SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
COMPOSIC¸ ˜AO DA ANUROFAUNA DO PARQUE ESTADUAL
PAULO CESAR VINHA, SETIBA, MUNIC´IPIO DE GUARAPARI,
ESTADO DO ESP´IRITO SANTO
SILVA, F.A.1,3
GOMES, I.P.1; FREITAS, A.O.1; DORIGUETO, V.B.1; NUNES, B.P.S.1; CASTRO, T.M.1; THOMAZINI, N.B.1;
SILVA - SOARES, T.2
1
Centro Universit´ario S˜ao Camilo ES, Rua S˜ao Camilo de Lellis, no
1, Para´ıso, Cachoeiro de Itapemirim - ES.
2
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, Dpt. de Vertebrados, Lab. de Herpetologia - Quinta da Boa Vista,
S˜ao Crist´ov˜ao Rio de Janeiro - RJ -
3
E - mail fabiodas.bio@hotmail.com
INTRODUC¸ ˜AO
Os anf´ıbios possuem grande importˆancia na cadeia ali-
mentar, normalmente alimentam - se de artr´opodes,
consumindo gradientes elevados de invertebrados. No
entanto, algumas esp´ecies de grande porte ocasional-
mente consomem pequenos roedores e at´e mesmo ou-
tros anf´ıbios (Oliveira & Vizotto, 1996). Atualmente,
existem mais de seis mil e oitocentas esp´ecies de anf´ıbios
descritas em todo o mundo (Amphibiaweb, 2011), das
quais 877 ocorrem no Brasil, liderando, assim, a maior
diversidade do planeta em anurofauna (Sociedade Bra-
sileira de Herpetologia, 2010). A dependˆencia pelo meio
aqu´atico e terrestre apresentada pelos anf´ıbios os tor-
nam ´otimo indicadores de qualidade ambiental, pois,
qualquer dist´urbio ocasionado nestes ambientes pode
vir a afetar diretamente o equil´ıbrio de suas popula¸c˜oes
(Dixo, 2001). Destarte, a identifica¸c˜ao das esp´ecies de
anf´ıbios e o estudo de suas particularidades ecol´ogicas
revelam - se decisivos para o sucesso das a¸c˜oes que bus-
cam conservar a biodiversidade (Corn, 1994). No Es-
tado do Esp´ırito Santo o Parque Estadual Paulo C´esar
Vinha conta com um plano de manejo elaborado em
setembro de 2007, onde foram listados 36 esp´ecies de
anf´ıbios (Cepemar, 2007).
OBJETIVOS
Investigar a composi¸c˜ao da comunidade de anf´ıbios
anuros do Parque Estadual Paulo C´esar Vinha, deter-
minando sua riqueza, abundˆancia e distribui¸c˜ao tem-
poral e espacial.
MATERIAL E M´ETODOS
O trabalho foi desenvolvido no Parque Estadual Paulo
C´esar Vinha (PEPCV), que compreende uma plan´ıcie
com cerca de 1500 hectares em Setiba, munic´ıpio de
Guarapari, estado do Esp´ırito Santo, sudeste do Brasil
(20°33’ - 20°38’S e 40°23’ - 40°26’W). A regi˜ao pos-
sui relevo pouco acidentado, com altitude m´edia de
quatro metros, vegeta¸c˜ao arb´orea baixa vegeta¸c˜ao e
herb´acea, com ocorrˆencia de gram´ıneas, e abundˆancia
de brom´elias. O clima da regi˜ao ´e do tipo Aw, se-
gundo classifica¸c˜ao de Koeppen, apresentando tempe-
ratura m´edia anual de 23,3 o
C, precipita¸c˜ao m´edia
anual de 1.307 mm e umidade relativa m´edia anual
de 80% (Fabris, 1995). Foram definidos quatro pon-
tos amostrais sendo selecionados pelas suas diferentes
fitofissionomias: P1 - Lago permanente; P2 - Brejo
Herb´aceo; P3 - Lago Tempor´ario e P4 - Mata seca e
Mata de Clusia. As coletas foram realizadas quinzenal-
mente para garantir a amostragem de todas as esta¸c˜oes
do ano e registrar o per´ıodo de atividade reprodutivo
X Congresso de Ecologia do Brasil, 16 a 22 de Setembro de 2011, S˜ao Louren¸co - MG 1
de todas as esp´ecies. Foram utilizados os m´etodos de
busca ativa (diurna e noturna), explorando os ambi-
entes alagados, brejos, brom´elias, mata seca e po¸cas
tempor´arias, assim como armadilhas de intercepta¸c˜ao
e queda, com baldes de 15 litros. Ainda, a capta¸c˜ao de
vocaliza¸c˜oes, realizada a partir de gravador e filmadora.
RESULTADOS
Foram registradas 24 esp´ecies de anf´ıbios anu-
ros do PEPCV, divididas em cinco fam´ılias:
Bufonidae:Rhinella crucifereR. granulosa; Hyli-
dae:Aparasphenodon brunoi,Aplastodiscussp.,Dendropsophus
branneri,D. bipunctatus,D. decipiens,D. ele-
gans,Hypsiboas albomarginatus,H. faber,H. semili-
neatus,Phyllodytes luteolus,Scinax agilis,S. alter,S.
