SlideShare uma empresa Scribd logo
A MUSICA
SERTANEJA
HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
 O termo sertanejo, do qual a expressão
música sertaneja deriva, significa o habitante
do sertão nordestino, isto é, a região seca do
Nordeste brasileiro.
 Entretanto, o gênero Música Sertaneja, se
refere atualmente não à música da região
sertaneja, mas à música originalmente
produzida e consumida na área cultural
caipira, localizada ao Sul da área sertaneja.
HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
 É comum o movimento de pessoas do
Nordeste em direção a São Paulo por
ocasião das secas muito intensas, para
retomar quando volta a chover no sertão e a
música também viaja nas duas direções.
HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
A TRAJETÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA NO BRASIL
 Teve uma crescente internacionalização do
gênero pela incorporação de ritmos e
roupagens, da moda de viola à balada, da
sonoridade caipira ao som orquestral por um
lado.
HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
 A música sertaneja surgiu
em 1929, quando Cornélio
Pires começou a gravar
“causos” e fragmentos de
cantos tradicionais rurais
da região cultural caipira. O
gênero se caracteriza pelas
letras com ênfase no
cotidiano e maneira de
cantar.
 Tradicionalmente a música sertaneja é interpretada
por um duo, geralmente de tenores, com voz nasal
e uso acentuado de um falsete típico, com alta
impedância e tensão vocais mesmo nos agudos
que alcança às vezes a extensão de soprano.
HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
 O estilo vocal se manteve
relativamente estável,
desde suas primeiras
gravações.
 A instrumentação, ritmos e
contorno melódico
gradualmente
incorporaram elementos
estilísticos de gêneros
disseminados pela
indústria musical.
 Estas modificações de
roupagem e adaptações no
conteúdo temático
anteriormente rural e agora
urbano consolidaram o
estilo moderno da música
sertaneja, que nos anos 80
se toma o primeiro gênero
de massa produzido e
consumido no Brasil.
OS ESTILOS CONVIVEM E DIVIDEM O ESPAÇO DE CONSUMO
ESTILO TRADICIONAL ESTILO MODERNO
 Músicos “de raiz” como
Pena Branca e Xavantinho
atuando nos circuitos de
sala de concerto e shows
universitários.
 Leandro e Leonardo se
apresentam em feiras e
shows massivos
 A história da música sertaneja pode ser
dividida em três fases, levando em
consideração as inovações que vão sendo
introduzidas no gênero.
HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
 De 1929 até 1944, como música caipira ou
música sertaneja raiz.
 Do pós-guerra até os anos 60, numa fase de
transição.
 Do final dos anos 60 até a atualidade, como
música sertaneja romântica.
HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
Musica sertaneja raiz
• Na primeira fase os cantadores interpretavam modas-
de-viola e toadas, as canções falavam do universo
sertanejo numa temática essencialmente épica.
• Artistas representativos desta tendência são Cornélio
Pires e sua “Turma”, Alvarenga e Ranchinho, Torres
e Florêncio, Tonico e Tinoco, Vieira e Vieirinha, Pena
Branca e Xavantinho.
Musica sertaneja raiz
• Os personagens principais
da música caipira são os
vaqueiros, ou os animais
com quem o vaqueiro lida
no seu cotidiano. O
caráter das peças é épico
nas narrativas que falam
da vida, morte, e
fatalidades da vida no
sertão ou interior.
Musica sertaneja raiz
• Os intérpretes mais
famosos de música
caipira são o duo
Tonico e Tinoco. Em
1946, eles gravaram
«Chico Mineiro», de
Tonico e Francisco
Ribeiro, um clássico da
música caipira.
Musica sertaneja raiz
MUSICA SERTANEJA:
SEGUNDA ETAPA
