SlideShare uma empresa Scribd logo
AN02FREV001/REV 4.0
1
PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA
Portal Educação
CURSO DE
ACUPUNTURA ESTÉTICA
Aluno:
EaD - Educação a Distância Portal Educação
AN02FREV001/REV 4.0
2
CURSO DE
ACUPUNTURA ESTÉTICA
MÓDULO I
Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para
este Programa de Educação Continuada. É proibida qualquer forma de comercialização ou
distribuição do mesmo sem a autorização expressa do Portal Educação. Os créditos do
conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores descritos nas Referências
Bibliográficas.
AN02FREV001/REV 4.0
3
SUMÁRIO
MÓDULO I
1 DEFINIÇÕES BÁSICAS DE ACUPUNTURA
1.1 O QUE É ACUPUNTURA
1.2 DEFINIÇÕES DE PONTOS E MERIDIANOS
1.3 TEORIA YIN-YANG
1.4 CARACTERÍSTICAS DOS CINCO ELEMENTOS
1.5 CICLO DE GERAÇÃO DOS CINCO ELEMENTOS
QUESTIONÁRIO
MÓDULO II
2 ACUPUNTURA ESTÉTICA
2.1 DEFINIÇÃO DE GORDO YIN E GORDO YANG
2.1.1 Características do Gordo Yin
2.1.2 Características do Gordo Yang
2.1.3 Definição do Biotipo
2.2 ESCOLHA DOS PONTOS
2.3 TRATAMENTOS ALTERNATIVOS E COMPLEMENTARES
2.3.1 Auriculoterapia
2.3.2 Ventosaterapia
2.3.3 Stiper
2.3.4 Eletroacupuntura
2.3.5 Outras Técnicas
2.3.5.1 Dermaroller
2.3.5.2 Laserterapia
2.3.5.3 Moxa
2.4 DÚVIDAS GERAIS
AN02FREV001/REV 4.0
4
MÓDULO III
3 ACUPUNTURA ESTÉTICA FACIAL
3.1 PONTOS ESPECÍFICOS DA FACE
3.2 PONTOS E SUAS FUNÇÕES
3.3 CONTRAINDICAÇÕES E INDICAÇÕES
3.3.1 Anamnese
3.3.2 Assepsia
3.3.3 Escolha do Método a ser Trabalhado
3.3.3.1 Métodos não invasivos
3.3.3.1.1 Stiper
3.3.3.1.2 Laser
3.3.3.1.3 Ventosaterapia
3.3.3.1.4 Moxa
3.3.3.1.5 Haihua
3.3.3.2 Métodos invasivos
3.3.3.2.1 Acupuntura clássica
3.3.3.2.2 Dermaroller
3.3.4 Complementação do Método Utilizado
3.4 RECOMENDAÇÕES GERAIS
MÓDULO IV
4 ACUPUNTURA ESTÉTICA CORPORAL
4.1 QUEIXAS
4.1.1 Estrias
4.1.2 Celulite
4.1.3 Gordura Localizada e Obesidade
4.1.4 Ptose de Mamas e Glúteo
4.1.4.1 Ptose de mamas
4.1.4.2 Ptose de glúteo
AN02FREV001/REV 4.0
5
4.1.5 Queloides e Cicatriz
4.2 PONTOS E FUNÇÕES
4.3 CONTRAINDICAÇÕES E INDICAÇÕES
4.4 RECOMENDAÇÕES GERAIS
MÓDULO V
5 PONTOS DE ACUPUNTURA
5.1 LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE ACUPUNTURA
5.1.1 Dicas de Localização
5.1.1.1 Utilizando as duas mãos
5.1.1.2 Movimento do corpo
5.1.1.3 Fita métrica
5.2 MODO DE INSERÇÃO DAS AGULHAS
5.3 ÂNGULO DAS AGULHAS
5.4 TÉCNICAS DE INSERÇÃO
5.5 OBTENÇÃO DO HIBIQUI (HIBIKI OU DE QI)
5.6 PROFUNDIDADE DE INSERÇÃO
5.7 TEMPO DE TRATAMENTO
5.8 PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AN02FREV001/REV 4.0
6
MÓDULO I
1 DEFINIÇÕES BÁSICAS DE ACUPUNTURA
1.1 O QUE É ACUPUNTURA
A definição do nome “acupuntura” é derivada do latim Acu, que
significa agulha, e Puntura, picada. Essa técnica é datada de 4.000 anos e foi
descoberta na China, sendo praticada há muitos anos também no Japão,
Coreia e diversos outros países da Ásia. Até hoje encontra muitos adeptos no
mundo inteiro, sendo uma das modalidades mais populares da Medicina
Tradicional Chinesa (MTC) que proporciona resultados de melhora em diversos
tipos de dores. Acredita-se ter sido introduzida pela primeira vez no Brasil nas
primeiras décadas do século XX, com a imigração japonesa.
Com o final do período feudal no Japão, muitos japoneses ficaram sem
emprego e, portanto, foram incentivados a sair do seu país. Em 1908, após ter
sido firmado o Tratado de Amizade, Comércio e Navegação entre Brasil e
Japão, chegaram ao nosso país os primeiros japoneses que introduziram a
Acupuntura.
Acupuntura é, portanto, o conjunto de conhecimentos teórico-empíricos
da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) que visa à promoção da saúde e do
bem-estar de uma pessoa, seja como terapia, seja promovendo a melhora de
determinadas doenças, por meio da restauração energética do paciente,
energia essa conhecida como Qi (pronuncia-se tchi).
1.2 DEFINIÇÕES DE PONTOS E MERIDIANOS
AN02FREV001/REV 4.0
7
O Qi circula pelo corpo por meio de “teias” conhecidas como
meridianos ou canais. Os canais são responsáveis por formarem uma rede que
cobre o corpo vertical e horizontalmente. Eles ligam os órgãos internos à pele,
aos músculos, ligamentos, ossos e outros tecidos e integram cada parte como
um todo. Importante ressaltar que para a MTC um órgão é composto não
apenas de uma estrutura anatômica, mas faz parte de um sistema e deve ser
estudado de forma única. Existem 365 pontos de acupuntura que se encontram
ao longo dos meridianos e são nestes pontos que as agulhas são inseridas.
FIGURA 1
FONTE: Disponível em: <http://www.harmonizesevivafeliz.com.br>. Acesso em: 10 Maio 2012.
O conceito do Qi intrigou filósofos chineses de todas as épocas, desde
o início da civilização chinesa até os tempos atuais. De um modo geral, o Qi
pode ser tão imaterial e rarefeito como o vapor, e tão material e denso como o
arroz. Para os médicos da atualidade Qi pode ser designado como “energia”,
AN02FREV001/REV 4.0
8
para os sinólogos (especialistas no estudo da história, da língua, das
instituições e costumes da China), corresponde à “matéria”.
Qi é uma das substâncias vitais que fazem parte da estrutura corporal.
Segundo a MTC é classificado como:
 Energia ancestral (Yuan Qi): ligada às manifestações dos genes,
localizados no DNA das células, regulando o desenvolvimento do
embrião até a formação de um ser humano adulto. É a força motriz das
atividades diárias e ajuda na transformação do Zong Qi em Zhen Qi, e
do Gu Qi em Xue.
 Energia do tórax (Zong Qi): é a energia correspondente ao
funcionamento do pulmão e do coração, influencia a voz e leva o sangue
até as extremidades. É gerida pelo Da Qi (Qi do ar) e pelo Gu Qi (Qi dos
alimentos).
 Energia verdadeira (Zhen Qi): último estágio de refinamento do Qi, nutre
os órgãos e canais. É formado pelo Zong Qi e pelo Yuan Qi e manifesta-
se como Yin Qi e Wei Qi.
 Energia nutridora (Yin Qi): é a energia resultante da alimentação e da
respiração combinadas, que circula no sangue, a fim de nutrir os órgãos
e tecidos.
 Energia de defesa (Wei Qi): é a energia responsável pelos processos de
defesa do organismo. Controla os pulmões, a abertura e fechamento dos
poros, protege, aquece e umedece músculos e pele.
 Qi central (Zhong Qi): Energia do baço e do estômago.
 Energia dos alimentos (Jing Qi): relativa às substâncias absorvidas dos
alimentos pelo tubo digestivo.
AN02FREV001/REV 4.0
9
 Qi perverso (Xie Qi): está associado aos fatores patogênicos climáticos.
 ZangFu Zhi Qi: Qi dos órgãos e vísceras.
 Jing Luo Qi: é o Qi que flui nos canais.
Além do Qi existem mais três substâncias que são essenciais para
nossa constituição e são conhecidas como:
 Sangue (Xue): formado de fluido corporal, da essência da medula óssea,
do Yin Qi e Wei Qi, e tem como funções: a nutrição, a defesa, a promoção
do crescimento, a hidratação e a prevenção de tumores.
 Essência (Jing): é a forma de Qi derivada de um processo de refinamento,
de uma substância pura. É composta por:
- Essência pré-celestial: formada durante a concepção e por isso é definida
com essência herdada.
- Essência pós-celestial: é a essência dos alimentos, derivada das funções do
baço e do estômago.
- Essência do rim: deriva tanto da essência pré-celestial como da pós-celestial
e é nutrida pela essência pós-celestial.
 Líquidos Orgânicos (Jin Ye):
- Jin (fluidos): fluidos claros e aquosos, circulam juntamente com o Wei Qi e
servem como componente para a formação do Xue.
- Ye (líquidos): são fluidos mais densos e turvos, circulam junto com o Ying
Qi. Os fluidos impuros são considerados como Ye.
1.3 TEORIA YIN-YANG
AN02FREV001/REV 4.0
10
O Qi possui duas forças opostas, porém complementares, que atuam
em concordância durante toda nossa vida, pois sem uma a outra não existe,
uma gera e protege a outra. Essas forças são conhecidas por “Opostos” ou
forças Yin e Yang.
FIGURA 2 – YIN-YANG
Yin e Yang, portanto, representam o desenvolvimento de todos os
fenômenos no universo, sendo o resultado de uma interação de dois estágios
opostos que contêm ambos os aspectos, em diferentes graus de manifestação,
em um movimento cíclico e relativo. É interessante observar que o Yang
representa o estado mais rarefeito e imaterial da substância (Céu), e o Yin
simboliza o estado mais material e denso (Terra). Canais Yin tendem a
ascender, na direção Terra – Céu, já canais Yang descendem, na direção Céu
– Terra.
FIGURA 3 – CANAIS YIN-YANG
AN02FREV001/REV 4.0
11
FONTE: arquivo pessoal
Existe uma relação conhecida como Três Tesouros ou ainda San Bao,
importante na transformação e recuperação do equilíbrio energético. Essa
relação é formada pelos elementos Água, Terra e Fogo.
Além disso, descrevem-se quatro aspectos de relacionamento Yin
Yang, são eles:
 Oposição Yin-Yang: Yin e Yang são estágios opostos de um ciclo, porém
complementares.
