste de preparação   correção
Teste de preparação correção
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
 
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Hisee
HiseeHisee
Hisee
 
Prova de historia 1 ano 1 bimestre
Prova de historia 1 ano 1 bimestreProva de historia 1 ano 1 bimestre
Prova de historia 1 ano 1 bimestre
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 140-141
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Trabalho de pt ilha dos amores
Trabalho de pt ilha dos amoresTrabalho de pt ilha dos amores
Trabalho de pt ilha dos amores
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
OS LUSÍADAS 2.docx
OS LUSÍADAS 2.docxOS LUSÍADAS 2.docx
OS LUSÍADAS 2.docx
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugal
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
 

Último

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 

Os Lusíadas: a viagem épica e a divinização dos heróis portugueses

  • 1. Os Lusíadas O léxico A linguagem adotada por Luís de Camões na criação d’Os Lusíadas distancia- se da normalmente utilizada pelos escritores seus contemporâneos, pelo que esta não pode ser considerada como um modelo de linguagem clássica. Tal distanciamento é notório através de três processos distintos:  O latim  é notório o cuidado de substituir o vocabulário corrente por um vocabulário culto; e o Latim, língua dos poetas, filósofos e geógrafos, era considerado mais nobre do que o vocabulário coloquial.  As metonímias/metáforas  surgem como um outro processo de evitar as palavras vulgares, na medida em que Camões se serve destas figuras de estilo para atribuir um outro nome a uma determinada palavra ou expressão. Por exemplo, “flores” em lugar de faces do rosto; “ouro” em lugar de cabelo/dinheiro; “lenho” em lugar de nau; “argento”, “líquido estranho”, “Tétis” ou “Dione” em lugar de mar, etc. Por vezes as metonimias e as metaforas contêm, referências à mitologia greco-latina.  As perífrases  através do uso de um numero de palavras maior do que o necessário para exprimir uma determinada ideia, Camões atribui peculiaridade ao discurso. Os narradores Ao longo da obra camoniana Os Lusíadas, Camões mantém a presença de um narrador principal que vai adotando várias personalidades, que conduzem a narração. São elas:  Vasco da Gama, que narra a História de Portugal e a viagem desde Lisboa até Moçambique;  Camões (o narrador principal), que relata a viagem de Vasco da Gama desde Moçambique até à Índia e toda a viagem de regresso;  Paulo da Gama, que, em Calecut, explica o significado das 23 figuras representadas nas bandeiras;  Fernão Veloso, que descreve o episódio dos Doze de Inglaterra;  Júpiter, que, através de profecias, anuncia para os portugueses “feitos ilustres” no Oriente;  Adamastor, que vaticina “ventos e tormentas desmeddas”, “naufrágios, perdições de toda a sorte” para a gente ousada que navego nos seus mares;  Ninfa Sirena, que descreve glórias futuras dos Portugueses;  Tétis, que aponta os lugares onde os portugueses hão de realizar feitos heroicos. A mitificação do herói Os Lusíadas não cantam apenas a viagem marítima e a história portuguesa, mas revelam, também, o espírito do homem da Renascença que acredita na experiencia e na razão. De facto, a viagem, mais do que a exploração dos mares, exprime a passagem do desconhecido para o conhecimento experiencial.