• Após a guerra introduzem-se instrumentos (harpa,
acordeom), estilos (duetos com intervalos variados,
estilo mariachi) e gêneros (inicialmente a guarânia e a
polca paraguaia e mais tarde o corrido e a canção
ranchera mexicanos)
MUSICA SERTANEJA:
SEGUNDA ETAPA
• Surgem novos ritmos como o rasqueado (andamento
moderado entre a polca paraguaia e a guarânia), a
moda campeira e o pagode.
MUSICA SERTANEJA:
SEGUNDA ETAPA
• A temática vai ficando
gradualmente mais
amorosa, conservando,
no entanto um caráter
autobiográfico.
MUSICA SERTANEJA:
SEGUNDA ETAPA
• Artistas desta fase de transição são Cascatinha e
Inhana, Palmeira e Biá, Tião Carreiro e Pardinho e, já
na década de 70, Milionário e José Rico.
A FASE MODERNA
• Nesta modalidade de música sertaneja os cantores
alternam solos e duetos para apresentar canções,
muitas vezes em ritmo de balada, que tratam
principalmente de amor romântico, de clara
inspiração urbana.
A FASE MODERNA
• Algumas canções classificadas como sertanejas nas
paradas de sucesso são às vezes interpretadas
totalmente por solistas dispensando o recurso
tradicional da dupla. Os arranjos instrumentais dessas
músicas adicionam instrumentos de orquestra além da
base de rock, já incorporada ao gênero.
MÚSICA SERTANEJA
• A unidade estilística da música sertaneja é conseguida
pelo uso consistente do estilo vocal tenso e nasal e
pela referência temática ao cotidiano, seja rural e
épico na música sertaneja raiz, seja urbano e
individualista na música sertaneja romântica.
MÚSICA SERTANEJA
• A internacionalização crescente da
“roupagem” da música sertaneja em parte tem
acompanhado o processo acelerado de
urbanização por que tem passado a cultura
rural além da própria migração intensa do
homem do campo para as cidades.
A FASE MODERNA
• A fase moderna da música sertaneja inicia-se no final
dos anos 60 com a introdução da guitarra elétrica e o
chamado “ritmo jovem”, por Leo Canhoto e
Robertinho.
SERTANEJO UNIVERSITARIO
• O sertanejo
universitário provém de
uma mistura da música
sertaneja, e do
segmento Freestyle do
Funk Carioca.
• No movimento sertanejo,
é o segmento é conhecido
como sendo seu terceiro
movimento.
SERTANEJO UNIVERSITARIO
• Este se diferencia do
sertanejo por ter mais
elementos do pop, e
linguagem voltada ao
público mais jovem se
comparada com demais
movimentos do gênero.
• Por surgir após o segundo
movimento sertanejo (o
sertanejo romântico), esse
estilo já não conta com
letras tão regionais e
situações vividas por
caipiras (como o Sertanejo
raiz).
SERTANEJO UNIVERSITARIO
• Embalado pelo grande
apelo popular entre jovens
dos gêneros associados, o
novo segmento ganhou
grande espaço na mídia
• Letras e músicas simples,
batidas dançantes, e
refrões de fácil
memorização automática,
gerou um grande "boom"
no estilo, fazendo com que
saísse do restrito âmbito
universitário, e tomasse de
assalto as rádios e festas
de todo país.
SERTANEJO UNIVERSITARIO
• Uma explícita
característica desse estilo
são os solos feitos nos
violões que originalmente
eram feitos em guitarras.
Isso só reforça a
associação dos velhos
instrumentos aos
modernos.
SERTANEJO UNIVERSITARIO
• O sertanejo universitário
encontrou nos jovens, a
busca do seu crescimento,
trazendo um enfoque em
músicas que falam de amor e
baladas.
• Hoje, novos cantores vão
surgindo ou outros adotam o
estilo e a cada dia o gênero vai
se popularizando mais
SERTANEJO UNIVERSITARIO
• Exemplos são Michel Teló com o
hit que virou febre internacional,
“Ai se eu te pego.”
• João Neto & Frederico com ”Lê
Lê Lê”.
• Gustavo Lima com ”Balada Boa”.
• João Lucas & Marcelo com
seu ”Eu quero tchu, Eu quero
tchã”.
Sertanejo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

