SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
NR 11 TRANSPORTE,
MOVIMENTAÇÃO,
ARMAZENAGEM E
MANUSEIO DE
MATERIAIS
Regulamentação Legal
• NR-11 - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃ0, ARMAZENAGEM E MANUSEIO
DE MATERIAIS
• 11.1 Normas de segurança para operação de elevadores,
guindastes, transportadores industriais e máquinas
• transportadoras.
• 11.1.1 Os poços de elevadores e monta-cargas deverão ser
cercados, solidamente, em toda sua altura, exceto as
• portas ou cancelas necessárias nos pavimentos.
• 11.1.2 Quando a cabina do elevador não estiver ao nível do
pavimento, a abertura deverá estar protegida por corrimão ou outros
dispositivos convenientes.
Regulamentação Legal
• 11.1.3 Os equipamentos utilizados na movimentação de materiais,
tais como ascensores, elevadores de carga, guindastes, monta-carga,
pontes-rolantes, talhas, empilhadeiras, guinchos, esteiras-rolantes,
transportadores de diferentes tipos, serão calculados e construídos
demaneira que ofereçam as necessárias garantias de resistência e
segurança e conservados em perfeitas condições de trabalho.
• 11.1.3.1 Especial atenção será dada aos cabos de aço, cordas,
correntes, roldanas e ganchos que deverão ser inspecionados,
permanentemente, substituindo-se as suas partes defeituosas.
• 11.1.3.2 Em todo o equipamento será indicado, em lugar visível, a
carga máxima de trabalho permitida.
• 11.1.3.3 Para os equipamentos destinados à movimentação do
pessoal serão exigidas condições especiais de segurança.
• 11.1.4 Os carros manuais para transporte devem possuir
protetores das mãos.
Regulamentação Legal
• 11.1.5 Nos equipamentos de transporte, com força motriz
própria, o operador deverá receber treinamento específico, dado
pela empresa, que o habilitará nessa função.
• 11.1.6 Os operadores de equipamentos de transporte
motorizado deverão ser habilitados e só poderão dirigir se durante o
horário de trabalho portarem um cartão de identificação, com o
nome e fotografia, em lugar visível.
• 11.1.6.1 O cartão terá a validade de 1 (um) ano, salvo imprevisto,
e, para a revalidação, o empregado deverá passar por exame de
saúde completo, por conta do empregador.
• 11.1.7 Os equipamentos de transporte motorizados deverão
possuir sinal de advertência sonora (buzina).
• 11.1.8 Todos os transportadores industriais serão
permanentemente inspecionados e as peças defeituosas, ou que
apresentem deficiências, deverão ser imediatamente substituídas.
Regulamentação Legal
• 11.1.9 Nos locais fechados ou pouco ventilados, a emissão de
gases tóxicos, por máquinas transportadoras, deverá ser controlada
para evitar concentrações, no ambiente de trabalho, acima dos
limites permissíveis.
• 11.1.10 Em locais fechados e sem ventilação, é proibida a
utilização de máquinas transportadoras, movidas a motores de
combustão interna, salvo se providas de dispositivos
neutralizadores adequados.
• 11.2 Normas de segurança do trabalho em atividades de
transporte de sacas.
• 11.2.1 Denomina-se, para fins de aplicação da presente
regulamentação a expressão "Transporte manual de sacos“ toda
atividade realizada de maneira contínua ou descontínua, essencial
ao transporte manual de sacos, na qual o peso da carga é
suportado, integralmente, por um só trabalhador, compreendendo
também o levantamento e sua deposição.
Regulamentação Legal
• 11.2.2 Fica estabelecida a distância máxima de 60,00m
(sessenta metros) para o transporte manual de um saco.
• 11.2.2.1 Além do limite previsto nesta norma, o transporte
descarga deverá ser realizado mediante impulsão de vagonetes,
carros, carretas, carros de mão apropriados, ou qualquer tipo de
tração mecanizada.
• 11.2.3 É vedado o transporte manual de sacos, através de
pranchas, sobre vãos superiores a 1,00m (um metro) ou mais de
extensão.
• 11.2.3.1 As pranchas de que trata o item 11.2.3 deverão ter a
largura mínima de 0,50m (cinqüenta centímetros).
• 11.2.4 Na operação manual de carga e descarga de sacos, em
caminhão ou vagão, o trabalhador terá o auxílio de ajudante.
Regulamentação Legal
• 11.2.5 As pilhas de sacos, nos armazéns, devem ter altura máxima
limitada ao nível de resistência do piso, à forma e resistência dos
materiais de embalagem e à estabilidade, baseada na geometria, tipo
de amarração e inclinação das pilhas.
• 11.2.6 (Revogado pela Portaria SIT n.º 82, de 01 de junho de
2004).
• 11.2.7 No processo mecanizado de empilhamento, aconselha-se o uso
de esteiras-rolantes, dadas ou empilhadeiras.
• 11.2.8 Quando não for possível o emprego de processo mecanizado,
admite-se o processo manual, mediante a utilização de escada
removível de madeira, com as seguintes características:
a) lance único de degraus com acesso a um patamar final;
b) a largura mínima de 1,00m (um metro), apresentando o patamar as
dimensões mínimas de 1,00m x 1,00m (um metro x um metro) e a altura
máxima, em relação ao solo, de 2,25m (dois metros e vinte e cinco
centímetros);
Regulamentação Legal
c) deverá ser guardada proporção conveniente entre o piso e o
espelho dos degraus, não podendo o espelho ter altura superior a
0,15m (quinze centímetros), nem o piso largura inferior a 0,25m (vinte
e cinco centímetros);
d) deverá ser reforçada, lateral e verticalmente, por meio de estrutura
metálica ou de madeira que assegure sua estabilidade;
e) deverá possuir, lateralmente, um corrimão ou guarda-corpo na
altura de 1,00m (um metro) em toda a extensão;
f) perfeitas condições de estabilidade e segurança, sendo substituída
imediatamente a que apresente qualquer defeito.
• 11.2.9 O piso do armazém deverá ser constituído de material não
escorregadio, sem aspereza, utilizando-se, de preferência, o