  • 2. A Ilha dos Amores, no final da obra, não passa de um mito construído com elementos da cultura greco-latina (as ninfas) elaborado para o efeito específico que Camões visa – enaltecer os feitos heroicos dos argonautas, bem como a sua consequente divinização. Tem uma simbologia muito peculiar, visto que enaltece a importância excecional do acontecimento nuclear do poema – a viagem de descoberta do caminho marítimo para a Índia. Esta viagem propiciou o engrandecimento do Império e a difusão da fé Cristã, desmistificou conjeturas, desvendou mistérios, permitindo aos nautas conhecer a verdade e o outrora desconhecido. Tais obras são dignas de serem recompensadas, pelo que Vénus faz os navegadores portugueses aportar à Ilha dos Amores, uma ilha paradisíaca, povoada de ninfas nuas, que lhes deleitaram os sentidos. Tal deslumbramento dos nautas pelo erotismo da “ilha” simboliza a necessidade de uma comunhão dos homens com o divino na procura da suprema harmonia. Os navegantes, que chegaram à Índia, ultrapassando inúmeras adversidades e oferecendo os seus serviços em prol da pátria, merecem realmente a mitificação. Neste sentido, a grandeza dos descobrimentos também se mede pela grandeza do prémio, e esse foi o da imortalidade, simbolicamente representado na união homens-deusas. Assim, os nautas, vitoriosos, ascendem à sublimação, fazendo cair do pedestal as antigas divindades, e atingindo a tão merecida fama. Em suma, a Ilha dos Amores representa a essência da vida – o Amor e o Conhecimento – e é o símbolo da capacidade dos Portugueses na exploração dos mares, bem como da sua divinização, pelos grandes feitos que alcançaram. O desconhecido torna-se conhecido e o mistério é desvendado, os nauta divinizados. A epopeia Humanista Revela-se, particularmente, a partir do Canto V, o pendor humanista da obra: - Epopeia empenhada em mostrar a capacidade da realização do homem, a vitória sobre a natureza adversa, o alargamento dos limites do saber; - Epopeia humanista, ainda, pela sua vertente pedagógica: o poeta propõe aos portugueses modelos de perfeição, conjugando, por exemplo, as “armas e as letras”. Sínteses intercalares Canto I  Navegação no Índico/ concílio dos Deuses no Olimpo: confronto entre Vénus e Baco;  Decisão favorável aos Portugueses;  Chegada à Ilha de Moçambique;  Contraste entre negros e brancos;  Curiosidade dos Moçambicanos, diálogo;  Visita do Régulo às Naus;  Constatação das diferenças religiosas;  Ódio dissimulação do Rei mouro;  Instigações de Baco contra os Portugueses;  Cilada;
  • 3.  Simulação de arrependimento por parte do Rei e oferta traiçoeira de um falso piloto;  Partida em direção a Quílola;  Intervenção providencial de Vénus: desvio da frota com o auxílio de ventos contrários, impedindo a entrada em Quílola;  Novas tentativas do falso piloto;  Chegada a Monbaça;  Novas ciladas instigadas por Baco;  Exclamações de Camões. Canto II  Convite traiçoeiro do Rei de Monbaça para a armada entrar na cidade;  Vasco da Gama envia dois condenados a terra para tirar informações;  Encontram Baco disfarçado de sacerdote cristão numa igreja;  O Gama decide desembarcar;  Vénus e as Nereides impedem-no de entrar no porto;  O falso piloto e os outros mouros que se encontravam nas naus, julgando-se descobertos, atiram-se ao mar;  Agradecimento do Gama a Deus e pedido de ajuda;  Vénus vai ter com Júpiter e lamenta-se da falte de apoio para os Portugueses;  O pai dos Deuses garante-lhe futuro glorioso para os seus protegidos;  O Deus Mercúrio é enviado a terra para aparecer em sonhos a Vasco de Gama, indicando-lhe o caminho e para lhes preparar uma boa receção no próximo porto;  Viagem até Melinde;  Receção hospitaleira por parte do povo;  O Capitão é convidado a desembarcar;  Gama, cauteloso, responde que não está autorizado pelo seu Rei a descer, mas convida o Rei de Melinde a subir a bordo;  Visita do Rei e festejos em terra e no mar;  O Rei pede a Gama que lhe fale dos Portugueses e de Portugal. Canto III  Camões pede a Calíope, musa inspiradora da poesia épica, que o ajude em tarefa tão exigente;  Vasco da gama inicia o seu longo discurso ao Rei de Melinde:  Primeiro fala do seu país e da situação geográfica;  Depois refere a História de Portugal: ∞ História primitiva – do Luso a Viriato; ∞ Conde D. Henrique: formação do condado Portucalense; ∞ Reis da 1ª Dinastia.