 Interdependência Yin-Yang: embora sejam opostos, são interdependentes,
pois um não pode existir sem o outro; como exemplo, observa-se que não há
atividade sem descanso, contração sem expansão, fogo sem lenha, etc.
 Interconsumo Yin-Yang: quando uma das forças está em desequilíbrio
AN02FREV001/REV 4.0
12
afeta o equilíbrio Yin-Yang, modificando sua proporção.
Intertransformação do Yin-Yang: o Yin e o Yang transformam-se
mutuamente. Essa mudança acontece somente em determinados estágios do
desenvolvimento, como, por exemplo, o verão se transforma em inverno, a vida
em morte, o dia em noite, etc.
FIGURA 4 - INTERTRANSFORMAÇÃO DO YIN-YANG
FONTE: arquivo pessoal
Outras manifestações de Yin-Yang podem ser descritas na tabela que
segue:
YIN YANG
Escuro Claro
AN02FREV001/REV 4.0
13
Yin-Yang também pode ter relação com a estrutura corpórea. Quando as
forças do corpo estão em equilíbrio harmonioso, há saúde. Quando esse
equilíbrio é perturbado, ou melhor, o Qi não está em conformidade
(desequilíbrio Yin-Yang), surge a doença. O desenvolvimento deste
desequilíbrio depende basicamente de dois aspectos: de como está a
resistência do corpo do paciente e da doença em questão.
Apesar disso, é importante ressaltar que muitas desordens surgem de
desarmonias internas, emocionais, por exemplo, com pouco ou nenhum efeito
de influência externa. Na MTC, dá-se muita ênfase à prevenção da doença
pela promoção da saúde. Resumidamente, o Qi quando em conformidade
promove saúde, quando em desequilíbrio promove desordens patológicas e,
assim, Yin e Yang passam a não estar em conformidade.
Para que haja um equilíbrio energético é preciso uma regulação da
energia e essa regulação ocorre por meio de técnicas de acupuntura. Uma
destas técnicas é a acupuntura sistêmica com agulhas, que visa à inserção de
agulhas em pontos específicos por onde passam meridianos.
Quente Frio
Repouso Atividade
Noite Dia
Terra Céu
Quadrado Redondo
YIN YANG
Frente Costas
Corpo Cabeça
Abaixo da Cintura Acima da Cintura
Interior Exterior
Superfície anterolateral Superfície Posterolateral
Órgãos Yin Órgãos Yang
AN02FREV001/REV 4.0
14
1.4 CARACTERÍSTICAS DOS CINCO ELEMENTOS
Os meridianos estão relacionados com os doze órgãos e são divididos
em dois grandes grupos: órgãos Yin e órgãos Yang. Os órgãos Yin, que são o
núcleo de todo o sistema, são o fígado, o coração, o baço-pâncreas (ou
somente o baço), os pulmões e os rins. Nas discussões de canais, um sexto
órgão é acrescentado ao Pericárdio (PC), também conhecido como circulação-
sexualidade, adjunto ao coração. Os órgãos Yang (ou vísceras) são a vesícula
biliar, o intestino delgado, o intestino grosso, o estômago e a bexiga. Triplo
Aquecedor (TA) é também considerado órgão complementar.
Os órgãos Yin são também chamados de Órgãos Zang, Órgãos
Tesouros ou também Órgãos Sólidos e tem a função de produzir e armazenar
substâncias essenciais. Já os Órgãos Yang são também chamados de Órgãos
Fu, Órgãos Ocos ou Vísceras, pois recebem e digerem alimentos e conduzem
substâncias indesejáveis.
Cada órgão Yin possui seu órgão Yang correspondente e cada dupla,
por assim dizer, caracteriza um elemento. Os elementos são:
Madeira
“endireita o que está curvado”
Órgão Yin: Fígado (F)
Órgão Yang: Vesícula Biliar (VB)
O fígado, Órgão Yin que caracteriza o elemento Madeira, é
responsável por armazenar o sangue, manter livre o fluxo de Qi, controlar os
tendões, entre outras funções.
AN02FREV001/REV 4.0
15
Fogo
“queima o que está em cima”
Órgão Yin: Coração (C)
Órgão Yang: Intestino Delgado (ID)
O coração é considerado o órgão Imperador ou também o Monarca dos
Órgãos, suas funções são inúmeras como, por exemplo, controlar os vasos
sanguíneos, abrigar a mente, controlar a sudorese, entre outros.
Terra
“empenha-se em semear e colher”
Órgão Yin: Baço-Pâncreas (BP)
Órgão Yang: Estômago (E)
O baço-pâncreas, ou apenas baço, é prejudicado quando há uma
alimentação inadequada, com excesso de comidas frias e cruas e suas funções
principais são relacionadas ao controle de sangue, influenciar o metabolismo
das águas e, por fim, abrigar o pensamento.
Metal
“transforma e corta”
Órgão Yin: Pulmão (P)
Órgão Yang: Intestino Grosso (IG)
O pulmão ocupa a posição mais elevada dos órgãos e o mais externo
dos Órgãos Yin. É prejudicado pela má postura e é responsável por controlar a
respiração, regular a passagem das águas, etc.
Água
AN02FREV001/REV 4.0
16
“umedece o que está embaixo”
Órgão Yin: Rim (R)
Órgão Yang: Bexiga (B)
O rim é considerado a “Raiz da Vida”, domina o metabolismo das
águas, armazena a Essência, domina a reprodução e o desenvolvimento
humano. Os órgãos e vísceras possuem horários específicos para que, tanto a
energia quanto o sangue possam circular da melhor forma possível. Esses
horários são divididos em blocos de duas horas. Sendo seis os Órgãos Yin e
seis os Órgãos Yang, completam as 24h do dia.
Essa “divisão do tempo” é conhecida como Ciclo Circadiano, que
significa “cerca de um dia”, isso porque compreende o ciclo biológico de todo
corpo humano em um dia.
FIGURA 5
FONTE: arquivo pessoal
AN02FREV001/REV 4.0
17
Os cinco elementos possuem diversas características peculiares,
como por exemplo, a forma como saem do corpo: os olhos são a saída da
Madeira, a língua do Fogo, a boca da Terra, o Nariz do Metal e a orelha da
Água. É possível também relacionar cada elemento como uma estação do ano
correspondente: a Madeira corresponde à Primavera, sendo associada ao
nascimento; o Fogo corresponde ao Verão e está associado ao crescimento; o
Metal corresponde ao Outono, associado à colheita; a Água corresponde ao
Inverno e está associada ao armazenamento; a Terra corresponde à estação
anterior, associada à transformação.
Também é possível relacionar os cinco elementos às cinco estações da
vida na Terra, onde os seres vivos têm emoções que os identificam com cada
movimento, e a existência da saúde implica a harmonia entre todos os
movimentos e em consequência o equilíbrio energético.
1.5 CICLO DE GERAÇÃO DOS CINCO ELEMENTOS
Além disso, os elementos atuam de forma a gerarem, consumirem e
serem dependentes um do outro, dando origem à Teoria dos Cinco Elementos
ou Movimento. Essa teoria foi elaborada pelos filósofos chineses para explicar
o comportamento da natureza e dos seres vivos e por si originaram a
Sequência Cosmológica, Ciclo de Geração, Sequência de Dominância e, por
fim, suas patologias.
Na Sequência Cosmológica, a Água é a base, o Coração e o Rim são o
equilíbrio entre a Água e o Fogo, a Terra é o centro e sustenta o Fogo, além
disso, é o pivô das estações do ano. Água – Terra – Fogo formam o eixo terra,
homem e céu.
AN02FREV001/REV 4.0
18
FIGURA 6 – SEQUÊNCIA COSMOLÓGICA
FONTE: arquivo pessoal
Na sequência da geração, cada elemento gera o outro, sendo, ao
mesmo tempo, gerado. Desse modo, a Madeira gera o Fogo, o Fogo gera a
Terra, a Terra gera o Metal, o Metal gera a Água e a Água gera a Madeira.
FIGURA 7 – CICLO DE GERAÇÃO
AN02FREV001/REV 4.0
19
Fogo (filho) retira muito da Madeira (mãe)
Terra (filho) retira muito do Fogo (mãe)
Metal (filho) retira muito da Terra (mãe)
Água (filho) retira muito Metal (mãe)
Madeira (filho) retira muito da Água (mãe)
Madeira (mãe) não nutre Fogo (filho)
Fogo (mãe) não nutre a Terra (filho)
Terra (mãe) não nutre o Metal (filho)
Metal (mãe) não nutre Água (filho)
Água (mãe) não nutre a Madeira (filho)
FONTE: arquivo pessoal
Há também patologias referentes ao Ciclo de Geração e são essas
patologias (entre outras) que acabam por causar desequilíbrios.
Patologias:
 Filho em excesso retira muito da mãe
 Mãe deficiente não nutre o filho
AN02FREV001/REV 4.0
20
A Água contradomina a Terra
A Terra contradomina a Madeira
A Madeira contradomina o Metal
O Metal contradomina o Fogo
O Fogo contradomina a Água
Na Sequência de Dominância, como podemos observar na figura que
segue, a Água domina o Fogo, apagando-o; o Fogo domina o Metal, fundindo-
o; o Metal domina a Madeira, cortando-a; a Madeira domina a Terra,
esgotando-a; a Terra domina a Água, absorvendo-a.
FIGURA 8 – SEQUENCIA DE DOMINÂNCIA
FONTE: arquivo pessoal
Porém, algumas patologias também podem ser observadas na
Sequência de Dominância. São elas:
 Sequência de Contradominância: O elemento que deveria ser
dominado acaba por se voltar contra seu dominador.
AN02FREV001/REV 4.0
21
Madeira superdomina a Terra
Terra superdomina a Água
Água superdomina o Fogo
Fogo superdomina o Metal
Metal superdomina a Madeira
 Sequência de Superdominância: O elemento dominador exerce um
super controle sobre o elemento dominado.
Os cinco elementos também são usados amplamente para diagnóstico,
onde é feita a correspondência entre os cinco elementos e a cor, o sabor, as
emoções, os odores, relação Yin-Yang, entre outras características, como
podemos observar na tabela que segue:
AN02FREV001/REV 4.0
22
