SlideShare uma empresa Scribd logo

2010 simposio tacs_gabriela

universitária
universitária
universitária-- em universitária

2010 simposio tacs_gabriela

1 de 6
Baixar para ler offline
1
SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA
UNAERP CAMPUS GUARUJÁ
Terapias Alternativas e Complementares em Oncologia
Pediátrica: revisão sistemática de literatura.
Gabriela Santos Dias da Silva
Graduando em Fisioterapia
Unaerp - Universidade de Ribeirão Preto - Campus Guarujá
gabi.fisio85@hotmail.com
Ivan dos Santos Vivas
Docente do curso de Fisioterapia
Unaerp – Universidade de Ribeirão Preto – Campus Guarujá
Este simpósio tem o apoio da Fundação Fernando Eduardo Lee
Resumo
O presente estudo tem como objetivo realizar uma análise sistemática de
literatura de artigos científicos que abordam o tema “Terapias Alternativas e
Complementares”, para verificar quais aspectos foram analisados.
Terapias alternativas e complementares (TAC) são as técnicas que visam à
assistência à saúde do indivíduo, seja na prevenção, tratamento ou cura,
considerando-o como mente/corpo/espírito e não um conjunto de partes
isoladas (Hill A., 2003 APUD Trovo et al, 2003). Segundo Strozier (2008)
Medicina complementar e alternativa é um grupo de sistemas médicos,
tratamentos, e produtos que são usados em conjunto ou substituindo o
tratamento médico convencional, e podem ser divididas em cinco categorias:
sistemas médicos alternativos, intervenções do corpo e mente, terapias de
base biológica, métodos baseados em terapia manual, e terapia energética.
Palavras chave: Terapias Alternativas e Complementares, crianças, câncer
Seção 4 – Trabalho de Conclusão de Curso – Fisioterapia.
Apresentação: pôster
1. Introdução
Dentre os diversos tipos de neoplasias, um merece atenção especial, e deve
ser estudado isoladamente, trata-se do câncer infanto-juvenil. O câncer
nessa faixa etária possui características distintas em relação ao adulto,
como diferenças nos locais primários, comportamentos clínicos e origens
histológicas, apresentando um menor período de latência, rápido
crescimento e invasão, porém apresentam um melhor prognóstico,
respondendo melhor ao tratamento (INCA 2009) .
2
Aproximadamente 1 em cada 8.000 crianças com menos de 16 anos
desenvolverá câncer, e embora a doença tenha uma maior prevalência em
adultos, ela representa uma importante causa de morte por doença na
infância (WAYNE; HELMAN, 2006). Em relação aos tipos de cânceres
infantis, a maior prevalência na maioria das populações é de Leucemia,
sendo a Leucemia Linfóide Aguda de maior incidência entre crianças de 0 a
14 anos, e está entre 25% e 35% de todos os tipos, exceto a Nigéria, que tem
como percentual 45% (INCA 2009).
O organismo de uma criança está em desenvolvimento e não somente a
doença em si, como os efeitos em longo prazo do seu tratamento podem
interferir neste processo, resultando em seqüelas que surgirão na fase
adulta. Devemos levar em consideração também o fato de que por estar em
desenvolvimento o organismo infantil sentirá de maneira mais intensa os
efeitos colaterais causados pelo tratamento antineoplásico, tanto no âmbito
físico como no psíquico, e as intervenções que visam minimizar estes
sintomas e aperfeiçoar o processo de reabilitação do individuo como um
todo, desde que não interfiram no tratamento convencional, são
interessantes, se utilizadas de maneira segura e profissional, portanto
indispensável a presença de uma equipe multiprofissional em todo o
processo de tratamento deste paciente..
2 . Câncer Infantil
Segundo Wayne; Helman (2006), o câncer infantil tem uma menor incidência
se comparado ao adulto, porém apresenta uma taxa de mortalidade grande
quando relacionado às doenças da infância. Os avanços nas pesquisas
direcionadas a esta área da oncologia possibilitaram um melhor prognóstico
para a população afetada, de modo que a maioria pode ser curada, através
de novas técnicas cirúrgicas e de radioterapia. É importante também que o
tratamento seja realizado em centros com especialidades pediátricas
multidisciplinares, para que o paciente possa receber um auxílio completo e
efetivo.
O câncer infantil apresenta uma grande complexidade, e é variável de acordo
com a sua histologia, localização primária, sexo, idade e etnia. E para
facilitar seu estudo a Classificação Internacional do Câncer na Infância
(CICI) elaborou uma divisão em grupos que serão citados a seguir: Grupo I-
Leucemias; Grupo II- Linfomas e neoplasias retículo-endoteliais; Grupo III-
Tumores do sistema nervoso central e miscelânea de neoplasias
intracranianas e intra-espinais; Grupo IV- Tumores do sistema nervoso
simpático; Grupo V- Retinoblastoma; Grupo VI- Tumores renais; Grupo VII-
Tumores hepáticos; Grupo VIII- Tumores ósseos malignos; Grupo IX-
Sarcomas de partes moles; Grupo X- Neoplasias de células germinativas,
trofoblásticas e outras gonadais; Grupo XI- Carcinomas e outras neoplasias
malignas epiteliais; Grupo XII- Outros tumores malignos não especificados
(INCA 2008).
3. Terapias Alternativas e Complementares
Devido a grande procura dos americanos por terapias alternativas e
complementares, em 1998 o National Institutes of Health criou o National