mastique asfáltico, e mantido em perfeito estado de conservação.
• 11.2.10 Deve ser evitado o transporte manual de sacos em pisos
escorregadios ou molhados.
Regulamentação Legal
• 11.2.11 A empresa deverá providenciar cobertura apropriada dos locais de
carga e descarga da sacaria.
• 11.3 Armazenamento de materiais.
• 11.3.1 O peso do material armazenado não poderá exceder a capacidade de
carga calculada para o piso.
• 11.3.2 O material armazenado deverá ser disposto de forma a evitar a
obstrução de portas, equipamentos contra incêndio, saídas de emergências,
etc.
• 11.3.3. Material empilhado deverá ficar afastado das estruturas laterais do
prédio a uma distância de pelo menos 0,50m (cinqüenta centímetros).
• 11.3.4 A disposição da carga não deverá dificultar o trânsito, a iluminação, e o
acesso às saídas de emergência.
• 11.3.5 O armazenamento deverá obedecer aos requisitos de segurança
especiais a cada tipo de material.
• 11.4 Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Chapas de Mármore,
Granito e outras rochas.(Acrescentado pela Portaria SIT n.º 56, de 17 de
setembro de 2003)
• 11.4.1 A movimentação, armazenagem e manuseio de chapas de mármore,
granito e outras rochas deve obedecer ao
• disposto no
• Regulamento Técnico de Procedimentos constante no Anexo I desta NR.
(Acrescentado pela Portaria
• SIT n.º 56, de 17 de setembro de 2003)
Segurança no uso de
Empilhadeira
Objetivo do treinamento
• Sensibilizar os operadores de empilhadeira quanto a necessidade de
neutralizar ao máximo a possibilidade de provocar acidentes.
 Adoção de procedimentos de rotina
pautadas pelas normas de segurança.
 Cumprimento ao disposto na NR-11 da
Port. 3214/78 MTb.
Operador?
Pessoa habilitada e treinada,
com conhecimento técnico e
funcional do equipamento.
É o responsável direto pela
segurança da operação,
pessoas e demais bens
interligados a ela.
Princípios
de Funcionamento
O que é empilhadeira?
•Um veículo
autopropulsor com
três rodas, pelo
menos, projetado
para levantar,
transportar e
posicionar materiais.
Princípio de funcionamento
•É construída sob o princípio da gangorra, onde a
carga colocada nos garfos é equilibrada pelo peso
da máquina.
•O centro de rotação ou o apóio da gangorra é o
centro das rodas dianteiras.
x y
Princípio de funcionamento
• A capacidade de elevação de uma empilhadeira é afetada
por:
• Peso da carga e
• Distância do centro de gravidade da carga (centro da
carga)
 O contrapeso é formado pela própria
estrutura do veículo (combustão) ou
pela bateria (elétrica).
Princípio de funcionamento
A B
Princípio de funcionamento
• Triângulo de estabilidade:
• É a área formada pelos três pontos de suspensão da
máquina:
• Pino de articulação do eixo traseiro e
• Cada uma das rodas dianteira.
Princípio de funcionamento
•Considerações:
• Caso o ponto de equilíbrio se
desloque para fora da área do
triângulo, o veículo capotará
nesse sentido.
• Quanto mais rápida e brusca a
virada, tanto mais pronunciado
será o efeito da transferência de
peso, ocasionando facilmente o
deslocamento do ponto de
equilíbrio para fora da área do
triângulo.
Princípio de funcionamento
•Mastro Retrátil:
• No caso das empilhadeiras de
mastro retrátil, o tombamento para
trás é mais fácil de ocorrer do que
em outros modelos, visto que o
ponto de equilíbrio está mais perto
das rodas traseiras e se desloca
facilmente para fora da área de
estabilidade.
Princípio de funcionamento
•Fatores de Estabilidade:
•O triângulo da estabilidade;
•Distribuição de peso;
•Centro de gravidade Vertical;
•Estabilidade dinâmica X
estática;
•Habilidade em vencer rampas.
Operação
Segura
Operação segura!
A verificação quanto à
segurança, para dar a partida,
é realizada pelo operador no
começo de cada turno, com a
conclusão da inspeção antes
da partida.
Operação segura!
•Inspeção inicial:
• Aplique o freio de estacionamento;
• Verifique os conectores da bateria e o nível de água;
• Verifique o horímetro;
• Verifique os controles, procure por folgas;
• Ligue a chave da partida;
• Verifique o medidor de carga da bateria;
• Experimente o conjunto de elevação;
• Movimente-se para frente e para trás;
• Experimente o freio de estacionamento;
• Experimente o freio de pé;
Regras Gerais
O operador deverá ser
treinado e autorizado a
operar a empilhadeira, e
deve estar ciente e
praticar as normas de
segurança.
Regras Gerais
• No início de cada turno,
certifique-se de que a buzina, os
freios, os pneus e todos os outros
controles estejam em bom
funcionamento, e que não haja
folgas excessivas nas correntes e
comandos;
 Quando uma empilhadeira está
movimentando, os seus garfos
devem estar a cerda de 150
mm do chão;
Regras Gerais
•Somente transporte
cargas que os garfos ou o
guarda-carga suportem e
nunca remova as
proteções;
 Dirija a uma velocidade
compatível com as
condições existentes.
Diminua a marcha em
superfícies molhadas ou
escorregadias;
Regras Gerais
•Não use paletes com defeito ou danificados,
muito menos armazene paletes com as ripas
soltas ou mal fixadas;
 Se em algum momento a
empilhadeira estiver falhando ou
se houver motivo para considerá-
la insegura, suspenda as
operações e informe
imediatamente a supervisão;
Regras Gerais
•Não passe por cima de objetos deixados no chão.
Pare a empilhadeira coloque os objetos fora da rota e
avise o supervisor;
•Remova os obstáculos antes de seguir viagem;
Regras Gerais
• Os garfos devem ser sempre bem
colocados sob a carga, de
preferência no comprimento total
deles. Ao andar, a parte de trás da
carga deve estar firmemente
localizada contra o guarda-carga e
o mastro inclinado para trás;
• Certifique-se de que há espaço
suficiente para levantar e
manobrar a carga, preste atenção
ao patrimônio da empresa!
Regras Gerais
