SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Luís Vaz de Camões (1425? – 1580)
- Poeta português do período renascentista.
- Características do Renascimento:
*individualismo
*antropocentrismo
*racionalismo
*retomada de valores clássicos (greco-romanos)
Quais são esses valores clássicos?
- Equilíbrio das formas artísticas
- Elegância
- Razão maior que a emoção
- Referências à mitologia greco-romana
Luís Vaz de Camões é considerado um dos
maiores nomes da literatura portuguesa. Sua
principal obra é “Os Lusíadas”. Além desta,
também merece destaque a poesia de Camões.
Lírica camoniana
• cantigas trovadorescas (estilo medieval) e sonetos
 Lírica amorosa
• Neoplatonismo (amor contemplativo)
• Efemeridade do tempo
• Saudade da amada
• Complexidade dos sentimentos
 Lírica filosófica
• Profunda reflexão sobre a natureza humana
• “Desconcerto (desordem) do mundo”
Os Lusíadas (1572)
Luís Vaz de Camões (1525? – 1580)
Características:
• Classicismo (estilo literário do Renascimento)
• Influenciada pelas epopeias da cultura clássica,
greco-latina, de Homero (Odisseia e Ilíada) e Virgílio
(Eneida)
• 1102 estrofes
• Viagem de Vasco da Gama rumo ao Oriente
• Herói coletividade (o povo português)
Estrutura de Os Lusíadas:
• Versos decassílabos (Medida Nova) = 10 sílabas
poéticas
• Oitava rima: estrofes de oito versos com rimas no
esquema ABABABCC (alternadas ou cruzadas e
emparelhadas)
• Divisão em 10 cantos (espécie de capítulos)
Os Lusíadas
Resumo
Canto I
• Introdução
– Proposição - apresentação do assunto e dos heróis
– Invocação - o poeta invoca as ninfas do Tejo e pede-lhes a
inspiração para escrever
– Dedicatória - o poeta dedica a obra ao rei D. Sebastião
• Navegação lusitana pela costa oriental (leste) da África
• Concílio dos Deuses
– Júpiter, Vênus e Marte (a favor dos portugueses)
– Baco (contra os portugueses)
Canto II
• Viagem entre Mombaça e Melinde (cidades
quenianas)
• Investidas de Baco
• Intervenção de Vênus
• Chegam a Melinde
Canto III
• Vasco da Gama assume o papel de narrador da
história de Portugal, a pedido do Rei de Melinde.
• Episódio de Inês de Castro (morta em nome do
poder e, depois de morta, “coroada” rainha por seu
amante D. Pedro, rei de Portugal)
Canto IV
• Segue a narração da história de Portugal até o início
da viagem de Vasco da Gama
• Episódio do Velho do Restelo (critica os
descobrimentos, apontando os seus inconvenientes
e criticando o próprio rei D. Manuel I, que deixava
criar às portas o inimigo, no Norte de África, para ir
buscar outro tão longe, despovoando-se o reino e
enfraquecendo-o consequentemente.)
Canto V
• Vasco da Gama conta ao Rei de Melinde toda sua
viagem de Portugal até Melinde
• Episódio do Veloso (quando Vasco da Gama saiu
ferido na perna após defender Fernão Veloso numa
batalha contra nativos da Ilha de Santa Helena)
• Cabo das Tormentas (Gigante Adamastor)
Canto VI
• Partida de Melinde rumo a Índia
• Tempestade provocada por Éolo (Deus dos Ventos) a
pedido de Baco e Netuno
• Vênus intercede a favor dos lusitanos
Canto VII
• Chegada à Índia
• Camões lamenta-se de seu sofrimento, apelando
para as Musas
Canto VIII
• Problemas com os mouros (muçulmanos)
• Intrigas promovidas por Baco impedem o comércio
entre portugueses e mouros
Canto IX
• Partida da Índia
• Início da volta para Portugal
• Ilha dos Amores (Vênus oferece essa ilha aos
navegadores portugueses onde ninfas amenizam o
cansaço deles)
• Tétis aparece para Vasco da Gama
Canto X
• A Máquina do Mundo (visão do universo oferecida a
Vasco por Tétis)
• Valorização dos feitos lusitanos
• Volta para Lisboa
• Epílogo
– Camões volta a falar ao rei Dom Sebastião
– Inconformidade com os rumos de Portugal, imerso na
cobiça
– Melancolia
(UFRGS/2005) Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as
afirmações abaixo, relacionadas aos Cantos I a V da
epopeia Os Lusíadas, de Camões.
( ) A presença do elemento mitológico é uma forma de
reconhecimento da cultura clássica, objeto de admiração
e imitação no Renascimento.
( ) A disputa entre os deuses Vênus e Baco, da mitologia
clássica, é um recurso literário de que Camões faz uso
para criar o enredo de Os Lusíadas.
( ) Do Canto I ao Canto V, leem-se as peripécias da
viagem dos portugueses até sua chegada à Índia, quando
eles tomam posse daquela terra.
( ) No Canto II, lê-se a narração da viagem dos
portugueses a Melinde, cujo rei pede a Camões que
conte a história de Portugal.
A sequência correta de preenchimento dos
parênteses, de cima para baixo, é
(A) V - V - V - F.
(B) V - F - F - V.
(C) F - V - F - V.
(D) F - F - V - F.
(E) V - V - F - F.
Resposta correta: E