20.baiao
20.baiao20.baiao
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
VALDIR CONCEICAO
 
Anos 80 rock
Anos 80   rockAnos 80   rock
Anos 80 rock
Sthefanie Vieira
 
Música popular brasileira
Música popular brasileiraMúsica popular brasileira
Música popular brasileira
Taisson Wile
 
Jazz
JazzJazz
Reggae no Brasil
Reggae no BrasilReggae no Brasil
Reggae no Brasil
LUIZ_br
 
Rock
RockRock
Estilos Musicais
Estilos MusicaisEstilos Musicais
Estilos Musicais
Marilia
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
Deborah Oliver
 
A música maranhense
A  música maranhenseA  música maranhense
A música maranhense
Fernando Moreira
 
Hip hop
Hip hopHip hop
Hip hop
DeaaSouza
 
Gêneros musicais - Samba
Gêneros musicais - SambaGêneros musicais - Samba
Gêneros musicais - Samba
Nathália Rodrigues
 
Forró
ForróForró
A formação da Música Brasileira
A formação da Música BrasileiraA formação da Música Brasileira
A formação da Música Brasileira
Isabela Meni Cosenza Marques
 
Apresentação bossa nova
Apresentação   bossa novaApresentação   bossa nova
Apresentação bossa nova
TinaCriis
 
História da Música no Brasil
História da Música no BrasilHistória da Música no Brasil
História da Música no Brasil
Leonardo Brum
 
SLIDES – 100 ANOS DE SAMBA.
SLIDES – 100 ANOS DE SAMBA.SLIDES – 100 ANOS DE SAMBA.
SLIDES – 100 ANOS DE SAMBA.
Tissiane Gomes
 
Trabalho de artes - SAMBA
Trabalho de artes - SAMBATrabalho de artes - SAMBA
Trabalho de artes - SAMBA
Nathan Lopes
 
Danças de salão
Danças de salãoDanças de salão
Danças de salão
José Mársy
 
A música no séc xx
A música no séc xxA música no séc xx
A música no séc xx
Pedro Santos
 

Mais procurados (20)

20.baiao
20.baiao20.baiao
20.baiao
 
Danças brasileiras
Danças brasileirasDanças brasileiras
Danças brasileiras
 
Anos 80 rock
Anos 80   rockAnos 80   rock
Anos 80 rock
 
Música popular brasileira
Música popular brasileiraMúsica popular brasileira
Música popular brasileira
 
Jazz
JazzJazz
Jazz
 
Reggae no Brasil
Reggae no BrasilReggae no Brasil
Reggae no Brasil
 
Rock
RockRock
Rock
 
Estilos Musicais
Estilos MusicaisEstilos Musicais
Estilos Musicais
 
História da música 1
História da música 1História da música 1
História da música 1
 
A música maranhense
A  música maranhenseA  música maranhense
A música maranhense
 
Hip hop
Hip hopHip hop
Hip hop
 
Gêneros musicais - Samba
Gêneros musicais - SambaGêneros musicais - Samba
Gêneros musicais - Samba
 
Forró
ForróForró
Forró
 
A formação da Música Brasileira
A formação da Música BrasileiraA formação da Música Brasileira
A formação da Música Brasileira
 
Apresentação bossa nova
Apresentação   bossa novaApresentação   bossa nova
Apresentação bossa nova
 
História da Música no Brasil
História da Música no BrasilHistória da Música no Brasil
História da Música no Brasil
 
SLIDES – 100 ANOS DE SAMBA.
SLIDES – 100 ANOS DE SAMBA.SLIDES – 100 ANOS DE SAMBA.
SLIDES – 100 ANOS DE SAMBA.
 
Trabalho de artes - SAMBA
Trabalho de artes - SAMBATrabalho de artes - SAMBA
Trabalho de artes - SAMBA
 
Danças de salão
Danças de salãoDanças de salão
Danças de salão
 
A música no séc xx
A música no séc xxA música no séc xx
A música no séc xx
 

Destaque

Sertanejo
SertanejoSertanejo
Sertanejo
luzitania
 
Brasil sertanejo
Brasil sertanejoBrasil sertanejo
Brasil sertanejo
Renato Carvalho
 
Sertanejo raiz
Sertanejo raizSertanejo raiz
Sertanejo raiz
Micaelle Marra
 
O sertanejo
O sertanejoO sertanejo
O sertanejo
geisamacielmaciel
 
Brasil Sertanejo-Os Brasis de Darcy Ribeiro
Brasil Sertanejo-Os Brasis de Darcy RibeiroBrasil Sertanejo-Os Brasis de Darcy Ribeiro
Brasil Sertanejo-Os Brasis de Darcy Ribeiro
Lyzaa Martha
 
Modas sertanejas cifras e tabs
Modas sertanejas cifras e tabsModas sertanejas cifras e tabs
Modas sertanejas cifras e tabs
Nome Sobrenome
 
Música trabalho completo
Música trabalho completoMúsica trabalho completo
Música trabalho completo
dfis1997
 
Livro com 209 letras e cifras musicais
Livro com 209 letras e cifras musicaisLivro com 209 letras e cifras musicais
Livro com 209 letras e cifras musicais
Medusa Fabula
 
Trabalho Sobre Musica
Trabalho Sobre MusicaTrabalho Sobre Musica
Trabalho Sobre Musica
guestbb1bca
 
Sertanejo universitário
Sertanejo universitárioSertanejo universitário
Sertanejo universitário
larycea
 