Para que seja possível determinar o diagnóstico correto é necessário
que alguns outros aspectos sejam abordados. O diagnóstico fundamental é
dado por meio de oito princípios, dois deles já abordados neste polígrafo, Yin e
Yang, os demais, seguem abaixo.
ELEMENTO: MADEIRA FOGO TERRA METAL ÁGUA
ZANG F C BP P R
FU VB ID E IG B
CORES Verde Vermelho Amarelo Branco Preto
SABORES Ácido Amargo Doce Pungente Salgado
YIN-YANG Yang no Yin Yang
máximo
Neutro Yin no
Yang
Yin máximo
ESTAÇÕES Primavera Verão Transição Outono Inverno
DIREÇÃO Leste Norte Centro Oeste Sul
ORGÃO DOS
SENTIDOS
Olhos Língua Boca Nariz Ouvidos
TECIDO Tendões Vasos Músculos Pele Ossos
EMOÇÕES Raiva Alegria Preocupação Tristeza Medo
CLIMA Vento Calor Úmido Seco Frio
MANIFESTAÇÕES Unha Face Lábios Pelos Cabelo
EMOÇÕES
Intuição;
Criatividade;
Independência;
Amor;
Fraternidade;
Comunicação;
Socialização;
Estabilidade;
Praticidade;
Capacidade de
cuidar dos
outros;
Sabedoria;
Amadureci-
mento com
perdas;
Determinação;
Força de
vontade;
Fé em si;
AN02FREV001/REV 4.0
23
DIAGNÓSTICO PELOS OITO PRINCÍPIOS
Yin x Yang
Superficial (Biao) x Profundo (Li)
Frio (Han) x Calor (Re)
Deficiência (Xu) x Excesso (Shi)
Superficial (Biao) x Profundo (Li)
 Síndrome Superficial:
Essa síndrome está correlacionada com o Qi defensivo (Wei Qi) e os
fatores exógenos. Além disso, esta síndrome é característica de doença aguda
e pode causar comprometimento de pele e músculos.
Sinais e sintomas:
 Febre e calafrios;
 Aversão ao frio, calor vento ou umidade;
 Cervicalgia;
 Cefaleia;
 Rinorreia;
 Espirros e tosse;
 Síndrome Profunda:
Essa síndrome é característica de doenças crônicas e pode causar
comprometimento de estruturas internas, como ossos, medula, órgãos e
vísceras.
Sinais e sintomas:
 Sensação de frio ou calor interior;
 Alterações emocionais;
Frio (Han) x Calor (Re)
 Síndrome de Frio:
AN02FREV001/REV 4.0
24
Caracteriza disfunções associadas ao Qi, Xue e/ou ao Zang Fu. Além
disso, está associada a padrões exógenos crônicos de frio que atacam os
órgãos ou as vísceras.
Difere-se em Padrão de Frio Exterior e Interior.
 Padrão de Frio Exterior:
- Aversão ao frio;
- Extremidades frias;
- Face pálida;
- Urina clara;
- Espirros;
 Padrão de Frio Interior:
- Aversão ao frio;
- Extremidades frias;
- Letargia;
- Indisposição matinal;
- Longa micção com urina clara;
- Diarreia com resto de alimentos;
 Síndrome de Calor:
Causada basicamente pelo calor exógeno, pela transformação do frio
exógeno em calor e assim como o frio, pode ser diferenciada em Padrão de
Calor Exterior e Padrão de Calor Interior.
 Padrão de Calor Exterior:
- Febre alta;
- Intolerância ao calor;
- Urina escura e escassa;
- Face avermelhada;
- Sede;
 Padrão de Calor Interior:
- Febre intermitente;
AN02FREV001/REV 4.0
25
- Discreta aversão ao calor;
- Suor noturno;
- Boca e garganta ressecadas;
Deficiência (Xu) x Excesso (Shi)
 Deficiência:
Indica deficiência do Qi correto e pode ocorrer após doenças crônicas.
Pode ser Deficiência de Xue, de Qi ou então de Jin Ye.
 Deficiência de Xue:
- Face pálida;
- Tonteira;
 Deficiência de Qi:
- Apatia;
- Dispneia;
- Sudorese após pequenos esforços;
- Perda de apetite;
 Deficiência de Jin Ye:
- Secura da pele;
- Secura dos olhos;
- Secura de mucosas;
 Excesso:
Indica excesso de fator patogênico e geralmente está associado com
doenças agudas ou de início súbito. Pode ser excesso de Qi, Xue ou Jin Ye.
 Excesso de Qi:
- Dificuldade de inspirar e expirar;
- Plenitude torácica;
- Constipação ou diarreia;
AN02FREV001/REV 4.0
26
 Excesso de Xue:
- Bloqueio menstrual;
- Massa abdominal;
 Excesso de Jin Ye:
- Face edemaciada;
- Membros edemaciados;
Outra característica importante para auxiliar no diagnóstico é a análise
da língua e do pulso do paciente. Todos os Zang Fu se inter-relacionam direta
ou indiretamente com a língua, sendo esta responsável por expressar
manifestações clínicas expressas também no corpo. Uma língua normal é
caracterizada por uma saburra clara, fina, úmida, sem rachaduras e rosada.
Quando estes aspectos não estão de acordo, há uma desordem.
A língua pode ser observada por meio de três características gerais,
saburra, corpo e veias da base. A saburra reflete o exterior ou o Qi do
Estômago, o corpo reflete o interior ou Zang Fu e, por fim, as veias da base
determinam a condição do Xue. Para que todas essas características possam
ser observadas são necessários alguns cuidados na hora de fazer a
observação, como por exemplo:
 Luminosidade natural;
 Postura: colocar a língua pra fora sem fazer pressão;
 Cuidar da alimentação: coloração por balas, bebidas e outros
alimentos;
 Uso de medicação;
 Limpeza.
A coloração da língua pode pré-definir algum diagnóstico, como por
exemplo:
 Língua pálida: Deficiência de Qi e/ou Xue;
 Língua vermelha com saburra: Padrão de Calor
AN02FREV001/REV 4.0
27
 Língua vermelha sem saburra: Deficiência de Yin
 Violácea: Condição de desequilíbrio antiga
 Azul: Padrão de Frio (grave)
A saburra indica a força do fator patogênico e pode ser visível de seis
formas:
 Branca e fina: Normal
 Branca e Espessa: Invasão de Fator Patogênico Externo (FPE) –
Frio
 Amarela: Calor
 Cinza: Estágio grave de doença
 Negra: Estágio gravíssimo de doença
 Escorregadia: Umidade
O corpo pode apresentar diversas características, como as que
seguem:
 Petéquias: Calor
 Pegajosa: Umidade/Mucosidade
 Brilhante: Deficiência de Yang
 Seca: Deficiência de Xue
 Alargada: Deficiência de Yang BP e/ou R, Umidade, Toxina
 Marcas de dente, bordas aumentadas: Deficiência de BP
 Longa: Padrão de C
 Curta: Deficiência mais grave, deficiência do Yang do BP
 Aftas, úlceras, descascada: Calor
 Rachaduras: Deficiência de Yin
 Trêmula: Deficiência de Qi e/ou Deficiência de Xue
Os órgãos possuem posições específicas na língua, conforme observa-
se na figura:
AN02FREV001/REV 4.0
28
FIGURA 9 – POSIÇÃO DOS ÓRGÃOS E VÍSCERAS
FONTE: arquivo pessoal
Já o estudo do pulso, a Pulsologia, é realizado pela MTC pelo toque na
artéria radial próxima ao punho e pode ser sentida em três níveis:
 Superficial: para sentir o pulso em nível superficial é necessária
uma pressão leve sobre a pele e neste nível reflete-se o estado
do coração e do pulmão, e dos Órgãos Yang.
 Médio: para sentir o pulso em nível médio é necessária uma
pressão moderada e neste nível reflete-se patologia do estômago
e baço, além do estado de Xue.
 Profundo: para sentir o pulso em nível profundo é necessária uma
pressão forte sobre a pele, e nesta profundidade refletem-se o
fígado e o rim, e os Órgãos Yin.
AN02FREV001/REV 4.0
29
A análise do pulso depende de alguns fatores como a estação do ano,
idade do paciente, compleição física, menstruação, gravidez e sexo. No caso
de sexo, homens têm pulso relativamente mais forte do que mulheres, sendo
que o lado esquerdo é mais forte em homens do que em mulheres.
Para o pulso estar normal, as batidas são sentidas claramente e
apresentam alguma força, além disso, o pulso é flexível, deslizante, livre e não
profundo. Quando em não conformidade com o descrito acima, esse pulso está
em desarmonia. Existem oito aspectos básicos relacionados ao pulso:
 Flutuante (superficial): este pulso é mais resistente à pressão dos dedos e é
classificado como pulso Yang.
 Profundo: indica que a desarmonia é interna e é classificada com Yin.
 Lento: pode ser sentido em pequenas frequências.
 Rápido: quando os batimentos estão em uma frequência extremamente alta.
 Vazio: o pulso não tem força e desaparece com uma pequena pressão,
ficando assim, vazio.
 Cheio (Pleno): possui a mesma força em todos os níveis e indica um padrão
de plenitude.
 Deslizante (escorregadio): definido também como “oleoso”, tende a deslizar
quando é realizada pressão.
 Áspero (Agitado): esse pulso não possui um movimento contínuo entre as
posições.
Assim como na língua, cada órgão pode ser sentido em um local
específico do pulso, como mostra a figura:
FIGURA 10 - PULSOLOGIA
AN02FREV001/REV 4.0
30
FONTE: Disponível em: http://kiroterapia.blogspot.com/2011/04/pulsologia.html>.
Acesso em: 28/11/2011.
A escolha dos pontos é pré-definida por intermédio de uma anamnese
detalhada, ou seja, uma avaliação do paciente com a finalidade de determinar
qual a causa da desarmonia.
Primeiramente define-se a etiologia, ou seja, a causa da desarmonia.
Essa causa pode ser de fundo emocional, alimentar, estresse, falta de
atividade física, excesso de atividade sexual, traumas, etc. Em um segundo
momento, determina-se o diagnóstico de acordo com os oito princípios, estudo
da língua e pulso, e o órgão que está prejudicado. Após, é importante deliberar
qual o princípio terapêutico (tratamento) adequado para o caso e, por fim,
seleciona-se a melhor combinação de pontos possível para que haja o
reequilíbrio geral do paciente.
AN02FREV001/REV 4.0
31
FIM DO MÓDULO I