3
Center for Complementary and Alternative Medicine (NCCAM) para explorar
estas práticas cientificamente e para disseminar informações para
profissionais e o público em geral (NCCAM, 2010). Em inglês, essas terapias
consideradas não convencionais são chamadas de “Complementary and
Alternative Medicine” (CAM) e na literatura brasileira podemos encontrar os
termos TAC (Terapia alternativa e complementar) ou a tradução fiel ao termo
em inglês, MAC (Medicina alternativa e complementar). Para o presente
estudo optou-se em usar o termo Terapia Alternativa e Complementar.
Segundo o NCCAM (2010) as terapias alternativas e complementares podem
ser definidas como um grupo de intervenções médicas e de outras áreas da
saúde, práticas específicas, e produtos que em geral não são considerados
como parte da medicina convencional. Essas terapias alternativas podem ser
usadas de forma complementar, ou seja, usada em conjunto com as terapias
convencionais, ou de modo alternativo, sendo usada para substituir a
terapia convencional, ou de forma integrada, sendo utilizada combinando-a
com a terapia convencional.
As Terapias Alternativas e Complementares podem ser divididas em cinco
grandes categorias: sistemas médicos alternativos, medicina corpo e mente,
terapias de base biológica, métodos baseados em terapia manual, e terapia
energética, sendo que algumas terapias podem se encaixar em mais de uma
categoria (STROZIER, 2008).
Um exemplo que se encaixa na categoria Sistemas médicos alternativos é a
Medicina Tradicional Chinesa, existente há mais de 2.000 anos. Esta área da
medicina tem a visão da saúde e enfermidade em termos de equilíbrio e
desequilíbrio das forças vitais. Na Medicina chinesa, essas forças são
referidas como yin e yang, referindo-se simbolicamente ao feminino e
masculino e noite e dia, respectivamente, e como uma forma de prevenção
estas duas energias devem estar balanceadas. Para fechar um diagnóstico o
examinador utiliza os sentidos da visão, olfato, audição e tato, levando em
consideração a coloração da pele do examinado, e em particular, alguns
aspectos da língua são analisados (tamanho, movimento, superfície e
textura) e diferentes áreas da língua correspondem às diferentes partes do
corpo (FIELD, 2008).
A Medicina corpo e mente segue o princípio de que o corpo e a mente
representam uma única entidade, e que ambos influenciam um ao outro
constantemente, e a natureza de muitas mudanças no estado de saúde
plena, sintomas e desordens, tem fundamentos psicofisiológicos. Evidencias
demonstram que o sistema nervoso, o sistema imune e o sistema endócrino
estão ligados aos estados emocionais (positivos ou negativos), além do
impacto do estresse agudo e crônico sobre esses sistemas. Entre as terapias
que se encaixam neste grupo, estão algumas amplamente conhecidas pela
população em geral como, Yoga, Tai Chi, Hipnose e Técnicas de visualização,
Meditação, Terapia cognitiva e comportamental/ e Psicologia, Apoio social e
Musicoterapia (CULBERT; CYR, 2008).
Terapias de base biológica baseiam-se no tratamento através de produtos
naturais, e a Fitoterapia é a mais conhecida destas terapias. A Fitoterapia
provavelmente é mais antiga forma de intervenção terapêutica existente na
Humanidade, e está presente em todas as sociedades. O princípio desta
prática é o de que é possível manter ou restaurar a saúde através do uso de
4
plantas como medicamentos ou nutrientes encontrados em alimentos. Os
fitoteterapeutas seguem procedimentos para diagnóstico similares aos
utilizados por médicos convencionais, como anamnese, testes laboratoriais e
se necessário, radiografia, exame físico e prescrição de medicamentos
fitoterápicos. O tratamento pode consistir em fases: limpeza, desintoxicação
e eliminação com o uso de diuréticos e laxantes; aumento da circulação
sanguínea com vasodilatadores; estimular a digestão com digestivos;
diminuição da temperatura com antipiréticos; e tonificação, para reparar e
nutrir com o uso de tônicos naturais, combinados com convalescença,
descanso, exercício físico e uma dieta equilibrada (MANTLE; TIRAN, 2009).
Métodos baseados em terapia manual são procedimentos que utilizam
técnicas manuais de manipulação corporal, e algumas delas foram descritas
em diversas culturas antigas. A mais conhecida e praticada principalmente
por fisioterapeutas é a massagem terapêutica, que utiliza diversas técnicas
manuais, com o objetivo de aliviar o estresse através do relaxamento,
mobilizar estruturas específicas, aliviar e diminuir dor e edema, prevenir
deformidades e promover independência funcional nos casos de algumas
enfermidades que causam limitações (DOMENICO; WOOD, 1998). Outra
técnica bastante conhecida desta categoria é a Quiropraxia, fundada na
década de 1880, por Daniel David Palmer. A primeira teoria de D.D. Palmer
sugere que a inflamação é uma conseqüência do deslocamento anatômico de
estruturas como: vasos sanguíneos, nervos, músculos, ossos, ligamentos,
articulações, ou qualquer outra estrutura anatômica que esteja fora da sua
posição habitual. A técnica consiste em, através do uso das mãos, manipular
e ajustar estas estruturas, colocando-as na posição correta. Mais tarde D.D.