Camargo emerson zíngaro - música sertaneja e indústria cultural
Camargo emerson zíngaro  - música sertaneja e indústria culturalCamargo emerson zíngaro  - música sertaneja e indústria cultural
Camargo emerson zíngaro - música sertaneja e indústria cultural
https://camargoemersonzingaro.wordpress.com
 
Chuva De Avivmento
Chuva De AvivmentoChuva De Avivmento
Chuva De Avivmento
luiscandido
 
Se beber não case 2
Se beber não case 2Se beber não case 2
Se beber não case 2lovisi
 
Liderança o significado 07 mai2012
Liderança   o significado 07 mai2012Liderança   o significado 07 mai2012
Liderança o significado 07 mai2012
Rodrigo Corrêa Leite
 
Redação especial tema legalização da maconha
Redação   especial tema  legalização da maconhaRedação   especial tema  legalização da maconha
Redação especial tema legalização da maconha
Josi Motta
 
Trabalho de filosofia: Filme A onda
Trabalho de filosofia: Filme A ondaTrabalho de filosofia: Filme A onda
Trabalho de filosofia: Filme A onda
Alexandre Vilão
 
Rede deixa bolha para trás - Propaganda & Marketing
Rede deixa bolha para trás - Propaganda & MarketingRede deixa bolha para trás - Propaganda & Marketing
Rede deixa bolha para trás - Propaganda & Marketing
Rafael Kiso
 
Modo Pânico
Modo PânicoModo Pânico
Modo Pânico
Demontiê Junior
 
Musicas cifras paroquia 02
Musicas cifras paroquia 02Musicas cifras paroquia 02
Musicas cifras paroquia 02
Nome Sobrenome
 
Reduzir ou não a maioridade penal
Reduzir ou não a maioridade penalReduzir ou não a maioridade penal
Reduzir ou não a maioridade penal
Marcela Cavalcanti
 

Destaque (20)

Sertanejo
SertanejoSertanejo
Sertanejo
 
Brasil sertanejo
Brasil sertanejoBrasil sertanejo
Brasil sertanejo
 
Sertanejo raiz
Sertanejo raizSertanejo raiz
Sertanejo raiz
 
O sertanejo
O sertanejoO sertanejo
O sertanejo
 
Brasil Sertanejo-Os Brasis de Darcy Ribeiro
Brasil Sertanejo-Os Brasis de Darcy RibeiroBrasil Sertanejo-Os Brasis de Darcy Ribeiro
Brasil Sertanejo-Os Brasis de Darcy Ribeiro
 
Modas sertanejas cifras e tabs
Modas sertanejas cifras e tabsModas sertanejas cifras e tabs
Modas sertanejas cifras e tabs
 
Música trabalho completo
Música trabalho completoMúsica trabalho completo
Música trabalho completo
 
Livro com 209 letras e cifras musicais
Livro com 209 letras e cifras musicaisLivro com 209 letras e cifras musicais
Livro com 209 letras e cifras musicais
 
Trabalho Sobre Musica
Trabalho Sobre MusicaTrabalho Sobre Musica
Trabalho Sobre Musica
 
Sertanejo universitário
Sertanejo universitárioSertanejo universitário
Sertanejo universitário
 
Camargo emerson zíngaro - música sertaneja e indústria cultural
Camargo emerson zíngaro  - música sertaneja e indústria culturalCamargo emerson zíngaro  - música sertaneja e indústria cultural
Camargo emerson zíngaro - música sertaneja e indústria cultural
 
Chuva De Avivmento
Chuva De AvivmentoChuva De Avivmento
Chuva De Avivmento
 
Se beber não case 2
Se beber não case 2Se beber não case 2
Se beber não case 2
 
Liderança o significado 07 mai2012
Liderança   o significado 07 mai2012Liderança   o significado 07 mai2012
Liderança o significado 07 mai2012
 
Redação especial tema legalização da maconha
Redação   especial tema  legalização da maconhaRedação   especial tema  legalização da maconha
Redação especial tema legalização da maconha
 
Trabalho de filosofia: Filme A onda
Trabalho de filosofia: Filme A ondaTrabalho de filosofia: Filme A onda
Trabalho de filosofia: Filme A onda
 
Rede deixa bolha para trás - Propaganda & Marketing
Rede deixa bolha para trás - Propaganda & MarketingRede deixa bolha para trás - Propaganda & Marketing
Rede deixa bolha para trás - Propaganda & Marketing
 
Modo Pânico
Modo PânicoModo Pânico
Modo Pânico
 
Musicas cifras paroquia 02
Musicas cifras paroquia 02Musicas cifras paroquia 02
Musicas cifras paroquia 02
 
