O Futuro do Saneamento - 2030

468 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada durante a Conferência Gestão do Saneamento organizada pela Hiria (www.hiria.com.br) que apresenta a visão do Newton Azevedo, da Foz do Brasil sobre o futuro do saneamento.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
468
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Futuro do Saneamento - 2030

  1. 1. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INFRAESTRUTURA E INDÚSTRIAS DE BASE O FUTURO DO SANEAMENTO NO BRASIL EM 2030:  Projeção de cenários  Desafios  Estratégias para atingir as metas de universalização Newton de Lima Azevedo Vice-Presidente da ABDIB Governador do CONSELHO MUNDIAL DA ÁGUA SP, Abril/2013.
  2. 2. PONTOS A SEREM ABORDADOS:1) CONDIÇÕES BÁSICAS NECESSÁRIAS PARA A UNIVERSALIZAÇÃO;2) INVESTIMENTO NECESSÁRIO;3) TEMAS ESTRUTURANTES;
  3. 3. 1) CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA A UNIVERSALIZAÇÃO Ambiente Favorável FATORES DE SUCESSO Governança Financiamento Ativa Adequado
  4. 4. 1) CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA A UNIVERSALIZAÇÃO Ambiente Favorável • Estrutura jurídico-institucional. • Regulação autônoma. • Cultura da sustentabilidade. • Planejamento de longo prazo. • Projetos de qualidade.
  5. 5. 1) CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA A UNIVERSALIZAÇÃO: Governança Ativa • Inclusão efetiva do setor na agenda política do Governo. • Prioridade de acesso às áreas pobres e rurais. • Promoção de todas as modalidades e soluções, inclusive parcerias. • Busca pela tecnologia e eficiência. • Consolidação de um sistema de informações do setor .
  6. 6. 1) CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA A UNIVERSALIZAÇÃOFinanciamento Adequado • Disponibilidade de recursos de acordo com a demanda independente de origem (local, externo e multilateral). • Mecanismos de financiamento com base em resultados. • Alocação de recursos não onerosos baseado em critérios. • Fundos de investimento (mercado de capitais).
  7. 7. 2) INVESTIMENTO NECESSÁRIO Para a UNIVERSALIZAÇÃO dos serviços de água e esgoto no País, até 2030, segundo o PLANSAB: R$ 330,7 bilhões Distribuição do investimento R$ 16,5 bilhões/ano em 20 anos R$132,4 66% 40% FEDERAL R$198,3 (OGU e FIN) 60% 34% OUTRAS FONTES ÁGUA ESGOTOFONTE: MCidades, PLANSAB
  8. 8. 2) INVESTIMENTOS EM 2010 (valores em R$ bilhões) EM ORIGEM 2010 20 ANOSRECURSOS PRÓPRIOS DO SETOR 4,0 80,0FONTES DE FINANCIAMENTO 2,8 56,0OGU DESEMBOLSO 1,9 38,0TOTAL INVESTIMENTOS 8,7 174,0
  9. 9. 2) INVESTIMENTOS NECESSÁRIOS PARTICIPAÇÃO DO GOVERNO FEDERAL (valores em R$ bilhões) EM APLICAÇÃO ANUAL 20 ANOS UNIVERSALIZAÇÃO 16,5 330,7 TOTAL DE INVESTIMENTOS 8,7* 174,0 DESONERAÇÃO PIS / COFINS 2,0 40,0 DÉFICIT A SER COBERTO 5,8 116,0* Investido em 2010
  10. 10. 3) TEMAS ESTRUTURANTES EM DISCUSSÃO: ► Papel do Governo Federal. ► Planejamento integrado. ► Regulação. ► Gestão. ► Modelos de negócios. ► Capacitação. ► Comunicação.FONTE: Revista Imprensa, março 2013
  11. 11. PAPEL DO GOVERNO FEDERALa. Divulgar, por intermédio do Ministério das Cidades e do Planejamento, as modelagens possíveis, convocando Estados e Municípios. Esta atribuição é fundamental para que cada Estado e/ou Município possa adotar a melhor solução para universalização dos seus serviços de água e esgoto. Os recursos públicos somente deverão ser utilizados em situações que as soluções de mercado sejam inviáveis;
  12. 12. PAPEL DO GOVERNO FEDERALb. Estruturar as PPPs com apoio do Governo Federal, em que os projetos de PMI ganhariam mais agilidade e qualidade, caso desenvolvidos por consultores pré-qualificados, e que obedeçam procedimentos previamente estabelecidos pelo Governo Federal. A locação de recursos financeiros do OGU, em municípios que demandem investimento social, será uma condição fundamental.
  13. 13. PLANEJAMENTO INTEGRADO ÁGUA  ELEMENTO ECONÔMICO-ECOLÓGICO PARA: • SER O MOTOR PARA O CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL • ERRADICAR A POBREZA DISPONIBIILIDADE ESCASSEZ DESENVOLVIMENTO FONTE DE CONFLITOS E BEM ESTAR DA ENTRE SEUS SOCIEDADE DIFERENTES USOS“A água é, ao mesmo tempo, um direito humano no contexto dos direitoseconômicos, sociais e culturais e também um recurso natural com valor econômico.”Prof. Dr. Benedito Braga – Presidente do Conselho Mundial da Água
  14. 14. PLANEJAMENTO INTEGRADO CONSELHO MUNDIAL DA ÁGUA “PACTO PARA SEGURANÇA DA ÁGUA” 1. Segurança hídrica para o desenvolvimento sustentável 2. Gestão adequada dos recursos hídricos ÁGUA E ÁGUA, DIREITO ÁGUA E ALIMENTAÇÃO DEMOGRAFIA E A ÁGUA ENERGIA MUDANÇAS E SAÚDE DESENVOLVIMENTO CLIMÁTICAS URBANO* A água Em um mundo Elemento Como reduzir,limpa, cada vez mais Como considerar o voltado para o essencial à drasticamente, aumento da populaçãosegura e o desenvolvimento sobrevivência o nº de mortes mundial, a cada 12saneamento,um direito sustentável humana, mas e afetados, bem anos, em mais de 1 aprimoramentos evitando ahumano devem ser feitos como os danos bilhão pessoas,essencial na harmonização poluição materiais e principalmente naspara gozar das políticas excessiva e econômicos áreas litorâneas?plenamente públicas doenças por relacionadas à causados pelosa vida e veiculação desastres interface água etodos os hídrica. energia que não relacionados àoutros raro produzemdireitos agua? resultadoshumanos. desalinhados e conflitantes* Conceito da ONU
  15. 15. PLANEJAMENTO INTEGRADOENTIDADES DO COMITÊ DE SANEAMENTO (20)
  16. 16. PLANEJAMENTO INTEGRADO 33 Membros
  17. 17. MODELOS DE NEGÓCIOS DBOT DBOO Locação O&M Design, Design, PrestaçãoConcessão Concessão de de Empresas Plena Parcial PPPs Operação e Construção, Construção públicas Ativos Manutenção Operação e Operação serviços Transferência Própria• Limeira • Blumenau • Rio Claro • Campinas • Grande Vitória • VSB • AquaPolo • Camaçari • Saneatins REUSO• Cachoeira de • Mauá • Rio das • TKCSA • TransPetro Itapemirim Ostras • Rio de Janeiro • KLABIN • Petrobrás• Mairinque • Jaguaribe • Recife• Santa Gertrudes Maior projeto de água de reuso do hemisfério sul • Uruguaiana vazão 1.000 L/s• Porto Ferreira

×