•Verifique se a carga está
segura, especialmente no
caso das soltas;
Faça um teste na carga,
erguendo-a um pouco, se ela
inclinar para o lado, abaixe-a e
mude a posição dos garfos para
melhor balanceamento;
Erga os garfos lentamente
para que a carga se mantenha
estável e nunca use apenas um
deles;
Regras Gerais
•Não passe a carga por cima de pessoas e não
permita que as pessoas passem sob os garfos ou
permaneçam nas proximidades;
Tenha especial cuidado
ao elevar ou posicionar
carga muito próxima a
empilhamentos, a fim de
evitar batidas e
tombamentos;
Regras Gerais
•Verifique o peso da
carga. Se não estiver
identificado, pergunte
ao supervisor ou a
quem possa informar.
• A experiência lhe mostrará
como estimar os pesos.
Regras Gerais
• Não levante cargas instáveis – devem ser cuidadosamente arrumadas antes de
levantar, ou bem fixadas, depois que estiverem no alto e em movimento, será
tarde demais!
• Assegure-se que a carga está centralizada antes de levantá-la – uma carga
instável é perigosa!
• Para se manter as cargas bem firmes nos garfos, o comprimento dos mesmos deve ser
de pelo menos 75% (3/4) da profundidade da carga;
Regras Gerais
• Não arraste a carga sobre o
piso, muito menos a
empurre;
 Evite carregar material
solto, este deverá ser
transportado em
recipiente próprio ou
plataforma com
proteção lateral;
Regras Gerais
• Nunca tente movimentar
cargas em excesso ou
acrescentar mais contrapeso à
empilhadeira;
 Tome cuidado ao brecar,
pois a empilhadeira
carregada pode tombar ou
projetar a carga;
Regras Gerais
• Não faça curvas
em alta
velocidade, a
empilhadeira não
tem suspensão, e
pode capotar;
 Não arranque
de forma
brusca ou
pare nessa
condição;
 Não obstrua a
passagem das
pessoas ou
equipamentos
de incêndio;
Regras Gerais
• Quando não mais houver trabalho com a empilhadeira, a
mesma deve ser estacionada e ter sua chave desligada
e retirada, freios acionados e controles em ponto
neutro, a fim de que não seja operada por pessoas não
autorizadas;
Mantenha os garfos
abaixados e o freio
de estacionamento
acionado;
Regras Gerais
Jamais permita passageiros nos garfos ou em qualquer outra parte da
empilhadeira,
ela só tem um assento, e é o do operador!
Regras Gerais
Excepcionalmente, os veículos poderão se usados para elevar
pessoas para reparo ou fazer inventário.
Nunca eleve ninguém sem o uso de uma plataforma fixada
adequadamente aos garfos e ao guarda-carga.
Regras Gerais
Obedeça a todos os sinais e
demarcações, dirija devagar e
acione a buzina quando necessário;
Esteja alerta enquanto opera sua
empilhadeira. Não sonhe!
Olhe sempre na direção do
percurso e mantenha uma visão
clara do caminho à frente;
Regras Gerais
Não brinque
com
pedestres;
Não coloque ninguém em risco,
não vá em direção a alguém que esteja trabalhando
perto de uma parede ou outro objeto fixo – pode
não haver nenhuma maneira da pessoa escapar;
E não ande com os garfos elevados;
Regras Gerais
Não dirija com as
mãos molhadas ou
oleosas;
Os calçados devem
estar desprovidos
de graxas e
gorduras;
E não se esqueça,
mantenha as mãos
no volante;
Regras Gerais
Se não tiver visão, mude a direção!
Regras Gerais
IMPORTANTE
Mantenha-se totalmente dentro
da empilhadeira!
Nunca coloque os braços, as
mãos, as pernas ou a
cabeça entre as vigas do
mastro ou fora dos limites
da cabine da empilhadeira,
talvez você fique sem eles!
Empilhamento
Empilhamento
 Aproxime-se da pilha com
a carga abaixada e
inclinada para trás;
 Reduzir a velocidade e
parar na frente da pilha,
brecar e diminuir a
inclinação para trás até um
ponto suficiente para
manter a estabilidade da
carga;
Empilhamento
 Elevar a carga até a altura
desejada para o
empilhamento;
 Quando a carga estiver
longe do alto da pilha,
dirigir para frente, se
necessário, para aproximar
o veículo da pilha, e brecar
novamente. Avançar a
carga, tomando cuidado
para não deslocar cargas
das pilhas adjacentes;
Empilhamento
 Quando a carga estiver
sobre a pilha, colocar o
mastro na posição vertical
e baixá-la;
 Quando a carga estiver
empilhada com segurança,
baixar os garfos até soltá-
los do palete e recolhê-los.
Nessa posição, a inclinação
para a frente pode ser útil.
 Se os garfos não estiverem
afastados totalmente da pilha, o
veículo deve ser movimentado
um pouco para trás;
Empilhamento
Edson Donizetti da Silva - TST - São Carlos - SP
 Quando os garfos
estiverem longe da pilha,
brecar novamente se o
veículo foi movimentado e
inclinar o mastro para trás
e baixá-lo até pouco acima
do chão, antes de ir
embora.
NÃO MOVIMENTE A EMPILHADEIRA COM OS GARFOS ELEVADOS
Desempilhamento
Desempilhamento
 Parar na frente da pilha e
brecar. Colocar o mastro
na posição vertical. Se
necessário, ajustar a
abertura dos garfos à
largura da carga e
assegurar-se de que o
peso da carga está dentro
da capacidade do veículo;
Desempilhamento
 Elevar os garfos até uma
posição que permita a
entrada no palete;
 Se necessário, dirigir para
frente para aproximar o
veículo da pilha, e brecar
novamente. Avançar o
mastro para a frente, sob
a carga;
Desempilhamento
 Levantar a carga até ela se
afastar da pilha e inclinar
cuidadosamente para trás,
o suficiente para estabilizar
a carga;
Desempilhamento
 Quando a carga estiver
longe do alto da pilha,
recolher o mastro. Quando
necessário, movimentar o
veículo ligeiramente para
trás, afastando-o da pilha,
certificando-se de que o
caminho está livre e
tomando cuidado para não
deslocar cargas das pilhas
adjacentes;
Desempilhamento
Edson Donizetti da Silva - TST - São Carlos - SP
 Baixar a carga
cuidadosamente e
uniformemente até a
posição correta de
percurso, inclinar para trás
totalmente antes de ir
embora.
NÃO MOVIMENTE A EMPILHADEIRA COM OS GARFOS ELEVADOS