argyreornatus,S. cuspidatus,Sphaenorhynchus plani-
colaeTrachycephalus nigromaculatus; Leptodactyli-
dae:Leptodactylus fuscus,L. latranseL. natalensis; Leiu-
peridae:Physalaemuscf.crombiei, Pseudopaludicola fal-
cipes;eMicrohylidae:Chiasmocleis carvalhoi.
Em rela¸c˜ao `a distribui¸c˜ao temporal, dentre as
esp´ecies de Hylidae mais frequentemente observa-
das em atividade ao longo das campanhas foram
as do gˆeneroDendropsophuseHypsiboas. Em Lep-
todactylidae, a mais frequente foiLeptodactylus la-
trans,registrada em todas campanhas de campo. Em
Bufonidae,Rhinella granulosafoi a mais frequente das
duas esp´ecies. A ´unica esp´ecie da fam´ılia Microhylidae
foi observada durante seu per´ıodo de reprodu¸c˜ao explo-
siva em uma po¸ca perene depois de fortes chuvas que
duraram dois dias consecutivos.
Leptodactylus latranseP. luteolusforam registrados em
todos os pontos. Todavia,P. luteolusmostrou - se
espec´ıfica em rela¸c˜ao ao habitat, sendo sempre en-
contrada associada a Brom´elias, enquanto queL. la-
transfoi encontrada ocupando os diferentes substra-
tos, contudo, sempre associados `a ambientes pa-
lud´ıcolas.Sphaenorhynchus planicolamostrou - se ex-
tremamente espec´ıfica, sendo encontrada somente no
lago permanente (P1) sobre a vegeta¸c˜ao aqu´atica. A
esp´ecieAplastodiscussp. esta em processo de an´alise ta-
xonˆomica para definir sua identifica¸c˜ao.
CONCLUS˜AO
Levando em considera¸c˜ao que a ´area estudada tem ape-
nas 30 ha e a ´area total do PEPCV ´e de 1.500 ha,
foi poss´ıvel observar a importˆancia desses microhabi-
tats. Tivemos um grande n´umero de esp´ecies que li-
mitou - se a reproduzir em po¸cas tempor´arias. Neste
contexto, consideramos esse ambiente de grande im-
portˆancia ecol´ogica para a conserva¸c˜ao da popula¸c˜ao
de anuros do PEPCV. A grande presen¸ca de esp´ecies
bromel´ıgenas e bromel´ıcolas no ambiente Mata de Clu-
sia (P4) demonstra a relevˆancia das brom´elias neste
ambiente para a sobrevivˆencia destas. Vale salien-
tar o encontro de Chiasmocleis carvalhoi, uma esp´ecie
atualmente considerada em perigo, segundo a lista de
esp´ecies amea¸cadas de extin¸c˜ao da IUCN. O PEPCV ´e
un´ıca regi˜ao sabida de ocorrˆencia da esp´ecie dentro do
estado do Esp´ırito Santo (Silva - Soares et al., 009).
REFERˆENCIAS
AMPHIBIAWEB, Information on amphibian biology
and conservation. 2011. Berkeley, California: Amphi-
biaWeb. http://amphibiaweb.org/. (´Ultimo acesso:
12/02/2011). CEPEMAR, 2007. Plano de manejo do
Parque Estadual Paulo C´esar Vinha. Setembro. Re-
vis˜ao 00. 251p. CORN, P.S. 1994. Straight - line
drift fences and pitfall traps. 109p - 117p em Heyer
W.R; Donnelly, MA; McDiarmid, R.W.; Hayek, L.C.;
Foster, M.S. Measuring and monitoring biological di-
versity: standard methods for amphibians. Smithso-
nian Institution Press, Washington, DC. DIXO, M.
B. O. 2001. Efeito da fragmenta¸c˜ao da floresta so-
bre a comunidade de sapos e lagartos de serrapilheira
no sul da Bahia. Universidade de S˜ao Paulo, S˜ao
Paulo, SP. Disserta¸c˜ao de Mestrado. FABRIS, L.C.
1995. Composi¸c˜ao flor´ıstica e fitossociol´ogica de uma
faixa de floresta arenosa litorˆanea do Parque Esta-
dual de Setiba, Munic´ıpio de Guarapari, ES. Universi-
dade Estadual Paulista, Rio Claro, SP. Disserta¸c˜ao de
Mestrado. OLIVEIRA, J. J.; VIZOTTO, L.D. 1996.
Manual de identifica¸c˜ao de r˜as nativas brasileiras e
r˜a - touro gigante. Edi¸c˜oes. IBAMA. Bras´ılia. 42p.
SILVA - SOARES, T; COSTA, P.N.; FERREIRA, R.B.
2009. Geographic Distribution: Chiasmocleis carva-
lhoi. Herpetological Review, 40(1): 107. Sociedade Bra-
sileira de Herpetologia. 2010. Brazilian amphibians.
http://www.sbherpetologia.org.br/checklist/checklist
brasil.asp. (´Ultimo acesso em: 05/07/2010)
X Congresso de Ecologia do Brasil, 16 a 22 de Setembro de 2011, S˜ao Louren¸co - MG 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)guest599576
 