Reduzir ou não a maioridade penal
Reduzir ou não a maioridade penalReduzir ou não a maioridade penal
Reduzir ou não a maioridade penal
 

Semelhante a Sertanejo

Camargo emerson zíngaro - música sertaneja e globa ll-zação
Camargo emerson zíngaro  - música sertaneja e globa ll-zaçãoCamargo emerson zíngaro  - música sertaneja e globa ll-zação
Camargo emerson zíngaro - música sertaneja e globa ll-zação
https://camargoemersonzingaro.wordpress.com
 
Sertanejo 091103110357-phpapp01
Sertanejo 091103110357-phpapp01Sertanejo 091103110357-phpapp01
Sertanejo 091103110357-phpapp01
José Antonio Silva
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
Atividades Diversas Cláudia
 
Manifestações de repercussão nacional aula 7º ano
Manifestações de repercussão nacional   aula 7º anoManifestações de repercussão nacional   aula 7º ano
Manifestações de repercussão nacional aula 7º ano
Abmael Rocha Junior
 
Historia da musica atividades
Historia da musica atividadesHistoria da musica atividades
Historia da musica atividades
Atividades Diversas Cláudia
 
Camargo emerson zíngaro - tradição e assimilação na música sertaneja
Camargo emerson zíngaro  - tradição e assimilação na música sertanejaCamargo emerson zíngaro  - tradição e assimilação na música sertaneja
Camargo emerson zíngaro - tradição e assimilação na música sertaneja
https://camargoemersonzingaro.wordpress.com
 
MPB NAS ESCOLAS.ppt
MPB NAS ESCOLAS.pptMPB NAS ESCOLAS.ppt
MPB NAS ESCOLAS.ppt
HelFlresBiscuitt
 
Camargo Emerson Zingaro: A história do Sertanejo
Camargo Emerson Zingaro: A história do SertanejoCamargo Emerson Zingaro: A história do Sertanejo
Camargo Emerson Zingaro: A história do Sertanejo
https://camargoemersonzingaro.wordpress.com
 
Origem dos generos musicais
Origem dos generos musicaisOrigem dos generos musicais
Origem dos generos musicais
Eralda Cruz
 
Compositores Famosos da MPB [4]
Compositores Famosos da MPB [4]Compositores Famosos da MPB [4]
Compositores Famosos da MPB [4]
momengtonoticia
 
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.pptMÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
FernandaBorges359180
 
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.pptMÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MariaMarques385773
 
A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais
eercavalcanti
 
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino FundamentalRoteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
VALDOMIRO PEREIRA DE PEREIRA DE SOUZA JUNIOR
 
Ritimos musicais mikael,arthur napoleo e janaina q
Ritimos musicais mikael,arthur napoleo e janaina qRitimos musicais mikael,arthur napoleo e janaina q
Ritimos musicais mikael,arthur napoleo e janaina q
nacirbertini
 
Samba e Samba Canção
Samba e Samba CançãoSamba e Samba Canção
Samba e Samba Canção
taFakeiti
 
AULA SOBRE O SAMBA.pdf
AULA SOBRE O SAMBA.pdfAULA SOBRE O SAMBA.pdf
AULA SOBRE O SAMBA.pdf
SauloLaraCoimbra1
 
Samba Da La Ela
Samba Da La ElaSamba Da La Ela
Samba Da La Ela
Tânia Mara
 
ApresentaçãO SAmba2
ApresentaçãO SAmba2ApresentaçãO SAmba2
ApresentaçãO SAmba2
Paulo
 
Danças da região sudeste
Danças da região sudesteDanças da região sudeste
Danças da região sudeste
Rose Gonçalves
 

Semelhante a Sertanejo (20)

Camargo emerson zíngaro - música sertaneja e globa ll-zação
Camargo emerson zíngaro  - música sertaneja e globa ll-zaçãoCamargo emerson zíngaro  - música sertaneja e globa ll-zação
Camargo emerson zíngaro - música sertaneja e globa ll-zação
 
Sertanejo 091103110357-phpapp01
Sertanejo 091103110357-phpapp01Sertanejo 091103110357-phpapp01
Sertanejo 091103110357-phpapp01
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
 
Manifestações de repercussão nacional aula 7º ano
Manifestações de repercussão nacional   aula 7º anoManifestações de repercussão nacional   aula 7º ano
Manifestações de repercussão nacional aula 7º ano
 
Historia da musica atividades
Historia da musica atividadesHistoria da musica atividades
Historia da musica atividades
 