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
O uraguai slide
O uraguai   slideO uraguai   slide
O uraguai slide
 
Vida de camões epopeia
Vida de camões epopeiaVida de camões epopeia
Vida de camões epopeia
 
Camões e os lusíadas
Camões e os lusíadasCamões e os lusíadas
Camões e os lusíadas
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Basilio da Gama
Basilio da GamaBasilio da Gama
Basilio da Gama
 
O Uraguai
O UraguaiO Uraguai
O Uraguai
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
 
Vida de camões
Vida de camõesVida de camões
Vida de camões
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Contexto de Os Lusíadas
Contexto de Os LusíadasContexto de Os Lusíadas
Contexto de Os Lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Biografia de Luís Vaz de Camões
Biografia de Luís Vaz de CamõesBiografia de Luís Vaz de Camões
Biografia de Luís Vaz de Camões
 
Romance é Show
Romance é ShowRomance é Show
Romance é Show
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os Lusíadas
 
A literatura brasileira
A literatura  brasileiraA literatura  brasileira
A literatura brasileira
 
Obras de Camões
Obras de CamõesObras de Camões
Obras de Camões
 
Prosa medieval
Prosa medievalProsa medieval
Prosa medieval
 

Semelhante a Poeta Camões e sua obra Lusíadas

Os Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de CamõesOs Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de CamõesGijasilvelitz 2
 
Camões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiaCamões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiamaria.j.fontes
 
Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoLuana D'Luna
 
Slide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de CamõesSlide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de CamõesPIBID HISTÓRIA
 
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisLusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisjuninhowwave
 
Oslusiadas contexto
Oslusiadas contextoOslusiadas contexto
Oslusiadas contextopaulocapelo
 
Os lusiadas introdução
Os lusiadas introduçãoOs lusiadas introdução
Os lusiadas introduçãoElsa Maximiano
 
Os Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesOs Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesCrisBiagio
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadasJonatas Carlos
 

Semelhante a Poeta Camões e sua obra Lusíadas (20)

Os Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de CamõesOs Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de Camões
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Camões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiaCamões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeia
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Os lusiadas resumo
Os lusiadas resumoOs lusiadas resumo
Os lusiadas resumo
 
Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou Classicismo
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 
Slide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de CamõesSlide - Biografia de Luís de Camões
Slide - Biografia de Luís de Camões
 
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisLusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
 
Oslusiadas contexto
Oslusiadas contextoOslusiadas contexto
Oslusiadas contexto
 
Os lusiadas introdução
Os lusiadas introduçãoOs lusiadas introdução
Os lusiadas introdução
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Oslusiadas modificado
Oslusiadas modificadoOslusiadas modificado
Oslusiadas modificado
 
Pedro Peixoto
Pedro PeixotoPedro Peixoto
Pedro Peixoto
 
Os Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesOs Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de Camões
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
 

Mais de Centro de Educação e Cultura Pré-Vestibular Resgate Popular

Mais de Centro de Educação e Cultura Pré-Vestibular Resgate Popular (20)

Dançar tango em Porto Alegre
Dançar tango em Porto AlegreDançar tango em Porto Alegre
Dançar tango em Porto Alegre
 
A noite das mulheres cantoras
A noite das mulheres cantorasA noite das mulheres cantoras
A noite das mulheres cantoras
 
Vanguardas e Modernismo
Vanguardas e ModernismoVanguardas e Modernismo
Vanguardas e Modernismo
 
Memórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milícias
 
Romantismo romancistas
Romantismo romancistasRomantismo romancistas
Romantismo romancistas
 
Portas abertas 2014
Portas abertas 2014Portas abertas 2014
Portas abertas 2014
 
Romantismo contexto e poetas
Romantismo contexto e poetasRomantismo contexto e poetas
Romantismo contexto e poetas
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
 
Preposiciones 05 de maio
Preposiciones 05 de maioPreposiciones 05 de maio
Preposiciones 05 de maio
 
Transcrição e tradução
Transcrição e traduçãoTranscrição e tradução
Transcrição e tradução
 
Artigos - espanhol
Artigos - espanholArtigos - espanhol
Artigos - espanhol
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula
 
Aula barroco
Aula barrocoAula barroco
Aula barroco
 
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Gregório de matos
 
Falsos cognatos
Falsos cognatosFalsos cognatos
Falsos cognatos
 
Pe antonio vieira
Pe antonio vieiraPe antonio vieira
Pe antonio vieira
 
Composição química da célula 2014
Composição química da célula 2014Composição química da célula 2014
Composição química da célula 2014
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
As artes no renascimento
As artes no renascimentoAs artes no renascimento
As artes no renascimento
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 

Último

Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 

Último (20)

Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 

Poeta Camões e sua obra Lusíadas

  • 1. Luís Vaz de Camões (1425? – 1580) - Poeta português do período renascentista. - Características do Renascimento: *individualismo *antropocentrismo *racionalismo *retomada de valores clássicos (greco-romanos)
  • 2. Quais são esses valores clássicos? - Equilíbrio das formas artísticas - Elegância - Razão maior que a emoção - Referências à mitologia greco-romana
  • 3. Luís Vaz de Camões é considerado um dos maiores nomes da literatura portuguesa. Sua principal obra é “Os Lusíadas”. Além desta, também merece destaque a poesia de Camões.
  • 4. Lírica camoniana • cantigas trovadorescas (estilo medieval) e sonetos  Lírica amorosa • Neoplatonismo (amor contemplativo) • Efemeridade do tempo • Saudade da amada • Complexidade dos sentimentos  Lírica filosófica • Profunda reflexão sobre a natureza humana • “Desconcerto (desordem) do mundo”
  • 5. Os Lusíadas (1572) Luís Vaz de Camões (1525? – 1580)
  • 6. Características: • Classicismo (estilo literário do Renascimento) • Influenciada pelas epopeias da cultura clássica, greco-latina, de Homero (Odisseia e Ilíada) e Virgílio (Eneida) • 1102 estrofes • Viagem de Vasco da Gama rumo ao Oriente • Herói coletividade (o povo português)
  • 7. Estrutura de Os Lusíadas: • Versos decassílabos (Medida Nova) = 10 sílabas poéticas • Oitava rima: estrofes de oito versos com rimas no esquema ABABABCC (alternadas ou cruzadas e emparelhadas) • Divisão em 10 cantos (espécie de capítulos)
  • 9. Canto I • Introdução – Proposição - apresentação do assunto e dos heróis – Invocação - o poeta invoca as ninfas do Tejo e pede-lhes a inspiração para escrever – Dedicatória - o poeta dedica a obra ao rei D. Sebastião • Navegação lusitana pela costa oriental (leste) da África • Concílio dos Deuses – Júpiter, Vênus e Marte (a favor dos portugueses) – Baco (contra os portugueses)
  • 10. Canto II • Viagem entre Mombaça e Melinde (cidades quenianas) • Investidas de Baco • Intervenção de Vênus • Chegam a Melinde
  • 11. Canto III • Vasco da Gama assume o papel de narrador da história de Portugal, a pedido do Rei de Melinde. • Episódio de Inês de Castro (morta em nome do poder e, depois de morta, “coroada” rainha por seu amante D. Pedro, rei de Portugal)
  • 12. Canto IV • Segue a narração da história de Portugal até o início da viagem de Vasco da Gama • Episódio do Velho do Restelo (critica os descobrimentos, apontando os seus inconvenientes e criticando o próprio rei D. Manuel I, que deixava criar às portas o inimigo, no Norte de África, para ir buscar outro tão longe, despovoando-se o reino e enfraquecendo-o consequentemente.)
  • 13. Canto V • Vasco da Gama conta ao Rei de Melinde toda sua viagem de Portugal até Melinde • Episódio do Veloso (quando Vasco da Gama saiu ferido na perna após defender Fernão Veloso numa batalha contra nativos da Ilha de Santa Helena) • Cabo das Tormentas (Gigante Adamastor)
  • 14. Canto VI • Partida de Melinde rumo a Índia • Tempestade provocada por Éolo (Deus dos Ventos) a pedido de Baco e Netuno • Vênus intercede a favor dos lusitanos
  • 15. Canto VII • Chegada à Índia • Camões lamenta-se de seu sofrimento, apelando para as Musas
  • 16. Canto VIII • Problemas com os mouros (muçulmanos) • Intrigas promovidas por Baco impedem o comércio entre portugueses e mouros
  • 17. Canto IX • Partida da Índia • Início da volta para Portugal • Ilha dos Amores (Vênus oferece essa ilha aos navegadores portugueses onde ninfas amenizam o cansaço deles) • Tétis aparece para Vasco da Gama
  • 18. Canto X • A Máquina do Mundo (visão do universo oferecida a Vasco por Tétis) • Valorização dos feitos lusitanos • Volta para Lisboa • Epílogo – Camões volta a falar ao rei Dom Sebastião – Inconformidade com os rumos de Portugal, imerso na cobiça – Melancolia
  • 19. (UFRGS/2005) Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo, relacionadas aos Cantos I a V da epopeia Os Lusíadas, de Camões. ( ) A presença do elemento mitológico é uma forma de reconhecimento da cultura clássica, objeto de admiração e imitação no Renascimento. ( ) A disputa entre os deuses Vênus e Baco, da mitologia clássica, é um recurso literário de que Camões faz uso para criar o enredo de Os Lusíadas. ( ) Do Canto I ao Canto V, leem-se as peripécias da viagem dos portugueses até sua chegada à Índia, quando eles tomam posse daquela terra. ( ) No Canto II, lê-se a narração da viagem dos portugueses a Melinde, cujo rei pede a Camões que conte a história de Portugal.
  • 20. A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é (A) V - V - V - F. (B) V - F - F - V. (C) F - V - F - V. (D) F - F - V - F. (E) V - V - F - F.