Primavera arabe

756 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
756
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Primavera arabe

  1. 1. Trabalho de GeografiaTema: “Primavera Árabe”Enrico Minacapilli Nº: 4Rafael Isaac Nº: 17Rodrigo Rocha Nº:
  2. 2. Primavera Árabe O que é ? Os protestos no mundo árabe em 2010-2012, também conhecidos como a PrimaveraÁrabe, são uma onda revolucionária de manifestações e protestos que vêm ocorrendono Oriente Médio e no Norte da África desde 18 de dezembro de 2010. Até a data, temhavido revoluções na Tunísia e no Egito, uma guerra civil na Líbia e na Síria; grandesprotestos na Argélia, Bahrein, Djibuti, Iraque, Jordânia, Omã e Iémen e protestosmenores no Kuwait, Líbano, Mauritânia, Marrocos, Arábia Saudita, Sudão e SaaraOcidental. Por que ocorreu ? A revolução democrática árabe é considerada a primeira grande onda deprotestos democráticos do mundo árabe no século XXI. Os protestos, de índole social e,no caso de Túnis, apoiada pelo exército, foram causados por fatores demográficosestruturais, condições de vida duras promovidas pelo desemprego, ao que se aderemos regimes corruptos e autoritários revelados pelo vazamento de telegramasdiplomáticos dos Estados Unidos divulgados pelo Wikileaks. Estes regimes, nascidosdos nacionalismos árabes dentre as décadas de 1950 e 1970, foram se convertendo emgovernos repressores que impediam a oposição política credível que deu lugar a umvazio preenchido por movimentos islamistas de diversas índoles. Outras causas das más condições de vida, além do desemprego e da injustiça política esocial de seus governos, estão na falta de liberdades, na alta militarização dos países ena falta de infraestruturas em lugares onde todo o beneficio de economias emcrescimento fica nas mãos de poucos e corruptos.
  3. 3. Primavera Árabe - Início Os protestos têm compartilhado técnicas de resistência civil emcampanhas sustentadas envolvendo greves, manifestações, passeatase comícios, bem como o uso das mídias sociais,como Facebook, Twitter e Youtube, para organizar, comunicar esensibilizar a população e a comunidade internacional em face detentativas de repressão e censura na Internet por partes dos Estados. Zine El Abidine Ben Ali (Hammam-Sousse, 3 de setembro de 1936)é um militar, general, tunisiano, ditador de seu país desde 7 denovembro de 1987, quando tomou o poder mediante um golpe deEstado, até 14 de janeiro de 2011, na sequência dos protestos de2010-2011.
  4. 4. Evolução O termo Primavera Árabe, como o evento se tornouconhecido, apesar de ter-se iniciado durante o inverno dohemisfério norte, é uma alusão à Primavera de Praga.Começou com os primeiros protestos que ocorreram naTunísia em 18 de Dezembro de 2010, após a auto-imolação de Mohamed Bouazizi, em uma forma deprotesto contra a corrupção policial e os maus tratos. Como sucesso dos protestos na Tunísia, uma onda deinstabilidade atingiu a Argélia, Jordânia, Egito e oIêmen, com as maiores, mais organizadas manifestaçõesque ocorrem em um "dia de fúria". Os protestos tambémtêm provocado distúrbios semelhantes fora da região.
  5. 5. Até a data, as manifestações resultaram na derrubada de três chefes deEstado: o presidente da Tunísia, Zine El Abidine Ben Ali, fugiu paraa Arábia Saudita em 14 de janeiro.
  6. 6. Manifestações Até a data, as manifestações resultaram na derrubada de trêschefes de Estado: o presidente da Tunísia, Zine El Abidine Ben Ali,fugiu para a Arábia Saudita em 14 de janeiro, na sequência dosprotestos da Revolução de Jasmim; no Egito, o presidente HosniMubarak renunciou em 11 de Fevereiro, de 2011, após 18 dias deprotestos em massa, terminando seu mandato de 30 anos; e naLíbia, o presidente Muammar al-Gaddafi, morto em tiroteio após sercapturado no dia 20 de outubro e torturado por rebeldes, arrastadopor uma carreta em público, morrendo com um tiro na cabeça.Durante este período de instabilidade regional, vários líderesanunciaram sua intenção de renunciar: o presidente do Iêmen, AliAbdullah Saleh, anunciou que não iria tentar se reeleger em2013,terminando seu mandato de 35 anos. O presidentedo Sudão, Omar al-Bashir também anunciou que não iria tentar areeleição em 2015, assim como o premiê iraquiano, Nouri al-Maliki,cujo mandato termina em 2014, embora tenha havidomanifestações cada vez mais violentas exigindo a sua demissãoimediata. Protestos na Jordânia também causaram a renúncia dogoverno, resultando na indicação do ex-primeiro-ministroe embaixador de Israel, Marouf Bakhit, como novo primeiro-ministropelo re Abdullah.
  7. 7. Motivações A revolução democrática árabe é considerada a primeira grande onda deprotestos democráticos do mundo árabe no século XXI. Os protestos, de índole social e,no caso de Túnis, apoiada pelo exército, foram causados por fatores demográficosestruturais, condições de vida duras promovidas pelo desemprego, ao que se aderemos regimes corruptos e autoritários revelados pelo vazamento de telegramasdiplomáticos dos Estados Unidos divulgados pelo Wikileaks. Estes regimes, nascidosdos nacionalismos árabes dentre as décadas de 1950 e 1970, foram se convertendo emgovernos repressores que impediam a oposição política credível que deu lugar a umvazio preenchido por movimentos islamistas de diversas índoles. Outras causas das más condições de vida, além do desemprego e da injustiça política esocial de seus governos, estão na falta de liberdades, na alta militarização dos países ena falta de infraestruturas em lugares onde todo o beneficio de economias emcrescimento fica nas mãos de poucos e corruptos. Estas revoluções não puderam ocorrer antes, pois, até a Guerra Fria, os países árabessubmetiam seus interesses nacionais aos do capitalismo estadunidense oudo comunismo russo. Com poucas exceções, até a Guerra Fria, maiores liberdadespolíticas não eram permitidas nesses países. Diferentemente da atualidade, acoincidência com o amplo processo da globalização, que difundiu as ideias do Ocidentee que, no final da primeira década do terceiro milênio, terminaram tendo grandepresença as redes sociais, que em 2008 se impuseram na internet. Esta, por sua vez,se fez presente na década de 2000, devido aos planos de desenvolvimento da UniãoEuropeia.A maioria dos protestantes são jovens (não em vão, os protestos no Egitoreceberam o nome "Revolução da Juventude"), com acesso a Internet e, ao contráriodas gerações antecessoras, possuem estudos básicos e, até mesmo, graduaçãosuperior. O mais curioso dos eventos com início na Tunísia foi sua rápida difusão poroutras partes do mundo árabe.
  8. 8. Uma charge política de Carlos Latuff representando Hosni Mubarak emfrente ao efeito dominó desencadeado pelos protestos na Tunísia.

×