Camargo emerson zíngaro - tradição e assimilação na música sertaneja
Camargo emerson zíngaro  - tradição e assimilação na música sertanejaCamargo emerson zíngaro  - tradição e assimilação na música sertaneja
Camargo emerson zíngaro - tradição e assimilação na música sertaneja
 
MPB NAS ESCOLAS.ppt
MPB NAS ESCOLAS.pptMPB NAS ESCOLAS.ppt
MPB NAS ESCOLAS.ppt
 
Camargo Emerson Zingaro: A história do Sertanejo
Camargo Emerson Zingaro: A história do SertanejoCamargo Emerson Zingaro: A história do Sertanejo
Camargo Emerson Zingaro: A história do Sertanejo
 
Origem dos generos musicais
Origem dos generos musicaisOrigem dos generos musicais
Origem dos generos musicais
 
Compositores Famosos da MPB [4]
Compositores Famosos da MPB [4]Compositores Famosos da MPB [4]
Compositores Famosos da MPB [4]
 
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.pptMÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
 
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.pptMÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
MÚSICA – Gêneros e movimentos diversos da música brasileira.ppt
 
A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais
 
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino FundamentalRoteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
 
Ritimos musicais mikael,arthur napoleo e janaina q
Ritimos musicais mikael,arthur napoleo e janaina qRitimos musicais mikael,arthur napoleo e janaina q
Ritimos musicais mikael,arthur napoleo e janaina q
 
Samba e Samba Canção
Samba e Samba CançãoSamba e Samba Canção
Samba e Samba Canção
 
AULA SOBRE O SAMBA.pdf
AULA SOBRE O SAMBA.pdfAULA SOBRE O SAMBA.pdf
AULA SOBRE O SAMBA.pdf
 
Samba Da La Ela
Samba Da La ElaSamba Da La Ela
Samba Da La Ela
 
ApresentaçãO SAmba2
ApresentaçãO SAmba2ApresentaçãO SAmba2
ApresentaçãO SAmba2
 
Danças da região sudeste
Danças da região sudesteDanças da região sudeste
Danças da região sudeste
 

Mais de Elô Ribeiro

Bossanova3
Bossanova3Bossanova3
Bossanova3
Elô Ribeiro
 
História do axé_(1)
História do axé_(1)História do axé_(1)
História do axé_(1)
Elô Ribeiro
 
Mpb manuela corrigido
Mpb manuela corrigidoMpb manuela corrigido
Mpb manuela corrigido
Elô Ribeiro
 
Ppt trabalho pratico funk
Ppt trabalho pratico   funkPpt trabalho pratico   funk
Ppt trabalho pratico funk
Elô Ribeiro
 
Rock no brasil dos anos 80 e 90
Rock no brasil dos anos 80 e 90Rock no brasil dos anos 80 e 90
Rock no brasil dos anos 80 e 90
Elô Ribeiro
 
Apresentando forró anabel
Apresentando forró anabelApresentando forró anabel
Apresentando forró anabel
Elô Ribeiro
 
Presentaci+¦n1 samba
Presentaci+¦n1 sambaPresentaci+¦n1 samba
Presentaci+¦n1 samba
Elô Ribeiro
 
Preconceito
PreconceitoPreconceito
Preconceito
Elô Ribeiro
 
Interjeições
InterjeiçõesInterjeições
Interjeições
Elô Ribeiro
 
Aula de língua portuguesa como le
Aula de língua portuguesa como leAula de língua portuguesa como le
Aula de língua portuguesa como le
Elô Ribeiro
 
Você é bom administrador
Você é bom administradorVocê é bom administrador
Você é bom administrador
Elô Ribeiro
 
Os quadrinhos como um recurso didático 1
Os quadrinhos como um recurso didático 1Os quadrinhos como um recurso didático 1
Os quadrinhos como um recurso didático 1
Elô Ribeiro
 
Maria e carol
Maria e carolMaria e carol
Maria e carol
Elô Ribeiro
 
Mpb manuela corrigido
Mpb manuela corrigidoMpb manuela corrigido
Mpb manuela corrigido
Elô Ribeiro
 

Mais de Elô Ribeiro (14)

Bossanova3
Bossanova3Bossanova3
Bossanova3
 
História do axé_(1)
História do axé_(1)História do axé_(1)
História do axé_(1)
 
Mpb manuela corrigido
Mpb manuela corrigidoMpb manuela corrigido
Mpb manuela corrigido
 
Ppt trabalho pratico funk
Ppt trabalho pratico   funkPpt trabalho pratico   funk
Ppt trabalho pratico funk
 