Coleção do Label
Coleção do LabelColeção do Label
Coleção do LabelLabel-ha
 
ESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOV
ESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOVESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOV
ESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOVLabel-ha
 
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de amta atlantica (piraí)
Diversidade de abelhas (hymenoptera  apidae) em área de amta atlantica (piraí)Diversidade de abelhas (hymenoptera  apidae) em área de amta atlantica (piraí)
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de amta atlantica (piraí)Label-ha
 
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...Label-ha
 
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASILPLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASILLabel-ha
 
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...Label-ha
 
Flora marinha das ilhas oceânicas brasileiras2006
Flora marinha das ilhas oceânicas brasileiras2006Flora marinha das ilhas oceânicas brasileiras2006
Flora marinha das ilhas oceânicas brasileiras2006AlexandredeGusmaoPedrini
 
Coleção Label 2014
Coleção Label 2014Coleção Label 2014
Coleção Label 2014Label-ha
 
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...Marcos Paulo Machado Thome
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Paulo Corrêa
 

Mais procurados (18)

PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
 
Apresentação projeto Iguanodectes rachovii
Apresentação projeto Iguanodectes rachoviiApresentação projeto Iguanodectes rachovii
Apresentação projeto Iguanodectes rachovii
 
Coleção do Label
Coleção do LabelColeção do Label
Coleção do Label
 
ESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOV
ESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOVESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOV
ESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOV
 
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de amta atlantica (piraí)
Diversidade de abelhas (hymenoptera  apidae) em área de amta atlantica (piraí)Diversidade de abelhas (hymenoptera  apidae) em área de amta atlantica (piraí)
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de amta atlantica (piraí)
 
Macroalgas i comprida xiii simbiomar 2010
Macroalgas i comprida xiii simbiomar 2010Macroalgas i comprida xiii simbiomar 2010
Macroalgas i comprida xiii simbiomar 2010
 
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
 
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASILPLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
 
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
 
Projeto i. rachovii (met. cientifica)
Projeto i. rachovii (met. cientifica)Projeto i. rachovii (met. cientifica)
Projeto i. rachovii (met. cientifica)
 
Ecoavis
EcoavisEcoavis
Ecoavis
 
Artigo bioterra v18_n1_06
Artigo bioterra v18_n1_06Artigo bioterra v18_n1_06
Artigo bioterra v18_n1_06
 
Artigo bioterra v21_n2_07
Artigo bioterra v21_n2_07Artigo bioterra v21_n2_07
Artigo bioterra v21_n2_07
 