Palmer desenvolveu outra teoria, concentrando sua atenção especificamente
nas articulações e principalmente na coluna vertebral, que ao sofrer uma
subluxação de uma vértebra, esta poderia causar compressão da raiz
nervosa, o que resultaria na inflamação dos órgãos inervados pelas raízes
comprimidas (KEATING; CLEVELAND; MENKE, 2004).
Na categoria Terapia Energética podemos encontrar o Reiki, e o Toque
Terapêutico. A prática do Reiki teve origem no Japão, e segue o princípio de
que quando o fluxo saudável de energia que circula dentro e em volta do
corpo está bloqueado, isso pode resultar em dor e enfermidade. Essa energia
bloqueada pode ser causada por trauma emocional, danos físicos, e doenças
crônicas. Esta energia bloqueada pode resultar em respostas fisiológicas que
aumentam o estresse e deprime o sistema imunológico. O tratamento tem
como objetivo atingir estas áreas afetadas e canalizar com energia positiva
para liberar bloqueios emocionais, cognitivos e negativos. O Reiki pode ser
praticado da maneira tradicional, posicionando as mãos sobre o paciente
vestido, em diferentes áreas do corpo, guiadas pela intuição do terapeuta ou
paciente, ou trabalhando na aura do mesmo, sem a necessidade do toque
(STROZIER; RANDALL; KUHN, 2008).
4.Terapias Alternativas e Complementares em Crianças com Câncer
O diagnóstico de câncer infantil causa um grande impacto nos familiares da
criança afetada, levando-os muitas vezes a buscarem além do tratamento
convencional, outras opções que visam melhorar o bem estar físico e mental
da criança. Freqüentemente essas famílias escolhem as Terapias
5
Alternativas e Complementares como uma forma de apaziguar o sofrimento
da criança durante o tratamento. As terapias mais utilizadas entre a
população infantil diagnosticada com câncer são as seguintes: oração e cura
espiritual, medicina corpo e mente, terapias biológicas, massagem, hipnose,
imaginação guiada e biofeedback, sendo que as três ultimas são
consideradas abordagens padronizadas para o tratamento da dor nos
centros de pediatria (LADAS; WHITE, 2009).
As TAC’s devem ser oferecidas como tratamento complementar, em pacientes
com câncer, para sintomas primários como dor, e para efeitos colaterais
causados pelo tratamento convencional, como náusea, vomito, fadiga e dor
após sessões de quimioterapia, e cicatrização de feridas após procedimentos
e cirurgias, de modo que estas terapias não interfiram nos procedimentos
médicos (LOO, 2008).
5. Referências
CULBERT, Timothy; CYR, Lynda Richtsmeier. Mind/Body Aproaches:
Biofeedback, Hypnosis, Spirituality. In: LOO, May (Ed.). Integrative
Medicine for Children. 1st ed. St. Louis: Saunders Elsevier, 2008.
DOMENICO, Giovanni De; WOOD, Elizabeth C.. Técnicas de Massagem de
Beard. 4ª Ed. São Paulo: Manole, 1998.
FIELD, Tiffany. Complementary and alternative therapies research. 1st
ed. London: American Psychological Association, 2008.
INCA: Coordenação de Prevenção e Vigilância de Câncer: Câncer da
criança e adolescente no Brasil: dados dos registros de base
populacional e de mortalidade. / Instituto Nacional de Câncer. – Rio de
Janeiro: INCA, 2008.
INCA: Estimativa 2010: incidência de câncer no Brasil / Instituto
Nacional de Câncer. – Rio de Janeiro: INCA, 2009.
KEATING, Joseph C. Jr.; CLEVELAND, Carl S. III; MENKE, Michael.
Chiropractic History: a Primer. Davenport, Iowa: Association For The
History Of Chiropractic, 2004.
LADAS, Elena J.; WHITE, Janice Post. Complementary and Alternative
Medicine. In: CARROLL, William L.; FINLAY, Jonathan L. (Ed.). Cancer in
Children and Adolescents. 1st ed. Sudbury: Jones & Bartlett Publishers,
2009.
LOO, May (Ed.). Integrative Medicine for Children. 1st ed. St. Louis:
Saunders Elsevier, 2008.
MANTLE, Fiona; TIRAN, Denise. A-Z of Complementary and Alternative
Medicine: A guide for health professionals. 1st. Edinburgh: Churchill
Livingstone, 2009.
6
NCCAM: National Center for Complementary and Alternative Medicine;
disponível em: http://nccam.nih.gov/
STROZIER, Anne L.; CARPENTER, Joyce (Ed.). Introduction to alternative
and complementary therapies.1st ed. New York: The Haworth Press, Taylor
& Francis Group, 2008.
STROZIER, Anne L; RANDALL, Catherine E.; KUHN, Erin. Touch Therapies.
In: STROZIER, Anne L.; CARPENTER, Joyce (Ed.). Introduction to
alternative and complementary therapies.1st ed. New York: The Haworth
Press, Taylor & Francis Group, 2008.
TROVO, Mônica M; SILVA, Maria JP; LEÃO, Eliseth R. Terapias
alternativas/complementares no ensino público e privado: análise do
conhecimento dos acadêmicos de enfermagem. Rev Latino-am
Enfermagem 2003 julho-agosto; 11(4):483-9.
WAYNE, A.S.; HELMAN, L.J In: POLLOCK, Raphael E. et al. (Ed.). UICC:
Manual de Oncologia Clínica. 8ª ed. São Paulo: Fundação Oncocentro de
São Paulo, 2006
Anúncio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Práticas integrativas e complementares com ênfase em acupuntura no sus um e...
Práticas integrativas e complementares com ênfase em acupuntura no sus   um e...Práticas integrativas e complementares com ênfase em acupuntura no sus   um e...
Práticas integrativas e complementares com ênfase em acupuntura no sus um e...AbenaNacional
 
