SlideShare uma empresa Scribd logo
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1760 –
1860)
Professor: Anderson
História
Escola Japão
INGLATERRA: BERÇO DA REVOLUÇÃO
(1760-1840)
• PIONEIRISMO BRITÂNICO, PORQUÊ?
1. SISTEMA ECONÔMICO LIBERAL INGLÊS - > Desde as revoluções do século
XVII, a burguesia inglesa estava aliada ao Estado constitucional. Desta
forma, estes apoiaram com medidas políticas e econômicas favoráveis ao
desenvolvimento do capitalismo
A agricultura inglesa já era dominada pelos capitalistas: proprietários de
terras que as utilizavam para aumentar a produção, criando excedentes a
serem comercializados para as cidades e fornecer um mecanismo de
acúmulo de capital (dinheiro) para investir nas nascentes indústrias.
Com o avanço do capital nos campos, os pequenos proprietários rurais viram-
se obrigados a abandonar suas terras  Mão-de-obra em potencial para
as indústrias nas cidades.
INGLATERRA: BERÇO DA REVOLUÇÃO
(1760-1840)
2. DOMÍNIO COLONIAL E COMERCIAL INGLÊS
Além do domínio no interior inglês, os capitalistas locais também tinham o
controle do comércio mundial: as exportações de produtos têxteis
(especialmente o algodão) ajudavam a enriquecer os comerciantes
britânicos, a partir da lógica de conseguir a matéria-prima a um preço baixo,
a partir das colônias e vendê-los por um preço alto  lucro  mecanização
da produção têxtil  enfraquecimento do sistema doméstico de produção
O Sistema Doméstico caracterizava-se pela produção manufaturada e/ou, em
pequenas quantidades, com pouca margem de lucro e feita de forma
artesanal. Lembrando sempre que antes da Revolução, não havia um
mercado consumidor de produtos baratos, o que surgirá com as colônias!
Os principais compradores dos ingleses: EUA, Portugal, Espanha e Índia. No caso
dos europeus, a Inglaterra acabou com suas influências políticas e os
transformou em dependentes do capital britânico.
INGLATERRA: BERÇO DA REVOLUÇÃO
(1760-1840)
2. DOMÍNIO COLONIAL E COMERCIAL INGLÊS
Os lucros garantiam aos capitalistas o investimento em novas invenções
tecnológicas que aprimoravam ainda mais as indústrias: Máquina de Fiar,
Tear movido a água, tear a motor, etc.
Máquina de Fiar
2º FASE DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
(1840-1860)
1. FERRO, AÇO E CARVÃO: ABUNDÂNCIA EM BENS DE CAPITAL  bens
necessários para a produção das máquinas.
Para que se pudesse produzir em grande escala, eram necessárias máquinas
maiores e mais capazes de trabalhar em grande quantidade, além de ser
necessária energia para fazê-las funcionar. Daí a importância do
desenvolvimento das indústrias de bens de capital: o carvão, fundamental
para a produção de energia; e o ferro e aço, importantes para as
montagens das máquinas, mas também para o surgimento das ferrovias,
símbolo da segunda fase da Revolução Industrial.
2º FASE DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
(1840-1860)
2. AS FERROVIAS
A Ferrovia foi o símbolo desta segunda fase: começaram a ser construídas com o
excedente de capital dos industriários e auxiliou o desenvolvimento das
indústrias
• Meio de transporte eficaz  auxiliava no carregamento de carvão entre as
minas e as indústrias. Assim como permitia o contato mais rápido.
• Meio de Comunicação  Contato mais rápido e eficiente entre diferentes
regiões da Inglaterra
• Expansão Mundial  Tecnologia exportada para o resto do mundo,a brindo
a industrialização em outras regiões e países.
• Mudança de Mentalidade das elites econômicas  as antigas elites nobres
certamente gastariam os excedentes em roupas ou construções sem
retornos financeiros. A elite burguesa optou por investir esse dinheiro em
novos tipos de produção e em enriquecer mais ainda.
O TREM: LOCOMOTIVA A VAPOR
SPINNING JENNY: Roda de fiar
MOTOR A VAPOR: Energia gerada pela
queima de carvão
TEAR MECÂNICO: Mecanização da tecelagem
com aplicação do motor a vapor
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• A VIDA PRÉ-REVOLUÇÃO
1. VIDA NO CAMPO- > Até o boom da Revolução Industrial, a maioria da
população inglesa vivia no campo, como proprietária das suas terras e
produzindo o suficiente para viver e o pouco excedente para vender em
mercados próximos – ou mesmo viver apenas da própria produção.
A produção era basicamente familiar e comunitária: ou seja, a própria
família tinha seu instrumentos de trabalho e era a própria mão-de-obra,
não havendo necessidade de trabalho assalariado. Em alguns casos, um
membro da comunidade poderia ter uma pequena fábrica, mas que
empregava apenas poucos funcionários assalariados.
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• A VIDA PRÉ-REVOLUÇÃO
2. TRADIÇÕES RELIGIOSAS-COMUNITÁRIAS E RITMO PRÓPRIO DE