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pontos Fonte E Lo
Pontos  Fonte E  LoPontos  Fonte E  Lo
Pontos Fonte E LoRenata Pudo
 
Combinação de pontos auriculares na estética
Combinação de pontos auriculares na estéticaCombinação de pontos auriculares na estética
Combinação de pontos auriculares na estéticaKetheleen Medeiros
 
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...http://www.saudebio.com Bio
 
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...http://www.saudebio.com Bio
 
Bian zheng (Diagnóstico pela Diferenciação de Síndromes)
Bian zheng (Diagnóstico pela Diferenciação de Síndromes)Bian zheng (Diagnóstico pela Diferenciação de Síndromes)
Bian zheng (Diagnóstico pela Diferenciação de Síndromes)http://www.saudebio.com Bio
 
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTCConceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTCcomunidadedepraticas
 
Vasos maravilhosos
Vasos maravilhososVasos maravilhosos
Vasos maravilhososRenata Pudo
 
Aurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora GarciaAurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora GarciaFelipe Galdiano
 
5 elementos - Shu Antigos
5 elementos - Shu Antigos5 elementos - Shu Antigos
5 elementos - Shu AntigosFlavia Parente
 
Apostila reflexologia - Edduc
Apostila reflexologia - EdducApostila reflexologia - Edduc
Apostila reflexologia - Edducedduc
 
Acupuntura estética corporal protocolo aplicado à redução abdominal
Acupuntura estética corporal   protocolo aplicado à redução abdominalAcupuntura estética corporal   protocolo aplicado à redução abdominal
Acupuntura estética corporal protocolo aplicado à redução abdominalAbenaNacional
 
Peijian shen-massagem-para-alivio-da-dor-pdfrev
Peijian shen-massagem-para-alivio-da-dor-pdfrevPeijian shen-massagem-para-alivio-da-dor-pdfrev
Peijian shen-massagem-para-alivio-da-dor-pdfrevClaudia Pinto
 

Mais procurados (20)

Atlas De Meridianos
Atlas De MeridianosAtlas De Meridianos
Atlas De Meridianos
 
Pontos Fonte E Lo
Pontos  Fonte E  LoPontos  Fonte E  Lo
Pontos Fonte E Lo
 
Combinação de pontos auriculares na estética
Combinação de pontos auriculares na estéticaCombinação de pontos auriculares na estética
Combinação de pontos auriculares na estética
 
Medicina chinesa - fundamentos
Medicina chinesa - fundamentosMedicina chinesa - fundamentos
Medicina chinesa - fundamentos
 
Diagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTCDiagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTC
 
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...
 
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...
SÍNDROMES NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E PADRÕES DE DESARMONIA E MANIFESTA...
 