Terapias Complementares
Terapias ComplementaresTerapias Complementares
Terapias ComplementaresRodrigo Abreu
 
Terapias complementares em oncologia
Terapias complementares em oncologiaTerapias complementares em oncologia
Terapias complementares em oncologiabellottojr
 
Práticas Integrativas e Complementares no SUS
Práticas Integrativas e Complementares no SUSPráticas Integrativas e Complementares no SUS
Práticas Integrativas e Complementares no SUScomunidadedepraticas
 
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS ACERCA DA ACUPUNTURA NO TRABALHO DE PARTO
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS ACERCA DA ACUPUNTURA NO TRABALHO DE PARTOEVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS ACERCA DA ACUPUNTURA NO TRABALHO DE PARTO
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS ACERCA DA ACUPUNTURA NO TRABALHO DE PARTOAbenaNacional
 
Texto do maia sobre transtornos alimentares
Texto do maia sobre transtornos alimentaresTexto do maia sobre transtornos alimentares
Texto do maia sobre transtornos alimentaresLilânia Mendes
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCcomunidadedepraticas
 
Medicina antroposófica
Medicina antroposóficaMedicina antroposófica
Medicina antroposóficamaaaaaaaaaalu
 
Palestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativasPalestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativasAbenaNacional
 
Medicina Alternativa
Medicina AlternativaMedicina Alternativa
Medicina Alternativacarlos
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)sedis-suporte
 
Aula praticas integrativas
Aula praticas integrativasAula praticas integrativas
Aula praticas integrativasjoice mendonça
 

Mais procurados (20)

Práticas integrativas e complementares com ênfase em acupuntura no sus um e...
Práticas integrativas e complementares com ênfase em acupuntura no sus   um e...Práticas integrativas e complementares com ênfase em acupuntura no sus   um e...
Práticas integrativas e complementares com ênfase em acupuntura no sus um e...
 
Terapias Complementares
Terapias ComplementaresTerapias Complementares
Terapias Complementares
 
D1103032328
D1103032328D1103032328
D1103032328
 
Apresentação ma 6
Apresentação ma 6 Apresentação ma 6
Apresentação ma 6
 
Terapias complementares em oncologia
Terapias complementares em oncologiaTerapias complementares em oncologia
Terapias complementares em oncologia
 
Práticas Integrativas e Complementares no SUS
Práticas Integrativas e Complementares no SUSPráticas Integrativas e Complementares no SUS
Práticas Integrativas e Complementares no SUS
 
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS ACERCA DA ACUPUNTURA NO TRABALHO DE PARTO
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS ACERCA DA ACUPUNTURA NO TRABALHO DE PARTOEVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS ACERCA DA ACUPUNTURA NO TRABALHO DE PARTO
EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS ACERCA DA ACUPUNTURA NO TRABALHO DE PARTO
 
Texto do maia sobre transtornos alimentares
Texto do maia sobre transtornos alimentaresTexto do maia sobre transtornos alimentares
Texto do maia sobre transtornos alimentares
 
PNPIC
PNPICPNPIC
PNPIC
 
Qualidade de Vida e Práticas Integrativas em Saúde
Qualidade de Vida e Práticas Integrativas em SaúdeQualidade de Vida e Práticas Integrativas em Saúde
Qualidade de Vida e Práticas Integrativas em Saúde
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTC
 
PICs conceitos básicos
PICs conceitos básicosPICs conceitos básicos
PICs conceitos básicos
 
Marco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTCMarco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTC
 
Medicina antroposófica
Medicina antroposóficaMedicina antroposófica
Medicina antroposófica
 
Palestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativasPalestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativas
 
Diagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTCDiagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTC
 
Medicina Alternativa
Medicina AlternativaMedicina Alternativa
Medicina Alternativa
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
 
Centro de psicooncologia
Centro de psicooncologiaCentro de psicooncologia
Centro de psicooncologia
 
Aula praticas integrativas
Aula praticas integrativasAula praticas integrativas
Aula praticas integrativas
 

Destaque

Natura ciclo 17/2011
Natura ciclo 17/2011Natura ciclo 17/2011
Natura ciclo 17/2011Wagner Medani
 
Guía de usos_y_estilo_en_las_redes_sociales_del_gobierno_vasco
Guía de usos_y_estilo_en_las_redes_sociales_del_gobierno_vascoGuía de usos_y_estilo_en_las_redes_sociales_del_gobierno_vasco
Guía de usos_y_estilo_en_las_redes_sociales_del_gobierno_vascoinigourru
 
Resolución 2009 255-a
Resolución 2009 255-aResolución 2009 255-a
Resolución 2009 255-aUNEY_VE
 
Energias Não Renováveis - Ciências Naturais
Energias Não Renováveis - Ciências NaturaisEnergias Não Renováveis - Ciências Naturais
Energias Não Renováveis - Ciências NaturaisStories_A
 

