PORÍFEROS ósculo
 
 
Características gerais: - diblásticos, isto é, o embrião apresenta apenas 2 folhetos embrionários (ectoderme e endoderme) ...
 
 
<ul><li>- São  pluricelulares , mas não formam tecidos bem definidos; </li></ul><ul><li>não possuem órgãos e são destituíd...
 
 
ESTRUTURA DO CORPO DOS PORÍFEROS - pinacócito : células epidérmicas achatadas para o  revestimento e proteção - porócito :...
<ul><li>Em termos estruturais podem ser reconhecidas três tipos  de esponjas: </li></ul><ul><li>Áscon  : è o mais simples....
 
Reprodução: Assexuada: a)Fragmentação (regeneração): As esponjas possuem extraordinário poder de regeneração, a tal ponto ...
b)Brotamento (gemiparidade):  Do corpo original de uma esponja, desenvolve-se brotos laterais que podem permanecer ligados...
c)Gemulação: As gêmulas constituem um conjunto de células indiferenciadas e protegidas por um envoltório resistente. Mais ...
<ul><li>Sexuada: </li></ul><ul><li>- Compreende a união dos gametas masculino e feminino, com a conseqüente formação de um...
 
<ul><li>OBS: </li></ul><ul><li>observa-se que a maioria das esponjas  é hermafrodita, embora existam espécies de sexos sep...
<ul><li>IMPORTÂNCIA DAS ESPONJAS </li></ul><ul><li>Podemos encontrar esponjas em lojas de cosméticos e até em lojas de mat...
<ul><li>Relações ecológicas: </li></ul><ul><li>Relacionam-se com alguns crustáceos que fixam esponjas sobre a sua carapaça...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Reino animalia

3.307 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.307
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reino animalia