Bian zheng (Diagnóstico pela Diferenciação de Síndromes)
Bian zheng (Diagnóstico pela Diferenciação de Síndromes)Bian zheng (Diagnóstico pela Diferenciação de Síndromes)
Bian zheng (Diagnóstico pela Diferenciação de Síndromes)
 
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTCConceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
 
Os 6 Estágios na Medicina Tradicional Chinesa
Os 6 Estágios na Medicina Tradicional Chinesa Os 6 Estágios na Medicina Tradicional Chinesa
Os 6 Estágios na Medicina Tradicional Chinesa
 
Técnicas em MTC
Técnicas em MTCTécnicas em MTC
Técnicas em MTC
 
Meridianos
MeridianosMeridianos
Meridianos
 
Acupuntura estética modulo 4
Acupuntura estética modulo 4Acupuntura estética modulo 4
Acupuntura estética modulo 4
 
Vasos maravilhosos
Vasos maravilhososVasos maravilhosos
Vasos maravilhosos
 
Aurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora GarciaAurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora Garcia
 
5 elementos - Shu Antigos
5 elementos - Shu Antigos5 elementos - Shu Antigos
5 elementos - Shu Antigos
 
Canais unitarios
Canais unitariosCanais unitarios
Canais unitarios
 
Apostila reflexologia - Edduc
Apostila reflexologia - EdducApostila reflexologia - Edduc
Apostila reflexologia - Edduc
 
Acupuntura estética corporal protocolo aplicado à redução abdominal
Acupuntura estética corporal   protocolo aplicado à redução abdominalAcupuntura estética corporal   protocolo aplicado à redução abdominal
Acupuntura estética corporal protocolo aplicado à redução abdominal
 
Peijian shen-massagem-para-alivio-da-dor-pdfrev
Peijian shen-massagem-para-alivio-da-dor-pdfrevPeijian shen-massagem-para-alivio-da-dor-pdfrev
Peijian shen-massagem-para-alivio-da-dor-pdfrev
 

Semelhante a Acupuntura estética modulo 1

AcupunturaestéticamóduloIblzdeaço
AcupunturaestéticamóduloIblzdeaçoAcupunturaestéticamóduloIblzdeaço
AcupunturaestéticamóduloIblzdeaçoFisio Júnias
 
Substâncias fundamentais alunos
Substâncias fundamentais alunosSubstâncias fundamentais alunos
Substâncias fundamentais alunosFlavia Parente
 
Apostila seis sons terapêuticos
Apostila seis sons terapêuticosApostila seis sons terapêuticos
Apostila seis sons terapêuticosRogério Versolatto
 
Cristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashiCristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashiAdriane Cunha
 
medicina-tradicional-chinesa.pdf
medicina-tradicional-chinesa.pdfmedicina-tradicional-chinesa.pdf
medicina-tradicional-chinesa.pdfFabioAbagabir1
 
Conceitos Básicos MTC parte 2
Conceitos Básicos MTC parte 2Conceitos Básicos MTC parte 2
Conceitos Básicos MTC parte 2Andreia Moreira
 
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergética
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergéticaAlgumas considerações na abordagem da análise bioenergética
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergéticagilfaca158
 
Apostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - EdducApostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - Edducedduc
 
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdfMEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdfTxaiEvanBrandao
 
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)Edson Bispo Palmeira
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentaiscomunidadedepraticas
 
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)Felippe França
 

Semelhante a Acupuntura estética modulo 1 (20)

AcupunturaestéticamóduloIblzdeaço
AcupunturaestéticamóduloIblzdeaçoAcupunturaestéticamóduloIblzdeaço
AcupunturaestéticamóduloIblzdeaço
 
50209564 20090319-apost-taiji
50209564 20090319-apost-taiji50209564 20090319-apost-taiji
50209564 20090319-apost-taiji
 
Acupuntura sistêmica(aula)
Acupuntura sistêmica(aula)Acupuntura sistêmica(aula)
Acupuntura sistêmica(aula)
 
Substâncias fundamentais alunos
Substâncias fundamentais alunosSubstâncias fundamentais alunos
Substâncias fundamentais alunos
 
Apostila seis sons terapêuticos
Apostila seis sons terapêuticosApostila seis sons terapêuticos
Apostila seis sons terapêuticos
 
Acupuntura aula
Acupuntura aulaAcupuntura aula
Acupuntura aula
 
Cristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashiCristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashi
 
medicina-tradicional-chinesa.pdf
medicina-tradicional-chinesa.pdfmedicina-tradicional-chinesa.pdf
medicina-tradicional-chinesa.pdf
 
Conceitos Básicos MTC parte 2
Conceitos Básicos MTC parte 2Conceitos Básicos MTC parte 2
Conceitos Básicos MTC parte 2
 
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergética
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergéticaAlgumas considerações na abordagem da análise bioenergética
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergética
 
Apostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - EdducApostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - Edduc
 
Apostila massagem tui na
Apostila massagem tui naApostila massagem tui na
Apostila massagem tui na
 
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdfMEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
 
Kushi, michio o livro do do-in
Kushi, michio   o livro do do-inKushi, michio   o livro do do-in
Kushi, michio o livro do do-in
 
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
 
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
 
Atlasdemeridianos
Atlasdemeridianos Atlasdemeridianos
Atlasdemeridianos
 
Chi kung
Chi kungChi kung
Chi kung
 
Auriculoterapia lar 02
Auriculoterapia lar   02Auriculoterapia lar   02
Auriculoterapia lar 02
 