  • 4. Canto IV  Continua a referência à História de Portugal:  Reis da 1ª Dinastia (conclusão);  Reis da 2ª Dinastia;  Convite a Vasco da Gama para comandar a armada (D.Manuel I);  Partida das naus, da Praia de Belém, em Lisboa, a 8 de julho de 1497/ o velho Restelo. Canto V  Continuação da narração da viagem feita por Vasco da Gama ao Rei de Melinde:  Viagem até ao Equador/ Oceano Atlântico;  Fenómenos Marítimos – fogo de Santelmo e tromba marítima;  Paragem na Baía de Santa Helena: a aventura de Fernão Veloso;  Passagem do Atlântico para o Índico;  Confronto com o Gigante Adamastor;  Boa receção das populações da costa Oriental Africana/ Chegada ao Rio dos Bons Sinais;  Doença entre os marinheiros: escorbuto;  Passagem pelo canal de Moçambique, com os graves problemas contados anteriormente;  Chegada a Melinde;  Novos lamentos de Camões, sobre a desvalorização da arte da poesia. Considerações do Poeta – Canto V O poeta começa por mostrar como o canto, o louvor, incita à realização dos feitos; dá em seguida exemplos do apreso dos antigos pelos seus poetas, bem como da importância dada ao conhecimento e à cultura, que levava a que as armas não fossem incompatíveis com o saber. Não é, infelizmente, o que se passa com os portugueses: não se pode amar o que não se conhece, e a falta de cultura dos heróis nacionais é responsável pela indiferença que manifestam pela divulgação dos seus feitos. Apesar disso, o poeta, movido pelo amor à pátria, reitera o seu propósito de continuar a engrandecer, com os seus versos, as “grandes obras” realizadas. Desta forma, manifesta a vertente pedagógica da sua epopeia, na defesa da realização plena do homem em todas as suas capacidades. Canto VI
  • 5.  Festa de despedida em Melinde;  Partida para a Índia com pilotos experientes: a viagem;  Baco, em desespero, desce ao palácio de Neptuno e solicita-lhe um novo consílio, desta vez dos deuses do mar, convencendo-os a destruíram os portugueses. Éolo, deus do vento, fica encarregado de soltar os ventos;  Os portugueses navegam calmos e confiantes: Fernão Veloso conta a história dos doze de Inglaterra e do Magriço;  Violentíssima tempestade;  Prece de Vasco da Gama a Deus;  Vénus manda as ninfas seduzir e amansar os ventos;  Índia à vista;  Vasco da Gama agradece à Divina providência, julgando ter havido um milagre;  Camões medita sobre o verdadeiro valor da Glória. Considerações do Poeta – Canto VI Vencidos os perigos e os medos, desvendados os segredos, é realizada a obra, e a chegada, finalmente, é possível. Continuando a exercer a sua função pedagógica, o poeta defende um novo conceito de nobreza, espelho do modelo da virtude renascentista: a fama e a imortalidade, o prestigio e o pode, adquirem-se pelo esforço – na batalha ou enfrentando os elementos, sacrificando o corpo e sofrendo pela perda dos companheiros; não se é nobre por herança, permanecendo no luxo e na ociosidade, nem pela concessão de favores se deve alcançar um lugar de relevo. Canto VII  Chegada a Calecute;  Camões elogia o espírito de cruzada e critica os outros países que não seguem o mesmo exemplo;  Descrição da Índia;  Vasco da Gama manda um mensageiro anunciar a sua chegada a Calecute;  O mensageiro desperta a curiosidade entre as gentes da Índia, pelo seu tom de pele e modo de trajar;  Monçaide, um mouro do norte que conhece a fama dos portugueses e fala hispânico, recebe-o em sua casa e fala da Índia e das suas gentes;  Gama decide desembarcar e visitar o Samorim;  O capitão Português é recebido pelo Catual, governados da cidade, e passeia- se pelas ruas de Calecute;
  • 6.  Vasco da Gama é recebido pelo Samorim no seu palácio e expõe-lhe o objetivo da sua viagem: levá-lo a fazer um pacto de Paz, Amizade e Comércio com El-Rei D. Manuel I;  O Catual quer informações sobre os portugueses e Monçaide aconselha-o a ir visitar as naus;  O Catual é recebido a bordo e pede a Paulo da Gama que lhe fale da bandeira que tem cenas históricas pintadas;  Camões pede inspiração, desta vez às ninfas do Tejo e do Mondego e lamenta- se da ingratidão dos seus contemporâneos que não lhe dão o valor que ele julga merecer. Considerações do Poeta – Canto VII Est. 2 a 14 – Percorrido tão longo e difícil caminho, é momento para que, na chegada a Calecute, o poeta faça novos louvores aos Portugueses. Exalta, então, o seu espírito de cruzada, a incansável divulgação da Fé por África, Ásia, América “E se mais mundos houver, lá chegará”, inserindo, assim, a viagem à Índia na missão transcendente que assumiram e que é marca da sua identidade nacional. Por oposição, critica duramente as outras nações europeias – os Alemães “soberbo gado”, o “duro Inglês”, o “Galo indigno”, os italianos que, “em delicias/ Que o vil ócio que no mundo traz consigo,/ Gastam as vida” – por não seguirem o seu exemplo no combate aos infiéis. Est. 78 a 87 – Numa reflexão de tom marcadamente autobiográfico, o Poeta exprime um estado de espírito bem diferente daquele que caracterizava, no Canto I, a invocação às Tágides – “ cego, / (…) insano e temerário”, percorre um caminho “árduo, longo e vário”, e precisa de auxílio porque, segundo diz, teme que o barco da sua vida e da sua obra não chegue a bom porto. Uma vida que tem sido cheia de adversidades, que enumera: a pobreza, a desilusão, o desterro, os perigos do mar e da guerra, entre outros. Em retribuição, recebe novas contrariedades – de novo a crítica aos contemporâneos e o alerta para a inevitável inibição do surgimento de outros poetas em consequência de tais exemplos. Porém, a critica aumenta de tom na parte final, quando são enumerados aqueles que nunca cantará e, implicitamente, denuncia abundarem na sociedade do seu tempo: os ambiciosos, os que sobrepõem os seus interesses aos do “bem comum e do seu Rei”, os dissimulados, os exploradores do povo, que não defendam “que se pague o suor da servil gente”. No final, retoma à definição do seu herói – o que arrisca a vida “por seu Deus, por seu Rei”. Nota: A definição como anti-heroicos dos atos de quem se serve do poder para seu interesse pessoal, bem como dos que exploram e oprimem o povo, mesmo que servindo diligentemente o rei, é uma crítica social e política de grande coragem e frontalidade. Canto VIII  Paulo da Gama explica ao Catual o significado das figuras históricas representadas nas bandeiras;
  • 7.  Baco provoca novas intrigas, aparecendo em sonhos a um sacerdote muçulmano que convoca pessoas da sua religião e indispõe-los contra os portugueses;  Decidem subornar os Catuais e estes retardam a decisão de fazer o acordo com os portugueses;  Vasco da Gama apela ao Samorim e este quer que ele confere que os portugueses não são quem dizem ser;  Vasco da Gama argumenta com palavras inspiradoras de Vénus e diz que partirá logo, pois só pretende o tal tratado e especiarias para provar ao Rei D. Manuel I que cumpriu sua missão;  O Rei acredita nele e desconfia dos seus conselheiros;  O Catual impede Gama de partir e procura que as naus se aproximem de terra;  Vasco da Gama apercebe-se da cilada e, no dia seguinte, pede-lhe de novo para ir falar como Samorim;  O Catual, com medo, propõe a liberdade em troca de mercadoria;  Vasco da Gama escreve ao irmão e paga o resgate, sendo solto;  Camões faz novas conjeturas sobre o poder corruptor do ouro. Considerações do Poeta – Canto VIII A propósito da narração ao suborno do Catual e das suas exigências aos navegadores, são agora enumerados os efeitos perniciosos do ouro – provoca derrotas, faz dos amigos traidores, mancha o que há de mais puro, deturpa o conhecimento e a consciência, os textos e as leis são por ele condicionados, está na origem de difamações da tirania dos reis, corrompe até os sacerdotes sob a aparência da virtude. Retomando a função pedagógica do seu canto, o Poeta aponta um dos males da sociedade sua contemporânea, orientada por valores materialistas. Canto IX  Os dois feitores que tinham vindo a terra com o resgate são aprisionados para retardar a partida, pois uma poderosa armada turca está a chegar;  Monçaide avisa o Gama e este mantém a bordo dois mercadores importantes indianos;  A família destes intercede junto do Samorim e faz-se a troca de reféns;  Monçaide consegue as especiarias para o Gama e parte com os portugueses;  Partida: regresso à Pátria – missão cumprida;  Vénus prepara uma merecida recompensa para os descobridores: uma ilha onde repousem da sua árdua tarefa e, simultaneamente, satisfação os sentidos, numa perspetiva carnal;  Na Ilha dos Amores: confraternização amorosa entre os marinheiros e as ninfas;
  • 8.  Conselhos de Camões aos que aspiram à imortalidade. Considerações do Poeta/ Ilha dos Amores – Canto IX Estando os navegantes na viagem de regresso a Portugal, Vénus prepara-lhes, com a ajuda das ninfas e do seu filho cupido, uma recompensa pelos perigos e tormentas que enfrentaram vitoriosos. Fá-los aportar numa ilha paradisíaca, povoada por ninfas amorosas que lhes deleitam os sentidos. Numa atitude estudada de sedução, as divindades fingem-se assustar-se com a presença dos marinheiros mas logo se rendem aos prazeres do amor. Esta ilha não existe na realidade, mas na imaginação, no sonho que dá sentido à vida, sonho esse que permite atingir a plenitude da Beleza, do Amor, da Realização. Neste sentido, a grandeza dos descobrimentos também se mede pela