Destaque (9)

Secuencias scratch
Secuencias scratchSecuencias scratch
Secuencias scratch
 
03 instrumentacion
03 instrumentacion03 instrumentacion
03 instrumentacion
 
Natura ciclo 17/2011
Natura ciclo 17/2011Natura ciclo 17/2011
Natura ciclo 17/2011
 
Guía de usos_y_estilo_en_las_redes_sociales_del_gobierno_vasco
Guía de usos_y_estilo_en_las_redes_sociales_del_gobierno_vascoGuía de usos_y_estilo_en_las_redes_sociales_del_gobierno_vasco
Guía de usos_y_estilo_en_las_redes_sociales_del_gobierno_vasco
 
PACIE
PACIEPACIE
PACIE
 
12 estrenos 2011
12 estrenos 201112 estrenos 2011
12 estrenos 2011
 
Resolución 2009 255-a
Resolución 2009 255-aResolución 2009 255-a
Resolución 2009 255-a
 
Bauhaus
BauhausBauhaus
Bauhaus
 
Energias Não Renováveis - Ciências Naturais
Energias Não Renováveis - Ciências NaturaisEnergias Não Renováveis - Ciências Naturais
Energias Não Renováveis - Ciências Naturais
 

Semelhante a 2010 simposio tacs_gabriela

Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 
41 artigo5
41 artigo541 artigo5
41 artigo5itesoto
 
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...marcelosilveirazero1
 
Promoção, prevenção e reabilitação em saúde
Promoção, prevenção e reabilitação em saúdePromoção, prevenção e reabilitação em saúde
Promoção, prevenção e reabilitação em saúdeValmirDornVasconcelo1
 
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxAula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxWellyson Rocha
 
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas PessoasLeonardo Savassi
 
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativaHistórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativacomunidadedepraticas
 
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012Arte Despertar
 
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...Leandro Menezes Lopes
 
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017sedis-suporte
 

Semelhante a 2010 simposio tacs_gabriela (20)

Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
41 artigo5
41 artigo541 artigo5
41 artigo5
 
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
Cuidados paliativos em pacientes oncológicos
 
Aula31 07 2014
Aula31 07 2014Aula31 07 2014
Aula31 07 2014
 
Terapias naturais
Terapias naturaisTerapias naturais
Terapias naturais
 
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
Os benefícios da atividade física e ou físico para prevenção e tratamento do ...
 
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativaHistórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
 
Promoção, prevenção e reabilitação em saúde
Promoção, prevenção e reabilitação em saúdePromoção, prevenção e reabilitação em saúde
Promoção, prevenção e reabilitação em saúde
 
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxAula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
 
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
 
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativaHistórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
 
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
Estratégias de Custo-Benefício Favorável...
 
Cs1
Cs1Cs1
Cs1
 
Aula de promocao 1.
Aula de promocao 1.Aula de promocao 1.
Aula de promocao 1.
 
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
 
74733513 homeopatia-doencas-epidemiologicas
74733513 homeopatia-doencas-epidemiologicas74733513 homeopatia-doencas-epidemiologicas
74733513 homeopatia-doencas-epidemiologicas
 
74733513 homeopatia-doencas-epidemiologicas
74733513 homeopatia-doencas-epidemiologicas74733513 homeopatia-doencas-epidemiologicas
74733513 homeopatia-doencas-epidemiologicas
 

Mais de universitária

Anotações de Enfermagem no Exercício Profissional
Anotações de Enfermagem no Exercício ProfissionalAnotações de Enfermagem no Exercício Profissional
Anotações de Enfermagem no Exercício Profissionaluniversitária
 
Anotações de Enfermagem no Exercício Profissional
Anotações de Enfermagem no Exercício ProfissionalAnotações de Enfermagem no Exercício Profissional
Anotações de Enfermagem no Exercício Profissionaluniversitária
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 
A influência da espiritualidade e religiosidade no processo de tratamento de ...
A influência da espiritualidade e religiosidade no processo de tratamento de ...A influência da espiritualidade e religiosidade no processo de tratamento de ...
A influência da espiritualidade e religiosidade no processo de tratamento de ...universitária
 
Apresentação do artigo
Apresentação do artigoApresentação do artigo
Apresentação do artigouniversitária
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagemuniversitária
 
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemAs reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemuniversitária
 
Benefícios da gravidez contra o câncer de mama
Benefícios da gravidez contra o câncer de mamaBenefícios da gravidez contra o câncer de mama
Benefícios da gravidez contra o câncer de mamauniversitária
 
Drogas colinérgicas aula 07
Drogas colinérgicas   aula 07Drogas colinérgicas   aula 07
Drogas colinérgicas aula 07universitária
 

Mais de universitária (11)

Anotações de Enfermagem no Exercício Profissional
Anotações de Enfermagem no Exercício ProfissionalAnotações de Enfermagem no Exercício Profissional
Anotações de Enfermagem no Exercício Profissional
 
Anotações de Enfermagem no Exercício Profissional
Anotações de Enfermagem no Exercício ProfissionalAnotações de Enfermagem no Exercício Profissional
Anotações de Enfermagem no Exercício Profissional
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
A influência da espiritualidade e religiosidade no processo de tratamento de ...
A influência da espiritualidade e religiosidade no processo de tratamento de ...A influência da espiritualidade e religiosidade no processo de tratamento de ...
A influência da espiritualidade e religiosidade no processo de tratamento de ...
 
