Capítulo 34
O QUE HERDAMOS?
Hoje em dia sabemos que as características como a cor dos olhos ou
do cabelo são passados de u...
cruzamento de ervilhas com características morfológicas distintas. Mendel
descobriu que traços eram herdados com precisão ...
hereditariedade foi chamada de “continuidade do plasma germinativo”.
Em 1900 3 cientistas reeditaram cópias do periódico q...
chamou a atenção de vários estudantes e cientistas. Morgan passou então a
coordenar grupos de pesquisa. Por trabalhar em g...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O que herdamos

102 visualizações

Publicada em

Genética e evolução

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
102
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que herdamos

  1. 1. Capítulo 34 O QUE HERDAMOS? Hoje em dia sabemos que as características como a cor dos olhos ou do cabelo são passados de uma geração para outra através dos genes. Genética é o estudo dos genes. Hereditariedade ou herança é a palavra utilizada para para descrever as “informações” passadas de um indivíduo para outro através dos genes. A hereditariedade era um traço principal no trabalho de Charles Darwin, mesmo que este não a compreendesse. Depois da divulgação do trabalho de Darwin vários biólogos continuaram testes para comprovar se a chamada hereditariedade leve pode ria acontecer mesmo que de vez em quando. A hereditariedade leve era associada ao naturalista francês Jean Batiste Lamarck, que também acreditava no desenvolvimento das espécies de maneira evolutiva. Lamarck defendia a ideia de que o meio ambiente interagiria com o organismo, modelando-o ou adaptando-o e isso seria passado adiante para as gerações seguintes. Por exemplo, as girafas teriam pescoço comprido porque o esticavam muito para alcançar as folhas mais altas, assim, esta mudança passaria de geração para geração. Francis Galton – primo de Darwin – conduziu uma série de experimentos criteriosos na tentativa de comprovar a hereditariedade leve. Cortou a cauda de ratos durante várias gerações sem conseguir gerar nenhuma geração de ratos sem cauda. Introduziu sangue de coelhos pretos em coelhos brancos sem que a prole dos coelhos brancos sofresse qualquer alterações em função disso. Duas questões convenceram os biólogos de que traços adquiridos durante a vida não são transmitidos para prole. O primeiro motivo foi a descoberta dos estudos de um monge da Morávia (República Tcheca) chamado gregos Mendel. Mendel mesmo antes de Galton cortar a cauda de vários ratos, queria saber qual o resultado do
  2. 2. cruzamento de ervilhas com características morfológicas distintas. Mendel descobriu que traços eram herdados com precisão matemática. Se uma planta com ervilhas verdes fosse cruzado com uma planta de ervilhas amarelas toda a primeira geração seria amarelas. Porém, quando esta geração era cruzado entre si, 3 de cada 4 plantas seriam ervilhas amarelas e 1 seria verde. O traço amarelo foi dominante na primeira geração mas, na 2ª geração o traço recessivo verde apareceu novamente. Mendel concluiu que hereditariedade é particulada, ou seja, que vegetais e animais herdam traços em unidades separadas. Em vez das mudanças graduais da hereditariedade leve, ou de uma média dos atributos dos dois pais hereditariedade era algo bem definido. As ervilhas era verdes ou amarelas e não algum matiz intermediário. O segundo e decisivo ataque sobre a hereditariedade leve foram os trabalhos de August Weismann um biólogo alemão que acreditava nas ideias evolutivas de Darwin e buscou no seu fascínio por células e por divisão celular uma solução para o problema. Weismann percebeu que, para criar um óvulo ou espermatozoide, as “células mãe” do sistema reprodutivo se dividiam de uma forma diferente das demais células do corpo. Em todas as outras células do corpo a célula filha possui o mesmo número de cromossomos da célula mãe. Mas nas células reprodutivas acontece o processo de meiose onde a célula filha possui a metade dos cromossomos da célula mãe. Então, quando óvulo e espermatozoide se unem constituem a quantidade integral de cromossomos para o desenvolvimento de um novo ser. Weismann argumentou que independente do que acontecesse nas células musculares, sanguíneas, epidérmicas, apenas as células reprodutivas continham o que seria herdado pela prole. Com exceção das células reprodutivas, todas as outras não teriam o que Weismann chamou de “plasma germinativo”. Essa ideia de