grandeza do prémio, e esse foi o da imortalidade, simbolicamente representado na união homem-deusas. O Poeta não perde o ensejo, no final do canto, de esboçar o perfil dos que podem ser “nesta Ilha de Vénus recebidos”, reiterando valores como a justiça, a coragem, o amor à pátria, a lealdade ao reino. Desta forma, independentemente das circunstâncias históricas, se construirá uma sociedade mais justa – “E todos tereis mais, e nenhum menos” -, atingindo-se, então, a verdadeira e merecida fama. Simultaneamente, o poeta não deixa de sublinhar a importância da vontade da consecução dos nossos objetivos, porque “quem quis, sempre pode”. Canto X  Tétis e as outras Ninfas oferecem um banquete aos navegadores portugueses;  Uma ninfa, cantando, vaticina feitos futuros para o peito lusitano;  Camões interrompe para solicitar a Calíope que o faça recuperar o gosto e o poder da escrita, pois está velho e cansado;  A Ninfa saliente feitos sobretudo relacionados com os futuros governadores da Índia;  Tétis leva Gama ao alto de um monte, onde lhe mostra a grande Máquina do Mundo, só vista por seres divinos, e descreve-lhe os lugares onde os portugueses irão praticar feitos heroicos;  Tétis comunica-lhe que é tempo de partir;  Chegada a Portugal;  Camões finda a leitura do Poema ao Rei D. Sebastião e exorta-o a reconhecer o valor dos que o servem e a cometer, ele também, feitos gloriosos no norte de África, pondo-se à sua disposição como soldado, para o servir, e como poeta, para o cantar. Considerações do poeta – Canto X – Ilha dos Amores/ Invocação a Calíope No banquete com que homenageiam os navegantes, uma ninfa profetiza futuras vitórias dos portugueses. É momento para o poeta interromper e pedir inspiração a Calíope, musa da poesia épica e da eloquência, uma vez que a “Matéria” é elevada, sublime, digna de ser cantada numa epopeia e não em poesia vulgar.
  • 9. Novamente, através de um tom marcadamente autobiográfico, o Poeta refere aspetos da sua vida, queixando-se do envelhecimento e dos desgostos que o vão levando à morte. Assim, o Poeta pede a Calíope que lhe permita levar a cabo esta expressão do amor pela pátria, uma vez que sento um menor gosto pela escrita. Canto X – a Máquina do Mundo A Máquina do Mundo era composta por 11 esferas (ou céus):  No centro, a Terra, formada pelos quatro elementos (terra, água, fogo e ar);  Sobre esta esfera assentava o céu da Lua, seguindo-se os céus de Mercúrio, Vénus, Marte, Júpiter, Saturno e o do Sol;  Sobre os céus destes planetas, estava a oitava esfera, onde se encontrava as constelações;  Depois vinha a nona esfera. Cristalina ou Segundo móbil;  Envolvendo todas as anteriores, estava o décimo céu ou o primeiro móbil;  A cobrir todos estes céus materiais, havia o Empíreo, fixo, morada dos bem- aventurados. Considerações do Poeta – Canto X O Poeta encerra a sua obra, condenando o abandono a que em Portugal se votam às letras e exortando D. Sebastião a continuar a série de vitórias portuguesas em Marrocos. É, mais uma vez, o lamento sentido de um poeta que se sente injustiçado por ver que está a “cantar a gente surda e endurecida”, insensível à arte e mergulhada não no amor à pátria, mas sim “No gosto da cobiça e na rudeza/ Duma austera, apagada e vil tristeza”. Neste desencanto, há ainda uma centelha de esperança, quando, ao dirigir-se ao Rei D. Sebastião, “Senhor só de vassalos excelentes”, capazes de tudo enfrentar e suportar, o Poeta o exorta a fazer renascer a glória portuguesa através de uma serie de conselhos: favorecer todos os súbditos de acordo com a sua aptidão, aliviar o país de lei rigorosas, valorizar o saber dos experientes, ter apreso pelos guerreiros que dilatam a Fé e o império – a sua mensagem resume-se aos versos “ Não se aprende, Senhor, na fantasia/ Sonhando, imaginando ou estudando, / Senão vendo, tratando e pelejando”. Perante a indiferença e o esquecimento a que esta cotado, Camões não se inibe de apresentar os seus contributos a que, em muito, poderão contribuir para a exaltação épica do rei e da pátria – “honesto estudo”, “longa experiencia” e “engenho”.
  • 10. Assim, só falta ao poeta ser aceite por D. Sebastião de modo a que, ao cantar os seus feitos, Alexandre Magno, herói da antiguidade clássica, passe a ter o Rei Português com modelo, em vez de invejar a glória de Aquiles. Mensagem: Os Lusíadas encerram com uma mensagem abarca o passado, o presente e o futuro – a glória do passado deverá ser encarada como um exemplo presente para construir um futuro glorioso. Camões deposita no Rei a esperança de que saiba aproveitar e estimular as energias dos portugueses para dar continuidade à glorificação do “peito lusitano”.