TRABALHO  O Ritmo de trabalho no campo também era diferente:
ordenado pela natureza. Ou seja, o trabalho era feito de acordo com o
ritmo da natureza e das tradições da comunidade. A ideia de que o fim-
de-semana era sagrado era respeitada, além disso, quem fazia os horários
de trabalho era a própria família: se quisessem o sábado de folga, era
dada para que se pudesse acompanhar uma missa, para descansar, para
sair com amigos, etc. Enfim, o ritmo de trabalho era felxível, não havia
obrigações a cumprir rigorosamente. Mas tudo muda com as
indústrias...
DIFERENÇAS ENTRE OS TIPOS DE
PRODUÇÃO
Características:
-Trabalho manual
- Sem divisão de
tarefas
- O artesão é o dono
das ferramentas (dos
meios de produção)
Características:
- Trabalho manual
-Começa a divisão de
tarefas
- O dono da oficina é
também é dono dos
meios de produção
- Surge o trabalho
assalariado
Características:
-Trabalho mecanizado
(com máquinas)
- Trabalho assalariado
- O dono dos meios de
produção é o
empresário capitalista
NÃO SIGNIFICA DIZER QUE A INDÚSTRIA ACABOU COM OS MODOS ARTESANAIS-
DOMÉSTICOS E MANUFATUREIROS!!!!!!!!
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• DO CAMPO PARA AS CIDADES
1. ÊXODO RURAL  Nas cidades, as indústrias começam a desenvolverem-se
e precisam de mão-de-obra para realizar os duros trabalhos. Como
convencer o camponês a deixar sua produção para vender sua força de
trabalho?
• Política de Cercamentos: O governo inglês resolve delimitar os campos e
colocá-los em mãos dos grandes capitalistas. Com isso, só resta duas
opções ao camponês: submeter-se a vender sua força de trabalho ao novo
proprietário, ou ir para a cidade tentar a sorte nas fábricas. A Maioria
optou pela segunda.
• Promessas de melhores condições de vida nas cidades  Os industriais
garantiam subsídios e bons salários para os novos moradores da cidade
para trabalharem nas fábricas.
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES
1. O TRABALHO Tudo mudou para os camponeses
• Ritmo de trabalho disciplinado: o tempo de trabalho era regulado, tendo
que cumprir horas a fio o horário de trabalho, diferente do campo, onde o
trabalhador fazia seu próprio tempo;
• Punições: Os trabalhadores eram castigados caso não cumprissem as
horas de trabalho e para que obtivessem um renda razoável, tinha que
trabalhar mais de 10 horas por dia!
• Emprego de crianças e mulheres: na vida camponesa, não era incomum
mulheres e crianças trabalharem, no entanto, no ritmo industrial, tal
situação era muito pesada. Mas muitos empregadores preferiam estes
trabalhadores por serem mais baratas e menos hostis como eram os
homens adultos.
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES
2. O COTIDIANO: CONSUMO ALIMENTAR
• TRIGO E BATATA: A Batata passa a ser o consumo diário do trabalhador,
que não tem acesso ao pão pelo seu alto custo.
• CARNE: Pouco consumida também pelo custo, além disso, os
trabalhadores – vindos do campo e acostumados a eles próprios
abaterem o gado – não confiam nas carnes vendidas na cidade.
• CERVEJA: Também o custo prejudicava o seu consumo, que era visto pelos
trabalhadores – principalmente do carvão – viam seu consumo como um
“estimulante.No entanto, a maioria tinha que contentar-se com o
substituto pobre: o chá.
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES
2. O COTIDIANO: CONSUMO ALIMENTAR
“ Em 50 anos de Revolução Industrial, a participação da classe operária no
produto nacional provavelmente decresceu em relação à participação das
classes proprietárias e profissionais. O trabalhador “médio” permaneceu
muito próximo a um nível de subsistência, numa época em que se via
rodeado por evidências acerca do aumento da riqueza nacional,
transparentemente gerada, em boa parte, pelo seu trabalho, um fruto
que passava, por vias igualmente transparentes, para as mãos dos seus
patrões.” (THOMPSON, 1987, p. 184).
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES
2. O COTIDIANO: MORADIAS E VIDA
1. Moradias geminadas, cortiços, enfim, áreas inteiras de pequenos
casebres, próximas das fábricas, em condições subumanas de vida:
• Falta de água ou água impura para consumo, de saneamento básico,
superpopulação, sujeira e mau-cheiro.
• Causa: a industrialização, sem dúvida, mas também a ganância dos
grandes proprietários industriais, que viviam em regiões melhores e não
davam assistência aos seus empregados  enquanto os trabalhadores
tivessem condições de gerar lucros, estava tudo bem... Para os patrões.
• Aumento da natalidade; aumento das doenças físicas e mortes por
excesso de trabalho, dificuldades de se atingir a velhice  morria-se antes
dos 40 anos devido as péssimas condições de trabalho
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES
2. O COTIDIANO: MORADIAS E VIDA
“ Um operário pode ser facilmente reconhecido quando caminha nas ruas.
Algumas das suas juntas muito provavelmente estarão afetadas. Se suas
pernas não forem tortas. Terá os tornozelos inchados, ou um ombro mais
baixo que outro, ou os ombros projetados para frente, ou peito-de-
pombo, ou qualquer outra deformação.” (Relato de um operário aleijado.
IN: THOMPSON, 1987, p. 196-197)
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES
Relatório médico de
mortes de trabalhadores
no Distrito de Leeds, na
Inglaterra, entre 1837 e
1842. Faleceram, em 5
anos, mais de 11 mil
trabalhadores, incluindo
crianças.
Fonte: THOMPSON,
1987, p.192.
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES
2. O COTIDIANO: INFÂNCIA
• Intensificação do trabalho infantil: não era uma novidade, pois na
economia comunitária, as crianças também trabalhavam, mas dividiam
seu tempo também com brincadeiras e jogos. Nas fábricas, a crianças só
trabalham, trabalham e trabalham...
• A criança tinha que ajudar a sustentar a família com seu salário.
• Alguma atenção de grupos de elites as situações vividas pelas crianças nas
fábricas, mas a grande maioria pouco se preocupava  ausência de
humanitarismo
• Somente na virada dos séculos XIX para o XX é que as crianças começam a
ser retiradas das fábricas e colocadas nas escolas. Muito deve-se aos
movimentos operários em defesa da redução da jornada de trabalho e
extinção das mesmas para os jovens.
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES
Relato sobre a chegada de crianças para o trabalho:
“ Um vizinho me sugeriu que recomendasse ao Comitê passar pela ponte de
Leeds, às 5:30 da manhã, quando estão chegando as crianças pobres da
fábrica, o que lhes permitiria recolher, numa única hora, mais evidências
do que em sete anos de pesquisas. Vi algumas crianças correndo para a
fábrica, com lágrimas nos olhos, levando um pedaço de pão nas mãos, seu
único alimento até o meio-dia, chorando por medo de estarem muito
atrasadas.”
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• DIVISÃO SOCIAL CLÁSSICA (MAS NÃO SÃO AS
ÚNICAS CLASSES PÓS-REVOLUÇÃO!)
FONTE:
PROJETO
ARARIBÁ 8,
2007, p. 71.
O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
• DESENVOLVIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA
INGLESA
FONTE:
PROJETO
ARARIBÁ 8,
2007, p. 83.
A INGLATERRA
DURANTE A
REVOLUÇÃO:
Aumento
populacional nas
grandes cidades
como Londres e
Manchester.
Áreas concentram
indústrias de açõ,
carvão, ferro e
têxtil, além de
Londres e
Liverpool serem
cidades portuárias.
O Trabalho em
uma fábrica de
sapatos.
O trabalho do
proprietário:
controlar e
contabilizar os
ganhos da sua
fábrica
Interior de uma
tecelagem
Trabalhadores de
uma mina de
carvão.
A Revolução
Industrial
inaugurou a
especialização e a
divisão de tarefas
entre os
empregados.
Uma pintura
representando um
bairro operário: é
possível notar que
o artista buscou
representar a
pobreza extrema, a
superpopulação e
as moradias
precárias.
Exemplo de
Cortiço: moradia
comum na
Inglaterra do
século XIX, local
com casebres
pequenos em que
moravam mais de
6 pessoas, com um
pátio onde havia o
convívio social
entre os
trabalhadores
quandso não
estavam na
fábrica.
Representação do
êxodo Rural.
Vista aérea de uma
típica cidade
industrial inglesa.
Crianças nas
fábricas.
A criança em uma
mina de carvão.
CONCLUINDO...
A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL SÓ É ASSIM CHAMADA PORQUE
REPRESENTOU UMA MUDANÇA RADICAL NAS FORMAS DE PRODUÇÃO:
NÃO SE FABRICA MAIS POUCO, E PARA POUCOS: A POSSIBILIDADE DE
PRODUZIR ALGO DE FORMA QUASE ILIMITADA É A MARCA DA NOVA
ECONOMIA CAPITALISTA. E TAIS MUDANÇAS AINDA SEGUEM. A
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL, PENSADA COMO FORMA DE PRODUÇÃO DE
MERCADORIAS E SERVIÇOS CONSTANTE AINDA EXISTE. DEVEMOS,
NO ENTANTO, NOS QUESTIONAR QUANTO AOS SEUS CUSTOS
HUMANOS, QUANTO AO SUOR DE MILHARES DE PESSOAS QUE
RECEBERAM MUITO POUCO EM TROCA PELO SEU TRABALHO EM
FAVOR DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLÓGICO DO
MUNDO.
BIBLIOGRAFIA
HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções: 1789-1848. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 2008 (1977).
PROJETO ARARIBÁ. Ensino fundamental de nove anos:
oitavo ano. São Paulo: Moderna, 2007.
SILVA, K.; SILVA, M. Dicionário de Conceitos Históricos. São
Paulo: Contexto, 2010.
THOMPSON, E.P. A Formação da classe operária inglesa.
Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. Vol. II: A maldição de
Adão.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Colonialismo E Imperialismo
Colonialismo E ImperialismoColonialismo E Imperialismo
Colonialismo E Imperialismo
Carlos Vieira
 
Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução
Paulo Roberto
 
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismoSéc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Douglas Barraqui
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
Tamires Santos
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
Lucas Reis
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
Eduard Henry
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
Priscila Azeredo
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
Daniel Alves Bronstrup
 
1 guerra
1 guerra1 guerra
1 guerra
cattonia
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
Jornal Ovale
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
1 primeira guerra mundial
1   primeira guerra mundial 1   primeira guerra mundial
1 primeira guerra mundial
Marilia Pimentel
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
Fátima da História
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
Profdaltonjunior
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
Aulas de História
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Acessa Esterina
 
A primeira guerra mundial slides
A primeira guerra mundial   slidesA primeira guerra mundial   slides
A primeira guerra mundial slides
Juliana_hst
 
Comunismo & Capitalismo
Comunismo & CapitalismoComunismo & Capitalismo
Comunismo & Capitalismo
Alexandra Pereira
 
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinasMarqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
DeaaSouza
 

Mais procurados (20)

Colonialismo E Imperialismo
Colonialismo E ImperialismoColonialismo E Imperialismo
Colonialismo E Imperialismo
 
Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução
 
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismoSéc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
1 guerra
1 guerra1 guerra
1 guerra
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
1 primeira guerra mundial
1   primeira guerra mundial 1   primeira guerra mundial
1 primeira guerra mundial
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A primeira guerra mundial slides
A primeira guerra mundial   slidesA primeira guerra mundial   slides
A primeira guerra mundial slides
 
Comunismo & Capitalismo
Comunismo & CapitalismoComunismo & Capitalismo
Comunismo & Capitalismo
 
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinasMarqês de Pombal e as reformas pombalinas
Marqês de Pombal e as reformas pombalinas
 

Destaque

Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
Carlos Pinheiro
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
Hary Duarte
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Guilherme Drumond
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Ana Batista
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
Ana Batista
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
Alex Ferreira dos Santos
 
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino FundamentalRevolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
Alinnie Moreira
 
RevoluçãO Industrial
RevoluçãO IndustrialRevoluçãO Industrial
RevoluçãO Industrial
Sílvia Mendonça
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Isabel Aguiar
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Franciny Wagner da Silva
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
Patrícia Costa Grigório
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Bianca Spaler
 
InovaçõEs AgríColas E Aumento Da Produtividade
InovaçõEs AgríColas E Aumento Da ProdutividadeInovaçõEs AgríColas E Aumento Da Produtividade
InovaçõEs AgríColas E Aumento Da Produtividade
crie_historia8
 
La revolución industrial
La revolución industrialLa revolución industrial
La revolución industrial
Jesús Bartolomé Martín
 
Taxa mortalidade
Taxa mortalidadeTaxa mortalidade
Taxa mortalidade
Diabzie
 
Alta idade média
Alta idade médiaAlta idade média
Alta idade média
nilohistoria
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Marcos Venicios
 
Revolucion Industrial
Revolucion IndustrialRevolucion Industrial
Revolucion Industrial
itzelita.91
 

Destaque (20)

Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
 
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino FundamentalRevolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
 
RevoluçãO Industrial
RevoluçãO IndustrialRevoluçãO Industrial
RevoluçãO Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
InovaçõEs AgríColas E Aumento Da Produtividade
InovaçõEs AgríColas E Aumento Da ProdutividadeInovaçõEs AgríColas E Aumento Da Produtividade
InovaçõEs AgríColas E Aumento Da Produtividade
 
La revolución industrial
La revolución industrialLa revolución industrial
La revolución industrial
 
Taxa mortalidade
Taxa mortalidadeTaxa mortalidade
Taxa mortalidade
 
Alta idade média
Alta idade médiaAlta idade média
Alta idade média
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolucion Industrial
Revolucion IndustrialRevolucion Industrial
Revolucion Industrial
 

Semelhante a Revolução industrial

3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
Marilia Pimentel
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
Maria Joao Feio
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptxREVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
seed
 
Slide revoluçãoo-industrial- Olivia 19.07
Slide revoluçãoo-industrial- Olivia 19.07Slide revoluçãoo-industrial- Olivia 19.07
Slide revoluçãoo-industrial- Olivia 19.07
PIBIDSolondeLucena
 
Texto Introdutório - Um Camponês na Revolução Industrial
Texto Introdutório - Um Camponês na Revolução IndustrialTexto Introdutório - Um Camponês na Revolução Industrial
Texto Introdutório - Um Camponês na Revolução Industrial
Leonardo Lira
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
NAPNE
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
Inês Alexandre
 
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofaturaRevolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Gerson Francisco de Moraes
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Luise Moura
 
Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
 Revolução Industrial - www.carloszaranza.com Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
Carlos Zaranza
 
Revolução Industrial
Revolução Industrial Revolução Industrial
Revolução Industrial
paramore146
 
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
Ricardo Diniz campos
 
Revolução industrial cruzadinha
Revolução industrial cruzadinhaRevolução industrial cruzadinha
Revolução industrial cruzadinha
Atividades Diversas Cláudia
 
Rev industrial
Rev industrialRev industrial
Rev industrial
Norma Almeida
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Zeze Silva
 