Rock no brasil dos anos 80 e 90
Rock no brasil dos anos 80 e 90Rock no brasil dos anos 80 e 90
Rock no brasil dos anos 80 e 90
 
Apresentando forró anabel
Apresentando forró anabelApresentando forró anabel
Apresentando forró anabel
 
Presentaci+¦n1 samba
Presentaci+¦n1 sambaPresentaci+¦n1 samba
Presentaci+¦n1 samba
 
Preconceito
PreconceitoPreconceito
Preconceito
 
Interjeições
InterjeiçõesInterjeições
Interjeições
 
Aula de língua portuguesa como le
Aula de língua portuguesa como leAula de língua portuguesa como le
Aula de língua portuguesa como le
 
Você é bom administrador
Você é bom administradorVocê é bom administrador
Você é bom administrador
 
Os quadrinhos como um recurso didático 1
Os quadrinhos como um recurso didático 1Os quadrinhos como um recurso didático 1
Os quadrinhos como um recurso didático 1
 
Maria e carol
Maria e carolMaria e carol
Maria e carol
 
Mpb manuela corrigido
Mpb manuela corrigidoMpb manuela corrigido
Mpb manuela corrigido
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 

Sertanejo

  • 2. HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA  O termo sertanejo, do qual a expressão música sertaneja deriva, significa o habitante do sertão nordestino, isto é, a região seca do Nordeste brasileiro.
  • 3.  Entretanto, o gênero Música Sertaneja, se refere atualmente não à música da região sertaneja, mas à música originalmente produzida e consumida na área cultural caipira, localizada ao Sul da área sertaneja. HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
  • 4.  É comum o movimento de pessoas do Nordeste em direção a São Paulo por ocasião das secas muito intensas, para retomar quando volta a chover no sertão e a música também viaja nas duas direções. HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
  • 5. A TRAJETÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA NO BRASIL  Teve uma crescente internacionalização do gênero pela incorporação de ritmos e roupagens, da moda de viola à balada, da sonoridade caipira ao som orquestral por um lado.
  • 6. HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA  A música sertaneja surgiu em 1929, quando Cornélio Pires começou a gravar “causos” e fragmentos de cantos tradicionais rurais da região cultural caipira. O gênero se caracteriza pelas letras com ênfase no cotidiano e maneira de cantar.
  • 7.  Tradicionalmente a música sertaneja é interpretada por um duo, geralmente de tenores, com voz nasal e uso acentuado de um falsete típico, com alta impedância e tensão vocais mesmo nos agudos que alcança às vezes a extensão de soprano. HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
  • 8. HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA  O estilo vocal se manteve relativamente estável, desde suas primeiras gravações.  A instrumentação, ritmos e contorno melódico gradualmente incorporaram elementos estilísticos de gêneros disseminados pela indústria musical.  Estas modificações de roupagem e adaptações no conteúdo temático anteriormente rural e agora urbano consolidaram o estilo moderno da música sertaneja, que nos anos 80 se toma o primeiro gênero de massa produzido e consumido no Brasil.
  • 9. OS ESTILOS CONVIVEM E DIVIDEM O ESPAÇO DE CONSUMO ESTILO TRADICIONAL ESTILO MODERNO  Músicos “de raiz” como Pena Branca e Xavantinho atuando nos circuitos de sala de concerto e shows universitários.  Leandro e Leonardo se apresentam em feiras e shows massivos
  • 10.  A história da música sertaneja pode ser dividida em três fases, levando em consideração as inovações que vão sendo introduzidas no gênero. HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
  • 11.  De 1929 até 1944, como música caipira ou música sertaneja raiz.  Do pós-guerra até os anos 60, numa fase de transição.  Do final dos anos 60 até a atualidade, como música sertaneja romântica. HISTÓRIA DA MÚSICA SERTANEJA
  • 12. Musica sertaneja raiz • Na primeira fase os cantadores interpretavam modas- de-viola e toadas, as canções falavam do universo sertanejo numa temática essencialmente épica.
  • 13. • Artistas representativos desta tendência são Cornélio Pires e sua “Turma”, Alvarenga e Ranchinho, Torres e Florêncio, Tonico e Tinoco, Vieira e Vieirinha, Pena Branca e Xavantinho. Musica sertaneja raiz