Flora marinha das ilhas oceânicas brasileiras2006
Flora marinha das ilhas oceânicas brasileiras2006Flora marinha das ilhas oceânicas brasileiras2006
Flora marinha das ilhas oceânicas brasileiras2006
 
Coleção Label 2014
Coleção Label 2014Coleção Label 2014
Coleção Label 2014
 
Livro de resumos
Livro de resumosLivro de resumos
Livro de resumos
 
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
 

Semelhante a Composição Anurofauna Parque Setiba

Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiAndre Benedito
 
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiAndre Benedito
 
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...James Cantarelli
 
Hábitos alimentares de tubarão martelo jovem (shpyrna zygaena)
Hábitos alimentares de tubarão martelo jovem (shpyrna zygaena)Hábitos alimentares de tubarão martelo jovem (shpyrna zygaena)
Hábitos alimentares de tubarão martelo jovem (shpyrna zygaena)Rayssa Lima
 
Efemeropterofauna do rio paquequer pág 41 a 45
Efemeropterofauna do rio paquequer pág 41 a 45Efemeropterofauna do rio paquequer pág 41 a 45
Efemeropterofauna do rio paquequer pág 41 a 45Elidiomar R Da-Silva
 
Herpetofauna da área do igarapé esperança
Herpetofauna da área do igarapé esperançaHerpetofauna da área do igarapé esperança
Herpetofauna da área do igarapé esperançaFabio Almeida
 
Distribuição de leptasthenura setaria (temminck, 1824) (aves furnariidae) no ...
Distribuição de leptasthenura setaria (temminck, 1824) (aves furnariidae) no ...Distribuição de leptasthenura setaria (temminck, 1824) (aves furnariidae) no ...
Distribuição de leptasthenura setaria (temminck, 1824) (aves furnariidae) no ...herculanoalvarenga
 
Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...Écio Diniz
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetosLimnos Ufsc
 
Banhado pachecos avifauna_accordi
Banhado pachecos avifauna_accordiBanhado pachecos avifauna_accordi
Banhado pachecos avifauna_accordiavisaassociacao
 
Primeiro registro do Mocho-diabo, Asio stygius, para o estado do Espírito Santo
Primeiro registro do Mocho-diabo, Asio stygius, para o estado do Espírito SantoPrimeiro registro do Mocho-diabo, Asio stygius, para o estado do Espírito Santo
Primeiro registro do Mocho-diabo, Asio stygius, para o estado do Espírito Santogabrielbiologia
 
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de mata atlantica em join...
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de mata atlantica em join...Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de mata atlantica em join...
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de mata atlantica em join...Label-ha
 
Capacitação Projeto Rede Asas Do Carste
Capacitação Projeto Rede Asas Do CarsteCapacitação Projeto Rede Asas Do Carste
Capacitação Projeto Rede Asas Do CarsteCBH Rio das Velhas
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]flonanegreiros
 

Semelhante a Composição Anurofauna Parque Setiba (20)

Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
 
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
 
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...
Tipos fitofisionômicos e florística da restinga da APA de Guadalupe, Pernambu...
 
Hábitos alimentares de tubarão martelo jovem (shpyrna zygaena)
Hábitos alimentares de tubarão martelo jovem (shpyrna zygaena)Hábitos alimentares de tubarão martelo jovem (shpyrna zygaena)
Hábitos alimentares de tubarão martelo jovem (shpyrna zygaena)
 
Efemeropterofauna do rio paquequer pág 41 a 45
Efemeropterofauna do rio paquequer pág 41 a 45Efemeropterofauna do rio paquequer pág 41 a 45
Efemeropterofauna do rio paquequer pág 41 a 45
 
R0746 1
R0746 1R0746 1
R0746 1
 
Livro de resumos do II EIEP
Livro de resumos do II EIEPLivro de resumos do II EIEP
Livro de resumos do II EIEP
 
Herpetofauna da área do igarapé esperança
Herpetofauna da área do igarapé esperançaHerpetofauna da área do igarapé esperança
Herpetofauna da área do igarapé esperança
 
Distribuição de leptasthenura setaria (temminck, 1824) (aves furnariidae) no ...
Distribuição de leptasthenura setaria (temminck, 1824) (aves furnariidae) no ...Distribuição de leptasthenura setaria (temminck, 1824) (aves furnariidae) no ...
Distribuição de leptasthenura setaria (temminck, 1824) (aves furnariidae) no ...
 
Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003
 
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna BrasileiraAnfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
 
Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetos
 
Banhado pachecos avifauna_accordi
Banhado pachecos avifauna_accordiBanhado pachecos avifauna_accordi
Banhado pachecos avifauna_accordi
 
Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003
 
Livro de resumos
Livro de resumosLivro de resumos
Livro de resumos
 
Primeiro registro do Mocho-diabo, Asio stygius, para o estado do Espírito Santo
Primeiro registro do Mocho-diabo, Asio stygius, para o estado do Espírito SantoPrimeiro registro do Mocho-diabo, Asio stygius, para o estado do Espírito Santo
Primeiro registro do Mocho-diabo, Asio stygius, para o estado do Espírito Santo
 
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de mata atlantica em join...
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de mata atlantica em join...Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de mata atlantica em join...
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de mata atlantica em join...
 
Capacitação Projeto Rede Asas Do Carste
Capacitação Projeto Rede Asas Do CarsteCapacitação Projeto Rede Asas Do Carste
Capacitação Projeto Rede Asas Do Carste
 
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
Aves negreiros glauco_kleber_08_maio_10doc[1]
 

Mais de Fabio Almeida

Espécies Exóticas Invasoras no Nordeste do Brasil
Espécies Exóticas Invasoras no Nordeste do BrasilEspécies Exóticas Invasoras no Nordeste do Brasil
Espécies Exóticas Invasoras no Nordeste do BrasilFabio Almeida
 
Engenharia de masmorras estruturas masmorras lineares
Engenharia de masmorras   estruturas  masmorras linearesEngenharia de masmorras   estruturas  masmorras lineares
Engenharia de masmorras estruturas masmorras linearesFabio Almeida
 
Rfad biodiversidade atraves de uma grade
Rfad biodiversidade atraves de uma gradeRfad biodiversidade atraves de uma grade
Rfad biodiversidade atraves de uma gradeFabio Almeida
 

Mais de Fabio Almeida (8)

Espécies Exóticas Invasoras no Nordeste do Brasil
Espécies Exóticas Invasoras no Nordeste do BrasilEspécies Exóticas Invasoras no Nordeste do Brasil
Espécies Exóticas Invasoras no Nordeste do Brasil
 
Kebra nagast
Kebra nagastKebra nagast
Kebra nagast
 
Engenharia de masmorras estruturas masmorras lineares
Engenharia de masmorras   estruturas  masmorras linearesEngenharia de masmorras   estruturas  masmorras lineares
Engenharia de masmorras estruturas masmorras lineares
 
Rfad biodiversidade atraves de uma grade
Rfad biodiversidade atraves de uma gradeRfad biodiversidade atraves de uma grade
Rfad biodiversidade atraves de uma grade
 
Serpentes
SerpentesSerpentes
Serpentes
 
tema para slide
tema para slidetema para slide
tema para slide
 
Tema para slide
Tema para slideTema para slide
Tema para slide
 
Prad
Prad Prad
Prad
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 

Último (20)