  1. 4. PORÍFEROS ósculo
  2. 7. Características gerais: - diblásticos, isto é, o embrião apresenta apenas 2 folhetos embrionários (ectoderme e endoderme) - animais invertebrados - são geralmente assimétricos ou com simetria radial (podem ser divididos em metades iguais por uma série de planos que passam em um eixo longitudinal) - possui grande capacidade de regeneração - são animais aquáticos , em sua grande maioria marinhos - vivem fixos (sésseis) a substratos rochosos ou em outras estruturas submersas
  3. 10. <ul><li>- São pluricelulares , mas não formam tecidos bem definidos; </li></ul><ul><li>não possuem órgãos e são destituídos de sistemas , </li></ul><ul><li>- suas células são especializadas realizando as funções principais. </li></ul><ul><li>Os poríferos são animais filtradores , que retiram da água circulante partículas alimentares, além de oxigênio necessário para a respiração celular. </li></ul><ul><li>- O corpo dos poríferos é dotado de inúmeros poros , por onde a água penetra até alcançar uma cavidade central, denominada átrio, ou espongiocele. </li></ul>
  4. 13. ESTRUTURA DO CORPO DOS PORÍFEROS - pinacócito : células epidérmicas achatadas para o revestimento e proteção - porócito : células que revestem os poros - coanócitos : células dotadas de flagelos que faz a água circular , o que provoca uma corrente que lhes permite capturar oxigênio e alimentos. Faz digestão intracelular . Reveste internamente as esponjas. - amebócito : células livres, capturam partículas alimentares do coanócito e distribuem os nutrientes para as demais células. Também formam gametas . Podem originar outras células, por isso, são responsáveis pelo crescimento e pela regeneração. - Óstio : poros por onde a água entra no corpo das esponjas - Átrio ou espongiocele: cavidade interna, serve de circulação da água . Não possui função digestiva. - Mesogléia: massa gelatinosa - Espongina : rede de proteínas que ajudam a sustentar o corpo das esponjas (material esquelético) - Espículas : formado por cálcio ou sílica que proporciona maior sustentação ( material esquelético) - Ósculo : abertura localizada na parte superior da esponja que serve para a saída de água que transporta gás carbônico e os resíduos de excreção para fora do corpo das esponjas.
  5. 14. <ul><li>Em termos estruturais podem ser reconhecidas três tipos de esponjas: </li></ul><ul><li>Áscon : è o mais simples. A parede do corpo é fina e possui poros inalantes que se abrem diretamente na espongiocele(a). </li></ul><ul><li>Sícon : A parede do corpo é pregueada, formando projeções em forma de dedos. Identificam-se dois tipos de canais: os inalantes e os radiais. A água penetra pelos canais inalantes e passa aos canais radiais, de onde vai para a espongiocele. Os canais radiais são revestidos internamente por coanócitos. </li></ul><ul><li>- Lêucon : A parede do corpo é mais espessa e percorrida por um complicado sistemas de canais. Há canais inalantes e exalantes e, entre eles, câmaras vibráteis revestidas por coanócitos. A água penetra pelos canais inalantes, passa pelas câmaras vibráteis e vai ter à espongiocele pelos canais exalantes. </li></ul>
  6. 16. Reprodução: Assexuada: a)Fragmentação (regeneração): As esponjas possuem extraordinário poder de regeneração, a tal ponto que, se passarmos uma esponja por uma peneira, cada pedaço resultante pode se regenerar e dar origem a uma nova esponja.
  7. 17. b)Brotamento (gemiparidade): Do corpo original de uma esponja, desenvolve-se brotos laterais que podem permanecer ligados ao corpo-mãe, formando uma colônia, ou se destacar, originando um novo indivíduo.
  8. 18. c)Gemulação: As gêmulas constituem um conjunto de células indiferenciadas e protegidas por um envoltório resistente. Mais comum nas esponjas dulcícolas, as gêmulas são consideradas formas resistência ou de repouso produzidas quando as condições ambientais tornam-se desfavoráveis. Em situações de seca ou de muito frio, por exemplo, as esponjas podem morrer, mas as gêmulas sobrevivem. Quando as condições ambientais tornam-se adequada, cada gêmula desenvolve e organiza uma nova esponja.
  9. 19. <ul><li>Sexuada: </li></ul><ul><li>- Compreende a união dos gametas masculino e feminino, com a conseqüente formação de um zigoto. </li></ul><ul><li>Este, por sua vez, origina uma lava ciliada, que, em certas esponjas (sicon), é denominada anfiblástula. </li></ul><ul><li>- A larva nadante sai do corpo da esponja e depois de algum tempo acaba as fixando a um substrato, originando uma esponja adulta. </li></ul>
  10. 21. <ul><li>OBS: </li></ul><ul><li>observa-se que a maioria das esponjas é hermafrodita, embora existam espécies de sexos separados. </li></ul><ul><li>Não há gônadas para a formação de gametas, sendo estes originados a partir dos amebócitos. </li></ul><ul><li>No caso de fecundação interna: “A fecundação e as primeiras fases do desenvolvimento embrionário ocorrem no interior do organismo materno”. </li></ul><ul><li>-Nas esponjas do tipo sicon , do ovo origina-se uma larva ciliada que fixa-se a um substrato qualquer. </li></ul><ul><li>Nesse caso o desenvolvimento é indireto ( há uma fase larval intermediária). </li></ul>
  11. 22. <ul><li>IMPORTÂNCIA DAS ESPONJAS </li></ul><ul><li>Podemos encontrar esponjas em lojas de cosméticos e até em lojas de materiais de construção, porque elas são utilizadas para aplicação de massas ou tintas, criando alguns efeitos especiais de texturização. </li></ul><ul><li>As esponjas silicosas têm as suas espículas utilizadas sob a forma de pó, na indústria, para polimentos e pinturas. </li></ul><ul><li>- Algumas esponjas produzem certas toxinas que podem provocar choque tóxico. Por outro lado, algumas dessas toxinas têm sido isoladas e utilizadas no tratamento de certos tipos de câncer, como é o caso da esponja Dysidea arenaria e Jaspis johnstoni . </li></ul>
  12. 23. <ul><li>Relações ecológicas: </li></ul><ul><li>Relacionam-se com alguns crustáceos que fixam esponjas sobre a sua carapaça, para conseguir uma aparência mais assustadora, o que lhes protege de seus predadores. Em troca, essas esponjas ganham um meio de transporte, estabelecendo uma relação ecológica de protocooperação. </li></ul><ul><li>Certas esponjas agem como predadoras de moluscos, instala-se sobre suas conchas perfurando-as e alimentando-se deles; </li></ul><ul><li>Outras invadem culturas de ostras competindo com elas pelo plâncton. </li></ul><ul><li>- Podem também realizar uma associação mutualística com algas verdes unicelulares. A esponja fornece sais minerais às algas que, em troca, fornecem-lhe oxigênio </li></ul>

×