Acupuntura estética modulo 1

  • 1. AN02FREV001/REV 4.0 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE ACUPUNTURA ESTÉTICA Aluno: EaD - Educação a Distância Portal Educação
  • 2. AN02FREV001/REV 4.0 2 CURSO DE ACUPUNTURA ESTÉTICA MÓDULO I Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para este Programa de Educação Continuada. É proibida qualquer forma de comercialização ou distribuição do mesmo sem a autorização expressa do Portal Educação. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores descritos nas Referências Bibliográficas.
  • 3. AN02FREV001/REV 4.0 3 SUMÁRIO MÓDULO I 1 DEFINIÇÕES BÁSICAS DE ACUPUNTURA 1.1 O QUE É ACUPUNTURA 1.2 DEFINIÇÕES DE PONTOS E MERIDIANOS 1.3 TEORIA YIN-YANG 1.4 CARACTERÍSTICAS DOS CINCO ELEMENTOS 1.5 CICLO DE GERAÇÃO DOS CINCO ELEMENTOS QUESTIONÁRIO MÓDULO II 2 ACUPUNTURA ESTÉTICA 2.1 DEFINIÇÃO DE GORDO YIN E GORDO YANG 2.1.1 Características do Gordo Yin 2.1.2 Características do Gordo Yang 2.1.3 Definição do Biotipo 2.2 ESCOLHA DOS PONTOS 2.3 TRATAMENTOS ALTERNATIVOS E COMPLEMENTARES 2.3.1 Auriculoterapia 2.3.2 Ventosaterapia 2.3.3 Stiper 2.3.4 Eletroacupuntura 2.3.5 Outras Técnicas 2.3.5.1 Dermaroller 2.3.5.2 Laserterapia 2.3.5.3 Moxa 2.4 DÚVIDAS GERAIS
  • 4. AN02FREV001/REV 4.0 4 MÓDULO III 3 ACUPUNTURA ESTÉTICA FACIAL 3.1 PONTOS ESPECÍFICOS DA FACE 3.2 PONTOS E SUAS FUNÇÕES 3.3 CONTRAINDICAÇÕES E INDICAÇÕES 3.3.1 Anamnese 3.3.2 Assepsia 3.3.3 Escolha do Método a ser Trabalhado 3.3.3.1 Métodos não invasivos 3.3.3.1.1 Stiper 3.3.3.1.2 Laser 3.3.3.1.3 Ventosaterapia 3.3.3.1.4 Moxa 3.3.3.1.5 Haihua 3.3.3.2 Métodos invasivos 3.3.3.2.1 Acupuntura clássica 3.3.3.2.2 Dermaroller 3.3.4 Complementação do Método Utilizado 3.4 RECOMENDAÇÕES GERAIS MÓDULO IV 4 ACUPUNTURA ESTÉTICA CORPORAL 4.1 QUEIXAS 4.1.1 Estrias 4.1.2 Celulite 4.1.3 Gordura Localizada e Obesidade 4.1.4 Ptose de Mamas e Glúteo 4.1.4.1 Ptose de mamas 4.1.4.2 Ptose de glúteo
  • 5. AN02FREV001/REV 4.0 5 4.1.5 Queloides e Cicatriz 4.2 PONTOS E FUNÇÕES 4.3 CONTRAINDICAÇÕES E INDICAÇÕES 4.4 RECOMENDAÇÕES GERAIS MÓDULO V 5 PONTOS DE ACUPUNTURA 5.1 LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE ACUPUNTURA 5.1.1 Dicas de Localização 5.1.1.1 Utilizando as duas mãos 5.1.1.2 Movimento do corpo 5.1.1.3 Fita métrica 5.2 MODO DE INSERÇÃO DAS AGULHAS 5.3 ÂNGULO DAS AGULHAS 5.4 TÉCNICAS DE INSERÇÃO 5.5 OBTENÇÃO DO HIBIQUI (HIBIKI OU DE QI) 5.6 PROFUNDIDADE DE INSERÇÃO 5.7 TEMPO DE TRATAMENTO 5.8 PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • 6. AN02FREV001/REV 4.0 6 MÓDULO I 1 DEFINIÇÕES BÁSICAS DE ACUPUNTURA 1.1 O QUE É ACUPUNTURA A definição do nome “acupuntura” é derivada do latim Acu, que significa agulha, e Puntura, picada. Essa técnica é datada de 4.000 anos e foi descoberta na China, sendo praticada há muitos anos também no Japão, Coreia e diversos outros países da Ásia. Até hoje encontra muitos adeptos no mundo inteiro, sendo uma das modalidades mais populares da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) que proporciona resultados de melhora em diversos tipos de dores. Acredita-se ter sido introduzida pela primeira vez no Brasil nas primeiras décadas do século XX, com a imigração japonesa. Com o final do período feudal no Japão, muitos japoneses ficaram sem emprego e, portanto, foram incentivados a sair do seu país. Em 1908, após ter sido firmado o Tratado de Amizade, Comércio e Navegação entre Brasil e Japão, chegaram ao nosso país os primeiros japoneses que introduziram a Acupuntura. Acupuntura é, portanto, o conjunto de conhecimentos teórico-empíricos da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) que visa à promoção da saúde e do bem-estar de uma pessoa, seja como terapia, seja promovendo a melhora de determinadas doenças, por meio da restauração energética do paciente, energia essa conhecida como Qi (pronuncia-se tchi). 1.2 DEFINIÇÕES DE PONTOS E MERIDIANOS
  • 7. AN02FREV001/REV 4.0 7 O Qi circula pelo corpo por meio de “teias” conhecidas como meridianos ou canais. Os canais são responsáveis por formarem uma rede que cobre o corpo vertical e horizontalmente. Eles ligam os órgãos internos à pele, aos músculos, ligamentos, ossos e outros tecidos e integram cada parte como um todo. Importante ressaltar que para a MTC um órgão é composto não apenas de uma estrutura anatômica, mas faz parte de um sistema e deve ser estudado de forma única. Existem 365 pontos de acupuntura que se encontram ao longo dos meridianos e são nestes pontos que as agulhas são inseridas. FIGURA 1 FONTE: Disponível em: <http://www.harmonizesevivafeliz.com.br>. Acesso em: 10 Maio 2012. O conceito do Qi intrigou filósofos chineses de todas as épocas, desde o início da civilização chinesa até os tempos atuais. De um modo geral, o Qi pode ser tão imaterial e rarefeito como o vapor, e tão material e denso como o arroz. Para os médicos da atualidade Qi pode ser designado como “energia”,
  • 8. AN02FREV001/REV 4.0 8 para os sinólogos (especialistas no estudo da história, da língua, das instituições e costumes da China), corresponde à “matéria”. Qi é uma das substâncias vitais que fazem parte da estrutura corporal. Segundo a MTC é classificado como:  Energia ancestral (Yuan Qi): ligada às manifestações dos genes, localizados no DNA das células, regulando o desenvolvimento do embrião até a formação de um ser humano adulto. É a força motriz das atividades diárias e ajuda na transformação do Zong Qi em Zhen Qi, e do Gu Qi em Xue.  Energia do tórax (Zong Qi): é a energia correspondente ao funcionamento do pulmão e do coração, influencia a voz e leva o sangue até as extremidades. É gerida pelo Da Qi (Qi do ar) e pelo Gu Qi (Qi dos alimentos).  Energia verdadeira (Zhen Qi): último estágio de refinamento do Qi, nutre os órgãos e canais. É formado pelo Zong Qi e pelo Yuan Qi e manifesta- se como Yin Qi e Wei Qi.  Energia nutridora (Yin Qi): é a energia resultante da alimentação e da respiração combinadas, que circula no sangue, a fim de nutrir os órgãos e tecidos.  Energia de defesa (Wei Qi): é a energia responsável pelos processos de defesa do organismo. Controla os pulmões, a abertura e fechamento dos poros, protege, aquece e umedece músculos e pele.  Qi central (Zhong Qi): Energia do baço e do estômago.  Energia dos alimentos (Jing Qi): relativa às substâncias absorvidas dos alimentos pelo tubo digestivo.
  • 9. AN02FREV001/REV 4.0 9  Qi perverso (Xie Qi): está associado aos fatores patogênicos climáticos.  ZangFu Zhi Qi: Qi dos órgãos e vísceras.  Jing Luo Qi: é o Qi que flui nos canais. Além do Qi existem mais três substâncias que são essenciais para nossa constituição e são conhecidas como:  Sangue (Xue): formado de fluido corporal, da essência da medula óssea, do Yin Qi e Wei Qi, e tem como funções: a nutrição, a defesa, a promoção do crescimento, a hidratação e a prevenção de tumores.  Essência (Jing): é a forma de Qi derivada de um processo de refinamento, de uma substância pura. É composta por: - Essência pré-celestial: formada durante a concepção e por isso é definida com essência herdada. - Essência pós-celestial: é a essência dos alimentos, derivada das funções do baço e do estômago. - Essência do rim: deriva tanto da essência pré-celestial como da pós-celestial e é nutrida pela essência pós-celestial.  Líquidos Orgânicos (Jin Ye): - Jin (fluidos): fluidos claros e aquosos, circulam juntamente com o Wei Qi e servem como componente para a formação do Xue. - Ye (líquidos): são fluidos mais densos e turvos, circulam junto com o Ying Qi. Os fluidos impuros são considerados como Ye. 1.3 TEORIA YIN-YANG
  • 10. AN02FREV001/REV 4.0 10 O Qi possui duas forças opostas, porém complementares, que atuam em concordância durante toda nossa vida, pois sem uma a outra não existe, uma gera e protege a outra. Essas forças são conhecidas por “Opostos” ou forças Yin e Yang. FIGURA 2 – YIN-YANG Yin e Yang, portanto, representam o desenvolvimento de todos os fenômenos no universo, sendo o resultado de uma interação de dois estágios opostos que contêm ambos os aspectos, em diferentes graus de manifestação, em um movimento cíclico e relativo. É interessante observar que o Yang representa o estado mais rarefeito e imaterial da substância (Céu), e o Yin simboliza o estado mais material e denso (Terra). Canais Yin tendem a ascender, na direção Terra – Céu, já canais Yang descendem, na direção Céu – Terra. FIGURA 3 – CANAIS YIN-YANG
  • 11. AN02FREV001/REV 4.0 11 FONTE: arquivo pessoal Existe uma relação conhecida como Três Tesouros ou ainda San Bao, importante na transformação e recuperação do equilíbrio energético. Essa relação é formada pelos elementos Água, Terra e Fogo. Além disso, descrevem-se quatro aspectos de relacionamento Yin Yang, são eles:  Oposição Yin-Yang: Yin e Yang são estágios opostos de um ciclo, porém complementares.  Interdependência Yin-Yang: embora sejam opostos, são interdependentes, pois um não pode existir sem o outro; como exemplo, observa-se que não há atividade sem descanso, contração sem expansão, fogo sem lenha, etc.  Interconsumo Yin-Yang: quando uma das forças está em desequilíbrio