Revolução industrial cruzadinha
Revolução industrial cruzadinhaRevolução industrial cruzadinha
Revolução industrial cruzadinha
Atividades Diversas Cláudia
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
Sarah Guimarães Portela
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
HitaloSantos8
 
A acumulação primitiva de capital
A acumulação primitiva de capitalA acumulação primitiva de capital
A acumulação primitiva de capital
André Augusto da Fonseca
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
ProfMario De Mori
 

Semelhante a Revolução industrial (20)

3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptxREVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
 
Slide revoluçãoo-industrial- Olivia 19.07
Slide revoluçãoo-industrial- Olivia 19.07Slide revoluçãoo-industrial- Olivia 19.07
Slide revoluçãoo-industrial- Olivia 19.07
 
Texto Introdutório - Um Camponês na Revolução Industrial
Texto Introdutório - Um Camponês na Revolução IndustrialTexto Introdutório - Um Camponês na Revolução Industrial
Texto Introdutório - Um Camponês na Revolução Industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
 
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofaturaRevolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
Revolução indústrial artesanato, manufatura e maquinofatura
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
 Revolução Industrial - www.carloszaranza.com Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
 
Revolução Industrial
Revolução Industrial Revolução Industrial
Revolução Industrial
 
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
 
Revolução industrial cruzadinha
Revolução industrial cruzadinhaRevolução industrial cruzadinha
Revolução industrial cruzadinha
 
Rev industrial
Rev industrialRev industrial
Rev industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industrial cruzadinha
Revolução industrial cruzadinhaRevolução industrial cruzadinha
Revolução industrial cruzadinha
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
A acumulação primitiva de capital
A acumulação primitiva de capitalA acumulação primitiva de capital
A acumulação primitiva de capital
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
 

Mais de Anderson Torres

Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Anderson Torres
 
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Anderson Torres
 
Democracia e direitos
Democracia e direitosDemocracia e direitos
Democracia e direitos
Anderson Torres
 
Características em comum das religiões
Características em comum das religiõesCaracterísticas em comum das religiões
Características em comum das religiões
Anderson Torres
 
Jogo da guerra fria
Jogo da guerra friaJogo da guerra fria
Jogo da guerra fria
Anderson Torres
 
Ditadura militar brasileira (1964 1985)
Ditadura militar brasileira (1964 1985)Ditadura militar brasileira (1964 1985)
Ditadura militar brasileira (1964 1985)
Anderson Torres
 
Muro de Berlim (1961-1989)
Muro de Berlim (1961-1989)Muro de Berlim (1961-1989)
Muro de Berlim (1961-1989)
Anderson Torres
 
Cidadania no brasil república pre 30
Cidadania no brasil república pre 30Cidadania no brasil república pre 30
Cidadania no brasil república pre 30
Anderson Torres
 
Aparelho repressivo Ditadura Civil-Militar brasileira (1964-1985)
Aparelho repressivo Ditadura Civil-Militar brasileira (1964-1985)Aparelho repressivo Ditadura Civil-Militar brasileira (1964-1985)
Aparelho repressivo Ditadura Civil-Militar brasileira (1964-1985)
Anderson Torres
 
Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIX
Anderson Torres
 
Processo de independência do brasil
Processo de independência do brasil Processo de independência do brasil
Processo de independência do brasil
Anderson Torres
 
A revolução francesa em imagens
A revolução francesa em imagensA revolução francesa em imagens
A revolução francesa em imagens
Anderson Torres
 
Mapas da colonização europeia no século XIX
Mapas da colonização europeia no século XIXMapas da colonização europeia no século XIX
Mapas da colonização europeia no século XIXAnderson Torres
 
I guerra mundial
I guerra mundialI guerra mundial
I guerra mundial
Anderson Torres
 
2ª guerra mundial
2ª guerra mundial2ª guerra mundial
2ª guerra mundial
Anderson Torres
 

Mais de Anderson Torres (15)

Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
 
Democracia e direitos
Democracia e direitosDemocracia e direitos
Democracia e direitos
 
Características em comum das religiões
Características em comum das religiõesCaracterísticas em comum das religiões
Características em comum das religiões
 
Jogo da guerra fria
Jogo da guerra friaJogo da guerra fria
Jogo da guerra fria
 
Ditadura militar brasileira (1964 1985)
Ditadura militar brasileira (1964 1985)Ditadura militar brasileira (1964 1985)
Ditadura militar brasileira (1964 1985)
 
Muro de Berlim (1961-1989)
Muro de Berlim (1961-1989)Muro de Berlim (1961-1989)
Muro de Berlim (1961-1989)
 
Cidadania no brasil república pre 30
Cidadania no brasil república pre 30Cidadania no brasil república pre 30
Cidadania no brasil república pre 30
 
Aparelho repressivo Ditadura Civil-Militar brasileira (1964-1985)
Aparelho repressivo Ditadura Civil-Militar brasileira (1964-1985)Aparelho repressivo Ditadura Civil-Militar brasileira (1964-1985)
Aparelho repressivo Ditadura Civil-Militar brasileira (1964-1985)
 
Escravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIXEscravidão no Brasil do século XIX
Escravidão no Brasil do século XIX
 
Processo de independência do brasil
Processo de independência do brasil Processo de independência do brasil
Processo de independência do brasil
 
A revolução francesa em imagens
A revolução francesa em imagensA revolução francesa em imagens
A revolução francesa em imagens
 
Mapas da colonização europeia no século XIX
Mapas da colonização europeia no século XIXMapas da colonização europeia no século XIX
Mapas da colonização europeia no século XIX
 
I guerra mundial
I guerra mundialI guerra mundial
I guerra mundial
 
2ª guerra mundial
2ª guerra mundial2ª guerra mundial
2ª guerra mundial
 

Revolução industrial

  • 1. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1760 – 1860) Professor: Anderson História Escola Japão
  • 2. INGLATERRA: BERÇO DA REVOLUÇÃO (1760-1840) • PIONEIRISMO BRITÂNICO, PORQUÊ? 1. SISTEMA ECONÔMICO LIBERAL INGLÊS - > Desde as revoluções do século XVII, a burguesia inglesa estava aliada ao Estado constitucional. Desta forma, estes apoiaram com medidas políticas e econômicas favoráveis ao desenvolvimento do capitalismo A agricultura inglesa já era dominada pelos capitalistas: proprietários de terras que as utilizavam para aumentar a produção, criando excedentes a serem comercializados para as cidades e fornecer um mecanismo de acúmulo de capital (dinheiro) para investir nas nascentes indústrias. Com o avanço do capital nos campos, os pequenos proprietários rurais viram- se obrigados a abandonar suas terras  Mão-de-obra em potencial para as indústrias nas cidades.
  • 3. INGLATERRA: BERÇO DA REVOLUÇÃO (1760-1840) 2. DOMÍNIO COLONIAL E COMERCIAL INGLÊS Além do domínio no interior inglês, os capitalistas locais também tinham o controle do comércio mundial: as exportações de produtos têxteis (especialmente o algodão) ajudavam a enriquecer os comerciantes britânicos, a partir da lógica de conseguir a matéria-prima a um preço baixo, a partir das colônias e vendê-los por um preço alto  lucro  mecanização da produção têxtil  enfraquecimento do sistema doméstico de produção O Sistema Doméstico caracterizava-se pela produção manufaturada e/ou, em pequenas quantidades, com pouca margem de lucro e feita de forma artesanal. Lembrando sempre que antes da Revolução, não havia um mercado consumidor de produtos baratos, o que surgirá com as colônias! Os principais compradores dos ingleses: EUA, Portugal, Espanha e Índia. No caso dos europeus, a Inglaterra acabou com suas influências políticas e os transformou em dependentes do capital britânico.
  • 4. INGLATERRA: BERÇO DA REVOLUÇÃO (1760-1840) 2. DOMÍNIO COLONIAL E COMERCIAL INGLÊS Os lucros garantiam aos capitalistas o investimento em novas invenções tecnológicas que aprimoravam ainda mais as indústrias: Máquina de Fiar, Tear movido a água, tear a motor, etc. Máquina de Fiar
  • 5. 2º FASE DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1840-1860) 1. FERRO, AÇO E CARVÃO: ABUNDÂNCIA EM BENS DE CAPITAL  bens necessários para a produção das máquinas. Para que se pudesse produzir em grande escala, eram necessárias máquinas maiores e mais capazes de trabalhar em grande quantidade, além de ser necessária energia para fazê-las funcionar. Daí a importância do desenvolvimento das indústrias de bens de capital: o carvão, fundamental para a produção de energia; e o ferro e aço, importantes para as montagens das máquinas, mas também para o surgimento das ferrovias, símbolo da segunda fase da Revolução Industrial.
  • 6. 2º FASE DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1840-1860) 2. AS FERROVIAS A Ferrovia foi o símbolo desta segunda fase: começaram a ser construídas com o excedente de capital dos industriários e auxiliou o desenvolvimento das indústrias • Meio de transporte eficaz  auxiliava no carregamento de carvão entre as minas e as indústrias. Assim como permitia o contato mais rápido. • Meio de Comunicação  Contato mais rápido e eficiente entre diferentes regiões da Inglaterra • Expansão Mundial  Tecnologia exportada para o resto do mundo,a brindo a industrialização em outras regiões e países. • Mudança de Mentalidade das elites econômicas  as antigas elites nobres certamente gastariam os excedentes em roupas ou construções sem retornos financeiros. A elite burguesa optou por investir esse dinheiro em novos tipos de produção e em enriquecer mais ainda.
  • 9. MOTOR A VAPOR: Energia gerada pela queima de carvão
  • 10. TEAR MECÂNICO: Mecanização da tecelagem com aplicação do motor a vapor