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a nr11-e-empilhadeiras.ppt

1treinamentoo peradordeem pilhadeira.pptx
1treinamentoo peradordeem pilhadeira.pptx1treinamentoo peradordeem pilhadeira.pptx
1treinamentoo peradordeem pilhadeira.pptx
IlenirLucas1
 
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
quantizar
 
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdfTreinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
AndrerlSiqueira
 

Semelhante a nr11-e-empilhadeiras.ppt (20)

Nr 11
Nr 11Nr 11
Nr 11
 
Treinamento de Op de Empilhadeira.pptx
Treinamento de Op de Empilhadeira.pptxTreinamento de Op de Empilhadeira.pptx
Treinamento de Op de Empilhadeira.pptx
 
Treinamento operador de empilhadeira.pptx
Treinamento operador de empilhadeira.pptxTreinamento operador de empilhadeira.pptx
Treinamento operador de empilhadeira.pptx
 
Operação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizado
Operação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizadoOperação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizado
Operação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizado
 
1treinamentoo peradordeem pilhadeira.pptx
1treinamentoo peradordeem pilhadeira.pptx1treinamentoo peradordeem pilhadeira.pptx
1treinamentoo peradordeem pilhadeira.pptx
 
272740018-Curso-de-Operacao-de-PALETEIRA.ppt
272740018-Curso-de-Operacao-de-PALETEIRA.ppt272740018-Curso-de-Operacao-de-PALETEIRA.ppt
272740018-Curso-de-Operacao-de-PALETEIRA.ppt
 
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho28 modelos de ordens de servicos   mega seguranca do trabalho
28 modelos de ordens de servicos mega seguranca do trabalho
 
1treinamentooperadordeempilhadeira-180302003106.pdf
1treinamentooperadordeempilhadeira-180302003106.pdf1treinamentooperadordeempilhadeira-180302003106.pdf
1treinamentooperadordeempilhadeira-180302003106.pdf
 
Treinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeiraTreinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeira
 
Nr – 11
Nr – 11Nr – 11
Nr – 11
 
NORMA PARA AEM
NORMA PARA AEMNORMA PARA AEM
NORMA PARA AEM
 
Treinamento nr 11 07052021
Treinamento nr 11  07052021Treinamento nr 11  07052021
Treinamento nr 11 07052021
 
Treinamento nr 11 publicar
Treinamento nr 11  publicarTreinamento nr 11  publicar
Treinamento nr 11 publicar
 
Treinamento Paleteira.pptx................
Treinamento Paleteira.pptx................Treinamento Paleteira.pptx................
Treinamento Paleteira.pptx................
 