Apresentação do artigo
Apresentação do artigoApresentação do artigo
Apresentação do artigo
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagem
 
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemAs reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
 
pesquisas
pesquisaspesquisas
pesquisas
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Benefícios da gravidez contra o câncer de mama
Benefícios da gravidez contra o câncer de mamaBenefícios da gravidez contra o câncer de mama
Benefícios da gravidez contra o câncer de mama
 
Drogas colinérgicas aula 07
Drogas colinérgicas   aula 07Drogas colinérgicas   aula 07
Drogas colinérgicas aula 07
 

2010 simposio tacs_gabriela

  • 1. 1 SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Terapias Alternativas e Complementares em Oncologia Pediátrica: revisão sistemática de literatura. Gabriela Santos Dias da Silva Graduando em Fisioterapia Unaerp - Universidade de Ribeirão Preto - Campus Guarujá gabi.fisio85@hotmail.com Ivan dos Santos Vivas Docente do curso de Fisioterapia Unaerp – Universidade de Ribeirão Preto – Campus Guarujá Este simpósio tem o apoio da Fundação Fernando Eduardo Lee Resumo O presente estudo tem como objetivo realizar uma análise sistemática de literatura de artigos científicos que abordam o tema “Terapias Alternativas e Complementares”, para verificar quais aspectos foram analisados. Terapias alternativas e complementares (TAC) são as técnicas que visam à assistência à saúde do indivíduo, seja na prevenção, tratamento ou cura, considerando-o como mente/corpo/espírito e não um conjunto de partes isoladas (Hill A., 2003 APUD Trovo et al, 2003). Segundo Strozier (2008) Medicina complementar e alternativa é um grupo de sistemas médicos, tratamentos, e produtos que são usados em conjunto ou substituindo o tratamento médico convencional, e podem ser divididas em cinco categorias: sistemas médicos alternativos, intervenções do corpo e mente, terapias de base biológica, métodos baseados em terapia manual, e terapia energética. Palavras chave: Terapias Alternativas e Complementares, crianças, câncer Seção 4 – Trabalho de Conclusão de Curso – Fisioterapia. Apresentação: pôster 1. Introdução Dentre os diversos tipos de neoplasias, um merece atenção especial, e deve ser estudado isoladamente, trata-se do câncer infanto-juvenil. O câncer nessa faixa etária possui características distintas em relação ao adulto, como diferenças nos locais primários, comportamentos clínicos e origens histológicas, apresentando um menor período de latência, rápido crescimento e invasão, porém apresentam um melhor prognóstico, respondendo melhor ao tratamento (INCA 2009) .
  • 2. 2 Aproximadamente 1 em cada 8.000 crianças com menos de 16 anos desenvolverá câncer, e embora a doença tenha uma maior prevalência em adultos, ela representa uma importante causa de morte por doença na infância (WAYNE; HELMAN, 2006). Em relação aos tipos de cânceres infantis, a maior prevalência na maioria das populações é de Leucemia, sendo a Leucemia Linfóide Aguda de maior incidência entre crianças de 0 a 14 anos, e está entre 25% e 35% de todos os tipos, exceto a Nigéria, que tem como percentual 45% (INCA 2009). O organismo de uma criança está em desenvolvimento e não somente a doença em si, como os efeitos em longo prazo do seu tratamento podem interferir neste processo, resultando em seqüelas que surgirão na fase adulta. Devemos levar em consideração também o fato de que por estar em desenvolvimento o organismo infantil sentirá de maneira mais intensa os efeitos colaterais causados pelo tratamento antineoplásico, tanto no âmbito físico como no psíquico, e as intervenções que visam minimizar estes sintomas e aperfeiçoar o processo de reabilitação do individuo como um todo, desde que não interfiram no tratamento convencional, são interessantes, se utilizadas de maneira segura e profissional, portanto indispensável a presença de uma equipe multiprofissional em todo o processo de tratamento deste paciente.. 2 . Câncer Infantil Segundo Wayne; Helman (2006), o câncer infantil tem uma menor incidência se comparado ao adulto, porém apresenta uma taxa de mortalidade grande quando relacionado às doenças da infância. Os avanços nas pesquisas direcionadas a esta área da oncologia possibilitaram um melhor prognóstico para a população afetada, de modo que a maioria pode ser curada, através de novas técnicas cirúrgicas e de radioterapia. É importante também que o tratamento seja realizado em centros com especialidades pediátricas multidisciplinares, para que o paciente possa receber um auxílio completo e efetivo. O câncer infantil apresenta uma grande complexidade, e é variável de acordo com a sua histologia, localização primária, sexo, idade e etnia. E para facilitar seu estudo a Classificação Internacional do Câncer na Infância (CICI) elaborou uma divisão em grupos que serão citados a seguir: Grupo I- Leucemias; Grupo II- Linfomas e neoplasias retículo-endoteliais; Grupo III- Tumores do sistema nervoso central e miscelânea de neoplasias intracranianas e intra-espinais; Grupo IV- Tumores do sistema nervoso simpático; Grupo V- Retinoblastoma; Grupo VI- Tumores renais; Grupo VII- Tumores hepáticos; Grupo VIII- Tumores ósseos malignos; Grupo IX- Sarcomas de partes moles; Grupo X- Neoplasias de células germinativas, trofoblásticas e outras gonadais; Grupo XI- Carcinomas e outras neoplasias malignas epiteliais; Grupo XII- Outros tumores malignos não especificados (INCA 2008). 3. Terapias Alternativas e Complementares Devido a grande procura dos americanos por terapias alternativas e complementares, em 1998 o National Institutes of Health criou o National