  • 11. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • A VIDA PRÉ-REVOLUÇÃO 1. VIDA NO CAMPO- > Até o boom da Revolução Industrial, a maioria da população inglesa vivia no campo, como proprietária das suas terras e produzindo o suficiente para viver e o pouco excedente para vender em mercados próximos – ou mesmo viver apenas da própria produção. A produção era basicamente familiar e comunitária: ou seja, a própria família tinha seu instrumentos de trabalho e era a própria mão-de-obra, não havendo necessidade de trabalho assalariado. Em alguns casos, um membro da comunidade poderia ter uma pequena fábrica, mas que empregava apenas poucos funcionários assalariados.
  • 12. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • A VIDA PRÉ-REVOLUÇÃO 2. TRADIÇÕES RELIGIOSAS-COMUNITÁRIAS E RITMO PRÓPRIO DE TRABALHO  O Ritmo de trabalho no campo também era diferente: ordenado pela natureza. Ou seja, o trabalho era feito de acordo com o ritmo da natureza e das tradições da comunidade. A ideia de que o fim- de-semana era sagrado era respeitada, além disso, quem fazia os horários de trabalho era a própria família: se quisessem o sábado de folga, era dada para que se pudesse acompanhar uma missa, para descansar, para sair com amigos, etc. Enfim, o ritmo de trabalho era felxível, não havia obrigações a cumprir rigorosamente. Mas tudo muda com as indústrias...
  • 13. DIFERENÇAS ENTRE OS TIPOS DE PRODUÇÃO Características: -Trabalho manual - Sem divisão de tarefas - O artesão é o dono das ferramentas (dos meios de produção) Características: - Trabalho manual -Começa a divisão de tarefas - O dono da oficina é também é dono dos meios de produção - Surge o trabalho assalariado Características: -Trabalho mecanizado (com máquinas) - Trabalho assalariado - O dono dos meios de produção é o empresário capitalista NÃO SIGNIFICA DIZER QUE A INDÚSTRIA ACABOU COM OS MODOS ARTESANAIS- DOMÉSTICOS E MANUFATUREIROS!!!!!!!!
  • 14. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • DO CAMPO PARA AS CIDADES 1. ÊXODO RURAL  Nas cidades, as indústrias começam a desenvolverem-se e precisam de mão-de-obra para realizar os duros trabalhos. Como convencer o camponês a deixar sua produção para vender sua força de trabalho? • Política de Cercamentos: O governo inglês resolve delimitar os campos e colocá-los em mãos dos grandes capitalistas. Com isso, só resta duas opções ao camponês: submeter-se a vender sua força de trabalho ao novo proprietário, ou ir para a cidade tentar a sorte nas fábricas. A Maioria optou pela segunda. • Promessas de melhores condições de vida nas cidades  Os industriais garantiam subsídios e bons salários para os novos moradores da cidade para trabalharem nas fábricas.
  • 15. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES 1. O TRABALHO Tudo mudou para os camponeses • Ritmo de trabalho disciplinado: o tempo de trabalho era regulado, tendo que cumprir horas a fio o horário de trabalho, diferente do campo, onde o trabalhador fazia seu próprio tempo; • Punições: Os trabalhadores eram castigados caso não cumprissem as horas de trabalho e para que obtivessem um renda razoável, tinha que trabalhar mais de 10 horas por dia! • Emprego de crianças e mulheres: na vida camponesa, não era incomum mulheres e crianças trabalharem, no entanto, no ritmo industrial, tal situação era muito pesada. Mas muitos empregadores preferiam estes trabalhadores por serem mais baratas e menos hostis como eram os homens adultos.
  • 16. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES 2. O COTIDIANO: CONSUMO ALIMENTAR • TRIGO E BATATA: A Batata passa a ser o consumo diário do trabalhador, que não tem acesso ao pão pelo seu alto custo. • CARNE: Pouco consumida também pelo custo, além disso, os trabalhadores – vindos do campo e acostumados a eles próprios abaterem o gado – não confiam nas carnes vendidas na cidade. • CERVEJA: Também o custo prejudicava o seu consumo, que era visto pelos trabalhadores – principalmente do carvão – viam seu consumo como um “estimulante.No entanto, a maioria tinha que contentar-se com o substituto pobre: o chá.
  • 17. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES 2. O COTIDIANO: CONSUMO ALIMENTAR “ Em 50 anos de Revolução Industrial, a participação da classe operária no produto nacional provavelmente decresceu em relação à participação das classes proprietárias e profissionais. O trabalhador “médio” permaneceu muito próximo a um nível de subsistência, numa época em que se via rodeado por evidências acerca do aumento da riqueza nacional, transparentemente gerada, em boa parte, pelo seu trabalho, um fruto que passava, por vias igualmente transparentes, para as mãos dos seus patrões.” (THOMPSON, 1987, p. 184).
  • 18. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES 2. O COTIDIANO: MORADIAS E VIDA 1. Moradias geminadas, cortiços, enfim, áreas inteiras de pequenos casebres, próximas das fábricas, em condições subumanas de vida: • Falta de água ou água impura para consumo, de saneamento básico, superpopulação, sujeira e mau-cheiro. • Causa: a industrialização, sem dúvida, mas também a ganância dos grandes proprietários industriais, que viviam em regiões melhores e não davam assistência aos seus empregados  enquanto os trabalhadores tivessem condições de gerar lucros, estava tudo bem... Para os patrões. • Aumento da natalidade; aumento das doenças físicas e mortes por excesso de trabalho, dificuldades de se atingir a velhice  morria-se antes dos 40 anos devido as péssimas condições de trabalho