  • 12. AN02FREV001/REV 4.0 12 afeta o equilíbrio Yin-Yang, modificando sua proporção. Intertransformação do Yin-Yang: o Yin e o Yang transformam-se mutuamente. Essa mudança acontece somente em determinados estágios do desenvolvimento, como, por exemplo, o verão se transforma em inverno, a vida em morte, o dia em noite, etc. FIGURA 4 - INTERTRANSFORMAÇÃO DO YIN-YANG FONTE: arquivo pessoal Outras manifestações de Yin-Yang podem ser descritas na tabela que segue: YIN YANG Escuro Claro
  • 13. AN02FREV001/REV 4.0 13 Yin-Yang também pode ter relação com a estrutura corpórea. Quando as forças do corpo estão em equilíbrio harmonioso, há saúde. Quando esse equilíbrio é perturbado, ou melhor, o Qi não está em conformidade (desequilíbrio Yin-Yang), surge a doença. O desenvolvimento deste desequilíbrio depende basicamente de dois aspectos: de como está a resistência do corpo do paciente e da doença em questão. Apesar disso, é importante ressaltar que muitas desordens surgem de desarmonias internas, emocionais, por exemplo, com pouco ou nenhum efeito de influência externa. Na MTC, dá-se muita ênfase à prevenção da doença pela promoção da saúde. Resumidamente, o Qi quando em conformidade promove saúde, quando em desequilíbrio promove desordens patológicas e, assim, Yin e Yang passam a não estar em conformidade. Para que haja um equilíbrio energético é preciso uma regulação da energia e essa regulação ocorre por meio de técnicas de acupuntura. Uma destas técnicas é a acupuntura sistêmica com agulhas, que visa à inserção de agulhas em pontos específicos por onde passam meridianos. Quente Frio Repouso Atividade Noite Dia Terra Céu Quadrado Redondo YIN YANG Frente Costas Corpo Cabeça Abaixo da Cintura Acima da Cintura Interior Exterior Superfície anterolateral Superfície Posterolateral Órgãos Yin Órgãos Yang
  • 14. AN02FREV001/REV 4.0 14 1.4 CARACTERÍSTICAS DOS CINCO ELEMENTOS Os meridianos estão relacionados com os doze órgãos e são divididos em dois grandes grupos: órgãos Yin e órgãos Yang. Os órgãos Yin, que são o núcleo de todo o sistema, são o fígado, o coração, o baço-pâncreas (ou somente o baço), os pulmões e os rins. Nas discussões de canais, um sexto órgão é acrescentado ao Pericárdio (PC), também conhecido como circulação- sexualidade, adjunto ao coração. Os órgãos Yang (ou vísceras) são a vesícula biliar, o intestino delgado, o intestino grosso, o estômago e a bexiga. Triplo Aquecedor (TA) é também considerado órgão complementar. Os órgãos Yin são também chamados de Órgãos Zang, Órgãos Tesouros ou também Órgãos Sólidos e tem a função de produzir e armazenar substâncias essenciais. Já os Órgãos Yang são também chamados de Órgãos Fu, Órgãos Ocos ou Vísceras, pois recebem e digerem alimentos e conduzem substâncias indesejáveis. Cada órgão Yin possui seu órgão Yang correspondente e cada dupla, por assim dizer, caracteriza um elemento. Os elementos são: Madeira “endireita o que está curvado” Órgão Yin: Fígado (F) Órgão Yang: Vesícula Biliar (VB) O fígado, Órgão Yin que caracteriza o elemento Madeira, é responsável por armazenar o sangue, manter livre o fluxo de Qi, controlar os tendões, entre outras funções.
  • 15. AN02FREV001/REV 4.0 15 Fogo “queima o que está em cima” Órgão Yin: Coração (C) Órgão Yang: Intestino Delgado (ID) O coração é considerado o órgão Imperador ou também o Monarca dos Órgãos, suas funções são inúmeras como, por exemplo, controlar os vasos sanguíneos, abrigar a mente, controlar a sudorese, entre outros. Terra “empenha-se em semear e colher” Órgão Yin: Baço-Pâncreas (BP) Órgão Yang: Estômago (E) O baço-pâncreas, ou apenas baço, é prejudicado quando há uma alimentação inadequada, com excesso de comidas frias e cruas e suas funções principais são relacionadas ao controle de sangue, influenciar o metabolismo das águas e, por fim, abrigar o pensamento. Metal “transforma e corta” Órgão Yin: Pulmão (P) Órgão Yang: Intestino Grosso (IG) O pulmão ocupa a posição mais elevada dos órgãos e o mais externo dos Órgãos Yin. É prejudicado pela má postura e é responsável por controlar a respiração, regular a passagem das águas, etc. Água
  • 16. AN02FREV001/REV 4.0 16 “umedece o que está embaixo” Órgão Yin: Rim (R) Órgão Yang: Bexiga (B) O rim é considerado a “Raiz da Vida”, domina o metabolismo das águas, armazena a Essência, domina a reprodução e o desenvolvimento humano. Os órgãos e vísceras possuem horários específicos para que, tanto a energia quanto o sangue possam circular da melhor forma possível. Esses horários são divididos em blocos de duas horas. Sendo seis os Órgãos Yin e seis os Órgãos Yang, completam as 24h do dia. Essa “divisão do tempo” é conhecida como Ciclo Circadiano, que significa “cerca de um dia”, isso porque compreende o ciclo biológico de todo corpo humano em um dia. FIGURA 5 FONTE: arquivo pessoal
  • 17. AN02FREV001/REV 4.0 17 Os cinco elementos possuem diversas características peculiares, como por exemplo, a forma como saem do corpo: os olhos são a saída da Madeira, a língua do Fogo, a boca da Terra, o Nariz do Metal e a orelha da Água. É possível também relacionar cada elemento como uma estação do ano correspondente: a Madeira corresponde à Primavera, sendo associada ao nascimento; o Fogo corresponde ao Verão e está associado ao crescimento; o Metal corresponde ao Outono, associado à colheita; a Água corresponde ao Inverno e está associada ao armazenamento; a Terra corresponde à estação anterior, associada à transformação. Também é possível relacionar os cinco elementos às cinco estações da vida na Terra, onde os seres vivos têm emoções que os identificam com cada movimento, e a existência da saúde implica a harmonia entre todos os movimentos e em consequência o equilíbrio energético. 1.5 CICLO DE GERAÇÃO DOS CINCO ELEMENTOS Além disso, os elementos atuam de forma a gerarem, consumirem e serem dependentes um do outro, dando origem à Teoria dos Cinco Elementos ou Movimento. Essa teoria foi elaborada pelos filósofos chineses para explicar o comportamento da natureza e dos seres vivos e por si originaram a Sequência Cosmológica, Ciclo de Geração, Sequência de Dominância e, por fim, suas patologias. Na Sequência Cosmológica, a Água é a base, o Coração e o Rim são o equilíbrio entre a Água e o Fogo, a Terra é o centro e sustenta o Fogo, além disso, é o pivô das estações do ano. Água – Terra – Fogo formam o eixo terra, homem e céu.
  • 18. AN02FREV001/REV 4.0 18 FIGURA 6 – SEQUÊNCIA COSMOLÓGICA FONTE: arquivo pessoal Na sequência da geração, cada elemento gera o outro, sendo, ao mesmo tempo, gerado. Desse modo, a Madeira gera o Fogo, o Fogo gera a Terra, a Terra gera o Metal, o Metal gera a Água e a Água gera a Madeira. FIGURA 7 – CICLO DE GERAÇÃO
  • 19. AN02FREV001/REV 4.0 19 Fogo (filho) retira muito da Madeira (mãe) Terra (filho) retira muito do Fogo (mãe) Metal (filho) retira muito da Terra (mãe) Água (filho) retira muito Metal (mãe) Madeira (filho) retira muito da Água (mãe) Madeira (mãe) não nutre Fogo (filho) Fogo (mãe) não nutre a Terra (filho) Terra (mãe) não nutre o Metal (filho) Metal (mãe) não nutre Água (filho) Água (mãe) não nutre a Madeira (filho) FONTE: arquivo pessoal Há também patologias referentes ao Ciclo de Geração e são essas patologias (entre outras) que acabam por causar desequilíbrios. Patologias:  Filho em excesso retira muito da mãe  Mãe deficiente não nutre o filho
  • 20. AN02FREV001/REV 4.0 20 A Água contradomina a Terra A Terra contradomina a Madeira A Madeira contradomina o Metal O Metal contradomina o Fogo O Fogo contradomina a Água Na Sequência de Dominância, como podemos observar na figura que segue, a Água domina o Fogo, apagando-o; o Fogo domina o Metal, fundindo- o; o Metal domina a Madeira, cortando-a; a Madeira domina a Terra, esgotando-a; a Terra domina a Água, absorvendo-a. FIGURA 8 – SEQUENCIA DE DOMINÂNCIA FONTE: arquivo pessoal Porém, algumas patologias também podem ser observadas na Sequência de Dominância. São elas:  Sequência de Contradominância: O elemento que deveria ser dominado acaba por se voltar contra seu dominador.
  • 21. AN02FREV001/REV 4.0 21 Madeira superdomina a Terra Terra superdomina a Água Água superdomina o Fogo Fogo superdomina o Metal Metal superdomina a Madeira  Sequência de Superdominância: O elemento dominador exerce um super controle sobre o elemento dominado. Os cinco elementos também são usados amplamente para diagnóstico, onde é feita a correspondência entre os cinco elementos e a cor, o sabor, as emoções, os odores, relação Yin-Yang, entre outras características, como podemos observar na tabela que segue:
