O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Figado em foco

27 visualizações

Publicada em

A doença hepática gordurosa não alcoólica está associada à inatividade física, obesidade e síndrome metabólica.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Figado em foco

  1. 1. GORDURA ESTEATOSE HEPÁTICA (FIGADO) EM FOCO; DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA: OPINIÃO DE ESPECIALISTAS ENDOCRINOLOGISTAS. A DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA É CARACTERIZADA PELO ACÚMULO EXCESSIVO DE GORDURA NO FÍGADO (ESTEATOSE HEPÁTICA). A ESTEATO-HEPATITE NÃO ALCOÓLICA É CARACTERIZADA POR GORDURA (ESTEATOSE), LESÃO DE CÉLULAS HEPÁTICAS E INFLAMAÇÃO. FISIOLOGIA–ENDOCRINOLOGIA–NEUROCIÊNCIA- ENDÓCRINA (NEUROENDOCRINOLOGIA) – GENÉTICA–ENDÓCRINO- PEDIATRIA E AUXOLOGIA (SUBDIVISÕES DA ENDOCRINOLOGIA): DR. CAIO JR., JOÃO SANTOS ET DRA. CAIO, HENRIQUETA VERLANGIERI. Um dos problemas mais graves da obesidade e mesmo do sobrepeso, obesidade intra- abdominal, obesidade visceral e obesidade central, é o acúmulo de gordura não utilizada como energética que obviamente vai para a reserva para utilização futura, que quando se acumula por excesso de ingestão, se acumula em todo o corpo, teoricamente por igual, sendo que em cavidades esses acumulos são mais evidentes como no caso de obesidade visceral, intra-abdominal, mas o primeiro lugar transformador é o fígado, responsável pela distribuição primária. O mecanismo da doença hepática gordurosa não alcoólica é desconhecido, mas envolve o desenvolvimento de resistência à insulina, esteatose hepática, citocinas inflamatórias e estresse oxidativo. A doença hepática gordurosa não alcoólica está associada à inatividade física, obesidade e síndrome metabólica. O rastreio não é recomendado na população em geral. Além dos diversos tipos de obesidade que acaba desencadeando uma série de problemas cardiorespiratório que praticamente compromete nossos ôrgãos nobres, inclusive nosso próprio comando geral que é o cérebro. A sindrome clássica de comprometimento metabólico, isto é, A síndrome metabólica é o termo médico para uma combinação de diabetes, pressão alta e obesidade, e dislipidemia (colesterol e frações). Isso coloca você em maior risco de contrair doença coronariana , derrame e outras condições que afetam os vasos sanguíneos.
  2. 2. Por conta própria, diabetes, pressão alta e obesidade podem danificar os vasos sanguíneos, mas ter todos os três juntos é particularmente perigoso. São condições muito comuns que estão todas ligadas, o que explica por que a síndrome metabólica afeta cerca de uma em quatro adultos no Reino Unido, quase o dobro nos U.S.A., e no Brasil esta entre os dois paises do hemisfério norte. A síndrome metabólica pode ser diagnosticada se você tiver três ou mais dos seguintes sintomas: uma circunferência da cintura de 94 cm (37 polegadas) ou mais em homens europeus, ou 90 cm (35,5 polegadas) ou mais em homens do sul da Ásia, uma circunferência da cintura de 80cm (31,5 polegadas) ou mais em mulheres europeias e do sul da Ásia, e Americanas do Sul. Altos níveis de triglicérides (gordura no sangue) e baixos níveis de HDL ("bom" colesterol) no sangue, o que pode levar à aterosclerose (onde as artérias ficam obstruídas por substâncias gordurosas, como o colesterol), pressão alta que é consistentemente de 140 / 90mmHg ou superior. Incapacidade de controlar os níveis de açúcar no sangue (resistência à insulina), aumento do risco de desenvolver coágulos sanguíneos, como trombose venosa profunda (TVP), uma tendência para desenvolver inflamação (irritação e inchaço do tecido corporal). O seu risco é maior se tiver tido doença cardiovascular, doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) ou, nas mulheres, síndrome dos ovários policísticos (SOPQ). O diagnóstico geralmente é feito após uma descoberta incidental de elevação inexplicada dos níveis de enzimas hepáticas ou quando a esteatose é notada nos exames de imagem (por exemplo, ultrassonografia). Os pacientes geralmente são assintomáticos e o exame físico é geralmente pouco notável. Nenhum teste de laboratório é diagnóstico, mas testes de função hepática, testes de síndrome metabólica e testes para excluir outras causas de níveis anormais de enzimas hepáticas são rotineiramente realizados. Para saber mais: https://obesolow.wordpress.com/2019/02/14/gordura-esteatos-e- hepatica-figado-em-foco-doenca-hepatica-gordurosa-nao-alcoolica-opiniao-de-especialistas- endocrinologistas/

×