  • 3. 3 Center for Complementary and Alternative Medicine (NCCAM) para explorar estas práticas cientificamente e para disseminar informações para profissionais e o público em geral (NCCAM, 2010). Em inglês, essas terapias consideradas não convencionais são chamadas de “Complementary and Alternative Medicine” (CAM) e na literatura brasileira podemos encontrar os termos TAC (Terapia alternativa e complementar) ou a tradução fiel ao termo em inglês, MAC (Medicina alternativa e complementar). Para o presente estudo optou-se em usar o termo Terapia Alternativa e Complementar. Segundo o NCCAM (2010) as terapias alternativas e complementares podem ser definidas como um grupo de intervenções médicas e de outras áreas da saúde, práticas específicas, e produtos que em geral não são considerados como parte da medicina convencional. Essas terapias alternativas podem ser usadas de forma complementar, ou seja, usada em conjunto com as terapias convencionais, ou de modo alternativo, sendo usada para substituir a terapia convencional, ou de forma integrada, sendo utilizada combinando-a com a terapia convencional. As Terapias Alternativas e Complementares podem ser divididas em cinco grandes categorias: sistemas médicos alternativos, medicina corpo e mente, terapias de base biológica, métodos baseados em terapia manual, e terapia energética, sendo que algumas terapias podem se encaixar em mais de uma categoria (STROZIER, 2008). Um exemplo que se encaixa na categoria Sistemas médicos alternativos é a Medicina Tradicional Chinesa, existente há mais de 2.000 anos. Esta área da medicina tem a visão da saúde e enfermidade em termos de equilíbrio e desequilíbrio das forças vitais. Na Medicina chinesa, essas forças são referidas como yin e yang, referindo-se simbolicamente ao feminino e masculino e noite e dia, respectivamente, e como uma forma de prevenção estas duas energias devem estar balanceadas. Para fechar um diagnóstico o examinador utiliza os sentidos da visão, olfato, audição e tato, levando em consideração a coloração da pele do examinado, e em particular, alguns aspectos da língua são analisados (tamanho, movimento, superfície e textura) e diferentes áreas da língua correspondem às diferentes partes do corpo (FIELD, 2008). A Medicina corpo e mente segue o princípio de que o corpo e a mente representam uma única entidade, e que ambos influenciam um ao outro constantemente, e a natureza de muitas mudanças no estado de saúde plena, sintomas e desordens, tem fundamentos psicofisiológicos. Evidencias demonstram que o sistema nervoso, o sistema imune e o sistema endócrino estão ligados aos estados emocionais (positivos ou negativos), além do impacto do estresse agudo e crônico sobre esses sistemas. Entre as terapias que se encaixam neste grupo, estão algumas amplamente conhecidas pela população em geral como, Yoga, Tai Chi, Hipnose e Técnicas de visualização, Meditação, Terapia cognitiva e comportamental/ e Psicologia, Apoio social e Musicoterapia (CULBERT; CYR, 2008). Terapias de base biológica baseiam-se no tratamento através de produtos naturais, e a Fitoterapia é a mais conhecida destas terapias. A Fitoterapia provavelmente é mais antiga forma de intervenção terapêutica existente na Humanidade, e está presente em todas as sociedades. O princípio desta prática é o de que é possível manter ou restaurar a saúde através do uso de
  • 4. 4 plantas como medicamentos ou nutrientes encontrados em alimentos. Os fitoteterapeutas seguem procedimentos para diagnóstico similares aos utilizados por médicos convencionais, como anamnese, testes laboratoriais e se necessário, radiografia, exame físico e prescrição de medicamentos fitoterápicos. O tratamento pode consistir em fases: limpeza, desintoxicação e eliminação com o uso de diuréticos e laxantes; aumento da circulação sanguínea com vasodilatadores; estimular a digestão com digestivos; diminuição da temperatura com antipiréticos; e tonificação, para reparar e nutrir com o uso de tônicos naturais, combinados com convalescença, descanso, exercício físico e uma dieta equilibrada (MANTLE; TIRAN, 2009). Métodos baseados em terapia manual são procedimentos que utilizam técnicas manuais de manipulação corporal, e algumas delas foram descritas em diversas culturas antigas. A mais conhecida e praticada principalmente por fisioterapeutas é a massagem terapêutica, que utiliza diversas técnicas manuais, com o objetivo de aliviar o estresse através do relaxamento, mobilizar estruturas específicas, aliviar e diminuir dor e edema, prevenir deformidades e promover independência funcional nos casos de algumas enfermidades que causam limitações (DOMENICO; WOOD, 1998). Outra técnica bastante conhecida desta categoria é a Quiropraxia, fundada na década de 1880, por