  • 14. • Os personagens principais da música caipira são os vaqueiros, ou os animais com quem o vaqueiro lida no seu cotidiano. O caráter das peças é épico nas narrativas que falam da vida, morte, e fatalidades da vida no sertão ou interior. Musica sertaneja raiz
  • 15. • Os intérpretes mais famosos de música caipira são o duo Tonico e Tinoco. Em 1946, eles gravaram «Chico Mineiro», de Tonico e Francisco Ribeiro, um clássico da música caipira. Musica sertaneja raiz
  • 16. MUSICA SERTANEJA: SEGUNDA ETAPA • Após a guerra introduzem-se instrumentos (harpa, acordeom), estilos (duetos com intervalos variados, estilo mariachi) e gêneros (inicialmente a guarânia e a polca paraguaia e mais tarde o corrido e a canção ranchera mexicanos)
  • 17. MUSICA SERTANEJA: SEGUNDA ETAPA • Surgem novos ritmos como o rasqueado (andamento moderado entre a polca paraguaia e a guarânia), a moda campeira e o pagode.
  • 18. MUSICA SERTANEJA: SEGUNDA ETAPA • A temática vai ficando gradualmente mais amorosa, conservando, no entanto um caráter autobiográfico.
  • 19. MUSICA SERTANEJA: SEGUNDA ETAPA • Artistas desta fase de transição são Cascatinha e Inhana, Palmeira e Biá, Tião Carreiro e Pardinho e, já na década de 70, Milionário e José Rico.
  • 20. A FASE MODERNA • Nesta modalidade de música sertaneja os cantores alternam solos e duetos para apresentar canções, muitas vezes em ritmo de balada, que tratam principalmente de amor romântico, de clara inspiração urbana.
  • 21. A FASE MODERNA • Algumas canções classificadas como sertanejas nas paradas de sucesso são às vezes interpretadas totalmente por solistas dispensando o recurso tradicional da dupla. Os arranjos instrumentais dessas músicas adicionam instrumentos de orquestra além da base de rock, já incorporada ao gênero.
  • 22. MÚSICA SERTANEJA • A unidade estilística da música sertaneja é conseguida pelo uso consistente do estilo vocal tenso e nasal e pela referência temática ao cotidiano, seja rural e épico na música sertaneja raiz, seja urbano e individualista na música sertaneja romântica.
  • 23. MÚSICA SERTANEJA • A internacionalização crescente da “roupagem” da música sertaneja em parte tem acompanhado o processo acelerado de urbanização por que tem passado a cultura rural além da própria migração intensa do homem do campo para as cidades.
  • 24. A FASE MODERNA • A fase moderna da música sertaneja inicia-se no final dos anos 60 com a introdução da guitarra elétrica e o chamado “ritmo jovem”, por Leo Canhoto e Robertinho.
  • 25. SERTANEJO UNIVERSITARIO • O sertanejo universitário provém de uma mistura da música sertaneja, e do segmento Freestyle do Funk Carioca. • No movimento sertanejo, é o segmento é conhecido como sendo seu terceiro movimento.
  • 26. SERTANEJO UNIVERSITARIO • Este se diferencia do sertanejo por ter mais elementos do pop, e linguagem voltada ao público mais jovem se comparada com demais movimentos do gênero. • Por surgir após o segundo movimento sertanejo (o sertanejo romântico), esse estilo já não conta com letras tão regionais e situações vividas por caipiras (como o Sertanejo raiz).
  • 27. SERTANEJO UNIVERSITARIO • Embalado pelo grande apelo popular entre jovens dos gêneros associados, o novo segmento ganhou grande espaço na mídia • Letras e músicas simples, batidas dançantes, e refrões de fácil memorização automática, gerou um grande "boom" no estilo, fazendo com que saísse do restrito âmbito universitário, e tomasse de assalto as rádios e festas de todo país.
  • 28. SERTANEJO UNIVERSITARIO • Uma explícita característica desse estilo são os solos feitos nos violões que originalmente eram feitos em guitarras. Isso só reforça a associação dos velhos instrumentos aos modernos.
  • 29. SERTANEJO UNIVERSITARIO • O sertanejo universitário encontrou nos jovens, a busca do seu crescimento, trazendo um enfoque em músicas que falam de amor e baladas. • Hoje, novos cantores vão surgindo ou outros adotam o estilo e a cada dia o gênero vai se popularizando mais
  • 30. SERTANEJO UNIVERSITARIO • Exemplos são Michel Teló com o hit que virou febre internacional, “Ai se eu te pego.” • João Neto & Frederico com ”Lê Lê Lê”. • Gustavo Lima com ”Balada Boa”. • João Lucas & Marcelo com seu ”Eu quero tchu, Eu quero tchã”.