Desde dezembro de 2010, com o pioneirismo da Tunísia, o Povo vem protestando contra os abusos dos governantes, em geral Di...
A Primavera Árabe foi iniciada pelos primeiros protestos que ocorreram na Tunísia em 18 de Dezembro de 2010, após a auto-i...
No início desse ano, quando as manifestações se espalharam pelo mundo árabe, Kadafi, que há 42 anos mandava com mãos de fe...
MARROCOS:  Uma das Ferramentas utilizadas pelos rebeldes foi a Internet – redes sociais como Facebook foram veículo de den...
 
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Primavera árabe

2.350 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.350
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Primavera árabe

  1. 2. Desde dezembro de 2010, com o pioneirismo da Tunísia, o Povo vem protestando contra os abusos dos governantes, em geral Ditadores que alem de não praticarem a democracia, não respeitam os direitos humanos de liberdade de expressão, cidadania e qualidade de vida. Basicamente, trata-se de um conjunto de manifestações realizadas com objetivo de questionar os regimes autoritários e centralizadores que ocorrem em diversos países do Oriente Médio. O Mapa acima representa o cenário das revoltas desde o Norte da África até o Oriente Médio, cujos países vivem uma revolução política e social. 
  2. 3. A Primavera Árabe foi iniciada pelos primeiros protestos que ocorreram na Tunísia em 18 de Dezembro de 2010, após a auto-imolação de Mohamed Bouazizi, em uma forma protesto contra a corrupção policial e maus tratos. Com o sucesso dos protestos na Tunísia, uma onda de instabilidade atingiu a Argélia, Jordânia, Egito e o Iêmen, com os maiores, mais organizadas manifestações que ocorrem em um "dia de fúria". Os protestos, de índole social e apoiada pelo exército, foram causados por fatores demográficos estruturais, condições de vida duras promovidas pelo desemprego, ao que se aderem os regimes corruptos e autoritários. O presidente da Tunísia, Zine El Abidine Ben Ali, fugiu para a Arábia Saudita em 14 de janeiro, na sequência dos protestos da Revolução de Jasmim. Os tunisinos elegeram no ultimo dia 23 uma Assembleia Constituinte. Estas eleições, consideradas históricas, ocorreram nove meses após a saída do poder de Ben Ali na sequência de uma revolta popular que pôs fim aos 23 anos do regime.
  3. 4. No início desse ano, quando as manifestações se espalharam pelo mundo árabe, Kadafi, que há 42 anos mandava com mãos de ferro a Líbia, apareceu em público com uma fisionomia muito diversa daquela que o mundo se acostumara a assistir de homem vaidoso e arrogante. Parecia que o ditador tinha prazer de causar incômodo nas suas viagens oficiais às grandes potências ocidentais. Entretanto, os últimos discursos de Kadafi, ainda quando dominava o país no inicio desse ano, revelaram um ditador em pânico. A morte do ditador líbio no dia de hoje representa um feito histórico da primavera árabe já que, dois dos três maiores ditadores do oriente médio estão fora de cena, porém, resta ainda a ditadura, talvez, a mais sangrenta de todas e que, só nas manifestações desse ano, fora responsável pela morte de 3 mil civis.
  4. 5. MARROCOS: Uma das Ferramentas utilizadas pelos rebeldes foi a Internet – redes sociais como Facebook foram veículo de denúncia e crítica social, bem como  de organização de movimentos contra o autoritarismo. Esse fato mostra que a tecnologia não e só uma ferramenta para diversão, mas uma arma do povo. Esses movimentos mostram que o povo não esta tão alheio e manipulado como se pensava, além disso mostra o valor da Participação Política que em muitos países está presente como direto dos cidadãos, porém muitas vezes não é valorizada ou utilizada eficientemente pela população. Neste cenário de Atualidades, um futuro promissor se anuncia, há muita expectativa sobre como será a Líbia pós-Kadafi e seu processo de transição, assim como o novo sistema político do Egito, que também esta sob um Comitê de transição.

×