Where are the Risks - Empilhadeiras
Where are the Risks -  EmpilhadeirasWhere are the Risks -  Empilhadeiras
Where are the Risks - Empilhadeiras
 
Operador de Betoneira.ppt
Operador de Betoneira.pptOperador de Betoneira.ppt
Operador de Betoneira.ppt
 
Treinamento Caminhão Munck.pdf
Treinamento Caminhão Munck.pdfTreinamento Caminhão Munck.pdf
Treinamento Caminhão Munck.pdf
 
Segurança na operação de paleteira - 05473 [ E 1 ].ppt
Segurança na operação de paleteira - 05473 [ E 1 ].pptSegurança na operação de paleteira - 05473 [ E 1 ].ppt
Segurança na operação de paleteira - 05473 [ E 1 ].ppt
 
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdfTreinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
Treinamento de NR 11 para Movimentação de Cargas.pdf (1).pdf
 
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdfMOD 9 segurança e sinalização.pdf
MOD 9 segurança e sinalização.pdf
 

Mais de ELTONARAUJORAMOS2 (11)

Treinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.pptTreinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.ppt
 
NR18-Treinamento-Montagem-Andaimes.pptx
NR18-Treinamento-Montagem-Andaimes.pptxNR18-Treinamento-Montagem-Andaimes.pptx
NR18-Treinamento-Montagem-Andaimes.pptx
 
NR12-Treinamento-Rocadeira.pptx
NR12-Treinamento-Rocadeira.pptxNR12-Treinamento-Rocadeira.pptx
NR12-Treinamento-Rocadeira.pptx
 
Slides - Manipulação Segura de Alimentos.pdf
Slides - Manipulação Segura de Alimentos.pdfSlides - Manipulação Segura de Alimentos.pdf
Slides - Manipulação Segura de Alimentos.pdf
 
CURSO-bpf.pdf
CURSO-bpf.pdfCURSO-bpf.pdf
CURSO-bpf.pdf
 
Treinamento - Assédio Moral 02.pptx
Treinamento - Assédio Moral 02.pptxTreinamento - Assédio Moral 02.pptx
Treinamento - Assédio Moral 02.pptx
 
PRIMEIROS SOCORROS.ppt
PRIMEIROS SOCORROS.pptPRIMEIROS SOCORROS.ppt
PRIMEIROS SOCORROS.ppt
 
12-ENVENENAMENTO.ppt
12-ENVENENAMENTO.ppt12-ENVENENAMENTO.ppt
12-ENVENENAMENTO.ppt
 
Bloqueio e Etiquetagem.pdf
Bloqueio e Etiquetagem.pdfBloqueio e Etiquetagem.pdf
Bloqueio e Etiquetagem.pdf
 
Grupo 01.pdf
Grupo 01.pdfGrupo 01.pdf
Grupo 01.pdf
 
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdf
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdfApresentação do PowerPoint NR 33.pdf
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdf
 

Último

ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
WendelldaLuz
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
wilkaccb
 
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
Jorge Filho
 

Último (12)

Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 

nr11-e-empilhadeiras.ppt

  • 2. Regulamentação Legal • NR-11 - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃ0, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS • 11.1 Normas de segurança para operação de elevadores, guindastes, transportadores industriais e máquinas • transportadoras. • 11.1.1 Os poços de elevadores e monta-cargas deverão ser cercados, solidamente, em toda sua altura, exceto as • portas ou cancelas necessárias nos pavimentos. • 11.1.2 Quando a cabina do elevador não estiver ao nível do pavimento, a abertura deverá estar protegida por corrimão ou outros dispositivos convenientes.
  • 3. Regulamentação Legal • 11.1.3 Os equipamentos utilizados na movimentação de materiais, tais como ascensores, elevadores de carga, guindastes, monta-carga, pontes-rolantes, talhas, empilhadeiras, guinchos, esteiras-rolantes, transportadores de diferentes tipos, serão calculados e construídos demaneira que ofereçam as necessárias garantias de resistência e segurança e conservados em perfeitas condições de trabalho. • 11.1.3.1 Especial atenção será dada aos cabos de aço, cordas, correntes, roldanas e ganchos que deverão ser inspecionados, permanentemente, substituindo-se as suas partes defeituosas. • 11.1.3.2 Em todo o equipamento será indicado, em lugar visível, a carga máxima de trabalho permitida. • 11.1.3.3 Para os equipamentos destinados à movimentação do pessoal serão exigidas condições especiais de segurança. • 11.1.4 Os carros manuais para transporte devem possuir protetores das mãos.
  • 4. Regulamentação Legal • 11.1.5 Nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o operador deverá receber treinamento específico, dado pela empresa, que o habilitará nessa função. • 11.1.6 Os operadores de equipamentos de transporte motorizado deverão ser habilitados e só poderão dirigir se durante o horário de trabalho portarem um cartão de identificação, com o nome e fotografia, em lugar visível. • 11.1.6.1 O cartão terá a validade de 1 (um) ano, salvo imprevisto, e, para a revalidação, o empregado deverá passar por exame de saúde completo, por conta do empregador. • 11.1.7 Os equipamentos de transporte motorizados deverão possuir sinal de advertência sonora (buzina). • 11.1.8 Todos os transportadores industriais serão permanentemente inspecionados e as peças defeituosas, ou que apresentem deficiências, deverão ser imediatamente substituídas.
  • 5. Regulamentação Legal • 11.1.9 Nos locais fechados ou pouco ventilados, a emissão de gases tóxicos, por máquinas transportadoras, deverá ser controlada para evitar concentrações, no ambiente de trabalho, acima dos limites permissíveis. • 11.1.10 Em locais fechados e sem ventilação, é proibida a utilização de máquinas transportadoras, movidas a motores de combustão interna, salvo se providas de dispositivos neutralizadores adequados. • 11.2 Normas de segurança do trabalho em atividades de transporte de sacas. • 11.2.1 Denomina-se, para fins de aplicação da presente regulamentação a expressão "Transporte manual de sacos“ toda atividade realizada de maneira contínua ou descontínua, essencial ao transporte manual de sacos, na qual o peso da carga é suportado, integralmente, por um só trabalhador, compreendendo também o levantamento e sua deposição.
  • 6. Regulamentação Legal • 11.2.2 Fica estabelecida a distância máxima de 60,00m (sessenta metros) para o transporte manual de um saco. • 11.2.2.1 Além do limite previsto nesta norma, o transporte descarga deverá ser realizado mediante impulsão de vagonetes, carros, carretas, carros de mão apropriados, ou qualquer tipo de tração mecanizada. • 11.2.3 É vedado o transporte manual de sacos, através de pranchas, sobre vãos superiores a 1,00m (um metro) ou mais de extensão. • 11.2.3.1 As pranchas de que trata o item 11.2.3 deverão ter a largura mínima de 0,50m (cinqüenta centímetros). • 11.2.4 Na operação manual de carga e descarga de sacos, em caminhão ou vagão, o trabalhador terá o auxílio de ajudante.
  • 7. Regulamentação Legal • 11.2.5 As pilhas de sacos, nos armazéns, devem ter altura máxima limitada ao nível de resistência do piso, à forma e resistência dos materiais de embalagem e à estabilidade, baseada na geometria, tipo de amarração e inclinação das pilhas. • 11.2.6 (Revogado pela Portaria SIT n.º 82, de 01 de junho de 2004). • 11.2.7 No processo mecanizado de empilhamento, aconselha-se o uso de esteiras-rolantes, dadas ou empilhadeiras. • 11.2.8 Quando não for possível o emprego de processo mecanizado, admite-se o processo manual, mediante a utilização de escada removível de madeira, com as seguintes características: a) lance único de degraus com acesso a um patamar final; b) a largura mínima de 1,00m (um metro), apresentando o patamar as dimensões mínimas de 1,00m x 1,00m (um metro x um metro) e a altura máxima, em relação ao solo, de 2,25m (dois metros e vinte e cinco centímetros);
  • 8. Regulamentação Legal c) deverá ser guardada proporção conveniente entre o piso e o espelho dos degraus, não podendo o espelho ter altura superior a 0,15m (quinze centímetros), nem o piso largura inferior a 0,25m (vinte e cinco centímetros); d) deverá ser reforçada, lateral e verticalmente, por meio de estrutura metálica ou de madeira que assegure sua estabilidade; e) deverá possuir, lateralmente, um corrimão ou guarda-corpo na altura de 1,00m (um metro) em toda a extensão; f) perfeitas condições de estabilidade e segurança, sendo substituída imediatamente a que apresente qualquer defeito. • 11.2.9 O piso do armazém deverá ser constituído de material não escorregadio, sem aspereza, utilizando-se, de preferência, o mastique asfáltico, e mantido em perfeito estado de conservação. • 11.2.10 Deve ser evitado o transporte manual de sacos em pisos escorregadios ou molhados.