  • 19. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES 2. O COTIDIANO: MORADIAS E VIDA “ Um operário pode ser facilmente reconhecido quando caminha nas ruas. Algumas das suas juntas muito provavelmente estarão afetadas. Se suas pernas não forem tortas. Terá os tornozelos inchados, ou um ombro mais baixo que outro, ou os ombros projetados para frente, ou peito-de- pombo, ou qualquer outra deformação.” (Relato de um operário aleijado. IN: THOMPSON, 1987, p. 196-197)
  • 20. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES Relatório médico de mortes de trabalhadores no Distrito de Leeds, na Inglaterra, entre 1837 e 1842. Faleceram, em 5 anos, mais de 11 mil trabalhadores, incluindo crianças. Fonte: THOMPSON, 1987, p.192.
  • 21. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES 2. O COTIDIANO: INFÂNCIA • Intensificação do trabalho infantil: não era uma novidade, pois na economia comunitária, as crianças também trabalhavam, mas dividiam seu tempo também com brincadeiras e jogos. Nas fábricas, a crianças só trabalham, trabalham e trabalham... • A criança tinha que ajudar a sustentar a família com seu salário. • Alguma atenção de grupos de elites as situações vividas pelas crianças nas fábricas, mas a grande maioria pouco se preocupava  ausência de humanitarismo • Somente na virada dos séculos XIX para o XX é que as crianças começam a ser retiradas das fábricas e colocadas nas escolas. Muito deve-se aos movimentos operários em defesa da redução da jornada de trabalho e extinção das mesmas para os jovens.
  • 22. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • A (DIFÍCIL) VIDA NA FÁBRICA E NAS CIDADES Relato sobre a chegada de crianças para o trabalho: “ Um vizinho me sugeriu que recomendasse ao Comitê passar pela ponte de Leeds, às 5:30 da manhã, quando estão chegando as crianças pobres da fábrica, o que lhes permitiria recolher, numa única hora, mais evidências do que em sete anos de pesquisas. Vi algumas crianças correndo para a fábrica, com lágrimas nos olhos, levando um pedaço de pão nas mãos, seu único alimento até o meio-dia, chorando por medo de estarem muito atrasadas.”
  • 23. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • DIVISÃO SOCIAL CLÁSSICA (MAS NÃO SÃO AS ÚNICAS CLASSES PÓS-REVOLUÇÃO!) FONTE: PROJETO ARARIBÁ 8, 2007, p. 71.
  • 24. O IMPACTO HUMANO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL • DESENVOLVIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA INGLESA FONTE: PROJETO ARARIBÁ 8, 2007, p. 83.
  • 25. A INGLATERRA DURANTE A REVOLUÇÃO: Aumento populacional nas grandes cidades como Londres e Manchester. Áreas concentram indústrias de açõ, carvão, ferro e têxtil, além de Londres e Liverpool serem cidades portuárias.
  • 26. O Trabalho em uma fábrica de sapatos.
  • 27. O trabalho do proprietário: controlar e contabilizar os ganhos da sua fábrica
  • 30. A Revolução Industrial inaugurou a especialização e a divisão de tarefas entre os empregados.
  • 31. Uma pintura representando um bairro operário: é possível notar que o artista buscou representar a pobreza extrema, a superpopulação e as moradias precárias.
  • 32. Exemplo de Cortiço: moradia comum na Inglaterra do século XIX, local com casebres pequenos em que moravam mais de 6 pessoas, com um pátio onde havia o convívio social entre os trabalhadores quandso não estavam na fábrica.
  • 34. Vista aérea de uma típica cidade industrial inglesa.
  • 36. A criança em uma mina de carvão.
  • 37. CONCLUINDO... A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL SÓ É ASSIM CHAMADA PORQUE REPRESENTOU UMA MUDANÇA RADICAL NAS FORMAS DE PRODUÇÃO: NÃO SE FABRICA MAIS POUCO, E PARA POUCOS: A POSSIBILIDADE DE PRODUZIR ALGO DE FORMA QUASE ILIMITADA É A MARCA DA NOVA ECONOMIA CAPITALISTA. E TAIS MUDANÇAS AINDA SEGUEM. A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL, PENSADA COMO FORMA DE PRODUÇÃO DE MERCADORIAS E SERVIÇOS CONSTANTE AINDA EXISTE. DEVEMOS, NO ENTANTO, NOS QUESTIONAR QUANTO AOS SEUS CUSTOS HUMANOS, QUANTO AO SUOR DE MILHARES DE PESSOAS QUE RECEBERAM MUITO POUCO EM TROCA PELO SEU TRABALHO EM FAVOR DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLÓGICO DO MUNDO.
  • 38. BIBLIOGRAFIA HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções: 1789-1848. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008 (1977). PROJETO ARARIBÁ. Ensino fundamental de nove anos: oitavo ano. São Paulo: Moderna, 2007. SILVA, K.; SILVA, M. Dicionário de Conceitos Históricos. São Paulo: Contexto, 2010. THOMPSON, E.P. A Formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. Vol. II: A maldição de Adão.