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 

Composição Anurofauna Parque Setiba

  • 1. COMPOSIC¸ ˜AO DA ANUROFAUNA DO PARQUE ESTADUAL PAULO CESAR VINHA, SETIBA, MUNIC´IPIO DE GUARAPARI, ESTADO DO ESP´IRITO SANTO SILVA, F.A.1,3 GOMES, I.P.1; FREITAS, A.O.1; DORIGUETO, V.B.1; NUNES, B.P.S.1; CASTRO, T.M.1; THOMAZINI, N.B.1; SILVA - SOARES, T.2 1 Centro Universit´ario S˜ao Camilo ES, Rua S˜ao Camilo de Lellis, no 1, Para´ıso, Cachoeiro de Itapemirim - ES. 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, Dpt. de Vertebrados, Lab. de Herpetologia - Quinta da Boa Vista, S˜ao Crist´ov˜ao Rio de Janeiro - RJ - 3 E - mail fabiodas.bio@hotmail.com INTRODUC¸ ˜AO Os anf´ıbios possuem grande importˆancia na cadeia ali- mentar, normalmente alimentam - se de artr´opodes, consumindo gradientes elevados de invertebrados. No entanto, algumas esp´ecies de grande porte ocasional- mente consomem pequenos roedores e at´e mesmo ou- tros anf´ıbios (Oliveira & Vizotto, 1996). Atualmente, existem mais de seis mil e oitocentas esp´ecies de anf´ıbios descritas em todo o mundo (Amphibiaweb, 2011), das quais 877 ocorrem no Brasil, liderando, assim, a maior diversidade do planeta em anurofauna (Sociedade Bra- sileira de Herpetologia, 2010). A dependˆencia pelo meio aqu´atico e terrestre apresentada pelos anf´ıbios os tor- nam ´otimo indicadores de qualidade ambiental, pois, qualquer dist´urbio ocasionado nestes ambientes pode vir a afetar diretamente o equil´ıbrio de suas popula¸c˜oes (Dixo, 2001). Destarte, a identifica¸c˜ao das esp´ecies de anf´ıbios e o estudo de suas particularidades ecol´ogicas revelam - se decisivos para o sucesso das a¸c˜oes que bus- cam conservar a biodiversidade (Corn, 1994). No Es- tado do Esp´ırito Santo o Parque Estadual Paulo C´esar Vinha conta com um plano de manejo elaborado em setembro de 2007, onde foram listados 36 esp´ecies de anf´ıbios (Cepemar, 2007). OBJETIVOS Investigar a composi¸c˜ao da comunidade de anf´ıbios anuros do Parque Estadual Paulo C´esar Vinha, deter- minando sua riqueza, abundˆancia e distribui¸c˜ao tem- poral e espacial. MATERIAL E M´ETODOS O trabalho foi desenvolvido no Parque Estadual Paulo C´esar Vinha (PEPCV), que compreende uma plan´ıcie com cerca de 1500 hectares em Setiba, munic´ıpio de Guarapari, estado do Esp´ırito Santo, sudeste do Brasil (20°33’ - 20°38’S e 40°23’ - 40°26’W). A regi˜ao pos- sui relevo pouco acidentado, com altitude m´edia de quatro metros, vegeta¸c˜ao arb´orea baixa vegeta¸c˜ao e herb´acea, com ocorrˆencia de gram´ıneas, e abundˆancia de brom´elias. O clima da regi˜ao ´e do tipo Aw, se- gundo classifica¸c˜ao de Koeppen, apresentando tempe- ratura m´edia anual de 23,3 o C, precipita¸c˜ao m´edia anual de 1.307 mm e umidade relativa m´edia anual de 80% (Fabris, 1995). Foram definidos quatro pon- tos amostrais sendo selecionados pelas suas diferentes fitofissionomias: P1 - Lago permanente; P2 - Brejo Herb´aceo; P3 - Lago Tempor´ario e P4 - Mata seca e Mata de Clusia. As coletas foram realizadas quinzenal- mente para garantir a amostragem de todas as esta¸c˜oes do ano e registrar o per´ıodo de atividade reprodutivo X Congresso de Ecologia do Brasil, 16 a 22 de Setembro de 2011, S˜ao Louren¸co - MG 1
  • 2. de todas as esp´ecies. Foram utilizados os m´etodos de busca ativa (diurna e noturna), explorando os ambi- entes alagados, brejos, brom´elias, mata seca e po¸cas tempor´arias, assim como armadilhas de intercepta¸c˜ao e queda, com baldes de 15 litros. Ainda, a capta¸c˜ao de vocaliza¸c˜oes, realizada a partir de gravador e filmadora. RESULTADOS Foram registradas 24 esp´ecies de anf´ıbios anu- ros do PEPCV, divididas em cinco fam´ılias: Bufonidae:Rhinella crucifereR. granulosa; Hyli- dae:Aparasphenodon brunoi,Aplastodiscussp.,Dendropsophus branneri,D. bipunctatus,D. decipiens,D. ele- gans,Hypsiboas albomarginatus,H. faber,H. semili- neatus,Phyllodytes