  • 9. Regulamentação Legal • 11.2.11 A empresa deverá providenciar cobertura apropriada dos locais de carga e descarga da sacaria. • 11.3 Armazenamento de materiais. • 11.3.1 O peso do material armazenado não poderá exceder a capacidade de carga calculada para o piso. • 11.3.2 O material armazenado deverá ser disposto de forma a evitar a obstrução de portas, equipamentos contra incêndio, saídas de emergências, etc. • 11.3.3. Material empilhado deverá ficar afastado das estruturas laterais do prédio a uma distância de pelo menos 0,50m (cinqüenta centímetros). • 11.3.4 A disposição da carga não deverá dificultar o trânsito, a iluminação, e o acesso às saídas de emergência. • 11.3.5 O armazenamento deverá obedecer aos requisitos de segurança especiais a cada tipo de material. • 11.4 Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Chapas de Mármore, Granito e outras rochas.(Acrescentado pela Portaria SIT n.º 56, de 17 de setembro de 2003) • 11.4.1 A movimentação, armazenagem e manuseio de chapas de mármore, granito e outras rochas deve obedecer ao • disposto no • Regulamento Técnico de Procedimentos constante no Anexo I desta NR. (Acrescentado pela Portaria • SIT n.º 56, de 17 de setembro de 2003)
  • 10. Segurança no uso de Empilhadeira
  • 11. Objetivo do treinamento • Sensibilizar os operadores de empilhadeira quanto a necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de provocar acidentes.  Adoção de procedimentos de rotina pautadas pelas normas de segurança.  Cumprimento ao disposto na NR-11 da Port. 3214/78 MTb.
  • 12. Operador? Pessoa habilitada e treinada, com conhecimento técnico e funcional do equipamento. É o responsável direto pela segurança da operação, pessoas e demais bens interligados a ela.
  • 14. O que é empilhadeira? •Um veículo autopropulsor com três rodas, pelo menos, projetado para levantar, transportar e posicionar materiais.
  • 15. Princípio de funcionamento •É construída sob o princípio da gangorra, onde a carga colocada nos garfos é equilibrada pelo peso da máquina. •O centro de rotação ou o apóio da gangorra é o centro das rodas dianteiras. x y
  • 16. Princípio de funcionamento • A capacidade de elevação de uma empilhadeira é afetada por: • Peso da carga e • Distância do centro de gravidade da carga (centro da carga)  O contrapeso é formado pela própria estrutura do veículo (combustão) ou pela bateria (elétrica).
  • 18. Princípio de funcionamento • Triângulo de estabilidade: • É a área formada pelos três pontos de suspensão da máquina: • Pino de articulação do eixo traseiro e • Cada uma das rodas dianteira.
  • 19. Princípio de funcionamento •Considerações: • Caso o ponto de equilíbrio se desloque para fora da área do triângulo, o veículo capotará nesse sentido. • Quanto mais rápida e brusca a virada, tanto mais pronunciado será o efeito da transferência de peso, ocasionando facilmente o deslocamento do ponto de equilíbrio para fora da área do triângulo.
  • 20. Princípio de funcionamento •Mastro Retrátil: • No caso das empilhadeiras de mastro retrátil, o tombamento para trás é mais fácil de ocorrer do que em outros modelos, visto que o ponto de equilíbrio está mais perto das rodas traseiras e se desloca facilmente para fora da área de estabilidade.
  • 21. Princípio de funcionamento •Fatores de Estabilidade: •O triângulo da estabilidade; •Distribuição de peso; •Centro de gravidade Vertical; •Estabilidade dinâmica X estática; •Habilidade em vencer rampas.
  • 23. Operação segura! A verificação quanto à segurança, para dar a partida, é realizada pelo operador no começo de cada turno, com a conclusão da inspeção antes da partida.
  • 24. Operação segura! •Inspeção inicial: • Aplique o freio de estacionamento; • Verifique os conectores da bateria e o nível de água; • Verifique o horímetro; • Verifique os controles, procure por folgas; • Ligue a chave da partida; • Verifique o medidor de carga da bateria; • Experimente o conjunto de elevação; • Movimente-se para frente e para trás; • Experimente o freio de estacionamento; • Experimente o freio de pé;
  • 25. Regras Gerais O operador deverá ser treinado e autorizado a operar a empilhadeira, e deve estar ciente e praticar as normas de segurança.
  • 26. Regras Gerais • No início de cada turno, certifique-se de que a buzina, os freios, os pneus e todos os outros controles estejam em bom funcionamento, e que não haja folgas excessivas nas correntes e comandos;  Quando uma empilhadeira está movimentando, os seus garfos devem estar a cerda de 150 mm do chão;
  • 27. Regras Gerais •Somente transporte cargas que os garfos ou o guarda-carga suportem e nunca remova as proteções;  Dirija a uma velocidade compatível com as condições existentes. Diminua a marcha em superfícies molhadas ou escorregadias;
  • 28. Regras Gerais •Não use paletes com defeito ou danificados, muito menos armazene paletes com as ripas soltas ou mal fixadas;  Se em algum momento a empilhadeira estiver falhando ou se houver motivo para considerá- la insegura, suspenda as operações e informe imediatamente a supervisão;
  • 29. Regras Gerais •Não passe por cima de objetos deixados no chão. Pare a empilhadeira coloque os objetos fora da rota e avise o supervisor; •Remova os obstáculos antes de seguir viagem;
  • 30. Regras Gerais • Os garfos devem ser sempre bem colocados sob a carga, de preferência no comprimento total deles. Ao andar, a parte de trás da carga deve estar firmemente localizada contra o guarda-carga e o mastro inclinado para trás; • Certifique-se de que há espaço suficiente para levantar e manobrar a carga, preste atenção ao patrimônio da empresa!