  • 22. AN02FREV001/REV 4.0 22 Para que seja possível determinar o diagnóstico correto é necessário que alguns outros aspectos sejam abordados. O diagnóstico fundamental é dado por meio de oito princípios, dois deles já abordados neste polígrafo, Yin e Yang, os demais, seguem abaixo. ELEMENTO: MADEIRA FOGO TERRA METAL ÁGUA ZANG F C BP P R FU VB ID E IG B CORES Verde Vermelho Amarelo Branco Preto SABORES Ácido Amargo Doce Pungente Salgado YIN-YANG Yang no Yin Yang máximo Neutro Yin no Yang Yin máximo ESTAÇÕES Primavera Verão Transição Outono Inverno DIREÇÃO Leste Norte Centro Oeste Sul ORGÃO DOS SENTIDOS Olhos Língua Boca Nariz Ouvidos TECIDO Tendões Vasos Músculos Pele Ossos EMOÇÕES Raiva Alegria Preocupação Tristeza Medo CLIMA Vento Calor Úmido Seco Frio MANIFESTAÇÕES Unha Face Lábios Pelos Cabelo EMOÇÕES Intuição; Criatividade; Independência; Amor; Fraternidade; Comunicação; Socialização; Estabilidade; Praticidade; Capacidade de cuidar dos outros; Sabedoria; Amadureci- mento com perdas; Determinação; Força de vontade; Fé em si;
  • 23. AN02FREV001/REV 4.0 23 DIAGNÓSTICO PELOS OITO PRINCÍPIOS Yin x Yang Superficial (Biao) x Profundo (Li) Frio (Han) x Calor (Re) Deficiência (Xu) x Excesso (Shi) Superficial (Biao) x Profundo (Li)  Síndrome Superficial: Essa síndrome está correlacionada com o Qi defensivo (Wei Qi) e os fatores exógenos. Além disso, esta síndrome é característica de doença aguda e pode causar comprometimento de pele e músculos. Sinais e sintomas:  Febre e calafrios;  Aversão ao frio, calor vento ou umidade;  Cervicalgia;  Cefaleia;  Rinorreia;  Espirros e tosse;  Síndrome Profunda: Essa síndrome é característica de doenças crônicas e pode causar comprometimento de estruturas internas, como ossos, medula, órgãos e vísceras. Sinais e sintomas:  Sensação de frio ou calor interior;  Alterações emocionais; Frio (Han) x Calor (Re)  Síndrome de Frio:
  • 24. AN02FREV001/REV 4.0 24 Caracteriza disfunções associadas ao Qi, Xue e/ou ao Zang Fu. Além disso, está associada a padrões exógenos crônicos de frio que atacam os órgãos ou as vísceras. Difere-se em Padrão de Frio Exterior e Interior.  Padrão de Frio Exterior: - Aversão ao frio; - Extremidades frias; - Face pálida; - Urina clara; - Espirros;  Padrão de Frio Interior: - Aversão ao frio; - Extremidades frias; - Letargia; - Indisposição matinal; - Longa micção com urina clara; - Diarreia com resto de alimentos;  Síndrome de Calor: Causada basicamente pelo calor exógeno, pela transformação do frio exógeno em calor e assim como o frio, pode ser diferenciada em Padrão de Calor Exterior e Padrão de Calor Interior.  Padrão de Calor Exterior: - Febre alta; - Intolerância ao calor; - Urina escura e escassa; - Face avermelhada; - Sede;  Padrão de Calor Interior: - Febre intermitente;
  • 25. AN02FREV001/REV 4.0 25 - Discreta aversão ao calor; - Suor noturno; - Boca e garganta ressecadas; Deficiência (Xu) x Excesso (Shi)  Deficiência: Indica deficiência do Qi correto e pode ocorrer após doenças crônicas. Pode ser Deficiência de Xue, de Qi ou então de Jin Ye.  Deficiência de Xue: - Face pálida; - Tonteira;  Deficiência de Qi: - Apatia; - Dispneia; - Sudorese após pequenos esforços; - Perda de apetite;  Deficiência de Jin Ye: - Secura da pele; - Secura dos olhos; - Secura de mucosas;  Excesso: Indica excesso de fator patogênico e geralmente está associado com doenças agudas ou de início súbito. Pode ser excesso de Qi, Xue ou Jin Ye.  Excesso de Qi: - Dificuldade de inspirar e expirar; - Plenitude torácica; - Constipação ou diarreia;
  • 26. AN02FREV001/REV 4.0 26  Excesso de Xue: - Bloqueio menstrual; - Massa abdominal;  Excesso de Jin Ye: - Face edemaciada; - Membros edemaciados; Outra característica importante para auxiliar no diagnóstico é a análise da língua e do pulso do paciente. Todos os Zang Fu se inter-relacionam direta ou indiretamente com a língua, sendo esta responsável por expressar manifestações clínicas expressas também no corpo. Uma língua normal é caracterizada por uma saburra clara, fina, úmida, sem rachaduras e rosada. Quando estes aspectos não estão de acordo, há uma desordem. A língua pode ser observada por meio de três características gerais, saburra, corpo e veias da base. A saburra reflete o exterior ou o Qi do Estômago, o corpo reflete o interior ou Zang Fu e, por fim, as veias da base determinam a condição do Xue. Para que todas essas características possam ser observadas são necessários alguns cuidados na hora de fazer a observação, como por exemplo:  Luminosidade natural;  Postura: colocar a língua pra fora sem fazer pressão;  Cuidar da alimentação: coloração por balas, bebidas e outros alimentos;  Uso de medicação;  Limpeza. A coloração da língua pode pré-definir algum diagnóstico, como por exemplo:  Língua pálida: Deficiência de Qi e/ou Xue;  Língua vermelha com saburra: Padrão de Calor
  • 27. AN02FREV001/REV 4.0 27  Língua vermelha sem saburra: Deficiência de Yin  Violácea: Condição de desequilíbrio antiga  Azul: Padrão de Frio (grave) A saburra indica a força do fator patogênico e pode ser visível de seis formas:  Branca e fina: Normal  Branca e Espessa: Invasão de Fator Patogênico Externo (FPE) – Frio  Amarela: Calor  Cinza: Estágio grave de doença  Negra: Estágio gravíssimo de doença  Escorregadia: Umidade O corpo pode apresentar diversas características, como as que seguem:  Petéquias: Calor  Pegajosa: Umidade/Mucosidade  Brilhante: Deficiência de Yang  Seca: Deficiência de Xue  Alargada: Deficiência de Yang BP e/ou R, Umidade, Toxina  Marcas de dente, bordas aumentadas: Deficiência de BP  Longa: Padrão de C  Curta: Deficiência mais grave, deficiência do Yang do BP  Aftas, úlceras, descascada: Calor  Rachaduras: Deficiência de Yin  Trêmula: Deficiência de Qi e/ou Deficiência de Xue Os órgãos possuem posições específicas na língua, conforme observa- se na figura:
  • 28. AN02FREV001/REV 4.0 28 FIGURA 9 – POSIÇÃO DOS ÓRGÃOS E VÍSCERAS FONTE: arquivo pessoal Já o estudo do pulso, a Pulsologia, é realizado pela MTC pelo toque na artéria radial próxima ao punho e pode ser sentida em três níveis:  Superficial: para sentir o pulso em nível superficial é necessária uma pressão leve sobre a pele e neste nível reflete-se o estado do coração e do pulmão, e dos Órgãos Yang.  Médio: para sentir o pulso em nível médio é necessária uma pressão moderada e neste nível reflete-se patologia do estômago e baço, além do estado de Xue.  Profundo: para sentir o pulso em nível profundo é necessária uma pressão forte sobre a pele, e nesta profundidade refletem-se o fígado e o rim, e os Órgãos Yin.
  • 29. AN02FREV001/REV 4.0 29 A análise do pulso depende de alguns fatores como a estação do ano, idade do paciente, compleição física, menstruação, gravidez e sexo. No caso de sexo, homens têm pulso relativamente mais forte do que mulheres, sendo que o lado esquerdo é mais forte em homens do que em mulheres. Para o pulso estar normal, as batidas são sentidas claramente e apresentam alguma força, além disso, o pulso é flexível, deslizante, livre e não profundo. Quando em não conformidade com o descrito acima, esse pulso está em desarmonia. Existem oito aspectos básicos relacionados ao pulso:  Flutuante (superficial): este pulso é mais resistente à pressão dos dedos e é classificado como pulso Yang.  Profundo: indica que a desarmonia é interna e é classificada com Yin.  Lento: pode ser sentido em pequenas frequências.  Rápido: quando os batimentos estão em uma frequência extremamente alta.  Vazio: o pulso não tem força e desaparece com uma pequena pressão, ficando assim, vazio.  Cheio (Pleno): possui a mesma força em todos os níveis e indica um padrão de plenitude.  Deslizante (escorregadio): definido também como “oleoso”, tende a deslizar quando é realizada pressão.  Áspero (Agitado): esse pulso não possui um movimento contínuo entre as posições. Assim como na língua, cada órgão pode ser sentido em um local específico do pulso, como mostra a figura: FIGURA 10 - PULSOLOGIA
  • 30. AN02FREV001/REV 4.0 30 FONTE: Disponível em: http://kiroterapia.blogspot.com/2011/04/pulsologia.html>. Acesso em: 28/11/2011. A escolha dos pontos é pré-definida por intermédio de uma anamnese detalhada, ou seja, uma avaliação do paciente com a finalidade de determinar qual a causa da desarmonia. Primeiramente define-se a etiologia, ou seja, a causa da desarmonia. Essa causa pode ser de fundo emocional, alimentar, estresse, falta de atividade física, excesso de atividade sexual, traumas, etc. Em um segundo momento, determina-se o diagnóstico de acordo com os oito princípios, estudo da língua e pulso, e o órgão que está prejudicado. Após, é importante deliberar qual o princípio terapêutico (tratamento) adequado para o caso e, por fim, seleciona-se a melhor combinação de pontos possível para que haja o reequilíbrio geral do paciente.