luteolus,Scinax agilis,S. alter,S. argyreornatus,S. cuspidatus,Sphaenorhynchus plani- colaeTrachycephalus nigromaculatus; Leptodactyli- dae:Leptodactylus fuscus,L. latranseL. natalensis; Leiu- peridae:Physalaemuscf.crombiei, Pseudopaludicola fal- cipes;eMicrohylidae:Chiasmocleis carvalhoi. Em rela¸c˜ao `a distribui¸c˜ao temporal, dentre as esp´ecies de Hylidae mais frequentemente observa- das em atividade ao longo das campanhas foram as do gˆeneroDendropsophuseHypsiboas. Em Lep- todactylidae, a mais frequente foiLeptodactylus la- trans,registrada em todas campanhas de campo. Em Bufonidae,Rhinella granulosafoi a mais frequente das duas esp´ecies. A ´unica esp´ecie da fam´ılia Microhylidae foi observada durante seu per´ıodo de reprodu¸c˜ao explo- siva em uma po¸ca perene depois de fortes chuvas que duraram dois dias consecutivos. Leptodactylus latranseP. luteolusforam registrados em todos os pontos. Todavia,P. luteolusmostrou - se espec´ıfica em rela¸c˜ao ao habitat, sendo sempre en- contrada associada a Brom´elias, enquanto queL. la- transfoi encontrada ocupando os diferentes substra- tos, contudo, sempre associados `a ambientes pa- lud´ıcolas.Sphaenorhynchus planicolamostrou - se ex- tremamente espec´ıfica, sendo encontrada somente no lago permanente (P1) sobre a vegeta¸c˜ao aqu´atica. A esp´ecieAplastodiscussp. esta em processo de an´alise ta- xonˆomica para definir sua identifica¸c˜ao. CONCLUS˜AO Levando em considera¸c˜ao que a ´area estudada tem ape- nas 30 ha e a ´area total do PEPCV ´e de 1.500 ha, foi poss´ıvel observar a importˆancia desses microhabi- tats. Tivemos um grande n´umero de esp´ecies que li- mitou - se a reproduzir em po¸cas tempor´arias. Neste contexto, consideramos esse ambiente de grande im- portˆancia ecol´ogica para a conserva¸c˜ao da popula¸c˜ao de anuros do PEPCV. A grande presen¸ca de esp´ecies bromel´ıgenas e bromel´ıcolas no ambiente Mata de Clu- sia (P4) demonstra a relevˆancia das brom´elias neste ambiente para a sobrevivˆencia destas. Vale salien- tar o encontro de Chiasmocleis carvalhoi, uma esp´ecie atualmente considerada em perigo, segundo a lista de esp´ecies amea¸cadas de extin¸c˜ao da IUCN. O PEPCV ´e un´ıca regi˜ao sabida de ocorrˆencia da esp´ecie dentro do estado do Esp´ırito Santo (Silva - Soares et al., 009). REFERˆENCIAS AMPHIBIAWEB, Information on amphibian biology and conservation. 2011. Berkeley, California: Amphi- biaWeb. http://amphibiaweb.org/. (´Ultimo acesso: 12/02/2011). CEPEMAR, 2007. Plano de manejo do Parque Estadual Paulo C´esar Vinha. Setembro. Re- vis˜ao 00. 251p. CORN, P.S. 1994. Straight - line drift fences and pitfall traps. 109p - 117p em Heyer W.R; Donnelly, MA; McDiarmid, R.W.; Hayek, L.C.; Foster, M.S. Measuring and monitoring biological di- versity: standard methods for amphibians. Smithso- nian Institution Press, Washington, DC. DIXO, M. B. O. 2001. Efeito da fragmenta¸c˜ao da floresta so- bre a comunidade de sapos e lagartos de serrapilheira no sul da Bahia. Universidade de S˜ao Paulo, S˜ao Paulo, SP. Disserta¸c˜ao de Mestrado. FABRIS, L.C. 1995. Composi¸c˜ao flor´ıstica e fitossociol´ogica de uma faixa de floresta arenosa litorˆanea do Parque Esta- dual de Setiba, Munic´ıpio de Guarapari, ES. Universi- dade Estadual Paulista, Rio Claro, SP. Disserta¸c˜ao de Mestrado. OLIVEIRA, J. J.; VIZOTTO, L.D. 1996. Manual de identifica¸c˜ao de r˜as nativas brasileiras e r˜a - touro gigante. Edi¸c˜oes. IBAMA. Bras´ılia. 42p. SILVA - SOARES, T; COSTA, P.N.; FERREIRA, R.B. 2009. Geographic Distribution: Chiasmocleis carva- lhoi. Herpetological Review, 40(1): 107. Sociedade Bra- sileira de Herpetologia. 2010. Brazilian amphibians. http://www.sbherpetologia.org.br/checklist/checklist brasil.asp. (´Ultimo acesso em: 05/07/2010) X Congresso de Ecologia do Brasil, 16 a 22 de Setembro de 2011, S˜ao Louren¸co - MG 2