  • 31. Regras Gerais •Verifique se a carga está segura, especialmente no caso das soltas; Faça um teste na carga, erguendo-a um pouco, se ela inclinar para o lado, abaixe-a e mude a posição dos garfos para melhor balanceamento; Erga os garfos lentamente para que a carga se mantenha estável e nunca use apenas um deles;
  • 32. Regras Gerais •Não passe a carga por cima de pessoas e não permita que as pessoas passem sob os garfos ou permaneçam nas proximidades; Tenha especial cuidado ao elevar ou posicionar carga muito próxima a empilhamentos, a fim de evitar batidas e tombamentos;
  • 33. Regras Gerais •Verifique o peso da carga. Se não estiver identificado, pergunte ao supervisor ou a quem possa informar. • A experiência lhe mostrará como estimar os pesos.
  • 34. Regras Gerais • Não levante cargas instáveis – devem ser cuidadosamente arrumadas antes de levantar, ou bem fixadas, depois que estiverem no alto e em movimento, será tarde demais! • Assegure-se que a carga está centralizada antes de levantá-la – uma carga instável é perigosa! • Para se manter as cargas bem firmes nos garfos, o comprimento dos mesmos deve ser de pelo menos 75% (3/4) da profundidade da carga;
  • 35. Regras Gerais • Não arraste a carga sobre o piso, muito menos a empurre;  Evite carregar material solto, este deverá ser transportado em recipiente próprio ou plataforma com proteção lateral;
  • 36. Regras Gerais • Nunca tente movimentar cargas em excesso ou acrescentar mais contrapeso à empilhadeira;  Tome cuidado ao brecar, pois a empilhadeira carregada pode tombar ou projetar a carga;
  • 37. Regras Gerais • Não faça curvas em alta velocidade, a empilhadeira não tem suspensão, e pode capotar;  Não arranque de forma brusca ou pare nessa condição;  Não obstrua a passagem das pessoas ou equipamentos de incêndio;
  • 38. Regras Gerais • Quando não mais houver trabalho com a empilhadeira, a mesma deve ser estacionada e ter sua chave desligada e retirada, freios acionados e controles em ponto neutro, a fim de que não seja operada por pessoas não autorizadas; Mantenha os garfos abaixados e o freio de estacionamento acionado;
  • 39. Regras Gerais Jamais permita passageiros nos garfos ou em qualquer outra parte da empilhadeira, ela só tem um assento, e é o do operador!
  • 40. Regras Gerais Excepcionalmente, os veículos poderão se usados para elevar pessoas para reparo ou fazer inventário. Nunca eleve ninguém sem o uso de uma plataforma fixada adequadamente aos garfos e ao guarda-carga.
  • 41. Regras Gerais Obedeça a todos os sinais e demarcações, dirija devagar e acione a buzina quando necessário; Esteja alerta enquanto opera sua empilhadeira. Não sonhe! Olhe sempre na direção do percurso e mantenha uma visão clara do caminho à frente;
  • 42. Regras Gerais Não brinque com pedestres; Não coloque ninguém em risco, não vá em direção a alguém que esteja trabalhando perto de uma parede ou outro objeto fixo – pode não haver nenhuma maneira da pessoa escapar; E não ande com os garfos elevados;
  • 43. Regras Gerais Não dirija com as mãos molhadas ou oleosas; Os calçados devem estar desprovidos de graxas e gorduras; E não se esqueça, mantenha as mãos no volante;
  • 44. Regras Gerais Se não tiver visão, mude a direção!
  • 45. Regras Gerais IMPORTANTE Mantenha-se totalmente dentro da empilhadeira! Nunca coloque os braços, as mãos, as pernas ou a cabeça entre as vigas do mastro ou fora dos limites da cabine da empilhadeira, talvez você fique sem eles!
  • 47. Empilhamento  Aproxime-se da pilha com a carga abaixada e inclinada para trás;  Reduzir a velocidade e parar na frente da pilha, brecar e diminuir a inclinação para trás até um ponto suficiente para manter a estabilidade da carga;
  • 48. Empilhamento  Elevar a carga até a altura desejada para o empilhamento;  Quando a carga estiver longe do alto da pilha, dirigir para frente, se necessário, para aproximar o veículo da pilha, e brecar novamente. Avançar a carga, tomando cuidado para não deslocar cargas das pilhas adjacentes;
  • 49. Empilhamento  Quando a carga estiver sobre a pilha, colocar o mastro na posição vertical e baixá-la;  Quando a carga estiver empilhada com segurança, baixar os garfos até soltá- los do palete e recolhê-los. Nessa posição, a inclinação para a frente pode ser útil.  Se os garfos não estiverem afastados totalmente da pilha, o veículo deve ser movimentado um pouco para trás;
  • 50. Empilhamento Edson Donizetti da Silva - TST - São Carlos - SP  Quando os garfos estiverem longe da pilha, brecar novamente se o veículo foi movimentado e inclinar o mastro para trás e baixá-lo até pouco acima do chão, antes de ir embora. NÃO MOVIMENTE A EMPILHADEIRA COM OS GARFOS ELEVADOS
  • 52. Desempilhamento  Parar na frente da pilha e brecar. Colocar o mastro na posição vertical. Se necessário, ajustar a abertura dos garfos à largura da carga e assegurar-se de que o peso da carga está dentro da capacidade do veículo;
  • 53. Desempilhamento  Elevar os garfos até uma posição que permita a entrada no palete;  Se necessário, dirigir para frente para aproximar o veículo da pilha, e brecar novamente. Avançar o mastro para a frente, sob a carga;
  • 54. Desempilhamento  Levantar a carga até ela se afastar da pilha e inclinar cuidadosamente para trás, o suficiente para estabilizar a carga;
  • 55. Desempilhamento  Quando a carga estiver longe do alto da pilha, recolher o mastro. Quando necessário, movimentar o veículo ligeiramente para trás, afastando-o da pilha, certificando-se de que o caminho está livre e tomando cuidado para não deslocar cargas das pilhas adjacentes;
  • 56. Desempilhamento Edson Donizetti da Silva - TST - São Carlos - SP  Baixar a carga cuidadosamente e uniformemente até a posição correta de percurso, inclinar para trás totalmente antes de ir embora. NÃO MOVIMENTE A EMPILHADEIRA COM OS GARFOS ELEVADOS