Daniel David Palmer. A primeira teoria de D.D. Palmer sugere que a inflamação é uma conseqüência do deslocamento anatômico de estruturas como: vasos sanguíneos, nervos, músculos, ossos, ligamentos, articulações, ou qualquer outra estrutura anatômica que esteja fora da sua posição habitual. A técnica consiste em, através do uso das mãos, manipular e ajustar estas estruturas, colocando-as na posição correta. Mais tarde D.D. Palmer desenvolveu outra teoria, concentrando sua atenção especificamente nas articulações e principalmente na coluna vertebral, que ao sofrer uma subluxação de uma vértebra, esta poderia causar compressão da raiz nervosa, o que resultaria na inflamação dos órgãos inervados pelas raízes comprimidas (KEATING; CLEVELAND; MENKE, 2004). Na categoria Terapia Energética podemos encontrar o Reiki, e o Toque Terapêutico. A prática do Reiki teve origem no Japão, e segue o princípio de que quando o fluxo saudável de energia que circula dentro e em volta do corpo está bloqueado, isso pode resultar em dor e enfermidade. Essa energia bloqueada pode ser causada por trauma emocional, danos físicos, e doenças crônicas. Esta energia bloqueada pode resultar em respostas fisiológicas que aumentam o estresse e deprime o sistema imunológico. O tratamento tem como objetivo atingir estas áreas afetadas e canalizar com energia positiva para liberar bloqueios emocionais, cognitivos e negativos. O Reiki pode ser praticado da maneira tradicional, posicionando as mãos sobre o paciente vestido, em diferentes áreas do corpo, guiadas pela intuição do terapeuta ou paciente, ou trabalhando na aura do mesmo, sem a necessidade do toque (STROZIER; RANDALL; KUHN, 2008). 4.Terapias Alternativas e Complementares em Crianças com Câncer O diagnóstico de câncer infantil causa um grande impacto nos familiares da criança afetada, levando-os muitas vezes a buscarem além do tratamento convencional, outras opções que visam melhorar o bem estar físico e mental da criança. Freqüentemente essas famílias escolhem as Terapias
  • 5. 5 Alternativas e Complementares como uma forma de apaziguar o sofrimento da criança durante o tratamento. As terapias mais utilizadas entre a população infantil diagnosticada com câncer são as seguintes: oração e cura espiritual, medicina corpo e mente, terapias biológicas, massagem, hipnose, imaginação guiada e biofeedback, sendo que as três ultimas são consideradas abordagens padronizadas para o tratamento da dor nos centros de pediatria (LADAS; WHITE, 2009). As TAC’s devem ser oferecidas como tratamento complementar, em pacientes com câncer, para sintomas primários como dor, e para efeitos colaterais causados pelo tratamento convencional, como náusea, vomito, fadiga e dor após sessões de quimioterapia, e cicatrização de feridas após procedimentos e cirurgias, de modo que estas terapias não interfiram nos procedimentos médicos (LOO, 2008). 5. Referências CULBERT, Timothy; CYR, Lynda Richtsmeier. Mind/Body Aproaches: Biofeedback, Hypnosis, Spirituality. In: LOO, May (Ed.). Integrative Medicine for Children. 1st ed. St. Louis: Saunders Elsevier, 2008. DOMENICO, Giovanni De; WOOD, Elizabeth C.. Técnicas de Massagem de Beard. 4ª Ed. São Paulo: Manole, 1998. FIELD, Tiffany. Complementary and alternative therapies research. 1st ed. London: American Psychological Association, 2008. INCA: Coordenação de Prevenção e Vigilância de Câncer: Câncer da criança e adolescente no Brasil: dados dos registros de base populacional e de mortalidade. / Instituto Nacional de Câncer. – Rio de Janeiro: INCA, 2008. INCA: Estimativa 2010: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer. – Rio de Janeiro: INCA, 2009. KEATING, Joseph C. Jr.; CLEVELAND, Carl S. III; MENKE, Michael. Chiropractic History: a Primer. Davenport, Iowa: Association For The History Of Chiropractic, 2004. LADAS, Elena J.; WHITE, Janice Post. Complementary and Alternative Medicine. In: CARROLL, William L.; FINLAY, Jonathan L. (Ed.). Cancer in Children and Adolescents. 1st ed. Sudbury: Jones & Bartlett Publishers, 2009. LOO, May (Ed.). Integrative Medicine for Children. 1st ed. St. Louis: Saunders Elsevier, 2008. MANTLE, Fiona; TIRAN, Denise. A-Z of Complementary and Alternative Medicine: A guide for health professionals. 1st. Edinburgh: Churchill Livingstone, 2009.
  • 6. 6 NCCAM: National Center for Complementary and Alternative Medicine; disponível em: http://nccam.nih.gov/ STROZIER, Anne L.; CARPENTER, Joyce (Ed.). Introduction to alternative and complementary therapies.1st ed. New York: The Haworth Press, Taylor & Francis Group, 2008. STROZIER, Anne L; RANDALL, Catherine E.; KUHN, Erin. Touch Therapies. In: STROZIER, Anne L.; CARPENTER, Joyce (Ed.). Introduction to alternative and complementary therapies.1st ed. New York: The Haworth Press, Taylor & Francis Group, 2008. TROVO, Mônica M; SILVA, Maria JP; LEÃO, Eliseth R. Terapias alternativas/complementares no ensino público e privado: análise do conhecimento dos acadêmicos de enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem 2003 julho-agosto; 11(4):483-9. WAYNE, A.S.; HELMAN, L.J In: POLLOCK, Raphael E. et al. (Ed.). UICC: Manual de Oncologia Clínica. 8ª ed. São Paulo: Fundação Oncocentro de São Paulo, 2006