  3. 3. hereditariedade foi chamada de “continuidade do plasma germinativo”. Em 1900 3 cientistas reeditaram cópias do periódico que continham o artigo de Mendel. Os cientistas perceberam que o mendelismo tinha deixado bases sólidas para a continuidade de pesquisas nesta linha. Em pouco tempo a sociedade científica dividiu-se em dois grupos: os mendelianos e os biométricos. Os biométricos liderados por Karl Pearson acreditavam na herança continua. Defendiam que aquilo que herdamos é uma média dos atributos dos pais. Os mendelianos liderados por William Bateson enfatizavam a herança de traços discretos. Argumentavam que a mudança biológica ocorria aos saltos, ao contrário das alterações lentas e continuas dos biométricos. Os dois grupos aceitavam o fato da evolução . O debate se constituía sobre a forma como ela ocorria. Esses debates duraram 20 anos até que foi comprovado que ambos estavam certos e errados ao mesmo tempo. Observavam um mesmo problema de lados diferentes. Por exemplo, a altura dos filhos tende a acontecer de acordo com a visão biométrica, por mais que algum filho tenha sua altura mais semelhante a altura do pai ou da mãe, normalmente, o que acontece é uma média entre a altura dos dois. Já o caso da cor dos olhos é herdada na forma “ou, ou” e não “tão quanto” como afirmam os mendelianos. Thomas Hunt foi um dos responsáveis por desvendar como a transmissão da herança acontece. Antes dos estudos genéticos Morgan estudava embriologia. Seu laboratório era conhecido como a sala das moscas, pois tornou-se o lar de milhares de gerações de moscas-das-frutas a drosófila. Esta mosca é um animal conveniente pois apenas 4 cromossomos e era a função dos cromossomos que Morgan queria descobrir e entender. A sala das moscas, como era chamado o laboratório de Morgan
  4. 4. chamou a atenção de vários estudantes e cientistas. Morgan passou então a coordenar grupos de pesquisa. Por trabalhar em grupo, ao ganhar o prêmio Nobel, Morgan dividiu o dinheiro com dois de seus jovens colegas. Morgan fez uma descoberta fundamental ao observar uma mosca de olhos vermelhos e depois sua prole. Percebeu que todas as moscas de olhos vermelhos eram fêmeas. Isso sugeria que o gene era transportado no cromossomo do sexo. E que os padrões de herança da cor dos olhos seguiam as mesmas regras das ervilhas de Mendel os olhos eram brancos ou vermelhos, mas nunca rosa ou uma cor intermediária. Um dos alunos de Morgan, Muller, descobriu que os raio X causavam mutações mais rápidas. Ganhou o prêmio Nobel em 1948 e seu trabalho alertou o mundo sobre os perigos da radiação de bombas atômicas e até os raios X de uso médico. Morgan também demonstrou que os cromossomos, as vezes, trocam material genético enquanto estão se dividindo. Isso é chamado de recombinação (crossing over) sendo outra via pela qual a natureza aumenta a quantidade de variações em vegetais e animais. Os estudos sobre genética demonstraram que as mutações é o que move as mudanças evolutivas. As mutações podem ocorrer de forma natural ou, por exemplo pelos métodos artificiais estudados por Muller. Em 1904 Francis Galton primo de Darwin (o mesmo que tentava provar a hereditariedade leve cortando a cauda de ratos) fundou um laboratório de eugenia. Foi ele que cunhou o termo eugenia que significa “bom nascimento” . Tentava mudar os habitus de reprodução dos seres humanos. Se era possível demonstrar que inteligência, criatividade, criminalidade, insanidade ou preguiça eram traços de família, então, fazia sentido encorajar os bons a terem mais filhos (eugenia positiva) e evitar que os maus tivessem filhos ( eugenia negativa). Como tudo, os estudos genéticos podem servir para promover avanços em muitas áreas ou então para justificar atos desumanos como os que ocorreram durante a 2ª Guerra Mundial.

×